Você está na página 1de 282
Análise do desempenho 4T11
Análise do desempenho
4T11

Banco do Brasil – Análise do Desempenho 4ºTrimestre /2011

Este relatório faz referências e declarações sobre expectativas, sinergias planejadas, estimativas de crescimento, projeções de resultados e estratégias futuras sobre o Banco do Brasil, suas subsidiárias coligadas e controladas. Embora essas referências e declarações reflitam o que os administradores acreditam, as mesmas envolvem imprecisões e riscos difíceis de prever, podendo, desta forma, haver resultados ou consequências diferentes daqueles aqui antecipados e discutidos. Estas expectativas são altamente dependentes das condições do mercado, do desempenho econômico geral do país, do setor e dos mercados internacionais. O Banco do Brasil não se responsabiliza em atualizar qualquer estimativa contida neste relatório.

As tabelas e gráficos deste relatório apresentam os números financeiros, arredondados, em R$ milhões. As colunas de variação presentes neste relatório usam como base os valores financeiros e não os números arredondados em R$ milhões. O arredondamento utilizado segue as regras estabelecidas pela Resolução 886/66 da Fundação IBGE: caso o último algarismo for igual ou superior a 5, aumenta-se em uma unidade o último algarismo a permanecer; caso o último algarismo for inferior a 5, fica inalterado o último algarismo a permanecer. As variações, tanto percentuais quanto nominais, foram calculadas utilizando números em unidades.

Banco do Brasil – Análise do Desempenho 4ºTrimestre /2011

Índice

Índice

 

2

Índice de Tabelas

4

Índice de Figuras

 

7

Apresentação

8

Sumário do Resultado

11

9

Resultado .............................................................................................................................................

9

Retorno ao Acionista

 

Margem Financeira

11

Margem

12

Ativos

13

Carteira de Crédito

15

13

Basileia

Rendas

16

Despesas Administrativas ..................................................................................................................

17

Eficiência

17

Seguridade .........................................................................................................................................

18

Guidance

18

  • 1 - Informações Úteis

............................................................................................................................

20

  • 2 - Demonstrações Contábeis Resumidas

............................................................................................

24

 
  • 2.1. Balanço Patrimonial Resumido

.........................................................................................

24

  • 2.2. Demonstração Resumida do Resultado Societário

...........................................................

26

  • 2.3. Demonstração do Resultado com Realocações

27

  • 2.3.1 Abertura das Realocações

28

  • 2.3.2 Glossário ............................................................................................................................

30

 
  • 2.4. Composição

Patrimonial ....................................................................................................

32

33

  • 3 - Crédito

34

  • 3.1. Carteira de Crédito

............................................................................................................

34

 
  • 3.1.1 Carteira de Crédito Pessoa Física

.....................................................................................

34

  • 3.1.2 Carteira de Crédito Pessoa Jurídica

..................................................................................

35

  • 3.1.3 Carteira de Crédito de Agronegócios

38

 
  • 3.2. Risco de Crédito

46

  • 3.2.1. Carteira Total

.................................................................................................................

47

  • 3.2.2. Carteira de Crédito Pessoa Física

.................................................................................

48

 
  • 3.2.3. Carteira de Crédito Pessoa Jurídica

..............................................................................

51

  • 3.2.4. Carteira de Agronegócios

52

3.2.5

Carteira de Crédito no Exterior e BV

56

3.2.6.

Carteira de Crédito Renegociada

56

  • 3.3. Concentração

57

  • 4 - Ativos de Liquidez

59

  • 5 - Captações

61

  • 6 – Outros Componentes Patrimoniais

66

 
  • 6.1. Impostos Diferidos

66

Ativo Atuarial

  • 6.2. ......................................................................................................................

67

  • 6.3. Ágios sobre Investimentos

68

Ativos Intangíveis

  • 6.4. ...............................................................................................................

69

 
  • 7 - Resultado Financeiro

.......................................................................................................................

70

Análise

  • 7.1. Aplicações ......................................................................................................

das

70

 
  • 7.2. Captações

Análise

das

72

  • 7.3. Análise Volume e Taxa

72

Spread

  • 7.4. ...............................................................................................................................

74

  • 7.5. Margem Financeira Bruta

75

 
  • 8 - Negócios Não Financeiros

...............................................................................................................

76

  • 8.1. Rendas de Tarifas

76

 

Cartões

  • 8.2. ..............................................................................................................................

76

  • 8.3. Seguridade ........................................................................................................................

77

  • 8.4. Mercado de Capitais ..........................................................................................................

82

 
  • 9 - Despesas Administrativas

................................................................................................................

84

  • 9.1. Recursos Humanos

84

 

Banco do Brasil – Análise do Desempenho 4ºTrimestre /2011

  • 9.2. Estrutura Operacional ........................................................................................................

84

  • 9.3. Outras Informações do Resultado

88

  • 9.4. Indicadores de Produtividade

88

 

10 - Gestão de Riscos

90

  • 10.1. Gestão dos Riscos

.............................................................................................................

90

  • 10.1.1 Risco de Crédito

90

Risco de Mercado

  • 10.1.2 ............................................................................................................

90

Risco de Liquidez

  • 10.1.3 .............................................................................................................

93

  • 10.1.4 Operacional

Risco

95

  • 10.2. Estrutura de Capital

96

11.

Investimentos Estratégicos ................................................................................................

99

11.1

Informações .......................................................................................................................

99

Banco Votorantim

  • 11.2. ............................................................................................................

100

Banco Postal

  • 11.3. ....................................................................................................................

112

11.4

Internacionalização ..........................................................................................................

113

Aquisições

  • 11.4.1 ...................................................................................................................

113

12 - Série de Demonstrações Contábeis

............................................................................................

115

  • 12.1. Balanço Patrimonial Resumido

.......................................................................................

115

  • 12.2. Demonstração Resumida do Resultado Societário

.........................................................

119

  • 12.3. Demonstração do Resultado com Realocações

121

Banco do Brasil – Análise do Desempenho 4ºTrimestre /2011

Índice de Tabelas

Tabela 1. DRE com Realocações – Principais Linhas

 

10

Tabela 2. Itens Extraordinários

10

Tabela 3. Principais Indicadores do Resultado

10

Tabela 4. Composição da MFB

12

.................................................................................................................

12

Tabela 5. Margem Gerencial Tabela 6. Spread Anualizado

 

12

Tabela

7.

Principais Itens Patrimoniais .................................................................................................

13

Tabela 8. Carteira de Crédito Ampliada

 

13

Tabela 9. Indicadores de Qualidade da Carteira de Crédito

15

Tabela 10. Despesas de PCLD sobre Carteira de Crédito

15

Tabela 11. Carteira Renegociada

15

 

16

Tabela

13.

Despesas Administrativas ...................................................................................................

17

Tabela 14. Índice de Seguridade Consolidado

 

18

Tabela 15. Guidance 2011

18

Tabela 16. Guidance 2012

19

Tabela

17.

20

Tabela 18. Composição Acionária - % ..................................................................................................

21

Tabela 19. Dividendos e JCP - R$ milhões

21

Tabela 20. Indicadores de Mercado

 

21

 

21

Tabela 22. Informações do BB

 

22

Tabela 23. Ratings

23

Tabela

24.

Compulsório/Exigibilidade ...................................................................................................

23

Tabela 25. Balanço Patrimonial Resumido – Ativo

 

24

Tabela 26. Balanço Patrimonial Resumido – Passivo

25

Tabela 27. Demonstração Resumida do Resultado Societário

26

Tabela 28. Demonstração do Resultado com Realocações

27

 

29

Tabela 30. Efeitos Fiscais e Participação nos Lucros e Resultados sobre Itens Extraordinários

31

Tabela 31. Composição Patrimonial – Ativo e Passivo

 

32

Tabela 32. Composição do Resultado com Realocações

33

Tabela 33. Carteira de Crédito

34

 

34

34

35

35

Tabela 38. Taxas e Prazos Médios

 

35

Tabela 39. Carteiras Adquiridas

35

 

36

36

Tabela 42. Câmbio de Exportação e Importação

 

36

Tabela 43. ACC/ACE Volume Médio por Contrato

36

Tabela 44. Crédito a MPE por Setor de Atividade

37

Tabela 45. Produtos de Crédito - MPE

37

Tabela 46. Exportações

38

Tabela 47. Participação do Brasil no Agronegócio Mundial em 2011

39

Tabela 48. Carteira de Crédito de Agronegócios por região

39

Tabela 49. Carteira de Crédito de Agronegócios por Destinação

40

 

40

Tabela 51. Carteira de Crédito de Agronegócios por Item Financiado

 

40

Tabela 52. Recursos Contratados na Safra 2011/2012 por Porte do Cliente

41

Tabela 53. Carteira de Agronegócios por Porte

 

41

Tabela 54. Recursos Equalizáveis da Carteira de Agronegócios

.........................................................

43

Tabela 55. Distribuição de Mitigadores no Custeio Agrícola

43

Tabela 56. Plano de Safra 2011/2012

44

Tabela 57. Custeio – Perfil das Contratações – Safra 2011/2012

44

Tabela 58. Despesas de PCLD sobre Carteira de Crédito

46

Tabela 59. Índices de Atraso ................................................................................................................

47

Tabela 60. Risco Médio da Carteira (1)

47

47

Banco do Brasil – Análise do Desempenho 4ºTrimestre /2011

Tabela 62. Carteira de Crédito de Pessoa Física por Nível de Risco 1

48

Tabela 63. Movimentação da PCLD – Pessoa Física

48

Tabela 64. Carteira de Crédito Pessoa Jurídica 1

51

51

52

Tabela 67. Carteira de Crédito de Agronegócios Pessoa Física por Nível de Risco 1

52

Tabela 68. Movimentação da PCLD – Agronegócios – Pessoa Física

Tabela 69. Carteira de Crédito de Agronegócios Pessoa Jurídica por Nível de Risco 1

53

53

Tabela 70. Movimentação da PCLD – Agronegócios – Pessoa Jurídica

54

Tabela 71. Operações Prorrogadas e Não Prorrogadas do Agronegócio

54

Tabela 72. Índices da Carteira de Agronegócios

55

Tabela 73. Carteira de Crédito no Exterior por Nível de Risco

.............................................................

56

Tabela 74. Carteira Banco Votorantim (50%)

56

Tabela 75. Carteira de Crédito Renegociada

56

Tabela 76. 100 Maiores Tomadores

57

57

Tabela 78. Concentração da Carteira de Crédito por Macrossetor

58

Tabela 79. Ativos Rentáveis¹ e Passivos Onerosos²

59

59

59

........................................................................................ Tabela 82. Carteira de Títulos por Prazo - Valor de Mercado

59

Tabela 83. Saldo da Liquidez

60

Tabela

84.

Captações

de

Mercado

61

Tabela 85. Captações no Exterior

62

Tabela 86. Emissões no Exterior

62

Tabela 87. Fontes e Usos

63

63

63

Tabela 90. Rendas de Tarifas com Administração de Recursos de Terceiros

64

Tabela 91. Fundos de Investimento e Carteiras Administradas por Clientes

64

Tabela 92. Fundos de Investimento e Carteiras Administradas por Tipo

65

Tabela 93. Abertura do Crédito Tributário

66

66

67

Tabela 96. Ágios nas Aquisições de Investimentos

68

Tabela 97. Intangível .............................................................................................................................

69

Tabela 98. Estimativa de Amortização dos Ativos Intangíveis

69

70

Tabela 100. Saldos Médios e Taxa de Juros – At. Rentáveis (Anual)

70

Tabela 101. Spread por Carteira

71

71

72

72

73

73

74

74

Tabela 109. Margem Líquida de Juros e Margem de Lucro

75

Tabela 110. Composição da Margem Financeira Bruta

75

Tabela

111.

76

Tabela 112. Base de Clientes e Contas Correntes

76

79

............................

80

Tabela 115. Destaques Operacionais do Grupo Seguridade

81

Tabela 116. Índice de Seguridade Consolidado

82

Tabela 117. Despesas de Pessoal

84

85

85

86

86

Tabela 122. Outras Receitas Operacionais

88

Tabela 123. Outras Despesas Operacionais

88

............................................................

89

Banco do Brasil – Análise do Desempenho 4ºTrimestre /2011

Tabela 125. Índices de Eficiência – sem Ítens Extraordinários

89

Tabela 126. Outros Indicadores de Produtividade

89

91

Tabela 128. Perfil de Repactuação das Taxas de Juros – Posição: 30/12/2011

93

Tabela 129. Acompanhamento das Perdas Operacionais

96

97

97

98

98

Tabela 134. Participação no Capital das Empresas

99

Tabela 135. Banco Votorantim – Demonstração Resumida do Resultado Societário

101

Tabela 136. Banco Votorantim – Demonstração do Resultado com Realocações

102

Tabela 137. Banco Votorantim – Demonstrativo das Realocações

103

104

104

Tabela 140. Banco Votorantim – Realocações (Variação de Moedas)

105

Tabela 141. Banco Votorantim – Margem Líquida de Juros e Margem de Lucro

106

Tabela 142. Banco Votorantim – Destaques Patrimoniais

108

Tabela 143. Banco Votorantim – Carteira de Veículos

108

109

110

Tabela 146. Banco Votorantim – Carteira de Crédito por Nível de Risco – Varejo

110

Tabela 147. Banco Votorantim – Índices de Atraso – Total

110

111

Tabela 149. Banco Votorantim – Índices de Atraso – Varejo

111

Tabela 150. Banco Votorantim – Destaques Operacionais e Estruturais

112

Tabela 151. Banco Votorantim – Principais Indicadores de Produtividade

112

Tabela 152. Banco Votorantim – Índice de Basileia

112

Tabela 153. Banco Patagonia – Principais Linhas do Resultado

114

Tabela 154. Banco Patagonia – Destaques Patrimoniais

114

114

114

Tabela 157. Balanço Patrimonial Ativo – Série Trimestral

115

Tabela 158. Balanço Patrimonial Ativo – Série Anual

116

Tabela 159. Balanço Patrimonial Passivo – Série Trimestral

117

Tabela 160. Balanço Patrimonial Passivo – Série Anual

118

Tabela 161. Demonstração Resumida do Resultado – Série Trimestral

119

Tabela 162. Demonstração Resumida do Resultado – Série Anual

120

Tabela 163. Demonstração do Resultado com Realocações – Série Trimestral

121

Tabela 164. Demonstração do Resultado com Realocações – Série Anual

122

Banco do Brasil – Análise do Desempenho 4ºTrimestre /2011

Índice de Figuras

Figura 1. Lucro (R$ milhões) e RSPLM (%)

...........................................................................................

9

Figura 2. Lucro Líquido por Ação

.........................................................................................................

Figura 3. Dividendos e Juros sobre Capital Próprio

Figura 4. Índice de Basileia

.............................................................................

..................................................................................................................

Figura 5. Índices de Eficiência – sem Itens Extraordinários - %

..........................................................

Figura 6. Balança Comercial (FOB)

..................................................................................................... Figura 7. Produção vs. Área Plantada

.................................................................................................. Figura 8. Carteira de Crédito de Agronegócios por Tipo de Personalidade Jurídica

...........................

Figura 9. Carteira de Crédito de Agronegócios por Fonte de Recursos

..............................................

Figura 10. Receitas de Equalização e Fator de Ponderação

...............................................................

11

11

16

17

38

39

41

42

43

Figura 11. Percentual das operações contratadas com mitigadores de risco

.....................................

Figura 12. Relação Preço/Custo de Soja e Milho

................................................................................

44

45

Figura 13. Abertura das Provisões

.......................................................................................................

46

Figura 14. Vintage Trimestral

...............................................................................................................

49

Figura 15. Vintage Anual ...................................................................................................................... Figura 16. Vintage Anual – Carteira de Financiamento de Veículos – Arena I

....................................

Figura 17. Participação de Mercado das Captações do BB ¹

.............................................................. Figura 18. Administração de Recursos de Terceiros ........................................................................... Figura 19. Carteira de Títulos e Valores Mobiliários por Indexador (Banco Múltiplo)

..........................

Figura 20. Evolução do Spread

............................................................................................................ Figura 21. Base e Faturamento de Cartões

.........................................................................................

Figura 22. Estrutura Societária

.............................................................................................................

Figura 23. Índice Combinado Ampliado

............................................................................................... Figura 24. Evolução do Quadro de Pessoal Figura 25. Terminais de Autoatendimento

.........................................................................................

........................................................................................... Figura 26. Transações por Canal de Atendimento - %

........................................................................ Figura 27. Evolução da Exposição Cambial em % do PR

...................................................................

Figura 28. Ativos e Passivos por Indexador

.........................................................................................

Figura 29. Posição Líquida por Indexador

............................................................................................

Figura 30. Reserva de Liquidez em Moeda Nacional (Posição: último dia útil) Figura 31. Reserva de Liquidez – Moeda Estrangeira (Posição: último dia útil)

...................................

..................................

50

50

61

64

71

74

77

78

82

84

87

87

92

92

93

94

95

Figura 32. Indicador DRL

95

108

...................................................................................................................... Figura 33. Banco Votorantim – Originação (Financ. de Veículos e Créditos Consignados)

.............

Banco do Brasil – Análise do Desempenho 4ºTrimestre /2011

Apresentação

O relatório Análise do Desempenho apresenta a situação econômico-financeira do Banco do Brasil (BB). Destinado aos analistas de mercado, acionistas e investidores, com periodicidade trimestral, esta publicação disponibiliza conteúdo com dados sobre indicadores econômicos, performance dos papéis BB e gestão de riscos. O leitor encontrará, ainda, tabelas com séries históricas de até oito períodos do Balanço Patrimonial Resumido, da Demonstração Resumida do Resultado Societário, da Demonstração do Resultado com Realocações, além de informações sobre rentabilidade, produtividade, qualidade da carteira de crédito, estrutura de capital, mercado de capitais e dados estruturais.

Ao final do relatório as Demonstrações Contábeis e Notas Explicativas do trimestre em análise são apresentadas.

 

Novidades

1)

Série histórica revisada desde o 1º trimestre de 2010, por contabilização de dois itens contra a receita de operações de crédito que anteriormente compunham as Outras Despesas/Receitas Operacionais: amortização de prêmios pagos nas aquisições de carteiras e despesas com liquidação/amortização antecipada de contratos.

2)

Reclassificação, a partir do 1º trimestre de 2010, de rubricas do grupamento das receitas de prestação de serviços para o grupamento rendas de tarifas bancárias, conforme Carta-Circular Bacen n.º 3.490/2011.

3)

A evidenciação da Margem Financeira Bruta foi reformulada para melhor detalhamento de sua composição.

4)

No Capítulo 3, foram disponibilizadas informações sobre a carteira de crédito renegociada de operações em atraso do BB, tais como saldo, provisão, inadimplência e índice de atraso.

5)

A tabela de Fontes e Usos, informação integrante do Capítulo 5, foi reformatada para facilitar a identificação das operações que compõe o funding do Banco e as aplicações de recursos.

6)

O relatório apresenta, no capítulo 11, informações sobre a carteira de crédito por nível de risco e índices de atraso, detalhadas nos pilares Varejo e Atacado, além do Índice de Basileia do Banco Votorantim.

Acesso on-line

A leitura do relatório Análise do Desempenho pode ser realizada no site de Relações com Investidores do Banco do Brasil. Também são disponibilizadas maiores informações sobre a Empresa, como: Governança Corporativa, notícias, perguntas frequentes e o Download Center, contendo versões deste relatório para o aplicativo Adobe® Reader®. Informações Gerais, Análise Patrimonial e do Resultado, e Demonstrações Contábeis Completas; as séries históricas em Excel; apresentações ao mercado; Relatório Anual e de Responsabilidade Socioambiental; Balanço Social; Teleconferências dos Resultados e outras também estão disponíveis no site.

Banco do Brasil

bb.com.br

Relações com Investidores

bb.com.br/ri

Banco do Brasil – Análise do Desempenho 4ºTrimestre /2011

Sumário do Resultado

Resultado

Lucro Recorrente do BB cresceu 10,2% em 2011

O Banco do Brasil registrou lucro recorrente de R$ 11.751 milhões em 2011, resultado 10,2% maior do que o apurado em 2010, desempenho que corresponde a retorno anualizado sobre o patrimônio líquido médio (RSPL) de 21,7%. O lucro líquido do Banco alcançou R$ 12.126 milhões em 2011, o que corresponde a crescimento de 3,6% sobre o verificado em 2010.

O montante de itens extraordinários em 2011 totalizou R$ 375 milhões que decorrem dos seguintes eventos: alienação da participação do BB na Visa Internacional e Mastercard (R$ 169 milhões); eficiência tributária (R$ 386 milhões); planos econômicos (- R$ 103 milhões); e - R$ 78 milhões referente aos efeitos fiscais e a participação estatutárias nos lucros sobre esses itens.

Figura 1. Lucro (R$ milhões) e RSPLM (%)

36.6

27.0 22.6 22.5 22.4 33.6 22.9 24.6 21.7 20.0 4,002 3,704 3,025 2,891 2,972 2,573 4T10
27.0
22.6
22.5
22.4
33.6
22.9
24.6
21.7
20.0
4,002
3,704
3,025
2,891
2,972
2,573
4T10
3T11
4T11
2010
2011
Lucro Recorrente
Lucro Líquido
RSPLM - %
RSPLM Recorrente - %

As receitas de intermediação financeira (RIF) superaram a marca de R$ 100.000 milhões o que representa crescimento de 27,9% sobre 2010. O resultado das operações de crédito e leasing acompanhou o desempenho da carteira de crédito (+19,4%) e cresceu 20,7% em 2011. O resultado das operações com títulos e valores mobiliários em 2011 foi impulsionado pela elevação da taxa Selic média (TMS), desvalorização do real em comparação ao dólar americano e crescimento dos saldos médios. Informações adicionais sobre as aplicações do Banco podem ser consultadas no capítulo 7 do relatório Análise do Desempenho.

Em relação às despesas de captação, o crescimento de 43,1% em 2011 sobre 2010 decorreu, principalmente, da alteração de mix nos depósitos, com maior participação dos depósitos a prazo em detrimento dos demais itens. Esse fato ocorreu pela estratégia de reforçar a liquidez do BB no 3T11 e 4T11. Mesmo diante deste movimento, a margem financeira bruta do BB encerrou o ano com crescimento de 11,1% sobre 2010, dentro do guidance proposto.

As despesas administrativas permaneceram sob controle em 2011 e cresceram 9,7% sobre 2010 e 12,2% na comparação 4T11-3T11. O reajuste salarial médio de 9% (data base em setembro) e o aumento na quantidade de funcionários acarretaram em crescimento das despesas de pessoal. Em relação às outras despesas administrativas, os avanços observados apresentaram-se em linha com os reajustes contratuais realizados e o crescimento orgânico das operações.

Além do controle das despesas administrativas, as despesas com provisão para créditos de liquidação duvidosa cresceram em ritmo menor que a carteira de crédito devido a melhora no risco da carteira e a baixos níveis de inadimplência, contribuindo para o resultado apresentado no exercício.

A tabela a seguir, extraída do demonstrativo de resultados com realocações, apresenta os principais destaques do período. O detalhamento das realocações pode ser encontrado na seção 2.3.1 do relatório Análise do Desempenho.

Banco do Brasil – Análise do Desempenho 4ºTrimestre /2011

Tabela 1. DRE com Realocações – Principais Linhas

 

Fluxo Trimestral

Var. %

Fluxo Anual

Var. %

R$ milhões

4T10

3T11

4T11

s/4T10

s/3T11

2010

2011

s/2010

Receitas da Intermediação Financeira

21.417

30.271

25.970

21,3

(14,2)

80.436

102.849

27,9

Operações de Crédito¹ + Leasing

14.207

17.806

16.833

18,5

(5,5)

54.219

65.101

20,1

Resultado de Operações com TVM

6.137

10.574

7.189

17,1

(32,0)

23.238

30.849

32,7

Despesas da Intermediação Financeira

(11.568)

(19.626)

(14.622)

26,4

(25,5)

(42.038)

(60.173)

43,1

Margem Financeira Bruta 9.849 10.645 11.348

15,2

6,6

38.398

42.675

11,1

Provisão p /Créd. de Liquidação Duvidosa

(2.139)

(3.259)

(2.892)

35,2

(11,3)

(10.675)

(11.827)

10,8

Margem

Financeira Líquida

7.711

7.386

8.456

9,7

14,5

27.724

30.848

11,3

Rendas de Tarifas

4.306

4.720

5.027

16,7

6,5

16.173

18.242

12,8

Res.de Op. c/ Seguros, Previdencia e Cap.

491

570

515

5,0

(9,6)

1.888

2.265

20,0

Margem de Contribuição

11.539

11.670

12.927

12,0

10,8

42.157

47.274

12,1

Despesas Administrativas

(6.068)

(6.208)

(6.966)

14,8

12,2

(22.565)

(24.752)

9,7

Despesas de Pessoal

(3.270)

(3.481)

(3.954)

20,9

13,6

(12.244)

(13.943)

13,9

Outras Despesas Administrativas

(2.798)

(2.727)

(3.012)

7,7

10,4

(10.322)

(10.809)

4,7

Resultado Comercial

5.452

5.395

5.900

8,2

9,4

19.484

22.306

14,5

Demandas Cíveis

35

(122)

275

676,8

-

(427)

(135)

(68,3)

Demandas Trabalhistas

92

(369)

(278)

-

(24,7)

(649)

(724)

11,5

Outros Componentes do Resultado

608

(1.031)

(966)

-

(6,3)

(908)

(2.533)

179,0

Resultado Antes da Tributação s/ o Lucro

6.186

3.897

4.940

(20,2)

26,8

17.543

18.970

8,1

Imposto de Renda e Contribuição Social

(1.923)

(924)

(1.425)

(25,9)

54,3

(5.242)

(5.388)

2,8

Participações Estatutárias no Lucro

(559)

(373)

(450)

(19,5)

20,5

(1.637)

(1.737)

6,1

Resultado Recorrente

3.704

2.573

3.025

(18,3)

17,6

10.664

11.751

10,2

(1) A série histórica foi revisada desde 1T10 por contabilização de dois itens contra a receita de operações de crédito que anteriormente compunham as Outras Despesas/Receitas Operacionais: amortização de prêmios pagos nas aquisições de carteiras e despesas com liquidação/amortização antecipada de contratos. Caso não houvesse esse efeito, a MFB de 2011 chegaria a R$ 44.420 milhões, crescimento de 13,4% sobre ao verificado em 2010 (R$ 39.171 milhões).

Eventos extraordinários

A tabela seguinte apresenta a descrição dos itens extraordinários que, em 2011, agregaram R$ 375 milhões ao lucro líquido do BB, montante líquido de imposto e participações estatutárias no lucro. No trimestre, apenas o valor referente aos planos econômicos foi tratado como item extraordinário.

Tabela 2. Itens Extraordinários

R$ milhões

4T10

3T11

4T11

2010

2011

Lucro Líquido Recorrente

3.704

2.573

3.025

10.664

11.751

(+) Efeitos Extraordinários do Período

298

318

(53)

1.039

375

Alienação de Investimentos

-

-

-

214

169

Planos Econômicos

(145)

(35)

(95)

(371)

(103)

Eficiência Tributária

460

386

-

460

386

Passivos Contingentes (BESC)

-

-

-

250

-

PCLD Adicional

-

-

-

332

-

Reversão de Passivos Trabalhistas

-

-

-

568

-

Ganho de Capital - BB Seguros Participações

-

-

-

114

-

Efeitos Fiscais e PLR sobre Itens Extraordinários

(16)

(33)

42

(527)

(78)

Lucro Líquido

4.002

2.891

2.972

11.703

12.126

Tabela 3. Principais Indicadores do Resultado

Indicadores - %

4T10

3T11

4T11

2010

2011

Spread Global¹

6,0

5,6

5,8

6,1

5,7

Despesas de PCLD sobre Carteira²

3,3

3,0

3,1

3,3

3,1

Índice de Eficiência³

39,0

44,9

42,9

42,6

42,1

Índice de Eficiência - em 12 meses %

42,6

41,1

42,1

-

-

RSPL Recorrente¹

33,6

20,0

22,9

24,6

21,7

Taxa Efetiva de Imposto

34,2

26,2

31,7

33,0

31,3

(1) Indicadores anualizados. (2) Despesa de PCLD acumulada em 12 meses dividida pela carteira média do mesmo período. (3) No cálculo foram segregados os efeitos extraordinários do período.

Banco do Brasil – Análise do Desempenho 4ºTrimestre /2011

Retorno ao Acionista

Lucro líquido por ação alcançou R$ 4,28

O lucro líquido por ação alcançou R$ 4,28 em 2011, contra R$ 4,34 registrados em 2010. A figura a seguir apresenta esse indicador.

Figura 2. Lucro Líquido por Ação

1,49 1,08 1,01 4T10 3T11 4T11 2010 2011
1,49
1,08
1,01
4T10
3T11
4T11
2010
2011

Remuneração aos acionistas de R$ 4,9 bilhões no ano

O Banco do Brasil manteve a prática de distribuir 40% do lucro líquido a seus acionistas (payout). Em 2011 foram destinados R$ 4,9 bilhões em remuneração aos acionistas, o que representa crescimento de 4,1% em relação a 2010.

Figura 3. Dividendos e Juros sobre Capital Próprio

4,9 4,7 3,1 2,4 1,6 2,3 1,2 1,2 1,8 0,7 0,8 0,8 0,9 0,4 0,4 4T10
4,9
4,7
3,1
2,4
1,6
2,3
1,2
1,2
1,8
0,7
0,8
0,8
0,9
0,4
0,4
4T10
3T11
4T11
2010
2011
Dividendos (R$ bilhões)
Juros sobre Capital Próprio (R$ bilhões)

Margem Financeira

Na tabela a seguir, as linhas de receita financeira com operações de crédito e despesas financeiras de captação não consideram o efeito da variação cambial. A linha de tesouraria compreende: (i) o resultado com juros; (ii) as receitas de compulsórios rentáveis; (iii) hedge fiscal, derivativos e outros instrumentos financeiros que compensam os efeitos da variação cambial no resultado. A linha demais compreende, principalmente, os recursos aprovisionados no BB de aplicação obrigatória em operações de crédito vinculadas a programas oficiais de financiamento, por exemplo, Finame, BNDES e FCO.

Banco do Brasil – Análise do Desempenho 4ºTrimestre /2011

Tabela 4. Composição da MFB

 

Fluxo Trimestral

 

Var. %

R$ milhões

4T10

1T11

2T11

3T11

4T11

s/4T10

s/3T11

Margem Financeira Bruta

9.849

10.159

10.524

10.645

11.348

15,2

6,6

Receita Financeira c/ Operações de Crédito

13.468

13.928

14.647

15.737

16.218

20,4

3,1

Despesa Financeira de Captação

(5.294)

(5.625)

(6.202)

(7.048)

(6.845)

29,3

(2,9)

Recuperação de Crédito

863

855

953

985

851

(1,4)

(13,6)

Resultado de Tesouraria

1.885

2.088

2.167

1.950

2.197

16,5

12,6

Demais

(1.073)

(1.087)

(1.041)

(979)

(1.073)

(0,1)

9,6

Margem Gerencial e Spread

A tabela a seguir apresenta a margem gerencial do BB proveniente de operações de crédito e depósitos. No cálculo de cada linha faz-se a diferença entre a receita/despesa financeira e o respectivo custo/receita de oportunidade de cada linha, como por exemplo: TMS, Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP) ou Taxa Referencial de Juros (TR).

Tabela 5. Margem Gerencial

 

Fluxo Trimestral

Var. %

Fluxo Anual

Var. %

R$ milhões

4T10

3T11

4T11

s/4T10

s/3T11

2010

2011

s/2010

Operações de Crédito

 

6.869

7.708

8.244

20,0

7,0

27.676

30.321

9,6

Pessoa Física

3.946

4.295

4.560

15,6

6,2

15.812

17.230

9,0

Pessoa Jurídica

1.854

2.286

2.340

26,2

2,4

7.827

8.667

10,7

Agronegócios

1.068

1.127

1.344

25,8

19,3

4.037

4.424

9,6

Depósitos

1.287

1.481

1.290

0,2

(12,9)

4.708

5.853

24,3

Depósitos a prazo

 

744

903

778

4,6

(13,9)

2.676

3.426

28,0

Depósitos à vista

376

392

348

(7,5)

(11,2)

1.298

1.496

15,2

Depósitos de Poupança

167

186

164

(1,9)

(12,0)

603

743

23,2

A carteira

de crédito

PF

do

BB é concentrada em

linhas de

crédito de CDC salário,

crédito

consignado, financiamento a veículos e imobiliário que juntas responderam por 80% do total.

Tradicionalmente, essas linhas possuem spreads mais baixos que as demais linhas de crédito Pessoa Física.

Em relação ao spread do agronegócio, a elevação da taxa trimestral foi influenciada, principalmente, pelo crescimento das receitas de equalização que evoluíram 11,7% na comparação 4T11-3T11 e 20,2% na 4T11-4T10.

O “Spread Global Ajustado pelo Risco” é apurado com base na relação entre a margem financeira líquida e os ativos rentáveis, ou seja, considera as despesas com provisões para créditos de liquidação duvidosa. A tabela seguinte apresenta o desempenho dos índices de spread do BB.

Tabela 6. Spread Anualizado

%

4T10

3T11

4T11

2010

2011

Operações de Crédito

8,6

8,8

9,0

9,0

8,5

Pessoa Física

15,4

14,9

15,5

15,8

14,4

Pessoa Jurídica

5,5

6,3

6,1

6,0

5,8

Agronegócios

5,6

5,4

6,1

5,6

5,3

Depósitos

1,6

1,7

1,4

1,5

1,6

Depósitos a prazo

1,8

1,7

1,4

1,7

1,7

Depósitos à vista

3,0

3,5

3,1

2,7

3,2

Depósitos de Poupança

0,8

0,8

0,7

0,7

0,8

Spread Global

6,0

5,6

5,8

6,1

5,7

Spread Ajustado pelo risco

4,6

3,9

4,3

4,4

4,1

Banco do Brasil – Análise do Desempenho 4ºTrimestre /2011

Ativos

Ativos totais crescem 21,0% em doze meses

Os ativos totais do Banco do Brasil alcançaram em dez/11 R$ 981.230 milhões, o que corresponde a crescimento de 21,0% sobre dez/10. As principais linhas do ativo são as operações de crédito, TVM e as aplicações interfinanceiras de liquidez que responderam por 73,0% do total de ativos do BB em dez/11 contra 70,6% em dez/10.

A tabela a seguir apresenta os principais itens do Balanço Patrimonial.

Tabela 7. Principais Itens Patrimoniais

Var. %

R$ milhões

Dez/10

Set/11

Dez/11

s/Dez/10

s/Set/11

Ativos Totais

811.172

949.781

981.230

21,0

3,3

Carteira de Crédito Ampliada ¹

388.224

441.579

465.093

19,8

5,3

Títulos e Valores Mobiliários

143.867

158.844

168.230

16,9

5,9

Aplicações Interfinanceiras de Liquidez

107.579

157.413

166.288

54,6

5,6

Depósitos

376.851

419.519

442.386

17,4

5,5

à Vista

63.503

57.614

62.016

(2,3)

7,6

de Poupança

89.288

95.512

100.110

12,1

4,8

Interfinanceiros

18.998

13.586

14.450

(23,9)

6,4

a Prazo

204.652

252.806

265.809

29,9

5,1

Captações no Mercado Aberto

142.175

194.728

195.175

37,3

0,2

Patrimônio Líquido

50.441

56.713

58.416

15,8

3,0

(1) inclui garantias prestadas e TVM privados

Carteira de Crédito

Carteira de Crédito cresce 19,8% em doze meses

A carteira de crédito ampliada, que considera as garantias prestadas e os títulos e valores mobiliários privados, atingiu R$ 465.093 milhões, crescimento de 5,3% no trimestre e de 19,8% em doze meses.

A participação do Banco do Brasil no mercado doméstico de crédito foi de 19,2% em dezembro de

2011.

Tabela 8. Carteira de Crédito Ampliada

Saldos

V ar. %

R$ milhões

De z /10

Part. %

Se t/11

Part. %

De z /11

Part. %

s /De z /10

s /Se t/11

Carte ir a de Cr é dito Clas s ificada (a) País Pe s s oa Fís ica

CDC

Cons ignaç ão

CDC Salário

Financ iamento

Financ iamento

a V eíc ulos Imobiliário

Cartão de Crédito Cheque Es pec ial Demais

Pe s s oa Ju ríd ica

MPE Médias e Grandes

Agr one gócio

Pes s oa

Fís ic a

Pes s oa

Jurídic a

358.366

337.921

113.096

44.976

12.878

27.395

2.951

11.867

2.598

10.432

149.810

56.960

92.850

75.015

48.907

26.107

100,0

94,3

31,6

12,6

3,6

7,6

0,8

3,3

0,7

2,9

41,8

15,9

25,9

20,9

13,6

7,3

402.555

372.156

125.747

49.020

14.946

31.435

5.030

11.729

3.110

10.477

163.340

62.316

101.024

83.069

53.437

29.632

100,0

92,4

31,2

12,2

3,7

7,8

1,2

2,9

0,8

2,6

40,6

15,5

25,1

20,6

13,3

7,4

422.989

390.508

130.561

51.246

15.327

31.329

6.035

13.193

2.554

10.877

171.290

68.062

103.228

88.658

57.194

31.465

100,0

92,3

30,9

12,1

3,6

7,4

1,4

3,1

0,6

2,6

40,5

16,1

24,4

21,0

13,5

7,4

18,0

15,6

15,4

13,9

19,0

14,4

104,5

11,2

(1,7)

4,3

14,3

19,5

11,2

18,2

16,9

20,5

5,1

4,9

3,8

4,5

2,5

(0,3)

20,0

12,5

(17,9)

3,8

4,9

9,2

2,2

6,7

7,0

6,2

Exte r io r

20.445

5,7

30.400

7,6

32.480

7,7

58,9

6,8

TV M Privados e Gar antias (b )

29.858

39.024

42.104

41,0

7,9

Carte ir a de

Cr é dito Am pliada (a + b)

388.224

100,0

441.579

100,0

465.093

100,0

19,8

5,3

Pes s oa Pes s oa

Fís ic a Jurídic a

113.097

176.382

29,1

45,4

125.766

199.085

28,5

45,1

130.589

210.167

28,1

45,2

15,5

19,2

3,8

5,6

A gronegóc io Ex terior

75.707

23.038

19,5

5,9

83.780

32.948

19,0

7,5

89.361

34.976

19,2

7,5

18,0

51,8

6,7

6,2

Banco do Brasil – Análise do Desempenho 4ºTrimestre /2011

Carteira de Crédito Imobiliário supera R$ 7,6 bilhões em dez/11

Iniciando suas operações de crédito imobiliário às pessoas físicas (PF) no 2T08, o BB apresenta, desde então, contínuo crescimento nessas linhas e encerrou dez/11 com montante de R$ 6.035 milhões, o que corresponde a elevação de 20,0% sobre set/11. O volume desembolsado no 4T11 foi de R$ 1.098 milhões, volume 96,5% maior do que o registrado no mesmo trimestre de 2010. Já para as pessoas jurídicas o desembolso foi de R$ 391 milhões no 4T11 e o saldo da carteira alcançou os R$ 1.571 milhões.

O total da carteira de crédito às pessoas físicas (R$ 130.589 milhões) apresentou expansão de 15,5% em dez/11 contra dez/10 e de 3,8% sobre set/11.

A carteira de crédito às pessoas jurídicas encerrou dez/11 com saldo de R$ 210.167 milhões o que representa crescimento de 5,6% contra set/11 e 19,2% sobre dez/10. Essa evolução foi impulsionada pela carteira das médias e grandes empresas que, além de demandarem crédito através de linhas tradicionais (investimento e capital de giro), captam recursos através de emissão de títulos privados. O saldo da carteira destes títulos somado às prestações de garantias encerrou dezembro em R$ 42.104 milhões.

No segmento de micro e pequenas empresas (MPE), a carteira de crédito apresentou expansão de 19,5% em relação ao observado em dezembro de 2010 e 9,2% frente a setembro último, com saldo de R$ 68.062 milhões. O BB utilizou Fundo de Garantia de Operações (FGO) para permitir maior acesso ao crédito para MPE, reduzir o custo para o tomador final e ampliar o volume da carteira. Outro mecanismo que auxilia a contratação de operações de financiamentos de investimento é o Fundo de Aval às Micro e Pequenas Empresas (Fampe). Esse fundo é constituído com recursos do Serviço Nacional de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e complementa em até 80% o valor das garantias necessárias para a contratação de operações com empresas de faturamento bruto anual de até R$ 2,4 milhões.

A carteira de crédito do agronegócio encerrou o trimestre com saldo de R$ 89.361 milhões, o que corresponde a crescimento de 6,7% contra o 3T11 e de 18,0% em doze meses. O desempenho trimestral decorre principalmente de crédito destinado às pessoas físicas em linhas de investimento. Destaca-se o baixo índice de inadimplência da carteira de crédito agronegócio. O indicador que mede a razão entre as operações vencidas há mais de noventa dias e a carteira de crédito encerrou o trimestre com percentual de 0,7%, contra 2,5% no mesmo período de 2010.

Inadimplência permanece com índices inferiores ao verificado no SFN

Os indicadores de inadimplência do Banco do Brasil continuam melhores do que os observados no Sistema Financeiro Nacional (SFN) em dezembro de 2011. O indicador que mede o atraso das operações há mais de 90 dias (razão entre o crédito vencido há mais de 90 dias e a carteira de crédito) do SFN encerrou este trimestre em 3,6%, contra 2,1% do BB. Praticamente todos os indicadores de qualidade de crédito do BB melhoraram quando comparados a dezembro de 2010 e permaneceram em linha com os índices verificados no trimestre anterior.

Ao comparar as operações classificadas por níveis de risco, o BB também apresenta uma estrutura de crédito melhor que o SFN. As operações classificadas nos níveis de risco de AA-C encerraram dez/11 em 93,9% do total da carteira, contra 92,3% observados no SFN. A tabela seguinte apresenta os indicadores de qualidade da carteira de crédito.

Banco do Brasil – Análise do Desempenho 4ºTrimestre /2011

Tabela 9. Indicadores de Qualidade da Carteira de Crédito

%

Dez/10

Set/11

Dez/11

Operações Vencidas + 15 dias/Total da Carteira

3,7

3,9

3,6

Operações Vencidas 15-59 dias/Total da Carteira

1,1

1,3

1,1

Operações Vencidas + 60 dias/Total da Carteira

2,7

2,5

2,5

Operações Vencidas 15-89 dias/Total da Carteira

1,5

1,7

1,5

Operações Vencidas + 90 dias/Total da Carteira

2,3

2,1

2,1

Operações de Risco AA - C / Total da Carteira

93,7

93,9

93,9

Provisão/Carteira de Crédito

4,8

4,6

4,5

Provisão PF/Carteira de Crédito

6,8

7,3

6,8

Provisão PJ/Carteira de Crédito

3,2

3,0

3,1

Provisão/Operações Vencidas + 60dias

182,2

182,7

180,4

Provisão/Operações Vencidas + 90dias

212,1

219,4

215,6

Risco Médio BB

4,3

4,2

4,1

Risco Médio – SFN

5,6

5,6

5,7

Operações Vencidas + 90 dias/Total da Carteira – SFN

3,2

3,5

3,6

As despesas com provisões para créditos de liquidação duvidosa (PCLD) aumentaram 10,8% em 2011 sobre 2010, enquanto a carteira de crédito (classificada) registrou, no mesmo período, crescimento de 18,0%. Com isso, o indicador que mede as despesas sobre carteira apresentou em 2011 melhora de 20 pontos base frente a 2010.

Tabela 10. Despesas de PCLD sobre Carteira de Crédito

R$ milhões

4T10

3T11

4T11

(A) Despesas de PCLD Trimestral

(2.139)

(3.259)

(2.892)

  • (B) Despesas de PCLD - 12 Meses

(10.675)

(11.074)

(11.827)

  • (C) Carteira de Crédito

358.366

402.555

422.989

  • (D) Média da Carteira - 3 Meses

352.699

392.129

412.439

  • (E) Média da Carteira - 12 Meses

325.051

368.196

383.408

Despesas sobre Carteira (A/D) - %

0,6

0,8

0,7

Despesas sobre Carteira (B/E) - %

3,3

3,0

3,1

O saldo das provisões encerrou o trimestre em R$ 19.015 milhões, o que proporciona cobertura de 215,6% das operações vencidas há mais de 90 dias, percentual superior ao verificado no SFN que alcançou 158,9% em dez/11.

A tabela seguinte mostra a carteira de crédito renegociada de operações em atraso. Nota-se que o índice de cobertura alcançou 272,6% em dez/11, ante 214,3% em igual período do ano anterior.

Tabela 11. Carteira Renegociada

R$ milhões

Dez/10

Set/11²

Dez/11

Carteira de Crédito Renegociada¹

10.226

7.004

6.991

Saldo de Provisão

2.406

1.689

1.606

Inadimplência + 90 dias

1.122

547

589

Provisão/Carteira - %

23,5

24,1

23,0

Inadimplência + 90 dias/Carteira - %

11,0

7,8

8,4

Índice de Cobertura - %

214,3

309,0

272,6

(1) refere-se à carteira de crédito renegociada de operações em atraso. (2) série revisada em função de alteração de metodologia na apuração das informações.

Basileia

Índice de Basileia superior ao mínimo exigido

O índice de capital (K) do Banco do Brasil encerrou dezembro em 14,0%, superior ao mínimo exigido pelo Banco Central (11%). O índice de Basileia apresentado indica um excesso de patrimônio de referência de R$ 17,2 bilhões, o que permite a expansão de até R$ 156,0 bilhões em ativos de crédito, considerando a ponderação de 100%.

Banco do Brasil – Análise do Desempenho 4ºTrimestre /2011

Em janeiro de 2012 foi realizada emissão externa para captação de Bônus Perpétuo no valor de US$ 1 bilhão. O BB aguarda autorização do Banco Central para classificar o recurso como capital Nível I, e caso esse montante venha a compor, na sua totalidade, o Patrimônio de Referência, considerando os números de dez/11, o Índice de Basileia alcançaria 14,3%.

Figura 4. Índice de Basileia

14,1 13,9 14,0 3,1 3,3 3,5 11,0 10,6 10,5 Dez/10 Set/11 Dez/11 Nível I Nível II
14,1
13,9
14,0
3,1
3,3
3,5
11,0
10,6
10,5
Dez/10
Set/11
Dez/11
Nível I
Nível II

Rendas de Tarifas

Receitas com Tarifas refletem a diversificação de negócios

Destaca-se a maior diversificação das receitas do BB, em função de projetos como a reestruturação de atuação no segmento de varejo, com foco no atendimento e rentabilização da base de clientes, assim como a reorganização societária na área de seguridade.

As rendas de tarifas, linha que inclui tanto as receitas de prestação de serviços (RPS), quanto as rendas de tarifas bancárias (RTB), alcançaram R$ 18.242 milhões em 2011, resultado 12,8% superior ao verificado no ano anterior e dentro do intervalo estimado no Guidance 2011. Os destaques foram as receitas de tarifas com cartão de crédito/débito e administração de fundos.

O resultado das operações com seguros, previdência e capitalização alcançou R$ 2.265 milhões em 2011, com alta de 20,0% sobre 2010. Na comparação 4T11-3T11, a queda de 9,6% decorreu da elevação nos sinistros retidos (+7,9%) e do aumento nas despesas de comercialização (+17,7%), principalmente, com operações de seguros.

O

indicador que mede a

razão entre

as receitas comerciais (soma da MFB, renda de tarifas e

resultado das operações com seguros) e a base média de clientes chegou em R$ 302,7 neste trimestre, contra R$ 269,1 no 4T10. Esse índice mostra, em média, o valor gerado de negócio por cliente.

Tabela 12. Rendas de Tarifas e Resultado de Operações com Seguros

 

Fluxo Trimestral

Var. %

Fluxo Anual

Var. %

R$ milhões

4T10

3T11

4T11

s/4T10

s/3T11

2010

2011

s/2010

Rendas de Tarifas

4.306

4.720

5.027

16,7

6,5

16.173

18.242

12,8

Conta Corrente

1.006

1.054

1.136

12,9

7,8

3.714

4.077

9,8

Cartão de Crédito/Débito

928

997

1.084

16,8

8,7

3.306

3.926

18,7

Administração de Fundos

687

845

829

20,7

(1,9)

2.672

3.197

19,7

Operações de Crédito

459

485

496

8,0

2,1

1.710

1.822

6,6

Cobrança

304

314

321

5,6

2,3

1.197

1.241

3,7

Seguros, Previdência e Capitalização

114

115

122

7,6

6,3

432

499

15,7

Arrecadações

173

183

195

13,1

6,9

614

725

18,0

Interbancária

144

168

168

16,9

(0,2)

549

640

16,5

Rendas de Mercado de Capitais

113

76

96

(15,7)

25,7

436

350

(19,9)

Outros

378

483

580

53,4

20,2

1.543

1.764

14,4

Res. de Op. com Seguros, Prev. e Capitalização

491

570

515

5,0

(9,6)

1.888

2.265

20,0

Banco do Brasil – Análise do Desempenho 4ºTrimestre /2011

Despesas Administrativas

Despesas Administrativas em linha com o Guidance

As despesas administrativas seguem sob controle, conforme projetado pelo Guidance. Em 2011, esses gastos somaram R$ 24.752 milhões, crescimento de 9,7% sobre o ano anterior. Essas despesas abrangem os gastos com pessoal e as outras despesas administrativas que cresceram, respectivamente, na comparação 2011-2010, 13,9% e 4,7%.

Na comparação em doze meses, o crescimento da linha de Despesas de Pessoal deveu-se principalmente a três motivos: (i) ao reajuste salarial concedido na data-base de set/10; (ii) ao aumento das provisões administrativas pela inflação; (iii) e, ao aumento de 4,7% do quadro de pessoal em relação ao 4T10, reflexo ainda do Programa de Revitalização do Varejo. Em relação às outras despesas administrativas, o desempenho está em linha com os reajustes contratuais realizados e com o crescimento orgânico das operações.

Tabela 13. Despesas Administrativas

 

Fluxo Trimestral

Var. %

Fluxo Anual

Var. %

R$ milhões

4T10

3T11

4T11

s/4T10

s/3T11

2010

2011

s/2010

Despesas Administrativas

(6.068)

(6.208)

(6.966)

14,8

12,2

(22.565)

(24.752)

9,7

Despesas de Pessoal

(3.270)

(3.481)

(3.954)

20,9

13,6

(12.244)

(13.943)

13,9

Outras Despesas Administrativas

(2.798)

(2.727)

(3.012)

7,7

10,4

(10.322)

(10.809)

4,7

Eficiência

O índice de eficiência, razão entre as despesas administrativas e as receitas operacionais, melhorou 200 pontos base na comparação 4T11-3T11. No trimestre, as receitas operacionais cresceram 8,8%, contra 4,0% nas despesas administrativas, o que ocasionou a melhora do indicador.

Já na comparação 4T11-4T10, cabe notar que no 4T10 houve o reconhecimento semestral de ganhos atuariais do Plano I da Previ no montante de R$ 1,4 bilhão, fato que não ocorreu neste semestre. Esse fato influenciou negativamente o indicador.

O indicador de eficiência com base acumulada em 12 meses permite uma análise com menor volatilidade, sobretudo na comparação com trimestres pares (2T e 4T), períodos em que ocorre a contabilização de receitas provenientes da reavaliação atuarial do plano de benefícios 1 da Previ. Notou-se que mesmo com o não reconhecimento dos ganhos atuariais no 2S11, houve melhora de 50 pontos base em doze meses.

Figura 5. Índices de Eficiência – sem Itens Extraordinários - %

42,6 42,1 41,1 4T10 3T11 4T11
42,6
42,1
41,1
4T10
3T11
4T11
Banco do Brasil – Análise do Desempenho 4ºTrimestre /2011 Despesas Administrativas Despesas Administrativas em linha com

Índice de Eficiên cia (acumulado 1 2 meses) - %

44,9 42,9 39,0 4T10 3T11 4T11 Índice de Eficiência - %
44,9
42,9
39,0
4T10
3T11
4T11
Índice de Eficiência - %

Banco do Brasil – Análise do Desempenho 4ºTrimestre /2011

Seguridade

Resultado de Seguridade

O índice de seguridade, que mede a participação do segmento de seguros no resultado recorrente do BB, vem em crescimento e passou de 12,7% em 2010 para 13,7% em 2011. Essa evolução está de acordo com a estratégia adotada pelo BB em elevar a participação do setor de seguros no conglomerado. A tabela a seguir apresenta a composição do resultado de seguridade bem com o índice de seguridade.

Tabela 14. Índice de Seguridade Consolidado

 

Fluxo Trimestral

Var. %

Fluxo Anual

Var. %

R$ milhões

4T10

3T11

4T11

s/4T10

s/3T11

2010

2011

s/2010

Resultado de Seguridade

411

410

422

2,7

3,0

1.354

1.604

18,5

Receita Líquida de Corretagem

69

94

100

44,4

6,5

289

362

25,3

Receita Líquida de Tarifas de Serviços

56

56

61

8,6

8,3

215

249

15,7

Equivalência Patrimonial

285

260

261