SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO.........................................................................................03 2 CHASSI....................................................................................................04 2.1 MEDIDAS DO CHASSI........................................................................05 2.2 ALINHAMENTO DO CHASSI..............................................................06 2.3 "ENDIREITAMENTO" DO CHASSI.....................................................06 2.4 REFORÇOS DO CHASSI....................................................................07 2.5 NUMERAÇÃO DO CHASSI NOS VEÍCULOS.....................................07 2.6 ORIGEM DAS MONTADORAS...........................................................09 2.7 TIPOS DE NUMERAÇÃO DE CHASSI...............................................10 2.8 LOCALIZAÇÃO DA NUMERAÇÃO DO CHASSI................................10 2.9 SIGNIFICADO DOS CARACTERES DA NUMERAÇÃO DE CHASSI12 2.10 NOVIDADES EM RELAÇÃO A NUMERAÇÃO DE CHASSI.............13 2.11 REGULAMENTAÇÃO DA MARCAÇÃO DO CHASSI.......................15 2.12 PROJETO RENAVAN........................................................................15 2.13 FUNÇÕES DO SISTEMA..................................................................16 2.13.1 Pré-Cadastro..................................................................................16 2.13.2 Atualização do Cadastro..................................................................16 2.13.3 Multas e Débitos..............................................................................16 2.13.4 Roubo / Furto...................................................................................17 3 CONCLUSÃO..........................................................................................18 REFERÊNCIAS...........................................................................................19

3 1 INTRODUÇÃO .

Essas estruturas são chamadas. inclusive em diversas marcas de caminhões. O X ou barra melhora a resistência à torção. ou um instrumento. para impedir que a carroçaria também se torça: isto levaria a movimentos das portas. Da mesma maneira. hoje. larga aplicação. com um "X" ou travessas. podendo até abri-las. motor. Esta montagem consiste de um chassi que suporta todo o conjunto. sendo a própria estrutura do veículo. de monoblocos. . o suporte sobre o qual é montado o conjunto recebe o nome de chassi. Existem dois processos para se montar a estrutura dos veículos. Sempre que se monta uma máquina. no meio. Um deles é o que vem sendo utilizado há mais tempo. A carroçaria é apenas o elemento de cobertura. pode-se dizer que é o processo tradicional. Os esforços são suportados. a ele se prendem as rodas. é necessário que se pense numa estrutura para suportar todo o conjunto de carroçaria. Normalmente. fixadas por meio de várias travessas menores. É importante que o chassi resista bem a torção. este todos os esforços a que fica sujeito o veículo. estrutura. Em geral. caixa de mudanças. eixo traseiro e dianteiro. o motor. É sobre ele que se montam a carroçaria. O outro processo veremos adiante. simultaneamente. muito tempo antes de se inventar o automóvel. é constituído por duas longarinas de aço. pois já aparecia em carroças e carruagens. quase todos os chassis são construídos com duas travessas de aço ao longo do veículo.4 2 CHASSI O chassi é o suporte do veículo. Nos veículos monoblocos. pelo chassi e pela cobertura. Chassi tem o mesmo significado que suporte. paralelas. todo o conjunto trabalha. Esse sistema encontra. por isso. nos veículos com chassi. para abrigar os passageiros. Alguns modelos de veículos não possuem um chassi propriamente dito. Basicamente. A própria carroçaria se une ao plano do assoalho formando um único conjunto. em se tratando de automóveis.

por isso. e a outra metade. em boas condições. 2. maior resistência. sobre o eixo traseiro. Se isso acontecer. Os esforços que o chassi sofre. montam-se o motor e a caixa de mudanças. Com essa distribuição. os fabricantes conseguem um bom equilíbrio de pesos: metade do peso. Deste tipo são quase todos os chassi brasileiros. O chassi não deve movimentar-se (torcer) nem permitir que a carroçaria se movimente. Sua montagem é mais simples. possuem os manuais necessários para as correções que serão realizadas no chassi a ser recuperado. logo surgirão pontos fracos. montam-se o diferencial e o tanque de combustível. sempre que se enfrentar um problema de chassi torto. que são pré-moldadas numa prensa e ficam com o formato de um "U". Na parte dianteira. Por isso. como também todas as medidas originais. podendo gerar ruídos. as dobradiças ficarão folgadas. As longarinas e travessas de aço são fabricadas com chapa de aço bastante grossas. com o auxílio do fabricante ou de um outro veículo igual.5 perpendiculares. mais ou menos. fica sobre o eixo dianteiro. O chassi apóia-se sobre os dois eixos: dianteiro e traseiro. contanto que se conheçam as suas medidas corretas. assim. Geralmente. são violentos e. no qual todas as vigas são retas. O formato em "U" é utilizado para que as longarinas e travessas adquiram. de maneira que formam uma única estrutura sólida. as oficinas especializadas nesse tipo de serviço. O chassi de construção mais simples é o do tipo paralelo. . Em caso de alguma batida que empene ou entorte o chassi. ele deve ter um formato que seja resistente. Todas as travessas são rebitadas entre si. na parte traseira.1 MEDIDAS DO CHASSI É muito importante que sejam conhecidas as dimensões do chassi. o primeiro passo é conseguir suas medidas originais. quando o veículo está andando. ele será restaurado.

devendo-se agir de maneira a não provocar outras deformações.6 2. Verificam-se todas as conexões rebitadas ou soldadas. marcar esses pontos no chão. deve-se observar se não apresenta trincas ou partes soltas. Algumas vezes. 2. para poder desempená-la. ocasionando um desgaste mais intenso de vários componentes. e que consiste no seguinte: 1 . Inspecionam-se as longarinas quanto a empenamento ou torção.Colocar o veículo sobre um chão limpo e plano. e puxar o freio de mão (freio de estacionamento) 2 . Chama-se método da verificação em diagonal ou "X". As longarinas em forma de "U" são fáceis de serem torcidas. O calor excessivo pode enfraquecer o aço das longarinas ou travessa e resulta daí.3 "ENDIREITAMENTO" DO CHASSI Esse serviço só deve ser realizado por profissionais experimentados e cuidadosos.2 ALINHAMENTO DO CHASSI Se após uma pancada o chassi entortar. em dano permanente.Escolher os pontos extremos das longarinas. para evitar que se aqueça demais. O método que será apresentado. Esses pontos devem ser traçados na maior precisão possível. Este é um sistema simples. mas é preciso tomar bastante cuidado. pois deles vai depender todo o alinhamento do veículo. usa-se um maçarico. será necessário que se refaçam suas medidas originais. colocado aqui a título de conhecimento. . é até necessário aquecer alguma travessa ou longarina. Um desalinhamento do chassi pode afetar o alinhamento das rodas dianteiras. e com um fio de prumo. É preciso ter o máximo de cuidado ao endireitar a peça. Antes de verificar o alinhamento do chassi. é utilizado por quase todos os mecânicos para se alinhar um chassi. Para esse serviço.

A solda do reforço é feita com um equipamento de solda elétrica. têm as informações completas dos veículos. 2. a essa temperatura. que fica localizada na longarina ou no monobloco dos veículos e possibilita saber qual a procedência do veículo. tem a mesma função do RG só que para automóveis. fabricante. ou seja. que devem ter a mesma espessura que a peça que está sendo reparada. como CONTRAN. para evitar que se afete a dureza do aço. ano de fabricação. Por definição do CONTRAN. modelo. ficou regulamentado que o VIN (Número de Identificação do Veículo) deve ter 17 (dezessete) caracteres. país de origem. A numeração completa do chassi é muito importante para as montadoras de veículos. como: região geográfica. Resolução 659/85. divididos em: V W I 9 1 B 2 W 3 Z 4 Z 5 VD S Z 6 3 7 0 8 Z 9 R 10 T 11 0 VIS 0 0 2 2 2 12 A 17 . O reforço sempre no local onde surgiu a trinca. 2.5 NUMERAÇÃO DO CHASSI NOS VEÍCULOS A numeração do chassi é uma gravação alfanumérica de identificação veicular. A solda deve ser feita em toda a sua volta.7 A temperatura das peças não pode ultrapassar 650ºC. aquecendo-se somente o local a ser soldado. porque por meio desse código às montadoras e os órgãos reguladores.4 REFORÇOS DO CHASSI Os reforços podem ser feitos com um ferro chato ou uma cantoneira. o que se reconhece pela cor violeta-opaco do aço. e a própria série do chassi.

na VDS. A montadora divulga na imprensa o modelo.88) os mesmos passaram a receber também. o tipo da carroceria. obrigatoriamente. são indicados o Continente. que pode às vezes.8 WMI – WORLD MANUFACTURERS INDENTIFIER Posição 1 a 3 – Identifica o Fabricante e o País de Origem VDS – VEHICLE DESCRIPTOR SECTION Posição 4 a 9 – Descreve o veículo VIS – VEHICLE INDICATOR SECTION Posição 10 a 17 – Identifica o veículo. Observação. servindo de base para uma análise mais profunda de uma possível fraude de sucatas e documentos. integridade e segurança do consumidor. . Algumas montadoras. saúde. Qualquer necessidade de informação sobre um determinado veículo que foi posto em circulação ou não. A Posição “10” indica o ano de fabricação do veículo.09. A partir de 1998. basta utilizar o código do chassi como chave no sistema. Os fabricantes mantêm essas e outras informações relacionadas à fabricação dos veículos armazenadas em banco de dados. Supletivamente visa evitar prejuízos materiais e morais dos consumidores. os veículos de modelo 99 passaram a sair com o décimo dígito do número do chassi indicando o ano de modelo e não o de fabricação. Por exemplo. são indicados o ano de fabricação do veículo e a série do chassi. um veículo era identificado somente através de sua numeração de Chassi e Plaqueta. o ano e a numeração do chassi do veículo para que os consumidores possam identificá-lo e comparecer na revendedora. o País de origem e o fabricante. Até 1988. se o fabricante identificar algum defeito nos veículos colocados no mercado ele convoca os consumidores a se apresentarem a uma revenda para efetuar um recall. O objetivo básico é proteger e preservar a vida. Na WMI. A partir de Outubro de 1988. a quantidade de portas e o tipo de combustível. gravações das últimas 08 posições do Chassi (VIS) nos vidros e através de afixação de etiquetas Autodestrutivas. por força da nova Resolução do CONTRAN de número 691/88 (publicado do DOU em 13. indicam o modelo. as características do motor. Na VIS. ajudar a detectar alguma irregularidade.

Vidros laterais (exceto quebra-vento) Pára-brisas traseiros ou dianteiros (optativos) motor e coluna da porta. etc.9 • • o o Três etiquetas autodestrutivas no salão interno. compartimento do 4 a 6 gravações nos vidros feitas através de processo químico a saber. Entretanto elas são identificadas (sua origem) através da 1º posição do chassi: 1 2 3 4 8 9 J K Estados Unidos Canadá México Estados Unidos Argenti na Brasil Japão Coréia do Sul W ha Y Z Suécia Itália Aleman L S a T U V Rússia Uruguai França Taiwan Inglaterr 2. tamanho.6 ORIGEM DAS MONTADORAS Cada montadora possui sua característica de gravação quanto ao espaçamento.. profundidade.. 2.7 TIPOS DE NUMERAÇÃO DE CHASSI .

variam de acordo com o tipo do veículo e o ano de fabricação. através da Resolução 659/85 (publicada no DOU em 30/10/85).  a) Legalmente: Podemos definir esta modalidade com exemplo de uma situação onde ocorrerá um furto / roubo do veículo. sem que houvesse uma amarração com o veículo fisicamente. .05. Fato este onde também poderá ocorrer. Cada montadora gravava os seus produtos com a quantidade de caracteres que melhor lhe aprouvesse. que está dividido em duas formas: manualmente pelas Montadoras. regulamentou a marcação do chassi. criando algumas obrigatoriedades. quando pessoa não autorizada pelos órgãos Públicos ou os ladrões de maneira criminosa.10 A numeração do chassi se divide em duas formas:  ORIGINAL: O chassi ORIGINAL é aquele que é gravado mecânica ou REMARCADO (ou REGRAVADO). expressa na forma de letras e números. 2. Publicada em 24. entre elas a de 17 (dezessete) caracteres. Em 1985. Até 1982. b) Ilegalmente: A própria palavra já é explicativa. seguindo de adulteração do número do chassi pelos ladrões. não existia na marcação do chassi uma descrição detalhada do veículo. alteram a numeração do chassi gravado originalmente pelas montadoras ou importadoras (este último através de empresa credenciada pelo Detran). padronizou que a 10ª posição do chassi representará o ano modelo do veículo.98. atestado através de laudo expedido pelo Instituto de Criminalística do Estado. o CONTRAN (Conselho Nacional de Trânsito). os órgãos de Trânsito autorizam uma empresa credenciada a efetuar a extração do número do chassi falsificado pelo ladrão e a REGRAVAÇÃO ou REMARCAÇÃO do número originalmente gravado pela Montadora.8 LOCALIZAÇÃO DA NUMERAÇÃO DO CHASSI Os locais de marcação da numeração do chassi e suas composições alfanuméricas. quando de uma colisão onde se danifique a peça suporte da gravação do número de chassi. ou seja. Após a Policia ter recuperado o veículo. após a devida identificação do verdadeiro número do chassi.

 dianteiro direito.  Royale. lado direto. Fiesta. no compartimento do motor:  carroçaria. até 1993: interior do porta-malas. Tempra. Verona: assoalho da carroçaria.   A seguir para melhor visualização. a partir de 1995: painel transversal traseiro. ano Kadett. à frente do assento dianteiro direito. e SW. Pálio e família: Assoalho da carroçaria. sob o assento Tipo: face superior da torre do amortecedor dianteiro direito. Ômega. após 1993. Corsa. Courrier: assoalho da Tempra. após 1995: assoalho da carroçaria.  direito. Opala e família. Ka. Dependendo do tipo do veículo a numeração se encontra num lugar diferente como está descrito a seguir:  Monza. Suprema e Kadett. no compartimento do motor. Kadett conversível. Gol. Apolo. está disposto no automóvel o lugar onde se encontra a numeração do chassi em cada tipo de automóvel descrito . Ipanema. médio. Pointer: painel transversal traseiro. SW. Versailles. sob o assento dianteiro direito. em seu terço Parati. entre o trilho do assento e a soleira da porta direita. a partir de 1988 e Ômega. em seu terço Uno e família.   Vectra. após 1995. no compartimento do motor. até 1995: caixa do rodado dianteiro Uno e família.11 A localização do chassi difere de veículo para veículo. Chevette. lado direito.  direito. 1992: Interior do porta-malas.

. Os três primeiros números são a identificação internacional do fabricante. etc.12 anteriormente. ou seja. Entre o 4º e o 9º dígitos está o quadro descritivo do carro. O restante dos números significa a individualidade. tomaremos como exemplo um GOLF 2000 nacional. que possui 17 dígitos. Já o segundo dígito especifica o País em que o carro foi fabricado (B quer dizer Brasil e A. como tipo de veículo. por exemplo).). Volkswagen. O terceiro identifica o fabricante (F. Fiat. o número de série do carro. motor e potência.9 SIGNIFICADO DOS CARACTERES DA NUMERAÇÃO DE CHASSI A identidade de um veículo é a numeração do chassi. entre outros. Para poder compreender melhor o que é essa numeração. Argentina. W. Ford. GM. G. O primeiro se refere à área geográfica em que o veículo foi produzido (8 e 9 representam a América do Sul). o local da fábrica. O 10º dígito representa o ano de fabricação do veículo e o 11º. D. equipamentos de segurança e o nome do modelo. 2.

porém novos métodos de marcação de chassi estão sendo utilizados pelas montadoras para que se o carro for roubado dificilmente conseguirão fazer a adulteração do chassi. Com essa medida as montadoras têm por objetivo diminuir a adulteração e assim no caso de furto do veículo conseguir localizá-lo através da numeração.13 9BWCA11JOY4000001 9 = América do Sul B = Brasil W = Volkswagem C = hatch A = 1.10 NOVIDADES EM RELAÇÃO A NUMERAÇÃO DE CHASSI Com o alto índice de roubo de automóveis.8 turbo / 150 cv 1 = equipamentos de segurança (cinto/air bag para motorista) 1J = Golf 0 = dígito verificador (controle interno) Y = 2000 4 = São José dos Pinhais (PR) 000001 = número de série 2. a remarcação de chassi é o meio utilizado para não identificação do veículo. .

14 Algumas montadoras como a Volkswagen do Brasil e da Argentina. O novo numerador acompanha técnica semelhante à adotada pela Volkswagen. ficou muito difícil efetuar a adulteração do código por meio de raspagem da chapa de aço e posterior regravação sobreposta de outros dados. em Neckarsulm. e pela Audi. para uma das unidades. Isto é. conforme o estabelecido por regulamentação técnica.2 milímetros de profundidade. já inserem em seus veículos mais um item de segurança contra a prática criminosa de adulteração de chassi. Até então. O operador aciona o comando da gravação por meio da leitura do código de barras e uma vez recebida e lida a mensagem. Foram investidos perto de US$ 1. produzido pela indústria alemã Borries. em Bruxelas. essa possibilidade de erro não existe mais. em busca de melhoria na qualidade de seus produtos como forma de colocá-los em nível de igualdade com os padrões internacionais. Com a informatização do sistema. recurso comumente usado em veículos furtados ou roubados. além do item segurança. Por esse novo processo. que incorporam avançadas etapas da tecnologia de ponta. Melhorou o aspecto visual da carroceria e eliminou-se a possibilidade de erros e de perdas com o recurso da leitura ótica do código de barras da ficha de fabricação do veículo.5 milhão na aquisição e instalação de cinco destes numeradores. Sendo que ainda a gravação do número do chassi é executada em vários . essas novas máquinas trouxeram muitas outras vantagens. na Alemanha. o executor da tarefa tinha que ler a ficha correspondente às suas especificações e montar peça por peça para compor a grafia dos 17 caracteres alfanuméricos do chassi sendo que num equívoco ou distração do funcionário na troca de qualquer um desses dados se teria mais um produto reprovado pelo controle de qualidade com conseqüente prejuízo no que diz respeito à produção. Uma caneta com ponta de tungstênio desenha os algarismos e letras em baixo relevo com sulcos de 0. em Wolfsburg. na Alemanha. imita o ato de escrever ao transferir as informações para a chapa de aço na área apropriada do compartimento do motor. na Bélgica. Desde janeiro 2003 as gravações do conjunto alfanumérico que compõe o código de identificação dos veículos são feitas com o emprego de um equipamento informatizado. o computador executa a tarefa sob o conceito "escriba". cujos princípios dificultam qualquer tentativa de fraude dos caracteres relativos ao chassi.

Idealizado em 1985 o RENAVAN – REGISTRO NACIONAL DE VEÍCULOS AUTOMOTORES. 2. cujas principais funções estão abaixo relacionadas. Cada Montadora gravava os seus produtos com uma quantidade de caracteres que melhor lhe aprouvesse. vão recebendo (quando zero Km) as novas placas de três letras e 4 números.12 PROJETO RENAVAN Desde a década de 60 que o CONTRAN – CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO visava à implantação de um registro único da frota de veículos em circulação. denominado BIN-Base de Índices Nacional. foi à concretização destes objetivos e teve seu primeiro passo efetivado em 1990.85). regulamentou a marcação do chassi. criando algumas obrigatoriedades. na etiqueta indestrutível do vão do motor. as quais as Montadoras teriam 180 dias para se ajustar. Até 1982. no eixo. vidros laterais e traseiros das portas. Em 1985. com a adesão do Estado do Paraná neste Sistema. . o CONTRAN – CONSELHO NACIOANL DE TRÂNSITO. Ela é encontrada no bloco do motor. 2. O projeto consiste em um cadastramento central em Brasília. não existia na marcação do chassi uma descrição detalhada do veículo. por meio da Resolução 659/85 (publicada no DOU em 30. expressa na forma de letras e números. onde à medida que os Estados forem ingressando no Sistema. no bloco do câmbio.11 REGULAMENTAÇÃO DA MARCAÇÃO DO CHASSI A marcação da numeração do chassi e suas composições alfanuméricas variam de acordo com o tipo de veículo e o ano de fabricação.10. no pára-brisa.15 pontos do veículo para se evitar o chamado "carro dublê". os veículos de suas respectivas frotas. sem que houvesse uma amarração com o veículo fisicamente.

onde o veículo somente poderá ser transferido de proprietário ou Estado se quitados os débitos no Estado de origem. Esta função atualiza proprietário. cidades onde o veículo se encontra emplacado. quando o mesmo é faturado para as respectivas Concessionárias.13 FUNÇÕES DO SISTEMA 2.13.13. esteja cadastrado no Sistema. 2. 2. endereços. etc. estradas e qualquer ônus pertinente ao veículo. Neste caso evita-se a sonegação..1 PRÉ-CADASTRO Trata-se da inserção dos veículos 0Km pelas Montadoras e Importadores (através da Receita Federal). serve como monitoramento do veículo em todo Território Nacional.. mesmo sem receber o 1º emplacamento. logicamente dentro dos Estados já inclusos no sistema.2 ATUALIZAÇÃO DO CADASTRO A própria palavra já é explicativa. .13. Nesta fase os veículos já passam a integrar o Sistema Nacional.16 2.3 MULTAS E DÉBITOS É previsto ainda pelo Projeto que todas as multas de trânsito.

com placas de três letras que forem roubados/furtados. se é possível controlar a entrada e saída de veículos nos Países vizinhos. Estatísticas e controle de fronteiras também foi previsto pelo Projeto. uma vez que o próprio Sistema bloqueia qualquer transferência deste com um “gravame” inserido na BIN.4 ROUBO / FURTO Tendo em vista o Projeto ser de âmbito Nacional. ou seja. visando a apreensão e o não “esquentamento” do mesmo. onde neste último caso.17 2.13. . todos os veículos pertencentes ao Sistema. esta informação fica disponível a qualquer autoridade em qualquer Estado.

18 3 CONCLUSÃO .

gmb.br.gov. acessado DETRAN/PR: www.folha. acessado em 29/05/2005 .br/detran/.com.yahoo.br/prcoliveira2000/chassi.com.uol. acessado em 20/05/2005 CONTRAN: www.com.pr.br/mtm/legislacao/resolucoes.volkswagem.denatran.html. acessado em 24/05/2005 7– GEOCITIES: http://geocities.pr.br/folha/classificados/veiculos/0006.gov. acessado em 19/05/2005 em 20/05/2005 6 – FOLHA: www1.br/. acessado em 19/05/2005 CHEVROLET: www.br.19 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CNVR – Cadastro Nacional de Veículos Roubados.shtml. nº 05 – Maio/2005 Vistoriadora de Veículos LINCES SITES DO: 1– 2 – 3– 4– 5– DENATRAN: www. acessado em 20/05/2005 VOLKSWAGEM: www.gov.shtml.com.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful