Formação de Pregadores – Módulo 1

A Pregação no Grupo de Oração
A pregação no grupo de oração é um assunto que há muito tempo nos desafia.

1. 2. 3.

Devido às nossas próprias limitações. A dinâmica do grupo é exigente. O grupo recebe toda espécie de filhos de Deus.

Tal atitude excluiria quase 100% das pessoas. então?  . O que fazer. para levar-lhes somente um ensinamento doutrinário. Seria ilusão ignorar os problemas relacionados com a humanidade dos freqüentadores do grupo de oração. ainda que fosse perfeito do ponto de vista teológico.

SEGUIR O EXEMPLO DE JESUS .

como fruto do Espírito Santo .PREGAÇÃO QUERIGMÁTICAS Pregações querigmáticas são todas aquelas relacionadas com os seguintes temas:  O amor de Deus  O pecado  A salvação  A fé.  A conversão  O Espírito Santo  A comunidade.

Conceito de Pregação e Ensino a) Pregação b) Ensino c) Distinção entre ensinos e pregações Ide por todo o mundo. e pregai o evangelho a toda criatura. (Mc 16.15) .

DISTINÇÃO ENTRE PREGADOR E FORMADOR a) Pregador b) Formador .

duas vezes ouvi isto: que o poder pertence a Deus (Salmos 62:11) b) Ensino .OBJETIVOS DE PREGAÇÕES E ENSINOS a) Pregação Deus falou uma vez.

EFEITOS DA PREGAÇÃO E DO ENSINO NAS PESSOAS QUE OS OUVEM .

Em temas querigmáticos (para todas as situações) .Para temas catequéticos ministrados a pouca gente = “Pouca gente”.Em temas catequéticos (para muitas pessoas. para encontros abertos). Ensino . .EMPREGO DE PREGAÇÕES E ENSINOS a) b) Pregação . expressão entendida como uma quantidade de pessoas que possibilite a aplicação de dinâmicas e o emprego de variadas técnicas de ensinos.

PREGAÇÕES E ENSINOS MISTOS - - É possível. É importante usar pregação e ensino como estilos diferentes. . principalmente quando se prega nos grupos de oração. pregar ensinando e ensinar pregando. e às vezes ideal. Em temas querigmáticos não é bom combinar pregação e ensino. como formas de variação.

de coração simples. ama e perdoa as traições e perseguições dos irmãos. íntima de deus. a visão do plano de Deus (Ef 3. O pregador leva as pessoas a Jesus. busca a formação. prega com o poder no espírito. fala a verdade. conduzida pelo Espírito (cf. que está inserida na realidade de seu povo. que é membro do Corpo Místico de Cristo. é pessoa . paciente e perseverante diante das perseguições (cf. que é responsável. o zelo pelo Evangelho. At 9. batizada no espírito (cf. At 16. 41). vive o que prega. 1516). 17).Características do perfil do pregador         O pregador é uma pessoa de fé e de oração. aceita e pratica os dons carismáticos. 6-10). que testemunha a ressurreição de Jesus. Gal 1. busca o dom da fé. 17-19. At 5. .

paciente e perseverante C) O Pregador é intimo de Deus D) O pregador é pessoa de fé E) O Pregador é Homem de Bem-Aventuranças F) O Pregador usa dos carismas G) O pregador é membro do corpo místico de Cristo H) O Pregador tem visão do Plano de Deus .REFLEXÃO Como você tem reagido diante das características anteriores? A) O Pregador é inserido na realidade de seu povo B) O Pregador é responsável.

Você está inserido na realidade do seu Grupo? É responsável no Grupo ou com os compromissos que assume? Tem buscado ser intimo de Deus pela oração pessoal? A sua fé está fundamentada na Doutrina da Igreja? Tem exercitado as bemaventuranças? .REFLEXÃO 1. 3. 5. 2. 4.

uma vez que também eu fui conquistado por Jesus Cristo. Mas eu me empenho em conquistála. 3. da consagração total (Lc 1. A sagrada Escritura fornece o caminho que devemos percorrer para a formação do nosso perfil. 6) e da busca da santidade:  Caminho da Cruz e da Renuncia  Consagração  Conversão . É necessário.Forjando nosso perfil  Igualar-se a Jesus é tarefa sobre-humana. 12). Caminho da cruz e da renuncia de si mesmo (Mt 16. 24). possamos dizer como São Paulo: “Não pretendo dizer que já alcancei (esta meta) e que cheguei à perfeição. Não. porém. Quase tão difícil é assemelhar-se a Paulo ou Apolo. 2. da conversão (At 9. Jô 3. através da força do Espírito Santo. que busquemos possuir um perfil semelhante ao deles para que. 15. 30).” (Fil 3.

Esses critérios são:  amor.  prontidão. para podermos inclusive. . saber onde nos empenharmos com mais esforço.  aceitar que Jesus seja a motivação das pessoas  formar outros pregadores.Avaliando o nosso Perfil Alguns critérios para avaliar o nosso perfil.

Considerações 1º) Exórdio:(princípio) a) Introdução b) Motivação inicial 2º) O Desenvolvimento: a) Enunciado b) Argumentação c) Aplicação 3º) Conclusão a) Resumo b) Imperativo c) Oração Final.Como organizar a pregação Primeiro . .

PERORAÇÃO (parte final da pregação) 2. ORAÇÃO FINAL . ITEM (idéia chave) a) Subitem b) Subitem c) Subitem III – CONCLUSÃO 1. ITEM (idéia chave) a) Subitem b) Subitem c) Subitem 3.ESQUEMA GERAL I – INTRODUÇÃO (parte única) II – DESENVOLVIMENTO 1. ITEM (idéia chave) a) Subitem b) Subitem c) Subitem 2.

Natureza.Moção . Fontes Auxiliares: Experiência própria. Medicina. inteligência) . Geografia. História. Documentos da Igreja.revelação privada . experiência dos irmãos. Sagrada Tradição. criatividade.inspiração do Espírito Santo Deus age através da nossa natureza (imaginação.Livros espirituais . Meios de acesso às fontes: .Como organizar a pregação Segundo – A inspiração          Fontes Primárias: Sagrada Escritura. Botânica. Ciências Modernas (Antropologia.recordação do que aprendemos . Psicologia. Zoologia). Sociologia. Fatos da Vida.

profecia. 2. de diversos livros espirituais. mas que não se enquadram na definição de profecia). imagens / visualizações) . Ver se as idéias estão de acordo com a sagrada Escritura.Como organizar a pregação Preparação da pregação: Estar em sintonia com Deus (oração mental. nos impele por meio da nossa natureza.moções (o Espírito Santo nos move. Formas de resposta de Deus: . louvor). . É parecido com intuição. 3. Perguntar a Deus o que ele quer que preguemos. com a Doutrina.através dos dons carismáticos (ciência. enfim para qualquer uma das fontes já citadas). Anotar tudo o que pensamos que pode ser de Deus Discernir para saber o que é de Deus. Esperar a resposta de Deus. .inspirações (idéias que recebemos do Espírito Santo. 1. Organizar com o Dom da sabedoria o que foi anotado. de documentos da Igreja. . para fotos da vida.Recordação: do que sabemos ou lemos. a Tradição da Igreja. o Magistério e se vai faze bem a comunidade. Dependência total do Espírito Santo de Deus. Na preparação do ensino ele nos impele para textos da Sagrada Escritura. colocando em nós desejo de fazer algo.

Como pregar a mensagem Primeiro . a) Apresentação física b) Reconciliar-se com Deus c) Tempo .Antes da pregação.

a) b) c) d) e) f) g) h) i) Tomar autoridade A voz Os olhos O rosto As mãos O corpo Os pés A respiração Tempo .Segundo – Durante a pregação.

12. 3. 5. 16. 18. 15. 17. 8. 4. 7. 6. Saudar a assembléia Apresentar-se Oração inicial Anunciar o tema Ter um esquema básico Ser direto Ser atual Falar claro Usar bem a expressão corporal Ter um tom de voz variado Usar a Bíblia Chamar a atenção da assembléia (Não é bronca) Comunicar-se Ser favorável na dicção Testemunho de vida pessoal Cumprir o tempo (não ser prolixo) Atingir o objetivo proposto Levar a assembléia a comprometer-se. 2. 9. 13.Critérios para a avaliação da pregação 1. 10. . 11. 14.