Você está na página 1de 2

SILICOSE EM TRABALHADORES DE PEDREIRAS

NO MUNICÍPIO DE CARIDADE – CEARÁ


RESUMO DE PESQUISA

Dr. Paulo Gurgel Carlos da Silva


http://lattes.cnpq.br/7028287559656819
Hospital de Messejana e Secretaria da Saúde do Estado do Ceará

Introdução: No período de 1993 a 2001, foram identificados e confirmados no


Hospital de Messejana 14 casos de silicose em pacientes que haviam trabalhado (ou
ainda estavam trabalhando) em pedreiras no distrito de Inhuporanga, município de
Caridade - CE. Todos os pacientes pertenciam ao gênero masculino, com as idades
entre 30 e 58 anos, e haviam trabalhado de 9 meses a 8 anos em pelo menos uma das
duas pedreiras da região. Todos eram sintomáticos respiratórios, sendo que 11
(78,8%) apresentavam formas aceleradas e/ou complicadas da silicose e, durante o
citado período de observação, 8 (57,1%) vieram a falecer da doença ou de suas
complicações.
Objetivo: Estudar a extensão da silicose relacionada com o trabalho em pedreiras
no município de Caridade – CE.
Método: A partir de 2001, iniciou-se um trabalho que consistiu de: 1) Visita
técnica de uma equipe multiprofissional, constituída por médico pneumologista,
médico do trabalho, geólogo e enfermeira, às duas pedreiras de Caridade para
avaliar as condições de trabalho. 2) Coleta de amostras das pedras usadas nas
pedreiras para realização da análise litológica. 3) Reunião com membros da
comunidade para avaliar o grau de informação sobre os riscos ocupacionais e
ambientais da exposição às poeiras produzidas nas pedreiras. 4) Cadastramento dos
trabalhadores e ex-trabalhadores das pedreiras. 5) Exames clínicos e radiológicos
dos indivíduos cadastrados para detecção de possíveis casos novos de silicose.
Resultados: 1) A comprovação da existência irregular de 2 pedreiras no distrito de
Inhuporanga, uma localizada em área urbana e outra em área peri-urbana, onde os
trabalhadores realizavam as atividades de quebra manual de pedras, britagem,
mesclagem, ensacagem e transporte dos produtos, sob condições de trabalho que não
atendiam às normas mínimas da higiene ocupacional. Acrescida da suspeição de que
os trabalhadores sofriam a exposição máxima na etapa da britagem, em decorrência
das poeiras geradas pelos trituradores. 2) O exame litológico no NUTEC de amostras
dos três tipos de pedras (branca, marrom e preta) oriundas das pedreiras revelou:
calcário, quartzo e basalto, com 2,50%, 97,72% e 28,83% de sílica,
respectivamente. 3) Membros da comunidade, por conhecimento prévio de casos de
trabalhadores das pedreiras que haviam adoecido e morrido por doenças
respiratórias, já atribuíam estes desfechos à exposição ao pó de pedra. 4) O
cadastramento registrou a existência de 123 indivíduos que haviam trabalhado ou
ainda estavam trabalhando nas pedreiras. 5) Examinados até o momento 102 dos 123
trabalhadores cadastrados, através da busca ativa, foram descobertos mais 31 casos
de silicose, com o predomínio nesta segunda série de casos das formas simples
sobre as formas complicadas. Nas situações pertinentes foram também desenvolvidas
ações de controle sobre a tuberculose e o tabagismo e, de um modo seletivo, foram
também realizadas espirometrias com provas broncodilatadoras no Hospital de
Messejana.
Conclusões: A ocupação em pedreiras praticada no distrito de Inhuporanga,
município de Caridade – CE, por haver causado 45 (44,1%) casos de silicose, em um
universo de 102 trabalhadores examinados até o momento, mostrou-se como uma
atividade de elevado risco para o adoecimento por silicose. E para que esta doença
se manifestasse amiúde com gravidade, visto que 23 (51,1%) dos 45 casos de
silicose foram das formas aceleradas e/ou complicadas (de mau prognóstico). Dentre
as complicações observadas no período destacou-se a associação com a tuberculose,
que foi confirmada em 5 casos (3 na forma pulmonar, 1 na forma pleuro-pulmonar e 1
na forma pleural). Dos 14 pacientes que se submeteram à espirometria, 12
apresentaram resultados anormais, com disturbio ventilatorio restritivo em 8 e
obstrutivo em 4. E, no prosseguimento da observação até o ano de 2006, mais 4
pacientes vieram a falecer, elevando para 12 (26,6%) o número total de óbitos por
silicose na casuística.
Comentário Final: Informes dão conta do encerramento das atividades nas duas
pedreiras de Caridade. Mas o que aconteceu aos seus trabalhadores serve de alerta
para a verificação das condições em que funcionam as empresas congêneres em outras
regiões do estado do Ceará.

Publicado em 20 de novembro de 2006 no Blog do PG


http://blogdopg.blogspot.com/2006_11_01_blogdopg_archive.html