ARTE ROMANA

Grupo: Alexandre Homrich, Antonio Lopes, Filipe França, Guilherme Barbosa e Lorenna Monteiro. Turma: 2º ano “A” Disciplina: Artes Professora: Carla

...............................06 Pintura:........................... pág..................05 Escultura:....pág...................10 .....................................................................Índice: Introdução:......................... pág..... pág............ pág..............07 Conclusão:..........09 Referências bibliográficas:............... pág.................03 Arquitetura:.

na Itália. Após dominar Cartago. já que a cidade era governada por um rei de origem patrícia. a Síria e a Palestina. Adultos. O sistema político era a monarquia. A sociedade. As províncias (regiões controladas por Roma) renderam grandes recursos para Roma. nesta época. Os senadores. A religião neste período era politeísta. a fundação de Roma resulta da mistura de três povos que foram habitar a região da Península Itálica: gregos. artesãos e pequenos proprietários ). a 27 a. era formada por patrícios ( nobres proprietários de terras ) e plebeus ( comerciantes.Introdução História Origem de Roma: explicação mitológica Os romanos explicavam a origem de sua cidade através do mito de Rômulo e Remo. Resgatados por uma loba. foram criados posteriormente por um casal de pastores. dominando a Grécia. . Desenvolveram na região uma economia baseada na agricultura e nas atividades pastoris. nas Guerras Púnicas (século III a. Segundo a mitologia romana. cuidavam das finanças públicas. A capital do Império Romano enriqueceu e a vida dos romanos mudou. retornam a cidade natal de Alba Longa e ganham terras para fundar uma nova cidade que seria Roma. de origem patrícia. o senado Romano ganhou grande poder político.C a 509 a. Nas artes destacava-se a pintura de afrescos. etruscos e italiotas. foi aprovada a Lei Licínia. A criação dos tribunos da plebe está ligada às lutas dos plebeus por uma maior participação política e melhores condições de vida. Com as conquistas. os gêmeos foram jogados no rio Tibre. a Germânia. O império romano passou a ser muito mais comercial do que agrário. Os romanos passaram a chamar o Mediterrâneo de Mare Nostrum.C) Durante o período republicano. venceram os cartagineses. que garantia a participação dos plebeus no Consulado (dois cônsules eram eleitos: um patrício e um plebeu). As atividades executivas eram exercidas pelos cônsules e pelos tribunos da plebe. porém com nomes diferentes. murais decorativos e esculturas com influências gregas. Formação e Expansão do Império Romano Após dominar toda a península itálica. pois garantiu a supremacia romana no Mar Mediterrâneo. Roma ampliou suas conquistas.C) De acordo com os historiadores. os romanos partiram para as conquistas de outros territórios. Origens de Roma: explicação histórica e Monarquia Romana (753 a.C.C). Em 367 a. a vida e a estrutura de Roma passaram por significativas mudanças. Com um exército bem preparado e muitos recursos. que os amamentou. Esta vitória foi muito importante. liderados pelo general Anibal. adotando deuses semelhantes aos dos gregos. Esta lei também acabou com a escravidão por dívidas (válida somente para cidadãos romanos). o Egito. a Macedônia.C. República Romana (509 a. Povos conquistados foram escravizados ou passaram a pagar impostos para o império. da administração e da política externa. a Gália. a Trácia.

considerados instrumentos de trabalho sem qualquer direito político.Sociedade. eram livres mas não participavam do Senado e não podiam também formar famílias legalmente reconhecidas. portadores de terra e gado. Era formada por: Patrícios: cidadãos de Roma. eram os aristocratas. . Escravos: população recrutada emtre os derrotados de guerra. Plebeus: os que passaram para o domínio romano durante as primeiras conquistas. Clientes: indivíduos subordinados a aguma família patrícia.

construções funcionais que abasteciam as casas com água proveniente das montanhas a quilômetros de distância. . os banhos públicos. as construções começaram a ser construídas com concreto. As estradas romanas também revelam técnicas sofisticadas de construção. como Quirinale. inicialmente.Arquitetura romana Roma foi um dos epicentros da arquitetura clássica. organizadas. usando o arco. As casas romanas. as ruas ficaram mais largas. eram simples. desenvolvendo novas formas como cúpulas e arcos. os cupidos eram muito populares na época. eram geométricas e longas. atrás dele. enquanto que os outros cômodos ficavam ao redor. no meio se encontrava o Atrium. No renascimento era conhecida pelos grandes palácios. Os aquedutos também merecem destaque. porém. o escritório do chefe da casa. Algumas igrejas góticas também podem ser encontradas por lá. com formas mais arredondadas. Também haviam as termas romanas. O barroco utilizava a simetria e as formas grandiosas e robustas. muito frequentados pelos romanos durante o período imperial. como a Via Appia. o Otablinium. depois vieram as românticas. no lado oposto à entrada. a altura dos prédios foi limitada e o uso de madeira foi reduzido. chamadas de Domus. Após o grande incêndio em Roma. Roma foi o berço das igrejas cristãs. As maiores são as Termas de Caracala. a residência oficial do presidente da Itália.

e um peitoral e ombros jovens e sadios. diferenciando-se da grega. o que simbolizava a força. a escultura romana se diferencia por um aspecto mais realista. Além destes. preferiam-se os bustos.Escultura romana A arte romana tem sua inspiração na grega. era a forma de levar ao povo as figuras importantes do campo político e militar. monumentos construídos para celebrar uma vitória e homenagear militares após uma conquista. além de reafirmar ideologias. a arte visual tem uma função importantíssima. Em uma sociedade de maioria analfabeta. pois tomava as cidades. é importante destacar as colunas triunfáis. retratando os homens e a sociedade. praças e edificações. Outro importante elemento escultural romano são os "arcos do triunfos". a escultura romana teve como apogeu a estátuaria. sendo a mais conhecida a Coluna de Trajano. a escultura se destacava nessas finalidades. com elaboração de uma arte voltada ao Estado. Os feitos de Trajano estão estampados ao redor da coluna em espiral. que ilustrava um homem idealizado. valorizando os homens ilustrados. Dentre os mais conhecidos estão o Arco de Tito (conquista de Jerusalém) e o de Constantino (Batalha da Ponte Mílvio). Devido a essas características. no entanto. Dentre as artes visuais. retratando a experiencia e sabedoria. . Os retratos de corpo inteiro eram raros. Um fato que chama atenção sobre os bustos romanos é a representação de uma cabeça com aspectos envelhecidos.

também chamado de fantástico. os afrescos da Farnesina são o marco fundador do Terceiro Estilo. Os materiais usados dependiam do gênero da pintura. criador do gênero paisagístico de decoração. o uso de cores quentes e vivas e liberdade nas ornamentações. até mesmo. (Quarto Estilo: Tapeçaria Comumente a pintura romana representava retratos. além de elementos da arquitetura como colunas. destacando-se Famullus (autor da decoração dos palácios de Nero). Nesse período destaca-se o pintor Studius. é livre e ornamentado. Possui influência da arte egípcia e florescimento do gênero da paisagem. aparecem cores escuras e metalinguística (pinturas dentro de pinturas). até pedra e estuque (argamassa resultante da adição de gesso. sendo esses desde madeira. Um célebre representante do Segundo Estilo está no afresco da Villa dos Mistérios. As pinturas triunfais representavam batalhas e mapas. ainda sob a influência etrusca. Cenográfico e Barroco. paisagens e arquiteturas. Caracterizase pela aplicação de cores vivas sobre reboco dividido em áreas quadrangulares em relevo. não se sabe ao certo sobre seus autores. Também eram utilizados cera. que representa algo que se assemelha a um cenário de teatro. como por exemplo: "Pintor de Télefo". A bibliografia antiga cita alguns pintores. ou ornamental. água e cal). por exemplo. tecido e marfim. A atenção se concentrava nas cenas pintadas em tetos. é considerado mais um elemento arquitetônico do que pintura propriamente dita. o Quarto Estilo. A partir de 40-30 a. mais leve e menos pomposo. focou na arte grega clássica e helenística. cinza de velas. cantaria ou incrustação é essencialmente abstrato. Caracteriza-se por composições mais assimétricas. o Segundo Estilo passou a se apresentar mais simples. caracteriza-se pelo domínio da técnica da perspectiva e tridimensionalidade. painéis de anúncio de lojas e oficinas. e esses são distinguidos por suas obras. passando a desenvolver recursos técnicos. decorando os aposentos romanos. imagens de deuses e. para modificar a .Pintura romana A arte romana. Menos disciplinado e mais caprichoso. (afresco da Villa dos Mistérios Já o Terceiro Estilo. Por isso. e assim por diante. O Segundo Estilo. paredes e chão. deu seus primeiros passos adotando o estilo linear dos gregos jônios do período arcaico. funde elementos de estilos anteriores. Abandonou os cavaletes e apoiou-se em pintura de murais. simulando blocos de pedra e suas cores e texturas. Com o Segundo Estilo se inicia a fase de maturidade da pintura romana. Após abandonar o legado etrusco. e as culturais episódios cotidianos. o "Pintor do Adônis ferido". apresentava figuras mais animadas. na pintura. comumente usado em casas romanas. Representava imagens como florais e figuras humanas. chamado também de arquitetônico. até mesmo. Domínio da técnica da profundidade.. Os pigmentos em geral eram obtidos de minerais e de essências vegetais e animais. É dividido em quatro tipos: Tapeçaria. o "Pintor de Admeto".C. (decoração palácio de Nero O Primeiro Estilo. óleo e. durante o governo de Augusto. (afresco da Farnesina Eclético. que é achatado. estéticos e simbólicos originais. Com o passar do tempo foi se distanciando dos protótipos gregos. Na transição da República para o Império a pintura romana já apresentava um estilo próprio. No século XIX o arqueólogo alemão August Mau dividiu a pintura romana em quatro estilos. Por alguns. Plana. Da grande maioria das obras.

seja precipitado caracterizá-la assim).transparência ou o brilho das cores depois de secas. na Renascença Carolíngia. resultando na pintura paleocristã. nos estilos Românico e Gótico. pouca solidez e pouca racionalidade (embora. influenciando na pintura bizantina. no Renascimento. A pintura tardo-imperial caracterizava-se pelo desprezo do rigor do prumo e do esquadro. Foi nessa fase que surgiu o cristianismo. (pintura paleocristã A pintura romana deixou um grande legado. pintura neoclássica e na arte Romântica. Conclusão . dando lugar a um desenho de linhas livres. pelo fato de existirem poucos exemplares dessa época. Destacam-se técnicas como o afresco (pinturas em paredes que frequentemente assumem formas de murais) e a encáustica (uso de cera como aglutinante dos pigmentos e uso de misturas densas e cremosas).

Os romanos preocupavam-se intensamente com aspectos voltados para a utilidade. ao século IV d. .C.A arte romana teve sua maior expressão na arquitetura. através de edificações grandiosas. Foi fortemente influenciada pela cultura e pelas crenças gregas.C. Por isso uniram o funcional à beleza. Um exemplo disso é a própria mitologia romana. a funcionalidade e a praticidade de suas obras artísticas. Se destacou no período que foi do século VIII a. muito parecida com a mitologia grega.

wikimedia.bp.jpg http://apuntes. Oxford University Press.com/-AzGNfi1Vvq0/TbtnYL0SYBI/AAAAAAAAAGM/2CBA4VidRI/s1600/incendiode+roma. In Encyclopaedia Britannica on line [1] ↑ a b c d e TOYNBEE.bigcache.cache1.quijost.jpg http://www.library.gif http://3.jpg http://harrye11.com/-CLpE0V8P2p0/TZnYUjsmExI/AAAAAAAACsQ/vIbFuRd_nKQ/s1600/Bas %25C3%25ADlica%2Bde%2BS.org/wikipedia/commons/f/f4/Roma-fontana_di_trevi.edu/adw/ADWHlights/largepix/1481ViaAppia.org/files/2010/11/image-wshiwq.jpg http://cidc.jpg http://upload. The Columbia Encyclopedia.jpg ↑ Etruscan art. Western Sculpture: Roman and Early Christian.jpg http://en.wikimedia.cornell.wikimedia.c.C ↑ KOUSSER. pp.googleapis.wikiarquitectura. Sixth Edition ↑ TOYNBEE.com/static.jpg? redirect_counter=2 http://upload.com/photos/original/61637773. 113-114 [2] .org/wikipedia/commons/f/f4/Roma-fontana_di_trevi.blogspot.jpg http://es.com/telocuento_old/web/roma/imagenes/domus_romana.%2BPedro%2B%2528Roma%2529.org/wikipedia/commons/thumb/8/86/Pompeii_atrium_reconstruction %2C_House_of_the_Vettii%2C_Boboli_Gardens%2C_Florence%2C_Italy_-_20100908. Rachel M. Hellenistic and Roman Ideal Sculpture.com/images/thumb/e/ec/Termas_de_Caracalla_2.C.blogspot. Jocelyn M.mundodececi.panoramio. 2008.it/var/museicivici/storage/images/musei/museo_napoleonico/servizi_scientifi ci/approfondimenti/napoleone_e_il_palazzo_del_quirinale/70929-2-itaIT/napoleone_e_il_palazzo_del_quirinale_large.bp.jpg http://4.jpg http://v1. Jocelyn M.jpg/250pxTermas_de_Caracalla_2.Referências Bibliográficas http://upload.museonapoleonico.edublogs.com/wp-content/Igreja-Romana-em-Verona.jpg/800pxPompeii_atrium_reconstruction%2C_House_of_the_Vettii%2C_Boboli_Gardens%2C_Florence %2C_Italy_-_20100908.

Jaś. Wikipédia. 217-218 ↑ BRUUN. pp 37-38. 40-47 ↑ STRONG. 1998. pp. Sculptural Collecting and Display in the Private Real. Jaś. Colette. 1961. In Timeline of Art History. p. A História da Arte. (ed. 1 Jul 2008 ↑ STRONG. New York: The Metropolitan Museum of Art. Mary & HENDERSON. 2000. J. 11-12 [4] ↑ ELSNER. Imperial Rome and Christian triumph. J. p. 36-38 ↑ STRONG. Oxford University Press. .D. pp. pp.). M.). 30[5] ↑ HEMINGWAY. p. 1994. in O Mundo da Arte. 2001. três das mais impressionantes criações helenísticas. 78 [9] ↑ Department of Greek and Roman Art. Coins and the Roman Imperial Government. Roman Copies of Greek Statues. & HEMINGWAY. Colette ↑ Department of Greek and Roman Art. pp. Leiden: E. 1990.↑ FULLERTON.C. 12 ↑ ELSNER. Seán. p. New York: The Metropolitan Museum of Art. Mark D. p. Colette. pp. Eugénie. 1999-2002. In Timeline of Art History. E. In Timeline of Art History. New York: The Metropolitan Museum of Art. ↑ HEMINGWAY. Jaś. Art of the Hellenistic Age and the Hellenistic Tradition. 23-31 [11] ↑ STRONG. 75-77. 27-28 ↑ O enorme Altar de Pérgamo. p. pp. Rio de Janeiro: Zahar. Brill. Encyclopaedia Britannica do Brasil Publicações Ltda. Eugénie. Rachel M. Gerald Duckworth & Co. Roman coins and public life under the empire. 2000 [7] ↑ HEMINGWAY & HEMINGWAY ↑ STRONG. o Gálata suicida. Roman art in the private sphere. 182-186. pp. Classical Art: From Greece to Rome. Eugénie. Donald. pp. 2000 [6] ↑ GOMBRICH. Roman sculpture from Augustus to Constantine. Donald. Eugénie Sellers.). Elaine K. 56 ↑ HEMINGWAY.. a enciclopédia livre. pp. 1983. 78 [8] ↑ STRONG. Antigüidade Clássica. são desta escola ↑ BIEBER. pp. The Archaistic Style in Roman Statuary. 114 ↑ ELSNER. [10] ↑ STRONG.–14 A. John. New York. p. University of Michigan Press. e o intensamente dramático grupo de Laocoonte. Augustan Rule (27 B. p. 11 July 2008 ↑ História de Roma. George M. Eugénie. In PAUL. The Sculpture of the Hellenistic Age. Patrick. In GAZDA. In Timeline of Art History. 3ª ed. ↑ BEARD. 190 [3] ↑ a b KOUSSER. Retrospective Styles in Greek and Roman Sculpture. 26-29 ↑ BEARD & HENDERSON. The Free Encyclopedia. ↑ BARTMAN. 1966-1978. Wikipedia. Elisabeth. Eugénie. Oxford University Press. 78 ↑ STRONG. Univesrity of Michigan Press. (ed. 12-13 ↑ Founding of Rome.

In Heilbrunn Timeline of Art History. 39–42. 68(1).–68 A.New York: The Metropolitan Museum of Art. New York: The Metropolitan Museum of Art. Encyclopaedia Britannica on line [19] ↑ STEWART. In Heilbrunn Timeline of Art History. The Legacy of Rome. Roman Portrait Sculpture: Republican through Constantinian. [20] ↑ AWAN. Encyclopedia of Irish and World Art [21] ↑ DRAPER. J. S. New York: The Metropolitan Museum of Art. Virtuelles Antikenmuseum. In Heilbrunn Timeline of Art History. 1992. 2000 [28] . pp. In Heilbrunn Timeline of Art History. Peter. pp. In Timeline of Art History. Peter. 2000.C. pp. Roman Sarcophagi. p. pp. Roman Cameo Glass. Cambridge University Press. 2000. Peter. Encyclopedia of Irish and World Art ↑ AWAN. Statues in Roman Society: Representation and Response. Mark D. 207 ↑ STEWART. New York: The Metropolitan Museum of Art. p. James David. 2000.D. 1975 January. Oxford University Press. 111-113 ↑ WAYWELL. 507509 [26] ↑ KOUSSER. Heather T. Statues in Roman Society: Representation and Response. Trevor. Art. Polychromy of Roman Marble Sculpture. New York: The Metropolitan Museum of Art. New York: The Metropolitan Museum of Art. Kessinger Publishing. [22] ↑ TRENTINELLA. Rosemarie. pp. 51-58 ↑ a b Late Roman Art. [14] ↑ BEARD & HENDERSON. Göttingen Archaeologisches Institut [13] ↑ Department of Greek and Roman Art. 297-298 [27] ↑ ABBE. Heather T ↑ Historical Sculpture From the Julio Claudian Period. Statues in Roman Society. In Proceedings of the Royal Society of Medicine. 2000. John A. Peter. p. In Heilbrunn Timeline of Art History. p. 2003. In Heilbrunn Timeline of Art History. Oxford University Press. pp. 120-121 ↑ Oxford Handbook of Engineering and Technology in the Classical. 2000. 2000 [17] ↑ FULLERTON. Oxford University Press. New York: The Metropolitan Museum of Art. 2000 [12] ↑ Statue des Augustus von Prima Porta.). How Toys Began. Mark B. Mystery and Romance of Alchemy and Pharmacy. Rosemarie. 2000. [18] ↑ Roman and Early Christian: The last century of the Republic. Geoffrey. New York: The Metropolitan Museum of Art. 13-15. 2003. In JENKYNS. Oxford University Press. 47 [16] ↑ TRENTINELLA. Oxford University Press. Roman Portrait Sculpture: The Stylistic Cycle. pp. 194 ↑ a b TRENTINELLA. pp. Roman religion. C. Royal Society of Medicine Press. 37 [25] ↑ THOMPSON. Rachel M. The Julio-Claudian Dynasty (27 B. 2003. 47 [15] ↑ In STEWART. Richard (ed. 51-54 ↑ STEWART. Rosemarie.). [23] ↑ MANN. Cameo Appearances. [24] ↑ NORTH.

blogspot.com/wp-content/gallery/arte-paleocrista/arte-paleocrista-12. pp.jp.com/_j5bc7KIKJhE/R69vCBX4R6I/AAAAAAAAAD0/tCqkSQ23KKw/S600/deom us+aurea.tocadacotia. Eugénie. 2008 [29] ↑ JENKYNS. 2-4 [31] ↑ WAYWELL.jpg) http://www. The Oxford Illustrated History of the Roman World. Richard (ed.jpg) http://upload. Introduction.org/wikipedia/commons/1/1f/Tape%C3%A7aria. pp. Jasper. GRIFFIN. pp.blogspot. 3-4 http://www. 295-301 ↑ WAYWELL.htm .jpg) http://2.wikimedia. The Legacy of Rome. John.brasilescola.↑ The Color of Life: Polychromy in Sculpture from Antiquity to the Present. The Legacy of Rome.jpg) http://upload. 316-326 ↑ STRONG.wikimedia. 2 ↑ GRIFFIN.com/_XYf3H5KDBfw/TE8ng0tumGI/AAAAAAAABDo/8DaTbCIEyvs/s640/fresco +de+pompeia+primeiro+estilo.jpg) (http://2.wikimedia. exhibition.jp. The Getty Villa.jpg/750px-Villadei-misteri-pannel.jpg) http://upload. In BOARDSMAN. Richard.bp.). Jasper & MURRAY. p. 1992. Geoffrey. Oxford University Press. In JENKYNS. pp. pp. 1-5 [30] ↑ STRONG.bp.org/wikipedia/commons/f/f7/Villa-Farnesina22.org/wikipedia/commons/thumb/a/ae/Villa-dei-misteri-pannel. Oswen. Geoffrey. Eugénie.com/historiag/arte-romana.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful