Você está na página 1de 5

4.1

Experiência Nº 4

1. Assunto

Circuitos trifásicos equilibrados em regime permanente.

2. Objetivos

Determinação de sequência de fases. Análise de circuitos trifásicos equilibrados. Medidas de potência.

3. Fundamentos Teóricos

3.1 Medida de potência

Segundo o teorema de Blondel, a medida de potência ativa numa carga, equilibrada ou desequilibrada, alimentada por “p” condutores pode ser feita através de “p-l” wattímetros.

A Figura 1 ilustra a ligação para uma carga alimentada por 3 condutores.

a ligação para uma carga alimentada por 3 condutores. Figura 1 – Medida de potência em

Figura 1 – Medida de potência em circuitos trifásicos.

Suponhamos os wattímetros ideais (impedância nula na bobina de corrente e impedância infinita na bobina de tensão). Consideremos ainda a sequência de fases A-B-C e a carga trifásica equilibrada. Nesse caso mostra-se que as leituras dos wattímetros são:

P

1

P

2

=

=

onde:

V

L

V

L

V

L

I

I

L

L

(

(

cos 30

cos 30

o

o

+

= V

AB

= V

BC

φ

f

φ

f

)

)

= V

CA

,

I

L

= I

A

= I

B

= I

C

e

Z

f

= Z

A

= Z

B

= Z

C

= Z φ

f

f

(1)

4.2

Concluímos daí que:

o

a) = 60 , um dos wattímetros dá indicação nula.

Se

φ

f

b)

< −60 , um dos wattímetros dá indicação negativa. Nesse caso, será

Se

necessário inverter a ligação de uma das bobinas do wattímetro (usualmente da bobina de tensão) para efetuar a leitura.

φ

f

> 60

o

ou

φ

f

o

A potência trifásica total é a soma algébrica das leituras P l e P 2 .

3.2 Sequência de fases

A sequência de fases de uma linha trifásica, embora pareça ter um papel irrelevante,

reveste-se de uma enorme importância. Em particular, quando se necessita interligar redes trifásicas, é de suma importância que a sequência de fases de ambas seja a mesma. A

seguir são apresentados dois métodos experimentais gerais para a verificação da sequência

de fases:

a) Examinando o sentido de rotação de um motor trifásico, previamente aferido com uma

sequência de fases conhecidas. A inversão do sentido de rotação indica uma sequência de

fases inversas daquela da linha primitiva.

b) Examinando o comportamento de uma carga desequilibrada. Em geral, qualquer carga

desequilibrada pode ser empregada como um verificador de sequência de fases. Um dos dispositivos mais comuns é a disposição do circuito não equilibrado mostrado na Figura 2.

Se a lâmpada “α” for mais brilhante que a lâmpada “β”, a sequência é A-B-C.

Se a lâmpada “β” for mais brilhante que a lâmpada “α” a sequência é C-B-A.

brilhante que a lâmpada “ α ” a sequência é C-B-A. Figura 2 – Determinação da

Figura 2 – Determinação da sequência de fases.

Se no lugar do indutor da Figura 2 colocássemos um capacitor, a conclusão sobre a sequência de fases seria exatamente a contrária da que acabamos de ver.

Outra alternativa do processo de carga desequilibrada seria o emprego do circuito da Figura 3. Se a leitura do voltímetro conectado entre os pontos 1 e 2 for maior que a tensão fase-fase, a sequência é A-B-C. Se for menor a sequência é A-C-B.

4.3

4.3 Figura 3 – Determinação da sequência de fases. 4. Trabalho Preparatório 4.1 Demonstre a partir

Figura 3 – Determinação da sequência de fases.

4. Trabalho Preparatório

4.1 Demonstre a partir das equações (1) que, para uma carga trifásica equilibrada, o fator de potência e a potência reativa podem ser obtidos a partir das leituras P 1 e P 2 dos wattímetros da Figura 1, por:

cos

(

φ

f

)

=

Q =

1 2 − P  1 2 1 + 3   P  
1
2
− P
1
2
1
+
3   P
P
+ P
1
2
3 ×
(
P
− P
)
1
2

4.2 Mostre a validade do método de determinação da sequência de fases proposto na Figura 2.

4.3 Mostre a validade do método de determinação da sequência de fases proposto na Figura 3.

4.4 Leia a execução e se prepare cuidadosamente para a aula.

5. Execução

5.1 Constate no laboratório a inversão do sentido de rotação de um motor com a mudança da sequência de fases.

5.2 Identifique a sequência da tomada trifásica da sua bancada pelos métodos de carga desequilibrada propostos nas Figuras 2 e 3. Anote os valores do último teste para futura confrontação com valores teóricos na discussão. Obs: cuidado com a escala do voltímetro!!

5.3 Ligação Y

Monte a carga trifásica em estrela como indicado na Figura 4 (por simplicidade, não estão indicados todos os medidores necessários).

Antes de ligar o circuito coloque o reostato no máximo e preveja os valores de tensão e corrente no circuito para poder selecionar seus instrumentos e os fusíveis necessários. Lembre-se que os fusíveis devem proteger também os instrumentos.

Antes de ligar o circuito. verifique se a chave Ch está aberta, para evitar alta corrente de transitório no miliamperímetro.

4.4

Equilibre o circuito variando lentamente o cursor do reostato e observando o amperímetro A n.

Complete o quadro no final desse item.

A n . ● Complete o quadro no final desse item. Figura 4 – Ligação Y,

Figura 4 – Ligação Y, onde: C = 15µF, R = reostato de 200 (500 W) e as lâmpadas de 100W (127 V).

5.4 Ligação

Monte a carga trifásica em triângulo conforme a Figura 5 e proceda analogamente ao item 5.3.

conforme a Figura 5 e proceda analogamente ao item 5.3. Figura 5 – Ligação ∆ ,

Figura 5 – Ligação , onde: C = 15µF, R = reostato de 500 (500 W) e as lâmpadas de 200W (220 V).

 

Ligação Y

 

Ligação

V A =

V AB =

I A =

V AB =

I A =

V B =

V BC =

I B =

V BC =

I B =

V C =

V AC =

I C =

V AC =

I C =

P 1 =

P 2 =

P 1 =

P 2 =

R equilíbrio =

R equilíbrio =

4.5

6. Discussão

6.1 A partir da tensão trifásica de alimentação, calcule a tensão que aparece entre os pontos 1 e 2 da Figura 3 e compare com o valor medido durante a execução do item 5.2

6.2 A partir do conhecimento da carga e da tensão de alimentação, calcule os valores de corrente, tensão e potência dos circuitos das Figuras 4 e 5 e compare com os valores medidos no laboratório.

6.3 Utilizando o resultado do exercício 4.1 determine o fator de potência e a potência reativa dos circuitos Y e analisados .

Bibliografia

[1] Ney Bruno, Expedito Xavier, Bernardo Severo Filho - Análise de Circuitos Elétricos, Trabalhos de Laboratório, IME, 1973. [2] Close - Circuitos Lineares - cap. 8 –LTC, 1975. [3] Orsini - Circuitos Elétricos -cap. 10- Edgard Blucher, 1971.

Material Utilizado Por Bancada

Item 5.1 da execução

Item 5.3 da execução (fig.4)

1

Motor de indução trifásico

1

Chave trifásica com fusíveis de 2 A

com partida direta

3

Amperímetros 0-1 A

1 chave trifásica com fusíveis

1

Mili-amperímetro 0-500 mA

1 Sequencímetro

2

Wattímetros monofásicos 0-240-600 W

2

Lâmpadas 110 V/ 100 W com soquete

3

Capacitores de 15 µF

1

Reostato de 0-200 /500 W

1

Vo1tímetro C.A.O-150-300-600 V

1

Chave monofásica

Item 5.2 da execução (fig. 2)

 

1 Chave trifásica com fusíveis

1 Indutor com núcleo de ferro

2 Lâmpadas 220 V/60 W

1 Capacitor

Item 5.2 da execução (fig.3)

Item 5.4 da execução (fig. 5)

Chave trifásica com fusíveis l Capacitor de 25 µF

1

1

Chave trifásica com fusíveis de 2 A

3

Capacitores de 25 µF

1 Reostato de 0 - 200 ; 500 W

1

Reostato de 0-500 / 500 W

1 Voltímetro 0/150/300/600 V

3

Amperímetros 0-2 A

2

Wattímetros monofásicos

2

Lâmpadas 220 V/200 W