Você está na página 1de 36

Curso de Engenharia de Sistemas de Energias renováveis Disciplina de Tecnologias das Energias Renováveis Ano lectivo de 2009/2010

Relatório

Cogeração e Trigeração em Centrais de Biomassa

Módulo 2: Sistemas de Biomassa e biocombustíveis Executado por: Eva Kaná 6832 Fábio Oliveira 6844 Orientado por: Mário Tomé Entregue em: 25-11-2009

Cogeração e Trigeração em Centrais de biomasssa

1. Resumo O presente trabalho tem como objectivo aprofundar os conceitos de cogeração e trigeração, bem como o papel que a biomassa pode ocupar nessas tecnologias. Iremos ao longo deste relatório fazer uma introdução à biomassa, explicitando os vários tipos de biomassa que existem bem como a forma de aproveitar a energia nela contida. Apresentaremos de seguida as vantagens desta fonte renovável de energia bem como possíveis impactos negativos que dela poderão advir. Explicaremos como é possível transformar a energia química da biomassa em energia eléctrica e calorífica, explicitando cada tecnologia associada. Por fim apresentaremos perspectivas do presente e do futuro bem como o enquadramento de Portugal nesta área.

Escola Superior de Tecnologia e Gestão – Instituto Politécnico de Viana do Castelo Página 2 de 36

Cogeração e Trigeração em Centrais de biomasssa

Índice
1. 2. 3. Resumo .............................................................................................................. 2 Objectivos .......................................................................................................... 5 Biomassa ............................................................................................................ 6 A Biomassa como uma energia renovável ............................................................... 6 O que é a biomassa?................................................................................................. 7 Como se processa o aproveitamento da energia proveniente da biomassa? ............ 8 Centrais térmicas utilizando a biomassa como combustível ............................... 9 Vantagens e desvantagens da biomassa ................................................................... 9 4. Cogeração e trigeração ..................................................................................... 11 O que é a cogeração? ............................................................................................. 11 Eficiência de uma central de cogeração: ................................................................ 12 Cogeração a partir da biomassa ............................................................................. 13 Tecnologias aplicadas às centrais de biomassa...................................................... 14 Como produzir biogás? ...................................................................................... 14 Turbina a gás ...................................................................................................... 16 Turbina de vapor ................................................................................................ 17 Ciclo combinado ................................................................................................ 18 Microturbinas ..................................................................................................... 19 Pilhas de combustível ........................................................................................ 20 Vantagens e desvantagens das centrais de cogeração utilizando a biomassa ........ 22 Aplicações .............................................................................................................. 23 O que é a trigeração? ............................................................................................. 24 Como produzir frio a partir de calor? ................................................................ 25 Chiller de compressão ou eléctrico .............................................................. 25 Chiller de absorção ....................................................................................... 25 Chillers de adsorção ..................................................................................... 26 Vantagens e desvantagens dos diferentes chillers ............................................. 27 5. Cogeração/trigeração em Portugal ................................................................... 29 Portucel Soporcel ................................................................................................... 29 Probiomass ............................................................................................................. 29 EXPO 98 ................................................................................................................ 30 6. Poder Calorífico ............................................................................................... 31

Escola Superior de Tecnologia e Gestão – Instituto Politécnico de Viana do Castelo Página 3 de 36

Cogeração e Trigeração em Centrais de biomasssa

Poder Calorífico e dimensionamento de uma central ............................................ 32 7. 8. 9. Projecções do presente e para o futuro (cogeração/trigeração): ...................... 32 Conclusão/Análise crítica ................................................................................ 34 Bibliografia ...................................................................................................... 35

Figura 1 Composição média da biomassa.................................................................... 7 Figura 2 Fontes de biomassa. ....................................................................................... 8 Figura 3 Central de cogeração. .................................................................................. 11 Figura 4 Rendimento de uma central tradicional. ...................................................... 12 Figura 5 Rendimento de uma central de cogeração. .................................................. 12 Figura 6 Central de cogeração. .................................................................................. 14 Figura 7 Vantagens do biogás .................................................................................... 15 Figura 8 Turbina a gás usada na cogeração. .............................................................. 16 Figura 9 Sistema de cogeração com turbina a vapor ................................................. 17 Figura 10 Sistema de cogeração em ciclo combinado. .............................................. 19 Figura 11 Sistema de Microturbina. .......................................................................... 20 Figura 12 Componentes de uma pilha de combustível .............................................. 21 Figura 13 Comparação entre as diversas tecnologias ................................................ 23 Figura 14 Ponto de vista do cliente. ........................................................................... 24 Figura 15 Chiller de compressão ou eléctrico ........................................................... 25 Figura 16 Chiller de absorção. ................................................................................... 26 Figura 17 Chiller de adsorção. ................................................................................... 27 Figura 18 Algumas centrais e projectos a biomassa .................................................. 31 Figura 19 Gráfico representativo do crescimento da cogeração presente e futuro. ... 33

Tabela 1 Representação da cogeração em relação à geração de energia em alguns países. ............................................................................................................................. 13 Tabela 2 Potencial energético do biogás (DGGE 2005) ............................................ 15 Tabela 3 Comparativo das principais tecnologias utilizadas em cogeração. ............. 21

Escola Superior de Tecnologia e Gestão – Instituto Politécnico de Viana do Castelo Página 4 de 36

Cogeração e Trigeração em Centrais de biomasssa

2. Objectivos Os objectivos do presente trabalho são: a) Breve estudo da biomassa; b) Estudo da cogeração e trigeração em centrais de biomassa: Energia; Funcionamento; Utilidade; Gastos; Vantagens vs desvantagens; c) Análise do potencial das centrais de cogeração e trigeração: Relação consumo/rendimento; d) Conclusões sobre se são um bom investimento presente e para o futuro.

Escola Superior de Tecnologia e Gestão – Instituto Politécnico de Viana do Castelo Página 5 de 36

Cogeração e Trigeração em Centrais de biomasssa

3. Biomassa A Biomassa como uma energia renovável Nos últimos tempos tem-se acentuado fortemente a discussão acerca das Energias renováveis. De facto, torna-se urgente o uso de fontes energéticas de origem renovável, seja pelo elevado e incerto preço do petróleo, fonte de energia da qual o planeta é fortemente dependente, seja pela necessidade de proteger o meio ambiente. Contudo, e apesar de existir um leque muito vasto de tecnologias de aproveitamento e conversão de energias renováveis, a verdade é que a sua utilização no nosso dia-a-dia ainda é muito reduzida. Factores como o preço e desempenho limitam muito a utilização directa pelo consumidor final de energias renováveis. A realidade é que cada vez mais os peritos aceitam que o clima mundial se está a modificar. No século passado as temperaturas globais aumentaram em cerca de 0,7 ºC e de dez em dez anos continuam a aumentar desde 1990. Os cientistas acreditam que este aquecimento é devido, pelo menos em parte, ao nosso aumento do uso de combustíveis fósseis desde a revolução industrial. Os combustíveis fósseis ardentes lançam gases de efeito de estufa, tais como dióxido de carbono (CO2), para a atmosfera, o que contribui para a deterioração do ozono (O3). Felizmente a sociedade está a tomar consciência que os combustíveis convencionais são um recurso limitado e que a contaminação coloca em perigo o nosso estilo de vida. A verdade é que em consequência desta preocupação crescente, principalmente pelos órgãos oficiais, surgiu uma aposta acentuada na utilização das energias renováveis. Desta forma, entende-se por energias renováveis todas as formas de energia cuja taxa de utilização é inferior à sua taxa de renovação. Entre elas destacase a biomassa. A biomassa foi a fonte energética mais utilizada desde os primórdios da humanidade, sendo alvo de uma prática antiga quando as pessoas queimavam lenha para obter calor e luz. No entanto, a lenha, principal fonte energética da sociedade agrícola tradicional, vê diminuído o seu consumo logo no século XVIII. Posteriormente, no século XIX com a revolução industrial, o mundo foi à procura de recursos energéticos mais eficientes. Sendo assim, a biomassa, muito utilizada até então, teve o seu declínio após a descoberta do petróleo e do gás natural, dando mais tarde, em meados do século XX, lugar à dominância do petróleo como fonte energética capaz de suprir as necessidades da época de maneira mais eficaz.

Escola Superior de Tecnologia e Gestão – Instituto Politécnico de Viana do Castelo Página 6 de 36

Cogeração e Trigeração em Centrais de biomasssa

No seu conjunto a biomassa é um enorme armazém de energia, por esse motivo calcula-se que 1/8 da biomassa produzida anualmente podia satisfazer toda a procura corrente de energia para a humanidade. Assim, curiosamente, hoje tenta-se que ela volte a ser mais aproveitada para gerar energia, pois a partir das crises petrolíferas das décadas de 70 e 80, emergem novas técnicas de exploração das energias renováveis. Com isto, os cientistas estão constantemente a investigar novas maneiras de extrair energia a partir da biomassa de uma forma cada vez mais eficaz, a um ponto tal que a biomassa começa a emergir como opção energética do futuro, e uma vez que a biomassa colhida volta a crescer é considerada um recurso renovável.

O que é a biomassa? A biomassa é a massa total de organismos vivos numa dada região. Consiste em matéria orgânica que tem energia armazenada sob a forma de energia química, pois através da fotossíntese, as plantas capturam a energia do sol e transformam essa energia em energia química, a qual posteriormente pode ser convertida em três formas de energia: electricidade, combustível e calor. Desta forma a energia contida na biomassa provém do sol, onde os cloroplastos presentes nas folhas das plantas usam a energia solar para produzir diversos componentes como por exemplo os hidratos de carbono. A biomassa tem, assim, uma composição de 25% de lenhina (associada à celulose na parede celular, confere rigidez,

impermeabilidade e resistência) e de 75% de hidratos de carbono

(principal fonte de energia para o corpo e estão presentes nos cereais, raízes, tubérculos, leguminosas,
Figura 1 Composição média da biomassa.

vegetais e frutos). Dentro da biomassa podemos distinguir algumas fontes de energia com potencial energético considerável: madeira e seus resíduos (ex: serrim); resíduos agrícolas;

Escola Superior de Tecnologia e Gestão – Instituto Politécnico de Viana do Castelo Página 7 de 36

Cogeração e Trigeração em Centrais de biomasssa

resíduos municipais sólidos; resíduos dos animais; resíduos da produção alimentar; carvão vegetal; óleos animal ou vegetal; plantas aquáticas; algas; (…) Muita da energia solar armazenada é passada para os animais quando eles comem as plantas ou outros animais. Sendo
Figura 2 Fontes de biomassa.

assim, plantas, animais e excrementos dos animais fazem parte da biomassa, e podem ser considerados armazéns de energia solar.

Como se processa o aproveitamento da energia proveniente da biomassa? A biomassa divide-se em três fontes energéticas de origem natural: 1. Biomassa sólida: tem como fonte resíduos florestais e agricolas (incluindo substâncias animais), e também a fracção biodegradável dos resíduos industriais e urbanos. 2. Biocombustíveis gasosos (biogás): têm como fonte os efluentes agro-pecuários e urbanos (lamas das estações de tratamento dos efluentes domésticos) e também nos aterros de resíduos sólidos urbanos. 3. Biocombustíveis líquidos: Biodiesel: obtidos a partir de óleos vegetais. Etanol: obtido a partir de hidratos de carbono (açúcar, amido e celulose); Metanol: obtido a partir da síntese do gás natural ou da madeira. O aproveitamento da energia da biomassa é feito por intermédio de vários processos que diferem de acordo com a matéria e o tipo de combustível que se quer produzir ou consumir. Alguns desses processos são: a) Queima directa em centrais térmicas – Biomassa sólida; b) Liquefação – Biomassa sólida; c) Digestão anaeróbia – Biogás; d) Transesterificação – Biodiesel;

Escola Superior de Tecnologia e Gestão – Instituto Politécnico de Viana do Castelo Página 8 de 36

Cogeração e Trigeração em Centrais de biomasssa

e) Fermentação – Etanol; f) Gaseificação – Metanol; Destes vários processos iremos focar o nosso relatório na queima directa em centrais térmicas que têm como combustível base a biomassa, independentemente desta se encontrar no estado sólido, líquido ou gasoso. Associado a este processo podemos aplicar a cogeração e trigeração. Centrais térmicas utilizando a biomassa como combustível O uso de biomassa florestal para produção de energia eléctrica constitui uma alternativa interessante à utilização de combustíveis de origem fóssil, de que Portugal é importador, e deve por isso ser explorada.

Vantagens e desvantagens da biomassa Actualmente a biomassa ainda é utilizada como fonte de energia principalmente nas aldeias, pois os recursos de biomassa estão disponíveis nos campos e florestas sendo a facilidade e disponibilidade de obtenção do recurso uma das maiores vantagens da biomassa como fonte energética. Além disso, a produção de energia a partir de biomassa contribui para a economia, pois ajuda a reduzir os desperdícios de matéria energética, contribuindo também para o aproveitamento de resíduos, como por exemplo toda a espécie de resíduos florestais. Desta forma, como é um recurso facilmente disponível tem baixo custo e um grande potencial, além de que a biomassa é menos poluente do que a energia obtida a partir da queima de combustíveis fósseis. Isso é justificado, porque apesar da queima de biomassa também libertar dióxido de carbono, gás de efeito de estufa, para a atmosfera, esse dióxido de carbono tinha sido anteriormente absorvido pelas plantas que deram origem ao combustível, sendo o balanço de emissões de CO2 nulo. A produção de energia a partir da biomassa permite criar novos postos de trabalho nos vários sectores de processamento da biomassa. Em contrapartida, uma das grandes desvantagens que criou grandes controvérsias, em finais de 2008, à volta da geração de energia a partir de culturas vegetais, foi as plantações que se realizaram apenas com fins energéticos, que originou uma sobreesploração das espécies vegetais, gerando uma crise alimentar em consequência da subida dos preços. Conjecturou-se que esta exploração excessiva pudesse levar à extinção das espécies vegetais mais utilizadas para produzir biocombustíveis, além de

Escola Superior de Tecnologia e Gestão – Instituto Politécnico de Viana do Castelo Página 9 de 36

Cogeração e Trigeração em Centrais de biomasssa

que a plantação excessiva pudesse prejudicar os solos levando à sua contaminação pela utilização de fertilizantes para obtenção de culturas vegetais em grande massa. A biomassa apesar de ser uma energia considerada limpa tem baixo poder energético quando comparada com os combustíveis fósseis.

Escola Superior de Tecnologia e Gestão – Instituto Politécnico de Viana do Castelo Página 10 de 36

Cogeração e Trigeração em Centrais de biomasssa

4. Cogeração e trigeração O que é a cogeração? A cogeração é a geração simultânea de energia térmica e energia eléctrica a partir de um único combustível (petróleo, gás natural, gás propano ou mesmo a biomassa) e um único conjunto de equipamentos. Desta forma assegura um acréscimo relevante de rendimento e de eficiência relativamente aos processos tradicionais de produção de energia. Os sistemas de cogeração mais utilizados são a turbina a gás, turbina a vapor e ciclo combinado sendo as diferenças entre eles a relação entre as necessidades de energia térmica e eléctrica, os custos da instalação e da exploração e os níveis de emissões e ruídos. Nas centrais de cogeração utiliza-se o calor produzido para produção de electricidade. O calor remanescente é utilizado como fonte de energia térmica em processos industriais ou em aquecimento. A eficiência global destas centrais é próxima dos 80%. As indústrias da fileira florestal produzem energia eléctrica através de centrais de cogeração. Outros utilizadores potenciais para centrais de cogeração a biomassa são indústrias com grandes necessidades de calor e de electricidade, e aplicações para aquecimento central em hospitais, universidades e grandes edifícios. O calor produzido pode ser utilizado directamente no processo industrial, bem como recuperado e convertido para utilização em aquecimento de espaços e aquecimento de água opondose aos métodos tradicionais de produção de electricidade por via térmica, que desperdiçam todo o calor inerente ao processo. É de considerar que o problema da viabilização da produção de electricidade a partir de biomassa passa também, não pelo tipo de combustível, mas pelo tipo de utilização desse combustível.

Figura 3 Central de cogeração. Escola Superior de Tecnologia e Gestão – Instituto Politécnico de Viana do Castelo Página 11 de 36

Cogeração e Trigeração em Centrais de biomasssa

Eficiência de uma central de cogeração: Na avaliação do rendimento de um processo de cogeração temos que ter em conta o rendimento de um processo tradicional de produção de energia a partir de combustíveis fósseis (petróleo ou gás natural) ou mesmo biomassa, em que pelo menos 65% da energia primária contida no combustível é transformada em calor e perdida para a atmosfera, ou seja, numa central termoeléctrica tradicional o rendimento médio é de 30% a 40%, pois a maior parte da energia contida no combustível, usado no accionamento das turbinas, é transformado em calor resultando em perdas para a atmosfera sem qualquer fim, isto é, desperdiça-se energia. (fig. 4) Em contrapartida, num sistema de cogeração, o aproveitamento útil da energia primária, ou seja, do calor residual proveniente do processo de produção de energia eléctrica que contabiliza perto dos 65%, apenas uma pequena percentagem é realmente perdida ou desperdiçada. Quer isto dizer que dos 65% de calor libertado como perdas para a atmosfera 50% é aproveitado para a produção de energia térmica, resultando numa redução do desperdício de energia em 15% (fig. 5). O custo de investimento numa central de Cogeração/trigeração ronda em média os 750 €/kW.

Figura 4 Rendimento de uma central tradicional.

Figura 5 Rendimento de uma central de cogeração.

Escola Superior de Tecnologia e Gestão – Instituto Politécnico de Viana do Castelo Página 12 de 36

Cogeração e Trigeração em Centrais de biomasssa

Tabela 1 Representação da cogeração em relação à geração de energia em alguns países.

Cogeração a partir da biomassa O combustível das centrais de cogeração pode derivar de fontes não renováveis (combustíveis fósseis) ou fontes renováveis (biomassa). A cogeração com recursos renováveis tem conhecido um enorme crescimento nos últimos anos uma vez que permite o aproveitamento de recursos energéticos endógenos de elevado potencial, diminuindo as necessidades de consumo de combustíveis fósseis e minimizando impactes sobre o meio ambiente. Assim, cogeração a partir da biomassa significa que o combustível a ser queimado na central será a biomassa que, como referido anteriormente, se pode encontrar nos três estados físicos: sólida, líquida ou gasosa. Desta forma, de acordo com o estado da biomassa serão utilizadas diferentes tecnologias aplicadas às centrais térmicas. Como principais fontes de energia renovável para utilização em sistemas de cogeração temos: Biocombustíveis sólidos: A utilização de resíduos florestais ou de subprodutos provenientes de indústrias transformadoras de resíduos, nomeadamente indústrias transformadoras de madeira, cortiça, processamento de frutos secos e azeite, é bastante comum em sistemas de cogeração por turbina de vapor, sendo utilizados para produção do vapor para alimentar à turbina. Biocombustíveis gasosos com origem industrial: certos processos industriais produzem resíduos e efluentes com importantes cargas orgânicas e cujo tratamento anaeróbio origina uma fracção gasosa de elevado potencial

Escola Superior de Tecnologia e Gestão – Instituto Politécnico de Viana do Castelo Página 13 de 36

Cogeração e Trigeração em Centrais de biomasssa

energético: o biogás. Este combustível contém um elevado teor de metano (50% a 70%) e uma grande resistência à auto-detonação, pelo que a sua utilização e valorização em sistemas de cogeração é bastante interessante e comum. Biocombustíveis gasosos com origem em aterros sanitários: A deposição de resíduos orgânicos em aterros sanitários gera a sua decomposição anaeróbia de forma espontânea, sendo produzido gás de aterro. Este gás é composto por um elevado teor de metano (35% a 60%) sendo, por isso, um excelente combustível para sistemas de cogeração.

Figura 6 Central de cogeração.

Tecnologias aplicadas às centrais de biomassa Como a maior parte das tecnologias associadas à cogeração e trigeração envolvem gás natural (CH4) como combustível, iremos apresentar como se pode produzir este gás a partir da biomassa. Como produzir biogás? O biogás resulta da deterioração biológica anaeróbia da matéria orgânica presente em resíduos orgânicos através da digestão anaeróbia. O biogás é principalmente constituído por metano (CH4) em percentagens que variam entre os 50% e os 80% sendo o restante essencialmente CO2.

Escola Superior de Tecnologia e Gestão – Instituto Politécnico de Viana do Castelo Página 14 de 36

Cogeração e Trigeração em Centrais de biomasssa

A combustão de biogás num sistema de cogeração permite satisfazer, primeiramente, as necessidades térmicas do utilizador e, conjuntamente, produzir energia eléctrica, para consumo na própria instalação e/ou venda à rede pública de distribuição de energia eléctrica. Foi definido em Resolução de Conselho de Ministros (RCM nº 63/2003) a meta de 50 MWe de potência instalada com origem no aproveitamento do biogás, até 2010. A tarifa do biogás aumentou no início de 2005 em cerca de 28%, de 72 €/MWh para 100 €/MWh (remuneração acima da eólica). Estas medidas, associadas à edificação de novos sistemas de ETAR’s e tratamentos de RSU, integrados em planos ambientais e manutenção dos recursos hidrólogos, poderá criar novos empreendimentos de aproveitamento energético do Biogás. Em Portugal, estima-se que exista um potencial energético de biogás na ordem dos 660 GWh/ano, ou seja, perto de 150 MWe de potência instalada. Em particular, o biogás com origem em efluentes da agro-pecuária pode representar cerca de 226 GWh/ano (potência instalada de 38 MWe). Em 2001, apenas existia 1 MWe de potência instalada – apenas 0,7% do potencial disponível. É de salientar o facto da queima do metano permitir que não ocorra o seu lançamento na atmosfera onde é fortemente nocivo em termos de efeito de estufa.

Tabela 2 Potencial energético do biogás (DGGE 2005)

Figura 7 Vantagens do biogás

Escola Superior de Tecnologia e Gestão – Instituto Politécnico de Viana do Castelo Página 15 de 36

Cogeração e Trigeração em Centrais de biomasssa

Turbina a gás
Nas turbinas a gás, que derivado da biomassa será o biogás, o ar entra no compressor, onde a pressão e a temperatura são aumentadas, e sendo misturado com um combustível ocorre a combustão. Os gases quentes são expandidos na turbina até à pressão atmosférica produzindo-se trabalho. Esse compressor funciona com 65% da energia da turbina, enquanto os restantes 35% são energia mecânica disponível no eixo da turbina. Seguidamente um alternador acoplado ao veio da turbina produz electricidade, sendo a energia térmica dos gases de combustão recuperada em caldeiras de recuperação de calor. Desta forma, uma turbina a gás é constituída por um sistema de admissão de gás, um compressor (dispositivo de compressão do ar), uma câmara de combustão, uma turbina de expansão e um sistema de exaustão. O rendimento de uma turbina a gás ronda os 60% a 80%, sendo o período de instalação de 9 a 14 meses podendo atingir os dois anos para grandes sistemas. O tempo de vida é de 15 a 20 anos. Esta tecnologia, usando turbinas ou motores alternativos de combustão interna tem sido aplicada adequadamente em instalações de Cogeração nas últimas décadas. Todas estas máquinas e sistemas têm sido continuamente desenvolvidas e produzidas por empresas Europeias durante muitas décadas.

Figura 8 Turbina a gás usada na cogeração.

Escola Superior de Tecnologia e Gestão – Instituto Politécnico de Viana do Castelo Página 16 de 36

Cogeração e Trigeração em Centrais de biomasssa

Vantagens Fácil manutenção; Não necessita de vigilância permanente; Disponibiliza energia térmica a temperaturas elevadas (500 ºC a 600º C); Arranque rápido; Baixo nível de vibrações.

Desvantagens Limitado a nível de variedade de combustível consumido; Tempo de vida útil curto; Ineficácia em processos com poucas

necessidades térmicas; Necessidade de uso de dispositivos antipoeiras/sujidade, anti-corrosão (em especial em casos de pausas de funcionamento prolongado).

Turbina de vapor A Cogeração com Turbinas a Vapor tem-se difundido principalmente na produção centralizada de energia eléctrica nas grandes instalações (acima dos 20MW), em indústrias onde são indispensáveis elevadas quantidades de vapor para o processo.
O sistema funciona segundo o ciclo de Ranckie, quer na sua forma básica ou em versões melhoradas com reaquecimento de pré-aquecimento de água regenerativa. A turbina utiliza o vapor que é produzido numa caldeira aquo-tubular de alta pressão. Utiliza vapor de elevada entalpia como “combustível” para produzir trabalho mecânico e vapor de menor conteúdo entálpico. O vapor é extraído (expandido) em vários andares da turbina, dependendo das necessidades de energia térmica. O rendimento de uma turbina de vapor ronda os 60% a 65%, sendo o período de instalação de 12 a 18 meses podendo atingir os três anos para grandes sistemas. Contempla um tempo de vida longo (cerca de 25 a 35 anos).

Figura 9 Sistema de cogeração com turbina a vapor

Escola Superior de Tecnologia e Gestão – Instituto Politécnico de Viana do Castelo Página 17 de 36

Cogeração e Trigeração em Centrais de biomasssa

Vantagens Tempo de vida útil elevado; Não necessita de vigilância constante; Equipamento seguro; Eficiência global elevada; Capacidade de fornecer vapor a alta pressão e/ou pressão atmosférica; Elevado tempo de trabalho entre manutenções;

Desvantagens Reduzido número de aplicações; Baixo rendimento eléctrico; Arranque lento; Problemas de controlo de emissão de poluentes; Dependência de um tipo de combustível no dimensionamento, ou seja só pode usar o combustível idêntico aquele para que foi projectado o sistema; Reduzido número de aplicações; Investimento inicial elevado; Baixo rendimento eléctrico;

Ciclo combinado O melhoramento dos sistemas isolados, conduziu à introdução de um novo tipo de cogeração que se baseia na agregação de dois sistemas isolados num só sistema, permitindo assim aumentar o rendimento e eficácia global da cogeração. Este novo tipo de Cogeração, denominada de Cogeração em Ciclo Combinado é constituído de uma forma geral por um sistema de Cogeração com Turbinas a Gás e por um sistema de Cogeração com Turbinas a vapor, que são projectados e executados de modo a complementarem-se. Na Cogeração com Turbinas a Gás, verifica-se que os gases de exaustão contém ainda uma grande quantidade de oxigénio (aproximadamente 15%) que pode ser utilizado para uma queima suplementar de combustível numa caldeira de recuperação produzindo-se vapor de alta pressão. Estes gases de exaustão, uma vez que se encontram ainda a elevadas temperaturas (normalmente entre os 450 ºC e 550 ºC) podem ser usados doutra forma diferente da descrita no anteriormente. Este segundo método consiste em tirar partido do calor destes gases para produzir vapor numa caldeira de recuperação, sem haver queima suplementar. Em comparação com grande parte das tecnologias apresentadas anteriormente, a de Ciclos Combinados permite, de uma maneira geral, uma maior extracção de potência

Escola Superior de Tecnologia e Gestão – Instituto Politécnico de Viana do Castelo Página 18 de 36

Cogeração e Trigeração em Centrais de biomasssa

por unidade de calor. Portanto, o ciclo combinado tem uma eficiência maior quando comparada com a dos ciclos com turbina a gás e a vapor separadamente.

Figura 10 Sistema de cogeração em ciclo combinado.

Vantagens Elevada eficiência; Grande flexibilidade na quantidade de energia térmica produzida; Redução custos globais de operação. Microturbinas

Desvantagens Sistema global sujeito a um somatório das desvantagens dos dois sistemas em separado (Cogeração com Turbina a Gás e a Vapor); Maior complexidade do sistema global.

As microturbinas podem constituir uma opção vantajosa para produção distribuída de electricidade e de calor, devido à sua simplicidade, ao facto de serem uma tecnologia já amadurecida e devido às suas reduzidas emissões. Comparando as turbinas convencionais, apresentam uma potência mais reduzida (normalmente até 200 kW), um ciclo de combustão simplificado, uma menor taxa de compressão e um eixo do rotor de reduzidas dimensões, com o gerador montado numa das extremidades. Estes grupos podem adaptar-se para funcionarem com diferentes tipos de combustíveis, sem quaisquer modificações significativas a realizar nos seus dispositivos mecânicos, entre esses combustíveis inclui-se a biomassa. Esses combustíveis que podem ser utilizados vão desde os que apresentam elevado conteúdo energético, como o propano até aos gases provenientes das estações de compostagem, passando pelo gás natural. Podem também ser utilizados combustíveis líquidos como o diesel, a gasolina ou o querosene, sendo necessário apenas realizar-se pequenas modificações no sistema de alimentação de combustível.

Escola Superior de Tecnologia e Gestão – Instituto Politécnico de Viana do Castelo Página 19 de 36

Cogeração e Trigeração em Centrais de biomasssa

As microturbinas ainda são uma tecnologia relativamente cara face a tecnologias convencionais, embora se possa tornar mais competitiva sobretudo se a sua procura permitir a produção destes equipamentos em grande escala.

Figura 11 Sistema de Microturbina.

Vantagens Número de partes móveis reduzido; Dimensões e peso reduzidos; Emissões reduzidas; Não necessita de refrigeração; Têm tempos de arranque muito rápidos; Tem elevada fiabilidade e necessitam muito pouca manutenção.

Desvantagens Custos elevados; Eficiência mecânica relativamente reduzida; Limitado a aplicações de cogeração com baixas temperaturas.

Pilhas de combustível Existem diferentes modelos de pilhas de células de combustível, mas o funcionamento principal é semelhante. Todas têm dois eléctrodos (um ânodo e um cátodo) divididos por um componente apelidado electrólito. Na maioria das pilhas de células de combustível o ânodo é sustentado por hidrogénio, onde se ioniza gerando protões e electrões. Os protões transitam o electrólito para chegar ao cátodo, enquanto

Escola Superior de Tecnologia e Gestão – Instituto Politécnico de Viana do Castelo Página 20 de 36

Cogeração e Trigeração em Centrais de biomasssa

os electrões fluem por um circuito externo (produzindo uma corrente eléctrica na rede externa) indo para o cátodo da célula de combustível. No cátodo, os electrões, os protões e o oxigénio reagem formando água. É uma tecnologia que começa a aparecer cada vez mais, que relativamente com outras tecnologias tradicionais de produção proporciona altos rendimentos (mesmo para potências baixas) e reduzidas emissões acústicas. As pilhas de células de combustível são amigas do ambiente, pois mesmo com o uso de um combustível fóssil, não se geram gases prejudiciais que contribuem para o aparecimento das chuvas ácidas, nem libertam partículas poluentes que coloquem em risco a qualidade do ar, nenhum hidrocarboneto é libertado durante operação normal, e confrontando com o dióxido de carbono libertado com as outras tecnologias que usam este tipo de combustível, mesmo com as mais eficientes, o valor é bastante menor. Permitem regular a potência de operação, respondendo rapidamente à carga, são simples de instalar, têm versatilidade de fontes na alimentação desde os combustíveis fósseis (petróleo, óleo, gás natural), até hidrogénio puro produzido por electrólise (energia vinda de fontes renováveis como sol, o vento, a água, a biomassa). Para além destas vantagens, é de realçar que esta é uma tecnologia revolucionária por oferecer elevados índices de qualidade de energia, bem como possibilitar uma operação contínua durante um número de horas bastante superior ao das tecnologias tradicionais. Por outro lado, pode ser utilizado o calor originado pela produção de energia, para efeitos de cogeração ou trigeração, amplificando o rendimento desta tecnologia.

Tabela 3 Comparativo das principais tecnologias utilizadas em cogeração.

Figura 12 Componentes de uma pilha de combustível

Escola Superior de Tecnologia e Gestão – Instituto Politécnico de Viana do Castelo Página 21 de 36

Cogeração e Trigeração em Centrais de biomasssa

Vantagens e desvantagens das centrais de cogeração utilizando a biomassa

Vantagens Pode ser realizada através de uma fonte de energia renovável; Menor emissão de poluentes gerando menor impacto ambiental; Menor custo de energia (eléctrica e térmica); Maior eficiência energética e consequente redução dos desperdícios de energia; Melhor qualidade da energia eléctrica; Permite um sistema de maior repartição da energia em relação às grandes centrais

Desvantagens

Necessidade de efectuar estudos de viabilidade económica; Investimento inicial elevado; Problemas com poluição sonora e poluição local; Lucros dependentes do preço da electricidade e do combustível.

produtoras de electricidade; Melhor qualidade da energia eléctrica no caso de ser mantida a ligação à rede; Evita custos de transmissão e de distribuição de electricidade e perdas; Maior eficiência energética;

Escola Superior de Tecnologia e Gestão – Instituto Politécnico de Viana do Castelo Página 22 de 36

Cogeração e Trigeração em Centrais de biomasssa

Figura 13 Comparação entre as diversas tecnologias

Aplicações A cogeração é geralmente utilizada por consumidores industriais pois é mais apropriada para instalações com elevados níveis de consumo de energia térmica ao longo do ano, visto que há um melhor aproveitamento do calor do que num sistema convencional. Por este motivo é principalmente nas indústrias químicas, cerâmica e do papel, existindo também algumas instalações no sector Terciário (hospitais, hotéis e centros comerciais) que os sistemas de cogeração têm maior aplicabilidade. Assim, os potenciais utilizadores de cogeração são instalações que verificam as seguintes características: Necessidades simultâneas e contínuas de energia térmica e energia eléctrica; Disponibilidade de combustíveis de qualidade; Período de funcionamento de pelo menos 4.500 a 5.000 horas por ano; Espaço suficiente e uma adequada localização para a implementação do novo equipamento; Calor residual disponível de elevada qualidade.

Escola Superior de Tecnologia e Gestão – Instituto Politécnico de Viana do Castelo Página 23 de 36

Cogeração e Trigeração em Centrais de biomasssa

Figura 14 Ponto de vista do cliente.

O que é a trigeração? A trigeração ou CCHP (em inglês combined cooling, heating and power generation) é a produção simultânea de energia mecânica (muitas vezes convertida em electricidade), calor e frio a partir de apenas uma fonte de calor, como um combustível ou energia solar. Como acontece com a cogeração, o calor desperdiçado é aproveitado, o que torna o sistema muito mais eficiente. Os sistemas de trigeração têm vindo a ser utilizados sobretudo no sector terciário, em processos de climatização. A utilização dos “chillers” de absorção pode constituir uma maneira de equilibrar o aumento das necessidades de frio com a diminuição das necessidades de calor no período estável, isto é, onde existam necessidades de calor para aquecimento ambiente no Inverno, e grandes necessidades de frio para arrefecimento ambiente no Verão. Contudo, em empresas industriais que tenham grandes necessidades de frio esta será também uma hipótese a considerar, sobretudo no caso das actuais unidades que recorrem ao arrefecimento por água (por exemplo bancos de gelo) utilizando sistemas tradicionais de refrigeração.

Escola Superior de Tecnologia e Gestão – Instituto Politécnico de Viana do Castelo Página 24 de 36

Cogeração e Trigeração em Centrais de biomasssa

Como produzir frio a partir de calor? Os chillers são máquinas térmicas que através de um ciclo termodinâmico conseguem remover calor da água, ou outro líquido, em diferentes tipos de aplicações, isto é, produzir frio. Existem essencialmente três tipos de chillers: 1. Chillers de compressão ou eléctrico; 2. Chillers de absorção; 3. Chillers de adsorção. Chiller de compressão ou eléctrico Este tipo de chiller utiliza um compressor mecânico, accionado normalmente por um motor eléctrico, de forma a aumentar a pressão em determinada fase do ciclo termodinâmico do sistema. A desvantagem deste processo reside no seu elevado consumo energético.

Figura 15 Chiller de compressão ou eléctrico

Chiller de absorção O que distingue o funcionamento dos chillers de absorção dos chillers de compressão é o facto de o primeiro ter como princípio de base um “compressor termoquímico”. Os chillers de absorção permitem produzir água gelada a partir de uma fonte de calor, utilizando para tal uma solução de um sal (e.g. brometo lítio) num processo termoquímico de absorção. Os chillers de absorção, por sua vez, subdividem-se em dois tipos: Chiller de absorção de queima directa: nestes sistemas o calor necessário ao processo é obtido queimando directamente um combustível, tipicamente gás natural.

Escola Superior de Tecnologia e Gestão – Instituto Politécnico de Viana do Castelo Página 25 de 36

Cogeração e Trigeração em Centrais de biomasssa

Chiller de absorção de queima indirecta: nestes sistemas o calor necessário é fornecido na forma de vapor de baixa pressão, água quente ou de um processo de purga quente. Os chillers de absorção são muitas vezes integrados em sistemas de cogeração, de forma a permitir o aproveitando do calor que de outra forma seria desperdiçado. O chiller de absorção de queima indirecta utilizando água quente como fonte de calor (hot water fired absorption chiller) representa o tipo de chiller mais apropriado para a integração com sistemas de micro-cogeração, já que estes produzem água quente com temperaturas adequadas aos chillers. Existem essencialmente dois tipos distintos de chillers de absorção de queima indirecta: 1. Sistemas onde o absorvente é o amoníaco: estes sistemas representam um investimento relativamente elevado, sendo normalmente aplicados apenas em instalações de grande capacidade. 2. Sistemas onde o absorvente é o brometo de lítio: representa o sistema mais utilizado nos casos de integração com sistemas de micro-cogeração, devido essencialmente a uma melhor relação entre o seu custo e a sua eficiência energética.

Figura 16 Chiller de absorção.

Chillers de adsorção Um chiller de adsorção é uma máquina térmica que transforma calor em frio utilizando como fonte calor inutilizado. A adsorção é um fenómeno de adesão reversível, da qual resulta a acumulação de uma substância gasosa ou dissolvida na superfície de um corpo, tipicamente uma superfície constituída por um material poroso. Quando as moléculas da substância são fixadas, libertam energia, logo, a adsorção é um processo exotérmico. A diferença entre

Escola Superior de Tecnologia e Gestão – Instituto Politécnico de Viana do Castelo Página 26 de 36

Cogeração e Trigeração em Centrais de biomasssa

adsorção e absorção reside no facto de que, neste ultimo processo, o fluído misturar-se com o absorvente para formar uma solução. Os chillers de adsorção utilizam apenas água como refrigerante e um gel de sílica como adsorvente. Também se utiliza carvão activo ou resina sintética como absorvente nos processos industriais, para purificar a água ou para secar (com a adsorção da água). Os chillers de adsorção com gel de sílica podem funcionar a temperaturas inferiores a 80º C, o que os torna mais interessante do que os chillers de absorção em aplicações onde a fonte de calor é de baixa temperatura, como por exemplo, integrados com sistemas solares térmicos. Os chillers de adsorção utilizam apenas energia térmica.

Figura 17 Chiller de adsorção.

Vantagens e desvantagens dos diferentes chillers Vantagens Como não existem componentes móveis no sistema (para além das bombas hidráulicas necessárias), não há desgaste, logo este tipo de chiller apresenta uma vida útil longa, geralmente superior a vinte anos, e exigindo muito pouca manutenção; Desvantagens

Chillers de compressão ou eléctrico e chillers de absorção

Nos chillers onde se usa água como fluído refrigerante, não é utilizada nenhuma substância nociva para a camada de ozono (como os CFC por exemplo);

A grande desvantagem dos chillers de absorção frente aos chillers de compressão reside no seu reduzido rendimento energético. Os chillers de absorção apresentam COP’s de 1,1, enquanto nos chillers de compressão o valor pode subir até 6,0. Por outro lado, os chillers de absorção exigem um investimento inicial muito superior (entre 1,5 e 2,5 vezes mais caro).

O consumo eléctrico dum chiller de absorção é tipicamente cerca de 10% do

Escola Superior de Tecnologia e Gestão – Instituto Politécnico de Viana do Castelo Página 27 de 36

Cogeração e Trigeração em Centrais de biomasssa

consumo dos chillers de compressão eléctricos. Nas regiões onde existe uma forte procura de electricidade e/ou em que o preço é bastante elevado, é possível reduzir a factura energética investindo num sistema de arrefecimento que praticamente não necessita de electricidade;

Os chillers de absorção de queima indirecta apresentam também a vantagem de funcionar com uma ampla gama de fontes quentes.

Funciona com fontes de calor de temperatura baixa (55º C) com um Coeficiente de Performance (COP) de 0,5 – 0,6. Assim podem ser utilizados em aplicações de sistemas solares térmicos ou de sistemas de cogeração de baixa temperatura. O consumo de electricidade ronda apenas 6% da capacidade do chiller. A manutenção é muito reduzida pois praticamente não têm peças móveis (apenas as bombas). O custo da manutenção representa apenas cerca de um décimo do que é necessário para um chiller de compressão convencional. Para além disso, a equipa de manutenção não necessita de preparação especial. Se usar gel de sílica não apresenta riscos para o ambiente pois este gel é quimicamente neutro (SiO2). Elevado custo. Por exemplo, o preço de um chiller de adsorção com gel de sílica ronda os 500 €/kW.

Chiller de adsorção

Escola Superior de Tecnologia e Gestão – Instituto Politécnico de Viana do Castelo Página 28 de 36

Cogeração e Trigeração em Centrais de biomasssa

5. Cogeração/trigeração em Portugal Portucel Soporcel O grupo Portucel Soporcel é o maior produtor nacional de energia a partir de uma fonte renovável, a biomassa florestal. Produz mais de 90 por cento da energia eléctrica a partir da valorização deste recurso, optimizando a eficiência da sua utilização no fabrico dos produtos intermédios e finais. As principais fontes deste combustível utilizadas pelo Grupo para a produção de energia são a lenhina, separada no processo de produção de pasta, a casca e outros desperdícios da madeira, obtidos no seu manuseamento fabril ou florestal. A estratégia do Grupo no campo energético passa por assumir um papel cada vez mais relevante na produção nacional de energias renováveis, designadamente na vertente biomassa. Analisando a evolução ao longo dos anos, o Grupo reduziu as suas emissões de CO2 de origem fóssil, cerca de 58% entre 2000 e 2008, através de investimentos em mecanismos que visam a minimização do uso desses combustíveis. No sentido de dar continuidade a este processo evolutivo e de sucesso comprovado, o Grupo aposta na construção de duas novas centrais termoeléctricas a biomassa, a instalar na fábrica de Cacia e no complexo industrial de Setúbal, garantindo, no seu conjunto, uma produção líquida para a rede correspondente a cerca de 167 GWh/ano.

Maior produtor nacional de energia a partir da biomassa

O Grupo assume o estatuto de maior produtor nacional de energia a partir da biomassa em centrais de cogeração, processo que combina a energia eléctrica e térmica e que é mais eficiente do que a convencional produção exclusiva de energia eléctrica. A produção de energia eléctrica do grupo Portucel Soporcel a partir de biomassa florestal correspondeu em 2007 a cerca de 55% do total de energia produzida em Portugal com base nesta fonte renovável. A produção total de energia eléctrica do Grupo correspondeu, em 2007, a 2% do consumo de energia eléctrica no País. Probiomass O grupo de empresas Probiomass prevê construir uma central termoeléctrica de biomassa florestal em Chaves, um investimento de 27 milhões de euros que prevê a criação de 18 empregos directos e 300 indirectos.

Escola Superior de Tecnologia e Gestão – Instituto Politécnico de Viana do Castelo Página 29 de 36

Cogeração e Trigeração em Centrais de biomasssa

A Probiomass é liderada pela PROEF e conta com a parceria do Espírito Santo Capital, Eurico Ferreira e a Empreendimentos Hidroeléctricos do Alto Tâmega e Barroso (EHATB), empresa que junta os seis municípios do Alto Tâmega. Está prevista uma média de 100 mil toneladas por ano de biomassa florestal (BF) para uma produção média de cerca de 82 gigawatts (GW) de energia por hora. A matéria-prima será recolhida na região do Alto Tâmega, aproveitando o facto de a central ficar instalada junto de uma das maiores manchas florestais da região Norte.

EXPO 98
(embora o combustível utilizado não derive da biomassa, optamos por divulgar este projecto megalómano pela sua visão futurista e por constituir uns dos maiores avanços no nosso país em termos de cogeração, trigeração e redes de distribuição de calor e frio)

O projecto da EXPO’98 é considerado único em Portugal (e na Europa), possuindo características inovadoras que resultam da seguinte combinação de técnicas e tecnologias associadas à produção e distribuição de energia térmica sob a forma de calor e frio: Sistema de trigeração que permite a produção simultânea de três formas de energia: energia mecânica/eléctrica, água quente e água arrefecida. Produção de água arrefecida através de máquinas de absorção em que a fonte de calor é vapor produzido a partir da recuperação da energia térmica contida nos gases de exaustão da turbina a gás. Arrefecimento dos condensadores com a água do rio Tejo. Armazenamento de água arrefecida num reservatório com a capacidade de 15 000 m3 que permite optimizar a gestão das cargas em função das fontes de energia e os períodos de venda de energia eléctrica à rede. Fornecimento simultâneo de calor e frio aos consumidores ligados ao sistema. Instalação em galeria técnica de uma rede de distribuição a quatro tubos, solução que permite evitar impactes ambientais negativos. Utilização de um sistema de gestão técnica centralizada que optimiza todos os parâmetros funcionais da produção, distribuição e entrega de energia térmica a um grupo alargado de edifícios, da qual resulta um menor consumo de energia primária, com impacte benéfico em termos ambientais.

Escola Superior de Tecnologia e Gestão – Instituto Politécnico de Viana do Castelo Página 30 de 36

Cogeração e Trigeração em Centrais de biomasssa

Controlo individual, por consumidor, das necessidades de calor e frio, garantindo a racionalidade do consumo de energia. Uma das primeiras grandes aplicações do gás natural em Portugal.

Figura 18 Algumas centrais e projectos a biomassa

6. Poder Calorífico O Poder Calorífico é a quantidade de energia por unidade de massa (ou de volume no caso dos gases) libertada na oxidação de um determinado combustível, frequentemente corresponde à quantidade de energia que é libertada quando se realiza a combustão de um combustível. Existem combustíveis com mais P.C. do que outros, tornando esta medida importante para o dimensionamento de uma central termoeléctrica. Através da análise da tabela, verifica-se que a espécie de mato que tem um poder calorífico mais elevado é a Urze, isto significa que, quando se realiza a combustão da dita, esta liberta 23 850 J. Como consequência deste facto, para obter a mesma quantidade de energia queimando apenas erva fina, teriamos que queimar uma maior quantidade, de forma a libertar a mesma energia.

Escola Superior de Tecnologia e Gestão – Instituto Politécnico de Viana do Castelo Página 31 de 36

Cogeração e Trigeração em Centrais de biomasssa

Poder Calorífico e dimensionamento de uma central Qual a potência de uma central termoeléctrica, se nesta se queimarem se o rendimento da reacção for de 30 % e o P.C. da erva-fina for de de erva-fina, ?

Nota: Como o poder calorífico está em unidade de energia por volume, multiplica-se pelo caudal.

E se agora invés de erva-fina se queimar a mesma massa por segundo de gás propano com um P.C. de ?

Como o poder calorífico do gás propano é maior do que a erva-fina, é lógico que, para as mesmas quantidades queimadas, o gás propano vai produzir uma maior potência eléctrica. Como é demonstrado através da análise das contas anteriores, a escolha do combustível é de extrema importância para o dimensionamento de uma central termoeléctrica.

7. Projecções do presente e para o futuro (cogeração/trigeração): A adopção deste processo mais eficiente surgiu em função da necessidade de reduzir as emissões de CO2. E desta forma, o cumprimento dos objectivos nacionais, quanto à redução de emissões, consagrados no Plano Nacional de Alterações Climáticas (PNAC) aprovado pelo Governo em 2004, estabelecem que a potência adicional em cogeração, a instalar até ao ano 2010, deverá ser de aproximadamente 800 MW, mantendo operacionais todas as instalações que se encontram já licenciadas. Assim, a União Europeia estabeleceu para 2010 uma meta para a produção de energia através da cogeração que se situa nos 18% do total da energia produzida. Isto em virtude dos benefícios energéticos e ambientais da cogeração. Na Holanda a cogeração já representa mais de 40% da potência instalada. Nos últimos anos, o novo modelo de sector eléctrico propiciou a produção eléctrica local tornando-a mais eficiente e de baixo custo e levando ao aperfeiçoamento da tecnologia da cogeração, inclusive ao nível da microgeração (inferior a 150 kW).

Escola Superior de Tecnologia e Gestão – Instituto Politécnico de Viana do Castelo Página 32 de 36

Cogeração e Trigeração em Centrais de biomasssa

Figura 19 Gráfico representativo do crescimento da cogeração presente e futuro.

Escola Superior de Tecnologia e Gestão – Instituto Politécnico de Viana do Castelo Página 33 de 36

Cogeração e Trigeração em Centrais de biomasssa

8. Conclusão/Análise crítica Embora o mundo possua uma grande inércia face à mudança, já se estão a dar os primeiros passos para tornar a biomassa uma energia renovável fiável e presente. Existem, porém, muitos obstáculos, dos quais se destacam o elevado preço e tamanho do equipamento, o desconhecimento por parte da população destes tipos de tecnologias, especialmente dos vários tipos de combustíveis que existem bem como os diferentes ciclos de aproveitamento de energia, entre outros. Além das inúmeras vantagens a nível ambiental que a biomassa possui, é também um estímulo à economia, visto fomentar a criação de emprego bem como prevenir o aparecimento de fogos devido à constante limpeza das matas. As principais centrais de produção de energia eléctrica não tinham como princípio aproveitar o calor que resulta da combustão do combustível. Este facto tornava, e ainda torna algumas centrais, pouco rentáveis a nível energético, visto que a maior parte da energia é desperdiçada através de transferências de calor. Através da implementação da cogeração e posteriormente, a trigeração, é possível aumentar esta eficiência até aos 80 %, no que se traduz num menor impacto ambiental e numa maior gestão energética da central, possibilitando, por exemplo, que o calor aproveitado seja utilizado no aquecimento de água para consumo industrial ou então, através da trigeração, produzir frio e consequentemente diminuir a procura de electricidade devido a aparelhos de ar condicionado. Visto que existem muitas florestas, a aplicação de tecnologias ligadas à biomassa permite que ocorra uma descentralização na produção de energia eléctrica, o que acarreta ganhos por não ocorrem perdas devido ao transporte, e também porque ajuda a dinamizar áreas que a economia esqueceu. A nosso ver, ainda há um longo caminho a percorrer deforma a tornar a biomassa uma energia renovável disponível para todos, mas é preciso que a iniciativa parta das entidades governamentais de forma a incentivar o uso deste tipo de energia pelos cidadãos e também porque levaria a uma redução nos preços dos equipamentos (visto que existiria uma maior procura), o que faria com que ainda mais pessoas pudessem aceder a esta tão importante e tão primordial fonte de energia.

Escola Superior de Tecnologia e Gestão – Instituto Politécnico de Viana do Castelo Página 34 de 36

Cogeração e Trigeração em Centrais de biomasssa

9. Bibliografia Grupo de Trabalho de “Energias Alternativas”. Biomassa e Energias Renováveis na Agricultura, Pescas e Florestas. Ministério da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas (2005) http://dn.sapo.pt/inicio/interior.aspx?content_id=622050 http://ecen.com/eee57/eee57p/teor_de_carbono_em_combustiveis_da_biomassa.htm http://enerp4.ist.utl.pt/ruicastro/download/Cogeracao_ed2p0.pdf http://fernvicentemarques.blogspot.com/ http://noticias.sapo.pt/lusa/artigo/b06a1f09a3fc97c887ffb6.html http://paginas.fe.up.pt/~fmb/PTE2/Apontamentos%20PTE2/PTE2_Biomassa.pdf http://pt.wikipedia.org/wiki/PC http://www.aeportugal.pt/Areas/AmbienteEnergia/CadernosPDF/Caderno3/BiomassaFl orestal.pdf http://www.altri.pt/Display.aspx?&MasterId=7bf0d4cf-a63f-43b6-afe0d7e0b76a30ff&NavigationId=829 http://www.celbi.pt/client/skins/portuguese/processo.asp?categoria=4&select=p13 http://www.celpa.pt/images/pdf/art213_brochura_centrais.pdf http://www.cm-loures.pt/doc/Ambiente/ciclo_debates/Floresta_CMLoures.pdf http://www.cm-lousada.pt/NR/rdonlyres/875F75DF-B675-4661-BA9139DC9881F4F6/9563/ProfJos%C3%A9CavalheiroBiomassa.pdf http://www.embar.pt/conteudos/File/Noticias/2008/187%20Gerador%20a%20partir%20 de%20Electricidade.pdf http://www.energiasealternativas.com/biomassa.html http://www.energie-cites.org/db/mortagua_140_en.pdf http://www.energie-cites.org/db/mortagua_140_en.pdf http://www.infoempresas.com.pt/Empresa_RODAO-POWER-ENERGIABIOMASSA.html http://www.ipv.pt/millenium/Millenium29/21.pdf

Escola Superior de Tecnologia e Gestão – Instituto Politécnico de Viana do Castelo Página 35 de 36

Cogeração e Trigeração em Centrais de biomasssa

http://www.krona.srv.br/display05.htm http://www.minerva.uevora.pt/odimeteosol/energias.htm#2.%20O%20que%20são %20as%20Energias%20Renováveis http://www.pelletslar.com/pagina/uploads/_fckeditor/image/combustao_biomassa_ peq.jpg http://www.portal-energia.com/category/producaoeficiencia/cogeracao/ http://www.revistaeurotransporte.com/singleReports.do?id=217 http://www.tintafresca.net/News/newsdetail.aspx?news=12c83f81-f848-417e-8ba70828c83d3ee9&edition=97 http://www.vozdodao.net/index.php?option=com_content&view=article&id=620&catid =38:regional&Itemid=80 http://www.youtube.com/watch?v=BcF05beW5eE

Escola Superior de Tecnologia e Gestão – Instituto Politécnico de Viana do Castelo Página 36 de 36