___________________________________________________________________________

Fatec “Estudante Rafael Almeida Camarinha” – Marília – Campi Marília - Pompéia

ESTÁGIO OBRIGATÓRIO REALIZADO NA FACULDADE DE TECNOLOGIA “ESTUDANTE RAFAEL ALMEIDA CAMARINHA” – MARÍLIA-SP
LABORATÓRIO DE PROCESSO

SANDRO MARCIO DA SILVA FONSECA

PROFª. MSC FLÁVIA MARIA VASQUES FARINAZZI MACHADO

Orientadora

MARÍLIA 2012

.... REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS.......... 2 ................................................................................................... ANEXOS......___________________________________________________________________________ Fatec “Estudante Rafael Almeida Camarinha” – Marília – Campi Marília .................................................................................................................................................................... CONCLUSÃO.................................................................... HISTÓRICO E ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA EMPRESA.......Pompéia SUMÁRIO I II III IV V VI INTRODUÇÃO..................................... PERFIL............................................ DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO.................................................

laranja. simplesmente. Persistente e com o intuito de impressionar o padeiro. cidra e a a massa passa por um processo de fermentação uva passa. O panetone é um pão adicionado de frutas cristalizadas ou chocolate4. e aprimorada deu origem ao Chocotone. por volta de 10.1. porém quase todos são feitos de três ingredientes básicos: farinha. natural que busca garantir que o e a Colomba Pascal. panetone 2. A Fermentação 3 .000 a. panetone fique com uma consistência macia. e foi assado provavelmente. Com o tempo a receita sofreu diversas inovações. Introdução O Panetone O pão mais antigo que se conhece data do período neolítico. A palavra panetone (do italiano panettone) tem sua origem no vocábulo milanês panattón2. Natal tem origem milanesa. um padeiro de modos rudes que não aprovava o namoro. com o tempo. O formato do pão totalmente diferente imitava a cúpula de uma igreja. membro da família Atellini. o rapaz inventou um pão com frutas de extrema delicadeza e de sabor especial. limão.. O sucesso foi imediato e o pão passou a ser chamado de pão do Toni. Os outros ingredientes utilizados na elaboração são: sal. O jovem presentou com o pão o futuro sogro e alcançou a tão sonhada permissão de casar-se com a amada. levedo ou fermento e água. e. foi o primeiro alimento elaborado pelo homem. Várias lendas tentam explicar a sua origem uma delas é a de um jovem milanês. figo. Sorvetone variações mais conhecidas da receita. que apaixonou-se pela linda filha de Toni.C. maçã. evoluindo para uma grande variedade. O pão doce de natal possui fragância discreta de baunilha e recheio de frutas secas tais Durante sua fabricação como damasco. ovos e leite. gordura. O panetone é um alimento tradicional da época de do norte da Itália.

cerveja. açúcares. Muitas substâncias químicas industriais e vários antibióticos usados em medicamentos modernos são produzidos através de fermentação sob condições controladas. e subprodutos industriais em 4 . como pepsina e renina que transformam comida em uma forma solúvel1. Exemplos de fermentação: são o azedamento de leite. É a base de processos industriais que convertem matérias-primas como grãos. A verdadeira causa da fermentação. Produtos de fermentação são usados desde a antiguidade. Suas enzimas invertase e zimase quebram açúcar em álcool e gás carbônico. enquanto estudando problemas dos cervejeiros e vinicultores da França. bactérias. mas um segundo tipo torna-o azedo. Esta descoberta conduziu-o à teoria da origem de doenças de Pasteur. O valor medicinal de produtos fermentados é conhecido de há muito tempo.Uma mudança química em matéria animal e vegetal provocada por leveduras microscópicas. produto da fermentação do leite é outra comida muito antiga. porém. Em alguns casos a fermentação é usada para modificar um material cuja modificação seria difícil ou muito cara se métodos químicos convencionais fossem escolhidos.Enzima é um catalisador natural que provoca uma mudança química sem ser afetada por isto1. não era compreendida até o século XIX. Bactérias azedam o leite produzindo ácido láctico e butírico. O resultado da fermentação é a quebra de uma substância em compostos mais simples. habitantes das cavernas descobriram que a carne envelhecida tem um sabor mais agradável que a carne fresca. Vinho. Os índios da America Central tratavam feridas infectadas com fungos1. Os chineses usavam coalho de feijão-soja mofado para curar infecções de pele há 3. e pão são tão velhos quanto a agricultura.000 anos atrás. A fermentação é sempre iniciada por enzimas formadas nas células dos organismos vivo. O cientista francês Louis Pasteur. O queijo. encontrou que um tipo de levedura produz vinho bom. e a conversão de açúcares e amidos em álcool. Elas crescem o pão e transformam suco de uva em vinho. A levedura é um fungo composto de minúsculas células tipo vegetais similares às bactérias. o crescimento da massa de pão. A química das fermentações é uma ciência nova que ainda está em suas fases s iniciais. ou mofos é chamada de fermentação. Células do corpo humano produzem enzimas digestivas.

a quantidade dos componentes dosimétricos na receita deve ser adaptada conforme as propriedades da farinha e o estado das formas de cozimento. A distribuição da massa é influenciada pela adição de bicarbonato de sódio e amônio. são usadas1.5%. a farinha começa a gelatinizar e assim que o vapor começa a sair às formas são preenchidas por completo (HASS. Aspectos fermentativos As reações que ocorrem: C6H12O6 = 2 C2H5OH + 2 CO2 Glicose (180g) = etanol (92g) + gás carbônico (88g/cm3) Neste trabalho objetivou-se a produção de Panetones macios e saborosos a partir de fermentação de uvas. 2011). pelo principio de levedação por vapor d’água como conseqüência da evaporação da água contida na formulação e na farinha. leveduras e bactérias. Às sobras de cozimento ou de recorte. nem sempre tem condições ideais para serem utilizadas na matéria-prima. Wafer Wafer é um tipo de massa de origem Belga com base em farinha e água. prensada em um ferro com temperaturas elevadas para imprimir textura sobre a massa. O processo de cocção resulta em uma umidade residual abaixo de 1. após a aplicação de creme. 2011).muitos produtos sintéticos diferentes. depois de serem retirados das formas os wafers passam por uma via de resfriamento e eventualmente são condicionados por umidade. devem-se considerar sobras de cozimento na ordem de 12 a 15% (HASS. resfriamento e corte. Cepas cuidadosamente selecionadas de bolores. são fabricados a partir de massas líquidas e viscosas. 5 . para alinhamento das placas nas instalações modernas na indústria. Devido a grande entalpia das formas de cozimento maciças. a massa aplicada é aquecida muito rapidamente. 2011). As placas previamente cortas e dimensionadas são embaladas imediatamente (HASS.

A sua filosofia consiste em substituir o modelo end of pipe (tratamento do resíduo gerado) por outros que evidenciam a prevenção dos impactos à saúde e ao meio ambiente (SILVA. concentrando-se não apenas no produto. criassem programas de produção mais limpa que significa a aplicação contínua de uma estratégia econômica. fez com que a Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (UNIDO) junto com o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (UNEP). que visualiza todas as fases do processo produtivo e do ciclo de vida de determinado produto. processo ou atividade que evite. sistema de gestão. ambiental e tecnológica integrada aos processos e produtos. Desta forma.A necessidade da indústria em buscar soluções definitivas para problemas de perdas. busca incorporar subprodutos da indústria de baixo valor agregado em produtos nobres. reduzindo a carga poluidora e minimizando o impacto ambiental (VALLE. com o objetivo de minimizar riscos à saúde do ser humano e ao meio ambiente. mas no benefício causado. Como nem sempre é factível não gerar resíduos em deliberados processo. normalmente dentro dos 6 . O tratamento constitui na utilização de tecnologias end of pipe para adequar os resíduos aos padrões da Legislação Ambiental antes de serem dispostos no meio ambiente. a minimização é a segunda melhor escolha. A produção limpa envolve minimização no uso de recursos e emissões. A minimização de resíduos envolve qualquer técnica. a viabilidade de novos produtos na qual os materiais são sistematicamente usados e reusados para aumentar significativamente a produtividade dos recursos e eficiência de matéria prima. elimine ou reduza a quantidade de resíduo gerada na fonte. a fim de aumentar a eficiência no uso de matérias-primas. através da não geração. A tendência é a adoção de produção limpa. seja de matéria-prima ou danos ambientais. 1998). O termo “Minimização de Resíduos” foi definido pela Agência de Proteção Ambiental Norte Americana (EPA) como: “toda ação tomada para reduzir a quantidade e/ou a toxicidade dos resíduos que requerem disposição final”. A indústria que reduz a quantidade de resíduo criado também obtém a redução de gastos com tratamento e disposição de resíduos. água e energia. 1995). minimização ou reciclagem de resíduos gerados em um processo produtivo (CNTL-1995).

pelo Governador Geraldo Alckmim e iniciou suas atividades acadêmicas em 22 de março de 2006 com o curso de Tecnologia em Alimentos e possui instalações próprias na Rua Castro Alves. A FATEC Marília é hoje o maior Pólo Industrial de Alimentos do Brasil.575. Vinculado à Secretaria de Desenvolvimento.1995). oferece cursos Superiores de Tecnologia ministrados nas 26 FATECs. São Bernardo do Campo. Marília ficou em 1º lugar em Desenvolvimento do Estado. Sua missão é "Formar profissionais competentes e éticos. Indaiatuba. Ourinhos. Foi apontada pela Unicef-ONU como Cidade Amiga da Criança e também reconhecida pelo Instituto Ayrton Senna como cidade Modelo de Educação. A 443 quilômetros de São Paulo. que une oportunidades de desenvolvimento econômico a muita qualidade de vida. Taquaritinga e Tatuí. São Paulo (3). Jundiaí. Garça. Cruzeiro. responsável pela educação profissional pública nos níveis técnico. nº 62. Tudo isso fez com que Marília se transformasse em pólo regional. Por apresentar este perfil de crescimento na área alimentícia. Santos. Carapicuíba. Guaratinguetá. diminuindo os custos de tratamento e protegendo o meio ambiente (CHEREMISINOFF. Praia Grande. através do Decreto nº 50. Mauá. capazes de enfrentar desafios na busca do desenvolvimento tecnológico. Mococa. São José do Rio Preto. Sorocaba. Marília. visando qualificar os trabalhadores que atuam no mercado de alimentos e abrindo novas oportunidades a todos que buscam ensino público com qualidade. ou permita a reutilização ou a reciclagem dos resíduos.limites do processo como sistema. O Centro Paula Souza é uma autarquia do Governo do Estado de São Paulo. Marília destaca-se no segmento 7 . Pindamonhangaba. São José dos Campos. sendo uma ótima opção de investimento.194 km² e aproximadamente 200 mil habitantes. Fundada em 1929. tecnológico e pós-graduação. A FATEC "Estudante Rafael Almeida Camarinha" (FATECMarília) foi criada em 02 de Março de 2006. Botucatu. social e econômico". localizadas nos municípios de Americana. É apontada como modelo em estrutura de ensino e como a quarta cidade mais segura do Estado. o Centro Paula Souza instalou uma Faculdade de Tecnologia (FATEC) em Marília. Itapetininga. Jaú. a cidade de Marília tem uma área total de 1. com índice positivo na geração de empregos nas indústrias de alimentos e demais segmentos. Através de pesquisa realizada pela FIPE-USP.

brixº e pH hora a hora Controle de tºC.industrial com a produção de alimentos e também com indústrias dos mais variados ramos: metalúrgica. brixº e pH hora a hora Controle de tºC. um centro polarizador. DIA 01/02/20 12 02/02/20 12 03/02/20 12 06/02/20 12 07/02/20 12 08/02/20 12 09/02/20 12 10/02/20 12 13/02/20 12 14/02/20 12 15/02/20 12 HORAS ATIVIDADES REALIZADAS NO LABORATÓRIO DE PROCESSO Preparação do Mosto para fermentação Controle de tºC. entre outras. brixº e pH hora a hora Adicionar o mosto fermentado a farinha. totalizando 1. brixº e pH hora a hora Controle de tºC. além de representar uma grande expressão econômica para a cidade. plásticos. DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO Quadro de atividades desenvolvidas durante o período de estágio obrigatório. 1. Controlar a fermentação Controle de tºC e pH hora a hora 6 6 6 6 6 6 6 6 6 Controle de tºC e pH hora a hora 6 6 Controle de tºC e pH hora a hora Fermentação do 1º impasto 8 . sendo considerada neste segmento. pois apresenta grande variedade e quantidade de produtos. gráfica. na área de desenvolvimento de novos produtos. construção civil.095 indústrias.. A cidade conta com estabelecimentos comerciais.

Controle de tºC e pH hora a hora Controle de tºC e pH hora a hora Fermentação do 1º impasto Fermentação do 2º impasto Finalização do produto (assamento) Reunião para desenvolver novo Produto Desenvolvimento da barra de cereais e drageados com aparas de wafer.retirada da gordura e lecetina 9 . brixº e pH hora a hora Adicionar o mosto fermentado a farinha para celíaco. brixº e pH hora a hora Controle de tºC.16/02/20 12 17/02/20 12 19/02/20 12 22/02/20 12 23/02/20 12 24/02/20 12 27/02/20 12 28/02/20 12 29/02/20 12 01/03/20 12 02/03/20 12 05/03/20 12 06/03/20 12 07/03/20 12 08/03/20 12 09/03/20 12 12/03/20 12 13/03/20 12 14/03/20 12 6 6 6 6 6 6 6 6 6 6 6 6 6 6 6 6 6 6 6 Fermentação do 2º impasto Finalização do produto (assamento) Desenvolvimento panetone para Celíaco Fermentação natural para celíaco Preparação do Mosto para fermentação Controle de tºC. Ajuste na formulação da Barra de cereais. brixº e pH hora a hora Controle de tºC. Desenvolvimento de barras de cereais Ajuste na formulação da Barra de cereais.

Anotou-se um repouso de 6 horas. ajuste na temperatura de adição dos sólidos. o restante. Produção da Barra de cereais para análise sensorial e a possibilidade compra. a massa foi cilindrada e dobrada 10 vezes. colocou-se para 10 . Em seguida a parte que sobrou foi utilizada para realizar o 1º impasto. utilizando batedeira planetária homogeneizou-se a massa por 10 minutos. Ajuste na formulação da Barra de cereais. a parte da massa fermentada representa 40% do total do peso da esponja. é farinha de trigo e água. Conforme tabela acima foram desenvolvidas as seguintes atividades no desenvolvimento para panetone de fermentação natural do 01/02/2012 ao dia 17/02/2012 segue abaixo: Foram selecionadas 100g de uvas brancas. após esse descanso foram adicionados 100ml de água e 20g de açúcar. adição de Sal. cada intervalo de 1 hora foi feito análise de pH e Brixº. Produção da Barra de cereais para análise centesimal Produção da Barra de cereais para análise de Texturométria.e controlado pH e temperatura de massa hora a hora . a cada 6 horas eram adicionados 100g de farinha de trigo e 10 g de açúcar este procedimento repetiu-se por 24 horas até que a massa dobrou de tamanho sovou-se novamente com farinha de trigo. foi reservado 50% da massa para servir como massa mãe. este procedimento repetiu-se por mais 2 vezes intercalando-se um descanso de 6 horas. 60%.15/03/20 12 16/03/20 12 19/03/20 12 20/03/20 12 21/03/20 12 6 6 6 6 6 Ajuste na formulação da Barra de cereais. Após esta etapa o líquido foi filtrado e misturado a 100g de farinha de trigo e 10g de açúcar. as mesmas foram lavadas e homogeneizadas em 100ml de água com o auxílio do liquidificador em um intervalo de 2 minutos em seguida este suco foi colocado em um recipiente vidro de 2 litros com 20g de açúcar.

a partir do início do preparo. Ingredientes da pré mistura para substituir a farinha de trigo.8. com umidade de 70%. 11 . Neste ponto a cultura já deve ter pH= 3. homogeneizou-se por 15 minutos em batedeira planetária. Misturar tudo e manter em repouso por mais 24 horas a 30ºC. e climatizado por 2 horas para ser finalmente embalado e finalizado. Quando for utilizar a cultura. leite. ela pode ser conservada refrigerada a 0ºC durante 3 a 4 dias. após este intervalo a massa é boleada e foram pesadas porções de 550 g em formas de papel próprio. o conjunto foi fracionado e solubilizado com água. transferiu-se para estufa a 30ºC. 3. por 6 horas. em seguida a massa foi assada em forno ciclo térmico por 25 minutos. Conforme tabela acima foram desenvolvidas as seguintes atividades no desenvolvimento de panetone de fermentação natural para celíacos do 19/02/2012 ao dia 08/03/2012 segue abaixo: 1. Pronta esta massa. Deixar repousar esta massa por 24 h a 30ºC. Repertir esta operação até que a cultura atinja sua maturação. Com 80 g da borra de vinho fazer uma massa misturando este líquido com 200 g de pré mistura de amido de milho. Amassar cerca de 200 gramas de uva e reservá-la por 36 a 40 horas a uma temperatura de 30 – 35ºC. sal e chocolate. farinha de trigo. acrescentar a esta massa 250 g de pré mistura sem adicionar água. Após este intervalo a esponja é levada para a batedeira com as gemas. Filtrar a uva amassada para obter a borra de vinho branco. realimentar a cultura refazendo Tabela 1.fermentar por 12 horas (2º impasto). Após 4 dias. 5. manteiga. Retirar 200 gramas desta massa e misturar novamente com 200 gramas de pré mistura e 100 gramas de água. aromas. 6. amido pré gelatinizado de inhame. Isto deverá ocorrer após 8 – 10 dias. Após as 24 h. 4. retirá-la da refrigeração 48 horas antes. 2. Manter em repouso por 5 horas a 30ºC. enzimas e 200 g de água. CMC e goma guar.

00004 % 0.97 % *Gemas utilizadas foram em unidades de ovos médios.628% 0. 12 .33x10 -4 % 75% 5% 10% 10% 0.628% 9.00004 3. Tabela 2.7% 0. Ingredientes Massa Mãe Pré mistura *Gemas Manteiga Leite em pó Chocolate fracionado Aroma de Chocolate Óleo de Laranja Açúcar Fermento biológico Sal Água Total Peso Kg 1052 452 15 un 220 100 500 10 10 500 20 20 300 3184 % 33.42% 99.33x10-4 % *% calculados sobre o peso do Amido de Milho e pré gelatinizado de Inhame.33x10-4 3.314 % 15.14% 15. Ingredientes para massa de panetone.7% 0.19 % 6.00004 % 0.04 % 14.9% 3.314 % 0.Ingredientes Amido de milho Pré gelatinizado de Inhame CMC Goma Guar *Hemicelulase *Lipase *α-amilase Peso 750 50 100 100 3.

As uvas passas e as macadâmias passaram por processo de minimização com a utilização de faca e placa de tecnil. transferiu-se para estufa a 30ºC. Após a incorporação das aparas à calda. tabelas 1 Com o auxilio de balança analítica e semi-analítica. a partir da formulação base. em seguida a massa foi assada em forno ciclo térmico por 25 minutos.5% de agentes de aglutinação. e assim adicionaram-se as aparas de wafer. utilizando em sua composição 52. é farinha de trigo e água. Submeteram-se os ingredientes à cocção e homogeneização até apresentar 70°C. à calda. e climatizado por 2 horas para ser finalmente embalado e finalizado. a parte da massa fermentada representa 40% do total do peso da esponja. sal e xarope de glicose até atingir temperatura de 95ºC e 85ºBrix. levou-se refrigeração com temperatura de 8º C por 20 13 . sal e chocolate. seguida de leve homogeneização. 60%. com umidade de 70%. aromas. Conforme tabela acima foram desenvolvidas as seguintes atividades no desenvolvimento de barras de cereais com aparas de wafer do 08/03/2012 ao dia 21/03/2012 segue abaixo: As barras de cereais foram confeccionadas no Laboratório de Processamento de Alimentos da Fatec de Marília/SP.Em seguida a parte que sobrou foi utilizada para realizar o 1º impasto. Elaborou-se a calda através da dissolução da maltodextrina em água a temperatura ambiente.5% de ingredientes secos e 47. a massa foi cilindrada e dobrada 10 vezes. com exceção do wafer. levou-se a fogo brando e adicionou-se à mistura o açúcar cristal. por 6 horas. homogeneizou-se por 15 minutos em batedeira planetária. realizouse a moldagem e laminação da massa. farinha de trigo. o restante. manteiga. Adicionou-se a base seca. seguindo metodologia descrita por Freitas e Moretti (2006). conforme estabelecida na formulação base. pesou-se os ingredientes de aglutinação e base seca. Após este intervalo a esponja é levada para a batedeira com as gemas. leite. colocou-se para fermentar por 12 horas (2º impasto). o conjunto foi fracionado e solubilizado com água. em formas próprias de aço inox com o auxilio de rolo e espátula. após este intervalo a massa é boleada e foram pesadas porções de 550 g em formas de papel próprio. utilizando batedeira planetária homogeneizou-se a massa por 10 minutos.

14 . respectivamente. Segue abaixo conforme descrito o fluxograma do processo de produção da barra de cereal com aparas de wafer. Figura 5-Fluxograma de elaboração da barra de cereais.minutos. Utilizou-se e embalagem de filme PVC para o armazenamento das porções de 15 gramas e posterior análise sensorial e centesimal. “Estudante Rafael Camarinha” de Marília. realizadas no campus da Fatec de Garça e nos laboratórios de análises da Fatec.

G. BONAMIGO. sugestões para a melhor adequação do conteúdo administrado em sala de aula.0: aplicações estatísticas nas áreas das ciências biomédicas.L.Austria.Sarvier/2008. para aqueles que desenvolveram o estágio no local de trabalho. Belém: Sociedade Civil Mamirauá. Hass information. CONCLUSÃO Nesse item você deve escrever uma conclusão particular sobre o período de estágio obrigatório que desenvolveu. disponível em <http:www. as sugestões para melhoria de processos. N. HEARD. 1988. GUTKOSKI. e. FLEET. A. 3.br/article.G. resultados. S. Occurrence and growth of yeast species during the fermentation of grape juice. HEARD.php? recid=186>acesso em 25/09/2010 4. 22-25 .Karl Tiefenbacher. Bacteriol. J apple.azeite. P. 1986. D. relacionamentos.H. G.G. Nutrição e técnica dietética. Dr. 6. 23-28.TEIXEIRA. incluindo: as dificuldades encontradas na empresa/instituição relacionadas à estrutura. AYRES JR.38 p. BioEstat 5. 5. CHEREMISINOFF. 65 p. FLEET. Waste minimization and cost reduction for the process industries. 324p (CNTL) Centro Nacional de Tecnologias Limpas SENAI-Rio Grande do Sul-1995.S.com. PEDÓ. HASS. Belém: Imprensa Oficial do Estado do Pará.M. Desenvolvimento de barras de cereais à base de aveia com alto teor de fibra alimentar. M. etc.H. 2-Pandurata Alimentos Ltda. 15 . PHILIPPI.Pesquisa & Desenvolvimento... Resumo de tecnologia 20/05/2011. São Paulo Manole. 2006. Franz Hass Waffelmaschinen AG. SANTOS. o seu crescimento com a oportunidade do estágio.M. relacionamentos chefes-funcionários. AYRES M.Sumário Tecnológico. V.. Food Technol. Leobendorf . REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1-Lehninger-Princípios da Bioquímica/Kay Yarbouger Nelson/Albert Lester Leninger/Ed. procedimentos. AYRES. TIEFENBACHER.IV. Austr..T.Wafers planos e ocos. The effects the temperature and pH on the growth of yeast species during the fermentation of some Australian wine. Brasília: Ministério da Ciência e Tecnologia.Abril de 2007. 2007.História do Panetone. qual a contribuição do curso no sentido de permitir ou não uma nova visão das atividades de sua rotina.

ANEXOS Nesse item você deve apresentar alguma figura.L.São Paulo. área de concentração tecnologia de alimentos. M. 105 p. 2006. VALLE. n. Associação dos Celíacos do Brasil – ACELBRA História do panetone. São Paulo: Pioneira.org. Nutrição e técnica dietética. e deve ser apresentado em páginas individuais.P. Apostila da Disciplina Tratamento de Efluentes Industriais. 16 . 8. 7678. VI. Curso de mestrado em tecnologia química. Por que vale adotar a produção limpa.Enzimas como Agentes Biotecnológicos/ Suraia Said e Rosimeire C. Bq.php?recid=186> acesso em 13/10/2010. C.com. disponível em http://www. São Paulo: Manole.br/cntl/ acessado 20 de Março de 2012 às 20h30min. U. fluxograma. PHILIPPI. organograma da empresa ou algum gráfico citado em qualquer ponto do relatório.azeite. 1995. S. 113 p.2004. www. v.unido.org/index. ANEXO III. 77.R. fotografia.php?id=1001367 acessado 12 de Março de 2012 às 21h35min. Pietro-Ribeirão Preto:Legis Suma.L. Nesse item você deve apresentar as referências conforme as normas da ABNT-NR 6023. 1998.br/article. T. SILVA. Qualidade ambiental: o desafio de ser competitivo protegendo o meio ambiente.E. ANEXO II. SAID/PIETRO.out. etc. p.qualidade. Cada um deve ter a identificação no texto como ANEXO I.PAWLOWSKY. Curitiba: UFPR. 1998. www.senairs.

todos escritos em letra Arial 12 com a primeira letra maiúscula e em negrito. 17 . margens superior e esquerda 3. Quanto à formatação do parágrafo. Ex: I. devem estar localizados em alinhamento justificado na primeira linha da página. todos escritos em letra Arial 12 maiúscula e em negrito. No caso de serem utilizados subtítulos. com números ao lado direito inferior da página. Colocar cada item em uma folha. sem recuos nem espaçamentos.0 cm e inferior e direita 2. 2. As páginas devem ser numeradas à partir da Introdução.0 cm. Quanto à formatação do parágrafo.NORMAS PARA ESCREVER O RELATÓRIO 1. devem estar localizados em alinhamento justificado na primeira linha da página. Ex: V. INTRODUÇÃO 5. Os títulos devem ser precedidos de números em algarismos romanos. estes devem estar posicionados duas linhas abaixo do título (dois enter). Configuração de páginas: papel A4. sem recuos nem espaçamentos. Deixar no cabeçalho o timbre do Centro Paula Souza no canto superior direito (como está exemplificado nesta página) 3. Devem ser precedidos por números como o exemplo abaixo. Os números devem ser na letra Arial tamanho 10) 4. DESCRIÇÃO DE ATIVIDADES 5. funcionários e professores.1 Serviço de fotocópias de materiais de cunho acadêmico e administrativo para direção.

SILVA & CASTRO (2001). Quando forem citados após o final do parágrafo. etc). Deve ser escrito em letra Arial 12. termos eruditos. supervisor de estágio. SANTOS. Podem ser usados dados relatados pelo proprietário da empresa. frases de efeito. rodeios. COSTA. livro ou qualquer outra fonte for citado na elaboração do texto. entre parênteses.. Quanto à formatação do parágrafo. gírias. devem ser escritos em letras maiúsculas. empregados ou pesquisados em referenciais teóricos.5 entre linhas. separados por ponto e vírgula e dispostos em ordem cronológica crescente (por exemplo: SILVA et al. os AUTORES devem ser escritos. SILVA et al. 18 . O texto deve ter início duas linhas (dois enter) abaixo do título ou subtítulo. sem recuos e o espaçamento deve ser 1. Não empregar: figuras de linguagem. 2001. no corpo do texto. com letras maiúsculas (por exemplo: SILVA (2001). aparecer em alinhamento justificado. Toda vez que um artigo. (2001).6. O texto deve ser escrito na 3a pessoa do singular (impessoal) em linguagem científica (vocabulário coloquial adequado). 2008). 2004. Sua citação nas Referências Bibliográficas deve obedecer às normas da ABNT-NR 6023.

Interesses relacionados