Você está na página 1de 2

Teorias da Queda de Roma (2012)

Por: Leandro Villela de Azevedo

Doutor em História Social (USP) Professor de História e Atualidades no Ensino Fundamental e Médio em São Caetano do Sul SP (melhores escolas da rede particular)

Conforme estudamos deste o 6o ano, o conhecimento histórico é baseado em documentos e na análise dos mesmos. Entretanto, uma vez que o conhecimento histórico é uma construção moderna sobre o passado, é comum que tenhamos várias versões e teorias sobre um mesmo tema. Um momento na história onde isso é muito marcante é a queda de Roma. Pelo fato do império Romano ter tido um poder incontestável várias pessoas criam diversas teorias sobre o motivo que levou ao fim do império. Isso ocorre pois, apesar dos documentos sobre a época serem muitos, há formas diferentes de os interpretar.

Abaixo você encontrará um resumo de três destas possíveis explicações. As analise com cuidado para depois criarmos um debate em sala de aula. Escolha uma destas três teorias para defender durante a aula

Roma Já Estava morta quando os Bárbaros Invadiram

O imenso poder militar de Roma jamais teria sido vencido pelos povos germânicos em uma situação normal. Os germânicos não tinham propriamente dito nenhum avanço tecnológico militar, nem superioridade numérica sobre os romanos, portanto era praticamente impossível que vencessem. Então a única explicação possível para o fim de Roma é o conjunto de crises pelas quais Roma passava antes de sua invasão.

Os romanos vivenciaram uma crise econômica, ocasionando falta de escravos, falta de alimentos, inflação dos preços e desvalorização de sua moeda, enfrentaram crises sociais, com revoltas armadas do povo romano contra seus governantes, tentativas de independências de algumas províncias, além de uma crise militar, enfraquecendo o exército com a entrada de outros povos no mesmo.

Quando Roma começa a ser invadida ela já estava praticamente morta, sem condições de se defender. O fator militar é o que teve menos peso sobre a destruição do Império

Roma foi assassinada

Os Romanos foram invadidos e conquistados pelos povos bárbaros. É certo que Roma passava por crises dentro do império, como a falta de dinheiro, de alimento e revoltas populares, entretanto essas crises já seguiam anos a fio e nem por isso tinham causado o colapso do Império. Outros povos tiveram crises semelhantes às dos romanos, mas conseguiram de alguma forma sobreviver às suas próprias crises.

Roma foi vencida pelos germânicos, que se aproveitaram do enfraquecimento do império e da necessidade de migrar para londe das invasões dos hunos, para invadir Roma. Se não fosse pela entrada dos germânicos o Império provavelmente se reergueria.

A culpa é dos cristãos

Roma começa a viver sua crise exatamente quando os cristãos começam a se alastrar pelo Império Romano, mas é especialmente quando a religião Católica vira religião oficial do Império Romano que as coisas ficam realmente feias. Isso ocorre pois toda a dominação de Roma estava baseada em uma cultura que não era compatível com o cristianismo. O exército Romano treinava no Campo de Marte, com apoio de Júpiter, tinha seus rituais religiosos e a idéia de que era necessário lutar, vencer e matar na guerra para agradar a seus deuses. A fé romana inspirava os homens à guerra. Ao mesmo tempo o cristianismo pregava o amor aos inimigos, a não necessidade de se matar em nome de Deus. O cristianismo enfraquece a idéia militar de Roma, tornando o Império cada vez mais frágil.

Desta forma, quando os bárbaros invadem pouco poderia ser feito para vencê-los, pois a nova cultura que agora dirigia Roma não era compatível com um exército forte, portanto Roma cai.