Você está na página 1de 64

INTRODUÇÃOINTRODUÇÃO AOAO METABOLISMOMETABOLISMO

O QUE É METABOLISMO?

É o conjunto das reações químicas catalisadas por enzimas que ocorrem nas células. Permite que as mesmas mantenham-se vivas, se dividam e cresçam.

CONCEITOS:

CONCEITOS:

CONCEITOS:

COENZIMAS:

PROCESSO DE OXIDAÇÃO

E

REDUÇÃO

NAD + NADH
NAD +
NADH

O ATP:

O ATP:

APROVEITAMENTOAPROVEITAMENTO DADA ENERGIAENERGIA DODO ATP:ATP:

ATP + H 2 O → ADP + Pi + H +

Hidrólise imediata do ATP;

Liberação de calor;

Energia usada em processos químicos (biossínteses).

METABOLISMOMETABOLISMO DOSDOS CARBOIDRATOSCARBOIDRATOS

A RESPIRAÇÃO VEGETAL

FS e Respiração complementares:

ATP
ATP

CARBOIDRATO

CARBOIDRATO

CONCEITOCONCEITO

PProcesso onde:

energia química dos compostos de C é transferida p/ ATP.

• compostos reduzidos são mobilizados e oxidados de maneira controlada.

 Quem Quem faz? faz?  Organela Organela . Espaço intermembrana

QuemQuem faz?faz?

OrganelaOrganela.

Espaço intermembrana

• SUBSTRATOS:SUBSTRATOS:

• sacarose, hexoses-P e trioses-P, lipídeos, ácidos orgânicos, proteínas.

• EquaçãoEquação geral:geral:

C 12 H 22 O 11 + 12O 2 12CO 2 + 11H 2 O + energia

Reação redox

RESPIRAÇÃO

• Liberação de energia

C 6 H 12 O 6 + 6 O 2 6 CO 2 + 6 H 2 O + energia

1 mol de glicose (180 g) = 686 Kcal p/ impedir dano Série de reações

O PROCESSO RESPIRATÓRIO

Final do processo:

Oxidação completa do carboidrato;

Nem todo C que entra na rota forma CO 2 intermediários metabólicos.

O 2

QUEM?

O principal substrato oxidável: GLICOSE.

Fonte energética universal.

(precursor de coenzimas e nucleotídeos)

(fornece energia)

32 2 2 2 ATP 8 2
32
2
2
2 ATP
8
2

Glicólise:Glicólise:

degradação do CARBOIDRATO a piruvato.

Glico= açúcar; lise=quebra

No CITOPLASMA ou PLASTÍDEOS

C/ ou s/ O 2

Via

Glicólise:Glicólise:

metabólica

p/

catabolismo

do

carboidrato até piruvato + ATP.

Processo catalisado por 10 enzimas.

Intermediários

compostos fosforilados.

2 fases:

Preparatória

Produtora de energia.

FASES DA GLICÓLISE

Fase preparatória:

5 reações enzimáticas. Início: 1 hexose Fim: 2 trioses. Gasta 2 mol. de ATP:

fosforilação da glicose e

frutose-6-P.

1

Hexoquinase

Fosfohexose

isomerase

Fosfo-

frutoquinase

Aldolase

Dihydroxyacetone phosphate Triose-P-isomerase

1 Hexoquinase Fosfohexose isomerase Fosfo- frutoquinase Aldolase Dihydroxyacetone phosphate Triose-P-isomerase 2
1 Hexoquinase Fosfohexose isomerase Fosfo- frutoquinase Aldolase Dihydroxyacetone phosphate Triose-P-isomerase 2

FASES DA GLICÓLISE

Fase produtora de energia:

5 reações enzimáticas.

Início: 2 GAP. Fim: 2 piruvato. Produção: 4 moléculas de ATP. Rendimento líquido: 2 ATP + 2 NADH (x 2,5).

2

Gliceraldeído 3-P- desidrogenase

Fosfogliceratoquinase

Fosfogliceratomutase

Enolase

desidrogenase Fosfogliceratoquinase Fosfogliceratomutase Enolase lignina, antocianina, tirosina Piruvatoquinase alanina

lignina,

antocianina,

tirosina

Piruvatoquinase

desidrogenase Fosfogliceratoquinase Fosfogliceratomutase Enolase lignina, antocianina, tirosina Piruvatoquinase alanina

alanina

desidrogenase Fosfogliceratoquinase Fosfogliceratomutase Enolase lignina, antocianina, tirosina Piruvatoquinase alanina

FUNÇÕES DA GLICÓLISE:

Preparar substrato p/ OXIDAÇÃO no Ciclo de Krebs.

Produzir ATP (2) e NADH (2).

Formar

intermediários

fenólicos.

P/

degradação

mitocondriais.

posterior

aa,

O 2

compostos

+

enzimas

EQUAÇÃO GERAL DA GLICÓLISE:

glicose + 2NAD + + 2ADP + 2P i 2piruvatos + 2NADH + 2ATP + 2H 2 O

DESTINOS DO PIRUVATO

DESTINOS DO PIRUVATO

RESPIRAÇÃORESPIRAÇÃO ANAERÓBICAANAERÓBICA

RESPIRAÇÃO RESPIRAÇÃO ANAERÓBICA ANAERÓBICA GLICOSE + 2 P i + 2 ADP 2 lactato + 2

GLICOSE + 2 P i + 2 ADP

2 lactato + 2 ATP + 2 H 2 0

RESPIRAÇÃORESPIRAÇÃO ANAERÓBICAANAERÓBICA

RESPIRAÇÃO RESPIRAÇÃO ANAERÓBICA ANAERÓBICA GLICOSE + 2 P i + 2 ADP 2 etanol + 2

GLICOSE + 2 P i + 2 ADP

2 etanol + 2 CO 2 + 2 ATP + 2 H 2 0

- No citoplasma. - eficiência: 2%  2 ATP/glicose. -compostos tóxicos.
- No citoplasma.
- eficiência: 2%  2 ATP/glicose.
-compostos tóxicos.

ROTA DAS PENTOSES

GLICÓLISE não é a única rota que pode oxidar açúcares nas células.

Principalmente nos plastídeos.

5-20% das hexoses degradadas.

ROTA DAS PENTOSES

1

1-desidrogenação (glicose 6-P desidrogenase) e hidrólise (lactonase).

2-descarboxilação (6- fosfogliconato desidrogenase).

2

3-isomerização (fosfopentose isomerase).

glicólise

3

DNA, RNA
DNA,
RNA
Comp. fenólicos
Comp.
fenólicos
(6- fosfogliconato desidrogenase). 2 3-isomerização (fosfopentose isomerase). glicólise 3 DNA, RNA Comp. fenólicos

IMPORTÂNCIA:

Produzir

NADPH glicose 6-P + 2NADP + + H 2 O 2NADPH + 2H + + CO 2

ribose-5-P.

ribose 5-P +

eritrose-4-P

compostos fenólicos.

intermediários do Ciclo de Calvin.

CICLOCICLO DEDE KREBSKREBS ((Hans Krebs, 1937)

Ciclo dos Ácidos Tricarboxílicos/ Ciclo do Ácido Cítrico.

Fornece energia p/ produção da > parte do ATP dos vegetais.

Na mitocôndria e c/ O 2 !!!!

Funções:Funções:

ReduzirReduzir NADNAD ++ ee FAD.FAD.

SintetizarSintetizar energia.energia.

FormarFormar intermediáriosintermediários (esqueletos(esqueletos dede C).C).

CICLOCICLO DEDE KREBSKREBS ee CadeiaCadeia dede RespiratóriaRespiratória

Espaço intermembrana
Espaço intermembrana

INÍCIO:INÍCIO: descarboxilaçãodescarboxilação dodo PIRUVATOPIRUVATO

INÍCIO: INÍCIO: descarboxilação descarboxilação do do PIRUVATO PIRUVATO

ReaçõesReações queque ocorremocorrem nono CicloCiclo

Qdo vem

MALATO da

glicólise!!!

Ácidos graxos, Compostos cuticulares e aromáticos, isoprenóides e terpenos
Ácidos graxos,
Compostos cuticulares e
aromáticos, isoprenóides e
terpenos

oxidação

hidratação

condensação

isomerização

oxidação

+ Pi

hidrólise
hidrólise
descarboxilação
descarboxilação
Aminoáci- dos
Aminoáci-
dos

Glicose Piruvato Acetil CoA

CicloCiclo dede KrebsKrebs

Glicose Piruvato Acetil CoA Ciclo Ciclo de de Krebs Krebs C O 2 Lipídeos
Glicose Piruvato Acetil CoA Ciclo Ciclo de de Krebs Krebs C O 2 Lipídeos

CO 2

Lipídeos

EQUAÇÃO GERAL:

2piruvatos + 8NAD + + 2FAD + 2ADP +2Pi + 2H 2 O

6 CO 2 + 8NADH + 8H + + 2ATP + 2FADH 2

CADEIACADEIA DEDE TRANSPORTETRANSPORTE DEDE ELÉTRONSELÉTRONS EE FOSFORILAÇÃOFOSFORILAÇÃO OXIDATIVA:OXIDATIVA:

C/ O 2 !!!!!

Nas CRISTAS mitocondriais. Coenzimas reduzidas REOXIDADAS.

Fluxo de

e - (NADH

aceptor final.

e

FADH 2 )

O 2

CADEIA DE TRANSPORTE DE ELÉTRONS:

CADEIA RESPIRATÓRIA.

Parte da energia liberada H + .

gradiente de

ATP sintase usa energia do gradiente de H + p/ produzir ATP.

NAS CRISTAS MITOCONDRIAIS:

FADH 2

2

FAD + 6H +

espaço intermembrana

CRISTAS

2

4

Ubiquinona é

oxidada

2

  1 NADH=2,5ATP 1 FADH 2 = 1,5ATP
1 NADH=2,5ATP
1 FADH 2 = 1,5ATP

4

MATRIZ

ProteínasProteínas dodo transportetransporte dede ee -- 44 COMPLEXOSCOMPLEXOS MULTIPROTEICOS:MULTIPROTEICOS:

Complexo I (NADH desidrogenase) oxidação de NADH e FADH 2 .

Complexo II (succinato desidrogenase) SUCCINATO.

Complexo III (complexo de citocromos bc1) UBIQUINONA.

Complexo IV (citocromo oxidase) O 2 .

FOSFORILAÇÃO OXIDATIVA:

formação de ATP na matriz pelo complexo ATP sintase (complexo V).

Indireta te associada ao transporte de e - no STE e direta te ao fluxo de H + (gradiente eletroquímico).

ATP carregador de energia usado pelas céls.

FOSFORILAÇÃO OXIDATIVA:

Processo pelo qual há formação de ATP quando se transferem elétrons do NADH e FADH 2 p/ O 2 ,

por uma série de transportadores de e - .

de ATP quando se transferem elétrons do NADH e FADH 2 p/ O 2 , por
ATP-ADPtranslocase: proteína transportadora específica p/ moléculas mto carregadas!
ATP-ADPtranslocase: proteína
transportadora específica p/
moléculas mto carregadas!
ATP-ADPtranslocase: proteína transportadora específica p/ moléculas mto carregadas!

glicólise

Ciclo de krebs

x

GLUCONEOGÊNESEGLUCONEOGÊNESE

Formação de glicose a partir de fontes não glicídicas.

Glykys = doce

Neo = novo

Gênese = geração, origem.

Principais precursores: lactato, AA e glicerol.

Transforma PIRUVATO em GLICOSE.

AA

AA Lactato Alanina aminotransferase lactato desidrogenase Fosfogliceratoquinase Malato-desidrogenase Malato-desidrogenase

Lactato

Alanina

aminotransferase

lactato

desidrogenase

AA Lactato Alanina aminotransferase lactato desidrogenase Fosfogliceratoquinase Malato-desidrogenase Malato-desidrogenase

Fosfogliceratoquinase

Malato-desidrogenase

Malato-desidrogenase

citossólica

PEPCK

PEP-carboxicinase

Pi

Piruvato-carboxilase

PEP-carboxicinase

GDP citosol
GDP
citosol

Enolase

Fosfogliceratomutase

Triose P-

isomerase

Glicerol

Gliceraldeído 3-P- desidrogenase

P- isomerase Glicerol Gliceraldeído 3-P- desidrogenase A l d o l a s e   Frutose-1,6-

Aldolase

 

Frutose-1,6-

bifosfatase

Fosfohexose

isomerase

 

glicose-6-

fosfatase

Respiração

a s e   Frutose-1,6- bifosfatase Fosfohexose isomerase   glicose-6- fosfatase Respiração

Precursor: lactato

Precursor: lactato

GLUCONEOGÊNESEGLUCONEOGÊNESE

A

gluconeogênese

não

inverso da glicólise.

é

exatamente

o

Existem

3

reações

irreversíveis na

glicólise

e

que

são

contornadas

na

gluconeogênese.

GLUCONEOGÊNESE:

2piruvatos + 4ATP + 2GTP + 2NADH + 6H 2 O Glicose + 4ADP + 2GDP + 6Pi + 2NAD + + 2H +

2piruvatos + 4ATP + 2GTP + 2NADH + 6H 2 O Glicose + 4ADP + 2GDP

H 2 O

1- conversão do piruvato em PEP

mitocôndria

+ Pi Malato-desidrogenase Piruvato-carboxilase GTP Malato- desidrogenase citossólica PEP-carboxicinase
+ Pi
Malato-desidrogenase
Piruvato-carboxilase
GTP
Malato-
desidrogenase
citossólica
PEP-carboxicinase

2- conversão da frutose 1,6-bifosfato em frutose 6-P

Frutose-1,6-bifosfatase
Frutose-1,6-bifosfatase

3- conversão da glicose 6-P em glicose livre

glicose-6-fosfatase
glicose-6-fosfatase

Diferenças enzimáticas entre a glicólise e a gluconeogênese:

GLICÓLISE

GLUCONEOGÊNES

E

Hexocinase

Glicose 6-fosfatase

Fosfofrutocinase

Frutose 1,6-

bifosfatase

Piruvatocinase

Piruvato carboxilase

 

PEP-carboxicinase