Você está na página 1de 63

Instalação da obra

Índice

VISTORIA TÉCNICA CAUTELAR........................................................................3 CANTEIRO DE OBRAS E SERVIÇOS..............................................................10 EDIFICAÇÕES PROVISÓRIAS DE APOIO.......................................................13 SINALIZAÇÃO E PROTEÇÃO...........................................................................38 Critérios de medição e pagamento.....................................................................51

VISTORIA TÉCNICA CAUTELAR

Objetivo

Fixar os procedimentos necessários a elaboração de documento que caracterize o estado atual de um imóvel, antes do início das obras a serem executadas pela PMP, dirimindo, assim, dúvidas futuras quanto a possíveis danos que possam ser causados a esses próprios e resguardando os direitos de ambas as partes.

Competência

É de responsabilidade da Contratada, a elaboração da Vistoria Técnica Cautelar, conforme disposto nos editais da PMP, devidamente inserido no Termo de Referência de Obras e Serviços. Essa Vistoria Cautelar, deverá ser elaborada por profissional habilitado em Avaliação e Perícia Técnica, registrado no Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia. É necessário, para atendimento legal, apresentar a Anotação de Responsabilidade Técnica dos trabalhos (ART). É previsto um prazo máximo de 15 (quinze) dias para conclusão dos serviços. A documentação produzida, permanecerá no escritório de Fiscalização para as consultas das partes intervenientes. Os custos são considerados incluídos na composição ofertada pela Contratada. O formulário modelo da Vistoria Cautelar é apresentado no final deste subtítulo.

Metodologia de Execução

Quanto à execução da Vistoria Cautelar, recomenda-se utilizar uma Ficha de Registro, a qual é formatada em impresso padronizado de obtenção de informações necessárias e pertinentes, que deverá ser preenchida conforme instruções abaixo:

  • 0 • Localização

    • 1 Informar no documento técnico o número do lote, número da quadra,

nome da rua, número e bairro onde se situa o imóvel a ser vistoriado. Indicar o tipo de

zoneamento e a classificação viária conforme a Lei de Uso e Ocupação do Solo. • Infra-estrutura Urbana

Identificar o pavimento da via e seu tipo. Registrar os equipamentos e serviços públicos constantes da via, tais como rede de abastecimento de água, rede de esgoto, energia elétrica, telefonia , transporte coletivo e outros.

•Descrição do lote/terreno Anotar na descrição, as dimensões do perímetro da área, sua conformidade, declividade, indicando seu relevo topográfico, confrontações com imóveis contíguos nas laterais, frente e fundos e sua situação de declive ou aclive com relação a via, indicando também a classificação viária. •Tipo de edificação Explicitar se o imóvel é residencial, comercial, industrial ou institucional. Registrar, também, se é casa, edifício de apartamentos, edifícios de escritórios, galpão e benfeitorias de apoio como barracões, edículas, garagens, anexos e cobertas. • Posturas municipais O vistoriador será orientado para levantar a real situação do imóvel em relação as posturas municipais. •Descrição dos imóveis Elaborar “croquis” expedito da planta da edificação e benfeitorias, se houver, contendo os cômodos e suas identificações, a idade aparente do imóvel, sua idade real e o estado de conservação aparente, ou seja, a manutenção geral, comprometimento físico na estrutura ou nos acabamentos. •Descrição dos acabamentos Descrever os tipos de telhados, forros, revestimentos, pinturas, pisos e atual estado de conservação dos mesmos. •Descrição das instalações hidráulicas e elétricas Descrever o atual estado de conservação destas instalações com observações eventuais quanto a mofos, umidades, vazamentos, desplacamentos, pontas de condutos elétricos desprotegidas, ligações provisórias de risco, sinais de curto circuito, etc.

•Ficha de registro Utilizar formulário padronizado para as informações acima, conforme inserido neste texto no final deste subtítulo. • Registro fotográfico Registrar, fotograficamente, todas as ocorrências notáveis, como fissuras, trincas, rachaduras, umidades, vazamentos, centrando as imagens nestes focos com boa iluminação e nitidez.

Vistoria Técnica Cautelar

Quando necessário, acrescentar à imagem, referências em termos de objetos ou números identificatórios, para melhor análise e referência de proporção. Pode-se observar no final do subtítulo, o modelo a ser apresentado. • Apresentação final Paginar 2 (duas) fotos, sempre na posição horizontal em cada folha e apresentar os descritivos pertinentes abaixo das fotos. Fotografar, a placa da obra, trecho e fachada do imóvel, de maneira a captar na imagem, seu entorno imediato. Numerar e datar as fotos. É importante a data em cada foto da vistoria, sem a qual, a vistoria poderá perder efeitos legais. O documento deverá conter as assinaturas do engenheiro vistoriador e respectivo número de registro no CREA. O proprietário ou inquilino, também assinará a vistoria concordando com o trabalho efetuado. Em caso de discordância, verificar as razões e procurar a solução que se justificar. Na situação de não ser permitido a vistoria ou recusa de sua assinatura, o vistoriador deve proceder na ficha de vistoria, breve informação neste sentido, apondo sua assinatura, acompanhada, também, da assinatura de duas testemunhas com registro de identidade, endereço e/ou telefone.

Vistoria Técnica Cautelar – Terreno/Benfeitorias

Localização

Obra: ........................................................................................................................ Proprietário/inquilino: ......................................................................................................... Endereço: .......................................................................................................................... Bairro: ................................................................................................................................

Dados cadastrais

Rede de água domiciliar

( ) Sim ( ) Não

Rede de esgotos sanitários

(

) “

(

) “

Rede de energia elétrica

(

) “

(

) “

Transporte coletivo

(

) “

(

) “

Coleta de lixo domiciliar

(

) “

(

) “

Descrição do lote/terreno

Área: ................................................................................................................................. .......... Formato da área: ................................................................................................................................. ......... Relevo topográfico interno do terreno: ............................................................................. Largura da testada para a via pública: ............................................................................. Confrontações laterais e de fundos: ............................................................................ Tipo de vedação: ............................................................................................................... Zoneamento do terreno: ................................................................................................... Classificação viária: ........................................................................................................... Área de risco: ...................................................................................................................

Tipo de edificação e benfeitorias

( ) Residencial ( ) Galpão ( ) Comercial ( ) Barracão ( ) Industrial ( ) Edícula ( ) Institucional ( ) Coberta

Posturas municipais

Planta aprovada

( ) Sim ( ) Não ( ) Sem informações

Projeto estrutural

(

) “

(

) “

(

) “

Projeto hidráulico/elétrico

(

) “

(

) “

(

) “

Alvará

(

) “

(

) “

(

) “

Baixa de construção

(

) “

(

) “

(

) “

Planta baixa

( ) Numero de pavimentos ( ) Salas ( ) Quartos ( ) Copa ( ) Varanda ( ) Banheiro ( ) Garagem ( ) Coberta ( ) Cozinha ( ) Outras dependências Área construída:

Fundação ( ) Estaca ( ) Tubulão ( ) Sapata corrida Outras informações Paredes/revestimento: ( ) Sim ( ) Não Croquis: (formato, dimensões do perímetro)

Vistoria Técnica Cautelar – Terreno/Benfeitorias

Pintura: (látex, caiação, látex emassada) Varanda: Quartos: Cozinha: Garagem:

Sala: Copa: Banheiro: Área de serviço:

Piso: (tábua corrida, taqueado, cimentado, cerâmica, paviflex, ardósia)outros :

Varanda: Quartos: Cozinha: Garagem:

Sala: Copa: Banheiro: Área de serviço:

Cobertura

( ) Telha francesa ( ) Amianto ( ) Colonial ( ) Laje maciça ( ) Outras :

Ocorrência de patologia

Patologia Varanda Sala Quartos Copa Cozinha Banheiro Garagem Serviço

Fissuras

( )

( )

( )

( )

( )

( )

( )

( )

Trincas

( )

( )

( )

( )

( )

( )

( )

( )

Mofos

( )

( )

( )

( )

( )

( )

( )

( )

Vazamentos

( )

( )

( )

( )

( )

( )

( )

( )

Instalações

( ) Instalação hidráulica ( ) Com vazamentos

( ) Instalação elétrica ( ) Com defeitos

( ) Cisterna ( ) Sim ( ) Não

( ) Canil ( ) Sim ( ) Não

( ) Arvores ( ) Frutíferas ( ) Outras

Documentação Fotográfica

Foto da placa

( ) Sim ( ) Não

Foto da obra

(

) “

(

) “

Foto da via

(

) “

(

) “

Foto do passeio

(

) “

(

) “

Foto da fachada

(

) “

(

) “

Área de risco

(

) “

(

) “

Reconhecimento da vistoria e observações

Observações: ....................................................................................................................

.....................................

Local e data :

/

/

 

,

_____

_____

_____

________________________________________________

Eng.º Vistoriador – CREA n.º

________________________________________________

Proprietário / inquilino

Testemunhas:

Identidade n.º

Endereço:

Telefone:

Identidade n.º

Endereço:

Telefone:

CANTEIRO DE OBRAS E SERVIÇOS

Objetivo

O Canteiro de Obras e Serviços, para efeito deste Caderno de Encargos, compreende

todas as instalações provisórias executadas junto à área a ser urbanizada, com a

finalidade de garantir condições adequadas de trabalho, abrigo, segurança e higiene a

todos os elementos envolvidos, direta ou indiretamente na execução da obra, além

dos equipamentos e elementos necessários à sua execução e identificação.

Metodologia de execução

A instalação do canteiro de obras e serviços, deverá ser orientada pela Fiscalização

que aprovará ou não as indicações das áreas para sua implantação física, devendo a

Contratada visitar previamente o local das obras informando-se das condições

existentes.

A Contratada deverá apresentar disposição física do canteiro de serviços e submetê-lo

à aprovação da Fiscalização, dentro do prazo máximo de dois dias, após a data de

emissão da ordem de serviço (OS).

Instalações

O canteiro deverá ser constituído de todas as instalações necessárias ao seu

funcionamento, em consonância com as prescrições contidas nas “Normas

Regulamentadoras de Segurança e Medicina do Trabalho (1) , tais como:

escritório de obra;

escritório da Contratada;

vestiário com acomodações adequadas às necessidades e ao uso do pessoal

de obra;

depósito e ferramentaria para a guarda e abrigo de materiais e equipamentos;

instalações sanitárias compatíveis com o efetivo da obra;

tapumes e portões limitando a área de construção;

abertura de eventuais caminhos de serviço e acessos provisórios;

ligações provisórias e respectivas instalações de água, esgoto, telefone, luz e

energia.

Prioritariamente, deverá ser executado o escritório da Fiscalização.

No canteiro de obras deverão ser mantidos: diário de obras, projeto executivo

completo, edital, contrato, planilha, ordem de serviço inicial, cronograma, plano de

segurança, projeto de sinalização, controle meteorológico, anotação de

responsabilidade técnica (ART), inscrição no INSS, alvará de instalação, caderno de

encargos, cadastros de instalações da Cemig, Copasa, Telemar, BHTrans, redes de

teleprocessamento e eventuais licenciamentos da Secretaria Municipal de Meio

Ambiente (SMMAS).

Enfatiza-se a disponibilidade permanente de todos os documentos acima

relacionados, porquanto são fontes de consultas diárias, objetivando qualidade,

segurança e regularidade fiscal da obra.

Os documentos anteriormente relacionados devem ser afixados em painel próprio, e

em local visível a planta geral da obra, cronograma, controle meteorológico, alvará de

instalação, anotação de responsabilidade técnica (ART), inscrição no INSS e

licenciamentos eventuais.

Compete à Contratada manter o Diário de Obras no Escritório da Fiscalização,

registrando no mesmo, as etapas de trabalho, equipamentos, número de operários,

ocorrências, com os detalhes necessários ao entendimento da Fiscalização, que

aprovará ou retificará as anotações efetuadas pela Contratada. A escrituração do

Diário de Obras tem prazo máximo de 48 horas para encerramento de cada parte

diária.

Para definir com clareza o período de vigência do Diário de Obras, a Fiscalização

formalizará os termos de abertura e encerramento, em páginas separadas somente

para este fim.

Os termos de abertura e encerramento do Diário de Obras serão formalizados na

primeira e última página deste documento, além do texto principal, mencionando-se o

número e data do edital, contrato e ordem de serviço inicial.

Os padrões e ligações provisórias de água, esgoto, luz e telefonia deverão ser

executados de modo a atender às necessidades de demanda da obra, devendo ser

obedecidas as normas da ABNT e das concessionárias.

Quando da impossibilidade de ligação de esgoto à rede pública, deverá ser executada

uma fossa séptica atendendo, às observações contidas na norma NBR-7229-82 (4)

“Fossas Sépticas -Definições e prescrições ” , tanto em relação aos materiais a

serem utilizados quanto à correta técnica operatória. O sumidouro será dimensionado

em função da capacidade de absorção do solo. Observada a redução de capacidade

de absorção do sumidouro, nova unidade deverá ser construída, para recuperação da

capacidade perdida. Os sumidouros não devem atingir o lençol freático, sendo sua

capacidade mínima, a mesma da fossa séptica contribuinte. Em relação ao sumidouro

ou tanque absorvente e o tanque séptico, estes deverão ser limpos e aterrados ao final

da obra.

O canteiro de serviços deverá oferecer condições adequadas de proteção contra

roubo e incêndio e suas instalações, maquinário e equipamentos deverão propiciar

condições adequadas de proteção e segurança aos trabalhadores e a terceiros,

conforme as especificações contidas no “Art. 170, Seções I a XIV, da Lei 6.514/77 que

altera o Cap. 5 da Consolidação das Leis do Trabalho (5) , bem como as suas

respectivas “Normas Regulamentadoras de Segurança e Medicina do Trabalho (1)

.Todos os elementos componentes do canteiro de obras e serviços, deverão ser

mantidos em permanente estado de limpeza, higiene e conservação.

A escolha do tipo de escritório de obra, barracão, vestiário, instalações sanitárias,

refeitório, depósito e ferramentaria a ser utilizado, será realizada mediante a consulta

ao Quadro à página 27, em anexo, que define a função do valor da obra e/ou do seu

efetivo médio de funcionários.

A critério da Contratada, com a anuência da Fiscalização, os escritórios de obra

(Fiscalização e Contratada), podem ser substituídos por “containers” e mesmo até,

quando a situação assim o recomendar, poderá ser alugado um imóvel próximo à

obra, visando melhor abrigar a estrutura. Nessas situações, não haverá acréscimo de

nenhum ônus à PBH, sendo que, toda as exigências referenciadas pelas Normas

Regulamentadoras do Ministério do Trabalho e da PBH, deverão ser respeitadas e

atendidas.

EDIFICAÇÕES PROVISÓRIAS DE APOIO

Tipos de instalações de obras

Instalação

Tipo

Área

Porte

Efetivo

Valor da obra

(m2)

Escritório da

I

17

     

Fiscalização

Escritório da Contratada

I

17

0

Vestiário

I

25

Pequena

0 – 30

a

Depósito e

   

R$ 250.000,00

ferramentaria

I

20

Instalações sanitárias

I

10

Escritório da

         

Fiscalização

I

17

Escritório da Contratada

I

17

R$ 250.000,00

Vestiário

II

67,5

Média

30 – 60

a

Depósito e

   

R$ 1.000.000,00

ferramentaria

II

25

Instalações sanitárias

II

22

Refeitório

I

18

Escritório da

         

Fiscalização

II

25

Escritório da Contratada

II

25

     

Grande

> 60

> R$

Vestiário

III

90

1.000.000,00

Depósito e

   

ferramentaria

IIl

40

Instalações sanitárias

IIl

30

Refeitório

II

25

Os escritórios e barracões devem obedecer à padronização única, descrita a seguir:

Objetivo

Esta padronização tem como objetivo estabelecer a forma, dimensão e especificações

do escritório da Fiscalização, padrão PBH – tipo I, a ser utilizado em obras de pequeno

e médio porte, tal como referenciado no quadro de Tipos de Instalações de Obras. Na

Figura 1 podese observar uma planta baixa do citado padrão.

Objetivo Esta padronização tem como objetivo estabelecer a forma, dimensão e especificações do escritório da Fiscalização,

Aplicação

Este escritório da Fiscalização de obras tipo “I” deverá ser usado em todas as obras

da PBH de pequeno e médio porte e de curta e média duração. Por constituir uma

edificação temporária e necessária à construção das obras, deverá ser considerado o

seu reaproveitamento em outras obras.

Será de responsabilidade da Contratada o fornecimento dos seguintes componentes,

já inclusos na composição de preços unitários: móveis e utensílios em geral (1

geladeira, 1 mesa, 7 cadeiras, 1 mesa de reunião de 1,20 m, 1 armário aço arquivo

com 3 gavetas e 1 mapoteca); material e equipamentos de escritório, máquinas de

calcular, materiais e equipamentos de limpeza, produtos para higiene ambiental e

pessoal e materiais para segurança das instalações, louças, metais e acessórios.

No caso de obras de médio porte a Contratada irá fornecer um computador,

compatível com as necessidades da obra, de conformidade com o disposto no Termo

de Referência, cujo custo está incluso na taxa relativa aos Benefícios e Despesas

Indiretas (BDI). A Contratada disponibilizará um sistema de telefonia à PBH, não

sendo portanto objeto de medição à parte.

Escritório da Fiscalização tipo II

Objetivo

Esta padronização tem como objetivo estabelecer a forma, dimensão e especificações

do escritório da Fiscalização, padrão PBH – tipo “II”, a ser utilizado em obras de

grande porte, tal como referenciado no quadro de Tipos de Instalações de Obras. Na

Figura 2 pode-se observar uma planta baixa do citado padrão

calcular, materiais e equipamentos de limpeza, produtos para higiene ambiental e pessoal e materiais para segurança

Aplicação

Este escritório da Fiscalização tipo “II” deverá ser usado em todas as obras da PBH de

grande porte e longa duração. Por constituir uma edificação temporária e necessária à

construção das obras, deverá ser considerado o seu reaproveitamento em outras.

Será de responsabilidade da Contratada o fornecimento dos seguintes componentes,

já inclusos na composição de preços unitários: móveis e utensílios em geral (2 mesas,

8 cadeiras, 2 armários de aço arquivo com 3 gavetas, 1 mesa de reunião redonda

diâmetro 1,20 m, 1 geladeira e 1 mapoteca), material e equipamentos de escritório,

máquinas de calcular e computador, materiais e equipamentos de limpeza, produtos

para higiene ambiental e pessoal, louças, metais e acessórios, materiais para

segurança das instalações, sistema de telefonia, a ser disponibilizado pela Contratada,

este último não devendo ser incluso na medição.

No caso do computador, quando solicitado no Termo de Referência, o seu custo está

contemplado na taxa relativa à Bonificação de Despesas Indiretas (BDI).

Escritório da Fiscalização tipo I

Objetivo

Esta padronização tem como objetivo estabelecer a forma, dimensão e especificações

do escritório da Fiscalização, padrão PBH – tipo I, a ser utilizado em obras de pequeno

e médio porte, tal como referenciado no quadro de Tipos de Instalações de Obras. Na

Figura 1 pode-se observar uma planta baixa do citado padrão.

Aplicação Este escritório da Fiscalização de obras tipo “I” deverá ser usado em todas as obras

Aplicação

Este escritório da Fiscalização de obras tipo “I” deverá ser usado em todas as obras

da PBH de pequeno e médio porte e de curta e média duração. Por constituir uma

edificação temporária e necessária à construção das obras, deverá ser considerado o

seu reaproveitamento em outras obras.

Será de responsabilidade da Contratada o fornecimento dos seguintes componentes,

já inclusos na composição de preços unitários: móveis e utensílios em geral (1

geladeira, 1 mesa, 7 cadeiras, 1 mesa de reunião de 1,20 m, 1 armário aço arquivo

com 3 gavetas e 1 mapoteca); material e equipamentos de escritório, máquinas de

calcular, materiais e equipamentos de limpeza, produtos para higiene ambiental e

pessoal e materiais para segurança das instalações, louças, metais e acessórios.

No caso de obras de médio porte a Contratada irá fornecer um computador,

compatível com as necessidades da obra, de conformidade com o disposto no Termo

de Referência, cujo custo está incluso na taxa relativa aos Benefícios e Despesas

Indiretas (BDI). A Contratada disponibilizará um sistema de telefonia à PBH, não

sendo portanto objeto de medição à parte.

Escritório da Fiscalização tipo II

Objetivo

Esta padronização tem como objetivo estabelecer a forma, dimensão e especificações

do escritório da Fiscalização, padrão PBH – tipo “II”, a ser utilizado em obras de

grande porte, tal como referenciado no quadro de Tipos de Instalações de Obras. Na

Figura 2 pode-se observar uma planta baixa do citado padrão.

Escritório da Fiscalização tipo II Objetivo Esta padronização tem como objetivo estabelecer a forma, dimensão e

Aplicação

Este escritório da Fiscalização tipo “II” deverá ser usado em todas as obras da PBH de

grande porte e longa duração. Por constituir uma edificação temporária e necessária à

construção das obras, deverá ser considerado o seu reaproveitamento em outras.

Será de responsabilidade da Contratada o fornecimento dos seguintes componentes,

já inclusos na composição de preços unitários: móveis e utensílios em geral (2 mesas,

8 cadeiras, 2 armários de aço arquivo com 3 gavetas, 1 mesa de reunião redonda

diâmetro 1,20 m, 1 geladeira e 1 mapoteca), material e equipamentos de escritório,

máquinas de calcular e computador, materiais e equipamentos de limpeza, produtos

para higiene ambiental e pessoal, louças, metais e acessórios, materiais para

segurança das instalações, sistema de telefonia, a ser disponibilizado pela Contratada,

este último não devendo ser incluso na medição.

No caso do computador, quando solicitado no Termo de Referência, o seu custo está

contemplado na taxa relativa à Bonificação de Despesas Indiretas (BDI).

Escritório da Contratada tipo I

Objetivo

Esta padronização tem como objetivo estabelecer a forma, dimensão e especificações

do escritório da Contratada tipo I, a ser utilizado em obras de pequeno e médio porte,

tal como referenciado no quadro de Tipos de Instalações de Obras. Na Figura 3 pode-

se observar uma planta baixa do citado padrão.

máquinas de calcular e computador, materiais e equipamentos de limpeza, produtos para higiene ambiental e pessoal,

Aplicação

Este escritório da Contratada, do tipo “I”, deverá ser usado em todas as obras da PBH

de pequeno e médio porte e de curta e média duração, podendo, a critério da

Fiscalização, ser suprimido caso haja conveniência e condições para que Fiscalização

e Contratada ocupem o mesmo espaço físico, que no caso, é o escritório da

Fiscalização tipo “Il”. Por constituir uma edificação temporária e necessária à

construção das obras, deverá ser considerado o seu reaproveitamento em outras

obras.

Será de responsabilidade da Contratada, o fornecimento dos seguintes componentes,

já inclusos na composição de preços unitários: móveis e utensílios em geral, (1 mesa,

7 cadeiras,1 mesa de reunião de 1,20 m, 1 armário de aço, 1 arquivo com 3 gavetas, 1

mapoteca), material e equipamentos de escritório, máquinas de calcular, materiais e

equipamentos de limpeza e produtos para higiene ambiental e pessoal, louças, metais

e acessórios, materiais para segurança das instalações, sistema de telefonia, a ser

disponibilizado pela Contratada, este último não devendo ser incluso na medição.

Escritório da Contratada tipo II

Objetivo

Esta padronização tem como objetivo estabelecer a forma, dimensão e especificações

do escritório de da Contratada tipo “II”, a ser utilizado em obras de grande porte, tal

como referenciado no quadro de Tipos de Instalações de Obras. Na Figura 4 pode-se

observar uma planta baixa do citado padrão.

Aplicação Este escritório da Contratada, tipo “II”, deverá ser usado em todas as obras da PBH

Aplicação

Este escritório da Contratada, tipo “II”, deverá ser usado em todas as obras da PBH de

grande porte e de longa duração, podendo, a critério da Fiscalização, ser suprimido

caso haja conveniência e condições para que Fiscalização e Contratada ocupem o

mesmo espaço físico, que é no caso, o escritório da Fiscalização tipo “II”. Por constituir

uma construção temporária e necessária à construção das obras, deverá ser

considerado o seu reaproveitamento em outras obras.

Será de responsabilidade da Contratada o fornecimento dos seguintes componentes,

já inclusos na composição de preços unitários: móveis e utensílios em geral (2 mesas,

8 cadeiras, 2 armários aço arquivo com 3 gavetas, 1 mesa de reunião, 1 mapoteca

denominada de “stick”), material e equipamentos de escritório, máquinas de calcular,

materiais e equipamentos de limpeza, produtos para higiene ambiental e pessoal,

materiais para segurança das instalações, louças, metais e acessórios, sistema de

telefonia, a ser disponibilizado pela Contratada, este último não devendo ser incluso

na medição.

Objetivo

Esta padronização tem como objetivo estabelecer a forma, dimensão e especificações

do vestiário tipo “I”, a ser utilizado em obras de pequeno porte, com um efetivo médio

de funcionários da ordem de 15 pessoas, tal como referenciado no quadro de Tipos de

Instalações de Obras. Na Figura 5 pode-se observar uma planta baixa do citado

padrão.

Objetivo Esta padronização tem como objetivo estabelecer a forma, dimensão e especificações do vestiário tipo “I”,

A ventilação será através de fechamento das laterais e fundo, junto ao teto, com tela

galvanizada, fio 21, malha 25 mm; com altura variável de 0 a 1,0 , compatível com a

seção de cada lado.

Pé direito mínimo: 2,70 m;

Figura 5 – Vestiário Tipo I

Aplicação

O vestiário tipo “I” deverá ser usado em todas as obras da PBH de pequeno porte, e

cuja aplicação é regulada pela NR-18(1) e NR-24 “Normas Regulamentadoras de

Segurança e Medicina do Trabalho (1) “. Por constituir uma construção temporária e

necessária à construção das obras, deverá ser considerado o seu reaproveitamento

em outras obras.

Vestiário tipo II

Objetivo

Esta padronização tem como objetivo estabelecer a forma, dimensão e especificações

do vestiário tipo “II”, a ser utilizado em obras de médio porte, com um efetivo médio de

funcionários da ordem de 45 pessoas, tal como referenciado no quadro Tipos de

Instalações de Obras. Na Figura 6 pode-se observar uma planta baixa do citado

padrão.

Aplicação

O vestiário tipo “II” deverá ser usado em todas as obras da PBH de médio porte, e cuja

aplicação é regulada pela NR-18(1) e NR-24 “Normas Regulamentadoras de

Segurança e Medicina do Trabalho (1) “. Por constituir uma construção temporária e

necessária à construção das obras, deverá ser considerado o seu reaproveitamento

em outras obras.

Vestiário tipo III Objetivo Esta padronização tem como objetivo estabelecer a forma, dimensão e especificações do

Vestiário tipo III

Objetivo

Esta padronização tem como objetivo estabelecer a forma, dimensão e especificações

do vestiário tipo “III”, a ser utilizado em obras de grande porte, com um efetivo médio

de funcionários da ordem de 60 pessoas, tal como referenciado no Quadro 1. Na

Figura 7 pode-se observar uma planta baixa do citado padrão.

Aplicação

O vestiário tipo “III” deverá ser usado em todas as obras da PMP de grande porte, e cuja aplicação é regulada pela NR-18 (1) e NR-24 “Normas Regulamentadoras de Segurança e Medicina do Trabalho (1) . Por constituir uma construção temporária e necessária à construção das obras, deverá ser considerado o seu reaproveitamento em outras obras.

O vestiário tipo “III” deverá ser usado em todas as obras da PMP de grande porte,

Edificações provisórias de apoio

Objetivo

Esta padronização tem como objetivo estabelecer a forma, dimensão e especificações

do depósito e ferramentaria tipo “I”, a ser utilizado em obras de pequeno porte, tal

como referenciado no quadro Tipo de Instalações de Obras. Na Figura 8 pode-se

observar uma planta baixa do citado padrão.

Objetivo Esta padronização tem como objetivo estabelecer a forma, dimensão e especificações do depósito e ferramentaria

Aplicação

O depósito e ferramentaria tipo “I” deverá ser usado em todas as obras da PBH de

pequeno porte. Por constituir uma edificação temporária e necessária à construção

das obras, deverá ser considerado o seu reaproveitamento em outras.

Depósito e ferramentaria tipo II

Objetivo

Esta padronização tem como objetivo estabelecer a forma, dimensão e especificações

do depósito e ferramentaria tipo “II”, a ser utilizado em obras de médio porte, tal como

referenciado no quadro Tipo de Instalações de Obras. Na Figura 9 pode-se observar

uma planta baixa do citado padrão.

Depósito e ferramentaria tipo II Objetivo Esta padronização tem como objetivo estabelecer a forma, dimensão e

Aplicação

O depósito e ferramentaria tipo “II” deverá ser usado em todas as obras da PBH de

médio porte. Por constituir uma edificação temporária e necessária à construção das

obras, deverá ser considerado o seu reaproveitamento em outras obras.

Depósito e ferramentaria tipo III

Objetivo

Esta padronização tem como objetivo estabelecer a forma, dimensão e especificações

do depósito e ferramentaria tipo “III”, a ser utilizado em obras de grande porte, tal

como referenciado no quadro Tipo de Instalações de Obras. Na Figura 10 pode-se

observar uma planta baixa do citado padrão.

O depósito e ferramentaria tipo “II” deverá ser usado em todas as obras da PBH de

Aplicação

O depósito e ferramentaria tipo “III” deverá ser usado em todas as obras da PBH de

grande porte. Por constituir uma construção temporária e necessária à construção das

obras, deverá ser considerado o seu reaproveitamento em outras obras.

Instalações sanitárias tipo I

Objetivo

Esta padronização tem como objetivo estabelecer a forma, dimensão e especificações

das instalações sanitárias tipo “I”, a ser utilizado em obras de pequeno porte, com um

efetivo médio de funcionários da ordem de 15 pessoas, tal como referenciado no

quadro de Tipo de Instalações e Obras. Na Figura 11 pode-se observar o

detalhamento do padrão proposto.

Aplicação O depósito e ferramentaria tipo “III” deverá ser usado em todas as obras da PBH

Aplicação

As instalações sanitárias tipo “I” deverão ser usadas em todas as obras da PBH de

pequeno porte, constituindo-se de uma edificação temporária e necessária à

construção das obras e cuja aplicação é regulada pela NR-18(1) e NR-24(1) “Normas

Regulamentadoras de Segurança e Medicina do Trabalho . Para tanto, deverá abrigar

1 (um) vaso sanitário, 2 (dois) chuveiros, 1 (um) lavatório e 1 (um) mictório.

Instalações sanitárias tipo II

Objetivo

Esta padronização tem como objetivo estabelecer a forma, dimensão e especificações

das instalações sanitárias tipo “II”, a ser utilizado em obras de médio porte, com um

efetivo médio de funcionários da ordem de 45 pessoas, tal como referenciado no

quadro de Tipos de Instalações de Obras. Na Figura 12 pode-se observar uma planta

baixa do citado padrão.

Aplicação A instalação sanitária tipo “II” deverá ser usada em todas as obras da PBH de

Aplicação

A instalação sanitária tipo “II” deverá ser usada em todas as obras da PBH de médio

porte, constituindo-se de uma edificação temporária e necessária à construção das

obras e cuja aplicação é regulada pela NR-18(1) e NR-24(1) “Normas Regulamentadoras

de Segurança e Medicina do Trabalho . Para tanto, deverá abrigar 2 (dois) vasos

sanitários, 4 (quatro) chuveiros, 2 (dois) lavatórios e 2 (dois) mictórios.

Instalações sanitárias tipo III

Objetivo

Esta padronização tem como objetivo estabelecer a forma, dimensão e especificações

das instalações sanitárias tipo “III”, a serem utilizadas em obras de grande porte, com

um efetivo médio de funcionários da ordem de 60 pessoas, tal como referenciado no

quadro de Tipos de Instalações de Obras. Na Figura 13 pode-se observar uma planta

baixa do citado padrão.

Aplicação

A instalação sanitária tipo “III” deverá ser usada em todas as obras da PBH de grande

porte, constituindo-se de uma edificação temporária e necessária à construção das

obras, cuja aplicação é regulada pela NR-18(1) e NR-24(1) “Normas Regulamentadoras

de Segurança e Medicina do Trabalho . Para tanto, deverá abrigar 3 (três) vasos

sanitários, 6 (seis)

chuveiros, 3 (três) lavatórios e 3 (três) mictórios.

Edificações provisórias de apoio Refeitório tipo I Objetivo Esta padronização tem como objetivo estabelecer a forma,

Edificações provisórias de apoio

Refeitório tipo I

Objetivo

Esta padronização tem como objetivo estabelecer a forma, dimensão e especificações

do refeitório tipo “I”, a ser utilizado em obras de médio porte, com um efetivo médio de

funcionários da ordem de 45 pessoas, tal como referenciado no quadro de Tipos de

Instalações de Obras. Na Figura 14 pode-se observar uma planta baixa do citado

padrão.

Aplicação O refeitório tipo “I” deverá ser usado em todas as obras da PBH de médio

Aplicação

O refeitório tipo “I” deverá ser usado em todas as obras da PBH de médio porte,

constituindo se de uma edificação temporária e necessária à construção das obras,

cuja aplicação é regulada pela NR-18(1) e NR-24(1) “Normas Regulamentadoras de

Segurança e Medicina do Trabalho.

Refeitório tipo II

Objetivo

Esta padronização tem como objetivo estabelecer a forma, dimensão e especificações

do refeitório tipo “II”, a ser utilizado em obras de grande porte, com um efetivo médio

de funcionários da ordem de 60 pessoas, tal como referenciado no quadro de Tipos de

Instalações de Obras. Na Figura 15 pode-se observar uma planta baixa do citado

padrão.

Refeitório tipo II Objetivo Esta padronização tem como objetivo estabelecer a forma, dimensão e especificações do

Aplicação

O refeitório tipo “II” deverá ser usado em todas as obras da PBH de grande porte,

constituindo-se de uma construção temporária e necessária à construção das obras, e

cuja aplicação é regulada pela NR-18(1) e NR-24(1) “Normas Regulamentadoras de

Segurança e Medicina do Trabalho.

Condições de Operação

Recomenda-se atentar para algumas condições operacionais previstas para os

barracões, a saber:

Suprimento de energia

Ficará a cargo da Contratada providenciar junto à Cemig a instalação do sistema de

energia, em seu nome.

Suprimento de água e disposição de rejeitos

O suprimento de água para todos os fins, bem como o afastamento e disposição de

águas residuais serão de responsabilidade e ônus da Contratada.

Comunicação

Para atender as necessidades de comunicação externa e interna a Contratada deverá

instalar rede telefônica, recaindo sobre ela o ônus da instalação, manutenção e

operação bem como o fornecimento à PMP de um ramal telefônico com linha direta,

até 5 (cinco) dias após a instalação do escritório da Fiscalização.

Relação de material para escritório de obra

Visando atender a montagem do escritório, propõe-se:

Edificação

Chapa compensada resinada e = 10 mm (com cola fenólica);

Peça de madeira de lei 8 x 8 cm;

Ripa de paraju 4 x 1,5 cm;

Prego 18 x 30;

Telha de fibrocimento ondulada 4 mm;

Janela basculante em chapa 80 x 80 cm, com 3 básculas;

Janela basculante em chapa 60 x 60 cm, com 2 básculas;

Vidro fantasia canelado;

Forro de pinus;

Fechadura externa de alavanca ;

Dobradiça de ferro cromado 3 1/2” x 2 ¼”;

Pintura geral em tinta látex PVA.

Instalação hidráulica

Tubo PVC solda;

Tubo PVC esgoto rígido (esgoto primário);

Tubo PVC esgoto solda (esgoto secundário);

Caixa de água polietileno com tampa 310 litros;

Engate flexível 30;

Bolsa de ligação 1 ½”;

Registro de gaveta bruto ½”;

Torneira de bóia para caixa de água ¾”;

Torneira para lavatório ½”;

Válvula de PVC para lavatório;

Caixa sifonada de PVC com grelha redonda branca 100 x 100 x 50 mm;

Lavatório de louça branca pequeno;

Vaso sanitário de louça branca com assento e fixações;

Conexões e acessórios necessários para a instalação.

Instalação elétrica

Eletroduto rígido PVC ½”;

QDC até 6 circuitos;

Disjuntores;

Cabos condutores anti-chama ;

Conduletes PVC inclusive tampa;

Interruptor simples 10 ampères;

Tomada universal redonda 2 P 10 ampère / 250 Volts;

Conjunto de 2 interruptores simples;

Luminárias chanfradas para duas lâmpadas fluorescentes 20 W com reator;

Globo de vidro esférico leitoso 8 x 4 “ completo para Banheiro;

Telefone.

A quantidade de luminárias, interruptores e tomadas serão dimensionados de acordo

com cada tipo de escritório.

Equipamentos

O canteiro de serviços instalado pela Contratada deverá contar, de acordo com a

natureza de cada obra e com cada uma de suas etapas, com todos os equipamentos,

maquinários, e ferramentas, necessários à sua boa execução, respeitando-se as

discriminações contidas no Termo de Referência da citada obra. Caberá à Contratada

fornecer todos os equipamentos de proteção individual (EPI’s) aos operários, tais

como: capacetes, cintos de segurança, luvas, botas, máscaras e equipamentos de

proteção coletiva (EPC’s) conforme as prescrições das “Normas Regulamentadoras

de Segurança e Medicina do Trabalho (1) , em especial às normas NR-6 e NR-18.

SINALIZAÇÃO E PROTEÇÃO

Placas de identificação

As placas de identificação da Contratada (executadas de acordo com as exigências da

“Resolução CREA nº 407/96” – Regula o tipo e o uso de placas de identificação do

exercício profissional em obras, instalações e serviços de Engenharia, Arquitetura e

Agronomia (2) ) e de eventuais consultores e firmas especializadas, bem como da

Municipalidade local, deverão ter suas dimensões avaliadas pela Fiscalização, que

determinará, também, o posicionamento de todas as placas no canteiro de serviços.

As placas de obra e de financiamentos serão padronizadas pela PMP. Se danificações

ocorrerem nas placas e seus componentes, os mesmos serão reparados pela

Contratada, bem como sua manutenção geral.

Todas as placas instaladas deverão ser recolhidas pela Contratada em um prazo

máximo de 90 (noventa) dias após a conclusão da obra, quando será emitido o termo

de recebimento definitivo.

Uniformes

Em relação aos uniformes, é obrigatório a uniformização do efetivo da obra, conforme

modelo constante neste Caderno de Encargos. O padrão consiste em calça e jaleco,

cor vermelho vivo. Nos terços superiores e inferiores do jaleco e nas mangas estão

inseridas faixas brancas com largura aproximada de 6 cm nas mangas e no jaleco,

para acentuar contraste e visualização. Serão fornecidos a cada operário, dois jogos

de uniformes a cada quatro meses, dentro do prazo de duração da obra.

Os custos dos uniformes serão de responsabilidade da Contratada, uma vez que estão

incluídos na taxa relativa aos benefícios e despesas indiretas (BDI).

Sinalização e proteção

Sinalização e proteção
Sinalização e proteção

Elementos de Proteção – Tapumes

Objetivo

Esta padronização tem como objetivo estabelecer as dimensões e formas de tapumes

a serem utilizados nas obras da PBH. O tapume deverá se enquadrar em um dos 3

(três) tipos existentes e padronizados pela PBH, escolhido em função da

especificidade de cada obra.

Nas figuras abaixo pode-se observar os três tipos de tapumes propostos.

Elementos de Proteção – Tapumes Objetivo Esta padronização tem como objetivo estabelecer as dimensões e formas

Tapume Tipo I

Tapume Tipo II Sinalização e proteção Definições Tapume Tipo III Os tapumes do tipo I, II

Tapume Tipo II

Sinalização e proteção

Tapume Tipo II Sinalização e proteção Definições Tapume Tipo III Os tapumes do tipo I, II

Definições

Tapume Tipo III

Os tapumes do tipo I, II e III, são dispositivos empregados com o objetivo de isolar o

canteiro de obras, impedindo o acesso de elementos estranhos e garantindo a

segurança.

Aplicação

Os tapumes tipo I e II aplicam-se a obras de construção civil, obras viárias e de

saneamento em geral, executadas em áreas de tráfego normal. Já o tapume tipo III é

mais adequado para obras em região de tráfego intenso. A critério da Fiscalização o

tapume poderá ser enterrado ou fixado em base de concreto, dependendo das

necessidades e limitações da obra.

Especificações

as peças de madeira (peças e tábuas) devem ser em madeira de lei nas

dimensões indicadas pelo padrão;

as chapas de compensado resinado terão espessura de 10 mm; (com cola

fenólica);

a pintura será em duas demãos com tinta à base de PVA;

a tela de arame será de malha 0,5 – fio 14 DWG ou tela de polipropileno 2 mm

e abertura de malha de 80 mm;

conjunto grampo, alça de pinçamento ( 1 6,3 mm – 50);

bloco de concreto 1 : 4 : 8 ( 40 x 40 x 20 ).

Ensaios

São dispensáveis os ensaios de quaisquer dos materiais a serem usados nesses

padrões.

Cores e logomarcas

A PBH ficará encarregada de fornecer e atualizar as cores e padrões de logomarcas a

serem.

Cerca

Objetivo

Com o objetivo de padronizar dimensões e formas de cercas a serem utilizadas em

caráter provisório, nas obras da PBH, foi estabelecido como padrão, a cerca tipo 1.

Pode-se observar na Figura 20, o detalhe do sistema de cerca.

Com o objetivo de padronizar dimensões e formas de cercas a serem utilizadas em caráter provisório,

Definições / Aplicação:

A cerca do tipo 1, é o elemento provisório, empregado com o objetivo de limitar a

presença de elementos estranhos ao canteiro de obras, proporcionando uma maior

segurança no desenvolvimento dos trabalhos. Contém peças de madeira de 8 x 8 cm

e arame farpado.

Especificações

As peças de madeira devem ser em madeira de lei nas dimensões indicadas. A pintura

será em duas demãos com tinta à base de PVA.

O arame farpado será de aço zincado de dois fios n° 14, conforme a NBR-6317/82 -

Arame

farpado

de

aço

zincado

de dois

fios

(7)

,

devendo

ser obedecida a NBR-

11169/97 – Execução de cercas de arame farpado (8) .

Ensaios

Os ensaios aqui preconizados são os exigidos pela ABNT, para arames farpados.

Sinalização da obra

Em todas as obras deverão ser implantadas as sinalizações de indicação e

advertência, onde necessárias e antes do início efetivo das mesmas. Quando houver

interferência significativa na pista de rolamento, há que se implantar sinalização, não

apenas na área restrita à execução das obras, mas em toda a região afetada pela

interferência, de modo a reorientar o fluxo de tráfego para vias adjacentes. Neste caso,

em face à complexidade, o problema entra na jurisdição da BHTrans, cabendo a esta,

a elaboração dos planos de desvio de tráfego, assim como a sua efetiva aplicação. A

própria BHTrans, sempre que o vulto da obra o exigir, fará comunicação à imprensa

com a antecedência indispensável das mudanças a serem procedidas. O empreiteiro

ficará no aguardo das determinações da PMP.

É atribuição do empreiteiro, sinalizar diuturnamente a obra, empregando-se o sistema

de tapumes, placas, cavaletes e outros dispositivos em função das necessidades do

local. A principal finalidade da sinalização consiste em advertir e orientar o trânsito de

veículos e pedestres nos locais em obras, visando, fundamentalmente, a segurança e

a minimização de interferências no trânsito.

Dependendo do porte e local da obra, serão utilizados:

Cones e balizadores para canalizar suavemente o fluxo de tráfego na direção

desejada ou para delinear extremos de pistas pelas quais não se pode trafegar.

Devem sempre materializar uma faixa de desaceleração, devendo ser

dispostos de forma a resultar em conjunto linear e coeso, que dê a impressão

de continuidade ao motorista. Tais elementos são dispositivos de sinalização

de elevada eficiência.

Placas informativas devem ser colocadas antecipadamente no local das obras,

alertando e orientando os motoristas para os cuidados nas manobras de pista

(ver Caderno de Elementos de Infra-estrutura Urbana, conforme Volume I).

Em alguns casos e em obras com elevada movimentação de veículos, aplica-

se a sinalização noturna, com dispositivos luminosos, como os que se seguem:

  • 0 Sinalização e proteção

Utilizar luz fixa, ou seja, lâmpadas elétricas formando uma seqüência

delimitadora da trajetória dos veículos. As lâmpadas ficam contidas em um

recipiente plástico de cor vermelha escarlate, ou similar, sendo dispostas sobre

os tapumes em intervalos inferiores a 10 metros.

Utilizar luz intermitente para locais de alta periculosidade. Estas são

dispositivos colocados sobre barreiras ou tapumes, emitindo radiação amarela

intermitente, com freqüência de 50 a 60 pulsações por minuto, servindo como

sinais de alerta, não devendo ser empregados para delinear trajetórias. Os

dispositivos, tais como: “latinha de óleo”, por serem muito precários e

perigosos, não devem ser utilizados para delinear trajetórias.

Utilizar sinais para orientação dos pedestres, com placas bem dispostas de

modo a propiciar fácil visualização, que sejam de formato retangular, contendo

a palavra “pedestres”, escrita em letras de 5 cm de altura, sobre uma seta

horizontal.

Utilizar dispositivos de sinalização para trânsito dos pedestres, em locais cujas obras

bloqueiem o passeio público.

Utilizar sinalização acessória com bandeirinhas, nas situações em que seja necessário

melhorar as condições de segurança da via.

Eventuais danificações nas placas, seja por usuários ou veículos, serão reparadas

pela Contratada, bem como os reposicionamentos necessários, quando deslocadas de

sua instalação.

Fossa séptica

Objetivo

Quando da necessidade de se especificar e definir a padronização das fossas

sépticas, estasdevem atender as especificações constantes da NBR-7229-82 (4)

Fossas Sépticas - Definições e prescrições e devem ser executadas segundo o

modelo representado na Figura 22.

Aplicação Sempre que for demandada, dever-se-á utilizar a fossa séptica, escolhendo adequadamente o local mais apropriado

Aplicação

Sempre que for demandada, dever-se-á utilizar a fossa séptica, escolhendo

adequadamente o local mais apropriado para a sua implantação.

Dispositivos de bloqueio

Objetivo

Esta padronização tem como objetivo definir as dimensões, formas e cores das

sinalizações de obras e serviços em vias públicas no Município de Belo Horizonte.

Definições

Sinalização vertical de advertência convencional

É qualquer sinal constante do conjunto de sinalização vertical de advertência do

Conselho Nacional de Trânsito.

Sinalização vertical de advertência complementar

É aquela destinada a complementar os dispositivos de sinalização do Conselho

Nacional de Trânsito.

Dispositivo de bloqueio

São os equipamentos usados para impedir total ou parcialmente a passagem do

trânsito.

Barreiras

Têm a função de impedir a passagem do trânsito por uma via e canalizar o tráfego

ordenadamente.

Dispositivos luminosos

As obras em vias públicas devem contar com dispositivos luminosos dispostos dentro

de um recipiente plástico de cor vermelha escarlate.

Cones – balizadores

São usados para canalizar suavemente o fluxo do tráfego materializando uma faixa de

desaceleração.

Aplicação

Esta padronização se aplica às obras da PMP.

Especificações

Os dispositivos de sinalização

deverão ser pintados

nas cores branco

e

vermelho escarlate.

O verso das placas de sinalização deverá ser pintado na cor preta.

 

O material empregado para pintura deverá ser reflexivo.

 

As peças de madeira devem ser em madeira de lei nas dimensões indicadas

em cada dispositivo.

Os cones devem ser confeccionados em material leve e flexível para facilitar o transporte e ceder a eventuais impactos, sem serem danificados. As placas devem ser metálicas e nas dimensões determinadas na padronização.

Ensaios

São dispensáveis os ensaios de quaisquer dos materiais que forem usados nestes

padrões.

Quantidades

SINALIZAÇÃO – DISPOSITIVOS DE BLOQUEIO E SINALIZAÇÃO

 

Tábua

Peça

Peça

Pintura

Dobradiça

Corrente

Discriminação

(2,5x30)

(m2)

(4x8)

(m)

(4x8)

(m)

(m2)

(un)

(m)

Bloqueio total fixo

0,60/m

1,33/m

0,61/un

Bloqueio total móvel

0,72/un

3,84/un

2,80/un

0,85/un

Barreira fixa

0,60/m

1,07/m

0,61/un

Balizador

0,48/un

0,18/un

Barreira móvel

1,02/m

4,00/m

1,05/un

1 un

0,50/un

dobrável

Cone Dispositivo

 

1 un / un 1 un / un

iluminação

 
 

SINALIZAÇÃO – GRADES PORTÁTEIS

 

Discriminação

Unidade

Quantidade

Tubo Industrial φ ½”

m / un

10,60

Chapa n° 2 travada e pintada

m2 / un

2,20

Articulação 1

un / un

2,00

Articulação 2

un / un

2,00

Garras p/ fixação da chapa

un / un

12,00

Suporte da chapa 1/8”

un / un

1,00

SINALIZAÇÃO – DIMENSIONAMENTOS

Placas de sinalização

Placas de sinalização Legenda: Móvel 1 = Suporte de concreto Móvel 2 = Suporte de madeira

Legenda:

Móvel 1 = Suporte de concreto

Móvel 2 = Suporte de madeira

Critérios de medição e pagamento

Escritório de Obra

Medição

Será medido por unidade considerando os tipos padronizados no quadro Tipo de

Instalações e Obras, escolhidos de acordo com as características da obra.

Pagamento

Será efetuado conforme preços unitários contratados, remunerando, durante o tempo

de utilização à sua construção, manutenção, desmobilização, transporte,

recomposição e limpeza do local instalado, móveis e equipamentos. O pagamento

ainda contempla a reutilização pela Contratada, por mais uma vez. Sendo assim, este

equipamento é de sua propriedade.

Todas as despesas relativas à instalação, uso e manutenção dos equipamentos do

canteiro de serviços, estão incluídas nas taxas relativas aos Benefícios e Despesas

Indiretas (BDI), adotada pela Contratada na composição de seus preços unitários.

Barracão de Obra

Medição

Será medido por unidade considerando os tipos padronizados no Quadro 1, escolhidos

de acordo com as características da obra.

Pagamento

Será efetuado conforme preços unitários contratados, remunerando, durante o tempo

de utilização, à sua construção, manutenção, desmobilização, transporte,

recomposição e limpeza do local instalado, móveis e equipamentos. O pagamento

ainda contempla a reutilização pela Contratada, por mais uma vez, sendo assim, este

equipamento é de sua propriedade.

Todas as despesas relativas à instalação, uso e manutenção dos equipamentos do

canteiro de serviços estão incluídas nas taxas relativas aos Benefícios e Despesas

Indiretas (BDI), adotada pela Contratada na composição de seus preços unitários.

Placas de Obra

Medição

As placas de obras referentes ao financiamento e as placas de obra padrão PMP,

quando for

o caso, serão medidas por unidade instalada na área de abrangência do canteiro de

obra. As demais placas não serão objeto de medição, porque já foram incluídas na

taxa relativa aos Benefícios e Despesas Indiretas (BDI).

Pagamento

O pagamento será efetuado por unidade, remunerando os custos inerentes de

aquisição, instalação, manutenção, remoção e transporte, após a conclusão da obra,

com a prévia autorização da Fiscalização.

Tapume

Medição

Os tapumes serão medidos pelos seus comprimentos reais, expressos em metros,

separandose os trechos em compensado, daqueles produzidos com tela,

considerando-se a inclinação do terreno. Eventuais portões de acesso ao canteiro de

obra não serão objeto de medição e pagamento em separado.

Pagamento

Os serviços serão pagos aos preços unitários contratuais, em função do trecho

executado com compensado ou com tela, utilizando fixação enterrada ou sobre blocos

de concreto, que remuneram o fornecimento, transporte e aplicação de todos os

equipamentos, mão-de-obra, encargos e materiais necessários à sua execução,

envolvendo:

escavação;

fixação das peças suportes;

montagem dos painéis em compensado e tela;

fixação e encabeçamento dos painéis;

pintura das peças de madeira;

concretagem forma e desforma dos blocos de concreto;

eventual manutenção do dispositivo durante o período de utilização;

desmontagem e remoção do conjunto após o término de utilização;

demais serviços e materiais atinentes.

Eventuais remanejamentos de tapumes para novas posições, implicam em

indenização da mão de obra envolvida .

O pagamento ainda contempla a reutilização dos tapumes pela Contratada, por mais

uma vez. Sendo assim, este equipamento é de sua propriedade.

Cerca

Medição

As cercas serão medidas pelo comprimento real em metros, considerando-se a

inclinação do terreno.

Pagamento

O serviço será pago ao preço unitário contratual, de acordo com os critérios definidos

no item anterior, os quais remuneram o fornecimento, transporte e aplicação de todos

os equipamentos, mão-de-obra, encargos e materiais necessários à sua execução,

envolvendo:

escavação manual;

montagem das cercas propriamente dita;

pequenos reaterros para fixação das peças verticais;

demais serviços e materiais atinentes.

Instalações e padrões provisórios – Concessionária Medição

As instalações e padrões provisórios das concessionárias de serviços públicos, serão

medidas por unidade a ser instalada, conforme projeto por elas padronizado,

contemplando as suas especificações inerentes.

Pagamento

O serviço será pago ao preço unitário contratual, remunerando a instalação,

manutenção, remoção, limpeza e transporte, após a conclusão da obra.

Todas as despesas relativas aos consumos mensais de água, luz, telefone, etc., estão

incluídas na taxa relativa aos Benefícios e Despesas Indiretas (BDI), adotada pela

Contratada na composição de seus preços unitários.

Fossa e Sumidouro Medição

O serviço será medido por unidade a ser executada conforme projeto padrão e com

respeito a norma NBR-7229-82 (4) –“Fossas Sépticas- definições e prescrições ”.

Pagamento

Os serviços serão pagos conforme critério definido no item anterior, remunerando a

escavação manual e acerto das paredes, acerto do fundo, transporte vertical do

material escavado e deposição afastada no mínimo 1 m da área da fossa, formas,

concreto, anéis prémoldados e demais serviços e materiais atinentes.

Redes internas e provisórias de água, esgoto, energia e telefonia

Medição

A execução de ligações provisórias de água, esgoto, energia elétrica e telefonia, serão

medidas pelo comprimento linear a ser executado.

Pagamento

O pagamento será efetuado conforme a referida medição, aos preços unitários

contratados, contemplando todos os materiais e serviços necessários, inclusive

conexões. Não serão remunerados, a escavação da vala e o respectivo reaterro, pois

estes, serão objeto de medição à parte.

SINALIZAÇÃO DE ADVERTÊNCIA

SINALIZAÇÃO DE ADVERTÊNCIA

SINALIZAÇÃO DE ADVERTÊNCIA

SINALIZAÇÃO DE ADVERTÊNCIA

DIPOSITIVO DE BLOQUEIO

DIPOSITIVO DE BLOQUEIO

DISPOSITIVO DE BLOQUEIO

DISPOSITIVO DE BLOQUEIO

DISPOSITIVO DE BLOQUEIO E GRADES PORTÁTEIS

DISPOSITIVO DE BLOQUEIO E GRADES PORTÁTEIS