Você está na página 1de 2

IED - Unidade 4: PRINCIPAIS CORRENTES DO PENSAMENTO JURÍDICO (aula 5)

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO I

Unidade 4:

PRINCIPAIS CORRENTES DO PENSAMENTO JURÍDICO

Unidade 4: PRINCIPAIS CORRENTES DO PENSAMENTO JURÍDICO Sociedades Primitivas ⇒ organização social baseada nas

Sociedades Primitivas

organização social baseada nas regras de parentesco.

PRINCÍPIO DO PARENTESCO

Estrutura sociais → não são definidas claramente →

comandados pelo princípio do parentesco.

Sociedade dividida em = famílias ou clãs (grupos)

Relevância do indivíduo = membro da família

Direito = ordem querida = estático

1

Desenvolvimento da sociedade → substituição do princípio do parentesco → organização social

Necessidades de subsistência → percepção da vantagem da troca → origem dos “mercados” → trocas entre não-parentes

Criação do domínio político

Separado da religião e da família.

CENTRO

POLÍTICO

=

busca

de

distinto da religião e da família

equilíbrio

social

Organização social → polis (espécie de cidade)

Polis = forma hierárquica de domínio = relações de status social (prestígio define papéis na polis)

3

Contraventor = não será mais expulso da comunidade

= poderá ser julgado pela comunidade.

FIM DO MANIQUEÍSMO (mundo não é mais

dividido em bem ou mal / bom e ruim)

Comportamento

desviado

=

tratado

por

procedimentos

decisórios

regulados

surgimento das FORMAS DE JURISDIÇÃO!

Jurisdição = extensão de território no qual o juiz exerce o seu poder de julgar.

Surgem = juízes, advogados, tribunais, partes etc.

Direito = abarca o lícito e o ilícito = não abarca apenas

o

moralmente aceitável.

5

Direito = se aplica para a sociedade e para os deuses.

Deus: não é o criador → Deus é criatura

Deus sol, Deus lua, Deus terra, Deus água

Dever de cada um = organização familiar

Contraventor será expulso da comunidade ou se obedece as normas da sociedade ou está fora dela.

Tudo que não faz parte da sociedade não importa.

DIREITO ↔ MANEIRA DE AGIR DE UM POVO

tradição = oferecer alimentos aos deuses

prática = não se deve tocar nos alimentos

indivíduo come os alimentos = expulsão da sociedade

2

Direito = passa a traçar normas de conduta para os indivíduos

Transformação do direito → elaboração de normas

prescritivas que irão → dar certas liberdades de escolha aos indivíduos → sem influência familiar.

se mistura mais com a política,

Direito = não

economia, religião ou cultura = mas fala sobre todos esses assuntos.

Indivíduo = participa da vida na cidade = liberdade participativa.

contraventor = pode invocar o direito em seu favor também.

4

A PROCEDIMENTALIZAÇÃO DO DIREITO PROVOCA:

Aparecimento dos JURISTAS, que possuem:

linguagem própria;

critérios específicos;

formas probatórias;

justificações independentes do resto da sociedade.

Direito objeto X Direito ciência

Desenvolvimento do saber jurídico = não linear

Jurisprudência Romana: o direito como direito para a ação

Sociedade romana = baseada no ideal de expansão

territorial.

6

IED - Unidade 4: PRINCIPAIS CORRENTES DO PENSAMENTO JURÍDICO (aula 5)

Direito = forma cultural sagrada exercício de uma atividade ética, de prudência, equilíbrio e ponderação moral nos atos de julgar. Prudência→mais valorizada→ jurisprudentia Quadro regulativo geral = normas que os romanos julgavam matérias muito especiais para a sociedade

1º momento: DIREITO PRETORIANO

Pretor =

um magistrado romano investido de

poderes extraordinários.

Era

hierarquicamente

subordinado

ao

Cônsul

e

equivalia

modernamente

ao

juiz

ordinário

ou

de primeira instância. (menos que juiz)

7

2º momento: CONCILIUM IMPERIAL

Os jurisconsultos influenciam a Jurisprudência com o RESPONSAS (informação sobre determinadas questões jurídicas levadas aos jurisconsultos, por uma das partes, quando do conflito de interesses). Não se ouvia as razões de uma parte e as razões da outra para se chegar à solução do conflito. Simplesmente se resolvia o problema nas justificativas apresentadas pela parte que tivesse maior reconhecimento, destaque, na sociedade romana. Responsas era oral, no momento que surge. Algum tempo depois assume a forma escrita.

9

4º momento: REGULAÇÃO ABSTRATA

Direito pouco a pouco alcança um nível de abstração maior, tornando-se uma regulação abstrata. DIREITO PODER DECISÓRIO Assume a forma de poder decisório que formulava as condições para a decisão correta. – É o surgimento do pensamento prudencial, com suas regras, princípios, meios interpretativos, etc. – O papel de mediador é acentuado para se referir ao julgador.

11

Legislação - restrita à regulação de matérias muito especiais, ficando o Direito pretoriano, responsável por preencher as lacunas. Aplicação do direito = por meio de esquemas (fórmulas) que precisam ser preenchidas. Falha = falta de regras Jurisprudência = era exercida por jurados, em geral, leigos, sem capacidade para construir um conjunto teórico que conseguisse preencher os vazios legislativos e que resolvesse, da forma mais justa, o caso concreto.

2º momento: CONCILIUM IMPERIAL

juízes assumem um papel profissional e recebem o nome

de JURISCONSULTOS

8

3º momento: PARTES INSERIDAS NO PROCESSO

ACUMULAÇÃO DE RESPONSAS, surge a possibilidade de entrelaçamento das decisões; a escolha de premissas (de uma ou de outra parte); e também se fortalecem as opiniões por meio de justificações. Utilização de instrumentos gregos = retórica + dialética Há uma condução dos romanos a um saber prático (produziram definições duradouras e critérios distintivos para as diferentes situações conflituosas que pudessem aparecer na prática).

juiz é tido como aquele que decide e

responde por sua decisão enquanto juiz.

10