Você está na página 1de 16

Educar é uma tarefa

de todos nós.
Um guia para a família participar, no dia-a-dia,
da educação de nossas crianças.
Quando a família participa da educação das crianças,
elas podem sair-se muito melhor na escola e na vida.
Este guia traz dicas de como apoiar as crianças que
freqüentam escolas da 1a à 4 a série do Ensino Fundamental
e ajudá-las, com carinho, a aprender mais e melhor.

Este guia pertence aos familiares de


Queridos pais, mães e responsáveis:

Todos queremos o melhor para nossas crianças. Sonhamos para elas um


futuro com mais oportunidades de serem felizes e de se realizarem na vida
profissional e pessoal. Para que esses sonhos possam tornar-se realidade,
nossas crianças precisam desenvolver-se cada vez mais e melhor.

Pesquisas mostram que o envolvimento da família na vida escolar das crianças


é fundamental. A família é capaz de despertar o interesse e a curiosidade
delas e incentivar a sua aprendizagem. Por isso, o seu compromisso é
indispensável. Não queremos que vocês se transformem em professores de
suas crianças, basta que acompanhem a vida escolar delas, valorizem suas
tarefas, estimulem-nas a gostarem de aprender e a serem curiosas também
na vida fora da escola.

Para ajudar nessa tarefa, o Ministério da Educação preparou este guia.


Ele apresenta, em linhas gerais, o que as crianças podem e devem ter
aprendido em língua portuguesa e matemática, ao final da 2 a e da 4 a série,
para vocês poderem acompanhar melhor o seu desenvolvimento escolar.
Esta aprendizagem está prevista nos parâmetros curriculares nacionais que
o MEC elaborou e distribuiu às escolas e professores em 1997. Este guia
aborda a língua portuguesa e a matemática porque favorecem, e muito,
a aprendizagem das demais áreas. Além disso, ele traz dicas e sugestões de
como contribuir para a educação das crianças fora da escola. Não podemos
esquecer que o que elas aprendem na sala de aula deve ser importante não
só para passar de ano, mas para toda a sua vida.

Nossa idéia é de que os pais, as mães e os responsáveis discutam o conteúdo


deste guia na escola, conversem com os professores e acompanhem
o desenvolvimento de suas crianças mais de perto e de forma mais atuante.

Juntos, construiremos a escola que o Brasil quer e de que precisa. Mostrem


para suas crianças que elas podem contar com vocês!

PAULO RENATO SOUZA


Ministro da Educação

3
Respeitando cada fase da criança.
Desde que nascemos, estamos sempre aprendendo. A cada dia, uma
novidade. Ao ajudar as crianças, lembre-se de que é preciso respeitar a fase
de aprendizado delas, para não exigir demais nem de menos.

Converse e brinque com elas.


Conversar, brincar, fazer coisas do dia-a-dia junto com as crianças são
formas de demonstrar atenção e carinho. Isso pode ajudá-las a se sentirem
mais seguras e a aprenderem mais e melhor. Responda às suas perguntas,
ouça suas histórias, conte casos da família. Conversem muito sobre o seu
trabalho, sobre coisas que aconteceram durante o dia, que viram na TV
ou outros tantos assuntos. Ensine-lhes canções, poemas ou brincadeiras
que você aprendeu em sua infância.

Ler e escrever
Ao final da 2a série, as crianças
já devem ter aprendido:
• que ler e escrever é muito importante para resolver coisas do dia-a-dia -
por exemplo: aprender um jogo, fazer uma receita, estudar, informar-se,
ler para se divertir;
• a ler e entender alguns textos simples, como cartas, bilhetes, listas, receitas,
cartazes, histórias conhecidas, poesias, manchetes ou notinhas de jornais,
legendas de revistas, entre outros;
• a escrever corretamente diferentes tipos de texto, como cartas, bilhetes,
listas, receitas, recados, histórias curtas, poesias etc.;
• a escrever corretamente as palavras que elas mais usam;
• a falar comunicando-se adequadamente em diferentes situações, quando
conversam, contam coisas que aconteceram ou que aprenderam.

Ao final da 4a série, as crianças já devem


ter aprendido:
• a ler e entender, sem precisarem de ajuda, textos simples, como matérias de
jornais e revistas de seu interesse, livros de histórias clássicas e modernas,
livros em capítulos, livros de estudo, entre outros;
4
• a escrever diferentes tipos de texto, como cartas, contos, poesias, respostas
de questionários, resumos etc.;
• a escrever corretamente muitas palavras e a utilizar o dicionário para
tirarem dúvidas;
• a fazer rascunhos, revisar e cuidar da apresentação dos textos;
• a buscar informações em jornais, revistas, enciclopédias etc.;
• a falar comunicando-se adequadamente em diferentes situações, quando
conversam, apresentam trabalhos para a classe, contam idéias, defendem
pontos de vista, contam histórias e coisas que aconteceram.

Para que ler e escrever


sejam interessantes para
as crianças:
Leia para elas desde pequeninas e, se possível,
todos os dias.
Descubra, com as crianças, o melhor horário do dia para a leitura: pode
ser na hora de dormir, no final da tarde ou quando acharem melhor.
Esses momentos juntos, escutando histórias ou poemas, podem criar
lembranças lindas que as crianças jamais esquecerão. Com este tipo de
experiência, a leitura na escola também passa a fazer mais sentido, vai ser
mais fácil e divertido. Este costume de ler juntos deve continuar mesmo
depois que as crianças crescerem. Se vocês não tiverem facilidade em ler,
sugerimos que tentem.Vocês também podem gostar. Convidem um parente,
amigo ou mesmo um filho mais velho e organize essas horas de leitura.
Pode ser um bom motivo para reunir a família.
5
Mostre-lhes que a leitura ajuda nas coisas que
fazemos todos os dias.
• Cozinhem algo saboroso com você ou elas lendo a receita.
• Leia ou peça que elas leiam rótulos de embalagens. Depois da leitura,
conversem sobre o produto.
• Você ou as crianças podem ler as instruções de um aparelho doméstico
enquanto aprendem a usá-lo. Também podem ler as regras de um jogo.
• Quando caminharem juntos ou estiverem no ônibus, leiam os anúncios e
letreiros e depois comentem.
• Leiam juntos a programação da TV para escolherem a qual programa
vão assistir.
• Leiam manchetes de jornais ou mesmo notícias, com assuntos interessantes
que acontecem na sua cidade ou nos outros países do mundo.

6
Ajude as crianças a gostarem dos livros
e da leitura.
Procure ter em casa livros, revistas e jornais e incentivar a leitura deles.
O projeto Literatura em Minha Casa, do Programa Nacional Biblioteca da
Escola (PNBE), do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação
(FNDE/MEC), está entregando aos 8,5 milhões de alunos da 4 a e 5a série do
Ensino Fundamental livros que deverão constituir seu acervo pessoal.
As obras literárias que estão chegando em casa, com textos de autores
consagrados e poetas nacionais e internacionais, são um pontapé inicial
para o prazeroso hábito da leitura compartilhada em família.
Muitas vezes, as crianças desistem da leitura ao encontrarem palavras
desconhecidas, mas, na maioria dos casos, só de continuar a leitura
acabamos por entender o que tais palavras querem dizer. Se for preciso e
você puder, explique as palavras difíceis ou procure com elas o significado
no dicionário. Utilize o dicionário que o Ministério da Educação distribuiu,
no ano passado (2001), a 20,2 milhões de alunos da escola pública.
De vez em quando, nos aniversários ou datas especiais, dê livros interessantes
de presente ou um caderno para que usem como diário pessoal, onde
possam escrever, desenhar, copiar poemas, colar coisas marcantes de sua vida.

Escute-as lendo em voz alta.


Se as crianças já sabem ler, sugira que leiam em voz alta e escute com
atenção. Se elas estiverem tímidas ou gaguejando, tenha paciência. Não fique
corrigindo, pois logo irão soltar-se e fazer uma leitura melhor. Em seguida,
conversem sobre o que foi lido.

Nunca as obrigue a ler.


Não faça da leitura uma obrigação nem a utilize como um castigo. Para fazer
da criança um leitor de carteirinha, ela precisa ler com prazer.
7
Estimule os interesses pessoais das crianças
com livros, jornais ou revistas.
Quando as crianças forem maiores, identifique os assuntos de que elas mais
gostam e estimule-as a lerem sobre isso. Por exemplo, se a criança gosta de
geografia, consiga-lhe um atlas. Se gosta de esportes, leia com ela a seção de
esportes do jornal ou matérias em revistas.

Divirtam-se escrevendo.
• Dependendo da idade, estimule as crianças a escreverem cartas para
amigos ou parentes distantes, histórias conhecidas ou inventadas, poemas
ou um diário.
• Se notar que elas gostam de escrever, valorize estas escritas propondo
que montem um livro, com capa, ilustrações, recortes etc. Guardem em
uma pasta ou caixa preparadas para isto.
• Peça às crianças que escrevam bilhetes para alguém da família, cartão para
um amigo que faz aniversário. Se ainda não souberem escrever, elas podem
ditar para você.
• Existem muitos jogos que utilizam a escrita, tais como palavras cruzadas,
caça-palavras etc.
8
Escrevam juntos coisas simples e cotidianas.
Demonstre-lhes que escrever é muito útil, não só na escola, mas também na
vida. É muito importante que elas vejam você usando a escrita. Por exemplo:
• anotem algo que não podem esquecer: um endereço, um número de
telefone ou alguma coisa a comprar;
• peça às crianças que anotem recados.

No início, todo mundo erra. Elogie em vez


de corrigir.
Quando as crianças estiverem começando a aprender a escrever, não corrija
seus erros de ortografia ou a sua “letra feia”. O importante é que elas
escrevam com liberdade e imaginação. Aos poucos, os erros vão diminuir e
a letra melhorar. É muito mais importante que você dê parabéns do que
ficar corrigindo.
9
Matemática

1 litro = 4 copos

Ao final da 2 a série, as crianças já devem


ter aprendido:
• a ler e escrever os números;
• a usar, no dia-a-dia, instrumentos com números, como fita métrica, régua,
calendário, balança e relógio;
• a resolver pequenos problemas com as quatro operações (soma, subtração,
divisão e multiplicação), mesmo sem usar a “conta armada”;
• a resolver contas simples de cabeça.
10
Ao final da 4a série, as crianças já devem
ter aprendido:
• a ler e escrever os números não-inteiros que usamos no dia-a-dia, como
as frações (1/2, 1/3, 1/4) usadas em receitas, os decimais (0,50) usados no
dinheiro e as porcentagens (50%) usadas em pesquisas e gráficos;
• a reconhecer unidades de medida (centímetro, metro, quilo, grama, hora,
minuto) que aparecem nos instrumentos que usamos no dia-a-dia, como
réguas, balanças e relógios;
• a resolver problemas que envolvam as quatro operações (soma, subtração,
divisão e multiplicação) usando a “conta armada”;
• a resolver contas de cabeça;
• a compreender o que informam alguns gráficos e tabelas.

Para que a matemática


seja interessante para
as crianças:

Ajude-as a gostarem de matemática.


Mostre às crianças como a matemática é útil e divertida para a vida.
Cuidado para não passar as suas inseguranças a elas. Por exemplo, não diga
que você ia mal em matemática na escola, que esta é uma matéria difícil ou
chata. Crianças se influenciam pelos pais e isso pode fazê-las não gostarem
de matemática na escola.
11
Medindo coisas juntos, vocês usam
a matemática.
• Meça a altura das crianças com fitas métricas ou compare a altura delas
com diferentes objetos. Será divertido ver quantos pentes as crianças
medem e quantos palmos faltam para que elas alcancem você.
• Marquem no relógio quanto tempo leva para a água ferver.
• Marquem os pesos de produtos de uso doméstico, sentindo a diferença
entre um quilo de arroz e meio quilo de açúcar.

Mostre às crianças como a matemática está


presente no dia-a-dia.
• Você pode até achar que não entende muito de matemática, mas, mesmo
sem perceber, a utiliza em muitas situações que pode mostrar para as
crianças: ao conferir o troco da padaria, calcular quantos dias faltam
para um aniversário, ou quando lê as quantidades dos ingredientes da
receita de um bolo.
• Chame as crianças para participarem dessas situações. Por exemplo, peça
para elas ajudarem a fazer as contas para as compras da casa: “Preciso
ir à feira para comprar cebola, alho, tomate e alface. Será que esse
dinheiro dá?”
12
• Quando for preparar uma receita, chame as crianças. Faça perguntas que
as ajudem a pensar: “Para esta receita vou precisar de 250 gramas de
farinha; se eu quiser fazer o dobro, de quanto de farinha vou precisar?”
• Somem os preços dos produtos que estão comprando, contem quantas
pessoas vão comer na sua casa e quantos pratos vocês precisam colocar
na mesa.
• Calculem as horas, os dias ou os meses. Por exemplo: quantos dias faltam
para o seu aniversário? E quantas semanas? Quantos dias faltam para o
próximo domingo? E para o Natal?

O mundo dos números pode ser divertido.


• Brinquem juntos fazendo contas de cabeça (sem usar lápis e papel).
• Em casa ou na rua, brinquem de encontrar números. Por exemplo: preços
em jornais, placas de carros, números das casas ou telefones de parentes.
• Juntem pedrinhas ou palitos em montinhos de diferentes quantidades
(de dois em dois, de cinco em cinco etc.) - quem juntar mais rápido ganha.
• Quantos sapatos tem um par? E três pares?
• Se uma cadeira tem quatro pernas, quantas pernas têm duas cadeiras?
• Quantas rodas tem a bicicleta? E um triciclo? E um caminhão?

13
Brincar ajuda a aprender matemática.
• Invente jogos que usem números. Se as crianças são pequenas, brinque com
números mais fáceis; se elas já são maiores, números mais altos, como
100 ou 1.000, podem ser um desafio emocionante.
• Diga um número e peça que elas encontrem números maiores, menores
ou que estejam entre dois números. Por exemplo: quem disser mais rápido
um número que esteja entre 20 e 30 ganha um ponto na brincadeira.
• Brinquem de formar números. Por exemplo: com o 2 e o 7 pode-se formar
o 27 e o 72 e, se forem repetidos, 22, 277, 772... Quem consegue formar
mais números diferentes?
• Brinquem de contar de 2 em 2, de 5 em 5, de 10 em 10...
• Amarelinha, jogos com dados, jogo-da-velha, trilha, quebra-cabeça são
atividades simples que ajudam a desenvolver o raciocínio das crianças.

Façam coleções.
Colecionar figurinhas, pedras coloridas, botões faz parte da infância e ajuda
as crianças a contar, classificar, pensar em quantas figurinhas faltam para
completarem o álbum ou para trocarem com os amigos.

14
A calculadora não é um bicho-de-sete-cabeças.
Deixe que as crianças usem a calculadora. Primeiro porque ela é um
instrumento importante, que todos precisam saber utilizar; depois porque
ela não vai impedir que as crianças aprendam a fazer contas. Na verdade,
a calculadora pode ajudar a descobrir muitas coisas importantes da
matemática. Por exemplo: desafie as crianças a fazerem aparecer no visor
o número 27 sem apertar a tecla do número 7. Quantas contas elas vão
precisar fazer para chegar lá?

Não só de números vive a matemática.


• Brinque de descobrir figuras geométricas nos objetos da casa. A porta é
retangular, um prato tem a forma de círculo e o telhado pode ser um
triângulo.
• Desenhe com as crianças um mapa de como chegar da escola até sua casa,
por exemplo. Localizem no mapa a casa de um parente ou de amigos que
moram por perto. Vejam se outras pessoas entendem o mapa.

Esses são alguns exemplos de como conviver com as crianças despertando


sua curiosidade e o prazer de aprender. O mais importante é criar um clima
de cumplicidade para que elas se sintam confiantes e estimuladas. Para que
sintam o quanto você valoriza o que elas aprendem. Para que percebam que
podem usar na vida o que aprendem na escola e vice-versa. Todas essas
dicas e sugestões estão aqui para ajudar você a começar. Depois você vai
inventar outras tantas.

Este guia foi elaborado pelas professoras Ana Rosa Abreu, Eliane Mingues e Renata Violante, da Assessoria
Nacional do Programa Parâmetros em Ação - Secretaria de Educação Fundamental / Ministério da Educação.
15