Você está na página 1de 66

Departamento de Computação Relatório de Estágio Curricular

DANILO MORI PALOMO

Desenvolvimento de um Sistema de Controle de Patrimônio On-Line

Londrina 2004

DANILO MORI PALOMO

Desenvolvimento de um Sistema de Controle de Patrimônio On-Line

Estágio obrigatório desenvolvido durante o 4o ano do Curso de Graduação em Ciência da Computação como requisito parcial à obtenção do título de Bacharel. Orientadores: Ms. Daniel dos Santos Kaster & André Luís Moraes

2004

DANILO MORI PALOMO

Desenvolvimento de um Sistema de Controle de Patrimônio On-Line

COMISSÃO EXAMINADORA

____________________________________ Prof. Ms. Daniel dos Santos Kaster UEL

____________________________________ Prof. Dr. Pedro Paulo da Silva Ayrosa UEL

____________________________________ Prof. Dr. Maria Angélica de O. Camargo Brunetto UEL

Londrina, 12 de fevereiro de 2004

essa funcionalidade permite que o objeto seja mostrado sobrepostos em fotos aéreas reais. o sistema possui seus objetos espacializados geograficamente com coordenadas reais. controle de patrimônio. No caso específico desses trabalhos temos a UNESP – Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho. pois para esse gerenciamento ou se o desloca pessoal para colher as informações no local ou enfrenta-se a demora do envio dos documentos por correspondência. O presente estágio visa desenvolver um sistema de Controle de Patrimônio On-Line. podendo o usuário ver a localização exata do objeto. que possui várias unidades – campus – distribuídas em diversas regiões do estado de São Paulo e tem-se o problema do gerenciamento do Patrimônio dessas unidades. onde as informações ficam centralizadas em um único local. . Palavras-chave: geoprocessamento. sistemas para Web. Adicionalmente. há uma dificuldade muito grande no gerenciamento dessas unidades.RESUMO Em instituições que possuam seus locais físicos não agrupados em um único espaço e sim dispersos. mas com seu acesso distribuído aos interessados e pessoas responsáveis por isso. podendo obter as informações que necessitem de qualquer ponto conectado a Internet e no mesmo momento que se deseja.

.1 Modelagem Conceptual .............................................................................................................................................25 2........................................................................................................................................9 2.................2..............2............................................................................................................................30 ANEXO A – REQUISITOS DO SISTEMA ..4 Implementação.............................................................................................................2............................................2......................................................................................9 2...........................................................................................................9 2..............................................................................................1 ESPECIFICAÇÃO DE REQUISITOS ........................49 ...............................................7 DESENVOLVIMENTO ................................SUMÁRIO 1 2 INTRODUÇÃO.......9 2..........................................................................................29 REFERÊNCIAS ................3 Design da Interface Abstrata..2 MODELAGEM OOHDM ...27 3 CONCLUSÃO ................................2 Design de Navegação ....................31 ANEXO B – AJUDA........12 2.......

...21 Figura 2....12 – Diagrama de navegação para a Incorporação e Baixa de Bens Móveis ....................4 – Diagrama de navegação partindo da Tela de Entrada no sistema ....1– Diagrama do banco de dados do módulo dos bens imóveis.................................26 Figura 2...........................................16 Figura 2................................................8 – Diagrama de navegação para a Incorporação de Benfeitorias ..........22 Figura 2...................................13 Figura 2.23 Figura 2..... Tabeliães e Cartórios ..........................................5 – Diagrama de navegação do Menu Principal do Módulo de Bens Imóveis ......13 – Diagrama de navegação sobre a Movimentação de Bens Móveis .............14 Figura 2... parte 1 de 2 ...............2 – Diagrama do banco de dados do módulo dos bens imóveis...1 – Esboço e modelo das atividades em OOHDM......................... unidades e subunidades24 Figura 2.........17 – Menu Principal do Sistema ..............10 – Diagrama de controle de Construtoras..............25 Figura 2..........26 Figura 2.......................7 – Diagrama de navegação para a Baixa de Bens Imóveis ..........................................LISTA DE FIGURAS Figura 1............................... parte 2 de 2 .........11 Figura 2........9 – Diagrama de navegação para o controle das Obras em Andamento ...... Fonte: Swchabe 1999 .....17 Figura 2..3 – Diagrama do banco de dados do “Módulo Global” ..19 Figura 2..........10 Figura 2....................................16 – Modelo de tela do sistema .......19 – Exemplo de Relatório ................14 – Diagrama de navegação sobre o Controle de Valores.................................15 Figura 2.............12 Figura 2.........11 – Diagrama de navegação para o Menu Principal do Módulo de Bens Móveis .15 – Diagrama de navegação sobre o Controle de Campus.............18 – Tela com Listagem de Itens .......18 Figura 2................20 Figura 2..........27 ........6 – Diagrama de navegação para Controle de Projetos..................................8 Figura 2...............

LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS UNESP IQ ASP SQL FUNCATE OOHDM Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho” Instituto de Química Active Server Pages Structured Query Language – Linguagem de Consulta Estruturada Fundação de Ciência. Aplicações e Tecnologia Espaciais Object-Oriented Hypermedia Design Model .

Adicionalmente a essas funcionalidades foi pedido que o sistema fosse disponível na Internet. composta por: Msc. . que são as edificações e obras. com as adequações devidas às novas normas de controle de bens. constituído pelo patrimônio imóvel. e o patrimônio móvel. Aplicações e Tecnologia Espaciais para o desenvolvimento do módulo de controle dos objetos georeferenciados e montou uma equipe na cidade de Londrina. para a construção de um sistema que possuísse as mesmas funcionalidades do anterior. Letícia Rocco – arquiteta. que possui várias unidades (campus) distribuídos em diversas regiões do estado de São Paulo e tem-se o problema do gerenciamento do Patrimônio dessas unidades. A outra dificuldade enfrentada é a que o software já utilizado pelas unidades foi desenvolvido para o ambiente MS-DOS. A Pólis então firmou convênio com a FUNCATE . Rômulo Berri – estagiário programador e Danilo Mori Palomo – estagiário programador. No caso específico desse trabalho temos a UNESP – Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho”. junção em um único sistema o controle de bens móveis e imóveis. podendo o usuário ver a localização exata do objeto. Pois para esse gerenciamento ser realizado ou se desloca pessoal para colher as informações no local ou se enfrenta a demora do envio dos documentos por correspondência. além de ter os objetos espacializados geograficamente com coordenadas reais. que permite a construção de páginas dinâmicas para a Internet e com acesso à banco de dados. há uma dificuldade muito grande no gerenciamento dessas unidades. que são laudos de avaliação do estado físico e preço de bens imóveis. eletrodomésticos. Para realizar a modernização desse controle o IQ – Instituto de Química do Campus de Araraquara contratou os serviços da empresa Pólis Consultoria e Sistemas. dificultando o seu manuseio e sua utilização é apenas local. essa funcionalidade permite que o objeto seja mostrado sobrepostos em fotos aéreas reais. Para atender a essa necessidade se optou pela construção de páginas para Internet utilizandose a linguagem Microsoft ASP – Active Server Pages (Servidor de Páginas Dinâmicas). emissão dos chamados Laudos Técnicos. Daniel dos Santos Kaster – coordenador.7 1 INTRODUÇÃO Em instituições que possuam seus locais físicos não agrupados em um único espaço e sim dispersos. que são os móveis. correções de alguns problemas encontrados no anterior. etc.Fundação de Ciência. comparando com os sistemas atuais esse traz pouca interação com o usuário. Esta equipe ficou designada para o desenvolvimento do sistema de controle de bens. para que pudesse ser acessível de qualquer ponto conectado a Internet.

a escolha foi feita pelo OOHDM – Object-Oriented Hypermedia Design Model (Modelo de Desenvolvimento de Hipermídia Orientada a Objeto) (Schwabe 1998).8 Foram priorizados os desenvolvimentos do módulo de bens imóveis e a emissão do Laudo Técnico. que foi modificada e aprovada pela Pólis e pelo IQ. 1999) Como o sistema não foi desenvolvido utilizando-se o paradigma de Orientação a Objetos. primitivas. Os bens imóveis foram escolhidos por serem os bens ao qual o bem móvel se liga e por melhor demonstrar a funcionalidade do geoprocessamento.1 mostra resumidamente as atividades. Depois foi pesquisado um método mais adequado para o desenvolvimento de sistemas para Web. O modelo é desenvolvido em 4 fases. . O início dos trabalhos se deu com a definição das Especificações do Sistema. Figura 1. a fase da Modelagem Conceptual sofreu algumas alterações quando foi aplicada. interesses e métodos de abstração do OOHDM.1 – Esboço e modelo das atividades em OOHDM (Swchabe. a Figura 1.

onde nos foram repassados os materiais fornecidos pela UNESP: textos contendo os modelos de relatórios. Um dos problemas encontrados foi não ter contado direto com funcionários da UNESP e o contato semanal com a Pólis.1 DESENVOLVIMENTO ESPECIFICAÇÃO DE R EQUISITOS No início dos trabalhos tivemos reuniões periódicas. também nos foram. desenvolvido em SQL Server.1 Modelagem Conceitual Na modelagem conceptual foi desenvolvido o banco de dados. no caso de quando não sabíamos quais os procedimentos a serem tomados quando um terreno vizinho a um terreno já pertencente ao IQ fosse comprado por este. fichas de cadastro de pessoal. diagrama de hierarquia do IQ. pessoalmente. passadas informações coletadas pelos integrantes da Pólis. modelo de Laudo Técnico e um livro chamado contendo as normas em vigor na UNESP para o controle de patrimônio intitulado NORMA DE ADMINISTRAÇÂO PATRIMONIAL Nº 2/89. Com base nesses dados foi confeccionada a Especificação de Requisitos que foi aceita pela Pólis e pela UNESP e está presente no ANEXO A. por exemplo. possuindo esta dúvida e outras nos dirigimos a um cartório em busca da solução que foi passada para a Especificação de Requisitos e depois aprovada em uma reunião onde estivemos presentes no IQ.2.2 M ODELAGEM OOHDM 2. abaixo se tem o diagrama do banco de dados do módulo dos bens imóveis: . Como. 2. pois quando surgia alguma dúvida não era solucionada rapidamente.9 2 2.

parte 1 de 2 .1– Diagrama do banco de dados do módulo dos bens imóveis.10 Figura 2.

. foi desenvolvida nesta primeira etapa. campus. unidades. parte 2 de 2 Como esse sistema integra o controle de bens móveis e imóveis. pois ambos possuem em comum. a união desses módulos foi chamada por nós de Módulo Global. cidades. tabeliães e cartórios. os módulos de controle de usuários.2 – Diagrama do banco de dados do módulo dos bens imóveis. abaixo se tem o diagrama desse módulo.11 Figura 2.

observa-se o fluxo entre as páginas.2. onde foi pensada a melhor maneira para que o usuário partindo da página inicial.3 – Diagrama do banco de dados do “Módulo Global” 2. que representam os diagramas de navegação desenvolvidos.15. . consiga cumprir seu objetivo da forma mais clara. Observando-se da Figura 2.2 Design de Navegação Tomando como base o banco de dados construído e a Especificação de Requisitos. começou-se a projetar o design de navegação. ou de qualquer outra página. fácil e rápida possível.4 a Figura 2. no sistema esses fluxos são estabelecidos por links.12 Figura 2.

. Os detalhes serão sempre os mesmos das telas de alterar o item.13 Bens Imóveis código do bem descrição do bem lo go ut Bens Móveis t logou out log login usuário senha log ou t Usuários (local usuário) loginok usuário local t ou log ut logo Obs: .a legenda está na próxima página Figura 2.4 – Diagrama de navegação partindo da Tela de Entrada no sistema log out * Valores campi/unidades empréstimos/ locações Laudo Técnico . os itens dessa tabela quando clicados. levam a auma tela de consulta dos detalhes do item. .toda a tela que possui uma tabela.toda a tela terá um link q leva para sua tela de ajuda.

14 Incorporações (descr.) << Bens Imóveis Acesso ao menu principal * << << << << << construtoras (nome da constr. baixada) obras em andamento (bem imóvel obra em andam.5 – Diagrama de navegação do Menu Principal do Módulo de Bens Imóveis << << Tabeliães e cartórios ( nome ) plano de contas ( código descrição ) . do bem) Legenda links: "<<" a página chamada tem um link para "voltar" para a página que a chamou ou cancelar sem submeter o form (se for um form) ___ link do menu "*" link com foco "x" requer que alguma tupla esteja selecionada --link pelo botão submit campos: "()" tupla q pode ser selecionada qdo é clicada entra na tela de consulta (omitida no diagrama) "sem nada" o campo é listado "-" text field "=" grupo "*" preenchimento obrigatório "+" combo Baixa de bens imóveis (desc bem baixado) << Incorporação de beinfeitorias/ instalações (Bem Imóvel Benfeitoria) Baixa de benfeitorias/ instalações (Bem Imóvel benf.) Relatórios Figura 2.

terc}* -tipo -processo nº* -outorgada -vigência >> x >> Figura 2. fiscais -inscr. projeto* -processo nº* -data de inicio* -data de término -valor contábil* -data contábil* -construtora+ plano de conta << Controle de Projetos ( descrição ) Alterar Projeto x << Transferência unidade bem imóvel -obra+* descr. ced. projeto* -processo nº* -data de inicio* -data de término -valor contábil* -data contábil* data de transferência -construtora+ plano de conta x << x << Excluir Projeto Unidade Descrição do bem Descrição do projeto obra: obra não iniciada Confirma? . prefeitura -incrição incra =situação legal -{próp. do bem) Excluir Área Cedida Unidade Descrição do bem Descrição do a.6 – Diagrama de navegação para Controle de Projetos x Incorporações (descr. projeto processo nº data de inicio data de término valor contábil data contábil -data de transferência construtora unidade bem imóvel obra: não iniciada -descr. cedida Confirma? Inserir Projeto unidade bem imóvel obra: não iniciada -descr.15 Alterar Bem Imóvel Tem exatamente os mesmos campos da página de inserir bem imóvel Inserir Área Cedida Controle de Áreas Cedidas ( descrição ) << Excluir Bem Imóvel Unidade Descrição do bem número de benfeitorias Confirma? x *< < unidade bem imóvel descrição área cedida* área m²* Alterar Área Cedida x * >> >> x << x << Tem exatamente os mesmos campos da página de inserir Área Cedida Inserir Bem Imóvel unidade -descrição bem* -área m³* -observação =escritura -natureza** -data da escritura -outorgante -outorgado -processo -plano de conta** -valor do bem* -data contábil -livro nº -folhas -tabelião** =registro =matricula -nº -livro nº -folhas -data =registro -nº -livro nº -folhas -data =transcrição -nº -livro nº -folhas -data =averbação -nº -data cartório** =localização -gleba -lote -quadra -endereço -logradouro -distrito -município** -comarca** -estado** =documentos -lei nº -decreto nº -processo pge nº -outros =obrig.

16 Alterar Baixa Estarão disponíveis os mesmos campo que a tela de Inserir Baixas.7 – Diagrama de navegação para a Baixa de Bens Imóveis x << Unidade Descrição do bem Descrição da benfeitoria Descrição da baixa Confirma? << x *< < Inserir Baixa Salas unidade bem imóvel benfeitoria/instalação+* -tipo de sala+* -quantidade* -área m²* Alterar Baixa de Salas x << Tem exatamente os mesmos campos da página de inserir salas Excluir Baixa de Salas Unidade Descrição do bem Descrição da benfeitoria Tipo da sala baixada Confirma? . baixa* -descrição da baixa* -número do processo* plano de contas -valor da baixa* -data da baixa* -número do prédio -área constr a baixar* -motivo da baixa << Excluir Baixa Figura 2. baixa* -área do imóvel* -área construída -plano de contas+ -data da baixa -valor da baixa* -tipo da baixa+ -número do processo* -outorgado* -número do livro -folhas -tabelião+ endereço Baixa de bens imóveis (desc bem baixado) << Alterar Baixa Estarão disponíveis os mesmos campo que a tela de Inserir Baixas. x << * Inserir Baixa unidade bem imóvel+* -descr. << x * Inserir Baixa << Excluir Baixa Unidade Descrição do bem Descrição da baixa Confirma? Baixa de Salas ( tipo de sala quantidade área ) Baixa de benfeitorias/ instalações << (desc bem imóvel desc benfeitoria desc da baixa) unidade bem imóvel+* -descr.

cedida Confirma? Inserir Benfeitoria/ Instalação Excluir Benfeitoria Unidade Descrição do bem Descrição da benfeitoria Confirma? Transferência para Edificações unidade bem imóvel+* descr.8 – Diagrama de navegação para a Incorporação de Benfeitorias x << << Incorporação de beinfeitorias/ instalações << (Bem Imóvel Benfeitoria) unidade bem imóvel+* -descr. ampliações =transferência conta de destino data valor motifvo Inserir Área Cedida Controle de Áreas Cedidas ( descrição ) << x *< < unidade bem imóvel descrição área cedida* área m²* Alterar Área Cedida x << Tem exatamente os mesmos campos da página de inserir Área Cedida << Excluir Área Cedida Unidade Descrição do bem Descrição do a. definitivo data contábil número do prédio área construída código da conta+ valor contábil construtora áreas cedidas quantidade de salas área constr. benfeitoria -instalação* -destino* -número do processo* -data de início -data de término -data termo receb. definitivo -data contábil -número do prédio -área construída -código da conta+ -valor contábil -construtora áreas cedidas quantidade de salas área constr. de salas quant.17 Alterar Benfeitoria/ Instalação unidade bem imóvel+* -descr. benfeitoria instalação* destino* número do processo* data de início data de término data termo receb. de salas quant. benfeitoria -instalação* -destino* -número do processo* -data de início -data de término -data termo receb. ampliações =transferência -conta de destino+* -data* -valor* -motifvo* Inserir Salas unidade bem imóvel benfeitoria/instalação -tipo de sala+* -quantidade* -área m²* Figura 2. definitivo -data contábil -número do prédio -área construída -código da conta+ -valor contábil -construtora x << x Cadastro de Salas ( tipo de sala quantidade área ) << << x *< < Alterar Salas x << Tem exatamente os mesmos campos da página de inserir salas Excluir Salas Unidade Descrição do bem Descrição da benfeitoria Tipo da sala Confirma? .

) Excluir Salas Unidade Descrição do bem Descrição da benfeitoria Tipo da sala Confirma? >> Inserir Projeto Controle de Projetos ( descrição ) unidade bem imóvel obra: não iniciada -descr. projeto* -processo nº* -data de inicio* -data de término -valor contábil* -data contábil* data de transferência -construtora+ plano de conta Excluir Projeto Unidade Descrição do bem Descrição do projeto obra: obra não iniciada Confirma? x << x << .18 Alterar Obra em Andamento Tem exatamente os mesmos campos da página de inserir bem imóvel Uma obra já incorporada não pode ser alterada Excluir Obra em Andamento Cadastro de Salas ( tipo de sala quantidade área ) Inserir Salas unidade bem imóvel benfeitoria/instalação -tipo de sala+* -quantidade* -área m²* << x *< < Unidade Descrição do bem imóvel Descrição da obra Confirma? Uma obra já incorporada não pode ser excluida Inserir Obra em Andamento unidade -descrição bem imóvel+* -descrição da obra* -destino* -número do processo* -data de início* -data de término -data termo receb.* -data contábil -trnsferido p/ plano conta+* área construída plano de contas+ construtora ampliação (sim/não) benfeitoria+ Valores Pagos ( descrição do bem obra numero medição descrição) unidade bem imóvel obra plano de conta -número do processo* -valor contábil* -data de pagamento << Alterar Valores Pagos unidade bem imóvel obra plano de conta -número do processo* -valor contábil* -data de pagamento Excluir Valores Pagos Unidade Descrição do bem obra Descrição do pagamento Confirma? Figura 2. projeto* -processo nº* -data de inicio* -data de término -valor contábil* -data contábil* -construtora+ plano de conta << x << << x x << x << Alterar Projeto unidade bem imóvel obra: não iniciada -descr. definit. definitivo -área construída -plano de contas+ -construtora -ampliação (sim/não) -benfeitoria+ x << Alterar Salas x Inserir Valores Pagos Trasferir Obra em Andamento unidade descrição bem imóvel+* descrição da obra* destino* número do processo* data de início* -data de término -data termo receb.9 – Diagrama de navegação para o controle das Obras em Andamento x >> x * >> x << Tem exatamente os mesmos campos da página de inserir salas >> obras em andamento (bem imóvel obra em andam.

10 – Diagrama de controle de Construtoras.19 Inserir Construtora -nome* -CGC -Cidade+ Construtoras ( nome ) << x Tabeliães e cartórios ( nome ) x << Figura 2. Tabeliães e Cartórios << Alterar Construtora -nome* -CGC -Cidade+ x << Excluir Construtora nome construtora Confirma? Alterar Tabelião/cartório nome -Cidade+ -Endereço* .

11 – Diagrama de navegação para o Menu Principal do Módulo de Bens Móveis << << << Convênios ( nome ) plano de contas ( código descrição ) . bem móvel ) << << Cadastro de sujeitos envolvidos ( tipo nome descrição ) Tipos de Bens Móveis ( descrição do tipo ) Figura 2.20 Incorporações (tipo específico chapa descr. do bem) Baixa de bens móveis (chapa desc bem baixado) * << Geração de Notas << << Relatórios << Bens Móveis menu principal Movimentação de Bens Móveis ( tipo movim.

12 – Diagrama de navegação para a Incorporação e Baixa de Bens Móveis << << Garação de Notas Movimentação Interna entre seções de uma mesma Unidade Saídas de bens para conserto ou empréstimo Doação de bens a terceiros Recebimento de bens por Doação Transferência de bens entre Unidades x * << .21 Inserir Bem Móvel Alterar Bem Móvel unidade -tipo específico* -descrição bem móvel* -data da incorporação* -processo nº* -ano do processo* -surbunidade+* -seção+* -convênio+* -responsável+* -valor do bem* =>fator gerador+* =Compra -fornecedor+* -número fatura* -número nota fiscal -num. de custo* -RM/S* =Prod. do bem) Baixa de bens móveis << (chapa desc bem baixado) Excluir Baixa Unidade Descrição do bem Descrição da benfeitoria Descrição da baixa Confirma? Alterar Baixa Estarão disponíveis os mesmos campo que a tela de Inserir Baixas. recibo do bem -valor do bem+* =>Produção Própria =Fabricação -Nota de custo* -N.+*? =Permuta -doc recibo receptor =Extravio =Furto ou roubo =Sinistro -ofícios -portarias -comunicados -apólices de seguro =Morte -atestado de óbito* -termo de incineração -declaração doq resp. pub. unidade -bem móvel+* -número do processo* -ano do processo da baixa* -data da baixa* =>motivo da baixa* =Inservível -doc. doc. mat. de apur. nota fiscal -num.+*? -data aquisição* -valor do bem* =Convênio descrição convênio+*? inf. -Nota de custo* =Pecuária e criações -Atestado de nascimento* =Culturas permanentes -nada!? <= =Extração de minerais -depto ensino envolvido? =Achados Arqueológicos -atestado? =Inventos e patentes -patente Tem exatamente os mesmos campos da página de inserir bem móvel Excluir Bem Móvel Unidade Descrição do bem Confirma? Legenda: => Indica um campo que seleciona entre os grupos que seguem até um <= x * << << x Inserir Baixa Incorporações (tipo específico chapa descr. de bens* -valor do bem+*? =Doação -identificação doador* -data da doação* -valor do bem+*? =Permuta -num. -destino =Venda -recibo de venda =Alienação de acões -??? =Avaria =Incorporação indevida =Devolução Convênios? Relatórios Lista de Materiais Bens móveis por chapa Bens móveis por localização Bens móveis por Unidade·Bens móveis Processo Bens móveis incorporados no período Bens móveis baixados Bens móveis ampliados Bens móveis reduzidos Bens móveis transferidos Movimentação no período Termo de responsabilidade Quadro demonstrativo Inventário geral Quadro demonstrativo de movimento Figura 2. aux. nota transf. nota receb. legal+*? =Tranferência -procedência+* -num. Própria da Univ. firma especializada* -usar p/ recuperação* =Tranferência -nota de tranferência* -unidade de destino* =Doação -nota de doação* -estatuto social+*?? -lei declaração ut.

13 – Diagrama de navegação sobre a Movimentação de Bens Móveis << x * << x * << << << << Alterar Plano Estarão disponíveis os mesmos campos que a tela de Inserir. Excluir Tipo descrição do tipo* características Confirma? Alterar Tipo Estarão disponíveis os mesmos campos que a tela de Inserir. Util. Inserir Tipo -descrição do tipo* -características Figura 2. Excluir Plano código descrição Confirma? Inserir Convênio Convênios ( nome ) << -descrição* -documento legal* Inserir Plano de Contas -código* -descrição* Movimentação de Bens Móveis x * << << Excluir Convênio Descrição Confirma? ( tipo movim. bem móvel ) << Alterar Convênio Estarão disponíveis os mesmos campos que a tela de Inserir. Inserir Movimentação -descrição do bem+* =>tipo movimentação+* =Interna -Unidade de Destino+* -Data transferência* =Conserto -motivo* -Assistência técnica resp. portaria de doação* -data da portaria* -recebedor+* -data de doação? -? =?Recebimento por Doação -doador+* -descrição -quantidade* -valor do material* -data de doação* =Tranferências -Unidade de destino+* x * << << << x * << .* -Data de Saída* -Data prevista p/ retorno =Empréstimo -motivo* -beneficiário* -Data de Saída* -Data prevista p/ retorno =Doação p/ terceiros -num.22 Cadastro de sujeitos envolvidos ( tipo nome descrição ) << Inserir Sujeito =>Categoria -nome* -descrição -CNPJ ou IE* =Entidade Beneficente -Cópia Estatuto Social -Lei Decl. Tipos de Bens Móveis ( descrição do tipo ) Excluir Movimentação descrição do bem* tipo movimentação Confirma? Alterar Movimentação Estarão disponíveis os mesmos campos que a tela de Inserir. Pública* plano de contas ( código descrição ) Excluir Sujeitos Nome Descrição Confirma? Alterar Sujeito Estarão disponíveis os mesmos campos que a tela de Inserir Sujeitos.

23

Relatórios

<<

Baixa de Valores
<<
<<

Inserir Baixa de Valor

( descrição )

Valores

x * <<

Excluir Baixa de Valor Estarão disponíveis os mesmos campos que a tela de Inserir Baixa de Valor.

<<

Alterar Baixa de Valor

Incorporação de Valores ( descrição )

<<

Confirma?

Inserir Valor

<<

x * <<

<<
Excluir Valor Confirma?

Alterar Valor Estarão disponíveis os mesmos campos que a tela de Inserir Valor.

Figura 2.14 – Diagrama de navegação sobre o Controle de Valores

24

Cadastro de seções Cadastro de Municípios ( nome da cidade Estado )
<<
Inserir Município -nome da cidade* -estado+*

( campus unidade subunidade descrição )

<<
Inserir Seção -campus+* -unidade+* -subunidade+* -descrição*

<<

x *

<<

x *

<<

Excluir Município Nome da cidade Estado Confirma?

Relatórios
Campi/Unidades Subunidades/seções Municípios

Cadastro de campi ( descrição município )
<<
Inserir Campus -descrição* -município+*

Excluir Campus Descrição Município Confirma?

Figura 2.15 – Diagrama de navegação sobre o Controle de Campus, unidades e subunidades

<< <<

Excluir Seção Alterar Município Estarão disponíveis os mesmos campos que a tela de Inserir Município. Campus Unidade Subunidade Descrição Confirma?

Alterar Seção Estarão disponíveis os mesmos campos que a tela de Inserir Seção.

Cadastro de subunidades ( campus unidade descrição ) campi/unidades
<< x *
<<
Inserir subunidade -campus+* -unidade+* -descrição*

Excluir Subunidade Campus Unidade Descrição Confirma?

Cadastro de unidades ( campus descrição)
<<
Inserir Unidade -campus+* -descrição*

<<

Alterar Subunidade Estarão disponíveis os mesmos campos que a tela de Inserir Subunidade.

<<

x *

<<

x *

<<

Alterar Campus Estarão disponíveis os mesmos campos que a tela de Inserir Campi.

Excluir Unidade Campus Descrição Confirma?

Alterar Unidade Estarão disponíveis os mesmos campos que a tela de Inserir Unidade.

25

2.2.3 Design da Interface Abstrata Como interface padrão para todo sistema teremos uma similar à tela de entrada no sistema mostrada abaixo:

Figura 2.16 – Modelo de tela do sistema

Na primeira tela após a entrada no sistema (Figura 2.17) são mostrados os dados da pessoa que está atualmente utilizando o sistema, o campus e a unidade a que pertence. Também foi estabelecido como sendo o mostrado abaixo o padrão do layout para as letras presentes nos menus.

Figura 2. onde na figura acima está escrito “MENU PRINCIPAL”.26 Figura 2.18 – Tela com Listagem de Itens .17 – Menu Principal do Sistema Na parte superior da tela. o sistema irá indicar qual o título da página que o usuário se encontra e o caminho percorrido até chegar nessa página. Logo abaixo do item anterior o sistema disponibilizará as opções de comandos disponíveis para aquela página.

27 Nas telas onde houver a listagem de itens. para a posterior codificação. mudando para cada relatório o corpo que está abaixo do letreiro indicativo de qual a unidade que está se extraindo os dados. com os programados desenvolvendo as telas do sistema. A Pólis levou seus estagiários por um dia para o IQ. o sistema disponibilizará ícones na mesma linha do objeto que fazem a ação sobre este. 2. apresentação da interface do sistema para aprovação dos usuários e testes nas funcionalidades desenvolvidas até o momento. como na Figura 2.18. as ações que estes podem sofrer estão explicadas no arquivo de ajuda. Figura 2. . Ao término da implementação de uma funcionalidade. lá foram desenvolvidas as atividades de coleta de dados para melhor adequar os Requisitos do Sistema.2.4 Implementação A implementação do sistema foi feita utilizando-se ASP.19. testes eram realizados pelos programadores para verificar se a implementação estava correta e não apresentava erros.19 – Exemplo de Relatório A emissão de relatórios segue o padrão como o do exemplo da Figura 2.

os problemas relativos a tempo surgiram. . o tempo previsto para o término do sistema que nos foi passado seria insuficiente. O sistema está em funcionamento no IQ. A implementação do módulo de bens móveis ficou para o ano de 2004. nesta semana também se realizou uma demonstração do sistema e um treinamento com os usuários. a união dos módulos de bens imóveis e o geoprocessamento para a terceira semana de outubro. a entrega desses dois módulos funcionando juntos para a ultima semana de novembro. passando por um período de testes e correções de desvios. e na primeira semana do mês de dezembro foi entregue para o IQ o sistema. com entrega prevista para o mês de fevereiro. Em reunião com a Pólis o calendário de atividades foi remodelado. tempo que foi utilizado para que a Pólis testa-se o sistema e fossem sendo corrigidas suas falhas.28 Nesta fase do projeto é que. ficando a entrega do módulo de bens imóveis para a segunda semana de outubro. Devido a nossa inexperiência com o desenvolvimento de Sistemas e especialmente sistemas para a Web. mais precisamente.

quando é passado para a Reitoria que o IQ iniciou uma obra de construção de um novo prédio.29 3 CONCLUSÃO Em instituições que possuem suas unidades distribuídas o uso de um sistemas para Web que possibilite o controle de alguns aspectos da instituição traz vantagens ao seu controle. solicite o relatório desejado e o visualize na tela ou imprima. pedir a visualização do mapa georefenciado do IQ e saber exatamente onde está sendo realizado esta obra. pois a alteração em uma tela basta a atualização desta e não a reinstalação de todo o programa. pois basta que a Reitoria acesse a página do sistema. podendo a Reitoria entrar no sistema. Sistemas para a web são de mais fácil manutenção. Uma grande inovação que este sistema traz é a utilização de um sistema geoprocessado no uso comercial. Essa funcionalidade traz a vantagem de todo o desenvolvimento – ampliações e reduções – da unidade possa ser acompanhado a distancia e com total precisão de localização. os dados desta obra já são armazenados no sistema e pontos geográficos lhe são atribuídos. Como no caso do IQ. . onde a obtenção dos documentos que a Reitoria da UNESP solicita pelo menos uma vez por ano. ganhou muita agilidade. Por exemplo.

Workshop on Hypermedia Development Processes: Methods and Models. Isabela. MOURA. OOHDM-Web: An Environment for Implementation of Hypermedia Application in the WWW. Hypertext'98. D. Orçamento e Contabilidade. SigWEB Newsletter. & Rossi. Schwabe . 1989. ALMEIDA.30 REFERÊNCIAS Schwabe. Vol. (1998). . G. Rita. Developing Hypermedia Applications using OOHDM. Norma de Administração Patrimonial Nº 2/89. Coordenadoria de Planejamento. Universidade Estadual Julio de Mesquita Filho. 8. #2. Junho de 1999. Daniel.

31 ANEXO A ESPECIFICAÇÃO DE REQUISITOS DO SISTEMA .

........................................................................1.....37 3............1) Controle de áreas cedidas ...........................5........................2) Baixa de bem imóvel...1...................................39 3...............1.................................2...42 3....1) Baixa de salas ...............................................................40 3............................1) Controle de áreas cedidas ..1...................8) Geração de relatórios ..........................2..........................1) C ONTROLE DE B ENS IMÓVEIS ........................................................................5...................................39 3......................................................................................................................................4) Transferência da obra para o patrimônio .....................2...........................................1) Cadastro de campus ........................................................................36 3..................2....................................................43 3......................33 2) ACESSO AO SISTEMA.1...............................................................................44 3...........................48 4................3) Valores Pagos ....1) DOCUMENTOS BIBLIOGRÁFICOS ...................................2) SOFTWARES ..............................................................41 3................4) Cadastro de Municípios ...1..2) Controle de projetos ..........................1...37 3....32 Projeto: GERENCIAMENTO DE PATRIMÔNIO Documento: ESPECIFICAÇÃO DE REQUISITOS DO SISTEMA Data de início: 10/07/03 Data de término: 10/08/03 Sumário 1) INTRODUÇÃO...........................35 3............1..............................1...........48 4.2) Inclusão de projetos .....42 3.1.......................3...................................7) Cadastro de tabeliães e cartórios ..6) Cadastro de construtoras ....2) Cadastro de unidades .....................2) Cadastro de salas ...................................................................45 3.......1...............5.............1......................................................................................4.....................................3) Incorporação de benfeitorias/instalações ................................40 3...................................4) Baixa de benfeitoria/instalação..5) Relatórios ...................................................................43 3....................................................................44 3........................1.............................35 3..............43 3..............48 ................5) Controle de obras em andamento ..................................................................................................1........................................................................35 3................34 3) FUNÇÕES DO SISTEMA .44 3...........................1.......3) Cadastro de subunidades ..............................................................1) Cadastro de salas .........................3) EMISSÃO DE LAUDO TÉCNICO ..............................................43 3....................................42 3.....................3) Transferência para edificações ....39 3........3.................................................................................................................................45 4) FONTES DE DADOS ......................3.....................................2.............................................................2) C ONTROLE DE CAMPI/CAMPUS/UNIDADES /SUBUNIDADES /SEÇÕES ........1............45 3.....1) Incorporação de bem imóvel ..........................................1...........1...........1....................................................................44 3...........................1.38 3....5...........................

O banco de dados a ser usado é o Microsoft SQL Server 2000. Na seqüência são definidas as permissões de acesso ao sistema e as suas funcionalidades. A diferença aqui é que. Tem como objetivo detalhar as funcionalidades do sistema para definir o problema e guiar a etapa de projeto e implementação.33 1) INTRODUÇÃO Este documento contém a especificação dos requisitos do sistema de gerenciamento de patrimônio. para ser acessado a partir da Internet. haverá a possibilidade de inserção pelo usuário nesta lista. Os campos marcados com três asteriscos (***) também são de preenchimento obrigatório e serão selecionados de uma lista (combo). se o valor desejado não estiver relacionado na lista. Os campos marcados com dois asteriscos (**) são de preenchimento obrigatório e serão selecionados de uma lista (combo) fornecida pelo sistema. através de uma conexão segura. . São usadas as seguintes notações neste documento: • • • Os campos marcados com um asterisco (*) são de preenchimento obrigatório. O sistema será disponibilizado por um servidor web. com suporte a Active Server Pages (ASP).

são cadastrados os dados pessoais dos usuários. um controlador de patrimônio de uma unidade terá acesso apenas às informações referentes ao patrimônio da sua unidade. Escrita: o usuário pode visualizar o módulo e também atualizá. descritas na seção 3. com permissões padrão. Leitura: o usuário pode visualizar o módulo. A Reitoria terá acesso a todos os relatórios de todas as unidades. ramal. seleção de toda ou nenhuma permissão para as unidades. remover e atribuir permissões aos usuários do sistema.lo na(s) unidade(s) especificada(s). que tem permissão para adicionar. A tela de gerenciamento de usuários e permissões deve ter facilidades para agilizar a tarefa do administrador do sistema. endereço. para cada unidade. . cada usuário deve ter um login* e uma senha*. Além disso. telefone residencial.34 2) Acesso ao sistema Apenas os usuários cadastrados têm acesso ao sistema. Cada usuário do sistema terá uma permissão definida para cada função (módulo) do sistema. Estas permissões são: • • • Sem permissão: o usuário não pode visualizar e nem atualizar o módulo na(s) unidade(s) especificada(s). mas não pode fazer atualizações na(s) unidade(s) especificada(s). Por exemplo. Cada usuário terá permissões para executar tarefas específicas dentro do sistema. unidade** e qual setor** ou subunidade**. entretanto a alteração do patrimônio somente estará disponível para o técnico encarregado. Para acessar o sistema. Existe um usuário administrador do sistema. cuja senha é definida na instalação do sistema. a saber: nome. entre outras.

cujo procedimento é o seguinte: o sistema dará a este novo registro o código da unidade e o código do bem (único). Nesta tela estará disponível a função de inserir um novo registro. controle de locações e empréstimos e emissão de laudo técnico.1. controle de valores. controle de bens móveis.1) Incorporação de bem imóvel Descrição: cadastra as terras e fazendas incorporadas à instituição. Como o patrimônio é controlado unidade por unidade. folhas nº* o tabelião* registro* • .1. Funções: na tela lista todos os terrenos terras e fazendas da unidade. Ha ou Alq) descrição do bem* observação dados referentes à escritura* o natureza do registro* o data da escritura* o outorgante* o outorgado* o processo incorporação* o código da conta contábil* o valor do bem* o data da contabilidade* o livro nº.9. O us uário deve entrar com os seguintes dados: • • • • área do imóvel* (em m².1) CONTROLE DE B ENS IMÓVEIS Este módulo controla os bens imóveis da instituição. 3.35 3) Funções do sistema As funções do sistema estão organizadas em cinco grandes grupos: controle de bens imóveis.1 a 3. Disponibiliza um menu com as funções dos itens 3. os dados disponíveis para o usuário de uma unidade serão apenas os dados referentes a sua unidade.1. controle de campus/unidades/subunidades/seções. As funções estarão disponíveis conforme o usuário que acessar o sistema e suas respectivas permissões. 3.

livro nº*. esses itens serão melhores descritos abaixo. este dado será resgatado pelo sistema através da identificação do usuário o gleba* o lote* o quadra* o endereço* o logradouro* o distrito* o município*** o comarca* o UF** documentos* o lei nº* o decreto nº* o processo página nº* o outros obrigações fiscais* o inscrição prefeitura* o inscrição INCRA* situação do imóvel* É preciso também identificar qual o fato gerador da incorporação**.1) Por transferência: por transferência do imóvel entre Unidades de um mesmo Campus da UNESP Na tela também é possível selecionar um dos registros listados e realizar uma das seguintes operações com este registro: alterar. fls.1. data* o averbação nº*. controlar os projetos. excluir. fls. o sistema segue um procedimento para a captura das informações específicas ao fato r gerador. data* o transcrição nº*. fls.*. De acordo com o fato gerador da incorporação selecionado. • • • Por aquisição: quando da compra do imóvel.36 • • • • o matrícula nº*. fls. livro nº*. controlar as áreas cedidas. A seguir são detalhados os fatos geradores de incorporação e seus respectivos procedimentos.*.1) Controle de áreas cedidas .*.1.1.*. data* o registro nº*. livro nº*. data* o cartório nº* localização* o unidade**. 3.1. através de escritura pública devidamente transcrita* Por cessão: quando um imóvel é cedido a Unidade. livro nº*. esse item é mais bem descrito em 3.

o projeto pode ser transferido. ou seja. inicialmente o sis tema determina a unidade (deve ser sempre a mesma que o usuário está cadastrado) e o usuário deve selecionar o bem que sofrerá a baixa. data de término. mas como um projeto da obra em andamento. para tal o sistema determinará um código único para o projeto e o usuário deverá preencher os seguintes campos: descrição*.04. data de início*.1. Inicialmente é obrigatório selecionar uma obra para relacionar com o projeto. Funções: para cadastrar uma baixa. área do imóvel a ser baixada* (em m². Funções: O usuário pode inserir um novo projeto. não poderá ser revertida.1.). Existindo a obra. 3. Assim que um projeto é transferido ele não será mais listado como projeto do bem imóvel.37 Descrição: controla as áreas cedidas referentes ao bem imóvel Funções: para tal o sistema determina um código único para a área cedida e o usuário deve entrar com uma descrição* e com o tamanho da área* (em m²). Em seguida o sistema determina um código de baixa (único para aquele imóvel). data contábil* e construtora***.5) 3.1. excluído ou transferido. ver item 3. (este registro poderá ser acessado a partir de então pelo controle de projetos das obras em andamento. Um projeto selecionado nesta lista pode ser alterado. Transferência Quando um projeto é colocado em execução. Em seguida deve ser preenchida a data da transferência. Na tela é mostrado uma relação de áreas cedidas que permite ao usuário alterar ou excluir um registro. valor contábil*. Uma vez efetivada essa operação. Na tela é listada a relação de projetos daquele bem. todo projeto receberá o código de “obra não iniciada” enquanto não for transferido (vide item transferência a seguir).2) Baixa de bem imóvel Descrição: quando uma área ou todo o imóvel deixa de pertencer à instituição ou à unidade.2) Controle de projetos Descrição: cadastra os projetos de um bem imóvel. O usuário deverá preencher os seguintes ca mpos: descrição da baixa*.02. cuja obra ainda não foi iniciada.1. área . relacionado com esta obra. deve ser menor ou igual à área total do imóvel). o usuário deve usar o cadastro de obras em andamento para cadastrar a obra referente ao projeto.01. O sistema determina como código da conta o código de projetos (200. número do processo*.

1. o Receptor da venda*** Será exibida uma lista com todas as baixas de bens de todos os bens imóveis da Unidade. e de acordo com esse tipo algumas informações adicionais serão requeridas. através de escritura pública devidamente transcrita* . • Por aquisição: quando da compra da benfeitoria/instalação. fazendas). O endereço do imóvel será automaticamente exibido pelo sistema. É preciso também identificar qual o fato gerador da incorporação**. data de término. plano de contas**.la ou excluí-la.3) Incorporação de benfeitorias/instalações Descrição: cadastro de todas as construções e edificações (instalações) e outras benfeitorias presentes em um terreno. • • • • • baixa por transferência o unidade de destino** baixa por doação o receptor da doação*** baixa por permuta o receptor da permuta*** baixa por sinistro o descrição do motivo* baixa por venda. número do processo*.38 construída a ser baixada (em m². número do prédio. Funções: para inserir um registro de benfeitoria/instalação. o usuário deve fornecer o código do terreno** ao qual esta benfeitoria/instalação será associada. o sistema segue um procedimento para a captura das informações específicas ao fator gerador. valor da baixa*. data contábil. área construída. valor contábil e construtora. data de início. De acordo com o fato gerador da incorporação selecionado. número do livro. o sistema determina um código único em todo o sistema para a benfeitoria. Em seguida. deve ser menor ou igual à área construída total). folhas e tabelião***. data da baixa. outorgado*. É pré-requisito que exista pelo menos um terreno cadastrado na unidade. data do termo de recebimento definitivo. 3. O usuário deve preencher os seguintes campos: descrição da benfeitoria/instalação*. número do processo*. A seguir são detalhados os fatos geradores de incorporação e seus respectivos procedimentos. devem estar relacionadas a um bem imóvel já patrimoniado (terras. portanto. código da conta**. Deve ser informado também o tipo da baixa. Nessa lista o usuário pode selecionar uma baixa e pode alterá.

É mostrado uma relação de áreas cedidas que permite ao usuário alterar ou excluir um registro. preenchendo os campos: tipo de sala*** (administração.O. inserir um novo registro. quantidade de salas e área). Funções: é exibida uma relação de salas cadastradas na instalação (tipo de sala. transferir ou cadastrar salas e áreas cedidas. esse item é mais bem descrito em 3.3 É listada a relação de benfeitorias/instalações (código do bem imóvel. O usuário pode selecionar um registro dessa lista para excluir ou alterar. quantidade de salas e área.1.3) Transferência para edificações Descrição: uma benfeitoria pode ser cadastrada usando a conta benfeitorias. Apenas estas benfeitorias podem ter sua conta transferida para a conta de edificações ou de edifícios..1. também. quantidade de salas.A. Funções: o usuário pode inserir uma área cedida. excluir. quantidade de ampliações. 3.3.1.3. O usuário pode selecionar um registro dessa relação e alterar.1) Por transferência: por transferência da benfeitoria/instalação entre Unidades de um mesmo Campus da UNESP Por construção: esse item é melhor descrito em 3. anfiteatro. biblioteca.1. auditório. cantina ou laboratório). área construída de salas. 3. O usuário pode. e detalhes sobre transferência (quando existentes). código da benfeitoria e descrição). O sistema determina um código único para a área cedida e o usuário deve entrar com uma descrição* e com o tamanho da área* (em m²). alojamento.2) Cadastro de salas Descrição: cadastra as salas de uma instalação.1.E. Ao acessar um desses registros o sistema exibe as áreas cedidas.39 • • • Por cessão: quando um imóvel é cedido a Unidade.1) Controle de áreas cedidas Descrição: controla as áreas cedidas referentes à benfeitoria.3. .3. 3.3. C.

3. Ao acessar uma baixa. deve ser menor ou igual à área construída total) e motivo da baixa (descrito em um campo texto). o sistema fornece a lista das benfeitorias às quais o usuário tem acesso (em geral. o Receptor da venda*** Será exibida uma lista contendo o código do bem. benfe itorias/instalações). da mesma que o usuário está cadastrado) e o usuário deve selecionar a benfeitoria que sofrerá a baixa. 3.03.04. com todas as baixas de benfeitorias de todos os bens imóveis da unidade. • • • • • baixa por transferência o unidade de destino** baixa por doação o receptor da doação*** baixa por permuta o receptor da permuta*** baixa por sinistro o descrição do motivo* baixa por venda.40 Funções: para transferir o usuário deve selecionar a conta de destino (edificações ou edifícios) e preencher os campos: data*.4) Baixa de benfeitoria/instalação Descrição: acontece quando uma área ou toda a instalação é destruída ou deixa de pertencer à instituição. plano de contas** (valor único: 201. O usuário deverá preencher os seguintes campos: descr ição da baixa*. Em seguida o sistema determina um código de baixa (único para aquele imóvel). valor* e motivo de transferência.1. número do processo*. da baixa e a descrição da baixa. mas insere novos dados ao registro existente. Este procedimento não substitui a conta original. o sistema mostra o total de salas baixadas e a área construída total dessas salas.1) Baixa de salas Descrição: o usuário pode determina quais as salas que sofreram baixa durante a baixa de uma benfeitoria. número do prédio. da benfeitoria. área construída a ser baixada* (em m². e de acordo com esse tipo algumas informações adicionais serão requeridas.la ou determinar as salas a serem baixadas. Nessa lista o usuário pode selecionar uma baixa e pode alterá-la ou excluí. Funções: para cadastrar uma baixa. Deve ser informado também o tipo da baixa.1. data da baixa*.01.4. valor da baixa*. .

excluído. Deve ser informado também o tipo da baixa. e de acordo com esse tipo algumas informações adicionais serão requeridas. Ao inserir uma obra em andamento o usuário deve escolher o terreno patrimoniado que receberá a obra. valores pagos. Mostra inicialmente a lista de obras em andamento e um botão de inserção. O usuário pode também inserir um novo registro. deverá ser preenchido o campo benfeitoria**. área construída. construtora*** e ampliação (sim/não). Funções: permite inserir. O sistema define um código único (para a obra em andamento no imóvel). consultar e atualizar obras em andamento. preenchendo os campos: tipo de sala*** (estarão disponíveis apenas os tipos cadastrados na benfeitoria a qual está sendo baixada). o Receptor da venda*** o 3. data de início*. plano de conta** (só são permitidos códigos referentes a obras em andamento). O usuário deve preencher os seguintes campos: descrição da obra*. data de término. quantidade de salas (deve ser menor que o número de salas que foram patrimoniadas) e área (deve ser menor que o número de salas que foram patrimoniadas).41 Funções: na tela inicial do cadastro é exibida uma relação das salas baixadas (tipo de sala. Neste controle são cadastradas as obras que estão em andamento desde o seu início.1. a seleção do terreno que receberá a obra é pré-requisisto para o preenchimento deste campo. . O usuário pode selecionar um registro dessa lista para excluir ou alterar.5) Controle de obras em andamento Descrição: as obras que estão em andamento constituem um patrimônio que logo será incorporado. com as salas que irão compor a obra e com os valores pagos pela obra. data do termo de recebimento definitivo. quantidade de salas e área). deve ser uma benfeitoria já patrimoniada no terreno selecionado. número do processo*. alterado (apenas enquanto a obra não seja incorporada). cada obra estará relacionada com seus respectivos projetos. Um item selecionado desta lista poderá ser consultado. • • • • • baixa por transferência o unidade de destino** baixa por doação o receptor da doação*** baixa por permuta o receptor da permuta*** baixa por sinistro o descrição do motivo* baixa por venda. portanto. adicionado registro de salas. Se for uma ampliação. destino*. projetos e pode ser incorporado.

Funções: exibe a relação de valores pagos pela obra selecionada (unidade. .1) Cadastro de salas Descrição: cadastra as salas que uma obra contém.5. C. anfiteatro.E. a obra e um número de medição (único na obra em questão) e o código da conta (obras em andamento . 3.O. para tal devem ser preenchidos os campos: tipo de sala*** (administração.1.). Quando o usuário for inserir um novo item à relação. alojamento. data de término. número do processo*. Um projeto selecionado nesta relação pode ser alterado ou excluído.deve ser o mesmo da obra). valor contábil*. Funções: na tela apresentam-se os relacionamentos dos projetos que originaram a obra (foram transferidos depois de cadastrados conforme o item 3. data de início*. O sistema determina como código da conta o código de projetos (200.1. O usuário pode incluir um novo projeto à obra em andamento. O usuário pode selecionar um registro dessa lista para excluir ou alterar.1.5. obra. O usuário pode selecionar um item dessa relação e alterar o seu conteúdo ou excluir o item.01. para tal o sistema determinará um código único para o projeto e o usuário deverá preencher os seguintes campos: descrição*. biblioteca. Funções: na tela inicial deste cadastro é exibida uma relação de salas cadastradas (tipo de sala. data contábil* e construtora.2) Inclusão de projetos Descrição: associa projetos a uma obra. quantidade de salas e área). nº da medição e descrição. 3. quantidade de salas e área.. o bem imóvel da obra. O usuário deve preencher os campos: número do processo*. valor contábil* e data de pagamento. Cada medição deve ser cadastrada. auditório. o sistema determinará a unidade. bem.1) mais os projetos que foram incluídos à obra em andamento.1.1.).A.5.42 3. cantina ou laboratório).02.04.3) Valores Pagos Descrição: no decorrer de uma obra são feitas medições e através dessas medições são feitos pagamentos à construtora. ou pode inserir um novo registro.

a princípio o novo sistema alterará apenas a aparência. O acesso aos relatórios segue o esquema de permissões do sistema.1. ficando esta decisão por conta do usuário . 3. ela será incorporada ao patrimônio da instituição. endereço*.8) Geração de relatórios Descrição: os relatórios terão as mesmas características dos relatórios que o sistema antigo de controle de patrimônio. o campo data do termo de recebimento definitivo da tabela de obras em andamento passa a ter preenchimento obrigatório. Função: para a inserção é necessário informar nome*.7) Cadastro de tabeliães e cartórios Descrição: é um cadastro com os tabeliães e cartórios das regiões onde existe algum campus da instituição.PDF. e já foi paga.4) Transferência da obra para o patrimônio Descrição: quando uma obra é concluída. Os dados a sere m armazenados são: nome da construtora. alterar e remover construtoras. 3. nem os dados das salas e de projetos. 3. Apenas os valores pagos poderão receber novas medições.43 3. agora serão globa is ao sistema (vide item 3. Uma obra só pode se transferida uma única vez. Portanto é pré-requisito para a transferência que tenham sido feitas medições e pagamentos pela obra. Também é possível realizar consultas e alterações de endereço. CNPJ*. e depois disso os dados cadastrados não poderão mais ser alterados. Funções: para transferir uma obra. Em relação a estes relatórios antigos.1. Os relatórios de unidades cadastradas e de municípios. Nesse cadastro estarão relacionadas as construtoras que prestam serviços para a instituição. Os relatórios serão gerados no formato .1. CGC.4).5. Funções: inserir. E na mesma tabela agora o usuário preencherá os campos: data contábil* e plano de conta** (para a qual a obra será transferida). podendo estes documentos serem armazenados ou impressos.6) Cadastro de construtoras Descrição: uma inovação do sistema.1. que antes existiam no sistema antigo de Bens Imóveis.

inventário geral. imóveis por quantidade de salas. excluir: apenas poderá ser excluído um registro de unidade que não possua nenhuma subunidade cadastrada. do campus e da instit uição. 3. descrição* e cid ade***. 3. alterar: apenas o campo descrição pode ser alterado. • • inserir: o usuário deve preencher os campos: unidade**. código*. código* e descrição*. Funções: acesso restrito para usuários da administração da unidade.2.2) CONTROLE DE CAMPI/CAMPUS / UNIDADES /SUBUNIDADES /S EÇÕES 3.2) Cadastro de unidades Descrição : cadastra as unidades de um campus. imóveis por ocupação. cadastro de bens imóveis. • • • inserir: o usuário deve preencher os campos: campus**. resumo geral. alterar: apenas o campo descrição pode ser alterado. tabeliães/cartórios. inve ntário parcial.44 Funções: ficha de registro. . Funções: acesso restrito para usuários da administração do campus e da instituição. descrição* alterar: o campo código não poderá ser alterado.1) Cadastro de campus Descrição: cadastro dos “campus” da Instituição Funções: acesso restrito para usuários da administração do campus e da instituição. demonstrativo do movimento. código*. plano de contas. excluir: apenas poderá ser excluído um registro de unidade que não possua nenhuma subunidade cadastrada. • • • inserir: o usuário deve preencher os campos: campi**.2.3) Cadastro de subunidades Descrição: cadastra as subunidades de uma unidade.2. OBS: não foi possível acessar um relatório exclusivo da PRAD 3.

• Relatório de Subunidades Descrição: lista de todas as Subunidades e sua respectiva Unidade • Relatório de Subunidades/seções Descrição: lista de todas as subunidades cadastrados e suas respectivas seções.2. 3. conforme o padrão de formulário da Instituição.45 • excluir: apenas poderá ser excluído um registro de subunidade que não possua nenhuma seção cadastrada. altera ou exclui um município. • Relatório de Municípios Descrição: lista de todos os municípios cadastrados. de tabeliães e cartórios e localização de bens imóveis. . Funções: insere. Informações: nome da cidade*.5) Relatórios • Relatório de Campus Descrição: lista de todos os “campus” cadastrados da Instituição • Relatório de Unidades Descrição: lista de todos as Unidades cadastradas e seu respectivo Campus.4) Cadastro de Municípios Descrição: cadastra todos municípios necessários para suprir o cadastro de campi. UF** 3. 3.3) E MISSÃO DE LAUDO TÉCN ICO Este módulo é responsável por emitir um laudo técnico completo. campus.2.

que permitirá ao usuário a confirmação dos dados e estando correto a sua impressão.46 INFORMAÇÕES SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO DO LAUDO TÉCNICO Para a confecção do Laudo Técnico serão apresentados o texto formal do Laudo e os campos resgatados do Sistema Patrimonial. . Na confecção de um Laudo de um bem que apresenta Laudos emitidos em períodos anteriores os dados do Laudo mais recente serão resgatados e inseridos previamente nos respectivos campos. os dados do o Laudo serão armazenados no sistema para posteriores consultas ou reimpressões. Após o usuário confirmar a confecção do Laudo. o sistema calculará os campos necessários e gerará o documento no formato . intercalados com caixas de textos que deverão ser preenchidas com o valor correspondente ao campo que se encontra naquela posição. pois o torna mais intuitivo. __CALCULADO__: valor do campo é calculado baseando-se em informações obtidas anteriormente.PDF. sendo necessário ao usuário apenas realizar as alterações nos campos que necessitem. LEGENDAS • “”: informações que se encontram entre aspas e em letra itálica são textos explicativos sobre a implementação. corrigir os dados e solicitar uma nova confecção. que são de preenchimento do usuário. foram colocados intercalados ao texto para melhor sit uar a explicação. Acredita-se que desta forma facilite-se o preenchimento dos campos. Após o preenchimento de todos os campos o usuário solicita a confecção do Laudo. não estando correto o usuário poderá retornar. Estes textos não aparecerão no Laudo Técnico. __ESCOLHA__: valor do campo deverá ser escolhido dentre as opções apresentadas (combo-box). __BD__: valor do campo resgatado do Sistema de Patrimonial. • • • • __: valor do campo já foi obtido anteriormente e será replicado para esta posição.

. Em alguns pontos é seguido de uma informação de um valor padrão.47 • __INFORMADO__: valor do campo deve ser informado pelo engenheiro no momento da confecção do Laudo. mas poderá ser alterado. que será tomado como padrão no inicio da confecção do Laudo.

Laudo Técnico 4. UNESP.2) SOFTWARES • • PTM Bensimov . 1989.48 4) FONTES DE DADOS 4.1) D OCUMENTOS BIBLIOGRÁFICOS [UNESP 1989] Norma de Administração Patrimonial n º 2/89.

ANEXO B AJUDA DO CONTROLE DE PATRIMÔNIO .

Controle de Patrimônio Ajuda Novembro de 2003 .

.1...................................2 Áreas Cedidas ........1 Cadastro de Pavimentos.........1..............1..........................3 Depreciações e Apreciações de Bem Imóvel............................................................................................................................................3...........1 C ONTROLE DE B ENS IMÓVEIS .....................................................................................4 Baixa de Edificação ............................56 2.............. TELA DE LOGIN.................................................2 LAUDO TÉCNICO ..54 2.................................................5................1....1..................1....56 2........................................60 2.....................1 Incorporações de Bens Imóveis ..............56 2..............63 2.......64 3 MAPA GEOREFERENCIADO DO IQ .7 Construtoras/Imobiliárias/Doadores ...........6 Tabeliães e Cartórios .............................. MENU PRINCIPAL...........................................8 Relatórios..........................................................................................................1 Controle de Valores Pagos......62 2....1........4 C ADASTRO DE U SUÁRIO ..................................59 2.........................................1...........................3 Incorporações de Edifícios/Benfeitorias/Instalações .......................................................................61 2............52 2.................................................................58 2........58 2............................................................................1....................................1...................................................1...............61 2............................................1...........................................................1...............................57 2..........1 Cadastro de Salas .................1 Projetos para Bem Imóvel ......................................53 2..............................................................................1................................53 2.........................................59 2........1.........................................................2 Baixa de Bens Imóveis ...........................................................5 MUDAR DE CAMPUS /UNIDADE.....................................................52 1..1.......51 Índice 1...........63 2.................1 SISTEMA DE CONTROLE DE PROJETOS .5 Obras em Andamento ...............63 2.................55 2.......3.............................1.....................65 51 .3 C ADASTRO DE MUNICÍPIO ..........1........................................................

• admunidade: destinado ao departamento de patrimônio. Segue abaixo o login dos três usuários cadastrados e a descrição de suas funcionalidade: • admcampi: destinado à reitoria.52 1. clique aqui. Possibilita a leitura dos relatórios de todas as unid ades. Possibilita a leitura dos dados das unidades e controle do sistema georeferenciado. TELA DE LOGIN Deve-se digitar o login do usuário e sua senha. Possibilita o controle total do patrimônio da unidade em que esse se encontra • aplo: destinado ao departamento de projetos.1 SISTEMA DE CONTROLE DE PROJETOS A partir desta tela é possível acessar o controle de projetos clicando no link: Para ir ao Sistema de Controle de Projetos. 1. 52 .

: Laudo Técnico :. . . Laudo Técnico.: Controle de Bens Imóveis :.: Controle das Contas do Plano Contábil :. Ver Mapa Georeferenciado. .: Ver Mapa Georeferenciado do IQ :.53 2.: Controle de Valores :.: Cadastro de Usuário :.: Controle de Bens Móveis :.: Cadastro de Campus/Unidades/Subunidades :. . Cadastro de Usuário. Estando implementadas as funções: Controle de Bens Imóveis.: Controle de Empréstimos e Locações :. . Mudar a Unidade de Visão Corrente. .1 CONTROLE DE B ENS I MÓVEIS 53 . . 2. . .: Cadastro de Municípios :. Cadastro de Municípios. . MENU PRINCIPAL No menu principal encontraremos as opções: .: Mudar a Unidade de Visão Corrente :.

.: Baixa de Bens Imóveis :.54 Onde encontraremos as opções: .1. Alterar: essa opção abrirá uma tela onde deverão ser executadas as alterações dos dados do terreno e após seu término clicar no botão ALTERAR. . .: Obras em Andamento :. Consultar: essa opção abrirá uma tela mostrando os dados do terreno. .: Incorporações de Edifícios/Benfeitorias/Instalações :.: Incorporações de Bens Imóveis :.: Construtoras/Imobiliárias/Doadores :.: Relatórios :.: Tabeliães e Cartórios :. . 2. .: Baixa de Edificação :.1 Incorporações de Bens Imóveis Incorporar Novo Imóvel: clicando nesse link abrirá uma tela onde deverão ser preenchidos os campos com os dados do terreno e logo após clicar no botão de INSERIR. . 54 . Projetos: essa opção levará para a tela de Projetos para Bem Imóvel.

Alterar: essa opção abrirá uma tela onde deverão ser executadas as alterações dos dados do projeto e após seu término clicar no botão ALTERAR.1. Áreas Cedidas: essa opção levará para a tela de Áreas Cedidas.1. Consultar: essa opção abrirá uma tela mostrando os dados do projeto. 2. Excluir Projeto: essa opção abrirá uma tela onde serão visualizados os dados do Projeto e após a averiguação dos dados dever-se-á clicar no botão Excluir.1 Projetos para Bem Imóvel Inserir Projeto: clicando nesse link abrirá uma tela onde deverão ser preenchidos os campos com os dados do projeto e logo após clicar no botão de INSERIR. Baixar Imóvel: essa opção abre levará para a tela onde deverão ser preenchidos os dados da baixa e após seu término clicar no botão de INSERIR.55 Depreciação/Apreciação: essa opção levará para a tela de Depreciações e Apreciações de Bem Imóvel. 55 .

1. Alterar: essa opção abrirá uma tela onde deverão ser executadas as alterações dos dados da Área Cedida e após seu término clicar no botão ALTERAR. Alterar: essa opção abrirá uma tela onde deverão ser executadas as alterações dos dados da Depreciação/Apreciação e após seu término clicar no botão ALTERAR.3 Depreciações e Apreciações de Bem Imóvel Inserir Depreciação ou Apreciação: clicando nesse link abrirá uma tela onde deverão ser preenchidos os campos com os dados da Depreciação ou Apreciação e logo após clicar no botão de INSERIR.1.2 Áreas Cedidas Inserir Área Cedida : clicando nesse link abrirá uma tela onde deverão ser preenchidos os campos com os dados da Área Cedida e logo após clicar no botão de INSERIR. 2.2 Baixa de Bens Imóveis Inserir Baixa: clicando nesse link abrirá uma tela onde deverão ser preenchidos os campos com os dados da baixa do terreno e logo após clicar no botão de INSERIR.1. 2.1.1.56 2. 56 .

Projetos: essa opção levará para a tela de Projetos para Edificação. Os procedimentos são similares ao da manipulação de Projetos em Terrenos.3 Incorporações de Edifícios/Benfeitorias/Instalações Inserir Edificação: clicando nesse link abrirá uma tela onde deverão ser preenchidos os campos com os dados da Edificação e logo após clicar no botão de INSERIR. Pavimentos: essa opção abrirá a tela de Cadastro de Pavimentos.1. Alterar: essa opção abrirá uma tela onde deverão ser executadas as alterações dos dados da Edificação e após seu término clicar no botão ALTERAR. Consultar: essa opção abrirá uma tela mostrando os dados da Edificação. Consultar Baixa: essa opção abrirá uma tela mostrando os dados da baixa.57 Consultar Terreno Baixado: essa opção abrirá uma tela mostrando os dados do terreno que foi base da baixa. 57 . 2.

1 Cadastro de Salas Inserir Sala: clicando nesse link abrirá uma tela onde deverão ser preenchidos os campos com os dados da Sala e logo após clicar no botão de INSERIR. 2.3. 58 . Salas : essa opção abrirá a tela de Cadastro de Salas. Alterar: essa opção abrirá uma tela onde deverão ser executadas as alterações dos dados do Pavimento e após seu término clicar no botão ALTERAR.58 Depreciação/Apreciação: essa opção levará para a tela de Depreciações e Apreciações da Edificação.1.1.1 Cadastro de Pavimentos Inserir Pavimento: clicando nesse link abrirá uma tela onde deverão ser preenchidos os campos com os dados do Pavimento e logo após clicar no botão de INSERIR. Baixa de Edificação: essa opção abre levará para a tela onde deverão ser preenchidos os dados da baixa e após seu término clicar no botão de INSERIR. Os procedimentos são similares aos de Depreciação/Apreciação em Terrenos.1. 2.3.

Alterar: essa opção abrirá uma tela onde deverão ser executadas as alterações dos dados da Sala e após seu término clicar no botão ALTERAR.59 Consultar: essa opção abrirá uma tela mostrando os dados da Sala. 59 . Alterar: essa opção abrirá uma tela onde deverão ser executadas as alterações dos dados da Baixa da Edificação e após seu término clicar no botão ALTERAR.1. Consultar: essa opção abrirá uma tela mostrando os dados da Obra. Consultar: essa opção abrirá uma tela mostrando os dados da Baixa da Edificação.5 Obras em Andamento Inserir Obra: clicando nesse link abrirá uma tela onde deverão ser preenchidos os campos com os dados da Obra e logo após clicar no botão de INSERIR. 2.4 Baixa de Edificação Inserir Baixa: clicando nesse link abrirá uma tela onde deverão ser preenchidos os campos com os dados da Baixa da Edificação e logo após clicar no botão de INSERIR. 2.1.

Os procedimentos são similares ao da manipulação de Pavimentos em Edificações. Alterar: essa opção abrirá uma tela onde deverão ser executadas as alterações dos dados da Obra e após seu término clicar no botão ALTERAR.1 Controle de Valores Pagos Inserir Medição: clicando nesse link abrirá uma tela onde deverão ser preenchidos os campos com os dados do Valor Pago e logo após clicar no botão de INSERIR. Valores Pagos: essa opção abrirá a tela de Contro le de Valores Pagos. onde deverão ser averiguados os dados da Obra e clicar no botão Concluir Obra.60 Projetos: essa opção levará para a tela de Projetos para Obras em Andamento. Consultar: essa opção abrirá uma tela mostrando os dados do Valor Pago.5. Concluir Obra: essa opção abrirá a tela de Conclusão de Obra. Obra Concluída: esse ícone indica que a Obra já foi declarada como concluída.1. 2. 60 . Pavimentos: essa opção abrirá a tela de Cadastro de Pavimentos. Os procedimentos são similares ao da manipulação de Projetos em Terrenos.

2. 61 .6 Tabeliães e Cartórios Inserir Tabelião ou Cartório: clicando nesse link abrirá uma tela onde se escolhe se está se inserindo um Tabelião ou um Cartório e procede-se com o preenchimento dos campos com os dados do Valor Pago e logo após clicar no botão de INSERIR. Alterar: essa opção abrirá uma tela onde deverão ser executadas as alterações dos dados do Tabelião ou Cartório e após seu término clicar no botão ALTERAR.61 Alterar: essa opção abrirá uma tela onde deverão ser executadas as alterações dos dados do Valor Pago e após seu término clicar no botão ALTERAR. 2.7 Construtoras/Imobiliárias/Doadores Inserir: clicando nesse link abrirá uma tela onde deverão ser preenchidos os campos com os dados da Construtora. Imobiliária ou do Doador e logo após clicar no botão de INSERIR.1.1. Excluir: clicando-se nesse botão o Tabelião ou Cartório será excluído automaticamente.

Imobiliária ou do Doador. Excluir: essa opção abrirá uma tela onde serão visualizados os dados da Construtora.: Relação de Imóveis por Quantidade de Salas :.8 Relatórios Estão disponíveis os seguintes relatórios: .: Relação de Unidades :.: Ficha de Registro :. . 2. 62 . .: Resumo Geral de Bens Imóveis :.: Relação de Cartórios/Tabeliães :. .: Relação dos Bens Imóveis por Ocupação :. Imobiliária ou do Doador e após a averiguação dos dados dever-se-á clicar no botão Excluir. Alterar: essa opção abrirá uma tela onde deverão ser executadas as alterações dos dados da Construtora.1. . . . Imobiliária ou do Doador e após seu término clicar no botão ALTERAR. .62 Consultar: essa opção abrirá uma tela mostrando os dados da Construtora.: Relação de Municípios :.: Relação das Contas do Plano de Contas :.

63 .3 CADASTRO DE MUNICÍPIO Essa tela possibilitará a Inserção. Por fim deve preencher os dados do Laudo Técnico e clicar no botão Gerar Laudo. Este botão levará a tela do Laudo Técnico possibilitando a sua impressão. 2. Logo após deve-se selecionar a benfeitoria avaliada e clicar no botão Avançar. Para a confecção de um novo Laudo Técnico deve -se primeiramente selecionar o Terreno avaliado e clicar no botão Avançar. Alteração e Exclusão de Municípios. Consulta. Alteração e Exclusão de Usuários. Logo após deve-se ser inseridos os pontos de referência do Terreno e clicar no botão Avançar.4 CADASTRO DE USUÁRIO Essa tela possibilitará a Inserção. possibilitando a sua reimpressão.63 2. 2.2 LAUDO T ÉCNICO Será exibida uma lista com os Laudos emitidos anteriormente.

64 2. Para limpar essas configurações deve -se clicar no botão Limpar.5 MUDAR DE C AMPUS/U NIDADE Essa opção é habilitada para usuários pertencentes à Reitoria ou a APLO. 64 . Deve-se selecionar o novo Campus e Unidade que deseja tomar como padrão e clicar no botão mudar.

clicando no mesmo a tela com o Relatório abrirá para a visualização e possibilitando a sua impressão. Para acessar o Relatório Técnico com Informações do Pavimento deve-se selecionar a Edificação. estando na tela das características da Edificação deve-se selecionar o pavimento desejado.65 3 MAPA GEOREFERENCIADO DO IQ A ajuda deste módulo está embutida no mesmo. na tela que se abrirá tela um link denominado “Relatório”. 65 . sendo acessada pelo ícone localizado a direita do mapa contendo um “?”. através de um clique com o botão direto sobre a mesma ou através da sua seleção na tela de Localizar.