Você está na página 1de 9

PRÓ EDADE – PROGRAMA DE EDUCAÇÃO ATRAVÉS DO DESIGN

Antônio Martiniano Fontoura PUCPR/UFPR/CEFET-PR * Renato Bordenousky Filho PUCPR/CEFET-PR ** Ligia Oberg UFPR/Fundação Araucária *** Erika Simioni Ursi PUCPR/Fundação Araucária ****

Resumo

O principal objetivo deste artigo é apresentar as atividades e projetos desenvolvidos pelo programa Pró EdaDe. Originalmente concebido no Programa de Pós Graduação em Engenharia da Produção da UFSC, o Pró EdaDe tornou-se um pequeno centro de estudos que funciona em Curitiba, buscando a promoção de pesquisas no campo da educação de crianças e jovens através do design e o desenvolvimento de materiais didáticos para auxílio de professores e alunos do Ensino Fundamental Brasileiro.

Palavras-chave: Educação e Design, educação infantil, ensino fundamental, design e tecnologia.

Breve história

EdaDe é a abreviatura da expressão ‘Educação através do Design’. É uma

proposta pedagógica que busca a educação de crianças e jovens através de

atividades de design, e é resultado de uma tese de doutorado realizada e defendida

no Programa de Pós-graduação de Engenharia da Produção da UFSC –

Universidade Federal de Santa Catarina.

O desenvolvimento de uma tese sobre educação – especialmente sobre

educação infantil – em um programa de pós-graduação em Engenharia pode

parecer estranho. Porém, no programa da UFSC havia uma linha de pesquisa

chamada ‘Gestão de Design Integrada’, e nesta linha eram pesquisadas e

investigadas algumas questões relacionadas ao design e à formação de cultura em

design. O trabalho de pesquisa sobre a EdaDe foi concebido e desenvolvido dentro

* Profesor de graduação – amfont@matrix.com.br ** Professor de graduação – renato.b@pucpr.br *** Aluna de graduação da UFPR – obergdesign@gmail.com **** Aluna de graduação PUCPR – erikaursi@ig.com.br

1451

desta linha. A tese envolveu investigações sobre o design, a cultura, a educação e suas relações pedagógicas.

O foco do estudo realizado estava na educação infantil, ou seja, nas bases do

sistema educacional. Foi estudado o modo como as crianças aprendem e como as atividades de design podem auxiliar no progresso delas na escola. Foram analisados diversos modelos e propostas educacionais, entre eles, o D&T – Design and Technology britânico e a Educação Tecnológica americana. Estudou-se com mais profundidade o modelo Inglês, tendo em vista que o mesmo não dissocia a educação através do design da educação tecnológica. Considera o Design e a Tecnologia como sendo os dois lados de uma mesma moeda.

Além dos benefícios imediatos promovidos pelo ensino de Design e da Tecnologia na educação dos cidadãos, acredita-se que a aplicação de atividades de design na escola primária também pode ajudar a renovar e consolidar uma forte cultura de design na sociedade. Assim, o principal objetivo da tese foi identificar um modo alternativo e adequado de ensinar e aprender através destas atividades e desenvolver um modelo passível de ser aplicado durante a vida escolar da criança.

O Brasil tem seu próprio modo de promover a educação de crianças e jovens

– um sistema organizado, leis educacionais, parâmetros curriculares, etc. –; com certeza, modernos e atuais. Entretanto, no seu currículo oficial não constam

matérias como Educação em Design, Design e Tecnologia ou Educação Tecnológica, o que, sob o ponto de vista do trabalho de pesquisa realizado, é

lamentável. Geralmente, algumas questões referentes à Tecnologia são abordadas nas aulas de Ciências, assim como o Design é superficialmente abordado nas aulas de Artes. Pouco se fala sobre as relações do Design com a Tecnologia ou ainda sobre a função e importância do Design na sociedade. Há um desconhecimento por parte dos professores e professoras do Ensino Fundamental, sobre o que é o Design. Em nenhum momento da sua formação lhes é oportunizado saber mais sobre o assunto.

A tese identificou os valores e a importância da inclusão de temáticas

relacionadas ao Design e Tecnologia na educação infantil e, entre várias recomendações, foram apresentadas as linhas gerais para se colocar em prática um

programa de educação através do design. O programa, denominado de Pró EdaDe, visa promover a inclusão da EdaDe, de modo complementar, nas escolas de Ensino Fundamental brasileiras.

A EdaDe

1452

O design é mais do que uma profissão. Numa visão mais ampla e prática,

pode ser entendido como uma grande família de profissões voltadas a configuração do meio ambiente, dos seus objetos e serviços. Pode ainda ser considerado um elemento de transformação social e de formação da cultura. Porém, acima de todas estas concepções e por detrás de todas elas, o design aparece como uma forma de pensar e de conduzir o pensamento. Como tal pode ser ensinado, aprendido e praticado no dia a dia por qualquer pessoa. Seguindo esta linha de raciocínio, o

design também pode ser usado como uma valiosa ferramenta para se ensinar, promover aprendizados, desenvolver habilidades e construir conhecimentos, através de suas atividades.

A Educação através do Design ou EdaDe, como é aqui denominada, é uma

forma inteligente e criativa de se ensinar e de se aprender fazendo uso da forma de pensar do design. A EdaDe é mais do que um recurso didático ou uma metodologia

de ensino, ela incorpora uma concepção de educação.

A EdaDe cria oportunidades de envolvimento das crianças e jovens em

atividades orientadas, chamadas genericamente de “atividades de design”, usando, desenvolvendo e fomentando uma série de habilidades essenciais; e integrando conhecimentos de diversas áreas do currículo escolar, daí o seu caráter interdisciplinar. As atividades de design, quando bem empregadas e conduzidas na educação das crianças, permitem a construção de novos conhecimentos e compreensões, proporcionam o ensino e aprendizado ativo, desenvolvem habilidades mentais e físicas, promovem o julgamento de valores e a exploração do pensamento criativo. Assim, a EdaDe deveria ser também um componente integrante da educação das crianças brasileiras. Como uma conseqüência desta experiência associada àquelas promovidas pelas outras áreas curriculares de conhecimento, as crianças e jovens estariam mais bem preparados para enfrentar os desafios do mundo contemporâneo, entender as influências passadas, presentes e futuras das freqüentes mudanças no mundo da arte, da tecnologia e da ciência e interferir de forma ativa, responsável e consciente neste contexto de mudanças.

1453

Em termos práticos, as atividades de design quando empregadas na formação escolar da criança implicam no desenvolvimento da capacidade ativa de fazer e construir coisas; da capacidade reflexiva de pensar sobre o que será ou sobre o que foi feito ou construído; e da capacidade criativa de imaginar, conceber, adaptar e inventar coisas e maneiras novas de realizá-las. Estudar sobre o design e suas manifestações é criar a oportunidade às crianças de manterem contato com a cultura material e com a realidade objetiva de sua sociedade.

O programa Pró EdaDe

Após a conclusão das atividades de doutorado em 2002, o programa Pró EdaDe foi analisado, repensado e reorganizado, e em 2004 foi apresentado como projeto de pesquisa para a Fundação Araucária. A Fundação Araucária é uma organização paranaense privada de interesse público que se destina a apoiar projetos de pesquisa e treinamento de recursos

humanos necessários para o desenvolvimento científico e tecnológico do Estado do Paraná. Suas atividades tiveram início em janeiro de 2000. O principal objetivo do referido projeto é desenvolver um programa complementar de EdaDe e aplicá-lo de modo experimental em algumas escolas primárias de Curitiba. Entre seus objetivos específicos estão:

- Conceber e elaborar atividades de design adequadas aos estágios iniciais das escolas de Ensino Fundamental;

- Elaborar recursos didáticos complementares que sirvam de base para a aplicação das atividades de design em sala de aula;

- Instruir e habilitar professores do Ensino Fundamental a usar os recursos e a

aplicar as atividades;

- Aplicar as atividades e utilizar os recursos com um grupo experimental de crianças;

- Promover o trabalho cooperativo e interinstitucional;

- Orientar estudantes de design e promover sua iniciação no campo de pesquisa científica;

- Publicar os resultados do trabalho e promover a EdaDe nas comunidades escolares;

- Dar continuidade aos trabalhos iniciados no programa de doutorado da UFSC;

1454

- Estabelecer uma infra-estrutura para a pesquisa em Curitiba, apta a promover o envolvimento de instituições de Ensino Superior, estudantes e pesquisadores.

Um pequeno Centro, porém ativo

O projeto de pesquisa foi aprovado e recebeu recursos financeiros da Fundação Araucária. O Pró EdaDe se consolidou num pequeno Centro de estudos, localizado no oitavo andar (oitavão) do Edifício Dom Pedro I no Campus Central da UFPR – Universidade Federal do Paraná, na cidade de Curitiba. Funciona numa sala-gabiete e oferece algumas facilidades como telefone, computador, impressora, scanner, conexão com internet, acesso à biblioteca central e setorial, equipamentos de vídeo e fotografia, uma pequena biblioteca local e a alguns outros recursos didáticos 1 . Além disso, há outras facilidades disponibilizadas pelo Departamento de Design daquela Universidade. Apesar de estar instalado e funcionando nas dependências da UFPR, o Centro também recebe um significativo apoio institucional da PUCPR – Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Lá, estão disponíveis salas de aula e laboratórios do Departamento de Design, um serviço de fotocópias e um ambiente virtual de aprendizagem denominado Eureka. O programa é de natureza interinstitucional, envolvendo oficialmente as duas Instituições de Ensino Superior. Atualmente, a equipe do Centro é formada por: dois professores pesquisadores (um proveniente da UFPR e outro da PUCPR), duas acadêmicas de design, bolsistas financiadas pela Fundação Araucária (uma de cada Instituição) e alguns colaboradores voluntários 2 de ambas as Universidades e de outras instituições de ensino. É importante lembrar que o Centro não tem fins lucrativos. Os professores recebem honorários como funcionários das respectivas universidades e os colaboradores, bolsas de pesquisa. Ao bem da verdade, o tempo dedicado ao Centro não é remunerado. O Centro sobrevive com o apoio das Universidades e dos seus Departamentos de Design, com recursos financeiros obtidos através de projetos de pesquisa e com o trabalho voluntário e a boa vontade de alguns estudantes.

As atividades do Centro

1455

Atualmente, a principal atividade desenvolvida pelo Centro é o projeto de pesquisa financiado pela Fundação Araucária. Este projeto teve início em abril de 2004 e será concluído na metade do segundo semestre de 2005. Entre as atividades que estão sendo desenvolvidas pelo Centro, está a elaboração de ADCs – Atividades de Design e Construção. Foram pesquisadas e estudadas diversas atividades nas fontes disponíveis (bibliografia específica, internet, manuais, livros de atividades, etc.), e selecionadas aquelas consideradas mais adequadas para a faixa etária de alunos a ser trabalhada. Após a seleção, as ADCs foram testadas e adaptadas. Some-se a este processo a constatação feita durante os estudos e o andamento do trabalho, de que os professores, de fato, só ensinam aquilo que conhecem muito bem – certamente, eles precisariam estar bem informados e sentindo-se muito confiantes para adotar a EdaDe em suas salas de aula. Não há dúvida sobre o interesse das crianças nas atividades de design, entretanto, tornou-se cada vez mais evidente o fato de que os professores são as chaves para a EdaDe. Assim, o projeto foi redirecionado, alguns objetivos foram redefinidos e iniciou-se um trabalho voltado à preparação dos docentes. Elaborou-se um workshop a ser ministrado aos professores como uma forma de treinamento. Já havia sido experimentado algo semelhante em Florianópolis um ano antes (PEREIRA, 2004). A oficina foi dividida em quatro partes. A primeira foi chamada de “Entendendo o Design”. Nesta etapa são discutidos: o design, seus princípios básicos, sua história e os métodos adotados pelos designers para resolver problemas e conceber produtos. Foram elaborados textos de apoio sobre o assunto, uma apresentação ilustrada em power-point e breves tarefas para serem aplicadas durante a oficina. A segunda parte foi chamada de “Entendendo a EdaDe”, e nela expõem-se os princípios da EdaDe, as bases pedagógicas das atividades de design e os diferentes tipos de atividades da EdaDe (AIAs – Atividades de Investigação e Análise, TPDs – Tarefas Práticas de Design e ADCs – Atividades de Design e Construção). A terceira parte foi chamada de “Desenvolvendo Habilidades de Design”. Nesta parte são apresentados: as ferramentas, os equipamentos, os materiais e as técnicas mais utilizadas na confecção de modelos e protótipos.

1456

A quarta parte foi chamada de “Praticando a EdaDe”, e trata sobre como colocar a EdaDe em prática na sala de aula. Alguns outros textos de apoio e apresentações em power-point foram elaborados. As etapas do workshop são sempre acompanhadas de pequenas tarefas, e cada etapa dura aproximadamente quatro horas. As etapas são ministradas nas dependências do Curso de Design da PUCPR, mas há também a possibilidade de serem ministradas, diretamente nas escolas de Ensino Fundamental – isto ainda não ocorre de fato. Tem-se a plena consciência de que somente os workshops não são suficientes, mas com certeza ajudam muito na promoção da EdaDe na comunidade escolar. Além dessa oficina, está sendo elaborado um livreto para os professores e outro para as crianças sobre a EdaDe e suas atividades. Estes livretos destinam-se ao uso como material didático nas quatro primeiras séries do Ensino Fundamental. Nestes recursos didáticos constam esclarecimentos sobre o Design e algumas recomendações e atividades de design e construção. Também, está sendo escrito para as crianças e jovens, um livro chamado “Conversando com as crianças sobre design”. Este material foi inicialmente apresentado como um projeto à Lei de Incentivo à Cultura 3 e se aprovado, deverá ser publicado em parceria com empresas curitibanas e com apoio da Fundação Cultural da Cidade de Curitiba. Parte dos livros será distribuída sem custos às escolas de Ensino Fundamental da cidade e outra parte será comercializada pelo Centro como meio para arrecadar fundos. Priorizou-se a preparação dos professores porém, está sendo preparado um outro workshop destinado às crianças, para ser aplicado nas escolas. Pretende-se colocá-lo em prática tão logo quanto possível. Ele ainda encontra-se em fase de concepção e elaboração. Outra iniciativa que está sendo realizada pelo Pró EdaDe diz respeito ao uso de um AVA – Ambiente Virtual de Aprendizagem, chamado Eureka. Este AVA foi desenvolvido e é mantido pela PUCPR. O ambiente é um complemento virtual às disciplinas curriculares nos cursos naquela Universidade. Na Sala Virtual da EdaDe estão disponíveis: referências, conteúdos específicos, textos, artigos, web links, um e-mail, um fórum e um chat. O acesso à sala se dá pelo endereço <www.pucpr.br>. Atualmente, a Sala de Aula Virtual da EdaDe está sendo usada pelos membros do Centro como meio para organizar o projeto de pesquisa e como ambiente para discussão, compartilhamento de informações e reflexão sobre o

1457

assunto. Em breve, estará sendo utilizada como apoio às atividades de ensino e aprendizagem nos próximos workshops promovidos pelo Centro – objetivo e função principal deste espaço virtual. Foram escritos alguns artigos sobre a EdaDe para revistas (e.g. Revista ABCDesign) e jornais (e.g. O Estado do Paraná) e foram apresentados alguns trabalhos em congressos (e.g. P&D Design 2004). Além disso, os integrantes do Centro estão ministrando palestras em encontros acadêmicos (e.g. Semana de Pesquisa e Extensão do DeDesign UFPR 2004 e Semana de Design do CEFET

2005).

Nos últimos dois anos, os professores pesquisadores do Centro co-orientaram uma dissertação de mestrado e estão orientando, além dos bolsistas de iniciação científica, alguns trabalhos de graduação sobre a EdaDe ou assuntos relacionados a ela na UFSC, na UFPR e no CEFET-PR.

Concluindo

Há algum tempo, o Pró EdaDe era apenas um sonho, uma idéia, um projeto. Aos poucos, está se transformando em realidade. Agora, tem-se um Centro pequeno, porém bastante ativo, para promover a EdaDe em Curitiba. Entre os planos futuros, Centro intenciona manter acordos e contatos com outras instituições e centros ao redor do mundo que partilhem os mesmos interesses. Intenciona ainda dar continuidade às pesquisas, através de novas propostas de trabalho, busca de recursos em órgãos de fomento, parcerias institucionais, bolsas de iniciação científica e prestação de serviços educacionais. Outra intenção do Centro é, através de suas realizações e méritos, tornar-se uma referência no campo de Educação em Design no Brasil. Sem o apoio dos Cursos de Design da PUCPR e da UFPR, da boa vontade de algumas pessoas e do apoio financeiro inicial da Fundação Araucária, o Centro e suas iniciativas seriam inviáveis. Como já foi mencionado, o Centro não visa lucros financeiros, trabalha em benefício da educação e tem como principais objetivos:

promover a educação de crianças e jovens através do Design e preparar, qualificar e treinar os professores no uso das atividades de design nas suas salas de aula. Apesar de ser ainda pequeno para fomentar e cultivar o espírito de pesquisa, o Centro e seu pessoal têm o olhar voltado para o futuro. Desejam realizar

1458

satisfatoriamente todas as atividades descritas neste documento e finalizar, da

melhor forma possível, as que já foram iniciadas.

Referências bibliográficas

FONTOURA, A. M. The EdaDe. In: PATT-13 – INTERNATIONAL CONFERENCE

ON DESIGN AND TECHNOLOGY RESEARCH, 13 , Glasgow. Anais University of Glasgow, Faculty of Education, 2003. p. 271-276.

Glasgow:

FONTOURA, A. M. The pro EdaDe program. In: FOURTH INTERNATIONAL PRIMARY DESIGN AND TECHNOLOGY CONFERENCE. 4, Birmingham. Anais Birmingham: Centre for Research in Primary Technology, 2003. p. 35-38.

PEREIRA, A. T. C. et al. Educação através do design – uma aproximação entre a

teoria e a prática. In: P&D DESIGN 2004, São Paulo. Anais Armando Álvares Penteado, 2004.

São Paulo: Fundação

Notas

1 - Os equipamentos de informática foram adquiridos com os recursos da Fundação Araucária.

2 - Mariana Lopes Basseti (acadêmica de design / colaboradora – UFPR); Patricia Tiemi Lopes Fujita

(acadêmica de design / colaboradora – PUCPR); Irena Menk Tavares de Oliveira Martins (acadêmica de design / colaboradora – PUCPR); Débora Behar Ribeiro (acadêmica de design / colaboradora – CEFET-PR), e Luciana Dalledone (designer / colaboradora). Ainda fazem parte do grupo: Alice Theresinha Cybis Pereira (arquiteta / professora / PhD – UFSC), Mariana Bianca Winck (graduanda de design / colaboradora – UFSC), e Guilherme Corrêa Meyer (designer / professor / colaborador).

3 - A Lei Curitibana de Incentivo à Cultura foi promulgada em 13 de novembro de 1991 e implantada

em 1993. O incentivo baseia-se na renúncia fiscal pela Prefeitura de Curitiba de 1,5% da arrecadação de Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) e Imposto Sobre Serviços (ISS). A lei permite a transferência, por parte dos contribuintes municipais (pessoas físicas ou jurídicas), para projetos culturais de até 20% do valor devido dos tributos.