Você está na página 1de 36

Transistores Bipolares de Junção (BJT)

TE214 Fundamentos da Eletrônica Engenharia Elétrica

O nome transistor vem da frase “ trans ferring an electrical signal across a res
O nome transistor vem da frase “ trans ferring an electrical signal across a res

O nome transistor vem da frase “transferring an electrical signal across a resistor

O nome transistor vem da frase “ trans ferring an electrical signal across a res istor
O nome transistor vem da frase “ trans ferring an electrical signal across a res istor

Plano de Aula

Contextualização

Objetivo

Definições e Estrutura

Características Tensão-Corrente

Modos de Operação

Aplicações Básicas

Conclusões

Contextualização

Onde os transistores bipolares são usados?

• Onde os transistores bipolare s são u sados? • Veja mais exemplos em: www.nxp.com 
• Onde os transistores bipolare s são u sados? • Veja mais exemplos em: www.nxp.com 
• Onde os transistores bipolare s são u sados? • Veja mais exemplos em: www.nxp.com 
• Onde os transistores bipolare s são u sados? • Veja mais exemplos em: www.nxp.com 
• Onde os transistores bipolare s são u sados? • Veja mais exemplos em: www.nxp.com 

Veja mais exemplos em: www.nxp.com bipolar transistors application notes

Objetivo

Visão geral sobre os transistores bipolares

Compreender seus diferentes modos de operação

Conhecer algumas aplicações básicas

Questões Chave

Qual a estrutura de um transistor bipolar?

Como uma transistor de junção bipolar opera?

Quais são as principais dependências das correntes de terminal de um BJT no regime ativo direto?

Definições

O BJT é um dispositivo de 3 terminais

Dois tipos diferentes: npn e pnp.

Os símbolos do BJT e seus diagramas de bloco correspondentes:

símbolos do BJT e seus diagr amas de bloco correspondentes: • Os BJTs tem 2 junções
símbolos do BJT e seus diagr amas de bloco correspondentes: • Os BJTs tem 2 junções
símbolos do BJT e seus diagr amas de bloco correspondentes: • Os BJTs tem 2 junções
símbolos do BJT e seus diagr amas de bloco correspondentes: • Os BJTs tem 2 junções

Os BJTs tem 2 junções (fronteira entre as regiões n e p).

Estrutura

Por enquanto é suficiente dizer que a estrutura mostrada na figura anterior não é simétrica.

As regiões n e p são diferentes tanto geometricamente quanto em termos de concentração de dopagem.

Por exemplo, a concentração de dopagem no coletor, base e emissor devem ser 10 15 , 10 17 e 10 19 respectivamente.

Portanto, o comportamento do dispositivo não é eletricamente simétrico e as duas terminações não podem ser permutados.

Atividade Extra-Classe: Ler sobre a estrutura do BJT. Sedra, Cap.5, Sec. 5.1 a 5.3 / Boylestad Cap.3, Sec. 3.1 a 3.3

Estrutura

Estrutura
Estrutura

Modos de Operação

Como cada junção possui dois modos de polarização (direta ou reversa), o BJT com suas duas junções têm 4 modos possíveis de operação.

Ativa Direta: dispositivo tem boa isolação e alto ganho  regime mais útil;

Saturação: dispositivo não tem isolação e é inundado com portadores minoritários). Leva tempo para sair da saturação evitar!

Ativa Reversa: ganho baixo pouco útil;

Corte: corrente desprezível: quase um circuito aberto  útil;

Reversa : ganho baixo  pouco útil; – Corte : corrente desprezível: quase um circuito aberto

Operação no Modo Ativo Direto

Considerando o circuito abaixo:

A junção Base-Emissor (B-E)

é polarizada diretamente

A junção Base-Coletor (B-C)

é polarizada reversamente.

A corrente através da junção B-E está relacionada a tensão B-E por:

V i  I ( e BE E S
V
i
I
(
e
BE
E
S

V

T

1)

– A corrente através da junção B-E está relacionada a tensão B-E por: V i 

Operação no Modo Ativo Direto

Operação no Modo Ativo Direto

Operação no Modo Ativo Direto

Devido as grandes diferenças de dopagem das regiões do emissor e da base, os elétrons injetados na região da base (da região do emissor) resulta na corrente do emissor (i E ).

Além disso o número de elétrons injetados na região do coletor é diretamente relacionado aos elétrons injetados na região de base a partir da região do emissor.

Portanto, a corrente de coletor está relacionada a corrente do emissor que é conseqüentemente uma função da tensão B-E.

Operação no Modo Ativo Direto

A tensão entre dois terminais controla a corrente através do terceiro terminal.

terminais controla a corrente através do terceiro terminal. Este é o princípio básico do BJT! (efeito

Este é o princípio básico do BJT! (efeito transistor)!

i C controlada por v BE , independente de v BC

Operação no Modo Ativo Direto

A corrente de coletor e a corrente de base estão relacionadas por:

i

C

i

B

e aplicando a LCK obtemos:

i

E

i

C

i

B

Então, das equações anteriores, o relacionamento entre as correntes de emissor e base:

i

E

(1)i

B

β depende da largura da região da base e das dopagens relativas das regiões da base e do emissor.

Operação no Modo Ativo Direto

• e equivalentemente  i  i C E 1    • A
• e equivalentemente
i
i
C
E
1 
• A fração
é chamada de α e i E pode ser escrita como:
v
1
BE V
I
S
i
e
T
E

Para transistores de interesse, β = 100 que corresponde a α = 0.99 e i C  i E

BJTs estado-da-arte atuais: i C ~ 0,1 1mA, β ~ 50 300.

β é difícil de controlar rigorosamente. Técnicas de projeto de circuito são necessárias para insensitividade a variações em β.

Operação no Modo Ativo Direto

Modelo de circuito equivalente

Operação no Modo Ativo Direto • Modelo de circuito equivalente
Operação no Modo Ativo Direto • Modelo de circuito equivalente

Operação no Modo Ativo Direto

A direção das correntes e as polaridades das tensões para NPN e PNP.

Operação no Modo Ativo Direto • A direção das correntes e as polaridades das tensões para

Características Tensão-Corrente

Três tipos diferentes de tensões envolvidas na descrição de transistores e circuitos. São elas:

Tensões das fontes de alimentação:V CC e V BB

Tensões nos terminais dos transistores:V C , V B e V E

Tensões através das junções: V BE , V CE e V CB

dos transistores: V C , V B e V E – Tensões através das junções: V

Características Tensão-Corrente

Os 3 terminais dos transistores e as duas junções, apresentam múltiplos regimes de operação

Para distinguir estes regimes, temos que olhar as características tensão-corrente do dispositivo.

A característica mais importante do BJT é a o traçado da corrente de coletor (I C ) versus a tensão coletor – emissor (V CE ), para vários valores da corrente de base I B .

Características Tensão-Corrente

Curva característica qualitativa do BJT.

O gráfico indica as 4 regiões de operação: saturação, corte, ativa e ruptura.

qualitativa do BJT. • O gráfico indica as 4 regiões de operação: saturação, corte, ativa e
qualitativa do BJT. • O gráfico indica as 4 regiões de operação: saturação, corte, ativa e

Características Tensão-Corrente

Região de Corte (cutoff):

junção Base-Emissor é polarizada reversamente. Não há fluxo de corrente.

Região de Saturação: junção Base-Emissor polarizada diretamente, junção Coletor- Base é polarizada diretamente.I C atinge o máximo, que é independente

de I B e β. Sem controle. V CE <

V BE

Região Ativa: junção Base- Emissor diretamente polarizada, junção Coletor-

Base polarizada reversamente. Controle, I C = β I B . V BE < V CE <

V CC

Região de Ruptura (Breakdown): I C e V CE excedem as especificações. Dano ao transistor.

Aplicações do BJT

Como Chave

Se a tensão v i for menor que a tensão necessária para polarização direta da junção EB, então I B =0 e o transistor está na região de corte e I C =0. Como I C =0, a queda de tensão sobre R C é 0 e então V o =V CC .

região de corte e I C =0. Como I C =0, a queda de tensão sobre

Aplicações do BJT

Como Chave (cont.)

Se a tensão v i aumenta de modo que a tensão V BE polariza diretamente a junção BE, o transistor ligará e

I

B

v

i

V

BE

R

B

Uma vez “ligado”, ainda não sabemos se ele está operando na região ativa ou saturação

 v i  V BE R B – Uma vez “ligado”, ainda não sabemos se

Aplicações do BJT

Como Chave (cont.)

Entretanto, aplicando LTK no laço C-E, temos:

ou

V

CC

V

CE

I

C

V

CC

R

C

I

C

V

CE

R

C

0

A equação acima é a equação da linha de carga para este circuito.

Note que V CE = V o

R C  0 – A equação acima é a equação da linha de carga para

Aplicações do BJT

Como Chave (cont.)

Equação da linha de carga:

V

CE

V

CC

I

C

R

C

Aplicações do BJT • Como Chave (cont.) – Equação da linha de carga: V CE 

Aplicações do BJT

Lógica Digital

Circuito inversor básico

Se a tensão v i for zero (baixa) o transistor está na região de corte, a corrente I C =0 e a tensão V o =V CC (alta).

Por outro lado, se a tensão v i for alta, igual a V CC , por exemplo, o transistor é levado a saturação e a saída é igual a V CE(sat) que é baixa.

saída é igual a V C E ( s a t ) que é baixa .

Este circuito é a base para construirmos qualquer outra operação lógica.

Aplicações do BJT

Exercício: Lógica Digital

Para o circuito abaixo, complete a tabela lógica

– Para o circuito abaixo, complete a tabela lógica V 1 V 2 V o Alto

V

1

V

2

V

o

Alto

Baixo

 

Baixo

Alto

 

Baixo

Baixo

 

Alto

Alto

 

Aplicações do BJT

Como Amplificador

O circuito inversor básico também forma o circuito amplificador básico.

A curva de transferência de tensão (tensão de saída em função da tensão de entrada) é a caracterização fundamental de um amplificador

de tensão (tensão de saída em função da tensão de entrada) é a caracterização fundamental de

Aplicações do BJT

Como Amplificador (cont.)

Curva de transferência de tensão

Note a grande inclinação da curva no modo ativo.

Uma pequena mudança na tensão de entrada v i induz uma grande mudança na tensão de saída V o – uma amplificação.

mudança na tensão de entrada v i induz uma grande mudança na tensão de saída V

Aplicações do BJT

Como Amplificador (cont.)

Curva de transferência de tensão

Aplicações do BJT • Como Amplificador (cont.) – Curva de transferência de tensão
Aplicações do BJT • Como Amplificador (cont.) – Curva de transferência de tensão

Principais Conclusões

O emissor “injeta” elétrons na base

O coletor “coleta” elétrons da base

A base “injeta” lacunas no emissor

I C controlada por V BE , independente de V BC (efeito transistor)

Modo Ativo Direto: mais útil, dispositivo tem ganho e isolação.

Saturação: dispositivo inundado com portadores minoritários. Não é útil.

Corte: dispositivo aberto. Útil.

Referências

SEDRA, A. S. e SMITH, K. C., Microeletrônica, 5a. Edição, Makron Books, 2005.

BOYLESTAD, R. L. e NASHELSKY, L., Dispositivos Eletrônicos e Teoria de Circuitos, 6a. Edição, Editora PHB, 1998.

Próxima Aula

Circuitos para polarização de BJTs

Análise DC