Você está na página 1de 41

Introdução à geologia Prof. Fabrício de A. Pedron

Planeta terra

- É o 3º planeta do sistema solar

- O universo constitui-se de centenas de bilhões e galáxias.

- A espaçonave mais veloz percorre 30 mil km.h -1 .

Velocidade da luz é de 300 mil km.s -1 .

- Algumas distâncias:

terra - sol = 8 minutos - luz

terra - plutão = 5,5 horas - luz

sistema solar - estrela + próxima (alfa centauro) = 4,3 anos - luz

um ponta a outra da Via Láctea = 100 mil anos - luz

até a galáxia de Andrômeda = 2 milhões de anos - luz a nave mais veloz levaria 40 mil milhões de anos.

- Formados a 4,6 bilhões de anos pelo processo de acresção planetária

Fonte: Teixeira et al. (2000)

milhões de anos. - Formados a 4,6 bilhões de anos pelo processo de acresção planetária Fonte:
- Apresenta raio equatorial de 3.378,2 km - Possui um satélite natural - lua -
-
Apresenta raio equatorial de 3.378,2 km
-
Possui um satélite natural - lua
-
Constituída por três camadas: crosta - manto - núcleo
→ identificados indiretamente pela sismologia
Fonte: Teixeira et al. (2000)
-
Pode
ser
dividida
em
diferentes
compartimentos

(ecosferas)

- atmosfera (troposfera, estratosfera, mesosfera, termosfera)

- hidrosfera - biosfera - litosfera - astenosfera - pedosfera - magnetosfera

Gravidade

- A gravitação é uma propriedade fundamental da matéria Lei de Newton.

- O vetor da aceleração gravitacional e centrifuga da terra é conhecida como aceleração da gravidade (g).

Gravidade x forma da terra

- Como a intensidade “g” é maior nos pólos, a terra

apresenta uma pequena deformação, possuindo a forma

de um esferóide achatado.

raio equatorial = 6.378 km

raio polar = 6.357 km

diferença de 21 km

Campo magnético da terra

 

-

Desempenha

papel

de

proteção

contra

partículas

solares nocivas.

- É gerado pela movimentação de um fluído metálico

(ferro e níquel) no núcleo do planeta dínamo auto-

sustentável.

Fonte: Teixeira et al. (2000)

fluído metálico (ferro e níquel) no núcleo do planeta → dínamo auto- sustentável. Fonte: Teixeira et

Dinâmica interna da terra

- Manisfestada através de:

terremotos e vulcões

terra - Manisfestada através de: → terremotos e vulcões Morfologia de um vulcão Esquema de um

Morfologia de um vulcão

de: → terremotos e vulcões Morfologia de um vulcão Esquema de um rift submarino e vulcanismo

Esquema de um rift submarino e vulcanismo associado Fonte (Teixeira et al., 2000)

Movimentação das placas tectônicas

Teoria das placas tectônicas (deriva continental)

- Placas tectônicas ou grandes blocos na crosta terrestre estão em constante movimento sobre o material da astenosfera;

- A movimentação, na ordem de 2-3 cm.ano -1 , é devido as correntes de convecção do manto.

- 1 , é devido as correntes de convecção do manto. - A expansão do assoalho

- A expansão do assoalho oceânico se dá na dorsal meso-oceânica convecção convergente;

- A destruição da crosta oceânica mais antiga (+ densa)

ocorre nas zonas de subducção onde este material mergulha para o interior da terra até ser incorporado ao manto convecção divergente.

Fonte: Teixeira et al. (2000)
Fonte: Teixeira et al. (2000)

Fonte: Teixeira et al. (2000)

- Evidências da deriva continental:

coincidência entre as linhas de costas atuais dos continentes;

cadeias de montanhas de diferentes continentes que apresentam conecção entre si;

evidências de glaciação em pontos específicos

dos diferentes continentes, apresentando relação;

presença de fósseis de plantas correlacionadas em diferentes continentes.

continentes, apresentando relação; → presença de fósseis de plantas correlacionadas em diferentes continentes.

Movimento de placas evidenciado pela biodiversidade

Movimento de placas evidenciado pela biodiversidade
Movimento de placas evidenciado pela biodiversidade
Movimento de placas evidenciado pela biodiversidade
Movimento de placas evidenciado pela biodiversidade
Movimento de placas evidenciado pela biodiversidade
Movimento de placas evidenciado pela biodiversidade

- Placas tectônicas

- os limites entre as placas são áreas de instabilidade tectônica, sujeitas e terremotos e vulcões.

instabilidade tectônica, sujeitas e terremotos e vulcões. - Natureza das placas tectônicas (litosféricas) →

- Natureza das placas tectônicas (litosféricas)

crosta oceânica e continental

- A crosta oceânica é constituída por rochas ígneas básicas (basalto) e uma fina camada de sedimentos;

- A crosta continental é constituída por rochas ácidas até ultramáficas. A crosta superior é composta por rochas sedimentares, ígneas e metamórficas, enquanto a crosta inferior é composta por rochas metamórficas básicas e intermediárias.

- Limite entre as placas tectônicas

Limite divergente

Limite convergente

Limite conservativo

- Limite entre as placas tectônicas → Limite divergente → Limite convergente → Limite conservativo

- Composição da terra

Composição da terra (%)

Composição da crosta (%)

Ferro Oxigênio Magnésio Silício Níquel Enxofre Cálcio Alumínio Outros elementos

35

Oxigênio Silício Alumínio Ferro Cálcio Sódio Potássio Magnésio Outros elementos

46

28

28

17

8

13

5

2,7

3,6

2,7

2,8

0,6

2,6

0,4

2

< 1

2

13 5 2,7 3,6 2,7 2,8 0,6 2,6 0,4 2 < 1 2 Fonte: Popp (2002)

Fonte: Popp (2002)

13 5 2,7 3,6 2,7 2,8 0,6 2,6 0,4 2 < 1 2 Fonte: Popp (2002)

Fonte: Popp (2002)

Os minerais

- Compostos de natureza inorgânica com composição química e propriedades cristalográficas definida;

SiO 2 (quartzo) e (Mg, Fe) 2 SiO 4 (olivina) ?

perola, carvão, recife de coral ?

- Origem dos minerais: condicionadas aos “ingredientes químicos” e às condições físicas (temperatura e pressão) do ambiente de formação.

- formam-se pela cristalização entre átomos de diferentes

elementos em proporções adequadas e arranjos específicos do estado líquido ou gasoso para o sólido.

- Sistemas cristalinos: existem 6 sistemas, cada cristal se desenvolve sempre segundo um sistema.

- cristais perfeitos são muito raros na natureza.

6 sistemas, cada cristal se desenvolve sempre segundo um sistema. - cristais perfeitos são muito raros

Propriedades físicas dos minerais

- Peso específico ou densidade relativa: indica o peso de um volume do mineral em relação ao peso de um mesmo volume de água.

- Clivagem: é a forma com que alguns minerais se quebram segundo planos relacionados com a estrutura molecular interna e paralelos as faces do mineral.

- Fratura: são as superfícies irregulares e curvas resultantes da quebra de um mineral.

- Cor: é o resultado da absorção seletiva da luz.

idiocromáticos: somente uma cor (enxofre)

alocromáticos: ocorre em várias cores (quartzo)

- Brilho: é a quantidade de luz refletida pela superfície do mineral. pode ser adamantino (diamante), vítreo (quartzo), metálico (galena), ou graxo, sedoso, resinoso e nacarado.

- Risco ou traço: é a cor do pó do mineral obtida riscando o mineral contra uma placa banca de porcelana. Válido somente para minerais menos duros que a porcelana.

- Dureza: é a resistência que o mineral oferece ao ser riscado. Baseado no escala de Mohs.

- Magnetismo: relacionado às propriedades eletromagnéticas apresentadas por alguns minerais como a magnetita, a pirotita, etc.

Propriedades químicas dos minerais

- Polimorfismo: minerais que tem a mesma composição química, mas estrutura cristalina diferente. ex. grafita e diamante são polimorfos de carbono

calcita e argonita são polimorfos de CaCO 3

quartzo α e quartzo β são polimorfos de sílica

Classificação sistemática dos minerais

- O critério mais utilizado na organização dos minerais em grupos similares é baseado na natureza do radical aniônico que compõe o mineral. ex. calcita (CaCO 3 ) - apresenta radical aniônico “CO 3

- Sustentação do critério:

minerais com o mesmo radical apresentam propriedades físicas e morfológicas mais semelhantes; minerais com o mesmo radical tendem e ser formados por processos físico - químicos semelhantes e ocorrerem associados na natureza.

Fonte: Teixeira et al. (2000) - Alguns termos utilizados em mineralogia Cristal - quando o

Fonte: Teixeira et al. (2000)

- Alguns termos utilizados em mineralogia

Cristal - quando o mineral exibe faces planas, formando um sólido geométrico. Ex. cristal de quartzo, cristal de turmalina, etc. Substâncias artificiais (não são minerais) também formam cristais. Ex.: cristal de açúcar, cristal de sal de cozinha, etc.

Fragmento de cristal - quando o sólido geométrico do cristal, natural ou artificial, não estiver completo.

Minério - quando se pode extrair, em condições econômicas vantajosas, um ou mais metais. Ex.: hematita (minério de ferro), malaquita (minério de cobre), etc.

Agregado cristalino - quando cristais da mesma espécie ou de espécies mineralogicamente diferentes se ligam uns aos outros.

Geminado - quando um ou mais cristais da mesma espécie mineral se unem segundo uma simetria perfeita. Ex.: geminado de quartzo segundo a "lei do japão".

Drusa - quando cristais de uma espécie mineral se dispõem subparalelamente, cobrindo um superfície plana. Ex.: drusa de quartzo.

Geodo - quando cristais de uma espécie mineral se dispõem subparalelamente, cobrindo uma superfície côncava. Ex.: geodo de ametista.

Descrição dos minerais mais comuns

- Quartzo

Geralmente irregular, formando cristais desenvolvidos quando ocorrem em cavidades ou fraturas. Geralmente incolor, leitoso ou outras (roxo, rosa, verde, etc.)

Brilho vítreo, sem clivagem, com fraturas

irregulares, dureza 7 (risca o vidro e não é riscado pelo

aço)

(só

solubiliza em meio alcalino).

Altamente

resistente

ao

intemperismo

Ex. Ametista (roxa), citrino (amarelo) e cristal de rocha (hialino - transparente)

resistente ao intemperismo Ex. Ametista (roxa), citrino (amarelo) e cristal de rocha (hialino - transparente) (quartzo)

(quartzo)

- Feldspatos

São os minerais mais abundantes na crosta

terrestre - importante constituintes das rochas ígneas.

Apresentam clivagem forte, dureza 6 (não risca o

vidro) e são muito suscetíveis a alteração.

Podem ser divididos entre feldspatos alcalinos (K) e plagioclásios (Na/Ca).

Ex. piroxênios, anfibólios e peridotos (olivinas)

constituem os componentes máficos (escuros)

das rochas, sendo muito suscetíveis ao intemperismo em clima úmido formam argilominerais como micas,

cloritas, talco, serpentinas e hidróxidos de ferro e manganês.

talco, serpentinas e hidróxidos de ferro e manganês. - Carbonatos (feldspato) → São minerais de baixa

- Carbonatos

(feldspato)

São minerais de baixa dureza (3), com clivagem perfeita e bem desenvolvida.

Produzem efervescência em contato com ácidos. São minerais resistentes, solubilizando-se somente em meio ácido.

Ex: calcita (branca, translúcida, amarela); dolomita (escura); rodocrosita (rosa, avermelhada); siderita (avermelhada).

rodocrosita (rosa, avermelhada); siderita (avermelhada). - Fosfatos (calcita) → Coordenados pelo íon PO 4 - →

- Fosfatos

(calcita)

Coordenados pelo íon PO 4-

São muito empregados como fertilizantes.

Ex: apatita - Ca 5 (F, Cl, OH)(PO 4 ) 3-

Ex: apatita - Ca 5 (F, Cl, OH)(PO 4 ) 3 - - Sulfatos (apatita) →

- Sulfatos

(apatita)

Estrutura fundamental é o SO 4-

Ex: barita (BaSO 4 ); gipsita (CaSO 4 .2H 2 O) que é o gesso.

- Sulfetos

Compostos de metais e metalóides combinados com enxofre, bismuto, telúrio e outros. Ex: blenda (SZn); calcopirita (S 2 FeCu); galena (SPb).

Dados mineralógicos da crosta terrestre

calcopirita (S 2 FeCu); galena (SPb). ► Dados mineralógicos da crosta terrestre Fonte: Teixeira et al.

Fonte: Teixeira et al. (2000)

As Rochas

- Produtos consolidados resultantes da união natural de minerais.

- Aspectos importantes no estudo das rochas:

estrutura, textura, minerais constituintes

- Rochas minerais essenciais e acessórios

essenciais: sempre presentes e + abundantes

acessórios: não alteram a classificação das rochas

- Rochas monominerálicas e pluriminerálicas

das rochas - Rochas monominerálicas e pluriminerálicas Fonte: Teixeira et al. (2000) ▶ Classificação genética

Fonte: Teixeira et al. (2000)

Classificação genética das rochas

- considera o modo de formação na natureza

Rochas ígneas ou magmáticas: resultantes do resfriamento do magma. Rochas sedimentares: formadas pela compactação ou cimentação de produtos do intemperismo.

Rochas metamórficas: transformação de rochas existentes pelo aumento de pressão e/ou temperatura.

- Distribuição das rochas na crosta terrestre

- Crosta terrestre = continental e oceânica

- Crosta continental = 95% do seu volume total é constituída por rochas cristalinas (ígneas e metamórficas), e apenas 5% rochas sedimentares.

- Considerando a área de exposição rochosa superficial,

a distribuição é a seguinte: 75% rochas sedimentares e

25% cristalinas.

a área de exposição rochosa superficial, a distribuição é a seguinte: 75% rochas sedimentares e 25%
Rochas ígneas ou magmáticas - Do latim “ignis” – fogo, formadas por material fundido em

Rochas ígneas ou magmáticas

- Do latim “ignis” – fogo, formadas por material fundido em altas temperaturas no interior da terra. Cristalização do magma.

- Quando o resfriamento do magma:

No interior da terra rocha ígnea intrusiva ou plutônica Na superfície rocha ígnea extrusiva ou vulcânica Condição intermediária rocha ígnea sub-vulcânica

- Rochas intrusivas: apresentam resfriamento lento

cristais visíveis a olho nu, ex. granito.

- Rochas extrusivas: apresentam resfriamento rápido

textura de granulação fina, ex. basalto.

- Rochas sub-vulcânicas: resfriamento intermediário, ex. diabásio.

Rochas ígneas de cor escura = ricas em magnésio e ferro (máficas), ex. o gabro é uma rocha ígnea intrusiva, plutônica e máfica.

Rochas ígneas de cor clara = ricas em alumínio e silício (siálicas – félsicas), ex. o granito é uma rocha ígnea intrusiva, plutônica siálica e félsica.

Então existem magmas com diferentes constituições químicas.

Textura da rocha

-

textura fanerítica minerais grandes.

-

textura

afanítica

cristais pequenos, pouco

perceptíveis a olho nu.

-

porfirítica envolve as duas fases.

 

-

vítrea

resfriamento

muito

rápido

(minerais

amorfos).

Principal constituinte das rochas ígneas silício

Ácidas

> 65% SiO 2

Intermediárias

entre 55 a 65% SiO 2

Básicas

entre 35 e 55% SiO 2

Ultrabásicas

< 35% SiO 2

Granito: rocha intrusiva ácida maci ça, fanerítica equigranular média. Granito:rocha intrusiva ácida maciça,

Granito: rocha intrusiva ácida maciça, fanerítica equigranular média.

intrusiva ácida maci ça, fanerítica equigranular média. Granito:rocha intrusiva ácida maciça, porfirítica, com

Granito:rocha intrusiva ácida maciça, porfirítica, com matriz fanerítica.

ácida maciça, porfirítica, com matriz fanerítica. Basalto: rocha vulcânica básica maciça, afanítica.

Basalto: rocha vulcânica básica maciça, afanítica.

Fonte: Teixeira et al. (2000)

Basalto vesicular, amigdaloidal Gabro: rocha intrusiva básica maciça, fanerítica, máfica (rica em piroxênio).

Basalto vesicular, amigdaloidal

Basalto vesicular, amigdaloidal Gabro: rocha intrusiva básica maciça, fanerítica, máfica (rica em piroxênio).

Gabro: rocha intrusiva básica maciça, fanerítica, máfica (rica em piroxênio).

básica maciça, fanerítica, máfica (rica em piroxênio). Pegmatito de turmalina granito, textura fanerítica grossa a

Pegmatito de turmalina granito, textura fanerítica grossa a muito grossa.

Fonte: Teixeira et al. (2000)

Fonte: Teixeira et al. (2000)
Fonte: Teixeira et al. (2000)

Fonte: Teixeira et al. (2000)

Fonte: Teixeira et al. (2000) Formas de ocorrência de rochas magmáticas Fonte: Teixeira et al.

Fonte: Teixeira et al. (2000)

Formas de ocorrência de rochas magmáticas

Fonte: Teixeira et al. (2000) Formas de ocorrência de rochas magmáticas Fonte: Teixeira et al. (2000)

Fonte: Teixeira et al. (2000)

Composição mineralógica de rochas ígneas

Basalto

Mineralogia

piroxênios

e

principal

-

plagioclásio.

constituída

essencialmente

por

Pode

incluir

olivina,

quartzo,

feldspato potássico, etc.

Minerais acessórios

ferro

(magnetita),

óxidos

de

sulfetos,

-

apatita,

hornblenda, etc. biotitas.

Estrutura - vesicular, amigdaloidal, compacta, etc.

Estrutura - vesicular, amigdaloidal, compacta, etc. Riolito Mineralogia principal feldspato (alcalino). -

Riolito

Mineralogia

principal

feldspato (alcalino).

-

quartzo,

Minerais acessórios - biotita, zircão, apatita, rutilo.

Minerais acessórios - biotita, zircão, apatita, rutilo. Granito Mineralogia principal - feldspato potássico,

Granito

Mineralogia principal - feldspato potássico, plagioclásio e quartzo, além de biotita e podendo conter hornblenda. Alguns granitos podem conter piroxênios e anfibólios; em outros pode ocorrer granada, muscovita e turmalina.

em outros pode ocorrer granada, muscovita e turmalina. Minerais acessórios - apatita, magnetita, ilmenita,

Minerais acessórios - apatita, magnetita, ilmenita, zircão, titanita, rutilo, turmalina.

Andesito

Mineralogia principal plagioclásio, hornblenda e biotita. Algumas variedades de andesitos podem conter olivina ou augita (piroxênio andesitos). Minerais acessórios - apatita, zircão, magnetita, óxidos de ferro.

- apatita, zircão, magnetita, óxidos de ferro. Rochas Sedimentares - São formadas pelos resíduos do

Rochas Sedimentares

- São formadas pelos resíduos do intemperismo sobre outras rochas.

- Rochas erosão transporte de partículas (vento, água, gelo, gravidade) depósito em depressões bacias sedimentares.

→ transporte de partículas (vento, água, gelo, gravidade) → depósito em depressões → bacias sedimentares.

- A tranformação de sedimentos (clastos, ex. areia) em

rochas sedimentares (ex. arenito) é denominada de litificação ou diagênese compactação e cristalização de materiais cimentantes.

- Processos diagenéticos:

Compactação

Dissolução

Cimentação

Recristalização diagenética

- Rochas clásticas ou detríticas: formadas pela acumulação de partículas minerais intemperizadas das rochas.

- Rochas não-clásticas ou químicas: formadas pela precipitação de sais (carbonatos, cloretos e sulfatos), ou pela atividade de organismos marinhos (calcário).

Principais rochas sedimentares

- Conglomerados

Conglomerados constituem corpos espessos, formando

acumulações nas margens de bacias deposicionais.

Os clastos dos conglomerados são de litologia variada,

podendo aparecer seixos e calhaus de rochas plutônicas, eruptivas, sedimentares e metamórficas.

Conglomerados - Arenito → O termo arenito corresponde à areia litificada. É composto por quartzo,

Conglomerados

- Arenito

O termo arenito corresponde à areia litificada. É composto por quartzo, feldspato (ou outros minerais de origem ígnea) e fragmentos de rocha.

Arenito
Arenito

Micrografia da rocha

- Siltitos e argilitos

Argilitos: são rochas com granulometria de argila maciças e compactas, sendo compostas por argilas litificadas (argilas compactadas) e exibindo orientação dos minerais foliados.

de

granulometria silte, variando de 0,002 a 0,06 mm, sendo

Siltito:

formado

pelo

acúmulo

de

sedimentos

composto

principalmente

por

quartzo,

feldspatos,

micas

e

argilas.

Argilito
Argilito

Siltito

- Folhelhos

Os folhelhos são rochas que possuem grãos de tamanho argila. Diferenciam-se dos argilitos porque possuem lâminas finas e paralelas esfoliáveis, enquanto os argilitos apresentam as argilas com aspecto mais maciço.

Folhelho

- Calcários

as argilas com aspecto mais maciço. Folhelho - Calcários → Calcários: rochas formadas a partir do

Calcários: rochas formadas a partir do mineral calcita, cuja composição química é o carbonato de cálcio.

Rocha calcária

rochas formadas a partir do mineral calcita, cuja composição química é o carbonato de cálcio. Rocha

Rochas metamórficas

- É a transformação de rochas em outras de diferente estrutura, textura, mineralogia e até mesmo composição química.

- Este processo se dá no estado sólido.

- O campo dos processos metamórficos é limitado pelos

processos diagenéticos (até 250º C) ou pelo início da fusão das rochas (altas temperaturas).

Fatores condicionantes do metamorfismo

- Temperatura

- Pressão

- Fluidos

- Tempo

Principais rochas metamórficas

- Gnaisse

Mineralogia principal - mais de 20% de feldspato

potássico, plagioclásio e ainda quartzo e biotita.

Constituintes menores - clorita, anfibólio, granada, carbonato, epidoto, etc.

Principais rochas pré-metamórficas - granito, micaxistos

Gnaisse → Originam em geral solos com teores elevados de areia grossa em relação a

Gnaisse

Originam em geral solos com teores elevados de areia

grossa em relação a areia fina. Ex. Neossolos Litólicos, Cambissolos, Argissolos, Latossolos

- Ardósia

Mineralogia principal - muscovita, clorita, quartzo.

Principais rochas pré-existentes – folhelhos, argilitos.

principal - muscovita, clorita, quartzo. → Principais rochas pré-existentes – folhelhos, argilitos. Ardósia

Ardósia

- Mármore

Mineralogia principal - calcita, dolomita.

Constituintes menores - quartzo, pirita, anfibólios, diopsídio, etc.

Composição Química - carbonática (calcítica a magnesiana).

Principais rochas metaderivadas - Calcários e dolomitos.

Mármore rosado fino (dolomítico) Mármore calcítico puro
Mármore rosado
fino (dolomítico)
Mármore calcítico
puro

- Quartzito

Mineralogia principal – quartzo.

Constituintes menores - muscovita, biotita, sericita, turmalina.

Principal rocha pré-metamórfica – Arenito.

Quartzito com estrutura maciça
Quartzito com estrutura
maciça

- Xisto

Mineralogia principal - varia na dependência da composição química ou da rocha pretérita; silico-aluminosa:

quartzo, muscovita, biotita, granada, etc.; silico-magnesiana:

clorita, talco, serpentina, etc., básica: clorita, hornblenda, albita, etc.

Principais rochas pré-metamórficas - Rochas ígneas ou sedimentos argilosos.

Xisto Granada- clorita xisto
Xisto
Granada-
clorita
xisto

Influência da composição da rocha na composição dos solos do RS

   

Composição Rocha

 

Composição do solo

Rocha

Química

mineralogia

Argila

Fe

Kt

mineralogia

 

Ca

K

Fe

 

g

kg -1

(%)

ppm

 

Arenito

0,1

0,5

2,0

Quartzo

20

1

2030

Kt, Qz

PVA

     

feldspato

     

Gt, Hm

Granito

     

Mica

     

Kt, Qz, Mi

PVA

1,6

3,6

3,0

Feldspato-K

50

3

10750

Gt, Hm

       

quartzo

       

Basalto

     

Piroxênios

       

Nitossolo

4,6

1,2

9,0

Anfibólios

40

14

2100

Kt, Gt, Hm

     

Plagioclásios