Você está na página 1de 38

Disciplina: Sistemas de Rádio e Televisão

Acadêmico: Silvano Ferreira de Souza

Disciplina: Sistemas de Rádio e Televisão Acadêmico: Silvano Ferreira de Souza
Disciplina: Sistemas de Rádio e Televisão Acadêmico: Silvano Ferreira de Souza
Disciplina: Sistemas de Rádio e Televisão Acadêmico: Silvano Ferreira de Souza
Disciplina: Sistemas de Rádio e Televisão Acadêmico: Silvano Ferreira de Souza
Disciplina: Sistemas de Rádio e Televisão Acadêmico: Silvano Ferreira de Souza
 Em 1983, inicia-se as transmissões de TV por satélite.  Empresas crescem rapidamente com

Em 1983, inicia-se as transmissões de TV por satélite.

Empresas

crescem

rapidamente

com

a

comercialização

de

Receptor

de

Satélite

+

Transmissor

Empresas crescem rapidamente com a comercialização de Receptor de Satélite + Transmissor
Empresas crescem rapidamente com a comercialização de Receptor de Satélite + Transmissor
Empresas crescem rapidamente com a comercialização de Receptor de Satélite + Transmissor
Empresas crescem rapidamente com a comercialização de Receptor de Satélite + Transmissor
 1991, A Empresa Lider recebeu do Centro de do Comércio Estudos Desenvolvimento e Exterior

1991, A Empresa Lider recebeu do Centro de

do Comércio

Estudos

Desenvolvimento

e

Exterior

(CEDEX)

Tecnologia.

o

Prêmio

Minas

Exporta

Em 2005, recebeu o Prêmio PROEX Excelência

Programa de Financiamento à Exportação do Banco do Brasil na categoria Inovação

Tecnológica.

Excelência – Programa de Financiamento à Exportação do Banco do Brasil – na categoria Inovação Tecnológica.
Excelência – Programa de Financiamento à Exportação do Banco do Brasil – na categoria Inovação Tecnológica.
Excelência – Programa de Financiamento à Exportação do Banco do Brasil – na categoria Inovação Tecnológica.
Excelência – Programa de Financiamento à Exportação do Banco do Brasil – na categoria Inovação Tecnológica.
 Em 1999, inicio-se o desenvolvimento de Moduladores Digitais para Dados e Voz.  2002,

Em

1999,

inicio-se

o

desenvolvimento

de

Moduladores Digitais para Dados e Voz.

2002, em trabalho conjunto com o INATEL e com apoio da Finep, desenvolveu o primeiro

Transmissor Brasileiro de TV Digital.

2002, em trabalho conjunto com o INATEL e com apoio da Finep, desenvolveu o primeiro Transmissor
2002, em trabalho conjunto com o INATEL e com apoio da Finep, desenvolveu o primeiro Transmissor
2002, em trabalho conjunto com o INATEL e com apoio da Finep, desenvolveu o primeiro Transmissor
2002, em trabalho conjunto com o INATEL e com apoio da Finep, desenvolveu o primeiro Transmissor
 Divide-se em três grandes blocos; ◦ Geração; ◦ Transmissão; ◦ Recepção

Divide-se em três grandes blocos;

Geração;

Transmissão;

Recepção

 Divide-se em três grandes blocos; ◦ Geração; ◦ Transmissão; ◦ Recepção
 Divide-se em três grandes blocos; ◦ Geração; ◦ Transmissão; ◦ Recepção
 Divide-se em três grandes blocos; ◦ Geração; ◦ Transmissão; ◦ Recepção
 Divide-se em três grandes blocos; ◦ Geração; ◦ Transmissão; ◦ Recepção
 Envolve desde a produção de conteúdo, a fabricação dos equipamentos, além de toda a

Envolve desde a produção de conteúdo, a fabricação dos equipamentos, além de toda a

rede de serviço das emissoras.

Envolve desde a produção de conteúdo, a fabricação dos equipamentos, além de toda a rede de
Envolve desde a produção de conteúdo, a fabricação dos equipamentos, além de toda a rede de
Envolve desde a produção de conteúdo, a fabricação dos equipamentos, além de toda a rede de
Envolve desde a produção de conteúdo, a fabricação dos equipamentos, além de toda a rede de
 Fabricação dos equipamentos de transmissão e também das antenas, bem como as chamadas retransmissoras

Fabricação dos equipamentos de transmissão e também das antenas, bem como as

chamadas retransmissoras de sinais.

 Fabricação dos equipamentos de transmissão e também das antenas, bem como as chamadas retransmissoras de
 Fabricação dos equipamentos de transmissão e também das antenas, bem como as chamadas retransmissoras de
 Fabricação dos equipamentos de transmissão e também das antenas, bem como as chamadas retransmissoras de
 Fabricação dos equipamentos de transmissão e também das antenas, bem como as chamadas retransmissoras de
 Envolve a fabricação dos equipamentos, fixa, portátil ou sejam móvel. eles de recepção

Envolve a fabricação dos equipamentos,

fixa, portátil ou

sejam

móvel.

eles

de

recepção

 Envolve a fabricação dos equipamentos, fixa, portátil ou sejam móvel. eles de recepção
 Envolve a fabricação dos equipamentos, fixa, portátil ou sejam móvel. eles de recepção
 Envolve a fabricação dos equipamentos, fixa, portátil ou sejam móvel. eles de recepção
 Envolve a fabricação dos equipamentos, fixa, portátil ou sejam móvel. eles de recepção
Fonte: Willrich, Roberto
Fonte: Willrich, Roberto
Fonte: Willrich, Roberto
Fonte: Willrich, Roberto

Fonte: Willrich, Roberto

Fonte: Willrich, Roberto
Fonte: Willrich, Roberto
Fonte: Willrich, Roberto
Fonte: Willrich, Roberto

Fonte: Willrich, Roberto

Fonte: Willrich, Roberto
Fonte: Willrich, Roberto

Fonte: Willrich, Roberto

 O receptor pode estar embutido em uma televisão digital ou ser um equipamento à

O receptor pode estar embutido em uma

televisão digital ou ser um equipamento à

parte.

Antes de ser processado por um receptor, o sinal difundido precisa ser captado por um dispositivo ou uma antena específica para a

tecnologia usada.

um receptor, o sinal difundido precisa ser captado por um dispositivo ou uma antena específica para
um receptor, o sinal difundido precisa ser captado por um dispositivo ou uma antena específica para
um receptor, o sinal difundido precisa ser captado por um dispositivo ou uma antena específica para
um receptor, o sinal difundido precisa ser captado por um dispositivo ou uma antena específica para
Fonte: Willrich, Roberto
Fonte: Willrich, Roberto
Fonte: Willrich, Roberto
Fonte: Willrich, Roberto

Fonte: Willrich, Roberto

 São dispositivos informações de capazes áudio, de vídeo decodificar e dados.  Utiliza todos

São

dispositivos

informações

de

capazes

áudio,

de

vídeo

decodificar

e

dados.

Utiliza todos os segmentos do canal

Podem externo.

ser

de

dois

tipos:

vídeo decodificar e dados.  Utiliza todos os segmentos do canal  Podem externo. ser de
vídeo decodificar e dados.  Utiliza todos os segmentos do canal  Podem externo. ser de
vídeo decodificar e dados.  Utiliza todos os segmentos do canal  Podem externo. ser de
vídeo decodificar e dados.  Utiliza todos os segmentos do canal  Podem externo. ser de

integrado

ou

 Destinado " handhelds", para receptores decodifica móveis ou exclusivamente informações de áudio, vídeo

Destinado

"handhelds",

para

receptores

decodifica

móveis

ou

exclusivamente

informações de áudio, vídeo e dados, contidas

na camada “A” localizada no segmento central dos 13 segmentos

Utiliza apenas um segmento do canal.

contidas na camada “A” localizada no segmento central dos 13 segmentos  Utiliza apenas um segmento
contidas na camada “A” localizada no segmento central dos 13 segmentos  Utiliza apenas um segmento
contidas na camada “A” localizada no segmento central dos 13 segmentos  Utiliza apenas um segmento
contidas na camada “A” localizada no segmento central dos 13 segmentos  Utiliza apenas um segmento
Fonte: Brackmann
Fonte: Brackmann

Fonte: Brackmann

 Utilizado para assistir a sinais aparelhos analógicos. digitais em  Alguns servirão, unicamente, para

Utilizado

para

assistir

a

sinais

aparelhos analógicos.

digitais

em

Alguns servirão, unicamente, para transformar o sinal digital em analógico.

aparelhos analógicos. digitais em  Alguns servirão, unicamente, para transformar o sinal digital em analógico.
aparelhos analógicos. digitais em  Alguns servirão, unicamente, para transformar o sinal digital em analógico.
aparelhos analógicos. digitais em  Alguns servirão, unicamente, para transformar o sinal digital em analógico.
aparelhos analógicos. digitais em  Alguns servirão, unicamente, para transformar o sinal digital em analógico.
 São a porta de entrada dos serviços digitais no ambiente do consumidor.  Possuir

São a porta de entrada dos serviços digitais no ambiente do consumidor.

Possuir também um canal de retorno, tornando possível uma interatividade entre o

telespectador e os serviços disponíveis.

também um canal de retorno, tornando possível uma interatividade entre o telespectador e os serviços disponíveis.
também um canal de retorno, tornando possível uma interatividade entre o telespectador e os serviços disponíveis.
também um canal de retorno, tornando possível uma interatividade entre o telespectador e os serviços disponíveis.
também um canal de retorno, tornando possível uma interatividade entre o telespectador e os serviços disponíveis.
 Middleware é uma camada de software posicionada entre o código das aplicações e a

Middleware é uma camada de software posicionada entre o código das aplicações e a infra-estrutura de execução.

Em aplicações de TV digital consiste de máquinas de

execução das linguagens oferecidas, e bibliotecas de

funções, que permitem o desenvolvimento rápido e fácil de aplicações.

das linguagens oferecidas, e bibliotecas de funções, que permitem o desenvolvimento rápido e fácil de aplicações.
das linguagens oferecidas, e bibliotecas de funções, que permitem o desenvolvimento rápido e fácil de aplicações.
das linguagens oferecidas, e bibliotecas de funções, que permitem o desenvolvimento rápido e fácil de aplicações.
das linguagens oferecidas, e bibliotecas de funções, que permitem o desenvolvimento rápido e fácil de aplicações.
Fonte: Globalcode – Open4education
Fonte: Globalcode – Open4education
Fonte: Globalcode – Open4education
Fonte: Globalcode – Open4education
Fonte: Globalcode – Open4education

Fonte: Globalcode Open4education

 Ainda não existe um padrão de Middleware Universal.  Três grupos tentam formalizar um

Ainda não existe um padrão de Middleware Universal.

Três grupos tentam formalizar um padrão aberto: a Europa com sistema DVB tenta padronizar o MHP, os Estados Unidos com

ATSC tenta o DASE e o Japão com ISDB tenta o

ARIB.

a Europa com sistema DVB tenta padronizar o MHP, os Estados Unidos com ATSC tenta o
a Europa com sistema DVB tenta padronizar o MHP, os Estados Unidos com ATSC tenta o
a Europa com sistema DVB tenta padronizar o MHP, os Estados Unidos com ATSC tenta o
a Europa com sistema DVB tenta padronizar o MHP, os Estados Unidos com ATSC tenta o
 É o nome do Middleware Recomendado pela ITU-T para serviços IPTV e do Sistema

É o nome do Middleware Recomendado pela ITU-T para serviços IPTV e do Sistema Nipo- Brasileiro de TV Digital Terrestre (ISDB-T B ).

O nome Ginga foi escolhido em reconhecimento à cultura, arte e contínua luta por liberdade e

igualdade do povo brasileiro.

Ginga foi escolhido em reconhecimento à cultura, arte e contínua luta por liberdade e igualdade do
Ginga foi escolhido em reconhecimento à cultura, arte e contínua luta por liberdade e igualdade do
Ginga foi escolhido em reconhecimento à cultura, arte e contínua luta por liberdade e igualdade do
Ginga foi escolhido em reconhecimento à cultura, arte e contínua luta por liberdade e igualdade do
Ginga foi escolhido em reconhecimento à cultura, arte e contínua luta por liberdade e igualdade do
 Divide-se em quatro partes:  Codificação de dados: Estrutura geral do middleware , requisitos

Divide-se em quatro partes:

Codificação de dados: Estrutura geral do middleware, requisitos e integração com o hardware.

Ginga-NCL(linguagem

declarativa)

para

receptores fixos e móveis - Linguagem de aplicação XML para codificação de aplicações.

declarativa) para receptores fixos e móveis - Linguagem de aplicação XML para codificação de aplicações.
declarativa) para receptores fixos e móveis - Linguagem de aplicação XML para codificação de aplicações.
declarativa) para receptores fixos e móveis - Linguagem de aplicação XML para codificação de aplicações.
declarativa) para receptores fixos e móveis - Linguagem de aplicação XML para codificação de aplicações.
 Especificação de transmissão de dados;  Ginga-J — Ambiente para a execução de aplicações

Especificação de transmissão de dados;

Ginga-J Ambiente para a execução de aplicações procedurais;

 Especificação de transmissão de dados;  Ginga-J — Ambiente para a execução de aplicações procedurais;
 Especificação de transmissão de dados;  Ginga-J — Ambiente para a execução de aplicações procedurais;
 Especificação de transmissão de dados;  Ginga-J — Ambiente para a execução de aplicações procedurais;
 Especificação de transmissão de dados;  Ginga-J — Ambiente para a execução de aplicações procedurais;
 A nova caixa da Sky é um DVR com 500 Gb de disco, capaz

A nova caixa da Sky é um DVR com 500 Gb de disco, capaz de gravar 500 horas de

programação SD ou 100 horas de programas

HD.

A caixa, fabricada em Manaus pela Pace, tem

saídas

componente.

de

áudio

óptico,

de programas HD.  A caixa, fabricada em Manaus pela Pace, tem saídas componente. de áudio
de programas HD.  A caixa, fabricada em Manaus pela Pace, tem saídas componente. de áudio
de programas HD.  A caixa, fabricada em Manaus pela Pace, tem saídas componente. de áudio
de programas HD.  A caixa, fabricada em Manaus pela Pace, tem saídas componente. de áudio

HDMI

e

vídeo

 Outra novidade do DVR da Sky é a possibilidade de programação remota, via web

Outra

novidade

do

DVR

da

Sky

é

a

possibilidade

de

programação

remota,

via

web ou celular.

O usuário pode, de qualquer lugar, enviar ordens para a gravação de programas. O DVR

recebe os comandos pelo satélite e faz a gravação.

qualquer lugar, enviar ordens para a gravação de programas. O DVR recebe os comandos pelo satélite
qualquer lugar, enviar ordens para a gravação de programas. O DVR recebe os comandos pelo satélite
qualquer lugar, enviar ordens para a gravação de programas. O DVR recebe os comandos pelo satélite
qualquer lugar, enviar ordens para a gravação de programas. O DVR recebe os comandos pelo satélite
Fonte: Sky.com
Fonte: Sky.com
Fonte: Sky.com
Fonte: Sky.com
Fonte: Sky.com
Fonte: Sky.com

Fonte: Sky.com

Fonte: Columbia ISA Audio – Video
Fonte: Columbia ISA Audio – Video

Fonte:

Columbia ISA

Audio Video

 Fabricante: Ericsson;  Capacidade de Armazenamento: HD de 500GB (o suficiente para 500 horas

Fabricante: Ericsson;

Capacidade de Armazenamento: HD de

500GB (o suficiente para 500 horas de vídeo

em SD ou até 150 horas em HD).

Diferenciais:

“Outra Chance”

Timeshifting

Multiroom

SD ou até 150 horas em HD).  Diferenciais: ◦ “Outra Chance” ◦ “ Timeshifting ”
SD ou até 150 horas em HD).  Diferenciais: ◦ “Outra Chance” ◦ “ Timeshifting ”
SD ou até 150 horas em HD).  Diferenciais: ◦ “Outra Chance” ◦ “ Timeshifting ”
SD ou até 150 horas em HD).  Diferenciais: ◦ “Outra Chance” ◦ “ Timeshifting ”
 Protocolo embutido no set-top-box de TV por assinatura que permite a integração do equipamento

Protocolo embutido no set-top-box de TV

por assinatura que permite a integração do

equipamento com o protocolo IP.

 Protocolo embutido no set-top-box de TV por assinatura que permite a integração do equipamento com
 Protocolo embutido no set-top-box de TV por assinatura que permite a integração do equipamento com
 Protocolo embutido no set-top-box de TV por assinatura que permite a integração do equipamento com
 Protocolo embutido no set-top-box de TV por assinatura que permite a integração do equipamento com
Fonte:olhardigital
Fonte:olhardigital
Fonte:olhardigital
Fonte:olhardigital

Fonte:olhardigital

Fonte: GVE.com
Fonte: GVE.com
Fonte: GVE.com
Fonte: GVE.com
Fonte: GVE.com
Fonte: GVE.com

Fonte: GVE.com

 No caso de quem usará a NET DIGITAL canais compatíveis) o conversor digital não

No caso de quem usará a NET DIGITAL

canais compatíveis) o conversor

digital não é necessário, pois o equipamento

faz a leitura da TV a cabo a já transmite em HDMI para a TV em HDTV e fazendo UPSCALE

para os canais não HD, uma vez que só

HD(nos

existem canais HD.

transmite em HDMI para a TV em HDTV e fazendo UPSCALE para os canais não HD,
transmite em HDMI para a TV em HDTV e fazendo UPSCALE para os canais não HD,
transmite em HDMI para a TV em HDTV e fazendo UPSCALE para os canais não HD,
transmite em HDMI para a TV em HDTV e fazendo UPSCALE para os canais não HD,
transmite em HDMI para a TV em HDTV e fazendo UPSCALE para os canais não HD,
 Marca: Cisco;  Capacidade: HD de 160 GB, o que permite gravar até 100

Marca: Cisco;

Capacidade: HD de 160 GB, o que permite gravar até 100 horas de programação em alta

definição.

 Marca: Cisco;  Capacidade: HD de 160 GB, o que permite gravar até 100 horas
 Marca: Cisco;  Capacidade: HD de 160 GB, o que permite gravar até 100 horas
 Marca: Cisco;  Capacidade: HD de 160 GB, o que permite gravar até 100 horas
 Marca: Cisco;  Capacidade: HD de 160 GB, o que permite gravar até 100 horas
 Marca: Cisco;  Capacidade: HD de 160 GB, o que permite gravar até 100 horas
Fonte: Viuisso.com.br
Fonte: Viuisso.com.br
Fonte: Viuisso.com.br
Fonte: Viuisso.com.br
Fonte: Viuisso.com.br
Fonte: Viuisso.com.br

Fonte: Viuisso.com.br

 O set-top box fabricado pela Pace, e é o irmão do DCR712, utilizado pela

O set-top box

fabricado pela

Pace,

e

é

o

irmão do DCR712, utilizado pela NET.

Não possui gravação nesse modelo.

A Oi deverá lançar oferta por meio de redes de fibra-óptica e xDSL.

 Não possui gravação nesse modelo.  A Oi deverá lançar oferta por meio de redes
 Não possui gravação nesse modelo.  A Oi deverá lançar oferta por meio de redes
 Não possui gravação nesse modelo.  A Oi deverá lançar oferta por meio de redes
 Não possui gravação nesse modelo.  A Oi deverá lançar oferta por meio de redes
 Não possui gravação nesse modelo.  A Oi deverá lançar oferta por meio de redes
Fonte:Gps.pesquiza
Fonte:Gps.pesquiza
Fonte:Gps.pesquiza
Fonte:Gps.pesquiza

Fonte:Gps.pesquiza

http://legionti.blogspot.com.br/2011/07/gvt-lancara-set-top-box-dlna-ate-final.html Acesso em 22/04/2012 10:11

http://legionti.blogspot.com.br/2011/07/gvt-lancara-set-top-box-dlna-ate-final.html

Acesso em 22/04/2012 10:11

http://www.viuisso.com.br/2008/06/26/net-hd-dvr-primeiras-impressoes

Acesso em 22/04/2012 10:54 http://www.ginga.org.br Acesso em 22/04/2012 14:31

SENAI, Impactos Ocupacionais e Educacionais da TV Digital no Brasil. Brasília, 2008.

CONFEA, TV Digital qualidade e interatividade. Brasilia, 2007.

Willrich, Roberto. TV Digital interativa.

ABNT NBR, Televisão digital terrestre: Codificação de vídeo, áudio e multiplexação Guia para implementação da ABNT NBR 15602:2007.

ABNT NBR,Televisão digital terrestre Receptores - ABNT NBR 15604.

OLIVEIRA E.C. Ribeiro, ALBUQUERQUE C. V. Neves, TV Digital Interativa: Padrões para uma nova era. UFF Niteroi RJ.

BARBOSA, S. D. JUNQUEIRA, SOARES L. F. GOMES. TV Digital Iterativa no Brasil se faz com GINGA. PUC Rio de Janeiro , 2008.

Brackmann, Christian Puhlmann Sistema Brasileiro de TV Digital. Pelotas, novembro 2008.

. PUC Rio de Janeiro , 2008.  Brackmann, Christian Puhlmann Sistema Brasileiro de TV Digital.
. PUC Rio de Janeiro , 2008.  Brackmann, Christian Puhlmann Sistema Brasileiro de TV Digital.
. PUC Rio de Janeiro , 2008.  Brackmann, Christian Puhlmann Sistema Brasileiro de TV Digital.
. PUC Rio de Janeiro , 2008.  Brackmann, Christian Puhlmann Sistema Brasileiro de TV Digital.