Você está na página 1de 3

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

Registro: 2012.0000194674

ACÓRDÃO

Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 9200382- 41.2009.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que é apelante INSTITUTO BRASILEIRO DE DEFESA DO CONSUMIDOR E DO CONTRIBUIN sendo apelado TELECOMUNICAÇÕES DE SÃO PAULO SA TELESP.

ACORDAM, em sessão permanente e virtual da 28ª Câmara da Seção de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo, proferir a seguinte decisão: de ofício, não se conhece do recurso considerado intempestivo, por votação unânime , de conformidade com o voto do relator, que integra este acórdão.

O julgamento teve a participação dos Desembargadores MELLO PINTO (Presidente) e EDUARDO SÁ PINTO SANDEVILLE.

São Paulo, 7 de maio de 2012.

Júlio Vidal relator Assinatura Eletrônica

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO Comarca: São Paulo – 32ª

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

Comarca: São Paulo – 32ª Vara Cível Processo n°: 105103/04 Apelante: INSTITUTO BRASILEIRO DE DEFESA DO CONSUMIDOR E DO CONTRIBUINTE Apelado: TELECOMUNICAÇÕES DE SÃO PAULO S/A TELESP

VOTO N.º 18.601

Prestação de serviços. Ação Civil Pública. Serviço Telefônico Fixo Assinatura mensal. Sentença de extinção sem julgamento do mérito. Interposição serôdia do recurso de apelação. Matéria de ordem pública apreciável de ofício. Recurso não conhecido por extemporâneo.

Vistos.

Cuida-se de ação civil coletiva em prestação de serviço de telefonia, discutindo sobre a legalidade da cobrança da assinatura mensal, ajuizada por INSTITUTO BRASILEIRO DE DEFESA DO CONSUMIDOR E DO CONTRIBUINTE em face de TELECOMUNICAÇÕES DE SÃO PAULO S/A TELESP, julgada extinta sem julgamento de mérito na r. sentença de fls. 1140, com fundamento no artigo 267, III do CPC.

Inconformado

apela

o

vencido

(fls.

1144/1150), em síntese, alegando a incorreção da decisão, pois em caso de abandono ou desistência infundada caberia ao Ministério Público assumir a titularidade da causa. Pretende afastar a condenação imposta ao pagamento de honorários e despesas vez que não agiu de má-fé.

Anota-se que o recurso é intempestivo, foi recebido, processado e contrariado (fls. 1156/1166). Houve a manifestação da Procuradoria Geral de Justiça opinando pelo não conhecimento do recurso e manutenção da sentença

É o relatório.

De ofício, não se conhece do recurso de apelação, porquanto interposto fora do prazo peremptório estabelecido no artigo 508 do Código de Processo Civil.

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO De antemão, cumpre frisar que

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

De antemão, cumpre frisar que o pressuposto de admissibilidade recursal constitui matéria de ordem pública, e ainda que reconhecida a tempestividade pelo juízo singular, não há preclusão para o juízo de segundo grau reexaminar os pressupostos de admissibilidade dos recursos em geral.

Nesse contexto, infere-se que a certidão de publicação da sentença, se deu no Diário da Justiça Eletrônico, com disponibilidade, na data de 19 de janeiro de 2009 (fls. 1141).

E considerando o cômputo do prazo estabelecido pelo artigo 183 do Código de Processo Civil, o termo inicial deu-se no dia 21 de janeiro de 2009, uma quarta feira, recaindo o termo final no dia 04 de fevereiro de 2009, uma quarta feira.

Ocorre que a petição do recurso de apelação foi protocolizada aos 16 de fevereiro de 2009 (fls. 1144), fora, portanto, do prazo de quinze dias previsto no artigo 508 do Código de Processo Civil.

Diante do exposto, de ofício, não se conhece do recurso considerado intempestivo.

Júlio Vidal

Relator