Você está na página 1de 46
ECONOMIA: CONCEITOS BÁSICOS EAE - 110 INTRODUÇÃO À ECONOMIA PARA NÃO ECONOMISTAS 1º SEM. 2012

ECONOMIA:

CONCEITOS BÁSICOS

ECONOMIA: CONCEITOS BÁSICOS EAE - 110 INTRODUÇÃO À ECONOMIA PARA NÃO ECONOMISTAS 1º SEM. 2012
ECONOMIA: CONCEITOS BÁSICOS EAE - 110 INTRODUÇÃO À ECONOMIA PARA NÃO ECONOMISTAS 1º SEM. 2012

EAE - 110 INTRODUÇÃO À ECONOMIA PARA NÃO ECONOMISTAS

1º SEM. 2012

2

Bibliografia

MANKIW, N. Gregory. “Introdução à Economia: princípios de micro e macroeconomia”; Editora Campus. Rio de Janeiro, 2001

Bibliografia Complementar:

STIGLITZ, Joseph e WALSH, Carl. “Introdução à Microeconomia e Macroeconomia“. Editora Campus.

EQUIPE DE PROFESSORES DA USP Manual de Economia

edição Editora Saraiva.

SOARES, C. E e RODRIGUES, M. Sob a Lupa do Economista Uma

análise econômica sobre bruxaria, futebol, terrorismo, bilheterias de

cinema e outros temas inusitados 1ª edição Editora Campus-Elsevier.

3

Material Complementar

Dicionário de Economia de Paulo Sandroni (1999):

Outros links úteis:

Blog de Gregory Mankiw: http://gregmankiw.blogspot.com

Brasil Econômico: http://www.brasileconomico.com.br/

Página do Banco Central do Brasil: http://www.bcb.gov.br

Página do IBGE: http://www.ibge.gov.br

Página do IPEA (Dados): http://www.ipeadata.gov.br/

The Economist (em inglês): http://www.economist.com

Valor Online: http://www.valoronline.com.br

4

Visão Geral do Curso

Definições Gerais de Economia

Oferta e Demanda

Elasticidades

Políticas Públicas e Economia

Mercados e Eficiência de Mercado

Impacto de tributação na economia

Conceitos básicos em comércio internacional

Externalidades

Produção e Custos

Mercados Competitivos

Monopólio e oligopólio

Mercado de Trabalho

5

Objetivo do Curso

Apresentar fundamentos básicos da teoria microeconômica de forma que os alunos adquiram capacidade analítica de acompanhar os fatos do cotidiano do mundo econômico.

Exemplo:

Entendimentos do vocabulário econômico

Leitura de jornais especializados;

Previsões econômicas;

Análise de comércio internacional;

Análise de cenários econômicos;

Entre outros

6

Exemplo: Notícias de Jornal

Governo teme repique em preço de alimentos*

O governo avalia, em conversas reservadas, que os alimentos "já deram sua

contribuição" para segurar a inflação neste ano e se prepara para enfrentar, até

dezembro, um "soluço" nos preços agrícolas derivado da entressafra na

produção de grãos, carne bovina, cereais e etanol. A preocupação é forte e tem

deixado os especialistas em alerta. Espera-se, porém, que essa pressão seja

menor do que a registrada no segundo semestre de 2010. "O peso será menor",

diz uma fonte do Ministério da Fazenda. Ainda assim, parte do governo segue "assombrada" com as recentes quebras de safra, sobretudo na produção de trigo

e milho de inverno, provocadas por questões climáticas.

A persistência do cenário de baixos estoques mundiais e de firme demanda

externa por commodities, principalmente da China, completam o panorama traçado

pelo governo. Os ministérios da Agricultura e da Fazenda têm mantido conversas reservadas com o Banco Central para avaliar cenários e tendências. No foco,

está o grupo alimentação e bebidas, cujo peso no índice oficial de inflação

(IPCA) chega a 22%. Esse grupo específico registrou inflação de 0,72% em agosto - bem acima do IPCA do mês, de 0,37%.

* A reportagem é do jornal Valor Econômico, resumida e adaptada pela Equipe AgriPoint.

7

Exemplo: Notícias de Jornal

Fim do monopólio ficou só no papel

A indefinição sobre novas rodadas da ANP traz incertezas sobre o modelo de funcionamento do setor de petróleo no país nas próximas décadas e, ao mesmo tempo, chama a atenção

para o domínio absoluto que a Petrobras detém no mercado brasileiro, quatorze anos

depois da quebra do monopólio, em 1997. Domínio que deve ser mantido por muitos outros anos. A estatal concentrou as importantes descobertas dos últimos anos e é

responsável por quase 90% da produção atual.

‘Oligopólio’ de montadoras no Brasil está sob pressão, diz banco

Segundo o Morgan Stanley, a General Motors acredita que as montadoras coreanas e

chinesas não vão repassar inteiramente para o consumidor o aumento de 30 pontos do

IPI. Ao contrário, a expectativa é de que elas assumam para si grande parte do custo

gerado por esse imposto.

Os veículos no Brasil são bem mais caros do que em diversos outros países. A seção

“Quanto custa“, deste Radar Econômico, mostrou que o preço do carro aqui não raro é o

dobro de um equivalente nos Estados Unidos. Em outro texto, a mesma seção indicou que os

automóveis importados da China são mais caros no Brasil do que em outros países latino-

americanos, como o Chile.

8

Visão Geral da Aula de Hoje

Apresentação do Programa do Curso

Matéria:

Definições Gerais de Economia

Escassez e escolhas

Organizações econômicas

9

Definição de Economia

“Economia é o estudo de como administrar recursos escassos diante de fins alternativos”

Todas as questões econômicas surgem porque queremos mais do que podemos ter.

Esta definição indica que a Economia é a ciência da escassez. Contudo, não haveria problema econômico se as necessidades humanas fossem limitadas.

Necessidades Humanas ilimitadas

X

Recursos Produtivos Limitados (escassos)

ilimitadas X Recursos Produtivos Limitados (escassos) ESCASSEZ ESCOLHA Oque e quanto / Como / Para quem

ESCASSEZ

ilimitadas X Recursos Produtivos Limitados (escassos) ESCASSEZ ESCOLHA Oque e quanto / Como / Para quem

ESCOLHA

ilimitadas X Recursos Produtivos Limitados (escassos) ESCASSEZ ESCOLHA Oque e quanto / Como / Para quem

Oque e quanto /

Como / Para quem

(produzir)

Definição de Economia

Economia é uma Ciência Social:

“estuda como o indivíduo e a sociedade decidem utilizar recursos produtivos escassos, na produção de bens* e serviços, de modo a

distribuí-los entre várias pessoas e grupos da sociedade, com a

finalidade de satisfazer as necessidades humanas (que são ilimitadas)”

Interage com outras ciências: matemática, estatística, física, direito,

sociologia, geografia, ciência política, entre outras;

Estuda como alocar recursos produtivos que são limitados (escassos)

para satisfazer necessidades humanas que são ilimitadas.

*Bens livres (ar) vs. Bens econômicos: Livres viram econômicos?

Evolução Histórica da Economia

Antiguidade: Primeiras Manifestações (análise de formas de estado / preços justos e não abusivos);

Primeira metade do Séc. XVIII: Mercantilismo Comercial para aumentar

poder das monarquias (comércio internacional, protecionismo, tarifas);

Segunda metade do Séc. XVIII: Iluminismo (direitos de propriedade,

liberalismo comercial), mão invisível - Adam Smith (1776);

Século XIX: Escola Socialista (clássica, teoria do valor-trabalho, governo centralizador combatendo desemprego, pobreza e crises econômicas);

Final do Séc. XIX: Escola Neoclássica/ Escola Marginalista/Análise matemática;

Década de 1930: Escola Keynesiana;

Últimas décadas do Séc. XX: Neoliberalismo (Chicago, governo não

intervencionista)

Evolução Histórica da Economia

1776 - Riqueza das Nações de Adam Smith

Evolução Histórica da Economia 1776 - Riqueza das Nações de Adam Smith

13

Micro e Macroeconomia

13 Micro e Macroeconomia  Microeconomia: enfoca as partes individuais da economia. Estuda como as Famílias

Microeconomia: enfoca as partes individuais da economia. Estuda como as Famílias e as Empresas tomam decisões e interagem nos mercados:

- Teoria do Consumidor;

- Teoria da Produção e Organização Industrial;

- Informação Assimétrica;

Macroeconomia: enfoca a economia como um todo. Estuda o comportamento e as relações entre os grandes agregados econômicos:

- Consumo privado (CP);

- Produto interno bruto (PIB);

- Taxa de desemprego (TD);

- Taxa de juro (por exemplo, a taxa SELIC)

- Consumo público.

Microeconomia

Microeconomia

15

Definição de Economia

O objeto de estudo da economia é a escassez:

* Como economizar recursos? * Porque necessidades humanas são ilimitadas?

Crescimento populacional renova necessidades básicas. Busca pela elevação do padrão de vida é contínua. Evolução tecnológica cria novas necessidades. Faz parte da natureza humana querer progredir.

16

A Escassez e os Problemas Econômicos

Fundamentais

Para resolver a questão da escassez toda sociedade, não importa a forma de organização econômica ou regime político, temos que fazer escolhas.

escassez toda sociedade, não importa a forma de organização econômica ou regime político, temos que fazer

17

A Escassez e os Problemas Econômicos

Fundamentais

Quando fazemos escolhas selecionamos uma das várias alternativas

disponíveis

Escolha = troca = trade-off

Trade-off: abrir mão de algo para receber outra coisa:“No free lunch”

disponíveis Escolha = troca = trade-off Trade-off: abrir mão de algo para receber outra coisa: “No

18

A Escassez e os Problemas Econômicos

Necessidades Humanas ilimitadas

X

Recursos Produtivos

Limitados (escassos)

Fundamentais

X Recursos Produtivos Limitados (escassos) Fundamentais ESCASSEZ ESCOLHA O que e quanto? Como? Para quem?

ESCASSEZ

Recursos Produtivos Limitados (escassos) Fundamentais ESCASSEZ ESCOLHA O que e quanto? Como? Para quem? (produzir)

ESCOLHA

Recursos Produtivos Limitados (escassos) Fundamentais ESCASSEZ ESCOLHA O que e quanto? Como? Para quem? (produzir)

O que e quanto?

Como?

Para quem?

(produzir)

19

A Escassez e os Problemas Econômicos

Fundamentais

O que e quanto produzir:

Dados os recursos escassos, a sociedade deve escolher o que

produzir e que quantidade:

- Mais bens de consumo ou mais bens de luxo?

- Mais casas ou mais carros?

- Mais bens de consumo ou bens de capital?

- Qual o montante de cada opção?

Decisão:

Os consumidores, através da demanda, fornecerão as indicações e os

produtores decidirão o que e quanto produzir de acordo com o preço

dos bens e serviços. Assim, em principio, aquele bem cujo preço

(rentabilidade) for maior, será aquele cuja produção aumentará.

20

A Escassez e os Problemas Econômicos

Fundamentais

Como produzir:

A sociedade terá de escolher que recursos de produção serão

utilizados para a produção. É uma questão de eficiência produtiva:

- Qual método de produção será utilizado?

- Qual a tecnologia mais qualificada?

- É melhor métodos/técnicas poupadoras de mão-de-obra ou que

economizam capital?

Decisão:

Este problema econômico resolve-se no âmbito das empresas;

envolve questão da seleção da tecnologia e dos recursos adequados.

A escolha se dará na base do preço das tecnologias alternativas.

21

A Organização Econômica para Resolver os Problemas Econômicos

De maneira sintética destacam-se duas formas de organização econômica:

(a)

Economia do Mercado (descentralizada)

(b)

Economia Planificada (centralizada)

22

A Organização Econômica para Resolver os Problemas Econômicos

Economia de Mercado:

O mecanismo de preço e seu automatismo

garantido pela internalização do comportamento

dos consumidores/famílias na demanda, e das

empresas na oferta, fazem com que os preços flutuem e resolvam os problemas econômicos

fundamentais (o que, quanto, como e para quem

produzir).

23

A Organização Econômica para Resolver os Problemas Econômicos

Como os mercados possuem falhas, o governo pode

melhorar os resultados intervindo na economia. Com isto

ele busca promover:

Eficiência: “propriedade que a sociedade tem de obter o máximo possível a partir de seus recursos escassos”.

Eqüidade: “ a propriedade de distribuir a prosperidade econômica de maneira justa entre os membros da

sociedade”.

24

A Organização Econômica para Resolver os Problemas Econômicos

A eficiência se refere ao tamanho do bolo econômico:

A eficiência se refere ao tamanho do bolo econômico:  A eqüidade diz respeito à maneira

A eqüidade diz respeito à maneira como este bolo é distribuído:

se refere ao tamanho do bolo econômico:  A eqüidade diz respeito à maneira como este

25

A Organização Econômica para Resolver os Problemas Econômicos

Grande escolha na sociedade: Equidade vs. Eficiência

Ex. Se tributar para distribuir renda (equidade), reduz-se a produção

(eficiência).

Escolhas geram mudanças: sociedade que poupa (consome menos)

troca consumo presente por crescimento econômico, ou seja, consumo

futuro

Ideia central da economia: é possível prever como as escolhas mudarão

analisando a mudança nos incentivos de fazê-las.

Folha de exercícios de economia (podem cair na prova) vs cálculo (não vão cair na prova). A escolha será resolver os exercícios de economia.

26

O Papel Econômico dos Governos

Assim, a atuação do governo justifica-se pelo objetivo de superar a chamada distorção de alocações.

As principais modalidades são:

Atuando sobre a formação de preços: tabelamento, juros,

câmbio, salário mínimo, etc.

Complementando o papel da iniciativa privada,

principalmente com investimentos de infraestrutura básica

(estradas, portos, energia, habitação, etc.)

Fornecimento de serviços públicos (água, luz, saneamento,

etc.)

Fornecendo bens públicos (não são vendidos) educação, justiça, segurança, etc.

Comprando bens e serviços do setor privado

27

A Organização Econômica para Resolver os Problemas Econômicos

Economia Planificada:

O Estado, através de um Órgão Central de Planejamento, decide como resolver todos os problemas econômicos fundamentais.

Os sistemas de Economia Planificada fracassaram porque requerem um sistema de informação para o planejamento que o inviabiliza sob a ótica econômica.

Do ponto de vista político tiveram problemas de sustentação,

pois se transformaram em regimes bastante fechados.

28

A Organização Econômica para Resolver os Problemas Econômicos

O que nos mostra a realidade?

Independentemente do regime político:

Organização Econômica/Sistema Econômico Misto: Economia de Mercado atuando com forte presença governamental.

Mesmo em países como EUA e Reino Unido, o Setor Público representa 50% ou mais da atividade econômica.

A China, onde o Estado tem forte presença ao estilo de Economia Planificada, funciona hoje com base num sistema

de Economia de Mercado.

29

Economia Positiva Versus Economia Normativa

Economia como ciência? Como tomar decisões e

explicar situações?

Para responder essa questão é preciso conhecer a distinção entre Economia Positiva e Economia Normativa.

Economia Positiva: são afirmações/argumentos de como o mundo

econômico realmente é (atua). São afirmações descritivas.

Ex.: Salário mínimo causa desemprego; tabelamento de preços causa desabastecimento.

Ex.: Esta ocorrendo um aquecimento do planeta devido a maior

concentração de dióxido de carbono na atmosfera.

Economia normativa: são afirmações/argumentos de como o mundo

econômico deveria ser (atuar). São afirmações prescritivas.

Ex.: O governo deveria aumentar o SM para beneficiar os trabalhadores; o governo deve fixar preços para proteger o consumidor.

Ex.: Devemos reduzir nossa utilização de combustíveis a base de

carbono

30

Economia Positiva Versus Economia Normativa

30 Economia Positiva Versus Economia Normativa

31

Uso de Modelos em Economia

A economia positiva ocupa a maior parte do esforço dos economistas profissionais, e o caráter de ciência da

economia positiva faz com que a previsão dos resultados

seja fundamental.

Assim, os modelos para compreender o mundo

econômico desempenham um papel fundamental na

Economia Positiva.

32

Modelos e a Compreensão do Mundo Econômico

A compreensão do mundo econômico derivado da economia

positiva divide-se em três passos:

1.

Observação e mensuração da realidade: toda ciência

precisa de dados/informações.

2.

Modelo econômico: descrição simplificada de alguma

aspecto da economia, contendo somente as características

do que se quer explicar.

Um mapa metereológico ignora rodovias.

Modelo para explicar consumo de arroz ignora ter celular.

3.

Teste do modelo: as previsões de um modelo devem

corresponder aos fatos ou entrar em conflito com ele.

33

O que é um Modelo?

“ Modelo é qualquer representação da realidade usada para entender melhor situações da vida real” (Krugman e Wells, p.18)

São representações simplificadas da realidade.

Permitem ao economista se concentrar nos efeitos de uma mudança de

cada vez, baseado no pressuposto de que tudo o mais permaneça

constante (cláusula CETERIS PARIBUS).

Modelos omitem detalhes para permitir que vejamos o que realmente importa.

Biologia: boneco de plástico com esqueleto de ossos, ou músculos, ou sistema circulatório. São modelos simplificando a compreensão do corpo humano.

Modelos simplificam a realidade para que possamos compreendê-la melhor.

Modelos Econômicos

Economistas utilizam modelos para simplificar a realidade

e melhorar a compreensão do mundo

Dois dentre os mais básicos modelos econômicos são, ao

nível de introdução à economia:

O Diagrama do Fluxo Circular da Renda

Fronteira de Possibilidade de Produção (FPP)

35

Modelos Básicos de Introdução à Economia:

o Fluxo Circular de Renda

Diagrama/Representação esquemática da organização da

economia (simplificação)

Tomadores de decisão: famílias e empresas.

Versão básica (simplificada): não há governo, nem comércio com resto do mundo (ignora-se tributos, gastos do governo, as exportações e as importações).

O fluxo circular é um modelo porque ele abstrai inúmeros aspectos da economia, permitindo compreender como

funciona a atividade econômica, em sua forma mais

elementar.

O Diagrama do Fluxo Circular da Renda fluxo real fluxo monetário Receita Mercados de Despesa

O Diagrama do Fluxo Circular da Renda

fluxo real fluxo monetário

Receita Mercados de Despesa Bens e Serviços Bens e •Empresas vendem •Famílias compram Bens e
Receita
Mercados de
Despesa
Bens e Serviços
Bens e
•Empresas vendem
•Famílias compram
Bens e
Serviços
Serviços
vendidos
comprados
Empresas
•Produzem e vendem b&s
•Contratam e utilizam
Fatores de produção
Insumos para
Terra, Trabalho
a produção
Mercado de
Fatores de
Produção
e Capital
Salários,
•Famílias vendem
Renda
•Empresas compram

Aluguéis e Lucros

Famílias •Compram e consomen b&s •São donas e vendem os os fatores de produção
Famílias
•Compram e consomen b&s
•São donas e vendem os
os fatores de produção
A Fronteira de Possibilidades de Produção • Fronteira de possibilidades de produção: Várias combinações de

A Fronteira de Possibilidades de Produção

Fronteira de possibilidades de produção:

Várias combinações de produto que a economia pode

gerar potencialmente, dados os fatores de produção e a

tecnologia disponíveis.

É o modelo simplificado mostrando os trade-offs que a Economia freqüentemente se defronta.

Pensar globalmente na economia (bens de consumo e

bens capital) e como os trabalhadores são distribuídos.

A Fronteira de Possibilidades de Produção Quantidade produzida de motocicletas D 3,000 C 2,200 A
A Fronteira de Possibilidades de Produção
Quantidade
produzida de
motocicletas
D
3,000
C
2,200
A
2,000
B
1,000
0
300
600
700 1,000
Quantidade produzida

de automóveis

Custo de Oportunidade 39 O custo de alguma coisa é medido através do que desistimos

Custo de Oportunidade

39

O custo de alguma coisa é medido através do que desistimos para obtê-la.

A FPP nos mostra que o custo de oportunidade de um bem

pode ser medido em termos de outro bem.

Passando-se de A para C a perda de produção de 100 carros equivale ao aumento de produção de 200

motocicletas.

Quando a economia esta no ponto A o custo de

oportunidade de 200 motocicletas é de 100 carros.

40

A Fronteira de Possibilidades de Produção Quantidade produzida de motocicletas D 3,000 C 2,200 A
A Fronteira de Possibilidades de Produção
Quantidade
produzida de
motocicletas
D
3,000
C
2,200
A
2,000
Fronteira de
possibilidades
de produção
B
1,000
0
300
600
700
1,000
Quantidade produzida

de automóveis

41

Conceitos Ilustrados pela Fronteira de Possibilidades de Produção

Ilustrados pela Fronteira de Possibilidades de Produção  Eficiência  Custo de Oportunidade  Crescimento

Eficiência

Custo de Oportunidade

Crescimento Econômico

Escassez

42

42 A Fronteira de Possibilidades de Produção FPP  Conceitos presentes na FPP:  Eficiência :

A Fronteira de Possibilidades de Produção FPP

Conceitos presentes na FPP:

Eficiência: ocorre quando há uma combinação sobre a

FPP. Isto indica o pleno emprego de fatores de produção

disponíveis na economia.

Área dentro da curva: há fatores subutilizados

43

43 A Fronteira de Possibilidades de Produção FPP  Conceitos presentes na FPP:  Custo de

A Fronteira de Possibilidades de Produção FPP

Conceitos presentes na FPP:

Custo de oportunidade: aquilo que se desiste de um bem para obter unidades adicionais de outro. É chamado também de custo alternativo.

Custo alternativo é um quociente (redução na quantidade produzida de um bem dividido pelo aumento na produção do outro bem)

O custo de oportunidade é crescente ( a FPP é côncava

com relação à origem dos eixos devido à especialização

dos fatores de produção). Desloco fator competente num

setor, mas não é especializado no outro.

44

44 A Fronteira de Possibilidades de Produção FPP Crescimento Econômico : Avanço Tecnológico/ Revolução Educacional,

A Fronteira de Possibilidades de Produção FPP

Crescimento Econômico:

Avanço Tecnológico/ Revolução Educacional, etc, podem fazer a

FPP se deslocar para fora permitindo produzir mais de ambos os

bens.

O crescimento econômico é proveniente da mudança tecnológica e/ou da acumulação de capital.

Mudança tecnológica: desenvolvimento de novas e melhores maneiras de se produzir bens e serviços.

Acumulação de capital: crescimento dos recursos de capital (físico e financeiro) e também do capital humano (educação acumulada)

45

Quantidade produzida de motocicletas A Fronteira de Possibilidades de Produção 4,000 Deslocamento para fora na
Quantidade
produzida de
motocicletas
A Fronteira de Possibilidades de Produção
4,000
Deslocamento
para fora na
3,000
fronteira de
possibilidades de
E
produção
2,100
2,000
A
0
700 750
1,000
Quantidade produzida

de automóveis

46

46 Resumo  Economia é o estudo de como administrar recursos escassos diante de fins alternativos.

Resumo

Economia é o estudo de como administrar recursos escassos diante de fins alternativos. Para tratar os assuntos com objetividade a economia utiliza o método científico.

O campo de estudo da economia está dividido em dois sub- campos: microeconomia e macroeconomia. A Economia emprega tanto a análise positiva quanto a normativa. Declarações positivas dizem respeito a como o

mundo “é” enquanto que as declarações normativas dizem

respeito a como o mundo “deveria ser.” Modelos: Fluxo Circular da Renda e FPP. Fornecem importantes conceitos de análise econômica.