Você está na página 1de 12

CIÊNCIA APLICADA AO DESIGN

Aula 9 — Relatividade

Paulo Tribolet Abreu


IADE, Licenciatura em Design 2008/9, 1º semestre
MOVIMENTO

Todo o movimento uniforme é relativo.

Há algum referencial parado (privilegiado)?


Parado em relação a quê? Esta pergunta não faz sentido!

Laboratório, chão, Terra, Sol, centro da Via


Láctea, “espaço”...

Então movimento é definido em relação a um


referencial à escolha (desde que seja de inércia).
Referencial onde corpos não actuados por forças não
mudam de velocidade ⇒ a Lei da Inércia é válida.

2
MUDAR DE REFERENCIAL

Como mudar de uma referencial para outro?


Exemplo: v =v +v
P/T P/C C/T

C = S’ v = v’ + u
= 5 + 60
vP/C = v’
= 65 km/h
vC/T = u Somar as velocidades!
P

vC/T = u = 60 km/h
vP/C = v’ = 5 km/h
T=S vP/T = v = ?

3
TRANSFORMAÇÃO
DE GALILEU
S S’
u
v’ x = x’ + u.t
x’ v = v’ + u
x

S, S’ — referenciais
u — velocidade entre os referenciais S e S’
x’, v’ — em relação ao referencial S’
x, v — em relação ao referencial S

4
INVARIANTES DA
TRANSFORMAÇÃO DE GALILEU

S S’ O que não se transforma:


u
Distâncias: Δx = Δx’.

Intervalos de tempo: Δt = Δt’.

Massa: m = m’.

S, S’ — referenciais
u — velocidade entre os referenciais S e S’
x’, v’ — em relação ao referencial S’
x, v — em relação ao referencial S

5
E A RADIAÇÃO/LUZ?

Se é partícula (fotões) deve obedecer à transformação


de Galileu:
Luz emitida por uma fonte em movimento deve ter maior/menor
velocidade para um observador parado: v = v’ + u.

Se é onda é um pouco diferente:


Luz emitida por uma fonte em movimento tem a mesma
velocidade para um observador parado no meio,
mas tem maior/menor velocidade para a fonte.

(O que oscila? Qual o meio?)

6
E A RADIAÇÃO/LUZ?

Se é partícula (fotões) deve obedecer à transformação


de Galileu:
Luz emitida por uma fonte em movimento deve ter maior/menor
velocidade para um observador parado: v = v’ + u.

Se é onda é um pouco diferente:


Luz emitida por uma fonte em movimento tem a mesma
velocidade para um observador parado no meio,
mas tem maior/menor velocidade para a fonte.

(O que oscila? Qual o meio?)

7
EXPERIÊNCIA
DE MICHELSON-MORLEY
A velocidade da luz é muito grande. Como medir uma
pequena diferença? Usando a velocidade da Terra em
relação ao “espaço”!
Numa altura do ano seria:
v = c + vT

Noutra: v = c - vT

Uma diferença de
2vT/c = 0,02% = 0,0002.

Mas nada foi medido! A velocidade da luz é invariante!

8
POSTULADOS DE EINSTEIN

Todos os referenciais de inércia são equivalentes.


(A velocidade da luz é a mesma em todos os referenciais de inércia.)

A velocidade da luz (no vácuo) é a velocidade máxima de


qualquer fenómeno no Universo.

É preciso rever a transformação de Galileu.

9
TRANSFORMAÇÃO
DE LORENTZ

Para a velocidade:
S S’
u
v’ v' +u
v=
x’ v'"u
1+ 2
x c
S, S’ — referenciais (#c) + 0,9c
u — velocidade entre os referenciais S e S’
=
x’, v’ — em relação ao referencial S’
(#c) " 0,9c
x, v — em relação ao referencial S
1+ 2
c
10
#0,1c #0,1c
APLICAÇÃO PARA ALTAS
VELOCIDADES
c é invariante:
v' +u
v=
v’ v'"u
1+ 2
S’ c
u (#c) + 0,9c
=
(#c) " 0,9c
1+ 2
c
#0,1c #0,1c
= = = #c
S
1# 0,9 0,1
u = 0,9c
v’ = c
! 11
APLICAÇÃO PARA BAIXAS
VELOCIDADES
Voltamos a ter a transformação de Galileu:
S’ v' +u
v=
v’ v'"u
1+ 2
c
u
P 5 + 60
=
5 " 60
1+
(1080 000 000) 2
u = 60 km/h = 65 2 x 10-16
S v’ = 5 km/h = 0,000 000 000 000 000 2
v=?
c = 300 000 km/s = 1 080 000 000 km/h
!
12