Você está na página 1de 14

Técnicas de Orçamento de Capital

Parte 1

Técnicas de
Orçamento de Capital

1
Leote Banze Economia e Gestão Financas I I Semestre/2012

Técnicas de Orçamento de Capital


Objectivos:
Compreender o papel das técnicas no processo de
orçamento de capital;

Calcular, interpretar e avaliar o período de retorno, o


Valor Actual Liquido e a Taxa interna de retorno.

Conhecer e resolver as diversas situações conflituantes


entre o Valor Actual Liquido e a Taxa Interna de
Retorno, na tomada de decisões de gasto de capital.

2
Leote Banze Economia e Gestão Financas I I Semestre/2012

1
Técnicas de Orçamento de Capital
Questões introdutórias
Os objectivos de uma empresa são alcançados atravês da
realização de investimentos de diversos tipos.

Nem todas as alternativas de investimento permitem o


alcance dos objectivos da empresa uma vez que certas
alternativas são rentáveis e outras não.
Cabe ao gestor financeiro na sua tarefa de longo prazo de
análise de investimentos analisar as alternativas
rentáveis e não rentáveis.

3
Leote Banze Economia e Gestão Financas I I Semestre/2012

Técnicas de Orçamento de Capital


Questões introdutórias

Uma vez que os fundos para a realização


de investimentos são limitados, nem sempre é
possível implementar todas as alternativas
rentáveis, pelo que, cabe ao gestor financeiro
seleccionar todas as alternativas rentáveis
tomando em consideração as restrições
orçamentais de empresa.

4
Leote Banze Economia e Gestão Financas I I Semestre/2012

2
Técnicas de Orçamento de Capital
Métodos/ Técnicas tradicionais de orçamento

Período de recuperação (Pr)/ payback period


Taxa de Rentabilidade Média (TRM)/ Average accounting rate of
return (AAR)

Métodos/ Técnicas de desconto de fluxo de caixa


Valor Actual Líquido (VAL) / Net Present Value (NPV)
Taxa Interna de Rentabilidade (TIR)/ Internal Rate or Return (IRR)
Índice de Rentabilidade (IR) / Profitability Index (PI)
Valor Futuro Líquido (VFL)/ Net Terminal Value (NTV)

5
Leote Banze Economia e Gestão Financas I I Semestre/2012

Técnicas de Orçamento de Capital


Período de Recuperação (Pr)/ Payback Period

O período de recuperação (Pr) traduz o


tempo necessários para que a empresa recupere
o seu investimento inicial em um projecto.

O Pr obedece a dois critérios: retornos


constantes e não constantes dos fluxos de caixa.

6
Leote Banze Economia e Gestão Financas I I Semestre/2012

3
Técnicas de Orçamento de Capital
Período de Recuperação (Pr)/ Payback Period
Para os investimentos em que os fluxos de caixa são
constantes usa-se a seguinte fórmula:

Para os investimentos em que os fluxos de caixa não


são constantes é aconselhável o uso de tabelas.

7
Leote Banze Economia e Gestão Financas I I Semestre/2012

Técnicas de Orçamento de Capital


Payback: Critérios de decisão

Se o Pr for menor que o período máximo aceitável de


recuperação, o projecto é aceite.

Se o Pr for maior que o período máximo aceitável de


recuperação, o projecto será rejeitado.

8
Leote Banze Economia e Gestão Financas I I Semestre/2012

4
Técnicas de Orçamento de Capital
Período de Recuperação (Pr): Exemplo
A Beira indústrias tem um período máximo aceitável de
recuperação de 2,75 anos. A empresa está analisando a
possibilidade de comprar uma nova maquina e precisa
escolher entre duas alternativas, conforme ilustra-se na
tabela a seguir:

9
Leote Banze Economia e Gestão Financas I I Semestre/2012

Técnicas de Orçamento de Capital


Período de Recuperação (Pr): Exemplo
Projecto A Projecto B
Investimento inicial 42,000.00 45,000.00
Ano Entradas operacionais de caixa (Fc)
1 14,000.00 28,000.00
2 14,000.00 12,000.00
3 14,000.00 10,000.00
4 14,000.00 10,000.00
5 14,000.00 10,000.00

a. Determine o período de recuperação de cada de cada maquina.


b. Comente a conveniência de adquirir as maquinas, supondo que se trata de
projectos independentes.

c. Que maquina a empresa deve aceitar? Porque?


10
Leote Banze Economia e Gestão Financas I I Semestre/2012

5
Técnicas de Orçamento de Capital
Projecto A:

11
Leote Banze Economia e Gestão Financas I I Semestre/2012

Técnicas de Orçamento de Capital


Projecto B:
Período Cash in Flow Cash out Fluxo de Valor a
Flow caixa recuperar
- - 45,000.00 (45,000.00) 45,000.00
1 28,000.00 - 28,000.00 17,000.00
2 12,000.00 - 12,000.00 5,000.00
3 10,000.00 - 10,000.00 (5,000.00)
4 10,000.00 - 10,000.00
5 10,000.00 - 10,000.00

12
Leote Banze Economia e Gestão Financas I I Semestre/2012

6
Técnicas de Orçamento de Capital
Valor Actual Líquido (VAL)/ Net Present Value (NPV)
Valor Actual Liquido (VAL) é a soma algébrica de todos os
fluxos de caixa associados ao investimento/ gasto de capital
(custo de investimento, Fluxos de caixa e Valor residual),
actualizados para o momento zero. Assim,

Onde:
Vr = é o valor residual e, se não é dado, vamos considerar que este é igual a
zero (Vr=0)
i = taxa de desconto, taxa de retorno exigido, custo do capital ou custo
de oportunidade – é o retorno mínimo que se deve obter em um projecto

para que o valor de mercado da empresa fique inalterado.


13
Leote Banze Economia e Gestão Financas I I Semestre/2012

Técnicas de Orçamento de Capital


Critérios de decisão: Valor Actual Líquido (VAL):

VAL maior que zero = viável

VAL menor que zero = rejeitado

VAL igual a zero = indiferente

Se o VAL for maior que zero, a empresa obterá retorno


superior ao custo do capital. O que deverá aumentar o
valor do mercado da empresa e, portanto a riqueza dos
seus proprietários.

14
Leote Banze Economia e Gestão Financas I I Semestre/2012

7
Técnicas de Orçamento de Capital
Valor Actual Líquido (VAL)/ Exemplo 1:
No exemplo da Beira industrias, considere que
cada um dos projectos proporcionara um valor
residual (fluxo de caixa terminal, após os
impostos) de 1.000,00. Se o custo de capital da
empresa for igual a 10%, diga:
a. Quais os VALs de cada projecto?
b. Os projectos são aceitáveis?
c. Que projecto a empresa deve escolher?

15
Leote Banze Economia e Gestão Financas I I Semestre/2012

Técnicas de Orçamento de Capital


Valor Actual Líquido (VAL)/ Exemplo 1:
Projecto A:

16
Leote Banze Economia e Gestão Financas I I Semestre/2012

8
Técnicas de Orçamento de Capital
Valor Actual Líquido (VAL)/ Exemplo 1:

Projecto B:

17
Leote Banze Economia e Gestão Financas I I Semestre/2012

Técnicas de Orçamento de Capital


Valor Actual Líquido (VAL)/ Exemplo 1:

b. Os projectos são aceitáveis?


Sim, os dois projectos são aceitáveis, pois os seus
valores actuais líquidos são maiores que zero.

c. Que projecto a empresa deve escolher?


A empresa deve escolher o projecto A pois apresenta
um valor actual liquido superior ao do projecto B
(11.691,94>11.545,32)

18
Leote Banze Economia e Gestão Financas I I Semestre/2012

9
Técnicas de Orçamento de Capital
Valor Actual Líquido (VAL)/ Exemplo 2:

O senhor K investe hoje 100.000,00 num projecto que prevê um


fluxo de caixa anual de 20.000,00, durante os próximos 10 anos, o
custo de oportunidade de capital é de 10% ao ano.

Qual é o VAL do projecto?

Valor actual de renda

Onde: P = Valor de cada pagamento ou termo de renda


19
Leote Banze Economia e Gestão Financas I I Semestre/2012

Técnicas de Orçamento de Capital


Valor Actual Líquido (VAL)/ Exemplo 2:

Então VAL para uma


renda sera dado por:

20
Leote Banze Economia e Gestão Financas I I Semestre/2012

10
Técnicas de Orçamento de Capital
Valor Actual Líquido (VAL)/ Exemplo 3:

Agora, considere que os pagamentos são efectuados por um


período indeterminado.

Em caso de perpectualidade, o valor ou factor de actualização


é
Perpectualidade é um fluxo de caixa constante e sem fim.
Então, o valor actual de uma perpectualidade será dado por

e o VAL de uma perpectualidade por

21
Leote Banze Economia e Gestão Financas I I Semestre/2012

Técnicas de Orçamento de Capital


Valor Actual Líquido (VAL)/ Exemplo 3:

assim:

22
Leote Banze Economia e Gestão Financas I I Semestre/2012

11
Técnicas de Orçamento de Capital
Valor Actual Líquido (VAL)/ Exemplo 4:

Considere uma aplicação de 100.000,00Mt que renderá um fluxo de


caixa crescente a 10% ao ano, o primeiro fluxo de caixa daqui a um
ano é de 100.000,00, esse investimento terá um custo de capital de
8% ano e uma duração de três anos. Determine o VAL.

23
Leote Banze Economia e Gestão Financas I I Semestre/2012

Técnicas de Orçamento de Capital


Valor Actual Líquido (VAL)/ Exemplo 5:

Considere uma aplicação de 200.000,00Mt que renderá um fluxo de


caixa crescente a 10% ao ano, o primeiro fluxo de caixa daqui a um
ano é de 100.000,00, esse investimento terá um custo de capital de
8% ano.
Determine o VAL, se o projecto durar quatro anos.

Para actualizar fluxos de caixa crescentes à taxa constante aplica-se


a seguinte fórmula:

Onde g = taxa de crescimento. 24


Leote Banze Economia e Gestão Financas I I Semestre/2012

12
Técnicas de Orçamento de Capital
Valor Actual Líquido (VAL)/ Exemplo 5:

25
Leote Banze Economia e Gestão Financas I I Semestre/2012

Técnicas de Orçamento de Capital


Valor Actual Líquido (VAL)/ Exemplo 6:

Para actualizar uma perpetuidade com fluxos de caixa


crescentes à taxa constante aplica-se a seguinte fórmula:

Então o valor actual líquido sera dado por:

26
Leote Banze Economia e Gestão Financas I I Semestre/2012

13
Técnicas de Orçamento de Capital
Bibliografia Usada
Gitman, Lawrence J. (2004) Princípios de Administração Financeira. 10ª

Edição. Pearson Addison Wesley.

Gitman, Lawrence J. (2010) Princípios de Administração Financeira. 12ª

Edição. Pearson Addison Wesley.

Matias, Rogério (2009). Calculo Financeiro. Teoria e Practica. 3ª Edição.

Escolar Editora. Lisboa

27
Leote Banze Economia e Gestão Financas I I Semestre/2012

14