Você está na página 1de 3

Análise

Moisés Toledo

11 de abril de 2012

Solução de exercícios: 8.1 – 8.7 - Seção 8

Exercício 1. O cone C = {(x, y, z) R 2 ; z R 2 .

Demonstração.

0, x 2 + y 2 z 2 = 0} é homeomorfo a

(i)

Seja a função bijetiva

ϕ :

C

−→

 

(t · cos θ, t · sin θ, t)

−→

(t,

(ii)

A inversa fica definida

R 2

tan( x

2

π ))

2

ϕ 1 :

R 2

(t, µ)

−→

−→

C (t · cos(π + 2 arctan µ), t · sin(π + 2 arctan µ), t)

+ 2 arctan µ ) , t · sin( π + 2 arctan µ ) ,

Exercício 2. Estabeleça um homeomorfismo entre R n+1 − {0} e S n × R.

Demonstração.

(i)

Seja a função bijetiva

 

ϕ : R n+1 − { 0 } −→

x

−→

(ii)

A inversa fica definida

ϕ 1 : S n × R −→

−→

(z, t)

Universidade Federal da Paraíba

S n × R

( |x| , ln |x|)

x

R n+1 − {0} e t · z

2

2 Exercício 3. Para cada c > 0 , o hiperboloide de revolução H = {

Exercício 3. Para cada c > 0, o hiperboloide de revolução H = {(x, y, z) R 2 ; x 2 + y 2 z 2 = c} é homeomorfo a S 1 × R

Demonstração.

(i)

Seja a função bijetiva

 

ϕ

:

S 1 × R (cos θ, sin θ, t)

−→

H

 

−→

( c cosh(t) cos θ, c cosh(t) sin θ, c sinh(t))

(ii)

A inversa fica definida

 

ϕ 1 :

H ( c cosh(t) cos θ, c cosh(t) sin θ, c sinh(t))

−→

−→

S 1 × R (cos θ, sin θ, t)

t )) −→ −→ S 1 × R (cos θ, sin θ, t ) Exercício 4.

Exercício 4. O quadrante P = {(x, y) R 2 ; x 0, y 0} é homeomorfo ao semi- plano superior S = {(x, y) R 2 ; y 0}.

Demonstração.

(i)

Seja a função bijetiva

 

ϕ :

P

−→

S

 

(x, y)

−→

(ln x, y)

(ii)

A inversa fica definida

 

ϕ 1 :

S

−→

P

 

(x, y)

−→

(e x , y)

−→ P   ( x, y ) −→ ( e x , y ) Exercício 5.

Exercício 5. Os conjuntos X = {(x, y) R 2 ; y = 0, 0 < x < 1} e Y = {(x, y) R 2 ; y = 0} são homeomorfos mas não existe um homeomorfismo h : R 2 R 2 tal que h(X) = Y .

Demonstração.

(i) Seja a função bijetiva

ϕ :

X

(x, 0)

−→

−→

Y (tan(πx π ), 0)

2

3

(ii) A inversa fica definida

ϕ 1 :

Y

−→

(x, 0)

−→

X ( 1 2 + π · arctan(x))

1

(iii) Não existe um homeomorfismo h : R 2 R 2 tal que h(X) = Y pois se as- sim fora, então como h([0, 1], 0) é compacto, em particular é limitado, dai como h((0, 1), 0) h([0, 1], 0) então h((0, 1), 0) é limitado o qual é uma contradição ao fato que h((0, 1), 0) não é limitado.

ao fato que h ((0 , 1) , 0) não é limitado. Exercício 6. Estabeleça um

Exercício 6. Estabeleça um homeomorfismo entre os conjuntos X = {x R n ; 0 < |x| ≤ 1} (bola unitária fechada menos a origem) e Y = {y R n ; |y| ≥ 1} (comple- mentar da bola unitária aberta).

Demonstração.

(i)

Seja a função bijetiva

 

ϕ :

X

−→

 

Y

 

x

−→

e

1

|x| 1 · x

|x|

(ii)

A inversa fica definida

 

ϕ 1 :

Y

y

−→

−→

X

y

|y(ln(|y|)+1)

Y y −→ −→ X y | y |· (ln( | y | )+1) Exercício 7.

Exercício 7. A figura 8 é a reunião de dois círculos tangentes externamente em R 2 . Defina uma bijeção contínua de R sobre a figura 8 e mostre que sua inversa é descontínua.

Demonstração. Sejam c, a > 0 números reais fixos, e T o gráfico da figura oito (lemniscata).

(i)

Seja a função bijetiva

 

ϕ :

R

−→

T

 

x

−→

(x, cx(a 2 x 2 ) 1/2 )

(ii)

A inversa não fica definida em (0, 0).

x −→ ( x, cx ( a 2 − x 2 ) 1 / 2 )