Você está na página 1de 15
CONTEC Comissão de Normalização Técnica SC - 16 Segurança Industrial N-2830 OUT / 2006 CRITÉRIOS

CONTEC

Comissão de Normalização Técnica

SC - 16

Segurança Industrial

N-2830

N-2830 OUT / 2006
N-2830 OUT / 2006

OUT / 2006

CRITÉRIOS DE SEGURANÇA PARA AMBIENTES E SERVIÇOS EM PAINÉIS E EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS COM POTENCIAL DE ARCO ELÉTRICO

Procedimento

Cabe à CONTEC - Subcomissão Autora, a orientação quanto à interpretação do texto desta Norma. O Órgão da PETROBRAS usuário desta Norma é o responsável pela adoção e aplicação dos seus itens.

Requisito Técnico: Prescrição estabelecida como a mais adequada e que deve ser utilizada estritamente em conformidade com esta Norma. Uma eventual resolução de não segui-la (“não-conformidade” com esta Norma) deve ter fundamentos técnico-gerenciais e deve ser aprovada e registrada pelo Órgão da PETROBRAS usuário desta Norma. É caracterizada pelos verbos:

“dever”, “ser”, “exigir”, “determinar” e outros verbos de caráter impositivo.

Prática Recomendada: Prescrição que pode ser utilizada nas condições previstas por esta Norma, mas que admite (e adverte sobre) a possibilidade de alternativa (não escrita nesta Norma) mais adequada à aplicação específica. A alternativa adotada deve ser aprovada e registrada pelo Órgão da PETROBRAS usuário desta Norma. É caracterizada pelos verbos:

“recomendar”, “poder”, “sugerir” e “aconselhar” (verbos de caráter não-impositivo). É indicada pela expressão: [Prática Recomendada].

Cópias dos registros das “não-conformidades” com esta Norma, que possam contribuir para o seu aprimoramento, devem ser enviadas para a CONTEC - Subcomissão Autora.

As propostas para revisão desta Norma devem ser enviadas à CONTEC - Subcomissão Autora, indicando a sua identificação alfanumérica e revisão, o item a ser revisado, a proposta de redação e a justificativa técnico-econômica. As propostas são apreciadas durante os trabalhos para alteração desta Norma.

“A presente Norma é titularidade exclusiva da PETRÓLEO BRASILEIRO S.A. - PETROBRAS, de uso interno na Companhia, e qualquer reprodução para utilização ou divulgação externa, sem a prévia e expressa autorização da titular, importa em ato ilícito nos termos da legislação pertinente, através da qual serão imputadas as responsabilidades cabíveis. A circulação externa será regulada mediante cláusula própria de Sigilo e Confidencialidade, nos termos do direito intelectual e propriedade industrial.”

termos do direito intelectual e propriedade industrial.” Apresentação As Normas Técnicas PETROBRAS são elaboradas

Apresentação

As Normas Técnicas PETROBRAS são elaboradas por Grupos de Trabalho - GTs (formados por especialistas da Companhia e das suas Subsidiárias), são comentadas pelas Unidades da Companhia e das suas Subsidiárias, são aprovadas pelas Subcomissões Autoras - SCs (formadas por técnicos de uma mesma especialidade, representando as Unidades da Companhia e as suas Subsidiárias) e homologadas pelo Núcleo Executivo (formado pelos representantes das Unidades da Companhia e das suas Subsidiárias). Uma Norma Técnica PETROBRAS está sujeita a revisão em qualquer tempo pela sua Subcomissão Autora e deve ser reanalisada a cada 5 anos para ser revalidada, revisada ou cancelada. As Normas Técnicas PETROBRAS são elaboradas em conformidade com a norma PETROBRAS N-1. Para informações completas sobre as Normas Técnicas PETROBRAS, ver Catálogo de Normas Técnicas PETROBRAS.

N-2830 OUT / 2006 SUMÁRIO 1 OBJE TIVO 3 2 DOCUMENTOS CO MPLEMENTARES 3 3

N-2830

N-2830 OUT / 2006
N-2830 OUT / 2006

OUT / 2006

SUMÁRIO

1 OBJETIVO

3

2 DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

3

3 DEFINIÇÕES

4

3.1 ALTA TENSÃO

4

3.2 ARCO ELÉTRICO

4

3.3 ÁREA DE PROTEÇÃO CONTRA ARCO ELÉTRICO

4

3.4 ATPV (“ARC THERMAL PERFORMANCE VALUE” - VALOR DE PROTEÇÃO TÉRMICA DO ARCO

 

ELÉTRICO)

4

3.5 BAIXA TENSÃO

 

5

3.6 “BREAKOPEN”

5

3.7 DISTÂNCIA DE TRABALHO

 

5

3.8 E BT (“BREAKOPEN THRESHOLD”)

5

3.9 TRABALHADOR AUTORIZADO

5

4 REQUISITOS DE PROJETO

 

6

4.1 REQUISITOS GERAIS

6

4.2 PAINÉIS ELÉTRICOS

6

5 REQUISITOS OPERACIONAIS

7

5.1 REQUISITOS GERAIS

7

5.2 OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO SEGURAS DAS INSTALAÇÕES

 

8

5.3 FERRAMENTAS DE TRABALHO

 

9

6 EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL E EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO COLETIVA

10

7 RESGATE E EMERGÊNCIA

 

12

ANEXO A - METODOLOGIAS DE CÁLCULO

 

14

A-1

CRITÉRIOS GERAIS

 

14

A-2 SELEÇÃO DA VESTIMENTA RESISTENTE A FOGO

 

14

A-3 IDENTIFICAÇÃO

NO

PAINEL

COM

ETIQUETA

VISÍVEL

DO

NÍVEL

DE

ENERGIA

INCIDENTE

E

DISTÂNCIA SEGURA DE APROXIMAÇÃO

 

14

 

FIGURA

 

FIGURA A-1 - IDENTIFICAÇÃO DE PAINEL

 

14

/OBJETIVO

1 OBJETIVO N-2830 OUT / 2006 1.1 Esta Norma estabelece requisitos mínimos de segurança em

1 OBJETIVO

N-2830

N-2830 OUT / 2006
N-2830 OUT / 2006

OUT / 2006

1.1 Esta Norma estabelece requisitos mínimos de segurança em projeto e construção de

ambientes e serviços de montagem, instalação, operação, inspeção e manutenção de painéis elétricos de alta e baixa tensão, a fim de eliminar ou evitar, e na impossibilidade

desta situação, minimizar os danos às pessoas e às instalações elétricas, causados por arco elétrico.

1.2 Esta Norma não se aplica a redes elétricas de transmissão e distribuição e seus

equipamentos e acessórios, tais como: transformador de distribuição, capacitor, chaves

seccionadoras, quadro de comandos, quadros disjuntores e pára-raios.

1.3 Esta Norma se aplica a partir da data de sua edição.

1.4 Esta Norma contém Requisitos Técnicos e Práticas Recomendadas.

2 DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Os documentos relacionados a seguir são citados no texto e contêm prescrições válidas para a presente Norma.

Portaria n o 598, 07/12/2004 - Norma

Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade; - Painel de Baixa Tensão - Centro de Distribuição de Carga;

- Painel de Média Tensão - Centro de Distribuição de Carga;

PETROBRAS N-2162 - Permissão para Trabalho;

- Equipamento de Proteção Individual - Capacete de Segurança para Uso na Indústria; - Isolação - Ferramentas Manuais até 1 000 V; - Luvas Isolantes de Borracha; - Calçado de Proteção - Determinação da Resistência de Solado à Passagem de Corrente Elétrica; - Exigências Técnicas de Segurança para

Construção de Calçado de Proteção; ASTM D120 - Standard Specification for Rubber Insulating Gloves;

ABNT NBR 12594

ABNT NBR 8221

PETROBRAS N-317

PETROBRAS N-316

-

Regulamentadora

n o

10

(NR-10)

ABNT NBR 9699 ABNT NBR 10622 ABNT NBR 12576

ASTM F496

- Standard Specification for In-Service Care of

ASTM F855

Insulating Gloves and Sleeves; - Standard Specifications for Temporary Protective

ASTM F1506

Grounds to Be Used on De-energized Electric Power Lines and Equipment; - Standard Performance Specification for Flame

ASTM F1891

Resistant Textile Materials for Wearing Apparel for Use by Electrical Workers Exposed to Momentary Electric Arc and Related Thermal Hazards; - Standard Specification for Arc and Flame Resistant Rainwear;

N-2830 OUT / 2006 ASTM F1959 - Standard Test Method for Determining the Arc ASTM

N-2830

N-2830 OUT / 2006
N-2830 OUT / 2006

OUT / 2006

ASTM F1959

- Standard Test Method for Determining the Arc

ASTM F2178

Thermal Performance Value of Materials for Clothing; - Standard Test Method for Determining the Arc

Rating of Face Protective Products; IEC 60900 - Live Working - Hand Tools for Use Up to

IEC 61010-1

1 000 V A. C. and 1 500 V D. C.; - Safety Requirements for Electrical Equipment for Measurement, Control and Laboratory Use - Part 1:

IEC 61057

General requirements; - Aerial Devices with Insulating Boom Used for Live

IEC 61230

Working; - Live Working - Portable Equipment for Earthing or

IEC 61478

Earthing and Short-Circuiting; - Live Working - Ladders of Insulating Material;

IEC 61641

- Enclosed Low-Voltage Switchgear and Controlgear

IEC 62271-200

Assemblies - Guide for Testing Under Conditions of Arcing Due to Internal Fault; - High-Voltage Switchgear and Controlgear -

IEEE 1584

Part 200: AC Metal-Enclosed Switchgear and Controlgear for Rated Voltages Above 1 kV and Up to and Including 52 kV; - Guide for Performing Arc-Flash Hazard

ISO 3873

Calculations; - Industrial Safety Helmets;

NFPA 70E

- Standard for Electrical Safety in the Workplace.

3 DEFINIÇÕES

Para os propósitos desta Norma são adotadas as definições indicadas nos itens 3.1 a 3.10.

3.1 Alta Tensão

Tensão superior a 1 000 volts em corrente alternada ou 1 500 volts em corrente contínua, entre fases ou entre fase e terra, conforme norma regulamentadora n o 10 (NR-10).

3.2 Arco Elétrico

Fluxo de corrente elétrica através do ar entre 2 condutores ou 1 condutor e a terra, liberando uma grande quantidade de energia em um tempo pequeno, resultando altas temperaturas.

3.3 Área de Proteção Contra Arco Elétrico

Entorno da parte condutora energizada, não segregada, acessível, de dimensões estabelecidas de acordo com o nível de tensão do painel, vetada a trabalhadores não autorizados.

3.4 ATPV (“Arc Thermal Performance Value” - Valor de Proteção Térmica do Arco Elétrico)

Energia incidente no material que resulta em transferência de calor suficiente para causar queimaduras de segundo grau.

3.5 Baixa Tensão N-2830 OUT / 2006 Tensão compreendida entre 50 volts e 1 000

3.5 Baixa Tensão

N-2830

N-2830 OUT / 2006
N-2830 OUT / 2006

OUT / 2006

Tensão compreendida entre 50 volts e 1 000 volts (50 V 1 000) em corrente alternada ou compreendida entre 120 volts e 1 500 volts (120 V 1 500) em corrente contínua, entre fases ou entre fase e terra, conforme norma regulamentadora n o 10 (NR-10).

3.6 “Breakopen”

Conforme norma ASTM F1959, critério de ensaio que define que qualquer abertura ocorrida na camada interna da roupa, em contato com a pele (próximo à parte protegida), maior do que 1,61 cm 2 (0,5 pol 2 ) de área ou rasgo maior do que 2,54 cm (1 pol) de comprimento significa que o nível de energia é superior ao especificado nesta Norma, portanto a roupa está reprovada para uso neste nível de energia.

Nota:

No certificado da roupa fornecido pelo fabricante deve constar claramente a aprovação neste ensaio.

3.7 Distância de Trabalho

Distância da face ou do peito do trabalhador para uma possível fonte geradora de arco elétrico, para a tarefa específica a ser executada.

3.8 E BT (“Breakopen Threshold”)

Valor médio dos 5 valores máximos de energia incidente que não provoca aberturas no tecido da roupa maior do que 1,61 cm 2 (0,5 pol 2 ) de área ou rachadura maior do que 2,54 cm (1 pol) de comprimento, e não excede o limiar de queimadura de segundo grau, conforme norma ASTM F1506.

3.9 Habilitação, Qualificação, Capacitação e Autorização dos Trabalhadores

Conforme critérios estabelecidos na norma regulamentadora n o 10 (NR-10).

3.9.1 Trabalhador Qualificado

Trabalhador que comprovar conclusão de curso específico na área elétrica reconhecido pelo Sistema Oficial de Ensino.

3.9.2 Profissional Legalmente Habilitado

Trabalhador previamente qualificado e com registro no conselho de classe competente.

3.9.3 Trabalhador Capacitado

Trabalhador que atenda às seguintes condições, simultaneamente:

a) receba capacitação sob orientação e responsabilidade de profissional habilitado e autorizado; e b) trabalhe sob a responsabilidade de profissional habilitado e autorizado.

N-2830 OUT / 2006 3.9.4 Trabalhador Autorizado Trabalhadores qualificados ou capacitados e os profissionais

N-2830

N-2830 OUT / 2006
N-2830 OUT / 2006

OUT / 2006

3.9.4 Trabalhador Autorizado

Trabalhadores qualificados ou capacitados e os profissionais habilitados, com anuência formal da empresa.

3.10 Monitor de Arco

Sensores que atuam desligando os disjuntores na presença de altas correntes e luz.

4 REQUISITOS DE PROJETO

4.1 Requisitos Gerais

4.1.1 Para novos projetos de sistema elétrico deve-se buscar atingir o nível de categoria de

risco II até 33,47 J/cm 2 (ou 8 cal/cm 2 ). Para instalações existentes não devem ser admitidos

valores acima de 167,36 J/cm 2 (ou 40 cal/cm 2 ), conforme estabelecido para categorias de risco IV, da norma NFPA 70E.

4.1.2 Para atingir os valores especificados no item 4.1.1 desta Norma, deve-se:

a) reduzir o tempo de atuação dos dispositivos de proteção para as correntes de curto-circuito a arco elétrico;

b) reduzir a corrente de curto-circuito a arco elétrico;

c) instalar monitor de arco;

d) reduzir a energia térmica do arco elétrico incidente na distância de trabalho, através da avaliação da necessidade de trabalho perto de equipamentos energizados.

4.1.3 A instalação elétrica projetada deve ser calculada conforme norma IEEE 1584 para

emissão do documento de projeto elétrico “Estudo do potencial de risco de arco elétrico no sistema elétrico da instalação”.

4.2 Painéis Elétricos

4.2.1

O

painel

elétrico

em

alta

tensão

deve

ter

classificação

conforme

norma

PETROBRAS N-317 e ser certificado conforme norma IEC 62271-200.

 

4.2.2

O

painel

elétrico

em

baixa

tensão

deve

ter

classificação

conforme

norma

PETROBRAS N-316 e ser certificado conforme norma IEC 61641.

4.2.3 Para painéis elétricos com possibilidade de geração de arco elétrico, o certificado de

ensaio do painel elétrico deve constar no Prontuário de Instalações Elétricas.

4.2.4 O painel elétrico deve possuir sinalização, conforme ANEXO A desta Norma.

N-2830 OUT / 2006 4.2.5 Deve ser prevista a sinalização no piso, através de pintura

N-2830

N-2830 OUT / 2006
N-2830 OUT / 2006

OUT / 2006

4.2.5 Deve ser prevista a sinalização no piso, através de pintura de uma faixa na cor amarela, da área de proteção contra arco elétrico.

5 REQUISITOS OPERACIONAIS

5.1 Requisitos Gerais

As seguintes atividades estão sujeitas a risco de arco elétrico:

a) trabalho em painel tipo Centro de Controle de Motores (CCM) com tensão superior a 240 V e inferior a 600 V:

- trabalho em circuitos de controle energizados com tensão superior a 120 V ca ou 125 V cc;

- inserção e remoção de gavetas no painel;

- trabalho em parte energizada exposta, inclusive teste de tensão;

- aplicação de aterramento provisório após teste de tensão;

- remoção de coberturas aparafusadas que exponham partes energizadas;

- operação da manopla da chave comutadora do transformador de corrente dos amperímetros;

b) trabalho em painel tipo Centro de Distribuição de Carga (CDC) com disjuntores com tensão superior a 240 V e inferior a 600 V:

- trabalho em parte energizada exposta, inclusive teste de tensão;

- trabalho nos circuitos de controle com tensão superior a 120 V ca ou 125 V cc exposta;

- inserção e remoção de disjuntores com portas abertas;

- aplicação de aterramento provisório após teste de tensão;

- remoção de coberturas aparafusadas que deixem expostos barramentos energizados;

- operação da manopla da chave comutadora do transformador de corrente dos amperímetros;

c) trabalho em painel CCM com tensão de 2,3 kV até 7,2 kV:

- operação de contator com a porta aberta;

- trabalho em parte energizada exposta, inclusive teste de tensão;

- trabalho nos circuitos de controle com tensão superior a 120 V ca ou 125 V cc exposta;

- inserção e remoção dos contatores e disjuntores dos painéis com a porta aberta;

- aplicação de aterramento provisório após teste de tensão;

- remoção de coberturas aparafusadas que deixem expostos barramentos energizados;

- abertura de coberturas com dobradiças que exponham barramentos ou partes energizadas;

- operação da manopla da chave comutadora do transformador de corrente dos amperímetros;

d) trabalho em painel blindado ou “metal clad” com tensão superior a 1 kV:

- operação de disjuntor ou chave fusível com portas abertas;

- trabalho em parte energizada exposta, inclusive teste de tensão;

- trabalho nos circuitos de controle com tensão superior a 120 V ca ou 125 V cc exposta;

- inserção e remoção de disjuntor dos painéis com a porta aberta;

- aplicação de aterramento provisório após teste de tensão;

- remoção de coberturas aparafusadas que deixem expostos barramentos energizados;

N-2830 OUT / 2006 - abertura de coberturas com dobradiças que exponham barramentos ou partes

N-2830

N-2830 OUT / 2006
N-2830 OUT / 2006

OUT / 2006

- abertura de coberturas com dobradiças que exponham barramentos ou partes energizadas;

- abertura de compartimentos de transformadores de tensão ou controle de transformadores de potência;

- operação da manopla da chave comutadora do transformador de corrente dos amperímetros;

e) trabalhos em outros equipamentos com tensão superior a 1 kV:

- trabalho em parte energizada exposta, inclusive teste de tensão;

- remoção de coberturas aparafusadas que deixem expostos barramentos energizados;

- abertura de coberturas com dobradiças que exponham barramentos ou partes energizadas;

- operação de chave seccionadora com porta aberta;

- operação da manopla da chave comutadora do transformador de corrente dos amperímetros;

f) trabalhos de termografia com porta aberta:

- inspeção;

- manutenção;

g) outras atividades que a análise de risco na unidade contemple.

5.2 Operação e Manutenção Seguras das Instalações

5.2.1 Para operação e manutenção segura das instalações elétricas devem ser atendidos

os requisitos estabelecidos na norma regulamentadora n o 10 (NR-10).

5.2.2 Somente é permitida a entrada na área de proteção contra arco elétrico, durante a

tarefa, das pessoas devidamente autorizadas e utilizando roupas com nível de proteção contra arco elétrico adequado à instalação, além dos EPI especificados para este serviço.

5.2.3 Os serviços em instalações elétricas energizadas em alta tensão não devem ser

realizados individualmente.

5.2.4 Todos os dispositivos de proteção devem ser mantidos em perfeita condição de

operação, calibrados e dentro de sua faixa de atuação.

5.2.5 Os painéis elétricos devem ser identificados através de plaquetas, com marcação

indelével, com o nível de tensão, nível de energia incidente e a distância segura de aproximação, conforme ANEXO A desta Norma.

5.2.6 Para intervenção em sistemas elétricos devem ser previstos procedimentos,

avaliações de risco, conforme seu nível, e Permissão para Trabalho (PT), conforme norma PETROBRAS N-2162.

5.2.7 Somente devem ser consideradas desenergizadas as instalações elétricas liberadas

para trabalho, mediante os procedimentos apropriados, conforme seqüência a seguir:

a) seccionamento;

b) impedimento de reenergização, através de bloqueio com cadeados ou sistema similar;

N-2830 OUT / 2006 c) constatação da ausência de tensão e tensão residual; Nota: É

N-2830

N-2830 OUT / 2006
N-2830 OUT / 2006

OUT / 2006

c) constatação da ausência de tensão e tensão residual;

Nota:

É recomendada a utilização de instrumento de medição de campo elétrico (sem contato físico com parte potencialmente energizada). [Prática Recomendada]

d) instalação de aterramento temporário com equipotencialização dos condutores dos circuitos;

e) proteção dos elementos energizados existentes na zona controlada;

f) dispositivos de travamento ou bloqueio, tais como: cadeados e lacres, devem ser utilizados em conjunto com as etiquetas de advertência, conforme norma PETROBRAS N-2162.

5.2.8 O estado de instalação desenergizada deve ser mantido até a autorização para

reenergização, que deve respeitar a seqüência de procedimentos abaixo:

a) retirada das ferramentas, utensílios e equipamentos;

b) retirada da zona controlada de todos os trabalhadores não envolvidos no processo de reenergização;

c) remoção do aterramento temporário, da equipotencialização e das proteções adicionais;

d) remoção da sinalização de impedimento de reenergização;

e) destravamento, se houver, e religação dos dispositivos de seccionamento.

5.2.9 Todos os painéis elétricos, anteriores à emissão desta Norma, devem ter sua energia

incidente calculada e aqueles que ultrapassarem 167,36 J/cm 2 (ou 40 cal/cm 2 ) devem adotar as medidas de controle estabelecidas no item 4.1.2 desta Norma.

5.2.10 Para qualquer alteração no sistema elétrico existente, a energia de arco incidente

dos painéis e equipamentos elétricos deve ser reavaliada e não deve ultrapassar os limites máximos especificados no item 4.1.1 desta Norma.

5.2.11 Durante a intervenção, e após análise preliminar de risco, devem ser previstos

equipamentos de proteção coletiva (EPC) e dispositivos de segurança tais como: bastão de manobra, detector de tensão, conjunto de aterramento temporário e tapete isolante.

5.3 Ferramentas de Trabalho

5.3.1 As ferramentas devem ser submetidas a testes elétricos e ensaios de laboratório

periódicos, conforme norma ABNT NBR 9699 e norma IEC 60900, além das recomendações

do fabricante.

5.3.2 Todas as ferramentas utilizadas em instalações e serviços em eletricidade devem

possuir isolamento mínimo para classe 1 000 V. A reposição de componentes deve ser por peças originais, com o mesmo nível de certificação.

5.3.3 As ferramentas devem ter gravado em seu corpo a norma atendida e a classe de

isolamento.

N-2830 OUT / 2006 5.3.4 As ferramentas devem ser fornecidas com certificado de ensaio emitido

N-2830

N-2830 OUT / 2006
N-2830 OUT / 2006

OUT / 2006

5.3.4 As ferramentas devem ser fornecidas com certificado de ensaio emitido por órgãos

reconhecidos pelo INMETRO.

5.3.5 Antes de cada uso, as ferramentas isoladas devem ser inspecionadas visualmente

pelos seus usuários.

5.3.6 As ferramentas devem ser mantidas permanentemente limpas e em bom estado de

conservação.

5.3.7 Quando

da

utilização

de

multímetro

digital,

os

seguintes

cuidados

devem

ser

tomados:

 
 

a) somente utilizar instrumento pertencente à Categoria III ou Categoria IV, conforme norma IEC 61010-1, com tensão de isolação mínima de 1 000 V;

b) deve estar gravado no corpo do instrumento a sua categoria;

c) somente utilizar pontas de prova que estejam em bom estado de conservação

e

com a indicação gravada da categoria e a classe de isolamento;

d) antes de efetuar qualquer medição com multímetro digital, verificar se foi selecionada corretamente a grandeza a ser medida;

e) caso seja necessária a substituição de fusível do instrumento, somente utilizar outro com as mesmas características do original (classe de tensão, corrente nominal e capacidade de interrupção);

f) instrumento deve estar calibrado e com certificado de calibração; observar se

o

a

calibração está dentro do prazo de validade.

Nota:

Em caso de utilização de instrumentos de medição, devem ser atendidos os seguintes requisitos:

a) estes sejam de seleção automática;

b) as ponteiras de teste do equipamento devem ser fixas ou, no caso de serem móveis, devem estar firmemente conectadas, além de seus bornes de conexão serem isolados.

5.3.8

Quando houver uma ocorrência de exposição da ferramenta ou instrumento ao arco

elétrico, estes devem ser descartados e substituídos por novos.

6 EQUIPAMENTOS

DE

PROTEÇÃO

PROTEÇÃO COLETIVA

INDIVIDUAL

E

EQUIPAMENTOS

DE

6.1 Especificação de EPI para Profissionais que Atuam em Serviços de Eletricidade

6.1.1 Para Uso Diário

a) calça e camisa ou macacão categoria de risco II até 33,47 J/cm 2 (8 cal/cm 2 ), com certificado de ensaio, conforme normas ASTM F1506 e F1959;

b) bota para eletricista, sem biqueira de aço e sem partes metálicas, com isolação para 14 kV / 1 min, sendo obrigatório o fornecedor apresentar o relatório de ensaio realizado por Entidade Certificadora, conforme normas ABNT NBR 12594 e NBR 12576;

N-2830 OUT / 2006 c) luva isolante de borracha, conforme norma ABNT NBR 10622 ;

N-2830

N-2830 OUT / 2006
N-2830 OUT / 2006

OUT / 2006

c) luva isolante de borracha, conforme norma ABNT NBR 10622;

d) óculos de segurança de policarbonato 2 mm para filtrar os raios ultravioleta;

e) capacete para eletricista com isolação 20 kV, classe B, devendo atender as normas ABNT NBR 8221 e ISO 3873; sendo obrigatório o fornecedor apresentar o relatório de ensaio realizado por Entidade Certificadora.

6.1.2 Para Uso em Manobras

a) macacão ou capa 7/8 ou equivalente, para proteção contra arco elétrico com ATPV mínimo maior ou igual à energia de arco incidente calculada, com certificado de ensaio, conforme normas ASTM F1506 e F1959;

b) protetor facial para proteção contra arco elétrico com ATPV mínimo maior ou igual à energia de arco incidente calculada, com certificado de ensaio, conforme norma ASTM F2178;

c) bota para eletricista com isolação para 14 kV/1 min, sendo obrigatório o fornecedor apresentar o relatório de ensaio realizado por Entidade Certificadora, conforme normas ABNT NBR 12594 e NBR 12576;

d) luva com ATPV mínimo maior ou igual à energia de arco incidente calculada, com certificado de ensaio, conforme normas ASTM D120 e ASTM F496;

e) luva isolante de borracha, conforme norma ABNT NBR 10622.

Nota: Cada unidade deve disponibilizar os EPIs de manobra adequados em todas as subestações e painéis elétricos existentes. Estes EPIs devem ser utilizados por todas as pessoas que executem tarefas de risco de queimadura por arco elétrico e devem ser apropriados para o nível de energia incidente na qual o trabalhador está exposto.

6.2 Requisitos das Vestimentas

6.2.1 Os requisitos para as vestimentas devem estar conforme os requisitos estabelecidos

nas normas ASTM F1506 e ASTM F1891:

a) as linhas utilizadas nas costuras das vestimentas devem ser de fibra resistente ao arco elétrico;

b) a etiqueta da vestimenta deve conter, no mínimo, as seguintes informações:

nome do fabricante, tamanho, instruções de cuidado, fibra utilizada e nível de energia de arco ATPV ou E BT ;

c) o nível de energia de arco ATPV ou E BT deve ser marcado também em parte visível da vestimenta;

d) botões, zíperes ou fechamentos da vestimenta devem ser de material não condutor; caso sejam de material condutor devem ser cobertos com material resistente ao arco na parte em contato com a pele ou roupa de baixo;

e) botões, zíperes ou fechamentos não devem degradar o desempenho de resistência ao arco da vestimenta;

f) as vestimentas devem cobrir completamente as áreas expostas ao arco elétrico;

g) as vestimentas devem possibilitar rápida e fácil remoção;

h) logos e nomes devem ser minimizados.

6.2.2 Deve ser fornecido junto com a vestimenta o seu respectivo certificado de ensaio de

laboratório conforme norma ASTM F1506.

N-2830 OUT / 2006 6.2.3 O fabricante da vestimenta, conjuntamente com o fabricante do tecido,

N-2830

N-2830 OUT / 2006
N-2830 OUT / 2006

OUT / 2006

6.2.3 O fabricante da vestimenta, conjuntamente com o fabricante do tecido, deve fornecer as instruções de cuidados, lavagem da vestimenta e sua vida útil.

Nota:

A lavagem das vestimentas deve seguir as instruções emitidas pelo fabricante.

6.3 Critérios para Substituição dos EPIs

Devem ser atendidos os critérios estabelecidos pelas unidades para substituição dos EPIs, onde devem ser observados os seguintes itens:

a) inspeção visual, e quando for observado sinais de desgaste, danos ou envelhecimento, que o EPI não seja mais utilizado, e seja providenciado outro para sua substituição;

b) utilização em situações extremas de trabalho, ou seja, quando houver uma exposição a situação real de proteção (ex.: forte impacto no capacete), o EPI deve ser descartado, mesmo que não apresente danos, ou desgastes visualmente;

c) no fornecimento de EPI contínuo (por exemplo em contratos globais), deve-se controlar a validade do CA;

d) EPIs (ex.: cinto de talabarte) que possuem dispositivos indicadores da necessidade de substituição, são dispensados da realização de ensaios;

e) identificação da necessidade de utilização de EPIs que ofereçam maior proteção;

f) recomendações do fabricante.

6.4 Especificação de EPC

6.4.1 Devem ser atendidos os requisitos estabelecidos pelas normas IEC 61057, IEC 61230, IEC 61478 e ASTM F855.

6.4.2 Devem ser utilizados tapetes de isolamento, compatível com o nível de tensão da instalação, em frente a todos os painéis de alta tensão existentes nas subestações.

Nota:

Deve ser criada rotina de inspeção para verificar se o isolamento do tapete foi afetado por contaminação.

6.5 Na execução das tarefas é proibido o uso de adornos (metálicos e não-metálicos), tais

como pulseira, relógio e broches, conforme norma regulamentadora n o 10 (NR-10).

6.6 Na execução das tarefas é proibido o uso de lentes de contato.

7 RESGATE E EMERGÊNCIA

7.1 As ações de emergência, que envolvam as instalações ou serviços com eletricidade,

devem constar do plano de emergência da unidade, devendo ser prevista a realização de simulados.

N-2830 OUT / 2006 7.2 Os trabalhadores autorizados devem estar aptos a executar o resgate

N-2830

N-2830 OUT / 2006
N-2830 OUT / 2006

OUT / 2006

7.2 Os trabalhadores autorizados devem estar aptos a executar o resgate e prestar

primeiros socorros a acidentados, especialmente por meio de reanimação cardiorespiratória, conforme norma regulamentadora n o 10 (NR-10).

Nota:

É

Recomendada]

recomendado

que

a

unidade

tenha

desfibrilador

portátil.

[Prática

7.3 A unidade deve possuir métodos de resgate padronizados e adequados às suas

atividades, disponibilizando os meios para a sua aplicação, para riscos à saúde do trabalhador em serviços de eletricidade.

7.4 Os trabalhadores autorizados devem estar aptos a manusear e operar equipamentos de

prevenção e combate a incêndio, existentes nas instalações elétricas.

7.5 Em cada sala de painel elétrico ou subestação, devem ser previstos bastão de

salvamento e manta anti-chama, instalados em locais de fácil acesso e devidamente identificado.

/ANEXO A

N-2830 OUT / 2006 ANEXO A - METODOLOGIAS DE CÁLCULO A-1 CRITÉRIOS GERAIS Para redução

N-2830

N-2830 OUT / 2006
N-2830 OUT / 2006

OUT / 2006

ANEXO A - METODOLOGIAS DE CÁLCULO

A-1 CRITÉRIOS GERAIS

Para redução do risco de queimaduras devido a arco elétrico a seguinte seqüência deve ser seguida:

a) cálculo da energia incidente causada por curto a arco, conforme norma IEEE 1584;

b) cálculo da distância segura de aproximação, conforme norma IEEE 1584;

c) seleção da vestimenta resistente a arco elétrico, conforme Capítulo A-2 deste ANEXO;

d) determinação das tarefas executadas que necessitam do EPI contra arco elétrico, acrescentando tarefas não descritas no item 5.1 desta Norma;

e) identificação no painel com etiqueta visível do nível de energia incidente e distância segura de aproximação, conforme o Capítulo A-3 deste ANEXO.

A-2 SELEÇÃO DA VESTIMENTA RESISTENTE A FOGO

A-2.1 Deve ser consultada a norma NFPA 70E para classificação de roupas de proteção contra arco.

A-2.2 A vestimenta de proteção deve ter um ATPV ou E BT superior à maior energia de arco calculada para cada subestação da unidade. A vestimenta deve incluir o capuz e as luvas com o mesmo ATPV ou E BT .

A-3 IDENTIFICAÇÃO NO PAINEL COM ETIQUETA VISÍVEL DO NÍVEL DE ENERGIA INCIDENTE E DISTÂNCIA SEGURA DE APROXIMAÇÃO

Após os cálculos de energia incidente devem ser colocadas etiquetas em todos os painéis com os níveis de energia incidente e distância segura.

PERIGO
PERIGO
RISCO DE ARCO ELÉTRICO E CHOQUE UTILIZE O EPI RECOMENDADO

RISCO DE ARCO ELÉTRICO E CHOQUE UTILIZE O EPI RECOMENDADO

NÍVEL DE TENSÃO:

V

DISTÂNCIA SEGURA DE APROXIMAÇÃO PARA ATIVIDADES SUJEITAS A ARCO ELÉTRICO:

ENERGIA INCIDENTE:

J/cm

2 (cal/cm 2 )

FIGURA A-1 - IDENTIFICAÇÃO DE PAINEL

N-2830 OUT / 2006 GRUPO DE TRABALHO - GT-16-56   Membros Nome Lotação Telefone Chave

N-2830

N-2830 OUT / 2006
N-2830 OUT / 2006

OUT / 2006

GRUPO DE TRABALHO - GT-16-56

 

Membros

Nome

Lotação

Telefone

Chave

Adilson da Silva Santiago

TRANSPETRO/DT/SUP/TEC

811-9255

CSJD

Alexandre Vieira

REFAP/CORPORATIVA/SM

857-2073

RFBY

Dilermando A. Ragone Lopes

AB-RE/TR/PL

814-8625

EDD6

Leandro Erthal

SMS/SG

819-1265

CSQD

Paulo Alberto Cardoso Alves

UN-BC/ST/EMI

861-2486

XDCY

Wagney Alves da Silva

UN-RIO/ST/EMI

861-2547

KMH5

William Maribondo Vinagre F.

UN-RNCE/ST/EIPA

834-3749

QNID

 

Secretário Técnico

Alexander Neri dos Santos

ENGENHARIA/SL/NORTEC

819-3086

EEDS