Você está na página 1de 6

um ponto percentual aumenta a taxa de juros em 47,96 pontos base.

Ou seja, o Banco Central tende a agir de forma contra cclica. O 2R da regresso de 0,60 e sugere que uma frao substancial das aes do Banco Central do Brasil tem ocorrido em resposta s previses do crescimento futuro e da inflao. Como destacado, a significncia dos coeficientes no o foco desta equao, mas os seus resduos so de extrema importncia para este estudo porque representam os choques de poltica monetria. A Figura 1 indica que a srie de choques apresenta significativas flutuaes. Pode-se perceber que os meses em que o Banco Central do Brasil aumentou significativamente a taxa de juros correspondem aos picos da srie de choques de poltica monetria. O perodo de maior pico corresponde a outubro de 2002 em que a economia brasileira estava enfrentando problemas em razo das eleies presidenciais. Alm disso, este pico vem acompanhado de uma reduo brusca no choque, o que significa que aps um choque positivo (aumento na taxa de juros) de taxa de juros, o Banco Central tende a efetuar um choque negativo de taxa de juros (reduo na taxa de juros).
FIGURA 1 CHOQUES DE POLTICA MONETRIA
Fonte: resultados da pesquisa.

A Figura 1 tambm indica que os choques de poltica monetria foram de pequena amplitude aps o ano de 2005 porque a conjuntura internacional se manteve menos instvel para o Brasil e, uma outra causa tambm pode ser que o Banco Central passou a antecipar a poltica monetria de forma mais eficiente. Esta srie de choques utilizada para estimar os efeitos sobre a produo e os preos no Brasil. Na equao dos efeitos dos choques de poltica monetria sobre a produo foram consideradas 12 defasagens no crescimento da produo e 18 defasagens na nova medida de choque monetrio porque no era possvel analisar um perodo to extenso como no estudo de Romer & Romer (2004) devido carncia de dados, ou seja: eScybDaay 8112111110 1 (15) Do mesmo modo, a equao de choques de poltica sobre a inflao tambm teve que ser modificada e passou a ter 12 defasagens na inflao e 18 defasagens na medida de poltica: 15
tjjtjitikktkt

F I G U R A

4 . d 3 E F E I T O S

E f e i t o s

o s

C h o q u e D s A s

P O L T I C A

o b r e o

I P C M A O N 0 E . T 1 0 R 0 I . A 1
S O B R E A P R O D U O , I P C A , P R E O S L I V
0 . 2 0 . 3 0 . 4 0 . 5 0 . 6 3 2 7 1 2 1 7

R E S E P R E O S M O N I T O R A D O S

E f e i t o s d o s c h o q u e s s o b r e a

P r o d u o I n d u s t r i a l G e r a l
7 6 5 4 3 2 1 0 3 2 7 1 2 1 7

E E f f e e
i

i t o s

t o s

d o d s

o s C C h o q u s e o s b
r s e h o q u e s

o b o s r e P
r

o e s P r e o s
o s

L i v r e s M0 o . n 5 i 0 t . o 4 r a 0 d . o 3 s 0 - . 0 2 . 4 0 - . 0 1 . 0

2 0 0 . 2 0 . 4 0 . 6 0 . 8 1 1 . 2 3 2 7 1 2 1 7

0 . 1 0 . 2 0 . 3 3 2 7 1 2 1 7