Você está na página 1de 62

LITERATURA BRASILEIRA

Vários autores

Edição especial para distribuição gratuita pela Internet,


através da Virtualbooks, com autorização do Autor.

O Autor gostaria de receber um e-mail de você com seus comentários e críticas sobre
o livro.

A VirtualBooks gostaria também de receber suas críticas e sugestões. Sua opinião é


muito importante para o aprimoramento de nossas edições:
Vbooks02@terra.com.br Estamos à espera do seu e-mail.

Sobre os Direitos Autorais:


Fazemos o possível para certificarmo-nos de que os materiais presentes no acervo são
de domínio público (70 anos após a morte do autor) ou de autoria do titular. Caso
contrário, só publicamos material após a obtenção de autorização dos proprietários dos
direitos autorais. Se algum suspeitar que algum material do acervo não obedeça a uma
destas duas condições, pedimos: favor avise-nos pelo e-mail: vbooks03@terra.com.br,
para que possamos providenciar a regularização ou a retirada imediata do material do
site.

www.terra.com.br/virtualbooks

Virtual Books Online M&M Editores Ltda.


vbooks01@terra.com.br
Rua Benedito Valadares,429 - Centro
CEP 35660-000 - Pará de Minas - MG
Introdução

A LITERATURA QUE SE escreve no Brasil é já a expressão de um


pensamento e sentimento que se não confundem mais com o português,
e em forma que, apesar da comunidade da língua, não é mais
inteiramente portuguesa. É isto absolutamente certo desde o
Romantismo, que foi a nossa emancipação literária, seguindo-se
naturalmente à nossa independência política. Mas o sentimento que o
promoveu e principalmente o distinguiu, o espírito nativista primeiro e o
nacionalista depois, esse se veio formando desde as nossas primeiras
manifestações literárias, sem que a vassalagem ao pensamento e ao
espírito português lograsse jamais abafá-lo. É exatamente essa
persistência no tempo e no espaço de tal sentimento, manifestado
literariamente, que dá à nossa literatura a unidade e lhe justifica a
autonomia.

A nossa literatura colonial manteve aqui tão viva quanto lhe era possível
a tradição literária portuguesa. Submissa a esta e repetindo-lhe as
manifestações, embora sem nenhuma excelência e antes inferiormente,
animou-a todavia desde o princípio o nativo sentimento de apego à terra
e afeto às suas cousas. Ainda sem propósito acabaria este sentimento
por determinar manifestações literárias que em estilo diverso do da
metrópole viessem a exprimir um gênio nacional que paulatinamente se
diferençava.

Necessariamente nasceu e desenvolveu-se a literatura no Brasil como


rebento da portuguesa e seu reflexo. Nenhuma outra apreciável
influência espiritual experimentou no período da sua formação, que é o
colonial. Também do próprio meio em que se ia daquela formando lhe
não proveio então qualquer influxo mental que pudesse contribuir para
distingui-la. E como assim foi até quase acabar o século XVIII, não
apresenta períodos claros e definidos da sua evolução nesse lapso. As
reações que daquele meio porventura sofreu foram apenas de ordem
física, a impressão da terra em seus filhos; de ordem fisiológica, os
naturais efeitos dos cruzamentos que aqui produziram novos tipos
étnicos; e de ordem política e social, resultantes das lutas com os
holandeses e outros forasteiros, das expedições conquistadoras do
sertão, dos descobrimentos das minas e conseqüente dilatação do país e
aumento da sua riqueza e importância. Estas reações não bastaram
para de qualquer modo infirmar a influência espiritual portuguesa e
minguar-lhe os efeitos. Criaram, porém, o sentimento por onde a
literatura aqui se viria a diferençar da portuguesa. As divisões até hoje
feitas no desenvolvimento da nossa literatura não parece correspondam
à realidade dos fatos. Mostra-o a sua mesma variação e diversidade nos
diferentes historiadores da nossa literatura, e até mesmo no principal
deles, incoerente consigo mesmo. Após acurado estudo desses fatos
tenho por impossível e vão assentá-los em divisões perfeitamente
exatas ou dispô-los em bem distintas categorias. Fazê-lo com êxito
importaria o mesmo que descobrir outros tantos aspectos diversos e
característicos em uma literatura sem autonomia, atividade e riqueza
bastantes para se nela passarem as alterações de inspiração, de estesia
ou de estilo que discriminam e assentam os períodos literários; uma
literatura que em trezentos anos da sua existência apagada e
mesquinha não experimentou outras reações espirituais que as da
Metrópole, servilmente seguida. Assim sendo, é evidente que os únicos
períodos literários aqui verificáveis seriam os mesmos ali averiguados.
Quando começava aqui a literatura, lá havia terminado, ou estava
terminando, o quinhentismo, a melhor época da portuguesa. Principiava
então lá o seiscentismo, prematura e rápida degradação daquele
brilhante momento, cuja brevidade era aliás consoante com a da época
de esplendor nacional, revendo tudo o que de ocasional e fortuito
houvera nos escassos cem anos da dupla glória portuguesa. Mas, como
acertadamente nota um novo crítico, "o seiscentismo não terminou em
1699, no último dia do ano, perdurou até a segunda metade do século
XVIII e a Arcádia e suas imitações não encerram o século XVIII; a
Arcádia de Antônio Dinis só se fundou em 1756. No segundo quartel
ainda Antônio José satirizava o gongorismo, que era uma atualidade".1

O que, portanto, havia no Brasil era o seiscentismo, a escola gongórica


ou espanhola, aqui amesquinhada pela imitação, e por ser, na poesia e
na prosa, a balbuciante expressão de uma sociedade embrionária, sem
feição nem caráter, inculta e grossa. Que o era, o mais perfuntório
exame, a leitura ainda por alto dos versejadores e prosistas dessa época
o mostrará irrecusavelmente. Não há descobrir-lhe diferença que os
releve na inspiração, composição, forma ou estilo das obras. Sob o
aspecto literário são todos genuinamente portugueses, por via de regra
inferiores aos reinóis. A única exceção apresentada, a de Gregório de
Matos, é impertinente. Da sua obra a só porção distinta, e estimável por
outras qualidades que as propriamente literárias, é a satírica ou antes
burlesca. A inspiração e feitio desta não destoa, porém, quando se tem
presumido da musa gaiata portuguesa do tempo, ilustrada ou
deslustrada por D. Tomás de Noronha, Cristóvão de Morais, Serrão de
Castro, João Sucarelo, Diogo Camacho e quejandos, todos mais ou
menos discípulos e imitadores, como o nosso patrício, do espanhol
Quevedo, mas todos a ele inferiores. Como aos comuns motivos de
satirizar de seus êmulos portugueses juntasse Gregório de Matos o
estímulo do seu descontentamento de colonial gorado nas suas
ambições e malogrado na sua vaidade, é talvez o seu estro satírico mais
rico e, para nós, muito mais interessante que o daqueles. Não é, porém,
nem mais original, nem mais subido. A singularidade, mesmo a
superioridade de Gregório de Matos, ainda quando bem assente, não
bastaria aliás para desabonar o conceito de que o seu exemplo não
prejudica a regra geral da nossa evolução literária no período colonial.
Um só escritor, uma só obra, salvo proeminência excepcional e de
efeitos averiguados, não anula um fato literário como o verificado. A
parte séria das composições de Gregório de Matos é genuinamente do
pior seiscentismo, como pela língua, estilo e outras feições o é também
a sua porção satírica. De resto o seu caso ficou único e isolado, incapaz,
portanto, de alterar como quer que fosse a continuidade do nosso
desenvolvimento literário. E os fatos provam que em nada o alterou.
Simultânea e posteriormente continuou aquele como se vinha fazendo.

Somente para o fim do século XVIII é que entramos a sentir nos poetas
brasileiros algo que os começa a distinguir. E só nos poetas. Distinção,
porém, ainda muito escassa e limitada e também parcial. Por um ou
outro poema em que se revê a influência americana, há dezenas de
outros em tudo e por tudo portugueses. Os mesmos poetas do princípio
do século XIX, sucessores imediatos dos mineiros e predecessores
próximos dos românticos, são ainda e sobretudo seiscentistas, apenas
levemente atenuados pelo arcadismo. Esta procrastinação do
seiscentismo aqui, como o gongorismo que lhe era consubstancial, e é
acaso congênito à gente ibérica, além do motivo geral da mais lenta
evolução mental das colônias, poderia talvez explicá-lo o ter aqui vivido,
se exibido e influído o mais poderoso engenho português dessa época, o
Padre Antônio Vieira. A sua singular individualidade, exaltando-lhe os
insignes dotes literários, supera a desprezível feição literária do período
e a ampara e defende se não legitima. A corroborar-lhe a má influência,
continuada pelos pregadores seus discípulos, vieram as academias
literárias, focos e escolas do mais desbragado gongorismo. Somente
com os primeiros românticos, entre 1836 e 1846, a poesia brasileira,
retomando a trilha logo apagada da Plêiade Mineira entra já a cantar
com inspiração feita dum consciente espírito nacional. Atuando na
expressão principiava essa inspiração a diferençá-la da portuguesa.
Desde então somente é possível descobrir traços diferenciais nas letras
brasileiras. Não serão já propriamente essenciais ou formais, deixam-se,
porém, perceber nos estímulos de sua inspiração, motivos da sua
composição e principalmente no seu propósito.

As duas únicas divisões que legitimamente se podem fazer no


desenvolvimento da literatura brasileira, são, pois, as mesmas da nossa
história como povo: período colonial e período nacional. Entre os dois
pode marcar-se um momento, um estádio de transição, ocupado pelos
poetas da Plêiade Mineira (1769-1795) e, se quiserem, os que os
seguiram até os primeiros românticos. Considerada, porém, em
conjunto a obra desses mesmos não se diversifica por tal modo da
poética portuguesa contemporânea, que force a invenção de uma
categoria distinta para os pôr nela. No primeiro período, o colonial, toda
a divisão que não seja apenas didática ou meramente cronológica, isto
é, toda a divisão sistemática, parece-me arbitrária. Nenhum fato
literário autoriza, por exemplo, a descobrir nela mais que algum
levíssimo indício de "desenvolvimento autonômico", insuficiente em todo
caso para assentar uma divisão metódica. Ao contrário, ela é em todo
esse período inteira e estritamente conjunta à portuguesa. Nas
condições de evolução da sociedade que aqui se formava, seria milagre
que assim não fosse. De desenvolvimento e portanto de formação, pois
que desenvolvimento implica formação e vice-versa, é todo o período
colonial da nossa literatura, porém, apenas de desenvolvimento em
quantidade e extensão, e não de atributos que a diferençassem.

Certo é que na segunda metade do século XVII e princípio do XVIII,


poetas brasileiros (não foram aliás mais de três), ocasionalmente, sem
intenção nem insistência mostraram-se impressionados pela sua terra,
cantaram-lhe as excelências naturais com exagero de apreço e
entusiasmo em que é lícito perceber o abrolhar do sentimento nacional,
começado a gerar-se com os sucessos da guerra holandesa. Fizeram-no
aliás pouco e mediocremente. Em vez de seguir e cavar esse veio que se
lhes deparava, perseveraram na poética portuguesa sua
contemporânea. Seria desarrazoado, seria forçar os fatos a
acomodarem-se às nossas prevenções, enxergar mostras de sentimento
literário autonômico nessas singularíssimas exceções. Nem por isso são
elas desinteressantes. Testemunham a influência dos aludidos sucessos
no espírito dos brasileiros, onde criaram ou ativaram o sentimento
nativista. Importam-nos ainda como as primeiras manifestações do
impulso de louvar a terra, impulso que se tornaria logo um sestro
literário nosso. A quase dois séculos de distância o verificaria Casimiro
de Abreu, nos seus sentidos e conhecidos versos:

Todos
cantam sua
terra
Também vou
cantar a
minha
Nas débeis
cordas da lira
Hei de fazê-
la rainha.

Toma outra feição que a puramente portuguesa a nossa literatura no


segundo período, o nacional.

Independente e constituído, desenvolvendo-se menos adstrito à


exclusiva influência da Metrópole e ao seu absorvente predomínio, entra
o país a experimentar o influxo de outras e melhores culturas, sofre
novos contatos e reações, que são outros tantos estímulos da sua
inteligência e capacidade literária. O maior de todos, porém, não será
externo, mas o mesmo sentimento nacional afinal consciente: o
desvanecimento da sua independência, da sua maioridade de povo, das
suas possibilidades de crescimento com as suas promissoras esperanças
de futuro. Por isso a literatura imediatamente posterior à Independência
é ostensivamente, intencionalmente nacionalista e patriótica. O germe
nativista de que a Prosopopéia, de Bento Teixeira, ao expirar do século
XVI, é já o primeiro indício, e a Ilha de Maré, de Botelho de Oliveira, no
final do século XVII, um mais visível sinal, germe desenvolvido,
podemos dizer nutrido, do calor bairrista de Rocha Pita, e relevado nos
poetas do fim do século XVIII, completa com a primeira geração
romântica a sua evolução. E resulta da índole claramente nacionalista,
mais ainda, patriótica, da literatura de após a Independência.

Este fato determinara-o a mesma reação literária inaugurada na Europa


com o Romantismo, que em suma era sobretudo, e esta é a sua mais
exata definição, uma revolta contra o que se continuava a chamar de
classicismo. Tanto mais fácil foi à nova escola encontrar aqui simpatias,
entusiasmos e sequazes, quanto sendo um princípio de independência e
liberdade lisonjeava o nosso ardor de ambas no momento. Teve de fato
alvoroçado acolhimento, como era próprio de gente nova, em pleno
fervor da sua mocidade emancipada, irreflexiva e malquerente de
quanto lhe recordava a sua servidão política e mental. Cumpre, todavia,
não exagerar essa malevolência, que por honra dos corifeus desse nosso
movimento literário nunca se desmandou nas suas reivindicações de
autonomia literária, antes guardou nelas uma compostura de bom
gosto.

O Romantismo europeu não só influiu os poetas e escritores de todo o


gênero, se não os políticos, os oradores, ainda sacros, de que é frisante
exemplo Monte Alverne, o maior deles, e os publicistas. Como na
Europa, foi também aqui mais que uma escola literária, uma forma de
pensamento geral.

Principalmente assinalaram o nosso Romantismo: a simpatia com o


índio, a intenção de o reabilitar do juízo dos conquistadores e dos
nossos mesmos patrícios coloniais, o errado pressuposto dele ser o
nosso antepassado histórico, o amor da natureza e da história do país,
encarados ambos com sentimentos e intenções estreitamente nativistas,
o conceito sentimentalista da vida, o propósito manifesto de fazer uma
literatura nacional e até uma cultura brasileira. Inspirado no preconceito
dos méritos do índio revelou-se este propósito em recomendações do
ensino da língua tupi, em parvoinhas propostas de sua substituição ao
português na adoção de apelidos indígenas ou na troca dos portugueses
por estes e no encarecimento de quanto era indígena.2

Com estas feições apenas ligeiramente modificadas por novos influxos


recebidos de fora ou aqui mesmo nascidos, durou o nosso Romantismo,
iniciado pela terceira década do século XIX, até o meado do decênio de
1870. As últimas obras de vulto que ainda a ele, com a sua inspiração
indianista, se vinculam, são o Evangelho nas Selvas, de Fagundes
Varela, e as Americanas, de Machado de Assis, ambas em 1875.

Pelo fim do Romantismo, esgotado como acabam todas as escolas


literárias, tanto por enfraquecimento e exaustão dos seus motivos,
como pela natural usura, entram a influir a mente brasileira outras
correntes de pensamentos, outros critérios e até outras modas estéticas
européias de além Pireneus oriundas das novas correntes espirituais, o
positivismo em geral ou o novo espírito científico, o evolucionismo
inglês, o materialismo de Haeckel, Moleschott, Büchner, o comtismo, a
crítica de Strauss, Renan ou Taine, o socialismo integral de Proudhon, o
socialismo literário de Hugo, de Quinet, de Michelet. Outras tendências e
feições, criadas por estas novas formas de pensamento, se substituem
ao ceticismo, ao desalento, ao satanismo, tudo também literário ou
apenas sentimental de Byron, Musset e outros que tanto haviam
influenciado a nossa segunda geração romântica. Verifica-se que
nenhuma das correntes do pensamento europeu que aturaram no
brasileiro levou menos de vinte anos a se fazer aqui sentir. E esta é a
regra ainda depois que as nossas comunicações com a Europa se
tornaram mais fáceis e mais freqüentes. Destas várias influências
contraditórias, e até disparatadas, que todas, porém, simultaneamente
atuaram o nosso pensamento, não saiu, nem podia sair, um composto
único e ainda menos coerente, como até certo ponto fora no período
romântico o espiritualismo cristão ou o puro sentimentalismo dos nossos
românticos, sem exceção. Sob o aspecto literário o que delas resultou
foi o rompimento, mais ou menos intencional, mais ou menos
estrepitoso, mais ou menos peremptório, com o Romantismo. De tal
rotura se não gerou, entretanto, um movimento com bastante ressalto,
caráter ou homogeneidade que possamos defini-lo com um apelido
idôneo. O que se lhe tem dado, como as divisões e subdivisões nele
feitas, afigura-se-me inconseqüente com os fatos literários bem
apreciados. Não ignoro, e menos contesto, a importância e valia das
classificações para compendiar a explicação dos fatos literários. Mas não
basta não ignorá-lo ou praticá-las a torto e a direito para podermos
alardear filosofia de história literária. Aquele valor e importância só a
têm as classificações perfeitas em que quase nada ou mesmo nada fica
ao arbítrio do crítico, mas tudo obedece lógica e naturalmente a um
justo critério bem estabelecido. Sem isso, que é dificílimo em todas as
literaturas e é positivamente impossível em a nossa, tais classificações
tanto podem inculcar uma digna tendência filosófica, como uma supina
presunção.

O que principalmente distinguiu e afeiçoou este nosso movimento


espiritual ou mais propriamente literário posterior ao Romantismo foi o
pensamento científico e filosófico triunfante por meados do século XIX —
caracterizado pelo preconceito da infalibilidade da ciência e por uma
exagerada opinião da sua importância. Esse pensamento, aqui como em
toda a parte, recebeu a denominação pouco precisa, mas em suma
bastante significativa, de pensamento moderno. Aqui produziu ele maior
e mais raciocinado desapego às crenças tradicionais religiosas ou
políticas, gerou o acatolicismo ou o agnosticismo em grande número de
espíritos e o republicanismo ainda em maior número. Não chegou,
porém, a criar manifestação literária alguma bastante considerável e
homogênea, e suficientemente distinta, para a podermos nomear com
exatidão segundo os seus particulares caracteres literários. Para sair da
dificuldade sem, por iludi-la, cair no erro de dar a esta fase da nossa
literatura algum apelido desapropositado, parece que o meio mais
seguro é lhe verificar a inspiração ou idéia geral e motriz, e consoante
ela denominá-la. Era esta declaradamente seguir em arte como em
filosofia, e ainda em política, as idéias modernas, o racionalismo
científico, o positivismo filosófico, o transformismo e o evolucionismo
como um critério geral do pensamento, o liberalismo político, que levava
de um lado ao republicanismo, de outro, com duvidosa coerência, ao
socialismo. O "pensamento moderno", e a sua competente apologia,
foram aqui um tema literário repetido até o fastio e sob esta
denominação ou a ainda mais vaga de "idéia nova" se reuniam
desencontrados conceitos, sentimentos e aspirações. Dava-lhes,
todavia, unidade bastante para ao menos exteriormente os caracterizar.
Não sendo possível descobrir-lhes com toda a certeza o acento
predominante, a feição literária essencial e por evitar a impertinência e
vaidade das tentativas já feitas para grupar em categorias definidas
autores e obras desta última fase da nossa evolução literária, parece
mais prudente crismá-la segundo o seu principal estímulo mental — a
sua superstição das idéias modernas — e chamar-lhe de modernismo.3
Efetivamente é a influência cosmopolita e onímoda dessas idéias e
dominante em a nossa literatura nessa fase e, salvo exceções
individuais pouco relevantes, não mais o nacionalismo romântico. Torna-
se a poesia — e a poesia foi sempre em cópia e qualidade a porção mais
considerável da nossa literatura — menos subjetiva, menos ingênua e
sentimentalista, e a diminuição destas suas qualidades acaso, sob o
aspecto da emoção, amesquinhou o nosso lirismo. Ao invés ganhou ele
em dons verbais de expressão e em virtudes de forma e métrica. A
mesma forma aperfeiçoou-se com qualidades de composição e
temperança. Nota-se mais o aparecimento em toda a nossa literatura de
requisitos de que carecia, e que faltaram sempre à antiga literatura
portuguesa, o gosto, o interesse, a capacidade das idéias gerais,
preocupações mais largamente humanas e sociais, em vez de pura
sentimentalidade e do estreito nacionalismo romântico. Alguns dos
principais representantes desta última fase da nossa evolução literária
são, sem prejuízo do seu brasileirismo de raiz, cosmopolitas ou
universais. Tais são Castro Alves, Tobias Barreto, Machado de Assis,
Joaquim Nabuco, Eduardo Prado.

Antes da República, ou por espírito de oposição ao império católico, ou


por influência desse pensamento moderno, eram os intelectuais
brasileiros quase todos livres-pensadores, ou pelo menos espíritos de
um larguíssimo liberalismo, que roçava pelo livre-pensamento. Este
liberalismo foi, aliás, a feição conspícua do espírito brasileiro e da vida
pública brasileira durante todo o reinado de D. Pedro II. Com a
República, que não podia falhar à índole ditatorial e despótica do
republicanismo latino e aos efeitos da sua educação pelo jacobinismo
francês, atenuou-se essa feição e minguou na política, como na
inteligência nacional, aquele espírito liberal.

Uma escola literária não morre de todo porque outra a substitui, como
uma religião não desaparece inteiramente porque outra a suplanta.
Também não acontece que um movimento ou manifestação coletiva de
ordem intelectual, uma época literária ou artística, seja sempre
conforme com o seu princípio e conserve inteira a sua fisionomia e
caráter. É, pois, óbvio que aqui, como sucedeu na Europa, ficaram
germes ou antes restos do Romantismo, como neste haviam ficado do
classicismo. Misturados com o "cientificismo" do momento ou influídos
por ele, esses remanescente do Romantismo confundiram-se na
corrente geral daquele originada, produzindo com outros estímulos e
impulsos supervenientes algumas feições diversas na fisionomia literária
desta fase. Nenhuma, porém, tão distinta que force a discriminação.

A dificuldade geralmente verificada desta discriminação sobe de ponto


aqui, onde por inópia da tradição intelectual o nosso pensamento, de si
mofino e incerto obedece servil e canhestramente a todos os ventos que
nele vêm soprar, e não assume jamais modalidade formal e distinta.
Sob o aspecto filosófico o que é possível notar no pensamento brasileiro,
quanto é lícito deste falar, é, mais talvez que a sua pobreza, a sua
informidade. Esta é também a mais saliente feição da nossa literatura
dos anos de 70 para cá. Disfarça-as a ambas, ou as atenua, o íntimo
sentimento comum do nosso lirismo, ainda em a nossa prosa manifesto,
a sensibilidade fácil, a carência, não obstante o seu ar de melancolia, de
profundeza e seriedade, a sensualidade levada até a lascívia, o gosto da
retórica e do reluzente. Acrescentem-se como característicos mentais a
petulância intelectual substituindo o estudo e a meditação pela
improvisação e invencionice, a leviandade em aceitar inspirações
desencontradas e a facilidade de entusiasmos irrefletidos por novidades
estéticas, filosóficas ou literárias. À falta de outras qualidades, estas
emprestam ao nosso pensamento e à sua expressão literária a forma de
que, por míngua de melhores virtudes, se reveste. Aquelas revelam
mais sentimentalismo que raciocínio, mais impulsos emotivos que
consciência esclarecida ou alumiado entendimento, revendo também as
deficiências da nossa cultura. Mas por ora, e a despeito da mencionada
reação do espírito científico e do pensamento moderno dele inspirado,
somos assim, e a nossa literatura, que é a melhor expressão de nós
mesmos, claramente mostra que somos assim.

Literatura é arte literária. Somente o escrito com o propósito ou a


intuição dessa arte, isto é, com os artifícios de invenção e de
composição que a constituem é, a meu ver, literatura. Assim pensando,
quiçá erradamente, pois não me presumo de infalível, sistematicamente
excluo da história da literatura brasileira quanto a esta luz se não deva
considerar literatura. Esta é neste livro sinônimo de boas ou belas
letras, conforme a vernácula noção clássica. Nem se me dá da
pseudonovidade germânica que no vocábulo literatura compreende tudo
o que se escreve num país, poesia lírica e economia política, romance e
direito público, teatro e artigos de jornal e até o que se não escreve,
discursos parlamentares, cantigas e histórias populares, enfim autores e
obras de todo o gênero.4
Não se me impõe o conceito com tal grau de certeza que eu me não
atreva a opor-lhe a minha heresia, quero dizer a minha humilde opinião.
Com o mais recente e um dos mais justamente apreciados historiadores
da literatura francesa, o Sr. G. Lanson, estou que "a literatura destina-
se a nos causar um prazer intelectual, conjunto ao exercício de nossas
faculdades intelectuais, e do qual lucrem estas mais forças, ductilidade e
riqueza. É assim a literatura um instrumento de cultura interior; tal o
seu verdadeiro ofício. Possui a superior excelência de habituar-nos a
tomar gosto pelas idéias. Faz com que encontremos num emprego o
nosso pensamento, simultaneamente um prazer, um repouso, uma
renovação. Descansa das tarefas profissionais e sobreleva o espírito aos
conhecimentos, aos interesses, aos preconceitos de ofício; ela
"humaniza" os especialistas. Mais do que nunca precisam hoje os
espíritos de têmpera filosófica; os estudos técnicos de filosofia, porém,
nem a todos são acessíveis. É a literatura, no mais nobre sentido do
termo, uma vulgarização da filosofia: mediante ela são as nossas
sociedades atravessadas por todas as grandes correntes filosóficas
determinantes do progresso ou ao menos das mudanças sociais; é ela
quem mantém nas almas, sem isso deprimidas pela necessidade de
viver e afogadas nas preocupações materiais, a ânsia das altas questões
que dominam a vida e lhe dão um sentido ou um alvo. Para muitos dos
nossos contemporâneos sumiu-se-lhes a religião, anda longe a ciência;
da literatura somente lhes advém os estímulos que os arrancam ao
egoísmo estreito ou ao mister embrutecedor".5 Não se poderia definir
com mais cabal justeza, nem com mais elegante simplicidade, a
literatura e sua importância.

Muitos dos escritores brasileiros, tanto do período colonial como do


nacional, conquanto sem qualificações propriamente literárias, tiveram
todavia uma influência qualquer em a nossa cultura, a fomentaram ou
de algum modo a revelam. Bem mereceram, pois, da nossa literatura.
Erro fora não os admitisse sequer como subsidiários, a história dessa
literatura. É também principalmente como tais que merecem
consideradas obras, aliás por outros títulos notáveis, como a de Gabriel
Soares ou os Diálogos das Grandezas do Brasil. Os portugueses que no
Brasil escreveram, embora do Brasil e de cousas brasileiras, não
pertencem à nossa literatura nacional, e só abusivamente pode a
história destas ocupar-se deles. O mesmo sucede com outros
estrangeiros que aqui fizeram literatura como o hispano-americano
Santiago Nunes Ribeiro, o espanhol Pascoal, ou os franceses Emile Adet
e Louis Bourgain. Aqueles pelo caráter e estilo de suas letras eram,
como os mesmos brasileiros natos, portugueses, e como o eram
igualmente de nascimento e forçosamente de sentimento — que este se
não naturaliza — como quaisquer outros estrangeiros, não cabem nesta
história. No seu primeiro período ela é a dos escritores portugueses
nascidos no Brasil, no segundo dos autores brasileiros de nascimento e
atividade literária. Os portugueses que para cá vieram fazer literatura
após a Independência, Castilhos, Zaluares, Novais e outros, nem pela
nacionalidade ou sentimento, nem pela língua ou estilo, não pertencem
à nossa literatura, onde legitimamente não se lhes abre lugar. São por
todas as suas feições portugueses. Assim, os brasileiros que, alheando-
se inteiramente do Brasil, em Portugal exerceram toda a sua atividade
literária, como o infeliz e engenhoso Antônio José e o preclaro Alexandre
de Gusmão, também não cabem nela. Tudo autoriza a crer que Antônio
José e Alexandre de Gusmão não teriam sido literariamente o que foram
se houvessem ficado no Brasil. Foi, pois, Portugal, a sua pátria literária,
como o Brasil foi a pátria literária de Gonzaga.

Não existe literatura de que apenas há notícia nos repertórios


bibliográficos ou quejandos livros de erudição e consulta. Uma literatura,
e às modernas de após a imprensa me refiro, só existe pelas obras que
vivem, pelo livro lido, de valor efetivo e permanente e não momentâneo
e contingente. A literatura brasileira (como aliás sua mãe, a portuguesa)
é uma literatura de livros na máxima parte mortos, e sobretudo de
nomes, nomes em penca, insignificantes, sem alguma relação positiva
com as obras. Estas, raríssimas são, até entre os letrados, os que ainda
as versam. Não pode haver maior argumento da sua desvalia.

Por um mau patriotismo, sentimento funesto a toda a história, que


necessariamente vicia, e também por vaidade de erudição, presumiram
os nossos historiadores literários avultar e valorizar o seu assunto, ou o
seu próprio conhecimento dele, com fartos róis de autores e obras,
acompanhados de elogios desmarcados e impertinentes qualificativos.
Não obstante o pregão patriótico, tais nomes e obras continuaram
desconhecidos eles e elas não lidas. Não quero cair no mesmo engano
de supor que a crítica ou a história literária têm faculdades para dar vida
e mérito ao que de si não tem. Igualmente não desejo continuar a fazer
da história da nossa literatura um cemitério, enchendo-a de autores de
todo mortos, alguns ao nascer. No período colonial haverá esta
forçosamente de ocupar-se de sujeitos e obras de escasso ou até
nenhum valor literário, como são quase todas as dessa época. Não
sendo, porém, esse o único da obra literária, nem o ponto de vista
estético e só de que podemos fazer a história literária, cumpre do ponto
de vista histórico, o mais legítimo no caso, apreciar autores e livros que,
ainda àquela luz medíocres, têm qualquer importância como iniciadores,
precursores, inspiradores ou até simples indículos de movimentos ou
momentos literários. É justamente naquele período de formação, o mais
insignificante sob o aspecto estético, mas não o menos importante do
ponto de vista histórico, que mais numerosos se nos depararão obras e
indivíduos de todo mofinos. Temos, porém, de contar com eles, pois
nessa formação atuaram sequer com o seu exemplo e ajudaram a
manter a tradição literária da raça. No segundo período da constituição
da literatura a que, sem maior impropriedade, já podemos chamar de
nacional, cumpre-nos ser ainda mais escassos em admitir tipos de
insuficiente representação literária. Cabe excluir-lhe da história, que
deve ser a da literatura viva, indivíduos e obras que virtudes de ideação
ou de expressão não assinalaram bastante para poderem continuar
estimados além do seu tempo. Obras que apenas o acompanharam,
sem nele influírem ou se distinguirem, ou que nem ao menos lhe
representam dignamente o espírito e capacidade, ou ainda que não
sejam a expressão de uma conspícua personalidade, apenas terão lugar
à margem da literatura e da sua história. Parece um critério, não
infalível mas seguro, de escolha, a mesma escolha feita pela opinião
mais esclarecida dos contemporâneos, confirmada pelo juízo da
posteridade. Raríssimo é que esta seleção, mesmo no Brasil, onde é
lícito ter por menos alumiada a opinião pública, não seja ao cabo justa,
e só os que lhe resistem são dignos da história literária. Não pode esta,
a pretexto de opiniões pessoais de quem a escreve, desatender à
seleção natural que o senso comum opera nas literaturas. Cumpre-lhe
antes acatá-la se não tem argumentos incontestáveis a opor-lhe. Em
que pese à nossa pretensão de letrados, são os eleitos daquela opinião
os que cabem na história da literatura, que não queira invadir o domínio
da bibliografia nem merecer o reproche de simplesmente impressionista.

A história da literatura brasileira é, no meu conceito, a história do que


da nossa atividade literária sobrevive na nossa memória coletiva de
nação. Como não cabem nela os nomes que não lograram viver além do
seu tempo também não cabem nomes que por mais ilustres que
regionalmente sejam não conseguiram, ultrapassando as raias das suas
províncias, fazerem-se nacionais. Este conceito presidiu à redação desta
história, embora com a largueza que as condições peculiares à nossa
evolução literária impunham. Ainda nela entram muitos nomes que
podiam sem inconveniente ser omitidos, pois de fato bem pouco ou
quase nada representam. Porém uma seleção mais rigorosa é trabalho
para o futuro.

Os elementos biográficos, necessários à melhor compreensão do autor e


da sua época literária, como outros dados cronológicos, são da maior
importância para bem situar nestas obras e autores e indicar-lhes a
ação e reação. A história literária deve, porém, antes ser a história
daquelas do que destes. Obras e não livros, movimentos e
manifestações literárias sérias e conseqüentes, e não modas e rodas
literárias, eiva das literaturas contemporâneas, são, a meu ver, o
imediato objeto da história da literatura. Um livro pode constituir uma
obra,6 vinte podem não fazê-la. São obras e não livros, escritores e não
meros autores que fazem e ilustram uma literatura. Em a nossa
deparam-se-nos a cada passo sujeitos que sem vocação nem engenho
literário, embora não de todo sem entendimento ou estro, produziram,
geralmente em moços, um livro, um ou mais poemas ou outra pequena
e não repetida obra literária. Outros até a repetem em maior número de
volumes. Mais que a vocação que não tinham, moveu-os a vaidade, a
presunção da notoriedade que a autoria dá ou quejando passageiro
estímulo. No reinado de D. Pedro II, monarca amador de letras e
caroável aos letrados, por lhe armar à benevolência e patrocínio, foi
comum fingirem-se muitos de amantes daquelas e as praticarem,
mesmo assiduamente, mais porventura do que lhes pedia a vocação ou
consentia o talento. Alguma vez foi esse labor sincero, se bem que
efeito de uma inspiração circunstancial e momentânea, que se não
repetindo descobre-lhe a insuficiência. Tais autores esporádicos,
amadores sem engenho nem capacidade literária, e tais obras casuais,
produtos de uma inspiração fortuita ou interesseira, não pertencem à
literatura e menos à sua história.

Seja qual for o nosso parecer sobre o valor da obra literária, isolada ou
em relação com o seu meio e tempo, prevalece a noção do senso
comum que em todo caso ela precisa de virtudes de pensamento e de
expressão com que logre a estima e agrado geral. A que não as tiver é
obra de nascença morta. As qualidades de expressão, porém, não são
apenas atributos de forma sob o aspecto gramatical ou estilístico, senão
virtudes mais singulares e subidas de íntima conexão entre o
pensamento e o seu enunciado. Não é escritor senão o que tem alguma
cousa interessante do domínio das idéias a exprimir e sabe exprimi-la
por escrito, de modo a lhe aumentar o interesse, a torná-lo permanente
e a dar aos leitores o prazer intelectual que a obra literária deve
produzir.

Confesso haver hesitado na exposição da marcha da nossa literatura, se


pelos gêneros literários, poesia épica, lírica ou dramática, história,
romance, eloqüência e que tais, consagrados pela retórica e pelo uso,
ou se apenas cronologicamente, conforme a seqüência natural dos fatos
literários. Ative-me afinal a este último alvitre menos por julgá-lo em
absoluto o melhor que por se me antolhar o mais consentâneo com a
evolução de uma literatura, como a nossa, em que os fatos literários,
mormente no período de sua formação, não são tais e tantos que lhes
permitam a exposição e estudo conforme determinadas categorias.
Nesse período e ainda no seguinte aqueles diferentes gêneros não
apresentam bastante matéria à história, sem perigo desta derramar-se
ociosamente. Ao contrário expor esses fatos na ordem e segundo as
circunstâncias em que eles se passam, as condições que os determinam
e condicionam e as feições características que afetam, parece fará mais
inteligível a nossa evolução literária com a vantagem de guardar maior
respeito ao princípio da última unidade da literatura. Nesta, como na
arte e na ciência, é conspícua a função do fator individual. Um escritor
não pode ser bem entendido na sua obra e ação senão visto em
conjunto, e não repartido conforme os gêneros diversos em que provou
o engenho.

Refugi também à praxe das citações mais ou menos extensas dos


autores tratados, limitando-as a raros exemplos, quando absolutamente
indispensáveis à justificação de algum conceito. É possível, e até
provável, que mais de um deste livro se encontre e ajuste, com os de
outrem. Apesar da diversidade proverbial dos gostos e da variedade das
determinantes das nossas opiniões, não é infinita a capacidade de
variação em assuntos dos quais o gosto individual não é mais o único
juiz. Forçosamente hão de algumas vezes as nossas opiniões coincidir
com alheias. O importante é que as minhas eu as tenha feito com
estudo próprio e direto dos fatos e monumentos literários e isso protesto
ter sempre feito. Muito presumido e tolo seria o escritor, máxime o
historiador literário, que supusesse não dizer senão cousa de todo
originais e inéditas ou poder evitar os infalíveis encontros de opiniões:

Il faut être ignorant comme un maître d’école


Pour se flatter de dire une seule parole
Que personne ici-bas n’ait pu dire avant vous.

Por motivos óbvios de discrição literária não se quisera este livro ocupar
senão de mortos. Esta norma, porém, era quase impossível segui-la na
última fase da nossa literatura, vivendo ainda, como felizmente vivem,
alguns dos principais representantes dos movimentos literários nela
ocorridos; calar-lhes os nomes seria deixar suspensa a história desses
movimentos. Ainda assim apenas ocasionalmente, por amor de
completar ou esclarecer a exposição, se dirá de vivos.

Tal o espírito em que após mais de vinte e cinco anos de estudo da


nossa literatura empreendo escrever-lhe a história. Não me anima, em
toda a sinceridade o digo, a presunção de encher nenhuma lacuna nem
de prevalecer contra o que do assunto há escrito, certamente com maior
cabedal de saber e mais talento. Não há matéria que dispense novos
estudos. Existe sempre, em qualquer uma, lugar para outros labores.
Não desconheço o que devo aos meus beneméritos predecessores desde
Varnhagen até o Sr. Sílvio Romero.

Pela cópia, valia e influência de sua obra de investigação da nossa


história literária, é aquele o verdadeiro fundador da história da nossa
literatura. Depois dele esta, em que pese à ingrata presunção em
contrário, não fez mais que repeti-lo, ampliando-o. Cronologicamente,
não o ignoro, o precederam, Cunha Barbosa, Norberto Silva, Gonçalves
de Magalhães, Pereira da Silva, Bouterwek, Sismonde de Sismondi e
Ferdinand Denis.* Nenhum, porém, fez investigações originais ou
estudos acurados e alguns apenas se ocuparam da nossa literatura
ocasional e episodicamente. E todos, repito, até o advento de
Varnhagen, a fizeram superficialmente, apenas repetindo parcas noções
hauridas em noticiadores portugueses, divagando retoricamente a
respeito, sem nenhum ou com escasso conhecimento pessoal da obra
literária aqui feita. Decididamente o primeiro que o teve cabal foi
Varnhagen. Prestante e estimável como recolta de documentos da
poesia brasileira, que sem ele se teriam talvez perdido, tem somenos
mérito como informação histórica o Parnaso Brasileiro, do Cônego
Januário da Cunha Barbosa. Pereira da Silva nenhuma confiança e pouca
estima merece como historiador literário. Nunca investigou seriamente
coisa alguma e está cheio de erros de fato e de apreciação já no seu
tempo indesculpáveis. Magalhães apenas mostrou a sua ignorância do
assunto, que não estudou, limitando-se a uma amplificação retórica.
Depois de Varnhagen é Norberto Silva o mais operoso, o mais seguro
dos primitivos estudiosos da nossa literatura, cuja história projetou
escrever. As suas numerosas contribuições para ela, infelizmente na
maior parte avulsas e dispersas em prefácios, revistas e jornais, são
geralmente relevantes. Aproveitando inteligentemente o trabalho destes
e de outras fontes de informação e as notícias e esclarecimentos
pessoais de Magalhães e Porto Alegre, o austríaco Fernando Wolf
publicou (Berlim, 1863) a sua ainda hoje muito estimável Histoire de la
Littérature Brésilienne, a primeira narrativa sistemática e exposição
completa, até aquela data, da nossa atividade literária, compreendendo
o Romantismo. Trouxe-a até os nossos dias o Sr. Dr. Sílvio Romero
numa obra que quaisquer que sejam os seus defeitos não é menos um
distinto testemunho da nossa cultura literária no último quartel do
século passado. A História da Literatura Brasileira do Sr. Dr. Sílvio
Romero é sobretudo valiosa por ser o primeiro quadro completo não só
da nossa literatura mas de quase todo o nosso trabalho intelectual e
cultura geral, pelas idéias gerais e vistas filosóficas que na história da
nossa literatura introduziu, e também pela influência excitante e
estimulante que exerceu em a nossa atividade literária de 1880 para cá.
Com diverso conceito do que é literatura, e sem fazer praça de filosofia
ou estética sistemática, aponta esta apenas a fornecer aos que
porventura se interessem pelo assunto uma noção tão exata e tão clara
quanto em meu poder estiver, do nosso progresso literário,
correlacionado com a nossa evolução nacional. E foi feita, repito-o
desenganadamente, no estudo direto das fontes, que neste caso são as
mesmas obras literárias, todas por mim lidas e estudadas, como aliás
rigorosamente me cumpria.

Rio, 4 de dezembro de 1912.

José Veríssimo, em História da Literatura Brasileira


Origens

O estudo sobre as origens da literatura brasileira deve ser feito levando-


se em conta duas vertentes: a histórica e a estética. O ponto de vista
histórico orienta no sentido de que a literatura brasileira é uma
expressão de cultura gerada no seio da literatura portuguesa. Como até
bem pouco tempo eram muito pequenas as diferenças entre a literatura
dos dois países, os historiadores acabaram enaltecendo o processo da
formação literária brasileira, a partir de uma multiplicidade de
coincidências formais e temáticas.

A outra vertente (aquela que salienta a estética como pressuposto para


a análise literária brasileira) ressalta as divergências que desde o
primeiro instante se acumularam no comportamento (como nativo e
colonizado) do homem americano, influindo na composição da obra
literária. Em outras palavras, considerando que a situação do colono
tinha de resultar numa nova concepção da vida e das relações humanas,
com uma visão própria da realidade, a corrente estética valoriza o
esforço pelo desenvolvimento das formas literárias no Brasil, em busca
de uma expressão própria, tanto quanto possível original

Em resumo: estabelecer a autonomia literária é descobrir os momentos


em que as formas e artifícios literários se prestam a fixar a nova visão
estética da nova realidade. Assim, a literatura, ao invés de períodos
cronológicos, deverá ser dividida, desde o seu nascedouro, de acordo
com os estilos correspondentes às suas diversas fases, do Quinhentismo
ao Modernismo, até a fase da contemporaneidade.

Duas eras - A literatura brasileira tem sua história dividida em duas


grandes eras, que acompanham a evolução política e econômica do
país: a Era Colonial e a Era Nacional, separadas por um período de
transição, que corresponde à emancipação política do Brasil. As eras
apresentam subdivisões chamadas escolas literárias ou estilos de época.

A Era Colonial abrange o Quinhentismo (de 1500, ano do


descobrimento, a 1601), o Seiscentismo ou Barroco (de 1601 a 1768), o
Setecentismo (de 1768 a 1808) e o período de Transição (de 1808 a
1836). A Era Nacional, por sua vez, envolve o Romantismo (de 1836 a
1881), o Realismo (de 1881 a 1893), o Simbolismo (de 1893 a 1922) e
o Modernismo (de 1922 a 1945). A partir daí, o que está em estudo é a
contemporaneidade da literatura brasileira.

O Quinhentismo

Esta expressão é a denominação genérica de todas as manifestações


literárias ocorridas no Brasil durante o século XVI, correspondendo à
introdução da cultura européia em terras brasileiras. Não se pode falar
em uma literatura "do" Brasil, como característica do país naquele
período, mas sim em literatura "no" Brasil - uma literatura ligada ao
Brasil, mas que denota as ambições e as intenções do homem europeu.

No Quinhentismo, o que se demonstrava era o momento histórico vivido


pela Península Ibérica, que abrangia uma literatura informativa e uma
literatura dos jesuítas, como principais manifestações literárias no
século XVI. Quem produzia literatura naquele período estava com os
olhos voltados para as riquezas materiais (ouro, prata, ferro, madeira,
etc.), enquanto a literatura dos jesuítas se preocupava com o trabalho
de catequese.

Com exceção da carta de Pero Vaz de Caminha, considerada o primeiro


documento da literatura no Brasil, as principais crônicas da literatura
informativa datam da segunda metade do século XVI, fato
compreensível, já que a colonização só pode ser contada a partir de
1530. A literatura jesuítica, por seu lado, também caracteriza o final do
Quinhentismo, tendo esses religiosos pisado o solo brasileiro somente
em 1549.

A literatura informativa, também chamada de literatura dos viajantes ou


dos cronistas, reflexo das grandes navegações, empenha-se em fazer
um levantamento da terra nova, de sua flora, fauna, de sua gente. É,
portanto, uma literatura meramente descritiva e, como tal, sem grande
valor literário

A principal característica dessa manifestação é a exaltação da terra,


resultante do assombro do europeu que vinha de um mundo temperado
e se defrontava com o exotismo e a exuberância de um mundo tropical.
Com relação à linguagem, o louvor à terra aparece no uso exagerado de
adjetivos, quase sempre empregados no superlativo (belo é belíssimo,
lindo é lindíssimo etc.)

O melhor exemplo da escola quinhentista brasileira é Pero Vaz de


Caminha. Sua "Carta ao El Rei Dom Manuel sobre o achamento do
Brasil", além do inestimável valor histórico, é um trabalho de bom nível
literário. O texto da carta mostra claramente o duplo objetivo que,
segundo Caminha, impulsionava os portugueses para as aventuras
marítimas, isto é, a conquista dos bens materiais e a dilatação da fé
cristã

Literatura jesuíta - Conseqüência da Contra-Reforma, a principal


preocupação dos jesuítas era o trabalho de catequese, objetivo que
determinou toda a sua produção literária, tanto na poesia quanto no
teatro. Mesmo assim, do ponto de vista estético, foi a melhor produção
literária do Quinhentismo brasileiro. Além da poesia de devoção, os
jesuítas cultivaram o teatro de caráter pedagógico, baseado em trechos
bíblicos, e as cartas que informavam aos superiores na Europa sobre o
andamento dos trabalhos na colônia.

Não se pode comentar, no entanto, a literatura dos jesuítas sem


referências ao que o padre José de Anchieta representa para o
Quinhentismo brasileiro. Chamado pelos índios de "Grande Piahy"
(supremo pajé branco), Anchieta veio para o Brasil em 1553 e, no ano
seguinte, fundou um colégio no planalto paulista, a partir do qual surgiu
a cidade de São Paulo.

Ao realizar um exaustivo trabalho de catequese, José de Anchieta deixou


uma fabulosa herança literária: a primeira gramática do tupi-guarani,
insuperável cartilha para o ensino da língua dos nativos; várias poesias
no estilo do verso medieval; e diversos autos, segundo o modelo
deixado pelo poeta português Gil Vicente, que agrega à moral religiosa
católica os costumes dos indígenas, sempre com a preocupação de
caracterizar os extremos, como o bem e o mal, o anjo e o diabo.

O Barroco

O Barroco no Brasil tem seu marco inicial em 1601, com a publicação do


poema épico "Prosopopéia", de Bento Teixeira, que introduz
definitivamente o modelo da poesia camoniana em nossa literatura.
Estende-se por todo o século XVII e início do XVIII.

Embora o Barroco brasileiro seja datado de 1768, com a fundação da


Arcádia Ultramarina e a publicação do livro "Obras", de Cláudio Manuel
da Costa, o movimento academicista ganha corpo a partir de 1724, com
a fundação da Academia Brasílica dos Esquecidos. Este fato assinala a
decadência dos valores defendidos pelo Barroco e a ascensão do
movimento árcade.O termo barroco denomina genericamente todas as
manifestações artísticas dos anos de 1600 e início dos anos de 1700.
Além da literatura, estende-se à música, pintura, escultura e arquitetura
da época.

Antes do texto de Bento Teixeira, os sinais mais evidentes da influência


da poesia barroca no Brasil surgiram a partir de 1580 e começaram a
crescer nos anos seguintes ao domínio espanhol na Península Ibérica, já
que é a Espanha a responsável pela unificação dos reinos da região, o
principal foco irradiador do novo estilo poético.

O quadro brasileiro se completa no século XVII, com a presença cada


vez mais forte dos comerciantes, com as transformações ocorridas no
Nordeste em conseqüência das invasões holandesas e, finalmente, com
o apogeu e a decadência da cana-de-açúcar

Uma das principais referências do barroco brasileiro é Gregório de Matos


Guerra, poeta baiano que cultivou com a mesma beleza tanto o estilo
cultista quanto o conceptista (o cultismo é marcado pela linguagem
rebuscada, extravagante, enquanto o conceptismo caracteriza-se pelo
jogo de idéias, de conceitos. O primeiro valoriza o pormenor, enquanto
o segundo segue um raciocínio lógico, racionalista)

Na poesia lírica e religiosa, Gregório de Matos deixa claro certo


idealismo renascentista, colocado ao lado do conflito (como de hábito na
época) entre o pecado e o perdão, buscando a pureza da fé, mas tendo
ao mesmo tempo necessidade de viver a vida mundana. Contradição
que o situava com perfeição na escola barroca do Brasil.

Antônio Vieira - Se por um lado, Gregório de Matos mexeu com as


estruturas morais e a tolerância de muita gente - como o administrador
português, o próprio rei, o clero e os costumes da própria sociedade
baiana do século XVII - por outro, ninguém angariou tantas críticas e
inimizades quanto o "impiedoso" Padre Antônio Vieira, detentor de um
invejável volume de obras literárias, inquietantes para os padrões da
época.
Politicamente, Vieira tinha contra si a pequena burguesia cristã (por
defender o capitalismo judaico e os cristãos-novos); os pequenos
comerciantes (por defender o monopólio comercial); e os
administradores e colonos (por defender os índios). Essas posições,
principalmente a defesa dos cristãos-novos, custaram a Vieira uma
condenação da Inquisição, ficando preso de 1665 a 1667.

A obra do Padre Antônio Vieira pode ser dividida em três tipos de


trabalhos: Profecias, Cartas e Sermões.

As Profecias constam de três obras: "História do futuro", "Esperanças de


Portugal" e "Clavis Prophetarum". Nelas se notam o sebastianismo e as
esperanças de que Portugal se tornaria o "quinto império do Mundo".
Segundo ele, tal fato estaria escrito na Bíblia. Aqui ele demonstra bem
seu estilo alegórico de interpretação bíblica (uma característica quase
que constante de religiosos brasileiros íntimos da literatura barroca).
Além, é claro, de revelar um nacionalismo megalomaníaco e servidão
incomum.

O grosso da produção literária do Padre Antônio Vieira está nas cerca de


500 cartas. Elas versam sobre o relacionamento entre Portugal e
Holanda, sobre a Inquisição e os cristãos novos e sobre a situação da
colônia, transformando-se em importantes documentos históricos.

O melhor de sua obra, no entanto, está nos 200 sermões. De estilo


barroco conceptista, totalmente oposto ao Gongorismo, o pregador
português joga com as idéias e os conceitos, segundo os ensinamentos
de retórica dos jesuítas. Um dos seus principais trabalhos é o "Sermão
da Sexagésima", pregado na capela Real de Lisboa, em 1655. A obra
também ficou conhecida como "A palavra de Deus". Polêmico, este
sermão resume a arte de pregar. Com ele, Vieira procurou atingir seus
adversários católicos, os gongóricos dominicanos, analisando no sermão
"Por que não frutificava a Palavra de Deus na terra", atribuindo-lhes
culpa.

O Arcadismo

O Arcadismo no Brasil começa no ano de 1768, com dois fatos


marcantes: a fundação da Arcádia Ultramarina e a publicação de
"Obras", de Cláudio Manuel da Costa. A escola setecentista, por sinal,
desenvolve-se até 1808, com a chegada da Família Real ao Rio de
Janeiro, que, com suas medidas político-administrativas, permite a
introdução do pensamento pré-romântico no Brasil.

No início do século XVIII dá-se a decadência do pensamento barroco,


para a qual vários fatores colaboraram, entre eles o cansaço do público
com o exagero da expressão barroca e da chamada arte cortesã, que se
desenvolvera desde a Renascença e atinge em meados do século um
estágio estacionário (e até decadente), perdendo terreno para o
subjetivismo burguês; o problema da ascensão burguesa superou o
problema religioso; surgem as primeiras arcádias, que procuram a
pureza e a simplicidade das formas clássicas; os burgueses, como forma
de combate ao poder monárquico, começam a cultuar o "bom
selvagem", em oposição ao homem corrompido pela sociedade.

Gosto burguês - Assim, a burguesia atinge uma posição de domínio no


campo econômico e passa a lutar pelo poder político, então em mãos da
monarquia. Isso se reflete claramente no campo social e das artes: a
antiga arte cerimonial das cortes cede lugar ao poder do gosto burguês.

Pode-se dizer que a falta de substitutos para o Padre Antônio Vieira e


Gregório de Matos, mortos nos últimos cinco anos do século XVII, foi
também um aspecto motivador do surgimento do Arcadismo no Brasil.
De qualquer forma, suas características no país seguem a linha
européia: a volta aos padrões clássicos da Antigüidade e do
Renascimento; a simplicidade; a poesia bucólica, pastoril; o fingimento
poético e o uso de pseudônimos. Quanto ao aspecto formal, a escola é
marcada pelo soneto, os versos decassílabos, a rima optativa e a
tradição da poesia épica. O Arcadismo tem como principais nomes:
Cláudio Manuel da Costa, Tomás Antônio Gonzaga, José de Santa Rita
Durão e Basílio da Gama.

O Romantismo

O Romantismo se inicia no Brasil em 1836, quando Gonçalves de


Magalhães publica na França a "Niterói - Revista Brasiliense", e, no
mesmo ano, lança um livro de poesias românticas intitulado "Suspiros
poéticos e saudades".
Em 1822, Dom Pedro I concretiza um movimento que se fazia sentir, de
forma mais imediata, desde 1808: a independência do Brasil. A partir
desse momento, o novo país necessita inserir-se no modelo moderno,
acompanhando as nações independentes da Europa e América. A
imagem do português conquistador deveria ser varrida. Há a
necessidade de auto-afirmação da pátria que se formava. O ciclo da
mineração havia dado condições para que as famílias mais abastadas
mandassem seus filhos à Europa, em particular França e Inglaterra,
onde buscam soluções para os problemas brasileiros. O Brasil de então
nem chegava perto da formação social dos países industrializados da
Europa (burguesia/proletariado). A estrutura social do passado próximo
(aristocracia/escravo) ainda prevalecia. Nesse Brasil, segundo o
historiador José de Nicola, "o ser burguês ainda não era uma posição
econômica e social, mas mero estado de espírito, norma de
comportamento".

Marco final - Nesse período, Gonçalves de Magalhães viajava pela


Europa. Em 1836, ele funda a revista Niterói, da qual circularam apenas
dois números, em Paris. Nela, ele publica o "Ensaio sobre a história da
literatura brasileira", considerado o nosso primeiro manifesto romântico.
Essa escola literária só teve seu marco final no ano de 1881, quando
foram lançados os primeiros romances de tendência naturalista e
realista, como "O mulato", de Aluízio Azevedo, e "Memórias póstumas
de Brás Cubas", de Machado de Assis. Manifestações do movimento
realista, aliás, já vinham ocorrendo bem antes do início da decadência
do Romantismo, como, por exemplo, o liderado por Tobias Barreto
desde 1870, na Escola de Recife.

O Romantismo, como se sabe, define-se como modismo nas letras


universais a partir dos últimos 25 anos do século XVIII. A segunda
metade daquele século, com a industrialização modificando as antigas
relações econômicas, leva a Europa a uma nova composição do quadro
político e social, que tanto influenciaria os tempos modernos. Daí a
importância que os modernistas deram à Revolução Francesa, tão
exaltada por Gonçalves de Magalhães. Em seu "Discurso sobre a história
da literatura do Brasil", ele diz: "...Eis aqui como o Brasil deixou de ser
colônia e foi depois elevado à categoria de Reino Unido. Sem a
Revolução Francesa, que tanto esclareceu os povos, esse passo tão cedo
se não daria...".

A classe social delineia-se em duas classes distintas e antagônicas,


embora atuassem paralelas durante a Revolução Francesa: a classe
dominante, agora representada pela burguesia capitalista industrial, e a
classe dominada, representada pelo proletariado. O Romantismo foi uma
escola burguesa de caráter ideológico, a favor da classe dominante. Daí
porque o nacionalismo, o sentimentalismo, o subjetivismo e o
irracionalismo - características marcantes do Romantismo inicial - não
podem ser analisados isoladamente, sem se fazer menção à sua carga
ideológica.

Novas influências - No Brasil, o momento histórico em que ocorre o


Romantismo tem que ser visto a partir das últimas produções árcades,
caracterizadas pela sátira política de Gonzaga e Silva Alvarenga. Com a
chegada da Corte, o Rio de Janeiro passa por um processo de
urbanização, tornando-se um campo propício à divulgação das novas
influências européias. A colônia caminhava no rumo da independência.

Após 1822, cresce no Brasil independente o sentimento de


nacionalismo, busca-se o passado histórico, exalta-se a natureza pátria.
Na realidade, características já cultivadas na Europa, e que se
encaixaram perfeitamente à necessidade brasileira de ofuscar profundas
crises sociais, financeiras e econômicas.

De 1823 a 1831, o Brasil viveu um período conturbado, como reflexo do


autoritarismo de D. Pedro I: a dissolução da Assembléia Constituinte; a
Constituição outorgada; a Confederação do Equador; a luta pelo trono
português contra seu irmão D. Miguel; a acusação de ter mandado
assassinar Líbero Badaró e, finalmente, a abolição da escravatura.
Segue-se o período regencial e a maioridade prematura de Pedro II. É
neste ambiente confuso e inseguro que surge o Romantismo brasileiro,
carregado de lusofobia e, principalmente, de nacionalismo.

No final do Romantismo brasileiro, a partir de 1860, as transformações


econômicas, políticas e sociais levam a uma literatura mais próxima da
realidade; a poesia reflete as grandes agitações, como a luta
abolicionista, a Guerra do Paraguai, o ideal de República. É a decadência
do regime monárquico e o aparecimento da poesia social de Castro
Alves. No fundo, uma transição para o Realismo.

O Romantismo apresenta uma característica inusitada: revela


nitidamente uma evolução no comportamento dos autores românticos. A
comparação entre os primeiros e os últimos representantes dessa escola
mostra traços peculiares a cada fase, mas discrepantes entre si. No caso
brasileiro, por exemplo, há uma distância considerável entre a poesia de
Gonçalves Dias e a de Castro Alves. Daí a necessidade de se dividir o
Romantismo em fases ou gerações. No romantismo brasileiro podemos
reconhecer três gerações: geração nacionalista ou indianista; geração
do "mal do século" e a "geração condoreira".
A primeira (nacionalista ou indianista) é marcada pela exaltação da
natureza, volta ao passado histórico, medievalismo, criação do herói
nacional na figura do índio, de onde surgiu a denominação "geração
indianista". O sentimentalismo e a religiosidade são outras
características presentes. Entre os principais autores, destacam-se
Gonçalves de Magalhães, Gonçalves Dias e Araújo Porto.

Egocentrismo - A segunda (do "mal do século", também chamada de


geração byroniana, de Lord Byron) é impregnada de egocentrismo,
negativismo boêmio, pessimismo, dúvida, desilusão adolescente e tédio
constante. Seu tema preferido é a fuga da realidade, que se manifesta
na idealização da infância, nas virgens sonhadas e na exaltação da
morte. Os principais poetas dessa geração foram Álvares de Azevedo,
Casimiro de Abreu, Junqueira Freire e Fagundes Varela.

A geração condoreira, caracterizada pela poesia social e libertária,


reflete as lutas internas da segunda metade do reinado de D. Pedro II.
Essa geração sofreu intensamente a influência de Victor Hugo e de sua
poesia político-social, daí ser conhecida como geração hugoana. O termo
condoreirismo é conseqüência do símbolo de liberdade adotado pelos
jovens românticos: o condor, águia que habita o alto da cordilheira dos
Andes. Seu principal representante foi Castro Alves, seguido por Tobias
Barreto e Sousândrade.

Duas outras variações literárias do Romantismo merecem destaque: a


prosa e o teatro romântico. José de Nicola demonstrou quais as
explicações para o aparecimento e desenvolvimento do romance no
Brasil: "A importação ou simples tradução de romances europeus; a
urbanização do Rio de Janeiro, transformado, então, em Corte, criando
uma sociedade consumidora representada pela aristocracia rural,
profissionais liberais, jovens estudantes, todos em busca de
entretenimento; o espírito nacionalista em conseqüência da
independência política a exigir uma "cor local" para os enredos; o
jornalismo vivendo o seu primeiro grande impulso e a divulgação em
massa de folhetins; o avanço do teatro nacional".

Os romances respondiam às exigências daquele público leitor; giravam


em torno da descrição dos costumes urbanos, ou de amenidades das
zonas rurais, ou de imponentes selvagens, apresentando personagens
idealizados pela imaginação e ideologia românticas com os quais o leitor
se identificava, vivendo uma realidade que lhe convinha. Algumas
poucas obras, porém, fugiram desse esquema, como "Memórias de um
Sargento de Milícias", de Manuel Antônio de Almeida, e até "Inocência",
do Visconde de Taunay.
Ao se considerar a mera cronologia, o primeiro romance brasileiro foi "O
filho do pescador", publicado em 1843, de autoria de Teixeira de Souza
(1812-1881). Mas se tratava de um romance sentimentalóide, de trama
confusa e que não serve para definir as linhas que o romance romântico
seguiria na literatura brasileira.

Por esta razão, sobretudo pela aceitação obtida junto ao público leitor,
justamente por ter moldado o gosto deste público ou correspondido às
suas expectativas, convencionou-se adotar o romance "A Moreninha",
de Joaquim Manuel de Macedo, publicado em 1844, como o primeiro
romance brasileiro.

Dentro das características básicas da prosa romântica, destacam-se,


além de Joaquim Manuel de Macedo, Manuel Antônio de Almeida e José
de Alencar. Almeida, por sinal, com as "Memórias de um Sargento de
Milícias" realizou uma obra totalmente inovadora para sua época,
exatamente quando Macedo dominava o ambiente literário. As
peripécias de um sargento descritas por ele podem ser consideradas
como o verdadeiro romance de costumes do Romantismo brasileiro, pois
abandona a visão da burguesia urbana, para retratar o povo com toda a
sua simplicidade.

"Casamento" - José de Alencar, por sua vez, aparece na literatura


brasileira como o consolidador do romance, um ficcionista que cai no
gosto popular. Sua obra é um retrato fiel de suas posições políticas e
sociais. Ele defendia o "casamento" entre o nativo e o europeu
colonizador, numa troca de favores: uns ofereciam a natureza virgem,
um solo esplêndido; outros a cultura. Da soma desses fatores resultaria
um Brasil independente. "O guarani" é o melhor exemplo, ao se
observar a relação do principal personagem da obra, o índio Peri, com a
família de D. Antônio de Mariz.

Este jogo de interesses entre o índio e o europeu, proposto por Alencar,


aparece também em "Iracema" (um anagrama da palavra América), na
relação da índia com o português Martim. Moacir, filho de Iracema e
Martim, é o primeiro brasileiro fruto desse casamento.

José de Alencar diversificou tanto sua obra que tornou possível uma
classificação por modalidades: romances urbanos ou de costumes
(retratando a sociedade carioca de sua época - o Rio do II Reinado);
romances históricos (dois, na verdade, voltados para o período colonial
brasileiro - "As minas de prata" e "A guerra dos mascates"); romances
regionais ("O sertanejo" e "O gaúcho" são as duas obras regionais de
Alencar); romances rurais ( como "Til" e "O tronco do ipê"; e romances
indianistas, que trouxeram maior popularidade para o escritor, como "O
Guarani", "Iracema" e "Ubirajara".

Realismo e Naturalismo

"O Realismo é uma reação contra o Romantismo: o Romantismo era a


apoteose do sentimento - o Realismo é a anatomia do caráter. É a
crítica do homem. É a arte que nos pinta a nossos próprios olhos - para
condenar o que houve de mau na nossa sociedade." Ao cunhar este
conceito, Eça de Queiroz sintetizou a visão de vida que os autores da
escola realista tinham do homem durante e logo após o declínio do
Romantismo.

Este estilo de época teve uma prévia: os românticos Castro Alves,


Sousândrade e Tobias Barreto, embora fizessem uma poesia romântica
na forma e na expressão, utilizavam temas voltados para a realidade
político-social da época (final da década de 1860). Da mesma forma,
algumas produções do romance romântico já apontavam para um novo
estilo na literatura brasileira, como algumas obras de Manuel Antônio de
Almeida, Franklin Távora e Visconde de Taunay. Começava-se o
abandono do Romantismo enquanto surgiam os primeiros sinais do
Realismo.

Na década de 70 surge a chamada Escola de Recife, com Tobias Barreto,


Silvio Romero e outros, aproximando-se das idéias européias ligadas ao
positivismo, ao evolucionismo e, principalmente, à filosofia. São os
ideais do Realismo que encontravam ressonância no conturbado
momento histórico vivido pelo Brasil, sob o signo do abolicionismo, do
ideal republicano e da crise da Monarquia.

No Brasil, considera-se 1881 como o ano inaugural do Realismo. De


fato, esse foi um ano fértil para a literatura brasileira, com a publicação
de dois romances fundamentais, que modificaram o curso de nossas
letras: Aluízio Azevedo publica "O mulato", considerado o primeiro
romance naturalista do Brasil; Machado de Assis publica "Memórias
Póstumas de Brás Cubas", o primeiro romance realista de nossa
literatura.

Na divisão tradicional da história da literatura brasileira, o ano


considerado data final do Realismo é 1893, com a publicação de "Missal"
e "Broquéis", ambos de Cruz e Sousa, obras inaugurais do Simbolismo,
mas não o término do Realismo e suas manifestações na prosa - com os
romances realistas e naturalistas - e na poesia, com o Parnasianismo

"Príncipe dos poetas" - Da mesma forma, o início do Simbolismo, em


1893, não representou o fim do Realismo, porque obras realistas foram
publicadas posteriormente a essa data, como "Dom Casmurro", de
Machado de Assis, em 1900, e "Esaú e Jacó", do mesmo autor, em
1904. Olavo Bilac, chamado "príncipe dos poetas", obteve esta distinção
em 1907. A Academia Brasileira de Letras, templo do Realismo, também
foi inaugurada posteriormente à data-marco do fim do Realismo: 1897.
Na realidade, nos últimos vinte anos do século XIX e nos primeiros do
século XX, três estéticas se desenvolvem paralelamente: o Realismo e
suas manifestações, o Simbolismo e o Pré-Modernismo, que só
conhecem o golpe fatal em 1922, com a Semana de Arte Moderna.

O Realismo reflete as profundas transformações econômicas, políticas,


sociais e culturais da segunda metade do século XIX. A Revolução
Industrial, iniciada no século XVIII, entra numa nova fase, caracterizada
pela utilização do aço, do petróleo e da eletricidade; ao mesmo tempo, o
avanço científico leva a novas descobertas nos campos da física e da
química. O capitalismo se estrutura em moldes modernos, com o
surgimento de grandes complexos industriais, aumentando a massa
operária urbana, e formando uma população marginalizada, que não
partilha dos benefícios do progresso industrial, mas, pelo contrário, é
explorada e sujeita a condições subumanas de trabalho.

O Brasil também passa por mudanças radicais tanto no campo


econômico quanto no político-social, no período compreendido entre
1850 e 1900, embora com profundas diferenças materiais, se
comparadas às da Europa. A campanha abolicionista intensifica-se a
partir de 1850; a Guerra do Paraguai (1864/1870) tem como
conseqüência o pensamento republicano (o Partido Republicano foi
fundado no ano em que essa guerra terminou); a Monarquia vive uma
vertiginosa decadência. A Lei Áurea, de 1888, não resolveu o problema
dos negros, mas criou uma nova realidade: o fim da mão-de-obra
escrava e sua substituição pela mão-de-obra assalariada, então
representada pelas levas de imigrantes europeus que vinham trabalhar
na lavoura cafeeira, o que originou uma nova economia voltada para o
mercado externo, mas agora sem a estrutura colonialista.

Raul Pompéia, Machado de Assis e Aluízio Azevedo transformaram-se


nos principais representantes da escola realista no Brasil.
Ideologicamente, os autores desse período são antimonárquicos,
assumindo uma defesa clara do ideal republicano, como nos romances
"O mulato", "O cortiço" e "O Ateneu". Eles negam a burguesia a partir
da família. A expressão Realismo é uma denominação genérica da
escola literária, que abriga três tendências distintas: "romance realista",
"romance naturalista" e "poesia parnasiana".

O romance realista foi exaustivamente cultivado no Brasil por Machado


de Assis. Trata-se de uma narrativa mais preocupada com a análise
psicológica, fazendo a crítica à sociedade a partir do comportamento de
determinados personagens. Para se ter uma idéia, os cinco romances da
fase realista de Machado de Assis apresentam nomes próprios em seus
títulos ("Brás Cubas"; "Quincas Borba"; "Dom Casmurro", "Esaú e Jacó";
e "Aires"). Isto revela uma clara preocupação com o indivíduo. O
romance realista analisa a sociedade por cima. Em outras palavras: seus
personagens são capitalistas, pertencem à classe dominante. O romance
realista é documental, retrato de uma época.

Naturalismo

O romance naturalista, por sua vez, foi cultivado no Brasil por Aluísio
Azevedo e Júlio Ribeiro. Aqui, Raul Pompéia também pode ser incluído,
mas seu caso é muito particular, pois seu romance "O Ateneu" ora
apresenta características naturalistas, ora realistas, ora impressionistas.
A narrativa naturalista é marcada pela forte análise social, a partir de
grupos humanos marginalizados, valorizando o coletivo. Os títulos das
obras naturalistas apresentam quase sempre a mesma preocupação: "O
mulato", "O cortiço", "Casa de pensão", "O Ateneu".

O Naturalismo apresenta romances experimentais. A influência de


Charles Darwin se faz sentir na máxima segundo a qual o homem é um
animal; portanto antes de usar a razão deixa-se levar pelos instintos
naturais, não podendo ser reprimido em suas manifestações instintivas,
como o sexo, pela moral da classe dominante. A constante repressão
leva às taras patológicas, tão ao gosto do Naturalismo. Em
conseqüência, esses romances são mais ousados e erroneamente
tachados por alguns de pornográficos, apresentando descrições
minuciosas de atos sexuais, tocando, inclusive, em temas então
proibidos como o homossexualismo - tanto o masculino ("O Ateneu"),
quanto o feminino ("O cortiço").
O Parnasianismo

A poesia parnasiana preocupa-se com a forma e a objetividade, com


seus sonetos alexandrinos perfeitos. Olavo Bilac, Raimundo Correia e
Alberto de Oliveira formam a trindade parnasiana O Parnasianismo é a
manifestação poética do Realismo, dizem alguns estudiosos da literatura
brasileira, embora ideologicamente não mantenha todos os pontos de
contato com os romancistas realistas e naturalistas. Seus poetas
estavam à margem das grandes transformações do final do século XIX e
início do século XX.

Culto à forma - A nova estética se manifesta a partir do final da


década de 1870, prolongando-se até a Semana de Arte Moderna. Em
alguns casos chegou a ultrapassar o ano de 1922 (não considerando, é
claro, o neoparnasianismo). Objetividade temática e culto da forma: eis
a receita. A forma fixa representada pelos sonetos; a métrica dos versos
alexandrinos perfeitos; a rima rica, rara e perfeita. Isto tudo como
negação da poesia romântica dos versos livres e brancos. Em suma, é o
endeusamento da forma.

O Simbolismo

É comum, entre críticos e historiadores, afirmar-se que o Brasil não teve


momento típico para o Simbolismo, sendo essa escola literária a mais
européia, dentre as que contaram com seguidores nacionais, no
confronto com as demais. Por isso, foi chamada de "produto de
importação". O Simbolismo no Brasil começa em 1893 com a publicação
de dois livros: "Missal" (prosa) e "Broquéis" (poesia), ambos do poeta
catarinense Cruz e Sousa, e estende-se até 1922, quando se realizou a
Semana de Arte Moderna.

O início do Simbolismo não pode ser entendido como o fim da escola


anterior, o Realismo, pois no final do século XIX e início do século XX
tem-se três tendências que caminham paralelas: Realismo, Simbolismo
e pré-Modernismo, com o aparecimento de alguns autores preocupados
em denunciar a realidade brasileira, entre eles Euclides da Cunha, Lima
Barreto e Monteiro Lobato. Foi a Semana de Arte Moderna que pôs fim a
todas as estéticas anteriores e traçou, de forma definitiva, novos rumos
para a literatura do Brasil.

Transição - O Simbolismo, em termos genéricos, reflete um momento


histórico extremamente complexo, que marcaria a transição para o
século XX e a definição de um novo mundo, consolidado a partir da
segunda década deste século. As últimas manifestações simbolistas e as
primeiras produções modernistas são contemporâneas da primeira
Guerra Mundial e da Revolução Russa.

Neste contexto de conflitos e insatisfações mundiais (que motivou o


surgimento do Simbolismo), era natural que se imaginasse a falta de
motivos para o Brasil desenvolver uma escola de época como essa. Mas
é interessante notar que as origens do Simbolismo brasileiro se deram
em uma região marginalizada pela elite cultural e política: o Sul - a que
mais sofreu com a oposição à recém-nascida República, ainda
impregnada de conceitos, teorias e práticas militares. A República de
então não era a que se desejava. E o Rio Grande do Sul, onde a
insatisfação foi mais intensa, transformou-se em palco de lutas
sangrentas iniciadas em 1893, o mesmo ano do início do Simbolismo.

A Revolução Federalista (1893 a 1895), que começou como uma disputa


regional, ganhou dimensão nacional ao se opor ao governo de Floriano
Peixoto, gerando cenas de extrema violência e crueldade no Rio Grande
do Sul, Santa Catarina e Paraná. Além disso, surgiu a Revolta da
Armada, movimento rebelde que exigiu a renúncia de Floriano,
combatendo, sobretudo, a Marinha brasileira. Ao conseguir esmagar os
revoltosos, o presidente consegue consolidar a República.

Esse ambiente provavelmente representou a origem do Simbolismo,


marcado por frutrações, angústias, falta de perspectivas, rejeitando o
fato e privilegiando o sujeito. E isto é relevante pois a principal
característica desse estilo de época foi justamente a negação do
Realismo e suas manifestações. A nova estética nega o cientificismo, o
materialismo e o racionalismo. E valoriza as manifestações metafísicas e
espirituais, ou seja, o extremo oposto do Naturalismo e do
Parnasianismo.

"Dante Negro" - Impossível referir-se ao Simbolismo sem reverenciar


seus dois grandes expoentes: Cruz e Sousa e Alphonsus de Guimarães.
Aliás, não seria exagero afirmar que ambos foram o próprio Simbolismo.
Especialmente o primeiro, chamado, então, de "cisne negro" ou "Dante
negro". Figura mais importante do Simbolismo brasileiro, sem ele,
dizem os especialistas, não haveria essa estética no Brasil. Como poeta,
teve apenas um volume publicado em vida: "Broquéis" (os dois outros
volumes de poesia são póstumos). Teve uma carreira muito rápida,
apesar de ser considerado um dos maiores nomes do Simbolismo
universal. Sua obra apresenta uma evolução importante: na medida em
que abandona o subjetivismo e a angústia iniciais, avança para posições
mais universalizantes - sua produção inicial fala da dor e do sofrimento
do homem negro (observações pessoais, pois era filho de escravos),
mas evolui para o sofrimento e a angústia do ser humano.

Já Alphonsus de Guimarães preferiu manter-se fiel a um "triângulo" que


caracterizou toda a sua obra: misticismo, amor e morte. A crítica o
considera o mais místico poeta de nossa literatura. O amor pela noiva,
morta às vésperas do casamento, e sua profunda religiosidade e
devoção por Nossa Senhora geraram, e não poderia ser diferente, um
misticismo que beirava o exagero. Um exemplo é o "Setenário das dores
de Nossa Senhora", em que ele atesta sua devoção pela Virgem. A
morte aparece em sua obra como um único meio de atingir a
sublimação e se aproximar de Constança - a noiva morta - e da Virgem.
Daí o amor aparecer sempre espiritualizado. A própria decisão de se
isolar na cidade mineira de Mariana, que ele próprio considerou sua
"torre de marfim", é uma postura simbolista.

O Pré-Modernismo

O que se convencionou chamar de pré-Modernismo no Brasil não


constitui uma escola literária. Pré-Modernismo é, na verdade, um termo
genérico que designa toda uma vasta produção literária, que
caractertiza os primeiros vinte anos deste século. Nele é que se
encontram as mais variadas tendências e estilos literários - desde os
poetas parnasianos e simbolistas, que continuavam a produzir, até os
escritores que começavam a desenvolver um novo regionalismo, alguns
preocupados com uma literatura política, e outros com propostas
realmente inovadoras. É grande a lista dos autores que pertenceram ao
pré-Modernismo, mas, indiscutivelmente, merecem destaque: Euclides
da Cunha, Lima Barreto, Graça Aranha, Monteiro Lobato e Augusto dos
Anjos.

Assim, pode-se dizer que essa escola começou em 1902, com a


publicação de dois livros: "Os sertões", de Euclides da Cunha, e
"Canaã", de Graça Aranha, e se estende até o ano de 1922, com a
realização da Semana de Arte Moderna.
Apesar de o pré-Modernismo não constituir uma escola literária,
apresentando individualidades muito fortes, com estilos às vezes
antagônicos - como é o caso, por exemplo, de Euclides da Cunha e Lima
Barreto - percebe-se alguns pontos comuns entre as principais obras
pré-modernistas: a) eram obras inovadoras, que apresentavam ruptura
com o passado, com o academicismo; b) primavam pela denúncia da
realidade brasileira, negando o Brasil literário, herdado do Romantismo
e do Parnasianismo. O grande tema do pré-Modernismo é o Brasil não-
oficial do sertão nordestino, dos caboclos interioranos, dos subúrbios; c)
acentuavam o regionalismo, com o qual os autores acabam montando
um vasto painel brasileiro: o Norte e o Nordeste nas obras de Euclides
da Cunha, o Vale do Rio Paraíba e o interior paulista nos textos de
Monteiro Lobato, o Espírito Santo, retratado por Graça Aranha, ou o
subúrbio carioca, temática quase que invariável na obra de Lima
Barreto; d)difundiram os tipos humanos marginalizados, que tiveram
ampliado o seu perfil, até então desconhecido, ou desprezado, quando
conhecido - o sertanejo nordestino, o caipira, os funcionários públicos, o
mulato; e) traçaram uma ligação entre os fatos políticos, econômicos e
sociais contemporâneos, aproximando a ficção da realidade.

Esses escritores acabaram produzindo uma redescoberta do Brasil, mais


próxima da realidade, e pavimentaram o caminho para o período
literário seguinte, o Modernismo, iniciado em 1922, que acentuou de vez
a ruptura com o que até então se conhecia como literatura brasileira.

A Semana de Arte Moderna

O Modernismo, como tendência literária, ou estilo de época, teve seu


prenúncio com a realização da Semana de Arte Moderna no Teatro
Municipal de São Paulo, nos dias 13, 15 e 17 de fevereiro de 1922.
Idealizada por um grupo de artistas, a Semana pretendia colocar a
cultura brasileira a par das correntes de vanguarda do pensamento
europeu, ao mesmo tempo que pregava a tomada de consciência da
realidade brasileira.

O Movimento não deve ser visto apenas do ponto de vista artístico,


como recomendam os historiadores e críticos especializados em história
da literatura brasileira, mas também como um movimento político e
social. O país estava dividido entre o rural e o urbano. Mas o bloco
urbano não era homogêneo. As principais cidades brasileiras, em
particular São Paulo, conheciam uma rápida transformação como
conseqüência do processo industrial. A primeira Guerra Mundial foi a
responsável pelo primeiro surto de industrialização e conseqüente
urbanização. O Brasil contava com 3.358 indústrias em 1907. Em 1920,
esse número pulou para 13.336. Isso significou o surgimento de uma
burguesia industrial cada dia mais forte, mas marginalizada pela política
econômica do governo federal, voltada para a produção e exportação do
café.

Imigrantes - Ao lado disso, o número de imigrantes europeus crescia


consideravelmente, especialmente os italianos, distribuindo-se entre as
zonas produtoras de café e as zonas urbanas, onde estavam as
indústrias. De 1903 a 1914, o Brasil recebeu nada menos que 1,5
milhão de imigrantes. Nos centros urbanos criou-se uma faixa
considerável de população espremida pelos barões do café e pela alta
burguesia, de um lado, e pelo operariado, de outro. Surge a pequena
burguesia, formada por funcionários públicos, comerciantes,
profissionais liberais e militares, entre outros, criando u’a massa
politicamente "barulhenta" e reivindicatória.

A falta de homogeneidade no bloco urbano tem origem em alguns


aspectos do comportamento do operariado. Os imigrantes de origem
européia trazem suas experiências de luta de classes. Em geral esses
trabalhadores eram anarquistas e suas ações resultavam, quase
sempre, em greves e tensões sociais de toda sorte, entre 1905 e 1917.
Um ano depois, quando ocorreu a Revolução Russa, os artigos na
imprensa a esse respeito tornaram-se cada vez mais comuns. O Partido
Comunista seria fundado em 1922. Desde então, ocorreria o declínio da
influência anarquista no movimento operário.

Desta forma, circulavam pela cidade de São Paulo, numa mesma


calçada, um barão do café, um operário anarquista, um padre, um
burguês, um nordestino, um professor, um negro, um comerciante, um
advogado, um militar, etc., formando, de fato, uma "paulicéia
desvairada" (título de célebre obra de Mário de Andrade). Esse desfile
inusitado e variado de tipos humanos serviu de palco ideal para a
realização de um evento que mostrasse uma arte inovadora a romper
com as velhas estruturas literárias vigentes no país.

O Modernismo - (primeira fase)


O período de 1922 a 1930 é o mais radical do movimento modernista,
justamente em conseqüência da necessidade de definições e do
rompimento de todas as estruturas do passado. Daí o caráter anárquico
desta primeira fase modernista e seu forte sentido destruidor.

Ao mesmo tempo em que se procura o moderno, o original e o


polêmico, o nacionalismo se manifesta em suas múltiplas facetas: uma
volta às origens, à pesquisa das fontes quinhentistas, à procura de uma
língua brasileira (a língua falada pelo povo nas ruas), às paródias, numa
tentativa de repensar a história e a literatura brasileiras, e à valorização
do índio verdadeiramente brasileiro. É o tempo dos manifestos
nacionalistas do "Pau-Brasil" (o Manifesto do Pau-Brasil, escrito por
Oswald de Andrade em 1924, propõe uma literatura extremamente
vinculada à realidade brasileira) e da "Antropofagia"(01) dentro da linha
comandada por Oswald de Andrade. Mas havia também os manifestos
do Verde-Amarelismo e o do Grupo da Anta, que trazem a semente do
nacionalismo fascista comandado por Plínio Salgado.

No final da década de 20, a postura nacionalista apresenta duas


vertentes distintas: de um lado, um nacionalismo crítico, consciente, de
denúncia da realidade brasileira e identificado politicamente com as
esquerdas; de outro, o nacionalismo ufanista, utópico, exagerado,
identificado com as correntes políticas de extrema direita.

Entre os principais nomes dessa primeira fase do Modernismo, que


continuariam a produzir nas décadas seguintes, destacam-se Mário de
Andrade, Oswald de Andrade, Manuel Bandeira, Antônio de Alcântara
Machado, além de Menotti del Picchia, Cassiano Ricardo, Guilherme de
Almeida e Plínio Salgado.

O Modernismo - (segunda fase)

O período de 1930 a 1945 registrou a estréia de alguns dos nomes mais


significativos do romance brasileiro. Refletindo o mesmo momento
histórico(02) e apresentando as mesmas preocupações dos poetas da
década de 30 (Murilo Mendes, Jorge de Lima, Carlos Drummond de
Andrade, Cecília Meireles e Vinícius de Moraes), a segunda fase do
Modernismo apresenta autores como José Lins do Rego, Graciliano
Ramos, Rachel de Queiroz, Jorge Amado e Érico Veríssimo, que
produzem uma literatura de caráter mais construtivo, de maturidade,
aproveitando as conquistas da geração de 1922 e sua prosa inovadora.

Efeitos da crise - Na década de 30, o país passava por grandes


transformações, fortemente marcadas pela revolução de 30 e pelo
questionamento das oligarquias tradicionais. Não havia como não sentir
os efeitos da crise econômica mundial, os choques ideológicos que
levavam a posições mais definidas e engajadas. Tudo isso, formou um
campo propício ao desenvolvimento de um romance caracterizado pela
denúncia social, verdadeiro documento da realidade brasileira, atingindo
um elevado grau de tensão nas relações do indivíduo com o mundo.

Nessa busca do homem brasileiro "espalhado nos mais distantes


recantos de nossa terra", no dizer de José Lins do Rego, o regionalismo
ganha uma importância até então não alcançada na literatura brasileira,
levando ao extremo as relações do personagem com o meio natural e
social. Destaque especial merecem os escritores nordestinos que
vivenciam a passagem de um Nordeste medieval para uma nova
realidade capitalista e imperialista. E nesse aspecto, o baiano Jorge
Amado é um dos melhores representantes do romance brasileiro,
quando retrata o drama da economia cacaueira, desde a conquista e uso
da terra até a passagem de seus produtos para as mãos dos
exportadores. Mas também não se pode esquecer de José Lins do Rego,
com as suas regiões de cana, os banguês e os engenhos sendo
devorados pelas modernas usinas.

O primeiro romance representativo do regionalismo nordestino, que teve


seu ponto de partida no Manifesto Regionalista de 1926 (este manifesto,
elaborado pelo Centro Regionalista do Nordeste, procura desenvolver o
sentimento de unidade do Nordeste dentro dos novos valores
modernistas. Propõe trabalhar em prol dos interesses da região nos seus
aspectos diversos - sociais, econômicos e Culturais) foi "A bagaceira",
de José Américo de Almeida, publicado em 1928. Verdadeiro marco na
história literária do Brasil, sua importância deve-se mais à temática (a
seca, os retirantes, o engenho), e ao caráter social do romance, do que
aos valores estéticos.
Pós-Modernismo

O Pós-Modernismo se insere no contexto dos extraordinários fenômenos


sociais e políticos de 1945. Foi o ano que assistiu o fim da Segunda
Guerra Mundial e o início da Era Atômica com as explosões de Hiroshima
e Nagasaki. O mundo passa a acreditar numa paz duradoura. Cria-se a
Organização das Nações Unidas (ONU) e, em seguida, publica-se a
Declaração dos Direitos do Homem. Mas, logo depois, inicia-se a Guerra
Fria.

Paralelamente a tudo isso, o Brasil vive o fim da ditadura de Getúlio


Vargas. O país inicia um processo de redemocratização. Convoca-se
uma eleição geral e os partidos são legalizados. Apesar disso, abre-se
um novo tempo de perseguições políticas, ilegalidades e exílios.

A literatura brasileira também passa por profundas alterações, com


algumas manifestações representando muitos passos adiante; outras,
um retrocesso. O jornal "O Tempo", excelente crítico literário,
encarrega-se de fazer a seleção.

Intimismo - A prosa, tanto nos romances como nos contos, aprofunda


a tendência já trilhada por alguns autores da década de 30 em busca de
uma literatura intimista, de sondagem psicológica, introspectiva, com
destaque para Clarice Lispector.

Ao mesmo tempo, o regionalismo adquire uma nova dimensão com a


produção fantástica de João Guimarães Rosa e sua recriação dos
costumes e da fala sertaneja, penetrando fundo na psicologia do
jagunço do Brasil Central.

Na poesia, ganha corpo, a partir de 1945, uma geração de poetas que


se opõe às conquistas e inovações dos modernistas de 1922. A nova
proposta foi defendida, inicialmente, pela revista "Orfeu", cujo primeiro
número é lançado na "Primavera de 1947" e que afirma, entre outras
coisas, que "uma geração só começa a existir no dia em que não
acredita nos que a precederam, e só existe realmente no dia em que
deixam de acreditar nela."

Essa geração de escritores negou a liberdade formal, as ironias, as


sátiras e outras "brincadeiras" modernistas. Os poetas de 45 partem
para uma poesia mais equilibrada e séria, distante do que eles
chamavam de "primarismo desabonador" de Mário de Andrade e Oswald
de Andrade. A preocupação primordial era quanto ao restabelecimento
da forma artística e bela; os modelos voltam a ser os mestres do
Parnasianismo e do Simbolismo.

Esse grupo, chamado de Geração de 45, era formado, entre outros


poetas, por Lêdo Ivo, Péricles Eugênio da Silva Ramos, Geir Campos e
Darcy Damasceno. O final dos anos 40, no entanto, revelou um dos
mais importantes poetas da nossa literatura, não filiado esteticamente a
qualquer grupo e aprofundador das experiências modernistas
anteriores: ninguém menos que João Cabral de Melo Neto.
Contemporâneos a ele, e com alguns pontos de contato com sua obra,
destacam-se Ferreira Gullar e Mauro Mota.

A produção contemporânea

Produção contemporânea deve ser entendida como as obras e


movimentos literários surgidos nas décadas de 60 e 70 e que refletiram
um momento histórico caracterizado inicialmente pelo autoritarismo, por
uma rígida censura e enraizada autocensura. Seu período mais crítico
ocorreu entre os anos de 1968 e 1978, durante a vigência do Ato
Institucional nº 5 (AI-5). Tanto que, logo após a extinção do ato,
verificou-se uma progressiva normalização no país.

As adversidades políticas, no entanto, não mergulharam o país numa


calmaria cultural. Ao contrário, as décadas de 60 e 70 assistiram a uma
produção cultural bastante intensa em todos os setores.

Na poesia, percebe-se a preocupação em manter uma temática social,


um texto participante, com a permanência de nomes consagrados como
Carlos Drummond de Andrade, João Cabral de Melo Neto e Ferreira
Gullar, ao lado de outros poetas que ainda aparavam as arestas em
suas produções.

Visual - O início da década de 60 apresentou alguns grupos em luta


contra o que chamaram "esquemas analítico-discursivos da sintaxe
tradicional". Ao mesmo tempo, esses grupos buscavam soluções no
aproveitamento visual da página em branco, na sonoridade das palavras
e nos recursos gráficos. O sintoma mais importante desse movimento
foi o surgimento da Poesia Concreta e da Poesia Práxis. Paralelamente,
surgia a poesia "marginal", que se desenvolve fora dos grandes
esquemas industriais e comerciais de produção de livros.

No romance, ao lado da última produção de Jorge Amado e Érico


Veríssimo, e das obras "lacriminosas"de José Mauro de Vasconcelos
("Meu pé de Laranja-Lima", "Barro Blanco"), de muito sucesso junto ao
grande público, tem se mantido o regionalismo de Mário Palmério,
Bernardo Élis, Antônio Callado, Josué Montello e José Cândido de
Carvalho. Entre os intimistas, destacam-se Osman Lins, Autran Dourado
e Lygia Fagundes Telles,

Na prosa, as duas décadas citadas assistiram à consagração das


narrativas curtas (crônica e conto). O desenvolvimento da crônica está
intimamente ligado ao espaço aberto a esse gênero na grande
imprensa. Hoje, por exemplo, não há um grande jornal que não inclua
em suas páginas crônicas de Rubem Braga, Fernando Sabino, Carlos
Heitor Cony, Paulo Mendes Campos, Luís Fernando Veríssimo e Lourenço
Diaféria, entre outros. Deve-se fazer uma menção especial a Stanislaw
Ponte Preta (Sérgio Porto), que, com suas bem humoradas e cortantes
sátiras político-sociais, escritas na década de 60, tem servido de mestre
a muitos cronistas.

O conto, por outro lado, analisado no conjunto das produções


contemporâneas, situa-se em posição privilegiada tanto em qualidade
quanto em quantidade. Entre os contistas mais significativos, destacam-
se Dalton Trevisan, Moacyr Scliar, Samuel Rawet, Rubem Fonseca,
Domingos Pellegrini Jr. e João Antônio.

--------------------------------

01 - "Revista de Antropofagia", publicação semanal que reunia o grupo


mais nacionalista da primeira fase do Modernismo. Teve 26 números,
publicados entre maio de 1928 e agosto de 1929.

02 - Queda da Bolsa de Nova York, colapso no sistema financeiro


internacional, a Grande Depressão - paralisação de fábricas, ruptura nas
relações comerciais, falências bancárias, altíssimo índice de
desemprego, fome e miséria generalizadas - gerando a intervenção do
Estado na organização econômica, com agravamento das questões
sociais.
A PRODUÇÃO LITERÁRIA NO BRASIL

Principais autores e Obras

QUINHENTISMO

Literatura informativa de origem ibérica

- Ambrósio Fernandes Brandão - Diálogo das grandezas do Brasil

- Gabriel Soares de Sousa (1540?-1591) - Tratado descritivo do Brasil

- Pero Lopes e Sousa - Diário de navegação

- Pero de Magalhães Gândavo - Tratado da Terra do Brasil, História


da Província de Santa Cruz a que vulgarmente chamamos Brasil

- Frei Vicente de Salvador(1564-1639) - História da Custódia do


Brasil

Literatura informativa de autores não-ibéricos

- André de Thevet - As singularidades da França Antártica

- Antonil (Giovanni Antonio Andreoni, 1650-1716?) - Cultura e


opulência do Brasil
- Hans Staden - Meu cativeiro entre os selvagens do Brasil

- Jean de Lery - História de uma viagem feita à terra do Brasil

Literatura dos Catequistas

- Fernão Cardim - Tratado da Terra e da gente do Brasil

- José de Anchieta (1534-1597) - Cartas, informações, fragmentos


históricos e sermões: De gentis Mendis de Saa; De Beata Virgine dei
Matre Maria; Arte da gramática da lingua mais usada na costa do Brasil;
e os autos: Auto da pregação universal; Na festa de São Lourenço; Na
visitação de Santa Isabel

- Manuel da Nóbrega - Cartas do Brasil; Diálogo sobre a conversão do


gentio

BARROCO

- Bento Teixeira (1561-1600) - Prosopopéia

- Gregório de Matos Guerra (1623-1696) - Poesia sacra; Poesia lírica;


Poesia satírica (2 volumes); Últimas

- Manuel Botelho de Oliveira (1636-1711) - Música do Parnaso

- Frei Manuel de Santa Maria Itaparica (1704-?) - Descrição da


Cidade da Ilha de Itaparica; Estáquidos

- Padre Antônio Vieira (1608-1697) - Obra composta de sermões (15


volumes), cartas e profecias (as principais: Sermão pelo bom sucesso
das almas de Portugal contra as de Holanda; Sermão da sexagésima;
Sermão da primeira dominga da Quaresma; Sermão de Santo Antônio
aos peixes; e as profecias: Histórias do futuro e Clavis prophetarum
ARCADISMO

- Alvarenga Peixoto (1748-1793) - Enéias no Lácio e obra poética


esparsa

- Basílio da Gama (1740-1795) - O Uraguai

- Cláudio Manuel da Costa (1729-1789) - Obras; Vila Rica; Fábula do


Ribeirão do Carmo

- Santa Rita Durão (1722-1784) - Caramuru

- Silva Alvarenga (1749-1814) - Obras poéticas; Glaura; O desertor

- Sousa Caldas (1762-1814) - Obra esparsa (poemas, traduções,


cartas)

- Tomás Antônio Gonzaga (1744-1810) - Marília de Dirceu; Cartas


Chilenas; Tratado de Direito Natural

ROMANTISMO - (Poesia)

Primeira geração

- Gonçalves Dias - (1823-1864) - Primeiros cantos; Segundos cantos;


Terceiros Cantos; Os timbiras; Sextilhas de Frei Antão (Poesia); Leonor
de Mendonça; Beatriz Cenci; Patkull (teatro); Brasil e Oceania;
Dicionário de lingua tupi

- Gonçalves de Magalhães - (1811-1882) - Poesias; Suspiros poéticos


e saudades; A confederação dos Tamoios (poesia) Amância (novela);
Antônio José ou O poeta e a inquisição; Olgiato (teatro)

- Manuel de Araújo Porto Alegre - (1806-1879) - Brasilianas;


Colombo
Segunda geração -

- Álvares de Azevedo - (1831-1852) - Lira dos vinte anos; O conde


Lopo (poesia); Noite na Taverna; O livro de Fra Gondicario (prosa);
Macário (teato)

- Cassimiro de Abreu - (1839-1860) - As primaveras (poesia);


Camões e o Jaú (teatro)

- Fagundes Varela (1841-1875) - Vozes da América; Estandarte


Auriverde; Cantos do Ermo e da Cidade; Cantos religiosos; Diário de
Lázaro; Anchieta ou O evangelho nas selvas

- Junqueira Freire - (1832-1855) - Inspirações do claustro

Terceira geração -

- Castro Alves (1847-1871) - Espumas flutuantes; Os escravos; A


cachoeira de Paulo Afonso; Hinos do Equador (poesia); Gonzaga ou A
revolução de Minas (teatro)

- Sousândrade (Joaquim de Sousa Andrade, 1833-1902) - Obras


poéticas; Harpa selvagem; Guesa errante

- Tobias Barreto (1837-1889) - Dias e noites

ROMANTISMO (Prosa)

- Bernardo Guimarães - (1825-1884) - O ermitão de Muquém; Lendas


e romances; O garimpeiro; O seminarista; O índio Afonso; A escrava
Isaura; O pão de ouro; Rosaura, a enjeitada; Jupira (romances); Cantos
da solidão (poesia)
- Franklin Távora - (1842-1888) - A trindade Maldita; Os índios do
Jaguaribe; A casa de palha; Um casamento no arrabalde; O cabeleira; O
matuto; Lourenço.

- Joaquim Manuel de Macedo - (1820-1882) - A moreninha; O moço


loiro; Os dois amores; Rosa, Vicentina; A carteira do meu tio; A luneta
mágica; As vítimas algozes, Nina; A Namoradeira; Mulheres de matilha;
Um noivo e duas noivas.

- José de Alencar - (1829-1877) - Cinco minutos; A viuvinha; Sonhos


D’ouro; Encarnação; Senhora; Diva; Lucila; A pata da gazela (romances
urbanos); As minas de prata; A guerra dos mascates; Alfarrábios
(romances históricos); O sertanejo; O gaúcho (romances regionalistas);
Til; O tronco do Ipê (romances rurais); Iracema; O guarani; Ubirajara
(romances indianistas); A noite de São João, O crédito; Demônio
familiar; Verso e reverso; As asas de um anjo; Mãe; O jesuíta (teatro)

- Manuel Antônio de Almeida - (1831-1861) - Memórias de um


sargento de milícias

- Visconde de Taunay (Alfredo D’Escragnolle Taunay - 1843-1899)


- Inocência; A retirada da Laguna; Lágrimas do coração; Histórias
brasileiras

- Teixeira de Souza (1812-1861) - Os filhos do pescador; Tardes de


um pintor

ROMANTISMO (Teatro)

- Martins Pena (1815-1848) - O juiz de paz na roça; O cinto acusador;


A família e a festa da roça; Os dois ou O inglês maquinista; Judas em
Sábado de Aleluia; O diletante; O noviço; As casadas solteiras; O
cigano; Os ciúmes de um pedestre; O usuário; A barriga do meu tio; As
desgraças de uma criança

- Paulo Eiró (1836-1871) - Sangue limpo


REALISMO

- Artur Azevedo (1855-1908) - Amor por anexins; A pelo do lobo; O


dote; A princesa dos cajueiros; O liberato; A mascote na roça; O tribofe;
Revelação de um segredo; A fantasia; A capital Federal (teatro)

- Machado de Assis - (1839-1908) - Primeira fase: Ressurreição; A


mão e a luva; Helena; Iaiá Garcia (romances); Contos fluminenses;
Histórias da meia-noite (contos); Crisálidas; Falenas; Americanas
(poesia); Segunda fase: Memórias póstumas de Brás Cubas; Dom
Casmurro; Esaú e Jacó (romances); Várias histórias; Páginas recolhidas;
Relíquias de Casa Velha (contos); Ocidentais (poesia); Hoje avental,
amanhã luva; Desencantos; O caminho da porta; Quase ministro; os
deuses de casaca; Uma ode de Anacreonte; Tu, só tu, puro amor; Não
consultes médico (teatro). Póstumas: Contos recolhidos; Contos
esparsos; Histórias sem data; Contos avulsos; Contos esquecidos;
Contos e Crônicas; Crônicas de Lélio; Outras relíquias; Novas relíquias;
A semana; Crítica teatral; Crítica literária

Raul Pompéia - (1863-1895) - O Ateneu; Uma tragédia no Amazonas;


Agonia; As jóias da Coroa (romances); microscópicos (contos); Canções
sem metro (poesia)

NATURALISMO

- Adolfo Caminha - (1867-1897) - A normalista; O bom crioulo;


Tentação (romances); Judith; Lágrimas de um crente (contos); Cartas
literárias (crítica)

- Aluisio Azevedo - (1857-1913) - Uma lágrima de mulher; O mulato;


Mistérios da Tijuca; Casa de pensão, O cortiço; A mortalha de Alzira;
Memórias de um condenado; Filomena Borges; O homem; O coruja; O
livro de uma sogra (romances); Demônios (contos); O bom negro
(crônicas).

- Domingos Olímpio (1850-1906) - Luzia-homem


- Inglês de Sousa - (1853-1918) - O cacaulista; Histórias de um
pescador; O coronel sangrado; O missionário (romances); Cenas da vida
Amazônica (contos)

- Júlio Ribeiro - (1845-1890) - A carne; Padre Belchior de Pontes

- Manuel de Oliveira Paiva - (1861-1892) - Dona Guidinha do Poço; A


afilhada

PARNASIANISMO

- Alberto de Oliveira (1857-1937) - Canções românticas; Meridionais;


Sonetos e poemas; Poesias escolhidas; Versos e rimas

- Francisca Júlia - (1874-1920) - Mármores; Esfinges

- Olavo Bilac (1865-1918) - Panóplias; Sarças de fogo; Via láctea;


poesias infantis; Alma inquieta; Tarde (poesia); Crônicas e novelas
(prosa); e tratados de literatura

- Raimundo Correia (1859-1911) - Primeiros sonhos; Sinfonias;


Versos e versões; Aleluia; Poesias

- Vicente de Carvalho - (1866-1924) - Relicário; Rosa, rosa de amor

SIMBOLISMO

- Alphonsus de Guimarães - (1870-1921) - Septenário das dores de


Nossa Senhora; Dona mística; Kyriale; Pauvre lyre; Pastoral aos crentes
do amor e da morte; Escada de Jacó; Pulves; Câmara ardente; Salmos
da noite
- Cruz e Sousa - (1863-1898) - - Broquéis; Missal; Faróis; Evocação;
Últimos sonetos

PRÉ-MODERNISMO

- Augusto dos Anjos (1884-1914) - Eu (poesia)

- Coelho Neto (1864-1934) - A capital federal; O rajá de pendjab; O


morto; O paraíso; Tormenta, Esfinge (romances); Rapsódias;
Baladilhas; Álbum de Calibã; Vida Mundana; Contos da Vida e da Morte
(contos)

- Euclides da Cunha - (1866-1909) - Os sertões; Contrastes e


confrontos; Peru versus bolívia; À margem da história; Canudos - diário
de uma expedição (ensaios históricos)

- Graça Aranha - (1868-1931) - Canaã; A viagem maravilhosa


(romances); Malazarte (teatro); A estrela da vida; Espírito moderno;
Futurismo (ensaios)

- Lima Barreto - (1881-1922) - Recordações do escrivão Isaías


Caminha; Triste fim de Policarpo Quaresma; Numa e a Ninfa; Vida e
morte de M. J. Gonzaga de Sá; Bagatelas; Os Bruzundangas; Clara dos
Anjos (romances); Coisas do Reino de Jambom (sátira); Feiras de
Mafuás; Vida urbana; Marginália (artigos e crônicas); Diário Íntimo;
Cemitério dos vivos (memórias); Impressões de leitura (crítica)

- Monteiro Lobato (1882-1948) - Urupês; Cidades mortas; Negrinha;


O macaco que se fez homem; O presidente negro; Idéias de Jeca Tatu
(prosa); Reinações de Narizinho; O paço do Visconde; As caçadas de
Pedrinho (literatura infantil)

- Raul de Leoni - (1895-1926) - Luz mediterrânea (poesia)

MODERNISMO - Primeira Fase


- Antônio de Alcântara Machado - (1901-1935) - Pathé Baby; Brás,
Bexiga e Barra Funda; Laranja da China; Mana Maria; Cavaquinho e
Saxofone (prosa)

- Cassiano Ricardo - (1895-1974) - Dentro da Noite; A frauta de Pã;


Martim-Cererê; Deixa estar, Jacaré; O sangue das horas; Jeremias sem-
Chorar (poesia)

- Guilherme de Almeida - (1890-1969) - Nós; Messidor; Livro de


horas de Sóror Dolorosa; A frauta que eu perdi; A flor que foi um
homem; Raça (poesia)

- Juó Bananère (Alexandre Ribeiro Marcondes Machado - 1892-1933) -


La divina increnca (poesia)

- Manuel Bandeira (1886-1968) - Cinza das horas; Carnaval; O ritmo


dissoluto; Libertinagem; Lira dos cinquent'anos; Estrela da manhã;
Mafuá do malungo; Opus 10; Estrela da tarde; Estrela da vida inteira
(poesia); Crônicas da província do Brasil; Itinerário de Passárgada;
Frauta de papel (prosa)

- Mário de Andrade - (1893-1945) - Há uma gota de sangue em cada


poema; Paulicéia desvairada; Losango cáqui; Clã do jabuti; Remate de
males; Lira paulistana (poesia); Macunaíma (rapsódia); Amar, verbo
intransitivo (romance); Belazarte; Contos novos (contos); A escrava que
não é Isaura; Música, doce música; Namoros com a medicina; O
empalhador de passarinho; Aspectos da literatura brasileira; O baile das
quatro artes (ensaios); Os filhos da Candinha (crônicas)

- Menotti Del Picchia (1892-1988) - Juca Mulato; Moisés; Chuva de


pedras (poesia); O homem e a morte; Salomé; A tormenta (romances)

- Oswald de Andrade - (1890-1954) - Pau-Brasil; Primeiro caderno do


aluno de poesia Oswald de Andrade; Cântico dos Cânticos para flauta e
violão (poesia); Serafim Ponte Grande; Os condenados; A estrela de
absinto; A escada vermelha; Memórias sentimentais de João Miramar;
Marco zero (2 volumes) (romances); O homem e o cavalo; A morta; O
rei da vela (teatro); Um homem sem profissão 1: sob as ordens de
mamãe (memórias)

- Plínio Salgado (1901-1975) - O estrangeiro; O cavaleiro de Itararé


(romances)

- Raul Bopp - (1898-1984) - Cobra Norato; Urucungo (poesia)


- Ronald de Carvalho - (1893-1935) - Toda a América; Epigramas
irônicos e sentimentais; Luz gloriosa e sonetos (poesia)

MODERNISMO (Segunda fase - Poesia)

- Augusto Frederico Schmidt - (1906-1965) - Navio perdido; Pássaro


cego; Desaparição da amada; Canto da noite; Estrela solitária

- Carlos Drummond de Andrade - (1902-1987) - Alguma poesia;


Brejo das Almas; Sentimento do mundo; A rosa do povo; Claro enigma;
Viola de bolso; Fazendeiro do ar; Viola de bolso novamente encordoada;
Lição de coisas; Versiprosa; Boitempo; Reunião; As impurezas do
branco; Menino antigo; O marginal Clorindo Gato; Corpo (poesia);
Confissões de Minas; O gerente; Contos de aprendiz (prosa)

- Cecília Meireles - (1901-1964) - Espectros; Nunca mais; Metal


rosicler; Viagem; Vaga música; Mar absoluto; Retrato natural;
Romanceiro da Inconfidência; Solombra; Ou isto ou aquilo (poesia);
Giroflê, giroflá; Escolha seu sonho (prosa)

- Jorge de Lima - (1895-1953) - XIV alexandrinos; O mundo do


menino impossível; Tempo e eternidade (com Murilo Mendes); Quatro
poemas negros; A túnica inconsútil; Livro de sonetos; Anunciação;
Encontro de Mira-Celi; Invenção de Orfeu (poesia); Salomão e as
mulheres; Calunga; Guerra dentro do beco (prosa).

- Murilo Mendes (1901-1975) - História do Brasil; A poesia em pânico;


O visionário; As metamorfoses; Mundo enigma; Poesia liberdade;
Contemplação de ouro preto (poesia); O discípulo dos Emaús; A idade
do serrote; Poliedro (prosa)

- Vinícius de Morais - (1913-1980) - O caminho para a distância;


Forma e exegese; Ariana, a mulher; Cinco elegias; Para viver um
grande amor (poesia); Orfeu da Conceição (teatro)
MODERNISMO (Segunda fase - Prosa)

- Cornélio Pena (1896-1958) - Fronteira; Repouso; A menina morta

- Cyro dos Anjos (1906) - O amanuense Belmiro; Abdias; A montanha

- Érico Veríssimo (1905-1975) - Clarissa; Música ao longe; Um lugar


ao sol; Olhai os lírios do campo; O resto é silêncio; Noite; O tempo e o
vento (O continente, O retrato e O Arquipélago); O senhor embaixador;
Incidente em Antares

- Graciliano Ramos (1892-1953) - Angústia; Caetés; São Bernardo;


Vidas secas; Infância; Insônia; Memórias do Cárcere; Viagem

- Jorge Amado (1912) - O país do carnaval; Cacau; suor; Capitães de


Areia; Jubiabá; Seara vermelha; Terras do sem-fim; São Jorge dos
ilhéus; O cavaleiro da esperança; Gabriela, cravo e canela; Os pastores
da noite; Dona Flor e seus dois maridos; Tenda dos milagres; Tieta do
agreste, Tereza Batista cansada de guerra; Tocaia grande; O sumiço da
santa

- José Américo de Almeida - (1887-1980) - A bagaceira; O


boqueirão; Coiteiros

- José Lins do Rego - (1901-1957) - Menino de Engenho; Doidinho;


Bangüê; O moleque Ricardo; Usina; Pedra Bonita; Fogo morto; Riacho
doce; Pureza; Água mãe; Euridice

- Lúcio Cardoso - (1913-1968) - Maleita; Mãos vazias; O


desconhecido; Crônica da casa assassinada; O viajante

- Marques Rebelo - (1907-1973) - Oscarina; Marafa; A estrela sobe; O


espelho partido

- Otávio de Faria - (1908-1980) - Tragédia burguesa

- Patrícia Galvão (1910-1962) - Parque industrial; A famosa revista


(em parceria com Geraldo Ferraz)

- Rachel de Queiroz (1910) - O Quinze; João Miguel; Caminho de


Pedras; As três Marias (romances); Lampião; A beata Maria do Egito
(teatro)
PÓS-MODERNISMO

- Ariano Suassuna - (1927) Auto da compadecida; A pena e a lei; O


santo e a porca (teatro)

- Clarice Lispector (1925-1977) - Perto do coração Selvagem; O


lustre; A maçã no escuro; Laços de família; A legião estrangeira; A
paixão segundo G. H.; Água viva; A via crucis do corpo; A hora da
estrela; Um sopro de vida

- Ferreira Gullar (1930) - A luta corporal; João Boa-Morte; Dentro da


noite veloz; Cabra marcado para morrer; Poema sujo (poesia)

- Geir Campos (1924) - Rosa dos rumos; Canto claro; Operário do


canto (poesia)

- Guimarães Rosa - (1908-1967) - Sagarana; Corpo de Baile; Grande


Sertão: veredas; Primeiras estórias; Tutaméia; Terceiras estórias; Estas
estórias

- João Cabral de Melo Neto (1920) - Pedra do sono; O engenheiro;


Psicologia da composição; Fábula de Anfion e Antiode; O cão sem
plumas; O rio; Morte e Vida Severina; Uma faca só lâmina; Quaderna; A
educação pela pedra; Auto do frade; Agrestes; Crime de la Calle relator

- Jorge Andrade (1922-1984) - A moratória; Vereda da salvação; A


escada; Os ossos do barão; Senhora da boca do lixo; Rasto atrás;
Milagre na cela (teatro)

- Lêdo Ivo - (1924) - O caminho sem aventura; A morte do Brasil;


Ninho de cobra; As alianças; O sobrinho do general; A noite misteriosa
(poesia); Use a passagem subterrânea (conto)

- Mauro Mota - (1912-1984) - Canto ao meio; Elegias (poesia)


- Nelson Rodrigues - (1912-1980) - Vestido de noiva; Perdoa-me por
me traíres; Álbum de família; Os sete gatinhos; Viúva porém honesta;
Bonitinha mas ordinária; A falecida; Boca de ouro; Beijo no asfalto;
Toda nudez será castigada; A serpente (teatro); O casamento
(romance)

- Péricles Eugênio da Silva Ramos - (1919) - Sol sem tempo;


Lamentação floral (poesia)

PRODUÇÕES CONTEMPORÂNEAS

- Adélia Prado (1936) - Bagagem; O coração disparado; Terra de


Santa Cruz (poesia); Cacos para um vitral; Os componentes da banda
(prosa)

- Antônio Callado - (1917) - A madona de cedro; Quarup; Reflexos do


baile (prosa)

- Augusto Boal - (1931) - Revolução na América do Sul (teatro); Jane


Spitfire (prosa)

- Augusto de Campos (1931) - O rei menos o reino; Caleidoscópio;


Poemóbiles; Poetamenos; Poesia completa; Ovonovelo; Linguaviagem;
Antologia \noigrandes (poesia)

- Autran Dourado (1926) - A barca dos shomens; Ópera dos mortos;


O risco do bordado; Os sinos da agonia; Armas e corações

- Bernardo Élis - O tronco; Veranico de janeiro (prosa)

- Caio Fernando de Abreu - (1948) - Morangos mofados; Triângulo


das águas (prosa)

- Carlos Heitor Cony - (1926) - O ventre; Tijolo de segurança; Antes,


o verão (prosa)

- Chico Buarque de Holanda - (1944) - Fazenda Modelo (prosa);


Calabar (teatro, em parceria com Ruy Guerra); Gota D’água (teatro, em
parceria com Paulo Pontes); Ópera do malandro (teatro)
- Dalton Trevisan - (1925) - O vampiro de Curitiba; Desastres do
amor; Guerra conjugal; A trombeta do anjo vingador; Lincha tarado;
Cemitério de elefantes (contos)

- Décio Pignatari (1927) - O carrossel; Rumo a Nausicaa; Poesia pois é


poesia; O rosto da memória

- Dias Gomes - (1922) - O pagador de promessas; O rei de Ramos; O


santo inquérito; Vargas (teatro); Odorico, o bem amado (prosa)

- Domingos Pellegrini Jr. (1949) - Os meninos; Paixões; As sete


pragas; Os meninos crescem (contos)

- Eduardo Alves da Costa - (1936) - Poesia viva; Salamargo (poesia);


Fátima e o velho; Chongas (prosa)

- Edla Van Steen - Antes do amanhecer; Cio; Memórias do medo;


Corações mordidos (prosa)

- Esdras do Nascimento (1934) - Solidão em família; Tiro na


memória; Engenharia do casamento; Paixão bem temperada; Variante
Gotemburgo; Os jogos da madrugada (prosa)

- Fernando Sabino (1923) - O encontro marcado; O grande


mentecapto; O homem nu; Deixa o Alfredo falar!; O gato sou eu (prosa)

- Geraldo Ferraz (1906-1979) - Doramundo; KM 63 (prosa)

- Gianfrancesco Guarnieri (1934) - Eles não usam black-tie; Gimba;


Arena conta Zumbi e Arena conta Tiradentes (em parceria com Augusto
Boal); Marta Saré; Um grito parado no ar; Ponto de partida (teatro)

- Haroldo de Campos (1929) - Auto do Possesso; O âmago do ômega;


Servidão de passagem; Xadrez de estrelas; Poemas em noites grandes;
Galáxias (poesia)

- Hilda Hilst (1930) - Balada de Alzira; Ode fragmentária; Sete cantos


do poeta para o anjo; Cantares de pedra e predileção (poesia)

- Ignácio de Loyola Brandão (1937) - Depois do sol; Bebel que a


cidade comeu; Pega eles, silêncio; Zero; Cães danados; Cadeiras
proibidas; Dentes ao sol; Não verás país nenhum; É gol; Cabeças de 2ª
feira; O verde violentou o muro; O beijo não vem da boca (prosa)
- João Ubaldo Ribeiro (1941) - Sargento Getúlio; Vila Real; Viva o
povo brasileiro (prosa)

- José Cândido de Carvalho - (1914) - O coronel e o lobisomem


(romance)

- José Lino Grünewald (1931) - Um e dois (poesia)

- José J. Veiga (1915) - A Hora dos Ruminantes; Os Cavalinhos de


Platiplanto; Sombras de reis barbudos (prosa)

- José Mauro de Vasconcelos (1920-1984) - Rosinha, Minha Canoa;


Barro Blanco; As confissões de Frei Abóbora; O meu pé de laranja-lima;
Rua descalça (prosa)

- José Paulo Paes (1916) - Poemas reunidos; Anatomia da musa


(poesia)

- Josué Montello (1917) - Janelas fechadas; A luz da estrela morta; A


décima noite; Os tambores de São Luiz (prosa)

- Lourenço Diaféria - (1933) - Um gato na terra do tamborim; A


morte sem colete (prosa)

- Luiz Fernando Veríssimo (1936) - Amor brasileiro; Pega pra Capitu;


A mesa voadora; Humor de 7 cabeças; Ed Mort; Sexo na cabeça; O
analista de Bagé; O gigolô das palavras; A velhinha de Taubaté; O
popular; A mãe de Freud; A mulher do Silva (prosa)

- Luiz Villela - (1943) - Tremor de terra; Tarde da noite (contos)

- Lia Luft (1938) - As parceiras; A asa esquerda do anjo; Reunião de


família; O quarto fechado (prosa); O lado fatal (poesia)

- Lygia Fagundes Telles - (1923) - Ciranda de pedra; Verão no


aquário; O jardim selvagem; As meninas; Seminário dos ratos; A
disciplina do amor (prosa)

- Márcio Souza - (1946) - Galvez, Imperador do Acre; Mad Maria; A


resistível ascensão de Boto Tucuxi; A condolência (prosa)

- Marina Colassanti (1937) - Eu sozinha; E por falar de amor; A nova


mulher; Mulher daqui pra frente; Zooilógico; A morada do ser; Contos
de amor rasgados; Uma idéia toda azul (prosa)
- Mário Chamie - (1933) - Lavra-lavra; Indústria; Now tomorrow mau;
Planoplenário (poesia)

- Mário Palmério (1916) - Vila dos Confins; Chapadão do Bugre


(prosa)

- Mário Quintana (1906) - Rua dos cataventos; Sapato florido; O


aprendiz de feiticeiro; Apontamentos de história sobrenatural; Canções;
Caderno H (poesia)

- Mauro Gama (1938) - Anticorpo; Corpo verbal (poesia)

- Millôr Fernandes - (1924) - Computa, computador, computa; Trinta


anos de mim mesmo; Fábulas fabulosas; Compozissõis infãtis; Que país
é este? (prosa)

- Moacyr Scliar - (1916) - O pirotécnico Zacarias; O convidado (prosa)

- Nélida Piñon - (1935) - A casa da paixão; Sala de armas; A república


dos sonhos (prosa)

- Oduvaldo Vianna Filho - (1936-1974) - Chapetuba futebol Clube;


Corpo a corpo; Rasga coração; Papa Highirte (teatro)

- Osman Lins - (1924-1978) - Nove novena; O fiel e a pedra;


Avalovara; A rainha dos cárceres da Grécia

- Paulo Leminski - (1944-1989) - Caprichos e relaxos (poesia);


Catatau (prosa)

- Paulo Mendes Campos (1922) - A palavra escrita; O domingo azul


do mar; O cego de Ipanema; Trinca de copas; O cronista do morro
(prosa)

- Pedro Nava (1903-1984) - Baú de Ossos; Balão cativo; O círio


perfeito (prosa)

- Plínio Marcos - (1935) - Dois perdidos numa noite suja; Navalha na


carne. Abajur lilás (teatro)

- Renata Pallottini (1931) - A casa; A faca e a pedra; Noite afora


(poesia)

- Ricardo Ramos (1929) - Tempo de espera; Os desertos; Toada para


surdos; As fúrias; O sobrevivente (prosa)
- Ronaldo Azeredo (1937) - Mínimo múltiplo comum (poesia)

- Rubem Braga - (1913) - O homem rouco; Ai de ti, Copacabana!


(prosa)

- Rubem Fonseca (1925) - A coleira do cão; Lúcia McCartney; Feliz


ano novo; O caso Morel; O cobrador; A grande arte; Os prisioneiros;
Bufo e Spallanzani (prosa)

- Samuel Rawett - (1929-1984) - Contos do imigrante; Os sete


sonhos; O terreno de uma polegada quadrada (prosa)

- Stanislaw Ponte Preta (Sérgio Porto, 1923-1968) - Tia Zulmira e eu;


Primo Altamirando e elas; Rosamundo e os outros; Febeapá - Festival
de Besteiras que assola o país (2 volumes); As cariocas (prosa)

- Thiago de Mello (1926) - Narciso cego; Vento geral; Faz escuro mas
eu canto porque a manhã vai chegar (poesia).

Principais datas da literatura brasileira

ANO FATO CONSEQÜÊNCIA


1500 Carta de Pero Vaz de Caminha Primeira manifestação
da literatura informativa
1549 Cartas do jesuíta Manoel da Primeira manifestação
Nóbrega da literatura dos
jesuítas
1601 Bento Teixeira publica Introdução do Brasil na
camoniana, "Prosopopéia". poesia
1633 Estréia do Padre Antônio Vieira
nos púlpitos da Bahia
1705 Publicação de "Música do Primeiro livro impresso
Parnaso" de Manoel Botelho de de autor nascido no
Oliveira Brasil.
1768 Fundação da Arcádia Início do Arcadismo
Ultramarina, em Vila Rica,
Minas Gerais. Publicação das
"Obras", de Cláudio Manuel da
Costa
1808 Chegada da Família Real ao Rio Início do período de
de Janeiro transição
1836 Lançamento da Início do Romantismo
Revista"Niterói", em Paris.
Publicação do livro "Suspiros
Poéticos e Saudades", de
Gonçalves de Magalhães.
1843 Gonçalves Dias escreve, em
Coimbra, a Canção do exílio
1857 José de Alencar publica o
romance indianista "O Guarani"
1868 Castro Alves escreve, em São
Paulo, suas principais poesias
sociais, entre elas: "Estrofes do
solitário", "Navio negreiro",
"Vozes d'África"
1870 Tobias Barreto lidera Primeiras manifestações
movimento de realistas na Escola de Recife
1881 Publicação de "O mulato", de Primeiro romance
Aluízio de Azevedo naturalista do Brasil
1881 Publicação de Memórias Primeiro romance
póstumas de Brás Cubas, de realista do Brasil e
Machado de Assis início do Realismo
1893 Publicação de Missal (prosa) e Início do Simbolismo
Broquéis (poesia), de Cruz e
Souza
1902 Publicação de "Os Sertões", de Início do Pré-
Euclides da Cunha Modernismo
1917 Menotti del Picchia publica
"Juca Mulato"; Manuel Bandeira
publica "Cinzas das horas";
Mário de Andrade publica "Há
uma gota de sangue em cada
poema"; Anita Malfatti faz sua
primeira exposição de pinturas;
Monteiro Lobato critica a
pintora e os jovens que a
defendem são os mesmos que,
posteriormente, participariam
da Semana de Arte Moderna
1922 Realização da Semana de Arte
Moderna, com três espetáculos
no Teatro Municipal de São
Paulo em 13, 15 e 17 de
fevereiro. Mário de Andrade
recebe intensa vaia ao
declamar poesias de seu livro
"Paulicéia desvairada"
1930 Publicação de "Alguma Poesia", Segunda geração do
de Carlos Drummond de Modernismo
Andrade
1945 A Geração de 45 Terceira geração do
Modernismo

Relação dos membros da Academia Brasileira de Letras

Cadeira Ocupante
30 Nélida Piñon (Presidente)
18 Arnaldo Niskier (Secretário-Geral)
24 Sábato Magaldi (Primeiro-
Secretário)
02 Tarcísio Padilha (Segundo-
Secretário)
25 Alberto Venâncio Filho (Tesoureiro)
31 Geraldo França de Lima (Diretor da
Biblioteca)
40 Evaristo de Moraes Filho (Diretor do
Arquivo)
36 João de Scantimburgo (Diretor da
Revista Brasileira)
27 Eduardo Portella (Diretor dos Anais)

Membros efetivos
33 Afrânio Coutinho
17 Antônio Houaiss
08 Antônio Olinto
32 Ariano Suassuna
20 Aurélio de Lyra Tavares
06 Barbosa Lima Sobrinho
01 Bernardo Élis
35 Cândido Mendes de Almeida
09 Carlos Chagas Filho
04 Carlos Nejar
11 Celso Furtado
21 Dias Gomes
15 Padre Fernando Bastos de Ávila
03 Herberto Sales
22 Ivo Pitanguy
37 João Cabral de Melo Neto
34 João Ubaldo Ribeiro
23 Jorge Amado
38 José Sarney
29 Josué Montello
10 Ledo Ivo
12 Dom Lucas Moreira Neves
16 Lygia Fagundes Telles
19 Marcos Almir Madeira
26 Marcos Vinícius Vilaça
14 Miguel Reale
28 Oscar Dias Corrêa
05 Rachel de Queiroz
39 Roberto Marinho
07 Sérgio Corrêa da Costa
13 Sérgio Paulo Rouanet
v