ABRIL 2012 Contrato de Gerenciamento SESAU e Pró Saúde - TO

RELATÓRIO DE DESEMPENHO

CONTRATANTE: SECRETARIA DE SAUDE DO ESTADO DO TOCANTINS CONTRATADA: PRÓ SAUDE ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E HOSPITALAR DIRETORES OPERACIONAIS PELA ORGANIZAÇÃO SOCIAL: MARCUS HENRIQUE WÄCHTERE ROGÉRIO VANDERLEI KUNTZ COORDENADORES OPERACIONAIS PELA ORGANIZAÇÃO SOCIAL: ALLAN JACQUESON BARBOSA LOBO, EDEMIR BELTRAME, JEFERSON MACHADO PEREIRA, MARCELO PADOIN CANAZARO. COORDENADORES MÉDICOS PELA ORGANIZAÇÃO SOCIAL: DRA. MARGARETH SENA E CÉSAR BORTOLUZO. ENTIDADES GERENCIADAS
1-ENTIDADE GERENCIADA: HOSPITAL GERAL PÚBLICO DE PALMAS DR. FRANCISCO AYRES CNPJ: 24.232.886/0115-25 ENDEREÇO: AV NS 01S/N CONJ 02 LOTE 01 201 SUL - PALMAS/TO RESPONSÁVEL (IS) PELA ORGANIZAÇÃO SOCIAL: RONALDO FOLONI 2- ENTIDADE GERENCIADA: HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE ARAGUAÍNA CNPJ: 24.232.886/0100-49 ENDEREÇO: R 13 DE MAIO, 1336 - CENTRO - ARAGUAINA/TO. RESPONSÁVEL (IS) PELA ORGANIZAÇÃO SOCIAL: EDSON GONÇALVES PRIMO 3- ENTIDADE GERENCIADA: HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE GURUPI CNPJ: 24.232.886/0103-91 ENDEREÇO: AV JUSCELINO KUBITSCHEK, 1641- CENTRO -GURUPI/TO. RESPONSÁVEL (IS) PELA ORGANIZAÇÃO SOCIAL: VALDEMIR FERNILLE GIRATO 4- ENTIDADE GERENCIADA: HOSPITAL E MATERNIDADE PÚBLICA DONA REGINA SIQUEIRA CAMPOS CNPJ: 24.232.886/0106-34 ENDEREÇO: R NE cinco S/N QUADRA104 NORTE LOTE 31 A 41 – PALMAS/TO RESPONSÁVEL (IS) PELA ORGANIZAÇÃO SOCIAL: ALBA LÚCIA DE MENEZES SÁ MUNIZ 5- ENTIDADE GERENCIADA: HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE PARAÍSO DR. ALFREDO O. BARROS CNPJ: 24.232.886/0109-87 ENDEREÇO: R 03, S/N QUADRA02 LOTE 01 AOS 19 - SETOR AEROPORTO - PARAISO DO TOCANTINS/TO. RESPONSÁVEL (IS) PELA ORGANIZAÇÃO SOCIAL: MARCEL AUGUSTO DE OLIVEIRA

Página | 2

6- ENTIDADE GERENCIADA: HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE MIRACEMA CNPJ: 24.232.886/0112-82 ENDEREÇO: AV IRMA EMMA RUDOLFH NAVARRO, S/N -SETOR UNIVERSITARIO- MIRACEMA DO TOCANTINS/TO. RESPONSÁVEL (IS) PELA ORGANIZAÇÃO SOCIAL: FLÁVIO MARCONSINI DE SOUZA 7- ENTIDADE GERENCIADA: HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE PORTO NACIONAL CNPJ: 24.232.886/0110-10 ENDEREÇO: AV MURILO BRAGA, 1592 – CENTRO - PORTO NACIONAL/TO. RESPONSÁVEL (IS) PELA ORGANIZAÇÃO SOCIAL: OMAR DIETRICH JUNIOR 8- ENTIDADE GERENCIADA: HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE GUARAÍ CNPJ: 24.232.886/0114-44 ENDEREÇO: R 03, 1516 – CENTRO – GUARAI/TO. RESPONSÁVEL (IS) PELA ORGANIZAÇÃO SOCIAL: DEBORAH WORTMANN 9- ENTIDADE GERENCIADA: HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE ARRAIAS CNPJ: 24.232.886/0117-97 ENDEREÇO: AVENIDA PARANÃ S/N – BURITIZINHO – ARRAIAS/TO RESPONSÁVEL (IS) PELA ORGANIZAÇÃO SOCIAL: RODRIGO FRANCO 10- ENTIDADE GERENCIADA: HOSPITAL PÚBLICO DE DOENÇAS TROPICAIS CNPJ: 24.232.886/0102-00 ENDEREÇO: AV JOSE BRITO SOARES, 1015 – ANHANGUERA – ARAGUAINA/TO. RESPONSÁVEL (IS) PELA ORGANIZAÇÃO SOCIAL: BRUNO FERREIRA REZENDE 11- ENTIDADE GERENCIADA: HOSPITAL MATERNO INFANTIL PÚBLICO TIA DEDE CNPJ: 24.232.886/0105-53 ENDEREÇO: R RAQUEL DE CARVALHO, 420 – CENTRO - PORTO NACIONAL/TO. RESPONSÁVEL (IS) PELA ORGANIZAÇÃO SOCIAL: REMÍDIO VIZZOTTO JÚNIOR 12- ENTIDADE GERENCIADA: HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE DIANÓPOLIS CNPJ: 24.232.886/0118-78 ENDEREÇO: R 10, S/N QUADRA34 LOTE um - NOVA CIDADE – DIANOPOLIS/TO. RESPONSÁVEL (IS) PELA ORGANIZAÇÃO SOCIAL: CARLOS BARBOZA

Página | 3

13- ENTIDADE GERENCIADA: HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE PEDRO AFONSO CNPJ: 24.232.886/0113-63 ENDEREÇO: R NUMERIANO BEZERRA DE CASTRO, S/N QUADRA5 LOTE 5 - PEDRO AFONSO/TO. RESPONSÁVEL (IS) PELA ORGANIZAÇÃO SOCIAL: RICARDO BARBOSA 14- ENTIDADE GERENCIADA: HOSPITAL INFANTIL PÚBLICO DE PALMAS CNPJ: 24.232.886/0116-06 ENDEREÇO: R NS B, S/N LOTE 09 202 SUL – PALMAS/TO. RESPONSÁVEL (IS) PELA ORGANIZAÇÃO SOCIAL: GIOVANI LUÍS PADRÃO MERENDA 15- ENTIDADE GERENCIADA: HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE ARAGUAÇU CNPJ: 24.232.886/0104-72 ENDEREÇO: AV NOVA MATINHA, S/N QUADRA13 LOTE A1/12 – ARAGUAÇU/TO. RESPONSÁVEL (IS) PELA ORGANIZAÇÃO SOCIAL: LAFAETE TEIXEIRA JUNIOR 16- ENTIDADE GERENCIADA: HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE ARAPOEMA CNPJ: 24.232.886/0099-70 ENDEREÇO: R FRANCISCO FURTUOSO DE AGUIAR, 411 – CENTRO – ARAPOEMA/TO. RESPONSÁVEL (IS) PELA ORGANIZAÇÃO SOCIAL: REJANE XAVIER SOARES 17- ENTIDADE GERENCIADA: HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE ALVORADA CNPJ: 24.232.886/0108-04 ENDEREÇO: AV JK, 715 CENTRO – ALVORADA/TO. RESPONSÁVEL (IS) PELA ORGANIZAÇÃO SOCIAL: FULVIO E. BASSOLI

Página | 4

Sumário 1. ANÁLISE GLOBAL DOS HOSPITAIS ................................................................................. 6 1.1 METAS CONTRATUAIS ................................................................................................ 6 1.1.1METAS QUANTITATIVAS ............................................................................................................ 6 1.1.2 METAS QUALITATIVAS ........................................................................................................... 16 2. ANÁLISE INDIVIDUAL DOS HOSPITAIS ......................................................................... 22 2.1 HOSPITAL GERAL PÚBLICO DE PALMAS................................................................... 22 2.2 HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE ARAGUAÍNA .................................................... 36 2.3 HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE GURUPI ............................................................. 50 2.4 HOSPITAL E MATERNIDADE PÚBLICA DONA REGINA ............................................. 78 2.5 HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE PARAÍSO ........................................................... 96 2.6 HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE MIRACEMA ..................................................... 106 2.7 HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE PORTO NACIONAL ......................................... 126 2.8 HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE GUARAÍ .......................................................... 144 2.9 HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE ARRAIAS ......................................................... 158 2.10 HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE DOENÇAS TROPICAIS ................................... 171 2.11 HOSPITAL TIA DEDÉ .............................................................................................. 182 2.12 HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE DIANÓPOLIS ................................................. 197 2.13 HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE PEDRO AFONSO ........................................... 209 2.14 HOSPITAL INFANTIL PÚBLICO DE PALMAS .......................................................... 222 2.15 HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE ARAGUAÇU .................................................. 237 2.16 HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE ARAPOEMA .................................................. 247 2.17 HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE ALVORADA .................................................. 268 ANEXO I – RELATÓRIO DA ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO....................................... 278 ANEXO II – ATAS DE REUNIÃO DAS COMISSÕES .......................................................... 278

Página | 5

1. ANÁLISE GLOBAL DOS HOSPITAIS

1.1 METAS CONTRATUAIS

1.1.1METAS QUANTITATIVAS

Abaixo apresentamos os números de saídos de cada hospital gerenciado e o posicionamento nas metas do 2º quadrimestre, tendo como base o plano estatístico mensal.

Hospital Geral Público de Palmas Saídos X Metas
1600 1400 1200 1000 800 600 400 200 0 jan/12 fev/12 Meta mar/12 Saídos abr/12 QUADRI 2 1097 1398 1261 1097 1173 1235 1097 1097 1.267 1.097

Página | 6

Hospital Regional Público de Araguaína Saídos X Metas
1200 1000 800 600 400 200 0 jan/12 fev/12 Meta mar/12 Saídos abr/12 QUADRI 2 998 865 815 865 876 865 865 973 865 916

Hospital Regional Público Gurupi Saídos X Metas
900 800 700 600 500 400 300 200 100 0 jan/12 fev/12 Meta mar/12 Saídos abr/12 QUADRI 2 740 617 740 704 740 831 740 741 740 723

Página | 7

Hospital e Maternidade Pública Dona Regina Saídos X Metas
1000 900 800 700 600 500 400 300 200 100 0 jan/12 fev/12 Meta mar/12 Saídos abr/12 QUADRI 2 699 804 699 830 699 699 699 925 902 865

Hospital Regional Público Paraíso Dr. Alfredo O. Barros Saídos X Metas
600,0 519,5 500,0 400,0 300,0 200,0 100,0 0,0 jan/12 fev/12 Meta mar/12 Saídos abr/12 QUADRI 2 430 519,5 428 519,5 507 519,5 511 519,5 469

Página | 8

400 400 350 300 250 200 150 100 50 0

Hospital Regional Público Miracema Saídos X Metas
400 400 400 394

400

283 223

288

297

jan/12

fev/12 Meta

mar/12 Saídos

abr/12

QUADRI 2

Hospital Regional Público de Porto Nacional Saídos X Metas
700 606 600 500 400 300 220 200 100 0 jan/12 fev/12 Meta mar/12 Saídos abr/12 QUADRI 2 220 220 220 220 472 404 484 492

Página | 9

Hospital Regional Público Guaraí Saídos X Metas
350,0 300,0 250,0 208 200,0 150,0 100,0 50,0 0,0 jan/12 fev/12 Meta mar/12 Saídos abr/12 QUADRI 2 292,5 292,5 256 292,5 299 292,5 264 292,5 257

Hospital Regional Público de Arraias Saídos X Metas
250 200 200 169 150 100 50 0 jan/12 fev/12 Meta mar/12 Saídos abr/12 QUADRI 2 165 156 200 200 202 200 200 173

Página | 10

Hospital Público de Doenças Tropicais de Araguaína Saídos X Metas
160 140 120 100 80 60 40 20 0 jan/12 fev/12 Meta mar/12 Saídos abr/12 QUADRI 2 145 147 145 143 145 144 145 128 145 141

Hospital Materno Infantil Público Tia Dedé Saídos X Metas
400 354 350 300 250 200 150 100 50 0 jan/12 fev/12 Meta mar/12 Saídos abr/12 QUADRI 2 295 289 295 282 295 295 298 295 306

Página | 11

Hospital Regional Público de Dianópolis Saídos X Metas
350,0 300,0 250,0 200,0 150,0 100,0 50,0 0,0 jan/12 fev/12 Meta mar/12 Saídos abr/12 QUADRI 2 293,5 245 293,5 234 293,5 262 293,5 295 293,5 259

Hospital Regional Público de Pedro Afonso Leôncio de Sousa Miranda Saídos X Metas
300 250 200 150 100 50 0 jan/12 fev/12 Meta mar/12 Saídos abr/12 QUADRI 2 217 283 217 192 217 284 217 278 217 259

Página | 12

Hospital Infantil Público de Palmas Saídos X Metas
350 300 250 200 150 100 50 0 jan/12 fev/12 Meta mar/12 Saídos abr/12 QUADRI 2 238 238 277 238 238 312 280 258 238

163

Hospital Regional Público de Araguaçu Saídos X Metas
200 180 160 140 120 100 80 60 40 20 0 jan/12 fev/12 Meta mar/12 Saídos abr/12 QUADRI 2 150 148 150 124 150 172 150 150 158 189

Página | 13

Hospital Regional Público Arapoema Saídos X Metas
180,0 160,0 140,0 120,0 100,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 jan/12 fev/12 Meta mar/12 Saídos abr/12 QUADRI 2 116,5 116,5 116,5 116,5 155 141 128 116,5 157 145

Hospital Regional Público de Alvorada Saídos X Metas
90 80 70 60 50 40 30 20 10 0 jan/12 fev/12 mar/12 Meta Saídos abr/12 QUADRI 2 60 70 60 60 60 60 82 80 85 79

Página | 14

Total Geral Hospitais do Tocantins - Pró-Saúde Saídos X Metas
9.000 8.000 7.000 6.000 5.000 4.000 3.000 2.000 1.000 0 jan/12 fev/12 Meta mar/12 Saídos abr/12 QUADRI 2 6.548 6.485 6.548 6.608 7.819 6.548 7.341 6.548 6.548 7.063

Total Geral Hospitais do Tocantins - Pró-Saúde Saídos X Metas - Quadrimestre

7.500 7.063 7.000 6.807 6.548 6.500 Meta 6.000 5.976 Saídos

5.500

5.000 1º Q 2º Q

Página | 15

Além das informações acima, com a finalização do mês de abril, encerramos o segundo quadrimestre de atividades. A produção dos hospitais nesse segundo quadrimestre, com os valores de produção estabelecidos em contrato, apresenta resultados importantes. No consolidado geral a produção total do grupo de hospitais esteve em 108%, com variação média acumulada de 74,25% (Miracema) a 223% (Regional de Porto Nacional) sendo que HGPP, Dna Regina, Infantil de Palmas, Regional de Araguaina, Tia Dedé, Pedro Afonso, Araguaçú, Arapoema, Alvorada e Regional de Porto, apresentaram produção superior a 100%. HPDT, Paraíso, Guaraí, Arraias, Dianópolis e Gurupi posicionaram-se dentro do limite contratual e Miracema não atingiu a meta. Quanto a Miracema destacamos como proncipais fatores que comprometeram a evolução esperada, a falta de anestestesistas vinculados à Coopanest e grandes limitações estruturais para procedimentos cirúrgicos. No comparativo com o quadrimestre anterior observa-se um acréscimo de 10% na produção, passando de 6454 pacientes saídos no 1º período para 7063 pacientes saídos no 2º período.

1.1.2 METAS QUALITATIVAS

O contrato de gerenciamento das unidades hospitalares prevê metas qualitativas de desempenho, divididas por quadrimestre. O quadro 01 abaixo exposto representa o cronograma proposto para implantação dos itens que compõem os indicadores qualitativos conforme contrato de gerenciamento firmado entre Estado do Tocantins – Secretaria de Estado da Saúde e Pro-Saúde - ABASH. O quadro 2 expõe, conforme determina o quadro1, a relação de membros constituintes de cada comissão e do Serviço de Atenção ao Usuário. Legenda para quadro 2: C: comissão constituída. I: item em fase de implantação

Página | 16

Quadro 1
INDICADORES QUALITATIVOS DE ACOMPANHAMENTO HOSPITALAR

Peso Percentual Foco do Indicador Dados Exigidos 1º Quadrim. 2º. Quadrim. 3º. Quadrim.

Constituição da Comissão de Ética: Documento com nome e função dos componentes da Comissão de Ética Comissão de Ética Funcionamento Regular da Comissão de Ética: Relatório mensal de reuniões realizadas pela Comissão de Ética

15

10

10

Constituição da Comissão de Farmácia e Terapêutica: Documento com nome e função dos componentes da Comissão de Farmácia e Terapêutica Comissão de Farmácia e Terapêutica Funcionamento Regular da Comissão de Farmácia e Terapêutica: Relatório mensal de reuniões realizadas pela Comissão de Farmácia e Terapêutica

20

10

10

Constituição da Comissão de Óbitos: Documento com nome e função dos componentes da Comissão de Óbitos Comissão de Óbitos Funcionamento Regular da Comissão de Óbitos: Informação mensal do nº de óbitos institucionais analisados e nº de óbitos maternos.

15

10

10

Constituição da Comissão de Prontuários: Documento com nome e função dos componentes da Comissão de Prontuários Comissão de Prontuários Revisão mensal de pelo menos 10% dos prontuários pela Comissão. 90% dessa amostra devem conter cópia, assinada pelo usuário, do Relatório de Alta ou Informe de Atendimento completo

15

10

10

Constituição da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar: Documento com o nome e função dos componentes da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar

20

Comissão de Controle de Infecção Hospitalar

Relatório mensal de análise dos indicadores (Densidade de Infecção Hospitalar em UTI PEDIÁTRICA, Densidade de Infecção Hospitalar em corrente sanguínea associada a cateter venoso central em UTI PEDIÁTRICA e Densidade de Infecção Hospitalar em corrente sanguínea associada a cateter venoso central ou cateter umbilical na UTI PEDIÁTRICA) e medidas tomadas pela Comissão de Controle de Infecção Hospitalar quando necessário.

20

20

Apresentação de documento contendo o nome e função dos componentes, estruturas e rotinas do S.A.U Serviço de Atendimento ao Usuário Resolução de 80% das queixas apresentadas ao Serviço de Atendimento ao Usuário

15

10

10

Apresentação das Autorizações de Internação Hospitalar (AIH): a porcentagem de AIH apresentadas deve corresponder a 100% ou mais em relação ao nº de saídas hospitalares do mês.

10

10

Qualidade da informação

Pontualidade no preenchimento dos dados de atividade e financeiros: o envio dos dados de atividade assistencial e financeira pela SESAU/TO deverá obedecer, rigorosamente, aos prazos definidos em contrato. Código de residência dos pacientes corretos: deverão ser informados no sistema AIH de forma correta e de acordo com o Código de Endereçamento Postal (CEP) e compatível com o código IBGE do município.

10

10

10

10

TOTAL

100

100

100

Página | 17

Quadro 2 Comissões ProntuáÓbitos SAU Qualidade da Informação CEP resiI I I I I I I I I I I I I I I I I Envio de dência dados

C.F.T.

rios CCIH

HGP de Palmas HRP de Araguaína HRP de Gurupi

C C C

C C C C C C C C C C C C C C C C C

C C C C C C C C C C C C C C C C C

C C C C C C C C C C C C C C C C C

C C C C C C C C C C C C C C C C C

C C C C C C C C C C C C C C C C C

I I I I I I I I I I I I I I I I I

AIHs

Ética

SAU

I I I I I I I I I I I I I I I I I

HM Pública Dona Regina C HRP de Paraíso HRP de Miracema HRP de Porto Nacional HRP de Guaraí HRP de Arraias HPDT Araguaína HMP Tia Dede HRP de Dianópolis HRP de Pedro Afonso HIP de Palmas HRP de Araguaçu HRP de Arapoema HRP de Alvorada C C C C C C C C C C C C C

Página | 18

SAU
Serviço de Atendimento ao Usuário

Buscando atender a Meta Contratual pactuada entre a Pró-Saúde e o Estado, implantamos o “Registro de Opinião”, onde o usuário poderá manifesta-se através do preenchimento do formulário, descrevendo suas sugestões, reclamações e elogios. Através deste Registro podemos avaliar a Satisfação do usuário e tomar as providencias necessárias para maximizar a qualidade no atendimento dos usuários que procuram os nossos serviços. Podemos observar no descritivo de cada Hospital a quantidade de ocorrências registradas, elogios, sugestões e a porcentagem de tratativas resolvidas em relação às reclamações. No decorrer do mês, como resultado das ações de melhoria contínua aos serviços prestados nos hospitais atingimos um percentual de 94,03% de queixas resolvidas. Além de alcançarmos um considerável marco de 38,85% dos Registros realizados pelos usuários foram elogios às equipes. Esse indicador é muito mais do que um “alcançar de metas”, representa para nós a confirmação do trabalho sério e consciente, de buscar conhecer a opinião do usuário para melhor servi-lo e poder alcançar a qualidade dos serviços, o reconhecimento dos profissionais e satisfação do usuário.

MAPA DE REGISTROS DE OPINIÃO QUEIXAS RESOLVIDAS 8 11 1 21 9 25 1 100,00% 100,00% 100,00% 80,77% 100,00% 100,00% 100,00% -

HOSPITAL Hospital e Maternidade Dona Regina Hospital Palmas Geral Público de

QUEIXAS 8 11 1 26 9 25 1 -

SUGESTOES 3 6 8 1 2

ELOGIOS 7 33 12 7 -

Hospital Infantil Publico de Palmas Hospita Materno-Infantil Tia Dedé Hospital Regional Público de Miracema Hospital Regional Público de Araguaína Hospital de Doenças Tropicais – Araguaina Hospital Regional Público de Arapoema

Página | 19

Hospital Regional Público de Guarai Hospital Regional Público de Paraíso Hospital Regional Público de Pedro Afonso Hospital Regional Público de Alvorada Hospital Regional Público de Araguaçu Hospital Regional Público de Arraias Hospital Regional Público de Dianopolis Hospital Regional Público de Gurupi Hospital Regional Público de Porto Nacional SOMATORIA GERAL TOTAL DE REGISTROS PERCENTUAL

10 14 4 4 1 11 9 134

1 1 2 1 25 260

2 8 3 3 16 10 101

10 14 4 4 1 9 8 126

100,00% 100,00% 100,00% 100,00% 100,00% 81,82% 88,89% 94,03%

51,54%

9,62%

38,85%

Segue abaixo análise comparativa da Satisfação por Hospital, onde podemos observar a evolução de Fevereiro a Abril/2012, nos setores (Ambulatório, Internação, Pronto Socorro e SADT). Percebe-se que no decorrer do período, como resultado dos alinhamentos realizados e acompanhamento dos indicadores, os Hospitais alcançaram uma média de satisfação de 85,28%. Analisando-os em grupo percebe-se que o empenho das equipes com o trabalho realizado, assim como na busca da qualidade dos serviços foi acolhida e percebida pelo usuários nos Hospitais.

SATISFAÇÃO - SISTEMA ELETRÔNICO " PESQUISA RÁPIDA" = MÉDIA GERAL AMBULATORIO HOSPITAL Hospital e Maternidade Publica Dona Regina Siqueira Campos Hospital Geral Publico de Palmas Dr. Francisco Ayres FEV 2012 86,55% MAR 2012 78,14% ABR 2012 81,36% FEV 2012 80,82% INTERNAÇÃO MAR 2012 67,69% ABR 2012 66,41% PRONTO SOCORRO FEV 2012 76,78% MAR 2012 77,78% ABR 2012 84,64% FEV 2012 73,41% SADT MAR 2012 78,50% ABR 2012 77,12%

61,11%

61,68%

72,72%

93,46%

81,49%

90,37%

65,59%

75,12%

75,41%

86,95%

81,20%

74,82%

Página | 20

Hospital Publico Infantil de Palmas Dr. Hugo da Rocha Silva Hospital Materno Infantil Tia Dede Publico

86,96%

81,33%

85,14%

85,32%

83,81%

85,77%

82,79%

74,39%

79,44%

88,70%

84,87%

87,55%

82,31% 93,06% 85,43% 83,01% 0,00% 81,06%

81,23% 81,38% 62,45% 98,50% 90,05%

100,00% 96,40% 92,54% 86,77% 97,59% 90,34%

81,93% 92,55% 62,75% 96,20% 91,92%

77,89% 89,22% 76,01% 93,18% 98,15% 91,20%

55,71% 87,80% 81,76% 92,13% 97,60% 91,97%

79,56% 87,27% 58,10% 85,42% 97,28% 84,32%

75,08% 80,64% 55,62% 76,62% 97,93% 79,61%

87,53% 85,36% 59,27% 87,53% 99,46% 83,10%

79,70% 88,79% 78,65% 93,41% 96,43% -

83,03% 79,63% 71,82% 40,00% 99,66% -

73,08% 83,87% 70,62% 82,38% 100,00% -

Hospital Regional Público de Miracema Hospital Regional Publico de Araguaina HPDT Hospital Publico Doenças Tropicais de

Hospital Regional Publico de Arapoema Hospital Regional Público de Guarai Hospital Regional Público de Paraíso Dr. Alfredo O. Barros Hospital Regional Público de Pedro Afonso Hospital Regional Público de Alvorada Hospital Regional Publico de Araguaçu Hospital Regional Publico de Arraias Hospital Regional Público de Dianópolis Hospital Regional Público de Gurupi Hospital Regional Público de Porto Nacional MEDIA POR PERIODOS

87,70%

81,85%

84,76%

79,05%

81,11%

81,91%

70,14%

74,72%

71,27%

83,93%

84,34%

80,95%

93,80% 79,12% 87,30% 63,91% 76,52%

96,97% 83,74% 74,03% 67,15% 79,88%

94,31% 89,24% 80,00% 68,11% 87,09%

93,89% 98,38% 90,48% 90,71% 84,53% 80,72% 86,28% 86,81%

89,79% 94,79% 90,90% 88,26% 78,00% 78,74% 82,22% 84,85%

87,24% 97,64% 90,71% 96,40% 82,44% 82,79% 87,49% 85,66%

89,88% 96,58% 88,60% 89,37% 89,28% 68,84% 88,84% 82,27%

96,07% 96,29% 92,52% 78,99% 78,93% 75,63% 97,18% 81,36%

86,96% 95,67% 81,40% 90,60% 83,84% 98,07% 84,35%

95,04% 87,86% 68,68% 97,89% 86,11%

96,83% 91,37% 83,19% 67,56% 98,37% 81,46%

88,85% 88,08% 89,87% 81,20% 97,70% 84,01%

MEDIA SETOR - TRIMESTRE MEDIA GERAL TRIMESTRES MEDIA GERAL ABRIL/2012

81,17%

85,77% 83,36% 85,28%

82,66%

83,86%

PERIODO ANTERIOR AMBULATÓRIO HOSPITAL MEDIA POR PERIODOS MEDIA SETOR - TRIMESTRE MEDIA GERAL TRIMESTRES MEDIA GERAL MARÇO/2012 JAN 2012 78,99% FEV 2012 76,52% 78,46% MAR 2012 79,88% JAN 2012 87,34% INTERNAÇÃO FEV 2012 86,81% 86,33% MAR 2012 84,85% PRONTO SOCORRO JAN 2012 81,71% FEV 2012 82,27% 81,78% MAR 2012 81,36% JAN 2012 84,36% SADT FEV 2012 86,11% 83,98% MAR 2012 81,46%

82,64% 81,89%

Página | 21

2. ANÁLISE INDIVIDUAL DOS HOSPITAIS 2.1 HOSPITAL GERAL PÚBLICO DE PALMAS 2.1.1 METAS CONTRATUAIS

2.1 – INDICADORES DE PRODUÇÃO

2.1.1 – Nº DE LEITOS POR ESPECIALIDADE;
1.1. Leitos por Especialidade 1.1.1. Clínica Médica 1.1.2. Clínica Pediátrica 1.1.3. Clínica Cirúrgica 1.1.4. Clínica Obstétrica 1.1.5. UTI de Adultos 1.1.6. UTI Infantil 1.1.7. UTI Neonatal 1.1.8. Berçário 1.1.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Leitos Jan 72 0 60 0 Fev 72 0 60 0 Mar 72 0 60 0 Abr 72 0 60 0 Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 288 0 240 0 104 32 0 0 160 128 952

26 8
0 0

26 8
0 0

26 8
0 0

26 8
0 0

40 32
238

40 32
238

40 32
238

40 32
238

COMENTÁRIO: Não houve alteração do Total de Leitos.

2.1.2 – Nº. DE INTERNAÇÕES POR ESPECIALIDADE;

1.2. Internações por Especialidade 1.2.1. Clínica Médica 1.2.2. Clínica Pediátrica 1.2.3. Clínica Cirúrgica 1.2.4. Clínica Obstétrica 1.2.5. UTI de Adultos 1.2.6. UTI Infantil 1.2.7. UTI Neonatal 1.2.8. Berçário 1.2.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Internações por especialidade

Jan 528 0 508 0 20 9 0 0 184 48

Fev 546 0 401 0 22 4 0 0 204 55

Mar 504 6 458 0 22 12 0 0 249 70

Abr 533 4 407 0 0 0 0 0 220 79

Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

TOTAL 2111 10 1774 0 64 25 0 0 857 252 5093

1297 1232 1321 1243

COMENTÁRIO: O HGPP, não tem variações a ser considerada quanto a internação, as pequenas variações esta ligada ao numero de dias do mês em questão. Página | 22

2.1.3 – Nº. DE SAÍDOS POR ESPECIALIDADE
1.3. Nº. de saídos por especialidade 1.3.1. Clínica Médica 1.3.2. Clínica Pediátrica 1.3.3. Clínica Cirúrgica 1.3.4. Clínica Obstétrica 1.3.5. UTI de Adultos 1.3.6. UTI Infantil 1.3.7. UTI Neonatal 1.3.8. Berçário 1.3.9. Clínica Ortopédica 1.3.10. Outros Total de saídos por especialidade Jan 612 0 410 1 18 7 0 1 184 34 Fev 511 0 378 0 26 13 1 0 199 62 Mar 520 3 478 0 23 8 0 0 264 108 Abr 521 1 414 0 1 1 0 0 221 76 Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 2164 4 1680 1 68 29 1 1 868 280 5096

1267 1190 1404 1235

COMENTÁRIO: Apesar de não estarmos com a Direção Geral do HGPP, alcançamos a metas de Saídos de 1.097.

2.1.4 – PERCENTUAL DE OCUPAÇÃO POR CLÍNICA;
1.4.2. Clínica Pediátrica 1.4.3. Clínica Cirúrgica 1.4.4. Clínica Obstétrica 1.4.5. UTI de Adultos 1.4.6. UTI Infantil 1.4.7. UTI Neonatal 1.4.8. Outros (Berçário) 1.4.9. Clínica Ortopédica 1.4.10. Outros Porcentagem Geral de Ocupação 0% 0% 0% 59% 0% 80% 93% 0% 0% 92% 71% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 261% 0% 249% 258% 0% 0% 258% 197%

101% 102% 0% 82% 84% 0% 0% 78% 60% 0% 88% 81% 0% 0% 87% 66%

COMENTÁRIO: O mapa estatístico não fica pronto no primeiro dia útil do mês subsequente.

2.1.5 – MÉDIA DE PERMANÊNCIA;

Página | 23

1.5.3. Clínica Cirúrgica 1.5.4. Clínica Obstétrica 1.5.5. UTI de Adultos 1.5.6. UTI Infantil 1.5.7. Uti Neonatal 1.5.8. Outros 1.5.9. Clínica Ortopédica 1.5.10. Outros Média Geral de Permanência

4,57 0

4,68 0

2,29 0

0 0 0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0 0 0

11,5367 0 90,0827 73,1168 0 0 14,6888 37,9709

36,61 25,38 28,09 29,86 14,38 28,88 0 0 5,28 0 0 5,08 0 0 4,33 9,26

17,31 11,40

COMENTÁRIO: O mapa estatístico não fica pronto no primeiro dia útil do mês subsequente.

2.1.6 – VOLUME CIRURGICO
1.6. Volum e Cirúrgico 1.6.1. Cirurgias de Urgência 1.6.2. Cirurgias Eletivas Média Geral de Cirurgias Jan 282 438 720 Fev 262 519 781 Mar 326 553 879 Abr 312 483 795 Mai 0 0 0 Jun 0 0 0 Jul 0 0 0 Ago 0 0 0 Set 0 0 0 Out 0 0 0 Nov 0 0 0 Dez 0 0 0 TOTAL 1182 1993 3175

COMENTÁRIO: Estamos mantendo uma média de 800, procedimentos cirúrgicos, esta média é 15% superior a mesmo período antes da Pró-Saúde assumir o Hospital.
2.1.6.3 – Nº DE CIRURGIAS POR PORTE;

1.6.3. Núm ero de Cirurgias por Porte 1.6.3.1. Cirurgias Grandes 1.6.3.2. Cirurgias Médias 1.6.3.3. Cirurgias Pequenas 1.6.3.4. Curetagens 1.6.3.5. Cesáreas Média Geral de Cirurgias por Porte

Jan 113 337 270 0 0 720

Fev 135 327 319 0 0 781

Mar 157 299 423 0 0 879

Abr 0 0 0 0 0 0

Mai 0 0 0 0 0 0

Jun 0 0 0 0 0 0

Jul 0 0 0 0 0 0

Ago 0 0 0 0 0 0

Set 0 0 0 0 0 0

Out 0 0 0 0 0 0

Nov 0 0 0 0 0 0

Dez 0 0 0 0 0 0

TOTAL 405 963 1012 0 0 2380

COMENTÁRIO: O mapa estatístico não fica pronto no primeiro dia útil do mês subsequente.

2.1.6.4 – Nº. DE PARTOS POR TIPO
1.6.4. Núm ero de partos por tipo 1.6.4.1. Normal 1.6.4.2. Cesariana 1.6.3.3. Outros Jan 0 0 0 Fev 0 0 0 Mar 0 0 0 Abr 0 0 0 Mai 0 0 0 Jun 0 0 0 Jul 0 0 0 Ago 0 0 0 Set 0 0 0 Out 0 0 0 Nov 0 0 0 Dez 0 0 0 TOTAL 0 0 0

2.1.7 – SADT’S

Página | 24

1.7.1. Laboratório Clínico 1.7.2. Anatomia Patológica 1.7.3. Radiologia 1.7.4. Eletrocardiografia 1.7.5. Fisioterapia (Sessões) 1.7.6. Hemodiálise(Sessões) 1.7.7. Hemodinâmica 1.7.8. Hemoterapia 1.7.9. Endoscopia 1.7.10. Ultrassonografia 1.7.11 Tomografia Computadorizada 1.7.12 Ressonancia Magnética 1.7.13 Mamografia 1.7.14 Citopatologia 1.7.15 Eletroencefalografia 1.7.16 Teste do Pézinho 1.7.17 Diversos 1.7.18 Teste Ergométrico Total

37.091 202 5.434 49 4.836 2.334 0 848 141 495 737 222 0 0 0 0 2.736 0 55125

36.188 31 4.639 340 4.885 2.268 0 721 163 510 558 352 0 0 0 0 3.109 0 53764

41.790 978 5.360 333 5.794 2.431 0 728 188 458 730 415 0 0 0 0 3.223 0 62428

0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

115069 1211 15433 722 15515 7033 0 2297 492 1463 2025 989 0 0 0 0 9068 0 171317

COMENTÁRIO: O mapa estatístico não fica pronto no primeiro dia útil do mês subsequente.

2.1.8 – AMB ULATÓRIO

1.8. Ambulatório 1.8.1. Consultas 1.8.2. Consultas com Procedimentos 1.8.3. Procedimentos 1.8.4. Procedimentos Cirúrgicos Total

Jan

Fev

Mar

Abr 0 0 0 0 0

Mai 0 0 0 0 0

Jun 0 0 0 0 0

Jul 0 0 0 0 0

Ago 0 0 0 0 0

Set 0 0 0 0 0

Out 0 0 0 0 0

Nov 0 0 0 0 0

Dez 0 0 0 0 0

TOTAL 19223 0 0 0 19223

6.087 6.107 7.029 0 0 0 0 0 0 0 0 0

6087 6107 7029

COMENTÁRIO: O Ambulatório, só identifica consultas, não classificas em procedimentos e não realiza procedimentos cirúrgicos. O mapa estatístico não fica pronto no primeiro dia útil do mês subsequente. Página | 25

2.1.9 – ATENDIMENTOS DE URGÊNCIA/EMERGÊNCIA

1.9. Urgência/Emergência 1.9.1. Consultas 1.9.2. Consultas com Procedimentos 1.9.3. Procedimentos 1.9.4. Procedimentos Cirúrgicos Total

Jan

Fev

Mar

Abr

Mai 0 0 0 0 0

Jun 0 0 0 0 0

Jul 0 0 0 0 0

Ago 0 0 0 0 0

Set 0 0 0 0 0

Out 0 0 0 0 0

Nov 0 0 0 0 0

Dez 0 0 0 0 0

TOTAL 12475 0 0 0 12475

3.060 3.027 3.195 3.193 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

3060 3027 3195 3193

COMENTÁRIO: O P.S., não identifica os procedimentos, somente registra o numero de pessoas atendidas.
2.1.10 – RECURSOS HUMANOS
1.10. Recursos Humanos 1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total 162 729 104 21 218 1234 Janeiro
S e s a u P ró 3º

Fevereiro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Março
T o t a l S e s a u P ró 3º T o t a l S e s a u P ró

Abril
3º T o tal

158 175 35 274 8 650

0 0 58 10 0

320 904 197 305 226

162 729 104 21 218

146 178 37 340 12 713

0 0 59 10 2

308 907 200 371 232

161 725 103 22 220

150 175 37 335 11 708

0 0 60 10 2

311 900 200 367 233

159 722 98 22 222

161 177 37 320 10 705

0 0 59 10 2

320 899 194 352 234

68 1952 1234

71 2018 1231

72 2011 1223

71 1999

1.10. Recursos Humanos
S e s a u P ró

Maio

Junho
T o t a l S e s a u P ró 3º

Julho
T o t a l S e s a u P ró 3º

Agosto
T o t a l S e s a u P ró 3º T o tal

1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

1.10. Recursos Humanos 1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total 0 0 0 0 0 0

Setem bro
S e s a u P ró 3º

Outubro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Novem bro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Dezem bro
T o t a l S e s a u P ró 3º T o tal

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

Página | 26

2.1.11 – NEP

Podemos observar uma pequena redução nas horas de treinamento realizadas no mês de abril, porém estamos acompanhando o planejamento anual. Neste mês tivemos também parceria com a MAQUET que realizou treinamento com os respiradores fornecidos para o HGPP capacitando médicos, enfermeiros e fisioterapeutas.
CURSO NÚMERO DE PARTICIPANTES CARGA HORÁRIA TOTAL DE HORAS

Programa 5S Treinamento de bolsa coletora e uso de cavilon creme Biossegurança Treinamento Admissional de SHL Integração Institucional Boas Práticas da fabricação de alimentos Ordem de serviço funcional Maus tratos e negligência Precaução e higienização das mãos Dengue Gestão por Processos - Teoria Gestão por Processos - Teoria Gestão por Processos - Aula prática Administração de Pessoal - Procedimentos DP TOTAL
TOTAL DE HORAS NÚMERO TOTAL DE COLABORADORES DO HOSPITAL HORAS/HOMEM

65 9 26 18 27 8 29 16 20 10 45 23 21 6 323
40:50:00 1926 0:28:35

02:00:00 01:40:00 02:40:00 02:00:00 05:00:00 04:00:00 00:30:00 08:00:00 03:00:00 02:00:00 03:30:00 03:00:00 02:00:00 01:30:00 40:50:00

130:00:00 15:00:00 69:20:00 36:00:00 135:00:00 32:00:00 14:30:00 128:00:00 60:00:00 20:00:00 157:30:00 69:00:00 42:00:00 9:00:00 917:20:00

INFORMAÇÕES PARA O GRÁFICO

CA MESES HOR TO

JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ

# # # # # # # # # # # #

Integração de novos colaboradores; Preparação da logística do auditório para reuniões, aulas, eventos; Organização do setor (estruturação da biblioteca e controle eletrônico do acervo); Recebimento da freqüência dos Internos de medicina; Entrega de tickets alimentação aos Internos de medicina e residentes; Recebimento e encaminhamento de pesquisas para a DGES; Participação em Teleconferência / SENAC “A empresa pedagógica como espaço de aprendizado”; Controle de empréstimos e devoluções de livros da biblioteca; Página | 27

Recebimento da freqüência dos Internos de medicina; Entrega de tickets alimentação aos residentes; Controle de documentos de estagiários (Termos de Compromissos e Escalas); Reunião com CCIH e CC para desenvolvimento de ações sobre as reclamações de condutas de residentes e internos; Participação reunião grupo GTH.
2.1.12 – CORPO CLÍNICO

Visita diária pelo Diretor técnico aos setores. Implantação de Normativa sobre Parecer Médico Implantação de Normativa quanto ao preenchimento de AIH´s Descrever as principais ações, pendências, evoluções e situações relevantes do corpo clínico.

2.2 - SAU
1. Registros de Opinião:
Ocorrências Reclamações Sugestões Elogios Total de Questionários Queixas resolvidas Meta Contratual Meta Realizada 11 03 07 21 11 80% 100% Abril/ 2012

Página | 28

2. Índices de Satisfação:

Hospital Geral Público de Palmas
100 80 60 40 20 0 -20 AMBULATOR INTERNAÇÃ IO (%) O (%) Fevereiro/2012 Março/2012 Abril/2012 Evolução do Período 61,11 63,00 72,72 19,00% 94,36 81,59 90,37 -4,23% PRONTO SOCORRO (%) 65,59 75,12 75,41 14,97% 72,72 90,37 75,41 74,82

SADT (%) 86,95 81,20 74,82 -13,95%

Avaliando o resultado das pesquisas no gráfico acima, podemos observar a continua evolução do ambulatório na satisfação do usuário. Indicando maiores pontos percentuais nas perguntas com relação ao atendimento medico, recepção e limpeza, fazendo com que sua evolução mensal se destaque com 19% pontos percentuais positivos.

2.3 – GERENCIAMENTO DE PROCESSOS
Neste período a Qualidade juntamente com a Diretoria de Apoio está treinando e já mapeando os processos dos serviços de apoio, ferramenta SIPOC – (Suppliers, Input, Process, Output, Customers) (Fornecedores, Entradas, Processos, Saídas, Clientes), este mapeamento auxilia na consolidação e tradução dos processos em Instruções de Trabalho, Procedimentos de Gestão, Fluxogramas e Cronogramas. Na Nutrição houve a implantação e consolidação de Instruções de Trabalho, tais como, Controle de Temperatura, Controle de Pragas e Higienização de Hortifrutigranjeiros. Estão em processo de revisão as IT´s de Manejo de Resíduos e Recebimento de Mercadorias. Na Higienização houve implementação de Instruções de Trabalho de Higienização Terminal e Concorrente do Pronto Socorro, alem da criação de Cronograma destas Terminais e Formulário de Recusa de Serviço. Página | 29

No Transporte foi realizado a reforma em 1 ambulância e programação para reforma da outra e do carro administrativo.

Na Engenharia Clínica houve implementação e consolidação de Instruções de Trabalho, Fluxograma e Cronograma para Manutenções Preventivas e Corretivas. Na Portaria concluímos o Projeto de Segurança Mista (Vigilantes e Agentes de Portaria), para ini-

cio previsto para maio/12.
29 e 30/03 Doação de leite em pó e fraldas descartáveis foram entregues a instituições de Caridade do Estado por equipe do HGPP- Hospital Geral Público de Palmas. Os donativos foram arrecadados por meio das inscrições para o I Seminário em feridas, promovido pela comissão de curativos do Hospital.
09/04 Novo Diretor Geral do HGPP Dr. Paulo Faria;

09 e 10/04 Seminário de Planejamento Estratégico em Saúde participação da Diretoria do HGPP; 12/04 Abertura do Curso de Gestão por Processos no HGPP, com a participação do Diretor Operacional Sr. Marcus Henrique Wachter e do Secretário de Estado da Saúde, Dr. Nicolau Esteves.

12 e 13/04 Treinamento de Gestão por Processos - promovido pelo setor de Qualidade do HGPP;

Página | 30

18/04 Participação do Coordenador Operacional da Pró-Saúde, Allan Lobo a Diretora Administrativa, Renata Duran, ‘Programa de Desenvolvimento Organizacional e de Apoio à Gestão e Assistência com ênfase em Unidades de Terapia Intensiva, Neonatal e Pediátrica’ em Brasília – DF.

19/04 Capacitação para gerenciamento de processos, representantes de sete hospitais de referência do Estado receberam esta ação, que contou com a presença de representantes do HGPP; 24 e 25/04 Treinamento sobre assistência ventilatória (respiração artificial) para fisioterapeutas, médicos e enfermeiros do HGPP, por meio do NEP. 25/04 Participação no lançamento do FAPT – Fundação de Amparo a Pesquisa do Tocantins

Descrever as evoluções dos processos do hospital. pode-se incluir evoluções das áreas de apoio, administrativas e assistenciais não evidenciadas nos tópicos anteriores 2.4 – FATURAMENTO
4.1 - AIH (Quantitativo) 4.2 - Valores (em reais) 1217 1404 1379 1400 0 0,0 0 0,0 0 0,0 0 0,0 0 0,0 0 0,0 0 0,0 0 5400

1913773,4 2085278,1 2258747,1 2150000,0

0,0 8407798,7

COMENTÁRIO: O aumento das AIH (quantitativo), seu deu em função do quadro estar completo, e ao fato de existirem em torno de 2.500 AIH, atrasadas, anteriores ao Contrato da Pró-Saúde, as quais estamos recuperando gradativamente.

2.6 – OBRAS E IMPLANTAÇÃO DE NOVOS SERVIÇOS
Não houve obras e implantação de Novos Serviços.

2.7 – EQUIPAMENTOS NOVOS
Não houve compra de novas equipamentos.

Página | 31

2.8 – COMISSÕES
CONTROLE DE REUNIÕES DAS COMISSÕES DO HGPP
CENTRAL DE COMISSÕES

COMISSÕES/ COMITÊ

PRESIDENTE

REUNIÃO/ABRIL

JUSTIFICATIVAS

Comitê Médica

de

Ética Dra. veira

Jussara

de 30/04/2012

A reunião foi realizada conforme cronograma anual. Substituição da reunião do dia 12/04 para data mencionada no cronograma anual. e As reuniões aconteceram em conformidade com cronograma anual. A reunião aconteceu em conformidade com cronograma anual. Reunião do dia 04/04 não aconteceu por ter sido véspera de feriado, sendo realizado somente uma reunião conforme data mencionada.

Souza Martins Oli-

Comitê de Revisão Dra. Maria Dolores 05/04/2012 de óbito Neife Galhardo

Comissão de Revi- Dr. Álvaro Ferreira 02,09,16,23 são de Prontuários Comissão de Controle de Infecção Dra. Loiziana BarHospitalar - CCIH bosa Barcelos Miranda Comissão de Far- Dr. Atil José de Sou- 25/04/12 mácia e Terapêuti- za ca da Silva 30/04 27/04/2012

2.9 – OUTRAS INFORMAÇÕES
- INTERAÇÃO COM A COMUNIDADE 24 Cortes de Cabelo para pacientes e acompanhantes; 05 Reuniões com acompanhantes;

Página | 32

24 Missas e cultos; 13 Oficinas de Artesanatos; 20 Visitas Programa do Idoso - Diário; Visita de 120 alunos da Faculdade Católica; 530 Visitas aos Leitos por Profissionais da Humanização; 324 Visitas aos Leitos por Voluntários; 305 Visitas aos Leitos Semente do Verbo; Ouvidoria – 18; 06 Escutas Ativas; 13 Brinquedos doados;

Participação em reuniões interna e externa; Unção nos leitos 6; Integração de 15 novos servidores. Aquisição e entrega de EPI’s: Uniformes, Sapatos e Botas de Segurança, Luvas Nitrílicas tamanhos P – M – G, Luvas de Procedimentos Antialérgicas, Máscaras PFF3 e PFF2, Aventais Impermeáveis, Respiradores CG-306, Filtro de Carvão Ativado 202, Kits de Emergência para Quimioterápicos; 04/04 Reunião de Médicos sobre a Dengue;

Página | 33

12/04 Reunião e Visita do Secretário de Estado da Saúde, Dr. Nicolau Esteves, acompanhado do secretário executivo da Saúde, Dr. Luiz Fernando com Diretoria do HGPP e Pró-Saúde;

13/04 Reunião de trabalho da nova Diretoria Geral com a Diretoria Administrativa e técnica, gerentes, coordenadores e responsáveis por departamentos assistenciais e administrativos do HGPP; 17/04 Reunião com novo Diretor Geral;
18/04 Reunião dos Diretores, com o Diretor Operacional da Pró-Saúde e o secretário

de Estado da Saúde, Nicolau Esteves para definir equipes para a construção do perfil e reorganização de protocolos das unidades hospitalares. PID Realização do treinamento para cuidadores desenvolvido pelas Assistentes Sociais, com tema “Maus tratos e negligências”;

Dinâmica realizada pela equipe do Serviço Social junto aos cuidadores dos pacientes assistidos pelo PID

Visitas domiciliares de rotina de acordo com a avaliação da equipe; Finalização do manual para cuidadores e em construção o projeto; Definido com Patrícia (gestão de pessoas) temas sobre o curso para os colaboradores “Relacionamento Interpessoal” e marcado para 26/04/12 às 15:00 hs; Construção do projeto Cuidando dos cuidadores; Curso da Qualidade, gestão de processos com elaboração e finalização do fluxograma; Iniciado o atendimento das Fonoaudiólogas aos pacientes do PID; Página | 34

Admissões 05; Altas 06.

PALAVRA DO DIRETOR GERAL DO HOSPITAL
No atual momento vivido pelo HGPP, dentro do Contrato de Gerenciamento, estamos ao meu ver passando por inúmeras dificuldades, entre elas gostaria de ressaltar, que a nova formatação do organograma definida pelo atual Diretor Geral, vem de certa forma excluído a equipe de diretores da Pró-Saúde, não somos convidados a participar nas reuniões e muito menos nas tomadas de decisões. Outra grande dificuldade é a atual situação financeira, estamos tempo muitas dificuldades no comercio local, dificultando assim a compra de inúmeros itens, como exemplo, uma lâmpada, tomada, coisas pequenas, mas sempre de suma importância para que o dia a dia transcorra de forma tranquila. O fato de não termos uma definição para a situação atual do HGPP, dentro do Contrato de Gerenciamento, também dificulta as tomadas de decisões. Outro, fato são as inúmeras dificuldades, para conclusão dos mais diversos processos, desde de uma simples contratação de um auxiliar de limpeza, a uma aquisição de equipamento de valor considerável, não temos a liberdade e controle de outros contratos, aos quais já trabalhei. Uma outra, grande dificuldade, é o força que as estruturas sindicais, vem tomando dentro do Estado do Tocantins. Se não bastassem, essas todas, ainda nos encontramos aparentemente num campo de batalha, anunciado e explorado, pela mídia, sem a menor preocupação de estar prejudicando a assistência a vida dos nossos clientes, (a população do Tocantins).

Página | 35

2.2 HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE ARAGUAÍNA 2.2.1 METAS CONTRATUAIS

2.1 – INDICADORES DE PRODUÇÃO
2.1.1 – Nº DE LEITOS POR ESPECIALIDADE;
1.1. Leitos por Especialidade 1.1.1. Clínica Médica 1.1.2. Clínica Pediátrica 1.1.3. Clínica Cirúrgica 1.1.4. Clínica Obstétrica 1.1.5. UTI de Adultos 1.1.6. UTI Infantil 1.1.7. UTI Neonatal 1.1.8. Berçário 1.1.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Leitos Jan 59 0 82 0 19 1 0 0 28 22 211 Fev 59 0 82 0 19 1 0 0 28 22 211 Mar 59 0 88 0 19 1 0 0 28 22 217 Abr 59 0 88 0 19 1 0 0 28 22 217 Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 236 0 340 0 76 4 0 0 112 88 856

COMENTÁRIO: Em março/2012 foi realizada reforma na Quimioterapia e construídos 6 leitos novos. O que possibilitou a liberação mais 8 leitos para cirurgia eletiva.

2.1.2 – Nº. DE INTERNAÇÕES POR ESPECIALIDADE;
1.2.1. Clínica Médica 1.2.2. Clínica Pediátrica 1.2.3. Clínica Cirúrgica 1.2.4. Clínica Obstétrica 1.2.5. UTI de Adultos 1.2.6. UTI Infantil 1.2.7. UTI Neonatal 1.2.8. Berçário 1.2.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Internações por especialidade 398 0 236 0 67 0 0 0 137 35 873 388 0 224 0 83 0 0 0 134 69 898 421 0 283 0 78 0 0 0 139 58 979 463 1 247 0 51 0 0 0 146 65 973 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1670 1 990 0 279 0 0 0 556 227 3723

COMENTÁRIO: O número de Internações vem crescendo, tendo como reflexo do gerenciamento de leitos realizado no HRPA, onde os leitos foram divididos em Clínicos e Cirúrgicos, evitando o loteamento dos leitos que impedia muitas internações. Houve um aumento de 21% em relação ao mesmo período do ano de 2011, de 3087 para 3723 internações em 2012.

Página | 36

2.1.3 – Nº. DE SAÍDOS POR ESPECIALIDADE
1.3. Nº. de saídos por especialidade 1.3.1. Clínica Médica 1.3.2. Clínica Pediátrica 1.3.3. Clínica Cirúrgica 1.3.4. Clínica Obstétrica 1.3.5. UTI de Adultos 1.3.6. UTI Infantil 1.3.7. UTI Neonatal 1.3.8. Berçário 1.3.9. Clínica Ortopédica 1.3.10. Outros Total de Internações por especialidade Jan 336 0 234 0 70 0 0 0 128 63 831 Fev 376 0 278 0 84 0 0 0 108 50 Mar 454 0 307 0 81 0 0 0 121 51 Abr 487 0 230 0 60 0 0 0 131 65 973 Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 1653 0 1049 0 295 0 0 0 488 229 3714

896 1014

COMENTÁRIO: Tendência de crescimento do número de saídos sendo reflexo do gerenciamento de leitos realizado no HRPA, melhoria dos processos de realização de exames e obtenção dos resultados, definição dos tempos para pareceres, onde superamos as metas contratuais para o quadrimestre. Houve um aumento de 22 % em relação ao 1° quadrimestre de 2011, passando de 3052 para 3714 saídos para 2012.

2.1.4 – PERCENTUAL DE OCUPAÇÃO POR CLÍNICA;

1.4.2. Clínica Pediátrica 1.4.3. Clínica Cirúrgica 1.4.4. Clínica Obstétrica 1.4.5. UTI de Adultos 1.4.6. UTI Infantil 1.4.7. UTI Neonatal 1.4.8. Outros (Berçário) 1.4.9. Clínica Ortopédica 1.4.10. Outros Porcentagem Geral de Ocupação

0% 94% 0% 92% 0% 0% 0% 64% 66%

0% 98% 0% 89% 0% 0% 0% 99% 79%

0% 95% 0% 81% 0% 0% 0% 93% 92%

0% 97% 0% 93% 0% 0% 0% 97% 91%

0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0%

0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0%

0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0%

0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0%

0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0%

0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0%

0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0%

0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0%

0% 384% 0% 355% 0% 0% 0% 354% 328%

COMENTÁRIO: Com a melhor tratativa em relação à distribuição dos pacientes no HRPA a tendência de melhoria da taxa de ocupação é muito positiva, estamos operando mais e internando mais pacientes, reflexo nas taxas de ocupação todas acima de 90%.

Página | 37

2.1.5 – MÉDIA DE PERMANÊNCIA;
1.5.1. Clínica Médica 1.5.2. Clínica Pediátrica 1.5.3. Clínica Cirúrgica 1.5.4. Clínica Obstétrica 1.5.5. UTI de Adultos 1.5.6. UTI Infantil 1.5.7. Uti Neonatal 1.5.8. Outros 1.5.9. Clínica Ortopédica 1.5.10. Outros Média Geral de Permanência 4,97 0 9,61 0 4,07 0 0 0 4,19 8,16 6,32 4,35 0 7,9 0 3,07 0 0 0 7,19 11,4 6,07 3,91 0 7,36 0 3,1 0 0 0 6,46 13,9 6,94 4,23 0 7.40 0 4,01 0 0 0 7,1 12,4 7,01 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 17,46 0 24,87 0 14,25 0 0 0 24,94 45,93

COMENTÁRIO: Todo processo de Gerenciamento de Leitos reflete muito positivamente na diminuição da media de permanência e isto se deve pelo aumento da rotatividade dos pacientes, aumento do numero de saídos e melhoria dos processos internos. No Mês de abril houve um aumento pouco expressivo da taxa de permanência devido ao perfil dos pacientes internados e algumas ações de infecção que requerem maior tempo de internação.

2.1.6 – VOLUME CIRURGICO
2.1.6.1 – Nº de Cirurgias de Urgência; 2.1.6.2 – Nº de Cirurgias eletivas;

1.6.1. Cirurgias de Urgência 1.6.2. Cirurgias Eletivas Média Geral de Cirurgias

258 187 445

246 183 429

251 191 442

268 184 452

0 0 0

0 0 0

0 0 0

0 0 0

0 0 0

0 0 0

0 0 0

0 0 0

1023 745 1768

COMENTÁRIO: Aumento do número de cirurgias se deve ao processo de gerenciamento de leitos, à reorganização do P.S e a redistribuição dos leitos do HRPA em Clínicos e Cirúrgicos, estamos ainda instituindo o sábado como dia cirúrgico. Apresenta-se um aumento de 17,5% do número de cirurgias em relação ao 1° quadrimestre de 2011passando de 1502 para 1768 cirurgias em 2012. Nota-se ainda um aumento de 12% nas Cirurgias Eletivas em relação também ao 1° quadrimestre de 2011 de 664 para 745 cirurgias eletivas em 2012.

Página | 38

2.1.6.3 – Nº DE CIRURGIAS POR PORTE;
1.6.3. Núm ero de Cirurgias por Porte 1.6.3.1. Cirurgias Grandes 1.6.3.2. Cirurgias Médias 1.6.3.3. Cirurgias Pequenas 1.6.3.4. Curetagens 1.6.3.5. Cesáreas Média Geral de Cirurgias por Porte Jan 169 165 111 0 0 445 Fev 185 127 117 0 0 429 Mar 181 165 96 0 0 442 Abr 180 169 103 0 0 452 Mai 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 TOTAL 715 626 427 0 0 1768

COMENTÁRIO: Observa-se que as quantidades de cirurgias por portes são bem distribuídas e mantiveram um padrão em relação aos meses anteriores.

2.1.6.4 – Nº. DE PARTOS POR TIPO
1.6.3. Núm ero de Partos 1.6.3.1. Normal 1.6.3.2. Cesáreas 1.6.3.3. Outros Média Geral de Partos Jan 0 0 0 0 Fev 0 0 0 0 Mar 0 0 0 0 Abr 0 0 0 0 Mai 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 TOTAL 0 0 0 0

COMENTÁRIO: Hospital não realiza partos.

Página | 39

2.1.7 – SADT’S
1.7. SADT 1.7.1. Laboratório Clínico 1.7.2. Anatomia Patológica 1.7.3. Radiologia 1.7.4. Eletrocardiografia 1.7.5. Fisioterapia (Sessões) 1.7.6. Hemodiálise(Sessões) 1.7.7. Hemodinâmica 1.7.8. Hemoterapia 1.7.9. Endoscopia 1.7.10. Ultrassonografia 1.7.11 Tomografia Computadorizada 1.7.12 Ressonancia Magnética 1.7.13 Mamografia 1.7.14 Citopatologia 1.7.15 Eletroencefalografia 1.7.16 Teste do Pézinho 1.7.17 Diversos 1.7.18 Teste Ergométrico 1.7.19 Outros (Eco, Fono, Psicologia) Total Jan Fev Mar Abr Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 105303 2762 18746 4775 11285 178 0 0 178 1319 4536 488 1529 839 0 0 0 0 7580 159518

25801 23826 28676 27000 461 3441 1152 2657 41 0 0 71 250 957 119 435 187 0 0 0 0 1913 968 3199 1091 2886 44 0 0 79 353 1157 108 368 208 0 0 0 0 1653 1094 6041 1350 2800 54 0 0 6 362 1066 130 379 205 0 0 0 0 1993 239 6065 1182 2942 39 0 0 22 354 1356 131 347 239 0 0 0 0 2021

37485 35940 44156 41937

COMENTÁRIO: A diferença na quantidade total dos procedimentos SADT em jan e fev deve-se ao período de férias. Março e Abril mantiveram se equivalentes com uma pequena queda no número em Abril em decorrência dos feriados. Houve um aumento de 28% em relação ao 1° quadrimestre de 2011, passando de 124.205 para 159.518 mil exames em 2012.
2.1.8 – AMB ULATÓRIO
1.8. Ambulatório 1.8.1. Consultas 1.8.2. Consultas com Procedimentos 1.8.3. Procedimentos 1.8.4. Procedimentos Cirúrgicos Total Jan Fev Mar Abr Mai 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 TOTAL 7162 0 0 0 7162

1713 1544 2177 1728 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

1713 1544 2177 1728

COMENTÁRIO: O desempenho do ambulatório no mês de abril é diretamente prejudicado pelos feriados acontecidos isso justifica a diminuição em relação ao mês de março e também férias de alguns médicos. O número de atendimento no Ambulatório manteve a média de atendimentos em relação ao mesmo quadrimestre de 2011.

Página | 40

2.1.9 – ATENDIMENTOS DE URGÊNCIA/EMERGÊNCIA
1.9.1. Consultas 1.9.2. Consultas com Procedimentos 1.9.3. Procedimentos 1.9.4. Procedimentos Cirúrgicos Total 4879 4708 5343 5244 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 5244 0 0 0 20174

4879 4708 5343 5244

COMENTÁRIO: Aumento é reflexo do processo de gestão de leitos e a organização das rotinas do P.S diminuindo o tempo de permanência. Houve um aumento de 50% em relação ao 1° quadrimestre de 2011, passando de 13.400 para 20.174 atendimentos de urgência.
2.1.10 – NEP

FORMULÁRIO RELATÓRIO MENSAL
Código: F.HRPA.NEP.011 Data elaboração:23/04/2012 Revisão: 00 Data revisão: Nº página: 1/1

ARIL/2012 CARNÚMERO GA DE PARHORÁ TICIPANRÁTES RIA 03:00: 00 01:10: 00 01:10: 00 03:30: 00 02:30: 00 01:00: 00 02:30: 00 03:00: 00 03:00: 00 03:00: 00 03:00: TOTAL DE HORAS/HOME M
ME SES CARGA HORÁRIA TOTAL

CURSO

CAPACITAÇÃO PARA COMISSÃO DE ÉTICA DE ENFERMAGEM BOAS PRATICAS DE HIGIENE E SEGURANÇA ALIMENTAR BOAS PRATICAS DE HIGIENE E SEGURANÇA ALIMENTAR USO DE SERINGAS COM O DESPOSITIVO DE SEGURANÇA USO DE SERINGAS COM O DESPOSITIVO DE SEGURANÇA USO DE SERINGAS COM O DESPOSITIVO DE SEGURANÇA ORIENTAÇÃO SOBRE CURATIVOS ORIENTAÇÃO SOBRE CURATIVOS ORIENTAÇÃO SOBRE CURATIVOS ORIENTAÇÃO SOBRE CURATIVOS ORIENTAÇÃO SOBRE CURATIVOS

13 28 20 23 23 10 39 22 28 24 41

39:00:00 32:40:00 23:20:00 80:30:00 57:30:00 10:00:00 97:30:00 66:00:00 84:00:00 72:00:00 123:00:00 INFORMAÇÕES PARA O GRÁFICO

JA 19:00: N 00 FE 70:00: V 00 MA 98:31: R 00 AB 195:0 R 0:00 MA I JU N JU L AG O SE T OU

Página | 41

ORIENTAÇÃO SOBRE CURATIVOS ORIENTAÇÃO SOBRE CURATIVOS ORIENTAÇÃO SOBRE CURATIVOS ORIENTAÇÃO SOBRE CURATIVOS ORIENTAÇÃO SOBRE CURATIVOS ORIENTAÇÃO SOBRE CURATIVOS SISTEMA DE INTERACT MENCE MANAGER SISTEMA DE INTERACT MENCE MANAGER SISTEMA DE INTERACT MENCE MANAGER SISTEMA DE INTERACT MENCE MANAGER SISTEMA DE INTERACT MENCE MANAGER SISTEMA DE INTERACT MENCE MANAGER SISTEMA DE INTERACT MENCE MANAGER SISTEMA DE INTERACT MENCE MANAGER SISTEMA DE INTERACT MENCE MANAGER SISTEMA DE INTERACT MENCE MANAGER SISTEMA DE INTERACT MENCE MANAGER SISTEMA DE INTERACT MENCE MANAGER SISTEMA DE INTERACT MENTOS SISTEMA DE INTERACT MENTOS PERFOR-

10 44 30 15 4 20 11

PERFOR11 PERFOR5 PERFOR4 PERFOR7 PERFOR4 PERFOR6 PERFOR4 PERFOR4 PERFOR3 PERFOR6 PERFOR10 - DOCU1 - DOCU6 12 20 25 25 4 31 17

GESTÃO EM SERVIÇO DE SAUDE CONTROLE DE REGISTRO DE TEMPERATURA EXCELÊNCIA NO ATENDIMENTO AO CLIENTE EXCELÊNCIA NO ATENDIMENTO AO CLIENTE TREINAMENTO SISTEMA MV POSTURA DO PROFISSIONAL DIANTE O INSOLAMENTO MANUSEIO DO APARELHO DE BANHO NO LEITO

00 03:30: 00 03:00: 00 02:30: 00 02:30: 00 02:30: 00 02:00: 00 05:00: 00 05:30: 00 03:00: 00 03:00: 00 04:00: 00 03:00: 00 03:00: 00 04:00: 00 03:00: 00 04:00: 00 03:00: 00 04:00: 00 03:10: 00 04:00: 00 04:00: 00 01:00: 00 08:00: 00 08:00: 00 01:30: 00 02:00: 00 01:00: 00

35:00:00 132:00:00 75:00:00 37:30:00 10:00:00 40:00:00 55:00:00 60:30:00 15:00:00 12:00:00 28:00:00 12:00:00 18:00:00 16:00:00 12:00:00 12:00:00 18:00:00 40:00:00 3:10:00 24:00:00 48:00:00 20:00:00 200:00:00 200:00:00 6:00:00 62:00:00 17:00:00

T NO V DE Z

Página | 42

MANUSEIO DO APARELHO DE BANHO NO LEITO ORIENTAÇÃO SOBRE O USO DE SERINGA RETRATIL ORIENTAÇÃO SOBRE O USO DE SERINGA RETRATIL ORIENTAÇÃO SOBRE O USO DE SERINGA RETRATIL ORIENTAÇÃO SOBRE O USO DE SERINGA RETRATIL ATUALIZAÇÃO FASE EM URGÊNCIA E EMERGÊNCIA (modulo I) TOTAL 195:00:0 0 751 2862:40: 00

17 28 28 28 28 12 751

01:00: 00 01:00: 00 01:00: 00 01:00: 00 01:00: 00 22:00: 00 195:0 0:00

17:00:00 28:00:00 28:00:00 28:00:00 28:00:00 840:00:00 2862:40:00

TOTAL DE HORAS NÚMERO TOTAL DE COLABORADORES DO HOSPITAL HORAS/HOMEM

HORAS DE TREINAMENTO
240:00:00 192:00:00 144:00:00 96:00:00 48:00:00 0:00:00 JAN FEV MAR ABR CARGA HORÁRIA TOTAL

DADOS QUALITATIVOS

|As ações de capacitação do Hospital Regional Público de Araguaina, no mês de Abril apresentou um aumento significativo no número de horas em relação o mês anterior,totalizando195 horas com a participação de751 servidores/colaboradores treinados. Para este mês, ainda teremos ações de capacitação.

Página | 43

2.1.11 RECURSOS HUMANOS
1.11. Recursos Humanos
Sesau

Janeiro
P ró 3º T o tal Sesau

Fevereiro
P ró 3º T o tal Sesau

Março
P ró 3º T o tal Sesau

Abril
P ró 3º T o tal

1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total

308 668 25 0 231 1232

160 81 20 180 15 456

0 0 54 0 0

468 749 99 180 246

305 665 25 0 229

160 82 20 219 16 497

0 0 54 0 0

465 747 99 219 245

330 667 54 0 231

166 81 22 222 16 507

0 0 54 0 0

496 748 130 222 247

330 667 54 0 231

167 79 23 226 22 517

0 0 54 0 0

497 746 131 226 253

54 1742 1224

54 1775 1282

54 1843 1282

54 1853

1.11. Recursos Humanos
S e s a u P ró

Maio

Junho
T o t a l S e s a u P ró 3º

Julho
T o t a l S e s a u P ró 3º

Agosto
T o t a l S e s a u P ró 3º T o tal

1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

1.11. Recursos Humanos 1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total 0 0 0 0 0 0

Setem bro
S e s a u P ró 3º

Outubro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Novem bro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Dezem bro
T o t a l S e s a u P ró 3º T o tal

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

2.1.12 – CORPO CLÍNICO

Corpo Clínico bastante coeso com as ações desenvolvidas pela Diretoria do Hospital, temos realizado periodicamente reunião com as coordenações médicas para alinhamento dos processos e envolvimento dos mesmos. O HRPA ainda não possui Diretor Técnico nomeado e existem pendências na especialidade de Cirurgia Plástica, pois há somente uma médica concursada a qual, por limitações físicas, não esta operando. Todos os plantões são realizados de acordo com a Portaria SESAU n° 132/2010. Página | 44

2.2 - SAU 1. Registros de Opinião
Ocorrências Reclamações Sugestões Elogios Total de Questionários Queixas resolvidas Meta Contratual Meta Realizada Abril 2012 25 1 7 33 25 80% 100% % 75,8% 3,0% 21,2%

O SAU (Serviço de Atendimento ao Usuário) atende as necessidades do usuário através das queixas: reclamações, sugestões e elogios buscando a melhoria no atendimento ao cidadão que se encontra em dificuldades de acesso aos seus direitos e necessidades, acolhendo e cobrando as reivindicações dos usuários visando a satisfação e bem estar do ser humano. Com esse intuito, das 25 reclamações registradas pelo SAU, 100% foram solucionadas em tempo hábil juntamente com a direção e setores responsáveis.
2. Índices de Satisfação

Hospital Regional Público de Araguaína
100 80 59,27 60 40 20 0 -20 AMBULATORIO (%) 85,43 81,38 92,54 8,32% INTERNAÇÃO (%) 62,75 76,01 81,76 30,29% PRONTO SOCORRO (%) 58,1 55,62 59,27 2,01% 92,54 81,76 70,62

SADT (%) 78,65 71,82 70,62 -1,67%

Fevereiro/2012 Março/2012 Abril/2012 Evolução do Período

Página | 45

Mediante resultado alcançado, avalia-se que o atendimento do HRPA tem melhorado a cada dia, considerando o grande progresso que tivemos do mês de fevereiro para abril, onde contamos com o aumento do índice de satisfação de 85,43% para 92,54% no Ambulatório, de 62,75% para 81,76% na Internação, de 58,10% para 59,27% no Pronto Socorro, com exceção apenas do SADT que caiu de 78,65% para 70,62%.

2.3 – GERENCIAMENTO DE PROCESSOS Treinamento Sistema Interact - Módulo Plano de Ação cronograma); Cadastro dos usuários no sistema, Planejamento, Ferramentas da Qualidade (5W2H, PDCA); Revisão do fluxo de liberação de prontuários e impressos; Elaborado impresso de empréstimo de prontuário; Relatório de Visita Técnica realizada pelo Escritório da Qualidade e Enfermagem no CC,PS,UTI I e II e Relatório de Visita de Diagnóstico realizada pela Qualidade; Reunião de Trabalho - Gestão de Documentos; Elaboração e descrição da Políticas Institucionais (PGRSS,Qualidade,Gestão de Pessoas, Gestão de Riscos, Termo de Consentimento Informado, Comunicação); Apresentação dos Procedimentos de Gestão Institucionais; Padronização dos Manuais Institucionais (O manual da SCIH ficou sob a responsabilidade do Escritório da Qualidade de Araguaína); Realizado pelo consultor do Interact treinamento com Analista da Qualidade -Módulo Gestão de Documentos; Realizado Plantão de Dúvidas Sistema Interact-Módulo Plano de Ação; Recebido 3 carros grandes e dois pequenos da Alban em inox para troca dos carros que estão sem condições de uso; Trocada as longarinas da entrada do CC; Iniciada as articulações para troca dos tanques White Martins; Inserção dos nomes da equipe de Hotelaria no Interact; Montado cronograma de inventário enxoval – item da visita de diagnóstico; Montagem de pastas para os setores FISPQ; Montagem das pastas com SND, SPR E SHL; Inserção do plano de ação no Interact do SPR; Solicitada a confecção sob medida do colchão para maca ginecológica; Definido e feito documento da CIPA para os designados pela DIRETORIA; Iniciada a montagem do cronograma de limpeza terminal do HRPA; Realizado reuniões com a coordenadora medica do pronto Socorro para elaboração do protocolo de acolhimento; Criação do instrumento de coleta de dados para a implantação do acolhimento; Sensibilização com a equipe da necessidade da implantação do SAE; Elaboração de aulas de SAE para a equipe; Realizado junto à consultora auditoria nas unidades para levantamento de diagnostico situacional e após elaboração de plano de ação; Elaboração de protocolos; Participamos de capacitação quanto ao uso da Manta Térmica, disponibilizado ao Centro Cirúrgico; Orientação a equipe de enfermagem do uso adequado das bandejas; Avaliação dos Ambus da CME danificados e necessidade de reposição na quantidade suficiente para atender a demanda das unidades; Informado ao setor de Logística a necessidade da participação da enfermagem na avaliação das compras de material permanente da assistência com teste prévio antes da disponibilização para uso; Solicitação a equipe realizar inventário mensal dos equipamentos circulantes da White Martins; Página | 46

Avaliação e remanejamento de equipamentos conforme a gravidade dos pacientes em uso; Avaliação de material (Filtros Higrobac) no Almoxarifado central (Galpão) quanto a viabilidade para uso; Avaliação dos acessórios para o equipamento fornecido pelo almoxarifado quanto à qualidade; Acompanhamento, avaliação e orientação do trabalho da equipe de técnicos de Enfermagem da CMPA; Participado de Reunião com Diretoria e Coordenações de Enfermagem na elaboração de plano de controle de entrada e saída de material da CME; Controle diário do fornecimento das fitas de HGT, avaliando a demanda de uso semanal; Avaliação da necessidade de aquisição de Carros de Curativo para as unidades; Reunião com a Nutrição Clinica; Orientação sobre sistema Interact; Implantação de ações da assistência Nutricional; Enviado a SESAU e Assessoria de Imprensa Pró Saúde texto de divulgação sobre descarte de lâmpadas fluorescente; Elaborado e encaminhado a Qualidade, Política de Gestão da Qualidade; Elaborado Cronograma da Visita de Acompanhamento do Plano de Ação; Reunião GTH. Discutido proposta de implantação de um piloto do Plano Terapêutico na UTI; Verificação da Instrução de Trabalho – Atribuições do Núcleo de Vigilância Epidemiológica; Verificação da Instrução de Trabalho – Rotinas do RHC; Reunião da Comissão da Qualidade; Reunião com a rede, Gestão de Humanização (Estado) e Consultora do Ministério da Saúde para implantação da ACCR ; Montagem do Quadro Mural (Gestão á Vista); Montagem do Quadro Mural (Gestão á Vista); Reunião com Arquivo ,Enfermagem,Faturamento,RHC,Radioterapia e Ambulatório Quimioterapia para definição do fluxo de prontuários; Verificação da Instrução de Trabalho – Rotinas do Ambulatório da Quimioterapia; Reunião com Gerente de Logística, Diretoria de Enfermagem Consultoria de Logística e Consultoria de Enfermagem; Definir fluxo de entrega de medicamentos por horário; Reunião EMTN (Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional); Elaborado Cronograma e Comunicado aos coordenadores sobre o Treinamento Gerenciamento de Processos; Orientação e acompanhamento da elaboração do Plano de Ação da equipe de enfermagem no sistema Interact; Adequação do espaço dos gases; Feita troca do motor do ar condicionado da sala do acelerador linear; Feito dimensionamento de pessoal para equipe de hotelaria; Feito treinamento de prevenção de isolamento de contato pelo SCIH com a equipe de Hotelaria; Montagem do cronograma de limpeza terminal 2012; Entregues 23 armários para o ambulatório, 8 cadeiras, 7 mesas conforme solicitação do CEREST; Feita troca dos 10 colchões do conforto da enfermagem; Atualizado cronograma de limpeza terminal; Participação reunião Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional – EMTN.

2.4 – IMPLANTAÇÃO DE NOVOS SERVIÇOS Não Houveram serviços implantados no mês de abril de 2012.

Página | 47

2.5 – FATURAMENTO
5.1 - AIH 5.2 - Valores 883 875 967 950 0 0,0 0 0,0 0 0,0 0 0,0 0 0,0 0 0,0 0 0,0 0 3675 1916181,2 1869469,0 2098763,6 2115303,2 0,0 7999717,0

2.6 – OBRAS
Não foram realizadas obras no mês de abril de 2012.

2.7 – EQUIPAMENTOS NOVOS
1 8 2 2 6 3 1 1 1 2 3 5 1 1 1 1 2 1 6 5 4 19 1
ARMÁRIO PARA 60 CHAVES CENTRAL LONGARINA TIPO SECRETÁRIA ESTRUTURA EM AÇO ASSENTO EM PROPILENO 4 LUGARES COR AZUL(PRÓ-SAUDE) XII/4 LONGARINA TIPO SECRETÁRIA ESTRUTURA EM AÇO ASSENTO EM PROPILENO 4 LUGARES COR AZUL(PRÓ-SAUDE) XII/4 LONGARINA TIPO SECRETÁRIA ESTRUTURA EM AÇO ASSENTO EM PROPILENO 3 LUGARES COR AZUL(PRÓ-SAUDE) XII/4 LONGARINA TIPO SECRETÁRIA ESTRUTURA EM AÇO ASSENTO EM PROPILENO 3 LUGARES COR AZUL(PRÓ-SAUDE) XII/4 CILINDRO PARA OXIGÊNIO PORTÁTIL CAP. 7L MARCA UNITEC IMPRESSORA MULTIFUNCIONAL HP OFICCEJET J4660 CB786A SCANNER HP SCANJET G2410 L2694A (PRÓ-SAUDE) XII/4 NEGATOSCÓPIO DE 02 CORPOS. (PRÓ-SAUDE) XII/4 NEGATOSCÓPIO DE 02 CORPOS SIMPLES MARCA KONEX OFTALMOSCÓPIO GOWLLANDS COM LAMPADA HALOGENA MARCA GOWLLANDS (PRÓ-SAUDE) XII/4 CARRO PARA TRANSPORTE DE ALIMENTAÇÃO ABERTO, EM 03 PLANOS AÇO INÓX COM RODAS MACIÇO, PEQUENO CARRO PARA CURATIVO EM AÇO INÓX COM BALDE E BACIA EM CARRO PARA CURATIVO EM AÇO INÓX COM BALDE E BACIA EM VENTILADOR OSCILANTE DE PAREDE BIVOLT COR BRANCO VENTILADOR OSCILANTE DE PAREDE BIVOLT COR BRANCO CARRO PARA TRANSPORTE DE CILINDRO DE OXIGENIO CARRO PARA TRANSPORTE DE CILINDRO DE OXIGENIO CADEIRA GIRATÓRIA EM COURVIN AZUL COM RODÍZIO E APOIO PARA O BRAÇO (PRÓ-SAUDE) XII/4 CADEIRA GIRATÓRIA EM COURVIN AZUL COM RODÍZIO E APOIO PARA O BRAÇO (PRÓ-SAUDE) XII/4 CADEIRA GIRATÓRIA EM COURVIN AZUL COM RODÍZIO E APOIO PARA O BRAÇO (PRÓ-SAUDE) XII/4 CADEIRA GIRATÓRIA EM COURVIN AZUL COM RODÍZIO E APOIO PARA O BRAÇO (PRÓ-SAUDE) XII/4 CADEIRA GIRATÓRIA EM COURVIN AZUL COM RODÍZIO E APOIO

CACON GERÊNCIA DE PATRIMÔNIO CENTRO CIRURGICO CASA DE APOIO GLÓRIA MORAES REABILITO MANUTENÇÃO DIRETORIAS DIRETORIAS AMBULATÓRIO PRONTO SOCORRO PRONTO SOCORRO

SERVIÇO DE NUTRIÇÃO E DIETÉTICA (SND Ala F POSTO VIIA P.S - AREA VERDE RECEPÇÃO DO PONTO RECEPÇÃO DE VISITAS Ala E POSTO VI UTI II ALMOXARIFADO FARMACIA DA QUIMIOTERAPIA QUIMIO-ADMINISTRATIVO AMBULATÓRIO CASA DE APOIO GLÓRIA MORAES

Página | 48

PARA O BRAÇO (PRÓ-SAUDE) XII/4

3 5 6

CADEIRA GIRATÓRIA EM COURVIN AZUL COM RODÍZIO E APOIO PARA O BRAÇO (PRÓ-SAUDE) XII/4 MESA AUXILIAR, SEMI-CIRCULAR, EM INÓX COM RODÍZIO. ARMÁRIO DE AÇO TIPO ESCANINO COM 08 PORTAS(PRÓ-SAUDE)

REABILITO AMBULATÓRIO CASA DE APOIO GLÓRIA MORAES

2.8 – OUTRAS INFORMAÇÕES
Realizada a posse dos novos membros da CIPA/COLSAT 2012/2013.

PALAVRA DO DIRETOR GERAL DO HOSPITAL
O Hospital Regional Público de Araguaína tem apresentado uma boa evolução e bons resultados, motivados por bons propósitos, direcionamento de ideias e o que consideramos como palavra mestra é o ENVOLVIMENTO, com isso todo desafio tem sido superado, vencido e ultrapassado. O tempo passa muito rápido acertos e erros com certeza aconteceram, e os colaboradores são a condicionante para o sucesso. Valorizamos o espírito de equipe, a resolução das tarefas, a boa conduta moral e profissional. Conquistamos muito em pouco tempo, mas com certeza ainda foi menos do que podemos conquistar, agradecemos a todos do HRPA pelo apoio e continuamos afirmando que estamos juntos nessa missão como uma única equipe unida e coesa, voltada para o sucesso do Hospital.

Página | 49

2.3 HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE GURUPI 2.3.1 METAS CONTRATUAIS

3.1 – INDICADORES DE PRODUÇÃO
3.1.1 – Nº DE LEITOS POR ESPECIALIDADE;
1.1. Leitos por Espe cialidade 1.1.1. Clínica Médica 1.1.2. Clínica Pediátrica 1.1.3. Clínica Cirúrgica 1.1.4. Clínica Obstétrica 1.1.5. UTI de Adultos 1.1.6. UTI Infantil 1.1.7. UTI Neonatal 1.1.8. Berçário 1.1.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Leitos Jan 32 27 29 22 9 0 0 6 0 0 125 Fev 30 27 27 22 19 0 0 6 0 0 131 Mar 30 27 27 22 19 0 0 6 0 0 131 Abr 30 27 27 22 19 0 0 6 0 0 131 Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 De z 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 122 108 110 88 66 0 0 24 0 0 518

Após a abertura dos leitos de UTI em janeiro/2012, o hospital aumentou de 125 leitos para 131 leitos ativos.

3.1.2 – Nº. DE INTERNAÇÕES POR ESPECIALIDADE;
1.2. Internações por Especialidade 1.2.1. Clínica Médica 1.2.2. Clínica Pediátrica 1.2.3. Clínica Cirúrgica 1.2.4. Clínica Obstétrica 1.2.5. UTI de Adultos 1.2.6. UTI Infantil 1.2.7. UTI Neonatal 1.2.8. Berçário 1.2.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Internações por especialidade Jan 138 43 72 249 12 0 0 14 89 13 630 Fev 148 61 126 226 42 0 0 5 76 11 695 Mar 153 78 173 299 46 0 0 10 85 20 864 Abr 119 125 180 273 39 0 0 7 0 0 743 Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 558 307 551 1047 139 0 0 36 250 44 2932

Demos continuidade aos trabalhos em Janeiro de 2012, quando fechamos as internações em 630 e no mês Fevereiro fechamos as internações em 695. No mês de Março foram 864 internações e, no mês de abril/2012 fechamos com 743 internações.

Página | 50

3.1.3 – Nº. DE SAÍDOS POR ESPECIALIDADE

1.3. Nº. de saídos por especialidadeJan 1.3.1. Clínica Médica 1.3.2. Clínica Pediátrica 1.3.3. Clínica Cirúrgica 1.3.4. Clínica Obstétrica 1.3.5. UTI de Adultos 1.3.6. UTI Infantil 1.3.7. UTI Neonatal 1.3.8. Berçário 1.3.9. Clínica Ortopédica 1.3.10. Outros Total de saídos por especialidade 129 52 69 251 9 0 0 11 83 13 617

Fev 160 55 121 233 37 0 0 8 80 10 704

Mar 142 79 160 307 33 0 0 8 84 18 831

Abr 112 113 220 270 26 0 0 7 0 0 748

Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

TOTAL 543 299 570 1061 105 0 0 34 247 41 2900

COMENTÁRIO: O Hospital Regional Público de Gurupi conta com 131 leitos. Trata-se de um hospital de Porte III, que tem como meta quantitativa 740 pacientes saídos por mês. Observa-se que em Janeiro de 2012, foram registrados 617 pacientes saídos, o que representa 83% da meta contratual. Em fevereiro de 2012 foram registrados 704 pacientes saídos, o que representa 95% da meta contratual. Em Março de 2012, foram registrados 831 pacientes saídos, o que representa 112% da meta contratual. Já no mês de abril de 2012, foram registrados 748 pacientes saídos, o que representa 101% da meta contratual.

Página | 51

3.1.4 – PERCENTUAL DE OCUPAÇÃO POR CLÍNICA;
1.4. Porcentagem de Ocupação 1.4.1. Clínica Médica 1.4.2. Clínica Pediátrica 1.4.3. Clínica Cirúrgica 1.4.4. Clínica Obstétrica 1.4.5. UTI de Adultos 1.4.6. UTI Infantil 1.4.7. UTI Neonatal 1.4.8. Outros (Berçário) 1.4.9. Clínica Ortopédica 1.4.10. Outros Porcentagem Geral de Ocupação Jan Fev Mar Abr Mai 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Jun 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Jul 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Ago 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Set 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Out 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Nov 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Dez 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% TOTAL 349% 164% 304% 315% 310% 0% 0% 127% 0% 0%

82,76% 79,77% 91,51% 94,89% 29,27% 33,21% 44,65% 56,67% 64,52% 72,69% 82,80% 84,20% 70,97% 72,80% 84,88% 86,67% 93,91% 69,51% 79,29% 67,31% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00%

55,38% 24,71% 17,20% 29,44% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00%

64,15% 65,13% 75,19% 69,86%

Podemos observar que, a porcentagem geral de ocupação do HRPG tem aumentado a cada mês. Com isso, verificamos que estamos aproveitando mais a capacidade instalada da unidade.

3.1.5 – MÉDIA DE PERMANÊNCIA;

1.5. Média de Perm anência 1.5.1. Clínica Médica 1.5.2. Clínica Pediátrica 1.5.3. Clínica Cirúrgica 1.5.4. Clínica Obstétrica 1.5.5. UTI de Adultos 1.5.6. UTI Inf antil 1.5.7. Uti Neonatal 1.5.8. Outros 1.5.9. Clínica Ortopédica 1.5.10. Outros (Patológico) Média Geral de Permanência

Jan 6,36 4,71 6,09 1,58 6,89 0 0 0 0 9,36 3,48

Fev 4,39 3,33 4,36 1,64 5,55 0 0 0 0 6,14 3,02

Mar 5,99 3,33 4,33 1,37 7,08 0 0 0 0 4 3,16

Abr 8,13 2,31 5,54 1,54 0 0 0 0 0 0 4,38

Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

TOTAL 24,87 13,68 20,32 6,13 19,52 0 0 0 0 19,5

Após iniciarmos nosso trabalho de gerenciamento de leitos, podemos observar que a média geral de permanência não está passando de 3,5 diárias por clínica. Entretanto, se analisarmos separadamente as clínicas podemos dizer que há uma redução de janeiro para março, principalmente na Clínica Cirúrgica onde reduzimos de 6,09 para 4,33 respectivamente. Através do gerenciamento de leitos e a redução da permanência do paciente na unidade, conseguiremos em curto prazo reduzir a demanda reprimida de cirurgias eletivas.

Página | 52

3.1.6 – VOLUME CIRURGICO
1.6. Volum e Cirúrgico 1.6.1. Cirurgias de Urgência 1.6.2. Cirurgias Eletivas Média Geral de Cirurgias Jan 106 89 195 Fev 103 124 227 Mar 135 195 330 Abr 97 177 274 Mai 0 0 0 Jun 0 0 0 Jul 0 0 0 Ago 0 0 0 Set 0 0 0 Out 0 0 0 Nov 0 0 0 Dez 0 0 0 TOTAL 441 585 1026

Estamos trabalhando a cada mês para melhorar o número do volume cirúrgico, com a busca e parceria com as Secretarias Municipais dos municípios circunvizinhos que somos referência.

3.1.6.3 – Nº DE CIRURGIAS POR PORTE;

1.6.3. Núm ero de Cirurgias por Porte 1.6.3.1. Cirurgias Grandes 1.6.3.2. Cirurgias Médias 1.6.3.3. Cirurgias Pequenas 1.6.3.4. Curetagens 1.6.3.5. Cesáreas Média Geral de Cirurgias por Porte

Jan 67 82 46 19 66 280

Fev 50 112 65 17 60 304

Mar 105 142 83 19 73 422

Abr 75 136 63 10 60 344

Mai 0 0 0 0 0 0

Jun 0 0 0 0 0 0

Jul 0 0 0 0 0 0

Ago 0 0 0 0 0 0

Set 0 0 0 0 0 0

Out 0 0 0 0 0 0

Nov 0 0 0 0 0 0

Dez 0 0 0 0 0 0

TOTAL 297 472 257 65 259 1350

Podemos observar que no mês de abril, o numero de cirurgias de médio porte aumentou 60% em relação ao mês de janeiro. O que significa que estamos realizando as cirurgias eletivas das demandas reprimidas dos municípios.

3.1.6.4 – Nº. DE PARTOS POR TIPO
1.6.4. Núm ero de partos por tipo 1.6.4.1. Normal 1.6.4.2. Cesariana 1.6.3.3. Outros Média Geral de Cirurgias por Porte Jan 89 66 0 155 Fev 83 60 0 143 Mar 116 73 0 189 Abr 91 60 0 151 Mai 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 TOTAL 379 259 0 638

Página | 53

3.1.7 – SADT’S

1.7. SADT 1.7.1. Laboratório Clínico 1.7.2. Anatomia Patológica 1.7.3. Radiologia 1.7.4. Eletrocardiografia 1.7.5. Fisioterapia (Sessões) 1.7.6. Hemodiálise(Sessões) 1.7.7. Hemodinâmica 1.7.8. Hemoterapia 1.7.9. Endoscopia 1.7.10. Ultrassonografia 1.7.11 Tomografia Computadorizada 1.7.12 Ressonancia Magnética 1.7.13 Mamografia 1.7.14 Citopatologia 1.7.15 Eletroencefalografia 1.7.16 Teste do Pézinho 1.7.17 Diversos 1.7.18 Teste Ergométrico Total

Jan 6796 87 2315 81 1747 0 0 0 15 134 33 0 150 0 0 0 21 0

Fev 7224 217 2374 71 1702 0 0 0 22 170 70 0 155 0 0 0 18 0

Mar 9053 150 3503 97 2186 0 0 0 27 184 90 0 134 0 0 0 26 0

Abr 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

TOTAL 23073 454 8192 249 5635 0 0 0 64 488 193 0 439 0 0 0 65 0 38852

11379 12023 15450

Observamos que, com a abertura dos 11 leitos de UTI em janeiro/2012 houve um aumento médio nos SADT’s de 68%.

3.1.8 – AMB ULATÓRIO

1.8. Ambulatório 1.8.1. Consultas 1.8.2. Consultas com Procedimentos 1.8.3. Procedimentos 1.8.4. Procedimentos Cirúrgicos Total

Jan 374 0 0 0 374

Fev 518 0 0 0 518

Mar 688 0 0 0 688

Abr 653 0 0 0 653

Mai 0 0 0 0 0

Jun 0 0 0 0 0

Jul 0 0 0 0 0

Ago 0 0 0 0 0

Set 0 0 0 0 0

Out 0 0 0 0 0

Nov 0 0 0 0 0

Dez 0 0 0 0 0

TOTAL 2233 0 0 0 2233

Com o aumento das cirurgias eletivas referente a demanda reprimida, tivemos um aumento nas consultas ambulatoriais de 90%.

Página | 54

3.1.9 – ATENDIMENTOS DE URGÊNCIA/EMERGÊNCIA

1.9. Urgência/Emergência 1.9.1. Consultas 1.9.2. Consultas com Procedimentos 1.9.3. Procedimentos 1.9.4. Procedimentos Cirúrgicos Total

Jan

Fev

Mar

Abr

Mai 0 0 0 0 0

Jun 0 0 0 0 0

Jul 0 0 0 0 0

Ago 0 0 0 0 0

Set 0 0 0 0 0

Out 0 0 0 0 0

Nov 0 0 0 0 0

Dez 0 0 0 0 0

TOTAL 15944 0 188 0 16132

3610 3614 4688 4032 0 55 0 0 27 0 0 54 0 0 52 0

3665 3641 4742 4084

Internação X Atendimentos

A comparação entre internação e atendimentos: em Janeiro de 2012 realizamos 3.665 atendimentos e destes, obtivemos 630 internações. No mês de Fevereiro de 2012 realizamos 3.641 atendimentos e destes, obtivemos 695 internações. Já no mês de Março de 2012 realizamos 4.742 atendimentos e destes, obtivemos 864 internações. Já no mês de Abril, realizamos 4.084 atendimentos e destes, obtivemos 743 internações.

Página | 55

3.1.10 – RECURSOS HUMANOS
1.10. Recursos Humanos 1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total 100 380 20 2 68 570 Janeiro
S e s a u P ró 3º

Fevere iro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Março
T o t a l S e s a u P ró 3º T o t a l S e s a u P ró

Abril
3º T o tal

26 73 20 84 2 205

0 0 0 0 0 0

126 453 40 86 70 775

124 354 15 3 68 564

40 81 20 110 3 254

0 0 0 0 0 0

164 435 35 113 71 818

124 351 15 3 68 561

40 81 20 110 3 254

0 0 0 0 0 0

164 432 35 113 71 815

123 350 15 3 70 561

40 81 20 120 3 264

0 0 0 0 0 0

163 431 35 123 73 825

1.10. Recursos Humanos
S e s a u P ró

Maio

Junho
T o t a l S e s a u P ró 3º

Julho
T o t a l S e s a u P ró 3º

Agosto
T o t a l S e s a u P ró 3º T o tal

1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

1.10. Recursos Humanos 1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total 0 0 0 0 0 0

Setem bro
S e s a u P ró 3º

Outubro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Novem bro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Deze m bro
T o t a l S e s a u P ró 3º T o tal

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

3.1.11 – NEP

Neste mês de abril/2012, o Núcleo de Educação Permanente – NEP promoveu várias capacitações, visando qualificar ainda mais a equipe multiprofissional que atua no HRPG.

Página | 56

Página | 57

Capacitação em Ventilação Mecânica

No dia 03.04.2012 – Esta capacitação foi dirigida aos fisioterapeutas do Hospital, bem como, a um grupo de enfermeiros que atuam em nossa UTI

3.1.12 – CORPO CLÍNICO
O funcionamento clínico do hospital se manteve satisfatório neste mês, os pacientes internados tiveram atendimento medico, farmacológico e assistência de enfermagem. O número de pacientes atendidos alcançou a nossa meta do mês. Estamos em conversações com os médicos para o cumprimento da escala de plantão de corpo presente.

3.2 - SAU 1. Registros de Opinião
Período: 01/04/2012 a 30/04/2012.
Ocorrências Reclamações Sugestões Elogios Total de Questionários Queixas resolvidas Meta Contratual Meta Realizada Abril 2012 11 02 16 29 09 80% 81,82%

Página | 58

No período atual 29 usuários manifestaram-se através do registro de opinião, dentre eles 11 fizeram algum tipo de reclamação onde procuramos da forma mais sucinta resolve-las, tivemos êxito em 09 queixas solucionadas, atingindo a média de 81,82% ultrapassando a meta contratual que é 80%. Apenas 02 usuários apresentaram sugestões e 16 elogiaram nosso atendimento. O SAU vem exercendo diariamente suas atribuições de atenção ao usuário, sem deixar de lado o foco principal que é o bem estar e satisfação do paciente. 2. Índices de Satisfação

No período de Abril, obtivemos um percentual de satisfação maior comparando com os meses anteriores em todos os setores, seja na internação, pronto socorro e SADT, isso tem sido fruto do empenho de cada colaborador em manter a qualidade de vida nos serviços prestados ao cliente.

Página | 59

3.3 – GERENCIAMENTO DE PROCESSOS

Instruções de Trabalho da Enfermagem

No mês de abril/2012, aconteceu a oficina para a construção das Instruções de Trabalho da Enfermagem, destinada ao pessoal que atua na Unidade materno-Infantil do HRPG.

Programa Boquinha do Bebê

Com o objetivo de reduzir a incidência de cárie em crianças para se alcançar uma população de adultos mais saudáveis no futuro, a Maternidade do implantou o Programa Boquinha do Bebê, sob a supervisão e acompanhamento da odontopediatra Rise Rank. Os profissionais do HRPG receberam orientações para colocar esse programa na prática.

Página | 60

Pintura nas áreas internas do Hospital
Antes Depois

É visível a melhoria no aspecto das áreas internas do HRPG, depois que foi providenciada pintura tanto nas calçadas quanto nas paredes. E o trabalho tem continuidade nas rotinas da Equipe de Manutenção

Página | 61

Pintura na calçada em frente ao HRPG

Antes

Depois

A calçada em frente ao Pronto-Socorro Adulto do HRPG também está de cara nova, tendo recebido pintura, o que contribuiu significativamente para melhorar o aspecto do local

Página | 62

Colocação de brita nas áreas internas do Hospital
Antes Depois

28.04.2012 Foi providenciada a colocação de brita em três áreas de serviço do hospital, mudando consideravelmente o visual desses locais, conforme pode-se ver nas fotos.

Página | 63

Curso de Gestão de Processos capacita diretores da Região Sul.

Dia 18.04.2012 foi ministrado pela consultora da Pró-Saude, Francilene Veloso Caldeira em conjunto com o escritório da Qualidade do Hospital Regional Público de Gurupi, o curso de Gerências de Gestão de Processos Administrativos, no auditório do HRPG, para os gestores dos hospitais públicos de Gurupi, Arraias, Alvorada, Porto Nacional, Dianópolis e Araguaçu. Porém, de 16 a 18.02.2012, colaboradores do hospital também participaram do treinamento de gerenciamento de processos, realizado no auditório do Sine. Capacitação Gerencial no SAU – Serviço de Atenção ao Usuário

Dia 23/04/2012, aconteceu uma reunião no auditório do com todos os supervisores do SAU – Serviço de Atenção ao Usuário dos hospitais públicos da região sul do Estado com o objetivo de manter o alinhamento entre as equipes do órgão na região, ampliando as atribuições do setor, tendo como meta a satisfação do usuário do sistema público de saúde.

Página | 64

3.4 – FATURAMENTO
4. Faturamento 4.1 - AIH (Quantitativo) Jan 652 Fev 684 493.835,65 Mar 836 591.885,21 Abr 753 569.082,88 Mai Jun Jul Ago Set Out 0 0,0 0 0 0 0,0 0 0,0 0 0,0 Nov Dez TOTAL 0 0,0 0 2.925

4.2 - Valores (em reais) 478.280,67

0,0 0,0

0,0 2.133.084,41

3.6 – OBRAS E IMPLANTAÇÃO DE NOVOS SERVIÇOS
Estamos realizando projeto para implantação nos próximos meses do Banco de Leite Humano e Reforma/Ampliação para instalação de 02 Autoclaves.

3.7 – EQUIPAMENTOS NOVOS
Aquisição de Enceradeira Industrial

Aquisição de Autoclaves

O HRPP - Hospital Regional de Gurupi acaba de adquirir dois equipamentos de última geração e inovação tecnológica. São as autoclaves, equipamentos utilizados na esterilização de instrumentos cirúrgicos secagem de enxovais de pacientes e corpo clínico. Ao

Página | 65

todo, os novos equipamentos têm capacidade de esterilizar e secar 886 litros no período de 40 minutos. As duas autoclaves antigas que antes atendiam o HRPG tinham capacidade de 280 litros entre esterilização de instrumentos e secagem de enxovais.

Aquisição de Aventais de proteção Radiológica

Foram adquiridos mais cinco novos aventais de proteção radiológica

Aquisição de cadeiras para acompanhantes de pacientes na UTI

3.8 – COMISSÕES
O Hospital Regional Público de Gurupi, de acordo com legislação pertinente que determina a implantação e o funcionamento de comissões responsáveis pela padronização dos processos inter-

Página | 66

nos e pela qualidade e segurança dos serviços prestados aos nossos clientes, dispõe assim notificar junto aos demais as diversas comissões existente na Unidade Hospitalar.

Comissão de Controle de Infecção Hospitalar – CCIH

Preconiza atividades de prevenção e controle com orientações e supervisão de medidas estabelecidas pelo Serviço de Controle de Infecções Hospitalares – SCIH, em conjunto com as equipes de saúde. Houve 8 reuniões desde a abertura no dia 28 de setembro, em abril de 2012, foi feito uma reunião com Diretoria Administrativa, de Enfermagem e Enf.ª Marília onde a mesma assumiu a Comissão com o intuito de reestruturar a composição.

Comissão de Ética Médica

Eleita pelo corpo clínico, dia 29 de outubro, para investigar as condutas médicas. Embora não possua competência para realizar julgamento nem estabelecer penalidades nas questões éticas, a Comissão de Ética Médica é responsável por levar ao conhecimento do Conselho Regional de Medicina qualquer denuncia ou suspeita de ilícito ético. No mês de abril não ouve nenhuma denúncia para ser discutido o caso em reunião.

Comissão de Padronização de Insumos.

Tem como objetivo avaliar e padronizar as solicitações de medicamentos, insumos hospitalares, equipamentos médicos e mobiliários na autarquia, levando em consideração os critérios de eficiência, relação custo/benefício, comodidade posológica e outros fatores envolvidos no seu uso, previamente pesquisados e estudados pelos solicitantes. Com a ausência do profissional Médico e Farmacêutico desde sua criação no dia 26 de setembro de 2011, sem a presença dos mesmo que compõe a Comissão, não houve reunião, pois somente esses profissionais têm a competência para emitir parecer exigido pelo o órgão fiscalizador Vigilância Sanitária do Estado.

Página | 67

Comissão de Farmacovigilância

Comissão de Farmacovigilância, formada dia 27 de setembro de 2011, tem por objetivos realizar atividade destinada a identificar, quantificar e informar os efeitos indesejáveis decorrentes do uso agudo e crônico dos medicamentos, sobretudo as reações adversas previamente desconhecidas, identificando seus riscos, tomando medidas reguladoras a respeito e informando aos profissionais de saúde do HRP-GURUPI, fornecedores, a VISA e Anvisa sobre estas questões. Com a ausência do profissional Médico e Farmacêutico não houve reunião, pois somente o mesmo tem a competência para emitir parecer exigido pelo o órgão fiscalizador Vigilância Sanitária do Estado.

Comissão de Ética na Enfermagem

Tem como objetivo o fortalecimento do componente ético dos profissionais de Enfermagem, através da análise das intercorrências notificadas por meio de denúncia formal e/ou auditoria. Apesar de já homologada a Comissão de Ética de Enfermagem não está ativa, pois dependemos do COREN-TO não compareceu para dar posse à chapa vencedora.

Comissão de Revisão de Óbito

Tem como objetivo a análise detalhada de todos os óbitos ocorridos no Hospital. A Comissão de Revisão de Óbito realizou cinco reuniões desde sua implantação, dia 28 de setembro de 2011, onde não foi realizado no mês de Abril 2012, pois não houve quórum.

Comissão de Revisão de Prontuários

Tem como missão a busca da melhoria da qualidade dos registros e anotações necessárias para elaboração do prontuário clínico. A Comissão de Revisão de Prontuário realizou três reuniões desde sua implantação, dia 23 de novembro de 2011, onde não foi realizado no mês de Abril 2012, pois não houve quórum. Salientamos que, estamos com dificuldade de manter as comissões ativas devido a falta do profissional médico que só participará mediante o pagamento de plantão extra. Página | 68

3.9 – OUTRAS INFORMAÇÕES
Interação com a Comunidade

No dia 24.04.2012, o Diretor Geral do HRPG, Valdemir Girato, recebeu a visita do Estado, o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Saúde (Sintras), Manoel Pereira, quando foram tratados assuntos da categoria que representa.

Valorização do Servidor
Na busca de um congraçamento harmonioso, o HRPG colocou em prática o evento denominado “Aniversariante do Mês”. Nesse dia, o refeitório do hospital recebe os aniversariantes do mês, onde são homenageados pelos diretores e demais colaboradores do HRPG. Por se tratar de uma data especial, não faltam bolo, bolo, refrigerantes, mensagens e muitos abraços aos aniversariantes.

Página | 69

Projeto Saúde em ação
Nos dias 25 e 26 o HRPG colocou em prática o projeto Saúde em Ação, quando ofereceu a seus colaboradores vários benefícios como orientações sobre prevenção de doenças como pressão alta, diabetes, estresse, entre outras. Foi disponibilizada coleta de citologia (exame Papanicolau), realização de exame de glicemia, verificação de pressão arterial, de peso e cálculo de IMC, além de ginástica laboral. Os colaboradores ainda puderam se vacinar contra febre amarela, hepatite e tétano.

Página | 70

Ginástica Laboral

Vacinação

Blitz Educativa

Aferimento de pressão

Orientações sobre saúde

Teste de clicemia

Participação do HRPG na FLIT 2012 - Feira Literária Internacional do Tocantins, em Gurupi

Página | 71

Profissionais do HRPG, participaram da FLIT - Feira Literária Internacional do Tocantins, em Gurupi, de27 a 28 de abril, onde foi disponibilizado á comunidade diversos serviços de saúde como exames de Glicemia Capilar, verificação de pressão arteri-

Página | 72

al,vacinação, orientações sobre prevenção de doenças, dentre outros.

Celebrações Religiosas. Integrando o trabalho de Humanização Hospitalar, acontece, às sextas-feiras, culto evangélico, pela manhã, e missa no período da tarde. As celebrações religiosas são realizadas na Sala de Treinamentos do HRPG, reunindo colaboradores, pacientes e acompanhantes. Trata-se de um momento especial e que tem refletido de forma positiva, principalmente, no restabelecimento de pacientes que encontram uma palavra de conforto num momento difícil de doença.

Integrantes de várias denominações religiosas evangélicas se revezam na celebração dos cultos às sextas-feira.

Página | 73

A realização da missa já é tradicional no HRPG. Religiosos da Paróquia de Santo Antônio e de Nossa Senhora Aparecida coordenam a celebração das missas.

Almoço Especial de Sábado de Páscoa

O Sábado de Páscoa teve cardápio especial no almoço dos colaboradores do HRPG, quando, na oportunidade foi servida uma Bacalhoada à Moda Portuguesa, feita com capricho pelo pessoal da cozinha

Página | 74

Humanização Hospitalar

Comemoração do Domingo de Páscoa

A comemoração do Domingo de Páscoa no HRPG foi feita sob a coordenação da enfermeira da pediatria Leandra Barros, juntamente com a técnica de enfermagem Amparo dos Prazeres e das alunas do quarto período do curso de Enfermagem do Centro Universitário Unirg. Foram distribuídas lembrancinhas aos pequenos pacientes. A equipe do HRPG e demais parceiros levaram muita alegria e descontração, realizaram visitas leito a leito e pintaram os rostos das crianças. Foi uma manhã diferente para aqueles que se encontravam nas dependências do Hospital.

Página | 75

Apoio Psicológico

O HRPG conta com uma equipe de profissionais de psicologia que prestam permanente assistência a familiares de pacientes, principalmente, para quem tem um ente querido internado na UTI

PALAVRA DO DIRETOR GERAL DO HOSPITAL

Hospital Regional Público de Gurupi possui 131 leitos, dos quais 19 são leitos de UTI adulto um benefício histórico para a Região SUL do Estado do TO, pela criação de mais 10 leitos em janeiro deste ano a direção e todos os funcionários do hospital parabeniza o Governo do Estado do TO.

A Administração do Hospital possui um bom relacionamento com a população, com o Corpo Clínico do Hospital, com todos os funcionários e com os prestadores de serviços.

Com as novas mudanças como reforma, compra de equipamentos, organização do serviço de suprimentos, conseguimos aumentar mais de 25% o número de cirurgias

Página | 76

eletivas dando conforto e mais segurança para a população de Gurupi e todos os municípios circunvizinhos.

No mês de abril estamos alavancando com vários projetos como implantação do banco de Leite Humano, instalação de 02 novas autoclaves e climatização do Pronto Socorro Adulto, como vários outros projetos sempre buscando a qualidade de atendimento aos usuários.

Estamos passando por um momento de tranquilidade junto a comunidade, pois o atendimento médico-hospitalar tem melhorado tanto no PSA como no PSI do Hospital.

A diretoria do hospital está trabalhando junto ao serviço de qualidade e humanização, conscientizando para que todos os funcionários dediquem um atendimento de qualidade para os nossos usuários.

Concluímos, que o Estado do TO possui uma nova estrutura de qualidade na saúde quanto na área técnica, gerencial e principalmente na área humanizada.

Página | 77

2.4 HOSPITAL E MATERNIDADE PÚBLICA DONA REGINA 2.4.1 METAS CONTRATUAIS

4.1 – INDICADORES DE PRODUÇÃO
4.1.1 – Nº DE LEITOS POR ESPECIALIDADE;
1.1. Leitos por Especialidade 1.1.1. Clínica Médica 1.1.2. Clínica Pediátrica 1.1.3. Clínica Cirúrgica 1.1.4. Clínica Obstétrica 1.1.5. UTI de Adultos 1.1.6. UTI Infantil 1.1.7. UTI Neonatal 1.1.8. Berçário 1.1.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Leitos Jan 0 0 0 58 0 0 35 6 0 20 119 Fev 0 0 0 58 0 0 20 21 0 20 119 Mar 0 0 0 58 0 0 20 21 0 20 119 Abr 0 0 0 58 0 0 20 21 0 20 119 Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 0 0 0 232 0 0 95 69 0 80 476

COMENTÁRIO: O diretor deverá descrever as razões das variações ocorridas

4.1.2 – Nº. DE INTERNAÇÕES POR ESPECIALIDADE;
1.2. Internações por Especialidade 1.2.1. Clínica Médica 1.2.2. Clínica Pediátrica 1.2.3. Clínica Cirúrgica 1.2.4. Clínica Obstétrica 1.2.5. UTI de Adultos 1.2.6. UTI Infantil 1.2.7. UTI Neonatal 1.2.8. Berçário 1.2.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Internações por especialidade Jan 0 0 0 679 0 0 30 6 0 131 846 Fe v 0 0 0 385 0 0 17 200 0 209 811 Mar 0 0 0 526 0 0 26 246 0 125 923 Abr 0 0 0 527 0 0 37 207 0 124 895 Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 0 0 0 2117 0 0 110 659 0 589 3475

COMENTÁRIO:observa-se um aumento de internações desde o mês de marco, volume que se manteve no mês de abril, proporcional ao número de dias.

Página | 78

4.1.3 – Nº. DE SAÍDOS POR ESPECIALIDADE
1.3. Nº. de saídos por es pecialidade 1.3.1. Clínica Médica 1.3.2. Clínica Pediátrica 1.3.3. Clínica Cirúrgica 1.3.4. Clínica Obstétrica 1.3.5. UTI de Adultos 1.3.6. UTI Infantil 1.3.7. UTI Neonatal 1.3.8. Berçário 1.3.9. Clínica Ortopédica 1.3.10. Outros Total de saídos por especialidade Jan 0 0 0 653 0 0 19 5 0 127 804 Fe v 0 0 0 597 0 0 24 38 0 171 830 Mar 0 0 0 493 0 0 21 250 0 161 925 Abr 0 0 0 480 0 0 7 233 0 182 902 Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 0 0 0 2223 0 0 71 526 0 641 3461

COMENTÁRIO: mantém a proporcão histórica em relacão ao volume de internações, visto que temos trabalhado intensamente para reduzir a média de permanência.

4.1.4 – PERCENTUAL DE OCUPAÇÃO POR CLÍNICA;
1.4.1. Clínica Médica 1.4.2. Clínica Pediátrica 1.4.3. Clínica Cirúrgica 1.4.4. Clínica Obstétrica 1.4.5. UTI de Adultos 1.4.6. UTI Inf antil 1.4.7. UTI Neonatal 1.4.8. Outros (Berçário) 1.4.9. Clínica Ortopédica 1.4.10. Outros Porcentagem Geral de Ocupação 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 407% 0% 0% 392% 399% 0% 389% 296%

83% 101% 110% 113% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 92% 0% 0% 80%

105% 114%

94% 102% 103% 100% 0% 0% 0% 0%

66% 109% 102% 112% 87% 105% 104% 105%

COMENTÁRIO: o número de internações é desproporcional ao número de leitos disponíveis, o que nos obriga a malabarismos diários para acomodar todos os pacientes sem nenhum prejuízo ao conforte e segurança do paciente. Durante 08 dias do mês de abril foram necessários abrir 10 leitos extras. Este período coincidiu com os feriados prolongados, quando não havia plantonistas de obstetrícia nas cidades vizinhas. Além da abertura pontual de leitos extras, é indiscutível o resultado positivo da implementação das equipes médicas de assistência horizontal em obstetrícia e pediatria na aceleração das altas, que ocorrem em qualquer horário, dependendo apenas da liberação de exames solicitados.

Página | 79

4.1.5 – MÉDIA DE PERMANÊNCIA;
1.5. Média de Perm anência 1.5.1. Clínica Médica 1.5.2. Clínica Pediátrica 1.5.3. Clínica Cirúrgica 1.5.4. Clínica Obstétrica 1.5.5. UTI de Adultos 1.5.6. UTI Infantil 1.5.7. Uti Neonatal 1.5.8. Berçário 1.5.9. Clínica Ortopédica 1.5.10. Outros Média Geral de Permanência Jan 0 0 0 2,31 0 0 39,5 29,2 0 2,91 3,93 Fev 0 0 0 4,31 0 0 33,1 2,9 0 3,29 4,4 Mar 0 0 0 4,02 0 0 28,5 2,67 0 3,9 4,16 Abr 0 0 0 4,11 0 0 68,9 2,7 0 3,68 4,16 Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 0 0 0 14,75 0 0 169,86 37,44 0 13,78 12,49

COMENTÁRIO: mantém-se a média histórica.

4.1.6 – VOLUME CIRURGICO
1.6. Volum e Cirúrgico 1.6.1. Cirurgias de Urgência 1.6.2. Cirurgias Eletivas Média Geral de Cirurgias Jan 254 12 266 Fev 251 26 277 Mar 242 65 307 Abr 275 30 305 Mai 0 0 0 Jun 0 0 0 Jul 0 0 0 Ago 0 0 0 Set 0 0 0 Out 0 0 0 Nov 0 0 0 Dez 0 0 0 TOTAL 1022 133 1155

COMENTÁRIO: várias cirurgias eletivas tiveram que ser canceladas, em virtude da indisponibilidade de leitos, todos ocupados pelo obstetrícia.

4.1.6.3 – Nº DE CIRURGIAS POR PORTE
1.6.3. Núm ero de Cirurgias por Porte 1.6.3.1. Cirurgias Grandes 1.6.3.2. Cirurgias Médias 1.6.3.3. Cirurgias Pequenas 1.6.3.4. Curetagens 1.6.3.5. Cesáreas Média Geral de Cirurgias por Porte Jan 15 4 16 42 189 266 Fev 19 4 23 64 167 277 Mar 40 10 24 38 195 307 Abr 27 15 15 52 196 305 Mai 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 TOTAL 101 33 78 196 747 1155

4.1.6.4 – Nº. DE PARTOS POR TIPO
1.6.4. Núm ero de partos por tipo 1.6.4.1. Normal 1.6.4.2. Cesariana 1.6.3.3. Outros Jan 184 189 0 Fev 189 167 0 Mar 251 195 0 Abr 251 196 0 Mai 0 0 0 Jun 0 0 0 Jul 0 0 0 Ago 0 0 0 Set 0 0 0 Out 0 0 0 Nov 0 0 0 Dez 0 0 0 TOTAL 875 747 0

Página | 80

4.1.7 – SADT’S
1.7.1. Laboratório Clínico 1.7.2. Anatomia Patológica 1.7.3. Radiologia 1.7.4. Eletrocardiografia 1.7.5. Fisioterapia (Sessões) 1.7.6. Hemodiálise(Sessões) 1.7.7. Hemodinâmica 1.7.8. Hemoterapia 1.7.9. Endoscopia 1.7.10. Ultrassonografia 1.7.11 Tomografia Computadorizada 1.7.12 Ressonancia Magnética 1.7.13 Mamografia 1.7.14 Citopatologia 1.7.15 Eletroencefalografia 1.7.16 Teste do Pézinho 1.7.17 Diversos 1.7.18 Teste Ergométrico Total 9.043 158 468 48 3.787 0 0 145 0 795 0 0 0 0 0 58 10.509 0 0 0 68 8.123 0 8.919 10.124 111 497 23 3.945 0 0 171 0 755 0 0 108 485 20 3.371 0 0 164 0 865 0 0 0 0 0 50 9.301 0 9.305 73 399 33 2.747 0 0 77 0 845 0 0 0 0 0 71 8.511 0 22061 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 37391 450 1849 124 13850 0 0 557 0 3260 0 0 0 0 0 247 36444 0 94172

25011 22612 24488

COMENTÁRIO: o item 1.7.17 Diversos é composto pelo Teste da Orelhinha, Ecocardiografia, Fonoaudiologia, Psicologia,
Cardiotoco, Teste do Olhinho)

4.1.8 – AMB ULATÓRIO
1.8. Ambulatório 1.8.1. Consultas 1.8.2. Consultas com Procedimentos 1.8.3. Procedimentos 1.8.4. Procedimentos Cirúrgicos Total Jan 823 0 0 0 823 Fev 834 0 0 0 834 Mar 878 0 0 0 878 Abr 764 0 0 0 764 Mai 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 TOTAL 3299 0 0 0 3299

4.1.9 – ATENDIMENTOS DE URGÊNCIA/EMERGÊNCIA
1.9. Urgência/Emergência 1.9.1. Consultas 1.9.2. Consultas com Procedimentos 1.9.3. Procedimentos 1.9.4. Procedimentos Cirúrgicos Total Jan Fev Mar Abr Mai 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 TOTAL 6990 0 0 0 6990

1.703 1.579 1.897 1.811 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

1703 1579 1897 1811

Página | 81

4.1.10 – RECURSOS HUMANOS
1.10. Recursos Humanos 1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total 81 337 116 11 103 648 Jane iro
S e s a u P ró 3º

Fe vereiro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Março
T o t a l S e s a u P ró 3º T o t a l S e s a u P ró

Abril
3º T o tal

36 51 15 108 5 215

0 0 15 4 0 19

117 388 146 123 108 882

61 339 110 5 93 608

41 50 19 97 5 212

0 0 15 0 0 15

102 389 144 102 98 835

60 339 110 5 93 607

50 56 15 108 6 235

0 0 15 0 0 15

110 395 140 113 99 857

60 339 107 5 93 604

50 49 14 108 6 227

0 0 15 0 0 15

110 388 136 113 99 846

1.10. Recursos Humanos
S e s a u P ró

Maio

Junho
T o t a l S e s a u P ró 3º

Julho
T o t a l S e s a u P ró 3º

Agos to
T o t a l S e s a u P ró 3º T o tal

1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

1.10. Recursos Humanos 1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total 0 0 0 0 0 0

Sete m bro
S e s a u P ró 3º

Outubro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Nove m bro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Deze m bro
T o t a l S e s a u P ró 3º T o tal

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

X.1.11 – NEP

CURSO

NÚMERO DE PARTICIPANTES

CARGA HORÁRIA

TOTAL DE HORAS

Orientação ao NEP Oficina de Ambiência Rede Cegonha Orientação Sobre Plano de Ação (Interact) Palestra sobre Prontuarios Curso Metodo Canguru Curso Aleitamento Materno Mutirão de orientação sobre Lavagem das Mãos Oficina de prontuario Nota 10
TOTAL

18 31 2 52 40 26 512 79 760

03:00:00 54:00:00 08:00:00 248:00:00 14:00:00 28:00:00 03:00:00 156:00:00 30:00:00 1200:00:00 20:00:00 520:00:00 00:30:00 256:00:00 12:00:00 948:00:00 90:30:00 3.410:00:00

Página | 82

TOTAL DE HORAS NÚMERO TOTAL DE COLABORADORES DO HOSPITAL HORAS/HOMEM

3.410:00:00 885 20:24:00

Informações para compreensão do gráfico abaixo:

MESES

CARGA HORÁRIA TOTAL

JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ

70 26 103 90,5 0 0 0 0 0 0 0 0

HORAS DE TREINAMENTO

JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

DADOS QUALITATIVOS

Página | 83

As ações de capacitação do Hospital e Maternidade Pública Dona Regina Siqueira Campos, no mês de Abril apresentou uma aumento no número de horas, e um aumento no numero de servidores em relação ao mês anterior. Neste mês totalizamos 90:30 horas com a participação de 770 servidores/colaboradores,tendo um aumento em relação ao mês de Março, sendo que no mês de Abril atingimos 20:24:00 em número de horas por colaboradores.

4.1.12 – CORPO CLÍNICO

No dia 19 de abril tomou posse em cerimônia realizada no Anexo I a nova Diretora Clínica do HMPDR, Drα Ana Virgínia Manduca.

4.2 - SAU

1. Registros de Opinião

Ocorrências Reclamações Sugestões Elogios Total de Questionários Queixas resolvidas Meta Contratual Meta Realizada

Abril 2012 08 0 0 8 8 80% 100%

Como mostra a tabela acima, ocorreram 8 reclamações, mesma quantidade do mês de março. Mostra também que todas as reclamações foram resolvidas, a maioria das mesmas foram resolvidas no ato da reclamação quando feita. As que não foram resolvidas no momento foram resolvidas o mais rápido possível, para que não haja mais constrangimentos, entre pacientes e o hospital.

Página | 84

2. Pesquisa de Satisfação

Analisando o gráfico, no Ambulatório, nota-se que houve um aumento, no numero de pessoas atendidas pela pesquisa de satisfação; no Pronto Socorro houve um aumento considerável, comparado ao mês de Março. Na internação e no SADT, houve uma pequena queda no numero de usuários atendidos pelo SAU, o que já vem sendo analisado. Para que assim seja realizado um plano de ação, onde possa ser feito um maior numero de atendimentos. O SAU participa de reuniões, rodas de conversas, para cada dia que passa melhorar seu desempenho no atendimento ao usuário.

4.3 – GERENCIAMENTO DE PROCESSOS Na semana do dia primeiro de abril a Consultoria em SSP/TI realizou ajustes na rotina de internação. Neste mês também deu-se continuidade ao mutirão da equipe de SSP para organização e digitalização de prontuários; Realização da Oficina Prontuário Nota 10, com participação do convidado Dr. Frederico Henrique de Melo, representante do Conselho Federal de Medicina;

Página | 85

Na semana do dia 09 de abril o HMPDR apresentou o ACCR ao Conselho Estadual de Medicina, em reunião extraordinária. Treinamento do Setor de Qualidade no módulo de Plano de Ação no sistema Interact; Na semana do dia 16 de abril visita da Consultoria de SPP para implantação da Ficha Obstétrica. Realização de inventário geral dos estoques de nutrição e limpeza; Na semana do dia 23 de abril o HMPDR recebeu visita da consultoria médica, com foco na Acreditação Hospitalar. Consultoria de enfermagem e SPP, para acerto de rotinas de internação e uso da Ficha Obstétrica. Instalação do Programa Interact em todos os computadores das lideranças do HMPDR. Início do processo de Certificação da 3M padrão Ouro no CME – Central de Material Esterilizados; Estruturação da Comissão de Curativos no HMPDR.

4.4 – FATURAMENTO
4.1 - AIH (Quantitativo) 4.2 - Valores (em reais) 1055 1020 1017 1015 1.075.878,3 0 0,0 0 0,0 0 0,0 0 0 0 0 0 0,0 4107 3845931,9

790.828,8 760.331,0 1.218.893,8

0,0 0,0 0,0 0,0

4.5 – OBRAS E IMPLANTAÇÃO DE NOVOS SERVIÇOS
Pintura de suportes de soro:

Página | 86

Monitoramento do Serviço de Acolhimento com Classificação de Risco – ACCR No mês de abril houve continuação da implantação do ACCR no HMPDR, com reorganização de fluxos e exames, e formalização de normas de trabalho, sendo que a EMH colaborou neste processo através da realização de: Auxílio no planejamento de protocolo dos serviços de psicologia, enfermagem e serviço social; Multiplicação da experiência de implantação do ACCR com equipe técnica do Hospital Regional Público de Araguaína e Hospital de Doenças Tropicais ; Realização de reunião periódica da Comissão de Implantação do ACCR no HMPDR; Elaboração da Instrução de Trabalho para regulamentação do Fluxo de atendimento a pacientes não referenciados ao HMPDR; Revisão da Instrução de Trabalho de transferência externa de pacientes; Elaboração e aplicação de um questionário de avaliação do ACCR para aplicado aos colaboradores e usuários; Início da construção do protocolo de internação e alta de pacientes

4.7 – EQUIPAMENTOS NOVOS
Por extrema necessidade do serviço, foram adquiridos os seguintes equipamentos:Dezessete (17) detectores fetais MICROEM MD 700 LX;

Página | 87

Um (01) ar condicionado com capacidade de 18.000 BTUs da marca YORK:

Imobilizado:
DATA NF FORNECEDOR DESCRIÇÃO MESA GINECOLOGICA MATALICA ASENTO FIXO 1,70M X 0,55M X 0,80M. EPOXI 2 R$ 765,00 QTD V. UNT V. TOTAL

20/abr/12

HOSPCARE COM. ASS. TEC. EQUIP. 322 MED LTDA

R$ 1.530,0

TOTAL

1.530,00

Página | 88

Recebimento de uma (01) autoclave com capacidade de 520 litros, marca BAUMER:

Recebimento de quinze (15) respiradores INTERMED modelo INTER 7 PLUS.

4.8 – COMISSÕES As 05 comissões obrigatórias cumpriram o cronograma de reuniões (mínimo 01 reunião mensal ordinária),
bem como o cronograma de atividades: Página | 89

a) Comissão de Farmácia e Terapêutica: reuniu-se no dia 04 e no dia 18 de abril. Na primeira reunião foram discutidas a necessidade de Farmacêutico Clínico no Hospital, a elaboração do Manual de Diluição de Medicamentos e a implantação dos Kits para o Centro Cirúrgico , com auxílio da Equipe Multiprofissional. Na segunda reunião o Comitê apresentou a lista de medicamentos para padronização, o Comitê solicitou à Equipe de anestesistas e odontologistas lista de medicamentos utilizados, para padronização dos mesmos. Atas da reuniões em anexo; b) Comissão de Ética Médica: reuni-se ordinariamente no dia 11 de abril, conforme Declaração em anexo, firmada pela Secretária do Comitê, Drα Ana Marckartney Souza Marinho; c) Comissão de Revisão de Óbito: reuniu-se ordinariamente nos dias 04 e 11 de abril. No mês de abril a Câmara Técnica apresentou ao Comitê de Investigação e Revisão de Óbitos a conclusão das investigações realizadas no mês de marco. Neste período foram realizadas 25 investigações de óbitos ocorridos entre os meses de outubro/11 e marco /12, sendo: 12 infantis e 13 fetais. Atas das reuniões e relatórios das análises dos óbitos em anexo; d) Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH): reuniu-se ordinariamente no dia 10 de abril. foram discutidas as infecções do mês, assim como revisão da técnica de higienização das mãos, orientações e encaminhamento aos setores dos membros e facilitadores da Campanha de Conscientização da Higienização das Mãos. Foi elaborado relatório dentro dos termos definidos no Anexo II do Contrato de Gestão. Ata e Relatório de Atividades em anexo; e) Comissão de Revisão de Prontuários: reuniu-se ordinariamente no dia 11 de marco. Ata e relatório e atividades em anexo.

4.9 – OUTRAS INFORMAÇÕES 9.1. ASSISTÊNCIA AO PACIENTE Treinamento de 40 colaboradores para Iniciativa Hospital Amigo da Criança.

Campanha de Lavagem da Mãos, com entrega de camisetas temáticas aos colaboradores que participaram:

Página | 90

Realização da Oficina Prontuário Nota 10, com participação de 58 colaboradores do HMPDR e mais representantes do HIPP, Hospital Tia Dedé, HP Alvorada e HP Arapoema, ainda por iniciativa da Comissão de Revisão de Prontuários e da Comissão de Ética Médica, foi realizada no dia 19 de abril a Palestra “Prontuário do Paciente – aspectos éticos”, ministrada pelo convidado Dr. Frederico Henrique de Melo, Conselheiro do CFM.

Posse da nova Direção Clínica do HMDR:

Página | 91

Realização de Oficina de Ambiência para Parto e Nascimento, ministrada por equipe do Ministério da Saúde:

Participação das diretoras Geral, Técnica e de Enfermagem em Oficina de Gestão promovida pelo Ministério da Saúde, em Brasília. Treinamento de 20 colaboradores do HMPDR, bem como convidados dos Hospitais Tia Dedé e Miracema para o Método Canguru.

Página | 92

Realização de Oficina do Programa Rede Cegonha no dia 27 de abril , com o objetivo de contribuir na elaboração do desenho da rede de saúde do Estado e traçar metas para a implantação do Programa Rede Cegonha nos municípios contemplados.

9.2. INTERAÇÃO COM OS COLABORADORES DO HMPDR

Realização de atividades comemorativas da Semana Santa e Páscoa, com distribuição de chocolates e disponibilização de cardápio especial adequado ao período:

Página | 93

Recebimento das equipes dos Hospitais Regionais de Araguaína e HT para socialização da metodologia adotada para o ACCR:

9.3. INTERAÇÃO COM A COMUNIDADE Celebração do aniversário de 10 anos do Banco de Leite Humano:

Página | 94

PALAVRA DO DIRETOR GERAL DO HOSPITAL

Abril pode ser considerado um mês de atribulações e trabalho continuo. Devido ao grande número de pacientes oriundos dos municípios vizinhos, a equipe médica, de enfermagem e todos os envolvidos na assistência tiveram papel fundamental no atendimento do usuário. O trabalho em equipe realizado no HMPDR ressaltou o resultado positivo, podendo ser evidenciado nas Oficinas realizadas no mês de abril – Prontuário Nota 10, Treinamento da Higienização das Mãos, continuação do Acolhimento com Classificação de Risco - envolvendo todos os setores do hospital. Com ajuda de todas diretorias, e em especial a Humanização, conseguimos sobreviver à lotação enfrentada no mês de abril, sem prejuízo ao paciente e exposição à mídia.

Página | 95

2.5 HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE PARAÍSO

5.1 – INDICADORES DE PRODUÇÃO
5.1.1 – Nº DE LEITOS POR ESPECIALIDADE;
1.1. Leitos por Especialidade 1.1.1. Clínica Médica 1.1.2. Clínica Pediátrica 1.1.3. Clínica Cirúrgica 1.1.4. Clínica Obstétrica 1.1.5. UTI de Adultos 1.1.6. UTI Infantil 1.1.7. UTI Neonatal 1.1.8. Berçário 1.1.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Leitos Jan 15 24 22 8 0 0 0 3 0 0 72 Fev 15 24 22 8 0 0 0 3 0 0 72 Mar 15 24 22 8 0 0 0 3 0 0 72 Abr 15 24 22 8 0 0 0 3 0 0 72 Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 60 96 88 32 0 0 0 12 0 0 288

O hospital não apresentou nenhuma variação no quadro de leitos, permanecendo assim com o mesmo quantitativo dos meses anteriores. Também está de acordo com o informado no CNES (Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde).

5.1.2 – Nº. DE INTERNAÇÕES POR ESPECIALIDADE;
1.2. Internações por Especialidade 1.2.1. Clínica Médica 1.2.2. Clínica Pediátrica 1.2.3. Clínica Cirúrgica 1.2.4. Clínica Obstétrica 1.2.5. UTI de Adultos 1.2.6. UTI Inf antil 1.2.7. UTI Neonatal 1.2.8. Berçário 1.2.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Internações por especialidade Jan 98 47 173 114 0 0 0 5 0 0 437 Fev 117 88 139 93 0 0 0 1 0 0 438 Mar 121 100 155 132 0 0 0 1 0 0 509 Abr 113 89 189 135 0 0 0 0 0 0 526 Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 449 324 656 474 0 0 0 7 0 0 1910

O quadro de internações evidencia um aumento de 3,34% em relação ao mês anterior, com grande aumento nas internações cirúrgicas (21,94%) e diminuição na pediatria em 11%. As outras especialidades continuaram estáveis. Esta variação para cima tem como motivo a contratação de mais um cirurgião geral, aumentando o número de cirurgias. Outro motivo é o fato de que houve uma diminuição sensível no número de transferências para os hospitais de Palmas (116 em março para 77 em abril). Página | 96

5.1.3 – Nº. DE SAÍDOS POR ESPECIALIDADE
1.3. Nº. de saídos por especialidade 1.3.1. Clínica Médica 1.3.2. Clínica Pediátrica 1.3.3. Clínica Cirúrgica 1.3.4. Clínica Obstétrica 1.3.5. UTI de Adultos 1.3.6. UTI Inf antil 1.3.7. UTI Neonatal 1.3.8. Berçário 1.3.9. Clínica Ortopédica 1.3.10. Outros Total de saídos por especialidade Jan 143 47 159 80 0 0 0 1 0 0 430 Fev 127 78 128 92 0 0 0 0 0 0 425 Mar 147 103 136 121 0 0 0 0 0 0 507 Abr 129 85 170 126 0 0 0 1 0 0 511 Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 546 313 593 419 0 0 0 2 0 0 1873

A meta de produção total de saídos para o 2º quadrimestre é de 2.078, sendo que mensalmente é de 520. Neste mês atingimos a produção de 511 saídos, representando 98,27% da meta. Principais fatores que contribuíram para a meta de produção não realizada: • • Escala médica incompleta como a falta de médico clínico, ortopedista, pediatra, obstetra, auxilio cirúrgico, auxilio obstétrico, auxilio ortopédico; Não realização de parte das cirurgias eletivas pela escala médica incompleta (falta auxilio) ou pela baixa utilização da carga horária para realização das cirurgias – 90 horas são utilizadas para 6 a 8 cirurgias; • Médicos que não cumprem a carga horária.

Evidenciamos o número saídos de obstetrícia que em relação a fevereiro tiveram um aumento de quase 37%.

5.1.4 – PERCENTUAL DE OCUPAÇÃO POR CLÍNICA;
1.4. Porcentagem de Ocupação 1.4.1. Clínica Médica 1.4.2. Clínica Pediátrica 1.4.3. Clínica Cirúrgica 1.4.4. Clínica Obstétrica 1.4.5. UTI de Adultos 1.4.6. UTI Inf antil 1.4.7. UTI Neonatal 1.4.8. Outros (Berçário) 1.4.9. Clínica Ortopédica 1.4.10. Outros Porcentagem Geral de Ocupação Jan 76% 28% 67% 63% 0% 0% 0% 22% 0% 0% Fe v 66% 50% 58% 63% 0% 0% 0% 34% 0% 0% Mar Abr Mai 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Jun 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Jul 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Ago 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Set 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Out 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Nov 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Dez 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% TOTAL 321% 177% 249% 303% 0% 0% 0% 141% 0% 0%

77% 102% 51% 62% 82% 0% 0% 0% 43% 0% 0% 48% 62% 95% 0% 0% 0% 42% 0% 0%

256% 271% 316% 349%

A taxa de ocupação na Clínica Médica extrapolou sua ocupação, necessitando de leitos extras. A Clínica Página | 97

Obstétrica teve sua taxa aumentada em mais de 7% neste último mês. Pediatria e Cirurgia continuaram na média. Fica evidente a baixa ocupação dos leitos disponíveis na pediatria e a necessidade de ofertá-los a outras clínicas conforme necessidade.

5.1.5 – MÉDIA DE PERMANÊNCIA;
1.5. Média de Perm anência 1.5.1. Clínica Médica 1.5.2. Clínica Pediátrica 1.5.3. Clínica Cirúrgica 1.5.4. Clínica Obstétrica 1.5.5. UTI de Adultos 1.5.6. UTI Infantil 1.5.7. Uti Neonatal 1.5.8. Outros 1.5.9. Clínica Ortopédica 1.5.10. Outros Média Geral de Permanência Jan 2,46 4,47 2,89 1,96 0 0 0 20 0 0 Fev 2,24 4,47 2,89 1,58 0 0 0 0 0 0 Mar 2,44 3,69 3,13 1,68 0 0 0 0 0 0 Abr 3,57 4,04 2,39 1,82 0 0 0 38 0 0 Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 10,7137 16,6671 11,3039 7,03373 0 0 0 58 0 0

Média de permanência baixa, com algumas oscilações, por ser um hospital de médio porte, sem alta complexidade.

5.1.6 – VOLUME CIRURGICO
1.6. Volum e Cirúrgico 1.6.1. Cirurgias de Urgência 1.6.2. Cirurgias Eletivas Média Geral de Cirurgias Jan 166 48 214 Fev 130 38 168 Mar 148 63 211 Abr 166 69 235 Mai 0 0 0 Jun 0 0 0 Jul 0 0 0 Ago 0 0 0 Set 0 0 0 Out 0 0 0 Nov 0 0 0 Dez 0 0 0 TOTAL 610 218 828

O Hospital Regional Público de Paraíso apresentou um aumento de 11,37% no número de cirurgias neste mês. Com a contratação de um médico cirurgião no mês anterior, a escala de cirurgia geral passou a ter mais auxílios, aumentando também o número de eletivas.
5.1.6.3 – Nº DE CIRURGIAS POR PORTE;
1.6.3. Núm ero de Cirurgias por Porte 1.6.3.1. Cirurgias Grandes 1.6.3.2. Cirurgias Médias 1.6.3.3. Cirurgias Pequenas 1.6.3.4. Curetagens 1.6.3.5. Cesáreas Média Geral de Cirurgias por Porte Jan 23 78 61 7 45 214 Fev 31 57 40 14 26 168 Mar 33 61 40 17 60 211 Abr 50 73 51 9 52 235 Mai 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 TOTAL 137 269 192 47 183 828

Hospital de média e baixa complexidade concentra quase 53% das suas cirurgias em médias e pequenas.

Página | 98

5.1.6.4 – Nº. DE PARTOS POR TIPO
1.6.4. Núm ero de partos por tipo 1.6.4.1. Normal 1.6.4.2. Cesariana 1.6.3.3. Outros Média Geral de Cirurgias por Porte Jan 51 45 0 96 Fev 53 26 0 79 Mar 56 60 0 116 Abr 70 52 0 122 Mai 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 TOTAL 230 183 0 413

Neste último mês tivemos um aumento de 25% nos partos normais. Este é o resultado do trabalho de humanização do parto que a equipe de enfermagem, fisioterapia, psicologia tem realizado neste hospital.
5.1.7 – SADT’S
1.7. SADT 1.7.1. Laboratório Clínico 1.7.2. Anatomia Patológica 1.7.3. Radiologia 1.7.4. Eletrocardiografia 1.7.5. Fisioterapia (Sessões) 1.7.6. Hemodiálise(Sessões) 1.7.7. Hemodinâmica 1.7.8. Hemoterapia 1.7.9. Endoscopia 1.7.10. Ultrassonografia 1.7.11 Tomografia Computadorizada 1.7.12 Ressonancia Magnética 1.7.13 Mamografia 1.7.14 Citopatologia 1.7.15 Eletroencefalografia 1.7.16 Teste do Pézinho 1.7.17 Diversos 1.7.18 Teste Ergométrico Total Jan 7630 0 1628 167 321 0 0 43 0 367 0 0 0 0 0 55 446 0 10657 Fev Mar Abr Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 21337 0 7276 896 1468 0 0 172 0 1724 31 14 0 0 0 234 2469 0 35621

4514 4492 4701 0 0 0

1603 1909 2136 194 344 0 0 56 0 437 12 6 0 0 0 45 733 0 295 371 0 0 23 0 489 11 2 0 0 0 67 662 0 240 432 0 0 50 0 431 8 6 0 0 0 67 628 0

7944 8321 8699

Pequeno aumento na realização dos exames, justificada pelo aumento de consultas e internações.
5.1.8 – AMB ULATÓRIO
1.8. Ambulatório 1.8.1. Consultas 1.8.2. Consultas com Procedimentos 1.8.3. Procedimentos 1.8.4. Procedimentos Cirúrgicos Total Jan 767 0 0 0 767 Fev 771 0 0 0 771 Mar 671 0 0 0 671 Abr 939 0 0 0 939 Mai 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 TOTAL 3148 0 0 0 3148

Este aumento é representado pelo número de retornos de ortopedia e pelo aumento do ambulatório de cardiologia e curativos realizados pela equipe de enfermagem. Página | 99

5.1.9 – ATENDIMENTOS DE URGÊNCIA/EMERGÊNCIA
1.9. Urgência/Emergência 1.9.1. Consultas 1.9.2. Consultas com Procedimentos 1.9.3. Procedimentos 1.9.4. Procedimentos Cirúrgicos Total Jan Fev Mar Abr Mai 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 TOTAL 16981 0 0 0 16981

4032 4126 4395 4428 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

4032 4126 4395 4428

Como vem ocorrendo desde o inicio do ano, o número de atendimentos no Pronto Socorro tem aumentado todos os meses. Isto se deve a vários fatores, como a melhora da qualidade no atendimento da equipe de enfermagem e do corpo clínico e a falta de médicos no atendimento básico do município.
5.1.10 – RECURSOS HUMANOS
1.10. Recursos Humanos 1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total 40 179 40 31 32 322 Janeiro
S e s a u P ró 3º

Fevere iro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Março
T o t a l S e s a u P ró 3º T o t a l S e s a u P ró

Abril
3º T o tal

34 8 3 55 3 103

0 0 0 0 0 0

74 187 43 86 35 425

42 183 38 31 36 330

46 8 4 55 3 116

0 0 0 0 0 0

88 191 42 86 39 446

39 191 38 32 35 335

46 8 4 55 4 117

0 0 0 0 0 0

85 199 42 87 39 452

45 194 40 32 35 346

46 8 4 55 4 117

0 0 0 0 0 0

91 202 44 87 39 463

1.10. Recursos Humanos
S e s a u P ró

Maio

Junho
T o t a l S e s a u P ró 3º

Julho
T o t a l S e s a u P ró 3º

Agos to
T o t a l S e s a u P ró 3º T o tal

1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

1.10. Recursos Humanos 1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total 0 0 0 0 0 0

Setem bro
S e s a u P ró 3º

Outubro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Novem bro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Deze m bro
T o t a l S e s a u P ró 3º T o tal

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

Página | 100

5.1.11 – NEP

CURSO Sessão pipoca Treinamento em medidas de Biossegurança( Capacitação em Biossegurança) Treinamento Qualidade de vida no trabalho e atividades da vida diária Noções básicas de Higienização hospitalar e processamento de roupas Técnica de Higiene pessoal e hospital Técnica de punção venosa periférica, dispositivo de segurança, fixação segura Apresentação da NR 32 Marketing pessoal Gerenciamento de Riscos e prevenção de pele

NÚMERO DE PARTICIPANTES

CARGA HORÁRIA

TOTAL DE HORAS 74:00:00 12:00:00

37 6 53 4 13 102 34 7 59 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 315

02:00:00 02:00:00

02:00:00 106:00:00 02:00:00 02:00:00 8:00:00 26:00:00

TOTAL
TOTAL DE HORAS NÚMERO TOTAL DE COLABORADORES DO HOSPITAL HORAS/HOMEM

01:00:00 102:00:00 04:00:00 136:00:00 7:00:00 01:00:00 01:00:00 59:00:00 0:00:00 00:00:00 00:00:00 0:00:00 0:00:00 00:00:00 00:00:00 0:00:00 00:00:00 0:00:00 0:00:00 00:00:00 00:00:00 0:00:00 0:00:00 00:00:00 0:00:00 00:00:00 00:00:00 0:00:00 00:00:00 0:00:00 17:00:00 530:00:00

530:00:00 482 0,045816044

HORAS DE TREINAMENTO
1920:00:00 1680:00:00 1440:00:00 1200:00:00 960:00:00 720:00:00 480:00:00 JAN MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ

Página | 101

DADOS QUALITATIVOS

As ações de capacitação do Hospital Regional Público de Paraíso neste mês apresentou uma redução de 50% de horas de treinamentos realizados em comparação ao mês anterior. Foram realizamos atividades levantadas na LNT e outras, como a apresentação da NR32, com continuação em abril. Neste mês totalizamos 33 horas de treinamento e com a participação de 315 servidores/colaboradores. Não foram realizados os seguintes treinamentos: Uso racional de sangue e hemocomponentes, Protocolo de reação adversa a hemocomponente/hemovigilância, Novo código de Ética Médica - Análise e Orientação aos Médicos, Orientação do processo de trabalho - Serviço de nutrição (10 módulos), devido não conseguirmos palestrantes. O treinamento em Atendimento á vitima em acidente de material biológico tem probabilidade de ser ministrado pelo Dr. Frederico agora em maio, pois em abril não foi realizado devido autorização da SESAU.

5.1.12 – CORPO CLÍNICO

Praticamente todo Corpo Clínico não cumpre a Portaria SESAU 132/2010. Isto influencia diretamente no cumprimento da meta de saídos e principalmente, na qualidade e no próprio atendimento, pois existem dias que não temos plantonista de certas especialidades de plantão, como aconteceu neste mês com a clínica obstétrica, que em todo feriado de Páscoa ficou sem plantonista, sendo que os pacientes eram transferidos diretamente para o Hospital Dona Regina, sem dar entrada no Hospital de Paraíso. Além de influenciar a meta de Paraíso, acaba que lotando outros hospitais. Outra situação relevante, tendo por relato também na Ata da Comissão de Prontuário Médico, os prontuários médicos não estão sendo preenchidos, e quando estão, estão inelegíveis e incorretos. Isto está causando um grande transtorno e diminuição das contas faturadas, pois temos aqui implantado o Sistema SIS REG III, que necessita das informações que estão no prontuário médico no ato da internação para solicitação do número de AIH e por consequência fechando no faturamento. Outros fatores relevantes: • • • • Não existência do Diretor Técnico; Insistência dos médicos em só atender Urgência e Emergência – falta definição do perfil do hospital; Falta de comprometimento da Diretoria Clínica e de alguns médicos com as diretrizes da SESAU; Falta de escala médica que é sempre entregue com atraso, no meio do mês vigente.

Página | 102

5.2 - SAU Registros de Opinião
Ocorrências Reclamações Sugestões Elogios Total de Questionários Queixas resolvidas Meta Contratual Meta Realizada Gráfico da Pesquisa de Satisfação Abril 2012 14 01 08 23 14 80% 100%

Hospital Regional Público de Paraíso
100,00 90,00 80,00 70,00 60,00 50,00 40,00 30,00 20,00 10,00 0,00 -10,00 84,76 81,91 71,27 80,95

AMBULATORI O (%) 87,70 81,85 84,76 -3,35%

INTERNAÇÃO (%) 79,05 81,11 81,91 3,62%

PRONTO SOCORRO (%) 70,14 74,72 71,27 1,61%

SADT (%) 83,93 84,34 80,95 -3,55%

Fevereiro/2012 Março/2012 Abril/2012 Evolução do Período

Apresentamos no mês de abril uma queda nos índices de satisfação dos usuários em relação a fevereiro/2012. O Pronto Socorro apresenta uma evolução no período, entretanto, ainda não conseguimos atingir 80% para nivelar aos outros setores.
Página | 103

5.3 – GERENCIAMENTO DE PROCESSOS
• • • • • • • • • • • Elaboração do ato administrativo da Comissão de Estudos, Prevenção e Tratamento de lesões de pele (CELP); Elaborado novo fluxo e instruções de trabalho para as secretárias de alas; Reunião com os membros da Comissão de Sistematização da Assistência de Enfermagem (COSAE) para elaboração dos impressos para registro e documentação em prontuário; Instituído a entrega de relatórios semanais por todos os setores do hospital para direção, evidenciando fatos, treinamentos e situações ocorridas, que foram relevantes; Alinhamentos com o setor de Humanização sobre as ações sociais dos meses de abril e maio/2012, assim como as datas comemorativas desses meses; Reunião da comissão de parto humanizado para elaboração do material para o curso de gestante; Readequada o fluxo de OPME entre a enfermagem, faturamento e logística; Planejamento das atividades para o aniversário do Hospital, Dia das mães e Semana da Enfermagem: Elaboração de faixa, Banner, Convite para o evento e Cronograma das atividades; Concedido pela Vigilância Sanitária a autorização para a utilização do medicamento Misoprostol; Realização do Primeiro Check-list de verificação de Certificação em Monitorização dos Processos de Esterilização por profissional PED da empresa 3M do Brasil para avaliação e agendamento de auditorias de certificação; Elaborado e implantado o manual de diluição, estabilidade e incompatibilidade de medicação;

5.4 – FATURAMENTO
4. Faturamento 4.1 - AIH (Quantitativo) Jan 516 Fev 346 Mar 528 Abr 421 Mai 0 Jun 0 Jul 0 Ago 0 Set 0 Out 0 Nov 0 Dez 0 TOTAL 1811

Foram faturados 4 prontuários referente a maio, 283 referente a abril, 119 referente a março, 9 referente a fevereiro e 1 referente ao mês de janeiro e reapresentados 5 prontuários referente aos meses anteriores. Temos 3 prontuários referente a fevereiro, 41 referente a março e 176 referente a abril no total de 220, que não foram faturados pelo motivo da falta de preenchimento dos mesmos pelos médicos.

5.6 – OBRAS E IMPLANTAÇÃO DE NOVOS SERVIÇOS
Não possuímos novas obras e serviços em andamento.

5.7 – EQUIPAMENTOS NOVOS
Recebidos através da SESAU os seguintes equipamentos no mês de abril • • 1 Serra de gesso 3 Balança Portátil Digital Página | 104

5.8 – COMISSÕES
• Comissão de Prontuário Médico, se reuniu no dia 19 de abril de 2012. Analisaram 45 prontuários médicos, escolhidos aleatoriamente. Durante a análise ficou constatado a falta de preenchimento médico na grande maioria dos prontuários, o que dessa forma justifica a dificuldade do faturamento em fechar as contas médicas e também a ilegibilidade na prescrição médica; • • A Comissão de Óbito se reuniu no dia 3 de abril de 2012. A comissão analisou 10 declarações de óbitos, sendo 5 intra-hospitalar e as outras 5 óbito domiciliar; Comissão de Controle de Infecção Hospitalar esteve reunida no dia 18 de abril de 2012, tratando de assuntos: visita in loco para avaliação da SND, caixas de descartes de perfuro cortante e a padronização de diluição de medicamentos; • • A Comissão de Ética esteve reunida no dia 18 de abril de 2012; A Comissão de Fármaco-vigilância esteve reunida no dia 18 de abril de 2012 e trataram de assuntos como: a padronização de diluições e sobre o controle de antibióticos nas clínicas;

PALAVRA DO DIRETOR GERAL DO HOSPITAL
Neste mês de abril, o Hospital Regional Público de Paraíso comemorou 15 anos neste prédio. Desde então, principalmente a ala que foi construída primeiro, não sofreu grandes reformas em sua estrutura como pintura, vedações, fechamentos e outros. Analisando as pesquisas de satisfação, os menores índices foram exatamente quanto a nossas instalações físicas e também na espera no atendimento, refletido pela atual falta de carga horária do Corpo Clínico. Temos hoje treinamentos quase que diários principalmente com o Corpo de Enfermagem que tem índice geral de satisfação de mais de 87%, o índice geral de satisfação com a limpeza é de 84,08% e do Corpo Clínico de 89%, confirmando também o bom atendimento realizado. Temos ciência das dificuldades, mas, os usuários estão sendo atendidos como esperamos, com grande qualidade, agilidade e resolubilidade.

Página | 105

2.6 HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE MIRACEMA 2.6.1 METAS CONTRATUAIS

6.1 – INDICADORES DE PRODUÇÃO

6.1.1 – Nº DE LEITOS POR ESPECIALIDADE;
1.1. Leitos por Especialidade 1.1.1. Clínica Médica 1.1.2. Clínica Pediátrica 1.1.3. Clínica Cirúrgica 1.1.4. Clínica Obstétrica 1.1.5. UTI de Adultos 1.1.6. UTI Infantil 1.1.7. UTI Neonatal 1.1.8. Berçário 1.1.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Leitos Jan 16 19 17 15 0 0 0 4 0 0 71 Fev 16 19 17 15 0 0 0 4 0 0 71 Mar 16 19 17 15 0 0 0 4 0 0 71 Abr 16 19 10 15 0 0 0 4 7 0 71 Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 64 76 61 60 0 0 0 16 7 0 284

Pela implantação do SISREG houve a necessidade de cadastramento dos leitos da Clínica Ortopédica, por isso a alteração ocorrida, onde dividimos os 17 leitos da clínica cirúrgica entre: 10 leitos para Clínica Cirúrgica e 07 leitos para Clínica Ortopédica. Já atualizado no CNES, mas não houve alteração do número total de leitos.

6.1.2 – Nº. DE INTERNAÇÕES POR ESPECIALIDADE;
1.2. Internações por Especialidade 1.2.1. Clínica Médica 1.2.2. Clínica Pediátrica 1.2.3. Clínica Cirúrgica 1.2.4. Clínica Obstétrica 1.2.5. UTI de Adultos 1.2.6. UTI Infantil 1.2.7. UTI Neonatal 1.2.8. Berçário 1.2.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Internações por especialidade Jan 82 46 42 55 0 0 0 0 0 0 225 Fev 72 53 104 40 0 0 0 1 0 0 270 Mar 92 83 47 49 0 0 0 0 0 0 271 Abr 93 106 121 74 0 0 0 1 0 0 395 Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 339 288 314 218 0 0 0 2 0 0 1161

Pela reorganização dos Serviços de Cirurgia Geral, Ortopedia, Obstetrícia e Anestesiologia, obtivemos um aumento de aproximadamente 46% no número de internações em relação ao mês de março de 2012. Mas ainda podemos aumentar o quantitativo total, pois ainda não conseguimos fechar a escala de Pediatria e Cirurgia Geral, o que nos obriga a transferir pacientes nos dias que não contamos com os profissionais citados. Página | 106

6.1.3 – Nº. DE SAÍDOS POR ESPECIALIDADE
1.3. Nº. de saídos por especialidade 1.3.1. Clínica Médica 1.3.2. Clínica Pediátrica 1.3.3. Clínica Cirúrgica 1.3.4. Clínica Obstétrica 1.3.5. UTI de Adultos 1.3.6. UTI Infantil 1.3.7. UTI Neonatal 1.3.8. Berçário 1.3.9. Clínica Ortopédica 1.3.10. Outros Total de Saídos por especialidade Jan 87 45 35 57 0 0 0 0 0 0 224 Fev 84 56 105 39 0 0 0 0 0 0 284 Mar 112 85 47 45 0 0 0 0 0 0 289 Abr 100 111 115 67 0 0 0 0 0 0 393 Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 383 297 302 208 0 0 0 0 0 0 1190

No mês de abril de 2012 atingimos o total de 393 pacientes saídos, o que representa 98,25% da nossa meta para o mês que é de 400 saídos. E a previsão para o mês de maio é que possamos fechar o mês com 100% da meta. Pela implementação do processo de reorganização dos serviços médicos, alcançamos um aumento de 36% em relação ao mês de março de 2012, e outro fato que podemos destacar é que o reinício do Serviço de Anestesiologia somente ocorreu em 12 de abril, ou seja, trabalhou apenas 2/3 do mês, demonstra que temos espaço para aumentar nossa produtividade.

6.1.4 – PERCENTUAL DE OCUPAÇÃO POR CLÍNICA;
1.4. Porcentagem de Ocupação 1.4.1. Clínica Médica 1.4.2. Clínica Pediátrica 1.4.3. Clínica Cirúrgica 1.4.4. Clínica Obstétrica 1.4.5. UTI de Adultos 1.4.6. UTI Infantil 1.4.7. UTI Neonatal 1.4.8. Outros (Berçário) 1.4.9. Clínica Ortopédica 1.4.10. Outros Porcentagem Geral de Ocupação Jan 77% 30% 30% 14% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 36% Fev 67% 34% 51% 14% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 39% Mar 64% 48% 32% 17% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 39% Abr 76% 56% 50% 35% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 52% Mai 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Jun 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Jul 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Ago 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Set 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Out 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Nov 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Dez 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% TOTAL 284% 168% 163% 81% 0% 0% 0% 0% 0% 0%

Também conforme apresentado acima, pela reorganização dos Serviços Médicos, obtivemos um total de 13% de acréscimo em nossa taxa de ocupação.

Página | 107

6.1.5 – MÉDIA DE PERMANÊNCIA;

1.5. Média de Perm anência 1.5.1. Clínica Médica 1.5.2. Clínica Pediátrica 1.5.3. Clínica Cirúrgica 1.5.4. Clínica Obstétrica 1.5.5. UTI de Adultos 1.5.6. UTI Infantil 1.5.7. Uti Neonatal 1.5.8. Outros 1.5.9. Clínica Ortopédica 1.5.10. Outros Média Geral de Permanência

Jan 4,39 3,91 4,48 1,51 0 0 0 0 0 0 3,57

Fev 3,73 3,34 2,48 1,56 0 0 0 0 0 0 2,86

Mar 2,84 3,29 3,64 1,84 0 0 0 0 0 0 2,95

Abr 3,64 2,88 2,22 2,37 0 0 0 0 0 0 2,79

Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

TOTAL 14,6 13,42 12,82 7,28 0 0 0 0 0 0

A Média de Permanência do Hospital Regional Público de Miracema, apresentou um pequena alteração pelo fato do aumento do número de cirurgias eletivas com baixa permanência, elevando a rotatividade dos leitos.

6.1.6 – VOLUME CIRURGICO
6.1.6.1 – Nº de Cirurgias de Urgência; 6.1.6.2 – Nº de Cirurgias eletivas;

1.6. Volum e Cirúrgico 1.6.1. Cirurgias de Urgência 1.6.2. Cirurgias Eletivas Média Geral de Cirurgias

Jan 18 6 24

Fev 50 42 92

Mar 25 5 30

Abr 69 31 100

Mai 0 0 0

Jun 0 0 0

Jul 0 0 0

Ago 0 0 0

Set 0 0 0

Out 0 0 0

Nov 0 0 0

Dez 0 0 0

TOTAL 162 84 246

Com o reinício do Serviço de Anestesiologia, voltamos com as atividades do Centro Cirúrgico apresentando um acréscimo de 70 procedimentos, o que representa 233% de aumento em relação ao mês de março de 2012.
6.1.6.3 – Nº DE CIRURGIAS POR PORTE;

1.6.3. Núm ero de Cirurgias por Porte 1.6.3.1. Cirurgias Grandes 1.6.3.2. Cirurgias Médias 1.6.3.3. Cirurgias Pequenas 1.6.3.4. Curetagens 1.6.3.5. Cesáreas Média Geral de Cirurgias por Porte

Jan 2 5 0 7 10 24

Fev 6 42 34 0 10 92

Mar 13 8 0 3 6 30

Abr 11 41 21 6 21 100

Mai 0 0 0 0 0 0

Jun 0 0 0 0 0 0

Jul 0 0 0 0 0 0

Ago 0 0 0 0 0 0

Set 0 0 0 0 0 0

Out 0 0 0 0 0 0

Nov 0 0 0 0 0 0

Dez 0 0 0 0 0 0

TOTAL 32 96 55 16 47 246

Com o reinício das atividades do médico anestesiologista, tivemos um melhora significativa na produtividade do centro cirúrgico passando de 30 procedimentos no mês de março para 100 no mês de abril de 2012, e ainda estamos sem cirurgião-geral na terça-feira, pela saída do Dr. Marcos Caserta. Página | 108

6.1.6.4 – Nº. DE PARTOS POR TIPO
1.6.3. Núm ero de Partos 1.6.3.1. Normal 1.6.3.2. Cesáreas 1.6.3.3. Outros Média Geral de Partos Jan 30 10 0 40 Fev 18 10 0 28 Mar 23 6 0 29 Abr 35 21 0 56 Mai 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 TOTAL 106 47 0 153

Estamos em processo de reorganização do serviço de obstetrícia do Hospital Regional Público de Miracema, e apesar de termos quase que dobrado o número de partos de março para abril, passando de 29 para 56 partos respectivamente, muitos dias não temos pediatra de plantão, e ocorrem transferências desnecessárias para Palmas. Apesar de termos acertado com o Médico Anestesiologista a cobertura na sala de parto, na prática não se mostrou viável porque em muitos momentos esta em procedimento não podendo dar assistência ao RN. Então os profissionais estão adotando a postura de que no dia que não tiver pediatra, somente atendem as emergências, os casos que ainda a gestante não entrou em trabalho de parto, são transferidos para o Hospital Dona Regina.
6.1.7 – SADT’S

1.7. SADT 1.7.1. Laboratório Clínico 1.7.2. Anatomia Patológica 1.7.3. Radiologia 1.7.4. Eletrocardiografia 1.7.5. Fisioterapia (Sessões) 1.7.6. Hemodiálise(Sessões) 1.7.7. Hemodinâmica 1.7.8. Hemoterapia 1.7.9. Endoscopia 1.7.10. Ultrassonografia 1.7.11 Tomografia Computadorizada 1.7.12 Ressonancia Magnética 1.7.13 Mamografia 1.7.14 Citopatologia 1.7.15 Eletroencefalografia 1.7.16 Teste do Pézinho 1.7.17 Diversos 1.7.18 Teste Ergométrico 1.7.19 Outros (Psicologia) Total

Jan

Fev

Mar

Abr

Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

TOTAL 25507 29 3967 750 0 0 0 13 0 390 0 0 0 0 0 0 0 0 0 30656

6873 6219 6575 5840 2 547 141 0 0 0 4 0 75 0 0 0 0 0 0 0 0 0 11 4 12

932 1291 1197 231 0 0 0 2 0 124 0 0 0 0 0 0 0 0 0 207 0 0 0 3 0 106 0 0 0 0 0 0 0 0 0 171 0 0 0 4 0 85 0 0 0 0 0 0 0 0 0

7642 7519 8186 7309

Mantivemos a mesma regularidade com relação aos Serviço de Diagnóstico, e o serviço que apresentou maior variação foi o Serviço de Laboratório, com 11% de decréscimo com relação ao mês anterior.

Página | 109

6.1.8 – AMB ULATÓRIO

1.8. Ambulatório 1.8.1. Consultas 1.8.2. Consultas com Procedimentos 1.8.3. Procedimentos 1.8.4. Procedimentos Cirúrgicos Total

Jan 825 0 0 0 825

Fev 772 0 0 0 772

Mar 969 0 0 0 969

Abr 915 0 0 0 915

Mai 0 0 0 0 0

Jun 0 0 0 0 0

Jul 0 0 0 0 0

Ago 0 0 0 0 0

Set 0 0 0 0 0

Out 0 0 0 0 0

Nov 0 0 0 0 0

Dez 0 0 0 0 0

TOTAL 3481 0 0 0 3481

O Serviço de Ambulatório do Hospital Regional Público de Miracema, resume-se ao Serviço de Fisioterapia e ao Serviço de Psicologia, não tendo consultas médicas eletivas, e trabalhamos dentro de uma normalidade no mês de abril de 2012.
6.1.9 – ATENDIMENTOS DE URGÊNCIA/EMERGÊNCIA
1.9. Urgência/Emergência 1.9.1. Consultas 1.9.2. Consultas com Procedimentos 1.9.3. Procedimentos 1.9.4. Procedimentos Cirúrgicos Total Jan Fev Mar Abr Mai 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 TOTAL 15749 0 0 0 15749

2918 3271 4153 5407 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

2918 3271 4153 5407

Notamos um aumento expressivo do número total de consultas no Pronto Socorro, onde atingimos 30% de aumento do mês de abril com relação ao mês de março de 2012. Se compararmos com a média de atendimento do ano de 2011 que foi 3.280, o aumento é de 64,85%. Um dos motivos deste aumento é com certeza a melhora da oferta de médicos para a comunidade, e outro fato que entendemos ter contribuído enormemente, para esse acréscimo foi a desorganização da atenção básica (PSF), com a saída de profissionais médicos, deixando a comunidade desassistida, tendo o Hospital Regional de Miracema como única alternativa de atendimento.

Página | 110

6.1.10 – RECURSOS HUMANOS
1.10. Recursos Humanos 1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total 34 131 12 29 20 226 Janeiro
S e s a u P ró 3º

Fevereiro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Março
T o t a l S e s a u P ró 3º T o t a l S e s a u P ró

Abril
3º T o tal

29 10 0 41 4 84

0 0 0 12 0 12

63 141 12 82 24 322

34 131 12 29 20 226

29 11 0 47 7 94

0 0 0 0 0 0

63 142 12 76 27 320

34 131 12 29 20 226

30 11 0 47 6 94

0 0 0 0 0 0

64 142 12 76 26 320

34 131 12 29 20 226

30 11 0 47 5 93

0 0 0 0 0 0

64 142 12 76 25 319

1.10. Recursos Humanos
S e s a u P ró

Maio

Junho
T o t a l S e s a u P ró 3º

Julho
T o t a l S e s a u P ró 3º

Agosto
T o t a l S e s a u P ró 3º T o tal

1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

1.10. Recursos Humanos 1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total 0 0 0 0 0 0

Setem bro
S e s a u P ró 3º

Outubro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Novem bro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Dezem bro
T o t a l S e s a u P ró 3º T o tal

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

Página | 111

6.1.11 – NEP

Treinamento Qualidade Treinamento Agendamento Cirurgico

1 3

18:00:00 01:00:00

18:00:00 3:00:00

TOTAL
TOTAL DE HORAS NÚMERO TOTAL DE COLABORADORES DO HOSPITAL HORAS/HOMEM

94 1071 94 11,39361702

125:00:00

1071:00:00

HORAS DE TREINAMENTO
144:00:00 120:00:00 96:00:00 72:00:00 48:00:00 24:00:00 0:00:00 JAN FEV MAR ABR

CARGA HORÁRIA TOTAL

DADOS QUALITATIVOS

As ações de capacitação do Hospital Regional Público de Miracema, no mês de Abril de 2012, apresentaram um aumento expressivo do número de horas em relação ao mês anterior. Neste mês totalizamos 125 horas de treinamento, sendo que em Março foram 38 horas. Ainda, estamos em processo de reorganização das ações e levantamento de necessidades de treinamento, porém destacamos neste mês as oficinas de Planejamento Estratégico e Gerenciamento de Processos que propiciaram aos lideres uma visão sistêmica sobre os processos institucionais e suas melhorias para organização das atividades.

6.1.12 – CORPO CLÍNICO

No dia 01 de abril de 2012 reiniciaram as atividades do grupo de ortopedistas da equipe do Dr. Heitor, conforme negociação feita com o Coordenador Regional - Sr. Allan Lobo, estando todos orientados que devem permanecer no plantão 24 horas. Ainda indefinida a forma de pagamento dos profissionais e será discutida com a SESAU em reunião com Sr. Luiz Fernando Freesz, Secretário Executivo, agendada para dia 03/05.

Página | 112

Em 11 de abril de 2012 iniciaram as atividades do Dr. Paulo Márcio Royo Mota, médico Anestesiologista que é cooperado da Coopanest. Marcando o reinício das atividades no Centro Cirúrgico. Informamos a todos os Secretários Municipais de Saúde da região (Miracema, Miranorte, Tocantínea, Lajeado, Rio dos Bois e Rio do Sono), referente à normalização das atividades (anestesiologia, ortopedia, obstetrícia e cirurgia geral). Comunicamos á todos os médicos cirurgiões, ortopedistas e obstetras sobre a normalização das atividades do serviço de anestesiologia. Retomado contato com a Central de Regulação da SESAU, e já organizado o reinicio do envio de 05 pacientes/dia para realização de procedimentos cirúrgicos, e solicitamos avaliação da fila de espera para posteriormente, organizarmos mutirões de cirurgias a serem realizadas em Miracema. No dia 12 de abril de 2012 realizamos reunião com o pessoal do Serviço de Obstetrícia, para informação sobre a redefinição das atividades, com a contratação do Dr. Paulo Lazaro e Dra. Rita de Cassia, com escala de trabalho definida da seguinte forma: • lo. No dia 18/04 realizado pela Dra. Rita de Cássia Vieira Coutinho Mendes o 1º Parto Humanizado do Hospital Regional Público de Miracema, da paciente Sra. Flaviane Alves da Silva com presença do esposo Sr. Alex Rodrigues Bezerra, que ficou como símbolo de um novo momento de devemos buscar para o organização de todo nosso serviço de obstetrícia. No dia 19 de abril de 2012, foi montado processo para solicitação de exame toxicológico do Dr. Paulo Márcio Royo Mota (Anestesiologista), conforme acordo feito entre o Médico e a Coopanest. Em 24 de abril de 2012, recebemos o paciente Dennis Silva, marcando o reinício dos encaminhamentos de pacientes ortopédicos cirúrgico do Hospital Geral Público de Palmas para o Hospital Regional Público de Miracema, com intuito de desafogar a demanda reprimida. Segunda-feira - Dr. Amaral; Terça-feira - Dr. Amaral; Quarta-feira - Dra. Rita; Quinta-feira - Dr. José Martins; Sexta-feira - Dr. José Martins; Sábado - Dra. Rita ou Dr. Paulo; Domingo - Dra. Rita ou Dr. Pau-

6.2 - SAU
1. Registros de Opinião
Analise referente aos registros de opinião do período de 01/04/2012 à 30/04/2012:

Página | 113


01 02 03 04 05 06 07 Reclamações Sugestões Elogios

Ocorrências

Total
09 08 12 29 09 80% 100%

Número de questionários Queixas Resolvidas Meta contratual Meta Realizada

No mês de Abril de 2012 alcançamos a meta contratual dos Registros de Opinião, no entanto há 03 manifestações que é da alçada da Diretoria Técnica que continuaremos a tratar, buscando maturidade e melhorias dos nossos serviços para com o usuário. É importante considerarmos que na segunda quinzenal do mês, ocorreu uma desorganização de serviço nos Postos de Saúde do Município (PSF’s) devido ausência de médico, fato este que elevou o número de atendimentos em nosso Pronto-Socorro, porém mesmo assim conseguimos receber elogios dos usuários no que diz respeito ao atendimento.

2. Índices de Satisfação

Hospital Regional Público de Miracema
120,00 100,00 80,00 60,00 40,00 20,00 0,00 -20,00 AMBULATORIO (%) 97,82 96,67 96,40 -1,45% INTERNAÇÃO (%) 92,55 89,22 87,80 -5,13% PRONTO SOCORRO (%) 87,27 80,64 85,36 -2,19% 96,40 87,80 85,36 83,87

SADT (%) 88,79 79,63 83,87 -5,54%

Fevereiro/2012 Março/2012 Abril/2012 Evolução do Período

Página | 114

Análise referente aos Índices de Satisfação

Ainda no mês de abril de 2012, não apresentamos elevação considerável dos percentuais dos setores no que diz respeito ao índice de satisfação. A questão da precariedade de nossa estrutura predial interna, ainda tem deixado os nossos usuários insatisfeitos. Apesar do fato de não termos previsão de realização da reforma de nossas estruturas, no mês de abril conseguimos a contratação de um profissional (pedreiro) para a Manutenção, que gradativamente conforme grau de emergência/ urgência, iniciará o processo de reforma das enfermarias. Acreditamos que com esta ação poderemos reduzir aos poucos o grau de insatisfação de nossos usuários.

6.3 – GERENCIAMENTO DE PROCESSOS
Recebemos no dia 02 de abril de 2012 a visita do técnico da TecSaúde (Engenharia Clínica), Sr. Deibly Araújo Lira, para revisão e manutenção dos equipamentos médicos do Hospital, com exceção dos equipamentos dos serviços de imagem, que são todos revisados pela Empresa Tecnomédica. No dia 02 de abril de 2012 recebemos a consultora da MV, Sra. Ionara, para acompanhamento das atividades e evolução do projeto de implantação do sistema de informação. Realizado reuniões para verificação das ações para adequações da Vigilância Sanitária: 02/04 – Serviço de Nutrição e Dietética, e Serviço de Logística; 04/04 – Enfermagem; 05/04 – Zeladoria (Manutenção / Patrimônio / Transporte / Portaria); No dia 03 de abril de 2012 realizamos reunião com os colaboradores do Hospital, para fechamento da nova rotina para organização do fluxo de pacientes no centro cirúrgico. Com implantação de formulários como: Mapa Cirúrgico, Aviso de Cirurgia e Cancelamento de Cirurgia. No dia 03 de abril de 2012 foi apresentando pela equipe da Fisioterapia o Projeto de Ginástica Laboral para todos os colaboradores do Hospital, onde entramos em processo de discussão e avaliação para posterior implantação. O Projeto Piloto de Ginástica Laboral, foi iniciado em 16/04 pela Equipe de Fisioterapia, as sessões são realizadas no período da manhã, no Auditório do Hospital, com duração de Página | 115

30min, com intuito de redução de doenças ocupacionais relacionadas ao trabalho, stress, e conseqüentemente redução de afastamento dos colaboradores dentre outros. No dia 04 de abril de 2012 participamos de reunião em Palmas com o Coordenador Regional – Sr. Allan Lobo, para informes gerais sobre o andamento do Projeto Tocantins. Iniciado em 04 de abril de 2012 introdução ao processo de Qualidade no setor de Logística, evidenciando aos colaboradores a importância das ferramentas de planejamento como: 5W2H, PDCA e Cadeia de Valor. E no dia 11 de abril de 2012 foi realizada nova reunião entre a Qualidade com o Serviço de Logística, para início das atividades do mapeamento de processos. Nos dias 04 e 05 de abril de 2012 foram realizados treinamentos com todos os colaboradores da Recepção para implantação da Ficha Obstetrícia (Sistema MV), iniciando sua operacionalização em 09/04. No dia 09 de abril, devido a necessidade de urgência (temperatura interna da ambulância e condições de transferência do paciente) autorizado a troca do compressor do ar condicionado do veículo (Ambulância) com placa MXE-9314, realizada na Autovia Veículos, Peças e Serviços Ltda, no valor de R$ 2.086,98. Nos dias 09 (das 08h ás 18h) e 10 de abril de 2012 (08h ás 12h) participamos de oficinas para o Planejamento Estratégico da SESAU, no IFTO em Palmas. Sendo que o foco das discussões gira em torno da construção das Redes de Assistência. Nos dias 09 e 10 de abril de 2012 foram realizados treinamentos do Sistema Interact com Analista da Qualidade, para conhecimento e gestão da ferramenta. Ministrado pelo Sr. Armando Júnior, da empresa Interact, sobre Módulo de Plano de Ação. Dias 09, 11 e 12 de abril de 2012 iniciamos a implantação do Módulo de Faturamento, neste primeiro momento sendo realizado o levantamento de requisitos. No dia 11 de abril de 2012 foi realizada oficina sobre Ambiência no Hospital Dona Regina, mostrando o projeto do Ministério da Saúde e a forma de cadastro no SICONV. No dia 11 de abril de 2012 foi realizada 2ª Reunião do GTH para formação do grupo, e definição de próximas atividades e áreas de atuação.

Página | 116

Nos dias 11, 12 e 13 de abril de 2012 (das 08h ás 18h) participação de 02 Enfermeiras no Treinamento do Método Canguru no Hospital Dona Regina, incluindo visita ao hospital. Cobramos da SESAU o andamento do processo de implantação do Sistema de Registro de Ponto, pois atualmente processo encontra-se paralisado. No dia 12 de abril de 2012 iniciamos as discussões para encaminhamento do processo de elaboração dos Kit’s Cirúrgicos, onde serão tomadas decisões na Comissão de Farmaco-Vigilância. No dia 12/04 foi realizada a desinsetização, e no dia 17/04 foi realizado desratização, o processo foi desenvolvido nas dependências do Hospital, tendo que ser repetido novamente a cada 03 meses. Realizamos visita à Prefeitura Municipal de Miracema para verificar o andamento do processo de isenção do ISS, e no dia 19/04 conversamos com a Dra. Patrícia, advogada da Prefeitura Municipal de Miracema PMMT, referente ao processo, onde a mesma comprometeu-se em tomar uma decisão ainda dentro do mês de abril, fato este que não ocorreu. Realizada no dia 13 de abril de 2012 Reunião de Diretoria para informar sobre o reinício das atividades do Centro Cirúrgico, Anestesiologista, e Ambulatório de Cirurgia Geral; reorganização do Serviço de Obstetrícia; autorização da contratação de um pedreiro; apresentação Setorial Mensal, neste mês Serviço de Logística; e informes gerais sobre o andamento das atividades. Reunião no dia 16 com o consultor Ellis Nicolau Silva (MV), para acerto de conduta referente ao módulo de logística que está implantado e em uso. No dia 17 de abril de 2012, das 08h às 18h, foi realizado no auditório do Hospital Regional Público de Miracema a Oficina de Gestão por Processo, apresentada pela Consultora da Qualidade Sra. Francilene Veloso (Gestão Consultoria). O foco do encontro foi o desenvolvimento da cadeia de valor, definição de indicadores e mapeamento de processos. Compareceram a este treinamento os seguintes consultores da PróSaúde, Carlos Gomes, André Goulart Fonseca, André Sancler, Francisco Ricardo Lo Sardo Ruys, Regina Aparecida Avelar Rua, Rejane de Almeida e Meliza Cristina da Silva Realizado no dia 18/04, reunião para divulgação e esclarecimento de dúvidas referente à Implantação do Módulo Faturamento do MV, com as lideranças e funcionários dos setores do Faturamento, Recepção, Enfermagem, Psicologia, Fisioterapia, Imagenologia, e os seguintes consultores Ivete Silveira Borges (PróPágina | 117

Saúde), Ellis Nicolau Silva (MV), Sabrine Varão (MV) e Ari Moreira (MV). E definido que serão realizadas oficinas internas para discussão do processo de faturamento com o objetivo de fazer com nossos colaboradores entendam o desfecho de seu trabalho, para a viabilização econômica da instituição. Em 18/04 recebemos informação do Sr. Marcus Henrique Wachter (Diretor Operacional – Pró-Saúde) referente à suspensão de investimentos (recursos financeiros), caso necessário (urgências/emergências) solicitar diretamente ao mesmo. Estamos em processo de organização dos arquivos existentes no Hospital, objetivando redução de retrabalhos e conseqüentemente menor perda de tempo para encontrar prontuários e fichas de atendimentos, e melhor aproveitamento dos espaços disponíveis. Reunião na SESAU no dia 18 de abril de 2012 para apresentação do novo Secretário Estadual de Saúde Sr. Nicolau Esteves e informes diversos. Também foi criado grupo entre Coordenadores da Pró-Saúde e funcionários da SESAU para elaboração de protocolos clínicos. Realizada a 3ª Reunião do GTH em 18 de abril de 2012 para organização da Ação Social – Combate a Hipertensão Arterial e Campanha de Vacinação, á ser realizada na Praça Derocy de Moraes em 28 de abril de 2012, dás 08h ás 12h, tendo como público alvo toda comunidade, e contando com apoio e participação da Igreja Católica e Prefeitura Municipal. Realizada á 4ª Reunião do GTH em 24 de abril de 2012, para organização e tratativas finais da 1ª Ação Comunitária sobre Hipertensão Arterial e Imunização do Hospital Regional Público de Miracema do Tocantins Treinamento realizado nos dias 18 e 19 de abril de 2012, no Hotel Girassóis para padronização dos documentos de gestão e políticas institucionais para os 17 hospitais do Tocantins com gestão da Pró-Saúde, houve discussão sobre padronização da matriz de documentos institucionais, com participação do Analista da Qualidade do HRPM. Recebemos visita técnica da Empresa Tecnomédica em 19 de abril de 2012,, para avaliação do Intensificador de Imagem do Centro-Cirúrgico que esta apresentando defeito. Retirado 02 placas do comando e enviado para fábrica Phillips, aguardamos orçamento. Em 20 de abril de 2012, realizada reunião Iniciativa para Hospital Amigo da Criança – Os 10 passos que fazem a diferença, com Direção, Enfermagem, e Nutrição, alinhamento e definições estratégicas para credenciamento, próxima reunião agendada para o dia 04/05. Página | 118

No dia 20 de abril de 2012, recebemos informação do Coordenador Regional que á partir do dia 23/04 as diárias aos servidores do Estado serão pagas pela SESAU, e repassado informação ao Setor Financeiro para devidas tratativas e alteração de rotina. Realizado em 20 de abril de 2012, reunião para organização e início da Comunicação Interna do Hospital através de Informativos nos Murais do hospital, em paralelo informaremos semanalmente o Giuliano, Comunicação Pró-Saúde para publicação no blog e demais mídias. E no dia 23 de abril de 2012, iniciamos processo de Comunicação Interna do Hospital através de Informativos nos Murais do Hospital, com publicação de 02 informativos (Realização de Parto Humanizado e Projeto de Ginástica Laboral). Reunião da Comissão de FarmacoVigilância realizada em 20 de abril de 2012, ás 15h, discussão sobre nova composição do grupo devido saída de alguns membros, carrinho de parada, implantação dos kits cirúrgicos no Centro Cirúrgico, Protocolo de Antibioticoterapia, e outros assuntos. Solicitamos ao Departamento Pessoal novamente verificar a boa organização das pastas individuais de cada colaborador, com os respectivos documentos solicitados na admissão. Em 23 de abril de 2012, iniciamos o lançamento dos Exames de Eletrocardiógrafo no sistema MV. Solicitado á Coordenação de Enfermagem, que oriente aos enfermeiros do Pronto-Socorro que assinem as fichas dos atendimentos realizados, para que possamos cobrar estes atendimentos via faturamento. Conforme consulta realizada em 23 de abril de 2012, regularizado situação de cadastro de leitos no CNES referente especialidade/leito, estávamos encontrando dificuldades no SISREG, devido falta de leito para Ortopedia. Hoje apresentamos 07 leitos cadastrado para esta especialidade. Entramos em contato com a Sra. Ivete Silveira Borges (Consultora Pró-Saúde) para verificar andamento do processo de revisão da rotina do SISREG, informou que o projeto foi enviado ao Sr. Edemir Beltrame, esta aguardando retorno. Solicitado a Sra. Maria da Penha Bandeira, assessora de Direção, que organize e separe os documentos, na ocasião de uma possível visita da TCE.

Página | 119

No dia 24 de abril de 2012, enviamos pela 2ª vez ao escritório da Pró-Saúde os relatórios de fechamento mensal do estoque do mês de fev/2012. Recebemos visita da Vigilância Sanitária – VISA, na presença da Sra. Carmelita Fernandes (Enfermeira), Sra. Mariani Amorim (Farmacêutica), Sra. Izabela Moura (Engenheira de Alimentos), e Sra. Maria de Fátima Sales (Assistente Social) para verificar readequações sugeridas no Cronograma 2011 posteriormente nos será enviado relatório e novo Cronograma. Visita realizada nos dias em 24, 25, 26 e 27/04. Enviamos em 24 de abril de 2012, email ao Coordenador Regional – Sr. Allan referente ao Relatório da Capacidade Instalada do CC, Anexo V – Equipamentos e Situação dos Uniformes pendentes. Reunião da Comissão de Óbito realizada em 24 de abril de 2012, ás 15h, discussão sobre preenchimento indevido das Declarações de Óbito (principalmente por parte médica), definição de responsáveis pelo preenchimento, conferência e controle das D.O’s e apresentado relatório de óbitos referente ao mês de março ocorreram 09 óbitos sendo investigados 05 destes óbitos, e taxa de mortalidade de 3,11. Realizado treinamento pelos consultores Ellis Nicolau Silva, Paula Sabrine Varão, ambos da MV, referente à Implantação do Módulo Faturamento do MV, no dia 25/04, com liderança e funcionários do setor do Faturamento. No dia 25 de abril de 2012, recebemos a informação que o PGRSS do Hospital Regional Público de Miracema, foi aprovado. Solicitado ás lideranças de Logística e Recepção que informassem quais colaboradores estavam com acesso bloqueado para logar o Windows, para regularização do fato. Reunião em 25 de abril de 2012, dás 15h ás 18h, com Francilene Velloso (Consultora da Qualidade – Gestão Consultoria) e Dra. Sonya Ricupero (Consultora Médica da Qualidade) para discussão de ações de melhoria na assistência ao paciente. Em 13/04 foi feito comunicado por escrito (com protocolo assinado) ao Dr. Ricardo Rocha Coelho de Morais, Diretor Técnico, convocando o mesmo para reunião, porém não compareceu a reunião. Ficou definido necessidade de criação de Protocolo ao Atendimento Crítico na Emergência e conseqüentemente capacitação dos profissionais, e melhor adequação da estrutura da CME.

Página | 120

Com o processo de reestruturação da rotina do Serviço de Faturamento, foram substituídos os três computadores do Setor, para que possamos executar a nova rotina sem maiores problemas, relacionados a infra-estrutura do setor. Reunião da Comissão de Prontuário realizada em 25 de abril de 2012, ás 10h, discussão sobre dificuldades na execução e implantação do SISREG, protocolos de revisão de prontuários, não entrega de resultado de laboratórios, sistematização de assistência de enfermagem, e criação de Oficina com o Tema Prontuário Nota 10. No dia 25 de abril de 2012, conversamos com o Sr. Lucas (TecSaúde) da Engenharia Clínica, acordamos que até termos a disponibilidade de espaço físico para ocupação do setor/profissionais, o técnico visitará o Hospital semanalmente para verificação e manutenção dos equipamentos. Em 26 de abril de 2012 foi instalado o SIGTAP no Setor de Fisioterapia, por necessidade de pesquisar os nomes e códigos dos procedimentos realizados pelo Serviço, para que o processo de faturamento transcorra com a normalidade esperada. Recebemos em 26 de abril de 2012, visita do Sr. Aguinaldo Olinto, Vanderley Jorge da Silva, Anderci Tavares dos Santos, membros do CEREST e Patrimônio, para verificação da existência e utilização dos bens cedidos em 2009 pelo órgão, e constatado bom estado geral e boa conservação dos mesmos. Reunião da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar - CCIH realizada em 26 de abril de 2012, ás 15h, apresentado relatório mensal com taxa de infecção 0%, lembrando que estávamos sem Anestesista, e conseqüentemente com número reduzido de realização de cirurgias, discutido sobre Higienização da Caixa d’água, Protocolo de Antibioticoterapia, Regimento Interno, e outros assuntos. Recebemos visita da Engenharia Clínica – TecSaúde, no dia 26 de abril de 2012, na presença do Sr. Deibly Araújo Lira, que além da realização de ronda setorial para identificação de manutenção preventivas e corretivas, realizou manutenção corretiva nos 02 carros de anestesia (Takaoka e Intermed) e efetuada troca de 08 lâmpadas do foco cirúrgico. Realização de Reunião Setorial do SAU, no dia 27 de abril de 2012, no Hotel Girassóis II, com Sra. Áurea Moreira, Coordenadora Regional do SAU, e presença dos Supervisores do SAU do Hosp. Geral, Hosp. Infantil e Hosp. Dona Regina (os três de Palmas), Paraíso, Pedro Afonso e Miracema, para fechamento do

Página | 121

relatório mensal, apresentação de melhorias no site, e alinhamento das orientações das tratativas relativas as manifestações dos usuários. No dia 27 de abril de 2012, como temos praticado desde o início do ano de 2012, comemoramos os Aniversariantes do Mês de Abril, neste mês com presença de 08 aniversariantes, prática esta que vem satisfazendo os servidores/colaboradores, que manifestam através de discurso á gratidão pela lembrança desta data. No dia 27 de abril de 2012 efetuamos, troca de vidro pára-brisa do veículo (Ambulância) com placa MXB1453 na Auto Peças Foccos Ltda-Me, no valor de R$120,00 (valor da franquia da Seguradora Mapfre). Pago com recursos particulares do Diretor Geral, para posterior reembolso. Concluído Processo Seletivo para Técnico em Segurança do Trabalho, início das atividades programada para o dia 02 de maio de 2012. Ainda durante o mês de abril, realizamos: Autorizações para aquisições de diversos itens necessários ao bom andamento das atividades do Hospital, via Portal – Central de Compras e/ou local; Visitas nas Enfermarias e PS, para acompanhar o desenvolvimento das atividades, e verificarmos satisfação dos clientes; A rotina do inventário rotativo, sendo contados os Medicamentos Injetáveis, Anestésicos, Antibióticos, Controlados, Frascos, Pomadas e Comprimidos.

6.4 – IMPLANTAÇÃO DE NOVOS SERVIÇOS No mês de abril de 2012 no Hospital Regional Público de Miracema, não tivemos a abertura de nenhum serviço novo a comunidade.
Porém iniciamos o Projeto de Ginástica Laboral para todos os colaboradores do Hospital.

Página | 122

6.5 – FATURAMENTO
5. Faturamento 5.1 - AIH 5.2 - Valores Jan 353 151.844,89 Fev 286 131.731,90 Mar 258 121.617,54 Abr 0 0,0 Mai 0 0,0 Jun 0 TOTAL 897

0,0 405.194,33

Por ocasião da implantação do SISREG ainda não conseguimos fazer o fechamento do mês, pelo retrabalho que esta sendo gerado com o novo processo.

6.6 – OBRAS
No início do mês de abril, solicitamos a contratação de um Pedreiro para dar início as obras de melhorias das enfermarias e demais áreas do Hospital, Sr. Cleyton Luis Vieira Lima. Sendo autorizado para início em 09 de abril de 2012, o qual desistiu. Mas em 18 de abril iniciou as atividades, o Sr. José Raimundo Santos Lima para o Setor de Manutenção, atuando como Pedreiro, mas sua contratação somente se efetivará em 01 de maio, por causa do período de fechamento da folha de pagamento. No mês de abril, o Sr. José Raimundo Santos Lima, Pedreiro da Manutenção, verificou e consertou vazamentos na Brinquedoteca, Recepção e Estacionamento do Pronto-Socorro; iniciou reparos e pintura da antiga Sala de Estoque do Almoxarifado para realocação do Faturamento/Financeiro.

6.7 – EQUIPAMENTOS NOVOS
Nº 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 DESCRIÇÃO Biombo Triplo Poliestireno Negatoscópio de 2 corpos simples Porta Avental Tipo Cabide p/ 2 aventais Inox Longarina Secretária – com posição de 03 Lugares Longarina Secretária – com posição de 04 Lugares Tens Simulador Neuro Muscular – Neurodyn III Lixeira Plasútil – Pedal 15L Lixeira Plasútil – Pedal 50L Guarda-Roupas Cadeiras Giratórias Negatoscópio Simples QUANT. 05 01 03 06 06 01 20 03 02 03 06 N. FISCAL 2205 310 310 1533 1533 326 5544 5544 1951 1949 2.340 FORNECEDOR Cirucam Medical Center & Home Care Ltda Hospcare Com. Ass. Tec. Equip. Med. Hosp. Hospcare Com. Ass. Tec. Equip. Med. Hosp. Trofics Comercial Ltda Trofics Comercial Ltda Edilberto Greinert Victorino & Benevenuto Ltda Victorino & Benevenuto Ltda Móveis Bom Preço Ltda Móveis Bom Preço Ltda DZ7 Com. Produtos Méd. Hosp. Ltda

Página | 123

A aquisição de todos os equipamentos relacionados acima, foram devidamente autorizados pelo nosso Coordenador Regional e, foi de grande importância para a melhor organização das atividades, e melhorar a qualidade da prestação de serviços a comunidade.

6.8 – OUTRAS INFORMAÇÕES (SE NÃO HOUVER INFORMAÇÕES, FAVOR EXCLUIR ESTE ITEM.)
No dia 03 de abril de 2012 realizamos um café da manhã, onde compareceram ao evento o Vice-Prefeito - Sr. Alberani, e 06 vereadores de Miracema do Tocantins, incluindo o Presidente da Câmara. Foi um evento muito positivo, que promoveu uma aproximação com os poderes constituídos em Miracema, e o objetivo foi o posicionamento quanto ao momento vivenciado pelo Hospital Regional Público de Miracema. No dia 08 de abril de 2012, realizado ação comemorativa (interna) à Páscoa para todos os pacientes, acompanhantes e colaboradores, foi distribuído cartão com mensagem sobre o verdadeiro sentido da Páscoa juntamente com 01 bombom.

Reunião no dia 12 de abril de 2012, com a Sra. Maria Sônia Oliveira de Souza, Secretária Municipal de Saúde de Miracema, para reorganização do ambulatório de cirurgia Geral. Iniciamos as discussões para implantação da Unidade Interligada ao Cartório de Registro Civil de Nascimento, para acabar com a realidade dos sub-registros. No dia 24 de abril de 2012, realizada reunião com Sra. Maria Sônia Oliveira de Souza, Secretária Municipal de Saúde, referente situação atual dos Postos de Saúde Família (PSF), que estão sem atendimento médico, e conseqüentemente aumentando o número de atendimento médico voltado à Atenção Básica em nosso Pronto-Socorro, gerando insatisfação médica e demora no atendimento. No dia 28 de abril de 2012 (dás 08h ás 12h) realizamos a 1ª Ação Comunitária sobre Hipertensão Arterial e Imunização do Hospital Regional Público de Miracema do Tocantins, o evento teve abertura com um Ato Religioso (Pe. Jaílson – Igreja Católica) e posteriormente palestras de Cuidados com Alimentação (Núbia Salvador Guimarães dos Santos – Nutricionista do HRPM), Tabagismo (Gracilene Azevedo, Dra. Bete Barros e Dr. Dianarú Barros), Hipertensão Arterial e Diabetes (Dr. Jobel de Souza Egito - Cardiologista) e Stress (Fábio Antônio Rocha Coelho - Psicólogo) durante todo evento ocorreu aferição da pressão arterial, verificação da glicemia, cálculo do índice de massa corporal, orientações sobre alimentação saudável, vacinação, e orientações sobre tabagismo. O evento foi registrado por entrevista na rádio O Jornal (AM 1476) e Site Local do Vereador Leal Júnior (http://www.lealjunior.com.br/?pg=noticia&id=9337) Página | 124

Agendamos para o dia 03 de maio de 2012, reunião com o Secretário Executivo da SESAU, o Sr. Luiz Fernando, para tratativas de assuntos diversos, relacionados á propostas de melhorias na condução do Hospital Regional Público de Miracema. No dia 26 de abril de 2012, recebemos o Sr. Edmilson dos Santos Silva, autor de crime contra o meio ambiente (manter espécimes em cativeiros), o qual deverá prestar 180 horas de Serviço Comunitário neste Hospital, conforme decisão judicial do Ex. Juiz de Direito Marco Antonio Silva Castro, com jornada de 08 horas semanais (durante 22 dias). Irá desenvolver atividades de auxiliar de serviços gerais a partir do dia 30/04.

PALAVRA DO DIRETOR GERAL DO HOSPITAL
Os atrasos nos repasses dos recursos financeiros para custeio da estrutura, e desenvolvimento das atividades, esta causando mais dificuldades ao processo de organização que estamos passando, gerando uma relação de desconfiança com os nossos fornecedores e colaboradores, entendo que essa situação deva ser resolvida o mais breve possível, para que possamos atingir as metas estabelecidas no contrato de gestão. O desenvolvimento das atividades está ocorrendo com muitas dificuldades, devido a falta de definição com relação ao orçamento que teremos para promover as melhorias necessárias e, que possamos realmente fazer a diferença. A suspensão provisória dos recursos destinados aos investimentos na estrutura, esta trazendo muitos prejuízos ao processo de revitalização do Hospital, pois a paralisação causa insatisfação a todos os envolvidos: funcionários, usuários, autoridades locais e a comunidade em geral. Entendo ser questão fundamental para o futuro organizacional do Hospital Regional Público de Miracema, a elaboração de um novo Projeto Arquitetônico e projetos complementares, que contemple todas as alterações necessárias para o boa organização e desenvolvimento das atividades. As questão médicas do Hospital também precisão ser melhor definidas: Qual o perfil desejado? Quantos e como os profissionais médicos devem ser contratados (CLT, plantão extras, outros)? Definição dos protocolos de atendimento? Implantação de um programa de capacitação e desenvolvimento médico e equipe multiprofissional? A melhor definição quanto ao desenvolvimento da implantação do sistema de informação (MV), deve ser observado, pois estamos caminhando com muitas dificuldades, devido a falta de investimentos. Não foram Página | 125

adquiridos os computadores e periféricos solicitados, não foi liberada a substituição da rede interna, e demais melhorias para a área de TI. O Hospital Regional Público de Miracema no mês de abril de 2012 atingiu sua meta, o que demonstra que estamos conseguindo reverter o quadro de desestruturação dos serviços médicos que aconteceu em Dezembro de 2011, quando houve a definição por não mais pagar plantão extra. E com a contratação de médicos via CLT, e o retorno do plantão extra, estamos conseguindo retomar a normalidade das atividades, mas ainda temos grandes dificuldades em relação ao serviço de pediatria, plantão falhas na escala de plantão, causando também dificuldades ao Serviço de Obstetrícia. Por fim, entendo que necessitamos de uma melhor definição quanto ao encaminhamento das atividades para que possamos estabelecer um Planejamento Atingível, e que estimule e envolva todos num processo contínuo de melhorias.

2.7 HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE PORTO NACIONAL 2.7.1 METAS CONTRATUAIS

7.1 – INDICADORES DE PRODUÇÃO
7.1.1 – Nº DE LEITOS POR ESPECIALIDADE;
1.1. Leitos por Especialidade 1.1.1. Clínica Médica 1.1.2. Clínica Pediátrica 1.1.3. Clínica Cirúrgica 1.1.4. Clínica Obstétrica 1.1.5. UTI de Adultos 1.1.6. UTI Infantil 1.1.7. UTI Neonatal 1.1.8. Berçário 1.1.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Leitos Jan 41 0 17 0 0 0 0 0 10 0 68 Fev 45 0 21 0 0 0 0 0 5 0 71 Mar 49 0 21 0 0 0 0 0 5 0 75 Abr 51 0 16 0 0 0 0 0 9 0 76 Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 186 0 75 0 0 0 0 0 29 0 290

COMENTÁRIO: Houve variação no número de leitos da clínica médica e cirúrgica devido reforma e aquisição de camas novas e também a retirada da observação do Pronto Socorro das enfermarias.

Página | 126

7.1.2 – Nº. DE INTERNAÇÕES POR ESPECIALIDADE;
1.2. Internações por Especialidade 1.2.1. Clínica Médica 1.2.2. Clínica Pediátrica 1.2.3. Clínica Cirúrgica 1.2.4. Clínica Obstétrica 1.2.5. UTI de Adultos 1.2.6. UTI Infantil 1.2.7. UTI Neonatal 1.2.8. Berçário 1.2.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Internações por especialidade Jan 231 0 158 0 0 0 0 0 64 0 453 Fev 204 0 161 0 0 0 0 0 70 0 435 Mar 265 0 191 0 0 0 0 0 101 0 557 Abr 193 0 181 0 0 0 0 0 117 0 491 Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 893 0 691 0 0 0 0 0 352 0 1936

COMENTÁRIO: A variedade do número de internações por especialidade se deve à sazonalidade do período.

7.1.3 – Nº. DE SAÍDOS POR ESPECIALIDADE
1.3. Nº. de saídos por especialidade 1.3.1. Clínica Médica 1.3.2. Clínica Pediátrica 1.3.3. Clínica Cirúrgica 1.3.4. Clínica Obstétrica 1.3.5. UTI de Adultos 1.3.6. UTI Infantil 1.3.7. UTI Neonatal 1.3.8. Berçário 1.3.9. Clínica Ortopédica 1.3.10. Outros Total de saídos por especialidade Jan 269 0 176 0 0 0 0 0 105 0 550 Fev 256 0 181 0 0 0 0 0 74 0 511 Mar 290 0 177 0 0 0 0 0 147 0 614 Abr 236 0 156 0 0 0 0 0 101 0 493 Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 1051 0 690 0 0 0 0 0 427 0 2168

COMENTÁRIO: A quantidade de saídos está diretamente ligada ao número de internações.

Página | 127

7.1.4 – PERCENTUAL DE OCUPAÇÃO POR CLÍNICA;
1.4. Porcentagem de Ocupação 1.4.1. Clínica Médica 1.4.2. Clínica Pediátrica 1.4.3. Clínica Cirúrgica 1.4.4. Clínica Obstétrica 1.4.5. UTI de Adultos 1.4.6. UTI Infantil 1.4.7. UTI Neonatal 1.4.8. Outros (Berçário) 1.4.9. Clínica Ortopédica 1.4.10. Outros Porcentagem Geral de Ocupação Jan 98% 0% 78% 0% 0% 0% 0% 0% 26% 0% Fev 83% 0% 65% 0% 0% 0% 0% 0% 81% 0% Mar 85% 0% 80% 0% 0% 0% 0% 0% 96% 0% Abr 88% 0% 78% 0% 0% 0% 0% 0% 98% 0% Mai 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Jun 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Jul 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Ago 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Set 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Out 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Nov 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Dez 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% TOTAL 354% 0% 301% 0% 0% 0% 0% 0% 301% 0%

COMENTÁRIO: A variação na clínica ortopédica se deve a contratação em regime de PJ de profissionais médicos a partir da segunda quinzena de fevereiro.

7.1.5 – MÉDIA DE PERMANÊNCIA;
1.5. Média de Perm anência 1.5.1. Clínica Médica 1.5.2. Clínica Pediátrica 1.5.3. Clínica Cirúrgica 1.5.4. Clínica Obstétrica 1.5.5. UTI de Adultos 1.5.6. UTI Infantil 1.5.7. Uti Neonatal 1.5.8. Outros 1.5.9. Clínica Ortopédica 1.5.10. Outros Média Geral de Permanência Jan 5,23 0 4,14 0 0 0 0 0 0,78 0 Fev 4,25 0 4,59 0 0 0 0 0 1,58 0 Mar 4,43 0 6,79 0 0 0 0 0 1,14 0 Abr 5,51 0 4,94 0 0 0 0 0 1,7 0 Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 19,42 0 20,46 0 0 0 0 0 5,2 0

7.1.6 – VOLUME CIRURGICO
1.6. Volum e Cirúrgico 1.6.1. Cirurgias de Urgência 1.6.2. Cirurgias Eletivas Média Geral de Cirurgias Jan 135 73 208 Fev 126 116 242 Mar 169 168 337 Abr 168 108 276 Mai 0 0 0 Jun 0 0 0 Jul 0 0 0 Ago 0 0 0 Set 0 0 0 Out 0 0 0 Nov 0 0 0 Dez 0 0 0 TOTAL 598 465 1063

COMENTÁRIO: A variação das cirurgias eletivas se deve a diminuição da carga horária de um dos cirurgiões por vontade própria do profissional.

Página | 128

7.1.6.3 – Nº DE CIRURGIAS POR PORTE;
1.6.3. Núm ero de Cirurgias por Porte 1.6.3.1. Cirurgias Grandes 1.6.3.2. Cirurgias Médias 1.6.3.3. Cirurgias Pequenas 1.6.3.4. Curetagens 1.6.3.5. Cesáreas Média Geral de Cirurgias por Porte Jan 26 18 164 0 0 208 Fev 0 45 197 0 0 242 Mar 0 71 266 0 0 337 Abr 0 59 217 0 0 276 Mai 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 TOTAL 26 193 844 0 0 1063

7.1.6.4 – Nº. DE PARTOS POR TIPO
1.6.4. Núm ero de partos por tipo 1.6.4.1. Normal 1.6.4.2. Cesariana 1.6.3.3. Outros Jan 0 0 0 Fev 0 0 0 Mar 0 0 0 Abr 0 0 0 Mai 0 0 0 Jun 0 0 0 Jul 0 0 0 Ago 0 0 0 Set 0 0 0 Out 0 0 0 Nov 0 0 0 Dez 0 0 0 TOTAL 0 0 0

7.1.7 – SADT’S
1.7. SADT 1.7.1. Laboratório Clínico 1.7.2. Anatomia Patológica 1.7.3. Radiologia 1.7.4. Eletrocardiografia 1.7.5. Fisioterapia (Sessões) 1.7.6. Hemodiálise(Sessões) 1.7.7. Hemodinâmica 1.7.8. Hemoterapia 1.7.9. Endoscopia 1.7.10. Ultrassonografia 1.7.11 Tomografia Computadorizada 1.7.12 Ressonancia Magnética 1.7.13 Mamografia 1.7.14 Citopatologia 1.7.15 Eletroencefalografia 1.7.16 Teste do Pézinho 1.7.17 Diversos 1.7.18 Teste Ergométrico Total Jan Fev Mar Abr Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 16077 273 7588 882 0 0 0 0 89 269 0 0 0 0 0 0 0 0 25178

3697 3876 4574 3930 80 98 95 0

1685 1647 2125 2131 215 0 0 0 0 30 46 0 0 0 0 0 0 0 0 231 0 0 0 0 17 75 0 0 0 0 0 0 0 0 223 0 0 0 0 25 86 0 0 0 0 0 0 0 0 213 0 0 0 0 17 62 0 0 0 0 0 0 0 0

5753 5944 7128 6353

Página | 129

7.1.8 – AMB ULATÓRIO
1.8. Ambulatório 1.8.1. Consultas 1.8.2. Consultas com Procedimentos 1.8.3. Procedimentos 1.8.4. Procedimentos Cirúrgicos Total Jan 229 210 0 0 439 Fev 229 224 0 0 453 Mar 292 240 0 0 532 Abr 439 366 0 0 805 Mai 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 TOTAL 1189 1040 0 0 2229

COMENTÁRIO: O aumento das consultas ambulatoriais se deve pelo retorno de um profissional médico da ortopedia que estava atendendo somente no HGP.
7.1.9 – ATENDIMENTOS DE URGÊNCIA/EMERGÊNCIA
1.9. Urgência/Emergência 1.9.1. Consultas 1.9.2. Consultas com Procedimentos 1.9.3. Procedimentos 1.9.4. Procedimentos Cirúrgicos Total Jan Fev Mar Abr Mai 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 TOTAL 13855 1827 0 0 15682

3166 3086 3818 3785 359 0 0 496 0 0 587 0 0 385 0 0

3525 3582 4405 4170

COMENTÁRIO: O número de atendimentos no mês de março foi maior no período devido greve que os médicos dos Postos de Saúde da Família fizeram e os pacientes foram encaminhados ao Pronto Socorro até o retorno dos mesmos.

Página | 130

7.1.10 – RECURSOS HUMANOS
1.10. Recursos Humanos 1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total 114 235 44 6 41 440 Janeiro
S e s a u P ró 3º

Fevereiro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Março
T o t a l S e s a u P ró 3º T o t a l S e s a u P ró

Abril
3º T o tal

52 25 8 56 8 149

0 0 0 0 0 0

166 260 52 62 49 589

100 234 41 5 38 418

59 25 9 73 10 176

0 0 0 0 0 0

159 259 50 78 48 594

100 232 42 5 36 415

58 25 9 73 10 175

0 0 0 0 0 0

158 257 51 78 46 590

101 231 41 5 36 414

60 24 9 79 12 184

0 0 0 0 0 0

161 255 50 84 48 598

1.10. Recursos Humanos
S e s a u P ró

Maio

Junho
T o t a l S e s a u P ró 3º

Julho
T o t a l S e s a u P ró 3º

Agosto
T o t a l S e s a u P ró 3º T o tal

1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

1.10. Recursos Humanos 1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total 0 0 0 0 0 0

Setem bro
S e s a u P ró 3º

Outubro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Novem bro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Dezem bro
T o t a l S e s a u P ró 3º T o tal

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

7.1.11 – NEP

CURSO

NÚMERO DE CARGA PARTICIHORÁRIA PANTES

TOTAL DE HORAS

Importância da higienização das mãos Alinhamento de processos do Pronto Socorro Trabalho em Equipe, importância do acolher nos processos de trabalho Como realizar os processos gerenciais Sistematização de Assistência de Enfermagem Elaboração da ficha de avaliação de Feridas Anotações de enfermagem/importância dos registros de enfermagem Sistematização de Assistência de Enfermagem Critérios autorização dos acompanhantes Classificação de risco na Unidade Hospitalar Implantação de novos registros da Enfermagem

142 12 13 26 4 6 36 5 14 32 27

05:00:00 02:00:00 10:00:00 01:00:00 01:00:00 01:00:00 01:00:00 01:00:00 02:00:00 10:00:00 02:00:00

710:00:00 24:00:00 130:00:00 26:00:00 4:00:00 6:00:00 36:00:00 5:00:00 28:00:00 320:00:00 54:00:00

Página | 131

Fluxograma para os acompanhantes/normas e rotinas Acolhimento/normas e rotinas do HRPPN Utilização do Sistema MV2000 Ressuscitação Cardio Pulmonar
TOTAL
TOTAL DE HORAS NÚMERO TOTAL DE COLABORADORES DO HOSPITAL HORAS/HOMEM

18 67 35 58 495
2020:00:00 598 0,140746934

01:00:00 01:00:00 02:00:00 09:00:00 01:00:00

18:00:00 67:00:00 70:00:00 522:00:00 2020:00:00

HORAS DE TREINAMENTO
70 60 50 40 30 20 10 0 JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ CARGA HORÁRIA TOTAL

DADOS QUALITATIVOS

Houve uma queda das ações de capacitações do Hospital Regional Público de Porto Nacional, de servidores em relação ao mês anterior. Neste mês totalizamos a participação de 495 servidores/colaboradores e um total de 49 horas de treinamento. Iniciado curso de Manobras de Ressuscitação Cardio Pulmonar onde terá continuidade no mês de maio.

• Realizado dia 11 de abril de 2012 o curso de Gestão de Processos Administrativos ministrado pela consultora da Pró-Saúde, Francilene Veloso Caldeira, no auditório do HRPG – Hospital Regional Público de Gurupi, para os gestores dos hospitais públicos de Gurupi, Arraias, Alvorada, Porto Nacional, Dianópolis e Araguaçu. O curso teve por objetivo capacitar os gestores dos hospitais administrados pela PróSaúde para que desenvolvam com eficiência um conjunto de rotinas administrativas visando a excelência no atendimento aos usuários do sistema público de saúde na região.

Página | 132

Realizado novo treinamento com pessoal do laboratório referente ao equipamento de bioquímica (comodato), com o objetivo de aprimorar as habilidades e técnicas junto ao equipamento, trazendo assim, maior confiabilidade nos resultados dos exames.

7.1.12 – CORPO CLÍNICO

• •

Aberto mais um consultório no Pronto Socorro para que tenhamos dois médicos da clínica médica atendendo as pacientes simultaneamente. Ortopedistas solicitam a abertura da quarta sala no Centro Cirúrgico para realização de pequenas cirurgias, já realizado levantamento dos materiais necessários e será repassado via ofício para a Secretaria de Saúde do Estado (SESAU).

Página | 133

7.2 - SAU Registros de Opinião - 01/04/2012 a 30/04/2012
Ocorrências Reclamações Sugestões Elogios Total de Questionários Queixas resolvidas Meta Contratual Meta Realizada Abril 2012 09 01 10 20 08 80% 88,89%

Neste mês não tivemos muitas reclamações formais, porém ainda temos reclamações com relação à manutenção de ar condicionado. Estamos orientando os usuários quanto ao funcionamento correto dos mesmos, mas frequentemente percebemos que as portas e janelas estão abertas e o ar ligado. A diretoria está estudando uma estratégia para sanar este problema.

Hospital Regional Público de Porto Nacional
120,00 100,00 80,00 60,00 40,00 20,00 0,00 -20,00 87,49 68,11 98,07 97,70

AMBULATORI O (%) 63,91 67,15 68,11 6,57%

INTERNAÇÃO (%) 86,28 82,22 87,49 1,40%

PRONTO SOCORRO (%) 88,84 97,18 98,07 10,39%

SADT (%) 97,89 98,37 97,70 -0,19%

Fevereiro/2012 Março/2012 Abril/2012 Evolução do Período

Página | 134

No ambulatório houve um aumento no índice de satisfação no que refere a área física, onde foram adquiridas algumas cadeiras para que os usuários possam aguardar com mais comodidade pela sua consulta. A Internação teve um acréscimo comparado ao mês anterior, devido à estrutura física, relacionado à manutenção dos ares e também à limpeza. No Pronto-Socorro tivemos significativa melhora no período de fevereiro a abril, também pelas mudanças na estrutura física, onde os usuários que estavam em observação aguardando leito no corredor, estão sendo alocados em uma sala que foi estruturada como observação no pronto-socorro. SADT teve uma pequena queda no seu índice, que está relacionado ao tempo de espera para o atendimento, porém, o setor está empenhado para atender a sua demanda em tempo hábil. No laboratório, foram adquiridos dois equipamentos em comodato, diminuindo o tempo para o resultado dos exames. A cada período, o trabalho do S.A.U. vem crescendo e sendo reconhecido em todos os setores, com isso proporcionando transformações na qualidade do serviço de atendimento ao público.

7.3 – GERENCIAMENTO DE PROCESSOS

Toda quinta-feira é realizada reunião de diretoria com o diretor geral, diretor da SESAU, diretor técnico, diretora administrativa e gerente de enfermagem para discussão e planejamento dos processos inerentes ao hospital.

• •

Realizada auditoria do Tribunal de Contas do Estado (TCE) e Núcleo Gestor da SESAU nos dias 23, 24 e 25 de abril. Recebemos a visita do representante da 3M que apresentou materiais de prevenção de lesão de pele. Iniciado atividade de implantação de protocolo de curativos através do Grupo de Feridas, focando a busca da certificação em prevenção de pele.

• • •

Realizadas reuniões mensais da gerência de enfermagem com o pessoal do centro cirúrgico e prontosocorro para alinhamento dos processos. Realizada reuniões quinzenais com o Hospital Materno Infantil Tia Dedé e com o Instituto ITPAC para organização da semana de enfermagem. Realizada queixa técnica junto a farmácia quanto a qualidade de esparadrapos e micropores da marca Cremer. Página | 135

Realizada reunião com grupo de urgência e emergência definindo metas e revisão dos carrinhos de parada, controle e manutenção dos equipamentos utilizados na parada cardiorrespiratória (PCR). Elaboração de escala intitulada grupo de resposta rápida e treinamento de 100% da equipe para atualização de PCR.

• •

Realizada implantação de formulários de registros de enfermagem nas unidades de internação com foco nas anotações de enfermagem, controle de sinais vitais e balanço hídrico. Realizada implantação de novo formulário de classificação de risco no acolhimento e pronto socorro com foco na otimização das informações de acordo com a prioridade da patologia apresentada e também controle de tempo de atendimento no horário de admissão da internação à alta.

Realizada implantação da primeira etapa do processo de enfermagem via Sistematização da assistência de enfermagem (SAE) através do formulário: Histórico de Enfermagem, utilizado pelos enfermeiros para coleta de dados do paciente.

A quarta sala cirúrgica foi interditada temporariamente, pois estava sendo utilizada de forma inadequada (sem circulante, ausência de controle do uso de materiais e medicamentos, sem higienização entre um procedimento e outro) prejudicando controle de estoque e assistência ao usuário.

• •

Realizado controle e organização na liberação de acompanhantes conforme definição da equipe multidisciplinar (médico, enfermeiro, assistente social) através de formulário próprio. Implantada nova rotina de controle de material contaminado utilizando novas caixas organizadoras para armazenamento e controle (plástico e metálico) nas unidades (Ala A, B, C, D e P.S.) estas são encaminhadas ao expurgo da central de material de forma a evitar o cruzamento de materiais limpos e contaminados conforme legislação.

7.4 – FATURAMENTO
4 . F a t ura m e nt o 4.1- A IH (Quantitativo ) 4.2 - Valo res (em reais) Jan 345 259.346,8 F ev 481 31 3.558,3 M ar 476 328.768,4 A br 51 1 339.542,2 M ai 0 0,0 J un 0 0,0 J ul 0 0,0 A go 0 0,0 Set 0 0,0 O ut 0 0,0 Nov 0 0,0 D ez 0 0,0 T OT A L 1 3 81 1 21 241 5,7

7.6 – OBRAS E IMPLANTAÇÃO DE NOVOS SERVIÇOS

Criado Grupo de Trabalho de Humanização (GTH), onde contamos com uma colaboradora exclusiva para gerenciar o serviço e com representantes de várias áreas do hospital (nutrição, higienização, Página | 136

S.A.U., terapia ocupacional, psicologia, serviço social, diretoria, atendimento, enfermagem, laboratório, NEP. • A obra em execução pela SEINFRA da Ala A, continua na etapa do Pronto Socorro.

MARÇO 2012

ABRIL 2012

MARÇO 2012

ABRIL 2012

A obra foi paralisada na semana do dia 13 de março por falta de pagamento da empreiteira, e retornou apenas no dia 19 de abril, sem previsão de entrega. • Reforma do prédio do HEMOTO (hemocentro) para transferência do almoxarifado e alguns setores administrativos (em andamento).

Página | 137

ANTES

DURANTE REFORMA

ANTES

DURANTE REFORMA

APÓS GRADES ANTES Estávamos aguardando aprovação do PGRSS para fazer o abrigo do lixo, mas após auditoria do Tribunal de Contas do Estado (TCE) e Núcleo Gestor da SESAU, iniciamos a construção de uma casa paliativa para o mesmo, de forma que os lixos ficarão num local fechado, separado comum do infec-

Página | 138

tante e de fácil higienização. A mesma no futuro servira como guarda de ferramentas da jardinagem e manutenção.

ANTES

EM ANDAMENTO

7.7 – EQUIPAMENTOS NOVOS
• Aquisição de três unidades de ventilador mecânico, sendo que ficou definido em reunião de diretoria que os equipamentos antigos serão enviados para manutenção a fim de servir como contingência em situações de emergência. • • • • • • Aquisição de 05 computadores. Aquisição de 01 oxímetro portátil (OxiMax N65 – NELLCOR). Aquisição de 01 liquidificador para copa administrativa. Aquisição de 01 maquita para manutenção. Aquisição de 05 impressoras laser preto e branco. Entregue uma autoclave da Baumer que era para o Hospital Materno Infantil Tia Dedé, mas será instalada no Hospital Regional Público de Porto Nacional.

7.8 – COMISSÕES
• A Comissão de Prontuário Médico se reuniu no dia 30 de março e os prontuários foram analisados criteriosamente pelo presidente da comissão que relatou a coerência entre as AIHs e os documentos

Página | 139

de internação. Observado que ainda há documentos sem assinatura das cirurgias de laqueadura, ora do médico, ora do paciente - problema já conversado com os cirurgiões; • • • A reunião da Comissão de Ética Médica aconteceu no dia 12 de abril e não houve interações ou denúncias de transgressão ética no período; A reunião da Comissão de Óbito aconteceu no dia 18 de abril e, no período de 18/03 a 18/04, foram registrados 12 óbitos sem morte suspeita ou violenta, sem encaminhamento para SVO ou IML; A Comissão de Controle de Infecção Hospitalar se reuniu no dia 13 de abril, onde foi discutido os indicadores de março devido aumento significativo das infecções. Registrado a participação da CCIH em três cursos: implantação de cateter de segurança, seminário de feridas do HGP e teste rápido para HIV. Elaborado livro de controle da busca ativa das infecções. Vários outros assuntos foram discutidos na reunião que se encontram na ata em anexo; • A reunião da Comissão de Farmácia e Terapêutica ocorreu no dia 13 de abril. Informado que houve uma queixa técnica de fita hipoalérgica microporosa da indústria Cremer S/A, lote 201491, validade 30/04/201, realizado avaliação do produto pela comissão de padronização e CCIH e os mesmos sugeriram substituição para marca 3M. Outra queixa técnica de cateter intravenoso 22g, BD angiocath, lote 1235101, avaliado e testado pela comissão de padronização e CCIH concluindo que o produto é de ótima qualidade e que o problema está na falta de treinamento da equipe de enfermagem para o manuseio do cateter, informação esta repassada para gerente de enfermagem que tomará as devidas providências. Informado também que não houve intercorrência e nenhuma prescrição de medicamentos não padronizados;

7.9 – OUTRAS INFORMAÇÕES • No dia 05 de abril foi realizada ação em conjunto com o Hospital Materno Infantil Tia Dedé em comemoração ao Dia Mundial da Saúde (07 de abril) a caminhada em prol da saúde e uma tenda com aferição de pressão, glicemia e orientações de saúde pela equipe multiprofissional (terapeuta ocupacional, psicóloga, nutricionista, enfermagem).

Página | 140

Colaboradores

Caminhada

Caminhada

Caminhada

Teste de Glicemia

Teste de Glicemia

Página | 141

Aferição de pressão

Aferição de pressão

Comemoração dos aniversariantes do mês.

Em comemoração à Páscoa, foi realizado sorteio de cinco ovos de páscoa aos colaboradores, entregue um cartão com bombom a todos e almoço especial na sexta-feira santa e no domingo de páscoa.

Continuidade da ginástica laboral para os colaboradores.
Página | 142

• •

Toda quinta-feira é realizado corte de cabelo dos usuários para maior comodidade e a fim de elevar a autoestima dos mesmos. Aquisição de cobertores, biombos, escada de dois degraus, carrinhos de limpeza, cadeiras fixas e giratórias, prateleiras, uniformes, macas de transferência para centro cirúrgico, caixas organizadoras, garrafas térmicas, jarras para suco, materiais para terapia ocupacional, placas de acrílico para anexar comunicados nos setores, carrinhos para distribuição de materiais e medicamentos (almoxarifado).

No dia 18 de abril, foram encaminhados pela ambulância da cidade três pacientes de Natividade que sofreram agressões de arma branca para atendimento de urgência. Logo em seguida, chegou um paciente com a mão ferida solicitando atendimento, o mesmo entrou e se dirigiu até a sala da emergência onde sacou uma faca e agrediu um dos pacientes que estavam sendo atendido. O agente de portaria o rendeu até a chegada da polícia, mas o paciente agredido não resistiu e faleceu. A diretoria do hospital acionou de imediato a assessoria de imprensa que, por sua agilidade e conhecimento de causa, não tivemos maiores repercussões na mídia tocantinense. E, devido este acontecimento, várias ações para redução do trauma dos colaboradores que estavam neste plantão foram feitas, como acompanhamento psicológico, conversa tête-à-tête do diretor geral com cada um deles, jantar especial e entrega de placa de homenagem ao agente de portaria no próximo plantão deles.

PALAVRA DO DIRETOR GERAL DO HOSPITAL
De modo geral o trabalho realizado no Hospital esta sendo bem-sucedido com bons resultados e boa aceitação pela equipe em geral. As ações voltadas ao colaborador tem sido bem aceitas de modo que o mesmo sente-se valorizado. O relacionamento com os órgãos fiscalizadores e governamentais estão em bom entendimento. Em relação ao atendimento a população, os índices de satisfação estão bons em relação a nossa estrutura física e tempo de espera do usuário. Devido a falta de UPA na cidade, temos um grande numero de atendimentos de baixa complexidade que deveriam ser atendidos pela rede municipal, porém, a grande maioria da população acaba vindo para o Hospital em busca do atendimento alegando melhor qualidade na assistência. As metas contratuais estão sendo cumpridas, tanto o numero de saídos como as ações das comissões obrigatórias.

Página | 143

Os números mostram na estatística um aumento significativo no mês de março, tal fato se deve, a greve municipal da rede de saúde de Porto Nacional. Neste período, atendemos a totalidade da população em nosso Hospital. No mês de abril tivemos uma fatalidade divulgada na mídia que, com os esforços de todos não tomou uma proporção maior negativamente. Realizamos acompanhamento social e psicológico aos colaboradores envolvidos e ações de Humanização para redução do trauma sofrido por todos. Em resumo, o resultado esta aparecendo e o atendimento a população esta sendo bem prestado.

2.8 HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE GUARAÍ

8.1 – INDICADORES DE PRODUÇÃO
8.1.1 – Nº DE LEITOS POR ESPECIALIDADE;
1.1. Leitos por Especialidade 1.1.1. Clínica Médica 1.1.2. Clínica Pediátrica 1.1.3. Clínica Cirúrgica 1.1.4. Clínica Obstétrica 1.1.5. UTI de Adultos 1.1.6. UTI Infantil 1.1.7. UTI Neonatal 1.1.8. Berçário 1.1.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Leitos Jan 18 13 19 14 0 0 0 4 0 0 68 Fev 18 13 19 14 0 0 0 4 0 0 68 Mar 18 13 19 14 0 0 0 4 0 0 68 Abr 18 13 19 14 0 0 0 4 0 0 68 Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 72 52 76 56 0 0 0 16 0 0 272

COMENTÁRIO: O Hospital Regional Público de Guaraí possui 68 leitos cadastrados no Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde, está inserido na Macrorregião de Saúde de Araguaína e compõe juntamente com mais sete municípios, a Região de Saúde Lobo Guará, com população estimada em 58 mil habitantes. Conforme registros do Hospital, são evidenciados ainda, atendimentos a usuários de outros municípios que não fazem parte desta mesma Região de Saúde. Em cumprimento à legislação vigente, estamos reavaliando a quantidade de leitos, para posterior da adequação no CNES.

Página | 144

8.1.2 – Nº. DE INTERNAÇÕES POR ESPECIALIDADE;
1.2. Internações por Especialidade 1.2.1. Clínica Médica 1.2.2. Clínica Pediátrica 1.2.3. Clínica Cirúrgica 1.2.4. Clínica Obstétrica 1.2.5. UTI de Adultos 1.2.6. UTI Infantil 1.2.7. UTI Neonatal 1.2.8. Berçário 1.2.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Internações por especialidade Jan 55 14 75 64 0 0 0 13 0 0 221 Fev 76 35 78 61 0 0 0 13 0 0 263 Mar 68 45 97 63 0 0 0 16 0 0 289 Abr 79 45 74 57 0 0 0 14 0 0 269 Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 278 139 324 245 0 0 0 56 0 0 1042

COMENTÁRIO: Pode-se observar uma variação nas clínicas médica e cirúrgica, sendo que na clínica médica, com a conclusão da reforma no final do mês de março em uma das unidades de internação do Hospital, houve uma maior oferta de leitos, ocasionando aumento no número de internações. Em contrapartida, na clínica cirúrgica houve redução das internações devido aos dois feriados seguidos no mês de abril (Páscoa e aniversário da cidade), que interferiram diretamente na realização de procedimentos cirúrgicos eletivos, contribuindo para a queda no total de internações.
8.1.3 – Nº. DE SAÍDOS POR ESPECIALIDADE;
1.3. Nº. de saídos por especialidade 1.3.1. Clínica Médica 1.3.2. Clínica Pediátrica 1.3.3. Clínica Cirúrgica 1.3.4. Clínica Obstétrica 1.3.5. UTI de Adultos 1.3.6. UTI Infantil 1.3.7. UTI Neonatal 1.3.8. Berçário 1.3.9. Clínica Ortopédica 1.3.10. Outros Total de saídos por especialidade Jan 96 13 72 26 0 0 0 9 0 0 216 Fev 108 34 76 27 0 0 0 14 0 0 259 Mar 127 37 96 26 0 0 0 12 0 0 298 Abr 104 31 88 30 0 0 0 14 0 0 267 Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 435 115 332 109 0 0 0 49 0 0 1040

COMENTÁRIO: Observa-se uma redução significativa no registro do número de pacientes saídos nas Clínicas Médica e Cirúrgica, influenciada pelo maior tempo de permanência dos pacientes na Clínica Médica, considerando o perfil das patologias desta clínica, os quais normalmente demandam maior tempo de tratamento, e com as reduções nas internações da Clínica Cirúrgica. O número de pacientes saídos na Clínica Pediátrica também apresentou uma redução, considerando que o tempo de permanência nesta clínica foi maior, em relação ao mês anterior.

Página | 145

8.1.4 – PERCENTUAL DE OCUPAÇ ÃO POR C LÍNICA;
1.4. Porcentagem de Ocupação 1.4.1. Clínica Médica 1.4.2. Clínica Pediátrica 1.4.3. Clínica Cirúrgica 1.4.4. Clínica Obstétrica 1.4.5. UTI de Adultos 1.4.6. UTI Infantil 1.4.7. UTI Neonatal 1.4.8. Outros (Berçário) 1.4.9. Clínica Ortopédica 1.4.10. Outros Porcentagem Geral de Ocupação Jan 33% 9% 40% 36% 0% 0% 0% 57% 0% 0% 33% Fev 32% 23% 35% 35% 0% 0% 0% 35% 0% 0% 32% Mar 39% 18% 47% 31% 0% 0% 0% 52% 0% 0% 36% Abr 46% 24% 40% 29% 0% 0% 0% 68% 0% 0% 38% Mai 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Jun 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Jul 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Ago 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Set 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Out 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Nov 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Dez 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% TOTAL 150% 74% 162% 131% 0% 0% 0% 212% 0% 0%

COMENTÁRIO: O percentual de ocupação no mês de abril apresentou variação, onde podemos observar: Clínica Médica: maior tempo de permanência em virtude das patologias desta clínica, os quais normalmente demandam maior tempo de tratamento. Clinica Pediátrica: com o início do período de estiagem no Estado, a demanda de usuários com patologias sazonais tais como infecções das vias aéreas, influenciaram diretamente no percentual de ocupação dos leitos nesta clínica. Berçário Patológico: observa-se um aumento na taxa de ocupação, considerando que no mês de abril o berçário recebeu pacientes com maior grau de complexidade, o que pode estar também relacionado à falta de pediatra/neonatologista na sala de parto. Clínica Cirúrgica: a redução nas internações nesta especialidade no mês de abril, influenciaram diretamente na ocupação dos leitos.
8.1.5 – MÉDIA DE PERMANÊNCIA;
1.5. Média de Perm anência 1.5.1. Clínica Médica 1.5.2. Clínica Pediátrica 1.5.3. Clínica Cirúrgica 1.5.4. Clínica Obstétrica 1.5.5. UTI de Adultos 1.5.6. UTI Infantil 1.5.7. Uti Neonatal 1.5.8. Berçário Patológico 1.5.9. Clínica Ortopédica 1.5.10. Outros Média Geral de Permanência Jan 1,93 2,69 3,31 6,04 0 0 0 7,89 0 0 3,18 Fev 1,54 2,5 2,57 5,26 0 0 0 2,93 0 0 2,43 Mar 1,72 1,97 2,88 5,12 0 0 0 5,33 0 0 2,57 Abr 2,38 3,06 2,57 4,1 0 0 0 5,79 0 0 2,97 Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 7,57 10,22 11,33 20,52 0 0 0 21,94 0 0

COMENTÁRIO: observa-se o aumento na média de permanência no mês de abril, considerando o perfil das patologias das clínicas médica e pediátrica, os quais normalmente demandam maior tempo de tratamento. Página | 146

Clinica Pediátrica: com o início do período de estiagem no Estado, a demanda de usuários com patologias sazonais tais como infecções das vias aéreas, influenciaram diretamente no aumento do tempo de permanência. Berçário Patológico: podemos observar aumento na permanência dos pacientes deste setor, considerando que no mês de abril o berçário recebeu pacientes com maior grau de complexidade, a exemplo de um recém nascido do município de Colinas que esteve internado aproximadamente durante 50 dias.

8.1.6 – VOLUME CIRURGICO;
1.6. Volum e Cirúrgico 1.6.1. Cirurgias de Urgência 1.6.2. Cirurgias Eletivas Média Geral de Cirurgias Jan 44 52 96 Fev 24 61 85 Mar 34 98 132 Abr 44 66 110 Mai 0 0 0 Jun 0 0 0 Jul 0 0 0 Ago 0 0 0 Set 0 0 0 Out 0 0 0 Nov 0 0 0 Dez 0 0 0 TOTAL 146 277 423

COMENTÁRIO: A redução na quantidade de cirurgias no mês de abril está relacionada à ausência de dois cirurgiões, por motivo de férias e Licença Médica. Ainda, os dois feriados seguidos que ocorreram no mês de abril (Páscoa e aniversário do município de Guaraí) influenciaram negativamente na realização dos procedimentos cirúrgicos eletivos. Em contrapartida, houve um aumento nas cirurgias de urgência, o que pode estar relacionado às datas festivas do mês, o que leva a população a realizar viagens, e o fato do Hospital estar localizado em um município às margens da BR-153, faz com que a demanda seja direcionada para o mesmo.
8.1.6.3 – Nº DE CIRURGIAS POR PORTE;
1.6.3. Núm ero de Cirurgias por Porte 1.6.3.1. Cirurgias Grandes 1.6.3.2. Cirurgias Médias 1.6.3.3. Cirurgias Pequenas 1.6.3.4. Curetagens 1.6.3.5. Cesáreas Média Geral de Cirurgias por Porte Jan 18 14 28 32 4 96 Fev 15 6 47 2 15 85 Mar 23 18 58 5 28 132 Abr 17 20 31 4 38 110 Mai 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 TOTAL 73 58 164 43 85 423

COMENTÁRIO: A redução no número de cirurgias de grande e pequeno porte no mês de abril está relacionada principalmente à ausência de dois cirurgiões, por motivo de férias e Licença Médica, sendo que estes são os principais responsáveis pela realização de aproximadamente 70% deste segmento cirúrgico. Ressaltamos que os dois feriados seguidos que ocorreram no mês (Páscoa e aniversário do município de Guaraí) contribuíram para a queda da realização de procedimentos cirúrgicos eletivos.

Página | 147

8.1.6.4 – Nº. DE PARTOS POR TIPO;
1.6.4. Núm ero de partos por tipo 1.6.4.1. Normal 1.6.4.2. Cesariana 1.6.3.3. Outros Total de Partos Jan 20 32 0 52 Fev 13 24 0 37 Mar 17 30 0 47 Abr 12 38 0 50 Mai 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 TOTAL 62 124 0 186

COMENTÁRIO: O Hospital Regional Público de Guaraí apresenta um índice médio de 67% de partos cesáreos, o que é considerado muito elevado em relação ao preconizado pelo Ministério da Saúde, que é 30% do total de partos da unidade hospitalar. Estes dados podem estar relacionados ao fato do hospital não contar com médicos obstetras, sendo os partos realizados pelos plantonistas da clínica cirúrgica.
8.1.7 – SADT’S;
1.7.1. Laboratório Clínico 1.7.2. Anatomia Patológica 1.7.3. Radiologia 1.7.4. Eletrocardiografia 1.7.5. Fisioterapia (Sessões) 1.7.6. Hemodiálise(Sessões) 1.7.7. Hemodinâmica 1.7.8. Hemoterapia 1.7.9. Endoscopia 1.7.10. Ultrassonografia 1.7.11 Tomografia Computadorizada 1.7.12 Ressonancia Magnética 1.7.13 Mamografia 1.7.14 Citopatologia 1.7.15 Eletroencefalografia 1.7.16 Teste do Pezinho 1.7.17 Diversos 1.7.18 Teste Ergométrico Total 2230 2091 2818 2367 58 483 30 0 0 0 0 9 41 0 0 0 0 0 0 887 0 58 263 32 77 0 0 0 0 103 0 0 0 0 0 0 791 0 58 274 45 149 0 0 0 0 84 0 0 0 0 0 0 773 0 58 697 63 126 0 0 0 0 51 0 0 0 0 0 0 588 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 9506 232 1717 170 352 0 0 0 9 279 0 0 0 0 0 0 3039 0 15304

3738 3415 4201 3950

COMENTÁRIO: Por falta de continuidade na prestação de serviços de análises clínicas a partir da 1ª quinzena de março, houve a necessidade de contratação emergencial de outro prestador, gerando redução na quantidade de exames laboratoriais em relação ao mês de março, devido ao fato do novo prestador deste serviço, não estar estruturado adequadamente para cobertura do serviço durante 24 horas, o que está sendo ajustado. OBS.: Linha 1.7.17 – Diversos: Refere-se aos serviços de Fonoaudiologia e Psicologia

Página | 148

8.1.8 – AMBULATÓRIO;
1.8. Ambulatório 1.8.1. Consultas 1.8.2. Consultas com Procedimentos 1.8.3. Procedimentos 1.8.4. Procedimentos Cirúrgicos Total Jan 12 0 0 0 12 Fev 115 0 0 0 115 Mar 62 0 0 0 62 Abr 63 0 0 0 63 Mai 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 TOTAL 252 0 0 0 252

COMENTÁRIO: O Hospital Regional Público de Guaraí atende consultas nas especialidade de cardiologia, cirurgia geral e pediatria. Na especialidade de cardiologia, é referência em atendimento para os municípios que compõem a Região de Saúde Lobo Guará, entre outros. Na cirurgia geral, atende toda a demanda de consultas pré-cirúrgicas regulada pelos municípios da região acima citada. As consultas ambulatoriais na especialidade de pediatria, são restritas a egressos desta Unidade Hospitalar. Após reestruturação física realizada no ambulatório no decorrer do mês de março/2012, o qual dispunha de apenas um consultório, passou a contar com mais uma sala para atendimento.

8.1.9 – ATENDIMENTOS DE URGÊNCIA/EMERGÊNCIA;
1.9. Urgência/Emergência 1.9.1. Consultas 1.9.2. Consultas com Procedimentos 1.9.3. Procedimentos 1.9.4. Procedimentos Cirúrgicos Total Jan Fev Mar Abr Mai 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 TOTAL 11241 0 0 0 11241

2349 3134 2956 2802 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

2349 3134 2956 2802

COMENTÁRIO: O Hospital Regional Público de Guaraí possui plantonista durante 24 horas na urgência/emergência, contando também com atendimento cirúrgico. Os atendimentos giram em torno de 95 pacientes/dia. Observa-se que no mês de abril houve menor demanda para atendimento neste setor, considerando que um dos profissionais que normalmente é bastante procurado, está de licença médica, o que nos mostra que esta demanda não caracteriza o atendimento de urgência/emergência.

Página | 149

8.1.10 – RECURSOS HUMANOS ;
1.10. Recursos Humanos 1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total 28 99 12 9 20 168 Janeiro
S e s a u P ró 3º

Fevereiro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Março
T o t a l S e s a u P ró 3º T o t a l S e s a u P ró

Abril
3º T o tal

32 8 4 32 2 78

2 0 0 0 0 2

62 107 16 41 22 248

28 100 12 9 20 169

41 8 4 34 2 89

2 0 0 0 0 2

71 108 16 43 22 260

30 100 12 9 20 171

41 8 4 34 2 89

1 0 0 0 0 1

72 108 16 43 22 261

30 99 12 7 20 168

41 8 4 34 2 89

2 0 0 0 0 2

73 107 16 41 22 259

1.10. Recursos Humanos
S e s a u P ró

Maio

Junho
T o t a l S e s a u P ró 3º

Julho
T o t a l S e s a u P ró 3º

Agosto
T o t a l S e s a u P ró 3º T o tal

1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

1.10. Recursos Humanos 1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total 0 0 0 0 0 0

Setem bro
S e s a u P ró 3º

Outubro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Novem bro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Dezem bro
T o t a l S e s a u P ró 3º T o tal

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

OBS.: Linha 1.10.4 – Apoio - coluna SESAU, refere-se a servidores assistenciais das áreas de fisioterapia, fonoaudiologia, psicologia e serviço social. No mês de abril ocorreram duas substituições de colaboradores da Portaria, por pedido de desligamento.

Página | 150

8.1.11 – NEP
RELATÓRIO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO PERMANENTE HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE GUARAÍ ABRIL / 2012

CURSO

NÚMERO DE PARTICIPANTES

CARGA HORÁRIA

TOTAL DE HORAS

Estudo de casos clinicos Implantação do SAE Estudo de casos clinicos - Cuidados no monitoramento Marketing Pessoal Logistica hospitalar Enfermagem Cardiológica - noções fisiológicas Enfermagem Cardiológica - noções práticas Capacitação em eletrocardiograma FSCC/ Ficha Obstétrica MGES/ Cadastro de Produção
TOTAL
TOTAL DE HORAS NÚMERO TOTAL DE COLABORADORES DO HOSPITAL HORAS/HOMEM

6 115 6 11 12 15 15 7 5 3 195
612:30:00 254 2:24:41

02:00:00 03:00:00 02:00:00 04:00:00 05:00:00 04:00:00 04:00:00 00:30:00 02:00:00 02:00:00 04:30:00

12:00:00 345:00:00 12:00:00 44:00:00 60:00:00 60:00:00 60:00:00 3:30:00 10:00:00 6:00:00 612:30:00

HORAS DE TREINAMENTO

80 70 60 50 40 30 20 JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ DADOS QUALITATIVOS

Página | 151

O Hospital Regional Público de Guaraí apresentou crescimento no número de horas de Neste mês foram relizados cursos externos e internos, contudo, devido a não termos local apropriado para que ocorram os mesmos, conforme a própria solicitação dos servidores, acaba reduzindo o número de procura dos cursos oferecidos. treinamento. Tal situação foi o inicio de profissionais contratados e capacitados para ministrarem os cursos, além de uma introjeção da própria necessidade profissional de adequarem-se a normas e rotinas hospitalres dentro de uma mudança de postura em conjunto com a necessidade do mercado cada vez mais estar exigindo qualidade nos serviços prestados à comunidade. O fator multiplicador como ferramenta auxiliar dentro da própria instituição hospilar, não apenas como facilitador, mas sim, na troca de informações entre os próprios servidores, quer seja concursado, contratado ou como prestador de serviços, vislumbra-se tal aprimoramento pessoal e profissional. O NEP do Hospital Regional Público de Guaraí, tendo esta preocupação de estar oferecendo sempre um diferencial aos servidores, busca sempre estar ao par de novas perspectivas dentro do mercado laboral e, a partir destas premissas, atingir os objetivos propostos pela Instituição.

8.1.12 – CORPO CLÍNICO

O Corpo Clínico do Hospital Regional Público de Guaraí é composto por 22 médicos distribuídos da seguinte maneira: Urgência/Emergência: 14 médicos Cirurgias Urgência/emergência e eletivas: 04 Pediatria: 02 Cardiologia: 01 Oftalmologia: 01

8.2 - SAU 1. Registros de Opinião
Ocorrências Reclamações Sugestões Elogios Total de Questionários Queixas resolvidas Meta Contratual Meta Realizada Abril 2012 10 1 2 13 10 80% 100%

Página | 152

Houve uma redução nos números de reclamações em virtude da implementação de práticas de melhoria no atendimento ao paciente, como: -Triagem da Enfermagem por grau de prioridade; - Alteração da escala médica com substituição do médico plantonista; - Sensibilização médica no atendimento humanizado.

Hospital Regional Público de Guaraí
100,00 80,00 60,00 40,00 20,00 0,00 -20,00 AMBULATORIO (%) Fevereiro/2012 Março/2012 Abril/2012 Evolução do Período 81,06 90,05 90,34 11,45% INTERNAÇÃO (%) 91,92 91,20 91,97 0,05% PRONTO SOCORRO (%) 84,32 79,61 83,10 -1,45% 90,34 91,97 83,10

- Referente aos serviços de ambulatório: Os números confirmam ao empenho da equipe para oferecer serviços de qualidade aos usuários. - Internação: Referente ao mês de fevereiro, março e abril os números retratam o esforço da Direção e dos funcionários e a chegada da gerente de Enfermagem que tem somado para que o índice de insatisfação reduza e satisfação cresça. - Pronto Socorro: Por dia passam em média mais de 100 pacientes procurando atendimento na Urgência e Emergência do HRPG. E média desses 100 pacientes, 90 podem ser considerados, pacientes ambulatoriais. Ocorre que as Unidades Básicas de Saúde atendem uma quantidade muito pequena de pacientes (14 no período matutino e 14 no período vespertino). Essa demanda é totalmente abPágina | 153

sorvida pelo Hospital. Considerando o volume e o fato do hospital com perfil de atendimento de, Urgência/Emergência os pacientes caracterizados como tal, têm prioridades de atendimento. - SADT: Terminal em manutenção

8.3 – GERENCIAMENTO DE PROCESSOS
Implantação do gerenciamento de informações do setor de Faturamento: processo iniciado, realizados cadastros das tabelas e da equipe multiprofissional. O treinamento operacional com a equipe foi agendado para a semana de 07 à 09/05/2012. Pendência no Prontuário: Implantada estatística de prontuários entregues com pendências, visando levantar o total de não-conformidades, extratificando por tipo, clínica e profissional. Adequação do Arquivo de Prontuário: designado um colaborador para iniciar a organização e o devido arquivamento dos prontuários. Iniciado o processo de normatização para a elaboração das Instrução de Trabalho do setor de Atendimento.

8.4 – FATURAMENTO
4.1 - AIH (Quantitativo) 4.2 - Valores (em reais) 209 0,0 235 0,0 282 0,0 0 0,0 0 0,0 0 0,0 0 0,0 0 0,0 0 0,0 0 0,0 0 0,0 0 0,0 726 0,0

COMENTÁRIO: Percebe-se o aumento gradativo de AIH’s faturadas dentro do mês vigente, em virtude do envolvimento da equipe na resolução de pendências de prontuários, em conjunto com a Comissão de Prontuário e escriturárias de Ala, o que anteriormente não era prática e gerava acúmulo de AIH’s não faturadas e consequente perda do prazo para apresentação ao Datasus. A equipe está passando por capacitação para identificação de falhas no processo de faturamento, no intuito de aprimorar a devida cobrança dos prontuários.

Página | 154

8.5 – OBRAS E IMPLANTAÇÃO DE NOVOS SERVIÇOS
No mês de março/2012 foram concluídas as reformas da Fachada, da Urgência/Emergência e da Ala B desta unidade hospitalar, proporcionando assim, o aumento da oferta de leitos na especialidade de Clínica Médica à população. Iniciado o processo de climatização das enfermarias, o que proporcionará maior conforto, bem estar e satisfação aos usuários.

8.6 – EQUIPAMENTOS NOVOS
Foram adquiridos os equipamentos a seguir relacionados:
Data 08/03/2012 03/04/2012 NF 913 700 Quant 9 22 7 Descrição Purificador Água Soft Plus Aparelho de Ar Condicionado Split 7.000/9.000/ 12.000 btu's Aparelho de Ar Condicionado Split 18.000 btu's Valor Total 9.585,00 34.500,00 14.280,00

04/04/2012 595731

8.7 – COMISSÕES
Realizadas reuniões da Comissão de Revisão de Prontuários e CCIH, no dia 19 de abril. A Comissão de Revisão de Óbitos se reuniu no dia 30. Publicado por duas vezes, edital de convocação aos médicos do Corpo Clínico para formação de chapas a fim de concorrer à Comissão de Ética Médica. A eleição não foi realizada por falta de candidatos. Página | 155

Como medida preventiva para a manutenção da legalidade desta unidade hospitalar, foi protocolado junto ao Conselho Regional de Medicina, ofício solicitando parecer acerca das medidas cabíveis neste caso.

8.8 – OUTRAS INFORMAÇÕES
Realizamos em parceria com a Faculdade Guaraí – FAG e o Grupo Teatral Fenix, nos dias 26 e 27 de abril, a 1ª Campanha de Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial, evento que acontece em todo país e visa conscientizar as pessoas sobre a importância da prevenção e do combate a hipertensão arterial. Foram realizados 137 atendimentos, onde puderam ser identificados apenas 2% de hipertensos. Uma das atividades realizadas chamou a atenção de todos que passavam ou estavam no hospital nos dois dias de conscientização. Trata-se de uma peça teatral apresentada pelo ator e integrante do Grupo Teatral Fenix, Elenilson Oliveira, que com muita irreverência e espontaneidade apresentou o cotidiano de um Senhor de idade que era considerado muito chato e hipertenso assumido. O “velho hipertenso”, como o personagem era chamado, caminhou por todas as alas e setores do hospital, mostrando de forma muito divertida as consequências de uma vida sem o controle da doença.

Página | 156

PALAVRA DO DIRETOR GERAL DO HOSPITAL
Ao assumir a Diretoria do Hospital no dia 25 de abril/2012 foi possível perceber que os serviços estão sendo implantados objetivando melhorias na assistência ao usuário, através de levantamentos de necessidades e implantação das rotinas dos diversos setores. O Hospital dispõe de um corpo clínico deficitário no tocante à quantidade de profissionais em algumas especialidades, como por exemplo a pediatria, contando com apenas dois profissionais, o que contribui para a fragilização do serviço nesta especialidade, principalmente quando um deles está afastado por férias, licença, etc. A produtividade na especialidade de cirurgia geral depende basicamente de um profissional, sendo que os demais não possuem disponibilidade para realização de cirurgias eletivas. De forma geral, estou colocando-me a par de todo o funcionamento da Unidade Hospitalar, a fim de identificar as necessidades e contribuir para os devidos ajustes.

Página | 157

2.9 HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE ARRAIAS 2.9.1 METAS CONTRATUAIS

9.1 – INDICADORES DE PRODUÇÃO

9.1.1 – Nº DE LEITOS POR ESPECIALIDADE;

1.1. Leitos por Especialidade 1.1.1. Clínica Médica 1.1.2. Clínica Pediátrica 1.1.3. Clínica Cirúrgica 1.1.4. Clínica Obstétrica 1.1.5. UTI de Adultos 1.1.6. UTI Infantil 1.1.7. UTI Neonatal 1.1.8. Berçário 1.1.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Leitos

Jan 16 10 8 8 0 0 0 3 0 6 51

Fev 16 10 8 8 0 0 0 3 0 6 51

Mar 16 10 8 8 0 0 0 3 0 6 51

Abr 16 10 8 8 0 0 0 3 0 6 51

Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

TOTAL 64 40 32 32 0 0 0 12 0 24 204

COMENTÁRIO: A partir de dezembro/2011 o Hospital Regional Publico de Arraias reformatou o seu quadro de leitos frente a realidade atual da demanda absorvida. Hoje grande parte da nossa demanda é composta pelo paciente clinico tendo em vista que a unidade esta sem uma retaguarda cirúrgica.

9.1.2 – Nº. DE INTERNAÇÕES POR ESPECIALIDADE;
1.2. Internações por Especialidade 1.2.1. Clínica Médica 1.2.2. Clínica Pediátrica 1.2.3. Clínica Cirúrgica 1.2.4. Clínica Obstétrica 1.2.5. UTI de Adultos 1.2.6. UTI Inf antil 1.2.7. UTI Neonatal 1.2.8. Berçário 1.2.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Internações por especialidade Jan 124 13 9 9 0 0 0 0 0 0 155 Fev 131 18 16 16 0 0 0 0 0 0 181 Mar 154 17 11 9 0 0 0 0 0 0 191 Abr 129 15 14 4 0 0 0 0 0 0 162 Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 538 63 50 38 0 0 0 0 0 0 689

COMENTÁRIO: O Hospital Regional Publico de Arraias tem o foco direcionado para a demanda clinica e junto a Página | 158

secretaria de saúde do estado de Tocantins estamos pleiteando subsídios para contratação de um anestesista para reestabelecer o fluxo cirúrgico na unidade

9.1.3 – Nº. DE SAÍDOS POR ESPECIALIDADE

1.3. Nº. de saídos por especialidade 1.3.1. Clínica Médica 1.3.2. Clínica Pediátrica 1.3.3. Clínica Cirúrgica 1.3.4. Clínica Obstétrica 1.3.5. UTI de Adultos 1.3.6. UTI Infantil 1.3.7. UTI Neonatal 1.3.8. Berçário 1.3.9. Clínica Ortopédica 1.3.10. Outros Total de saídos por especialidade

Jan 131 16 12 10 0 0 0 0 0 0 169

Fev 120 12 15 18 0 0 0 0 0 0 165

Mar 128 35 21 18 0 0 0 0 0 0 202

Abr 115 22 10 9 0 0 0 0 0 0 156

Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

TOTAL 494 85 58 55 0 0 0 0 0 0 692

COMENTÁRIO: Ao assumirmos a gestão identificamos que o histórico do hospital gerava uma demanda de 150 pacientes saídos, porem com as ações de gestão implementadas conseguimos atingir um numero superior de saídos. Este trabalho vem sendo desenvolvido mês a mês sempre com o foco voltado a nossa meta contratual preconizando uma população melhor tratada em um bom padrão de qualidade.

9.1.4 – PERCENTUAL DE OCUPAÇÃO POR CLÍNICA;

1.4. Porcentagem de Ocupação 1.4.1. Clínica Médica 1.4.2. Clínica Pediátrica 1.4.3. Clínica Cirúrgica 1.4.4. Clínica Obstétrica 1.4.5. UTI de Adultos 1.4.6. UTI Infantil 1.4.7. UTI Neonatal 1.4.8. Outros (Berçário) 1.4.9. Clínica Ortopédica 1.4.10. Outros

Jan 53% 11% 14% 9% 0% 0% 0% 0% 0% 0%

Fev 59% 7% 18% 15% 0% 0% 0% 0% 0% 0%

Mar 68% 15% 16% 10% 0% 0% 0% 0% 0% 0%

Abr 56% 11% 13% 4% 0% 0% 0% 0% 0% 0%

Mai 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0%

Jun 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0%

Jul 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0%

Ago 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0%

Set 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0%

Out 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0%

Nov 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0%

Dez 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0%

TOTAL 236% 43% 60% 38% 0% 0% 0% 0% 0% 0%

COMENTÁRIO: Os números demonstram que a ocupação hospitalar gira em torno de 55% mês sendo que grande parte dessa demanda são de pacientes da clinica medica.

Página | 159

9.1.5 – MÉDIA DE PERMANÊNCIA;
1.5. Média de Perm anência 1.5.1. Clínica Médica 1.5.2. Clínica Pediátrica 1.5.3. Clínica Cirúrgica 1.5.4. Clínica Obstétrica 1.5.5. UTI de Adultos 1.5.6. UTI Infantil 1.5.7. Uti Neonatal 1.5.8. Outros 1.5.9. Clínica Ortopédica 1.5.10. Outros Média Geral de Permanência Jan 1,82 1,89 2,83 2 0 0 0 0 0 0 1,9 Fev 1,99 1,58 2,56 1,94 0 0 0 0 0 0 2,01 Mar 2,37 1,29 1,9 1,25 0 0 0 0 0 0 2,05 Abr 2,14 1,5 3,1 1 0 0 0 0 0 0 2,04 Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 8,32 6,26 10,39 6,19 0 0 0 0 0 0

COMENTÁRIO: Temos uma media de permanência de 2 dois dias o que demonstra a baixa complexidade no perfil diagnostico do nosso paciente.

9.1.6 – VOLUME CIRURGICO
1.6. Volum e Cirúrgico 1.6.1. Cirurgias de Urgência 1.6.2. Cirurgias Eletivas Média Geral de Cirurgias Jan 20 0 20 Fev 24 0 24 Mar 22 0 22 Abr 20 0 20 Mai 0 0 0 Jun 0 0 0 Jul 0 0 0 Ago 0 0 0 Set 0 0 0 Out 0 0 0 Nov 0 0 0 Dez 0 0 0 TOTAL 86 0 86

COMENTÁRIO: Atualmente o foco da unidade hospitalar é reestabelecer o fluxo cirúrgico, porem para que consigamos atingir este marco, algumas ações estão sendo implementadas e serão necessários alguns investimentos como a contratação de um anestesista e um cirurgião.
9.1.6.3 – Nº DE CIRURGIAS POR PORTE;
1.6.3. Núm ero de Cirurgias por Porte 1.6.3.1. Cirurgias Grandes 1.6.3.2. Cirurgias Médias 1.6.3.3. Cirurgias Pequenas 1.6.3.4. Curetagens 1.6.3.5. Cesáreas Média Geral de Cirurgias por Porte Jan 0 7 5 0 8 20 Fev 3 2 7 3 9 24 Mar 2 2 15 2 1 22 Abr 2 2 11 1 4 20 Mai 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 TOTAL 7 13 38 6 22 86

COMENTÁRIO: Os números refletem a o perfil do hospital (baixa e media complexidade), porem temos algumas cirurgias de grande porte (Histerectomia) que clinicamente a Diretoria Técnica entendeu que poderiam ser realizadas nesta unidade Hospitalar.

Página | 160

9.1.6.4 – Nº. DE PARTOS POR TIPO
1.6.4. Núm ero de partos por tipo 1.6.4.1. Normal 1.6.4.2. Cesariana 1.6.3.3. Outros Jan 3 8 0 Fev 12 9 0 Mar 9 2 0 Abr 6 4 0 Mai 0 0 0 Jun 0 0 0 Jul 0 0 0 Ago 0 0 0 Set 0 0 0 Out 0 0 0 Nov 0 0 0 Dez 0 0 0 TOTAL 30 23 0

9.1.7 – SADT’S
1.7. SADT 1.7.1. Laboratório Clínico 1.7.2. Anatomia Patológica 1.7.3. Radiologia 1.7.4. Eletrocardiografia 1.7.5. Fisioterapia (Sessões) 1.7.6. Hemodiálise(Sessões) 1.7.7. Hemodinâmica 1.7.8. Hemoterapia 1.7.9. Endoscopia 1.7.10. Ultrassonografia 1.7.11 Tomografia Computadorizada 1.7.12 Ressonancia Magnética 1.7.13 Mamografia 1.7.14 Citopatologia 1.7.15 Eletroencefalografia 1.7.16 Teste do Pézinho 1.7.17 Diversos 1.7.18 Teste Ergométrico Jan Fev Mar Abr Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 8732 9 1161 0 407 0 0 0 0 318 0 0 0 0 0 0 41 0

2039 2226 2245 2222 4 268 0 72 0 0 0 0 40 0 0 0 0 0 0 6 0 1 284 0 80 0 0 0 0 89 0 0 0 0 0 0 12 0 1 341 0 120 0 0 0 0 65 0 0 0 0 0 0 7 0 3 268 0 135 0 0 0 0 124 0 0 0 0 0 0 16 0

COMENTÁRIO: A variação dos exames esta atrelado diretamente ao perfil diagnostico do nosso paciente.
9.1.8 – AMB ULATÓRIO
1.8. Ambulatório 1.8.1. Consultas 1.8.2. Consultas com Procedimentos 1.8.3. Procedimentos 1.8.4. Procedimentos Cirúrgicos Total Jan 0 0 0 0 0 Fev 217 0 0 0 217 Mar 240 0 0 0 240 Abr 261 0 0 0 261 Mai 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 TOTAL 718 0 0 0 718

COMENTÁRIO: A demanda ambulatorial é composta por duas especialidades (ortopedia/urologia). Consequentemente temos uma demanda ortopédica bem elevada frente a especialidade de urologia. No mês de Abril/2012, fica demonstrado o aumento 8,75% nos pacientes ambulatoriais (ortopedia compreende a maior demanda), sendo as principais causas: acidentes domésticos automobilísticos, queda da própria altura dentre outros.
9.1.9 – ATENDIMENTOS DE URGÊNCIA/EMERGÊNCIA

Página | 161

1.9. Urgência/Emergência 1.9.1. Consultas 1.9.2. Consultas com Procedimentos 1.9.3. Procedimentos 1.9.4. Procedimentos Cirúrgicos Total

Jan

Fev

Mar

Abr

Mai 0 0 0 0 0

Jun 0 0 0 0 0

Jul 0 0 0 0 0

Ago 0 0 0 0 0

Set 0 0 0 0 0

Out 0 0 0 0 0

Nov 0 0 0 0 0

Dez 0 0 0 0 0

TOTAL 5787 0 0 86 5873

1590 1284 1532 1381 0 0 20 0 0 24 0 0 22 0 0 20

1610 1308 1554 1401

COMENTÁRIO: O Serviço de Urgência na unidade, representam o grande avanço na forma justa de atendimento, preconizando a gravidade do paciente, porem temos evidencia que a grande demanda ainda é concentrada em casos não urgentes e pouco urgente. Os pacientes não urgentes e pouco urgentes representam pacientes sem gravidade que podem ter um tempo de espera para atendimento médico maior que o paciente urgente, mas que merecem monitoramento constante. Vale ressaltar que pacientes não urgente e pouco urgente fazem parte da grande media do nosso volume mensal de atendimentos que deveriam ser assistidos pelas Unidades Básicas de Saúde reduzindo assim o fluxo de pacientes no Pronto Atendimento, focando os atendimentos a pacientes com gravidades.

Página | 162

9.1.10 – RECURSOS HUMANOS
1.10. Recursos Humanos 1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total 29 73 11 11 12 136 Janeiro
S e s a u P ró 3º

Fevereiro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Março
T o t a l S e s a u P ró 3º T o t a l S e s a u P ró

Abril
3º T o tal

20 2 2 26 0 50

0 0 0 0 0 0

49 75 13 37 12 186

22 73 11 11 12 129

20 2 2 33 0 57

0 0 0 0 0 0

42 75 13 44 12 186

24 73 12 11 12 132

20 2 2 32 0 56

0 0 0 0 0 0

44 75 14 43 12 188

24 73 12 11 12 132

20 3 2 33 0 58

0 0 0 0 0 0

44 76 14 44 12 190

1.10. Recursos Humanos
S e s a u P ró

Maio

Junho
T o t a l S e s a u P ró 3º

Julho
T o t a l S e s a u P ró 3º

Agosto
T o t a l S e s a u P ró 3º T o tal

1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

1.10. Recursos Humanos 1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total 0 0 0 0 0 0

Setem bro
S e s a u P ró 3º

Outubro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Novem bro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Dezem bro
T o t a l S e s a u P ró 3º T o tal

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

X.1.11 – NEP

RELATÓRIO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO PERMANENTE HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE ARRAIAS Abril-2012
CURSO Treinamento Educação Médica Continuda:Suporte Avançado Obstetricia. Curso Onlaine: Cuidado do Paciente Doente Processos Gerenciais Protocolo de atendimento: Vitimas de violência Sexual/Parturiente Treinamento SISREG III Treinamento Gertec NÚMERO DE PARTICIPANTES 3 8 1 7 1 1 0 0 CARGA HORÁRIA 16:00:00 02:00:00 04:00:00 02:00:00 08:00:00 02:00:00 00:00:00 00:00:00 TOTAL DE HORAS 48:00:00 16:00:00 4:00:00 14:00:00 8:00:00 2:00:00 0:00:00 0:00:00

Página | 163

TOTAL
TOTAL DE HORAS NÚMERO TOTAL DE COLABORADORES DO HOSPITAL HORAS/HOMEM

0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 21 92:00:00 188 0:29:22

00:00:00 00:00:00 00:00:00 00:00:00 00:00:00 00:00:00 00:00:00 00:00:00 00:00:00 00:00:00 00:00:00 00:00:00 00:00:00 34:00:00

0:00:00 0:00:00 0:00:00 0:00:00 0:00:00 0:00:00 0:00:00 0:00:00 0:00:00 0:00:00 0:00:00 0:00:00 0:00:00 92:00:00

HORAS DE TREINAMENTO
0:00:00 JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ DADOS QUALITATIVOS

Divulgação as Setores dos Cursos da Ações de Capacitação 2012. Participação nos Jogos Estudantis do Tocantins . Participação com Barraca da Saúde na1ªFLIT Feira de Literatura do Tocantins com os Temas: Conheça o Hospital Regional de Arraias e Dicas de Saúde.

9.1.12 – CORPO CLÍNICO

Atualmente temos evidenciado a algumas faltas do corpo clinico que estão sendo justificada através de atestados medico. Frente a esta questão reuniões estão sendo realizadas com a diretoria técnica para que possamos atuar efetivamente neste problemática. A falta de assiduidade do corpo clinico já é de conhecimento do núcleo gestor (órgão fiscalizador do contrato) para que este nos auxilie na condução destas questões. Estamos agendando uma reunião com um representante Técnico da pro saúde para que este posa nos dar um suporte para auxiliar a unidade neste quesito.

Página | 164

9.2 - SAU

Durante o período, houveram três (03) registros de Elogios por parte dos usuários. Nos elogios os usuários demonstram um índice de satisfação positiva no setor de internação.
Ocorrências Reclamações Sugestões Elogios Total de Questionários Queixas resolvidas Meta Contratual Meta Realizada 03 03 Abril 2012

2. Índices de Satisfação
Os gráficos abaixo apresentam uma evolução nos índices de satisfação dos usuários.

Hospital Regional Público de Arraias
120,00 100,00 80,00 60,00 40,00 20,00 0,00 -20,00 AMBULATORIO (%) 79,12 83,74 89,24 12,79% INTERNAÇÃO (%) 90,71 88,26 96,40 6,27% PRONTO SOCORRO (%) 89,37 78,99 81,40 -8,92% 89,24 96,40 81,40 89,87

SADT (%) 0,00 83,19 89,87 8,03%

Fevereiro/2012 Março/2012 Abril/2012 Evolução do Período

Estes resultados só foram possíveis ser alcançados graças a interação e o comprometimento de todos os servidores do hospital que trabalham diretamente com o atendimento do usuário
Página | 165

9.3 – GERENCIAMENTO DE PROCESSOS

Diretoria; • • Reuniões periódicas com a secretaria de saúde do Estado do Tocantins buscando soluções e viabilidades para a unidade hospitalar; Reuniões periódicas com a equipe de gestão da unidade buscando alinhar os melhores fluxos e processos para unidade; Equipe Assistencial: SUPORTE TÉCNICO • • • • • • • • • • • Acompanhamento do processo de esterilização, garantindo a qualidade nos procedimentos cirúrgicos, diminuindo os focos de infecção hospitalar; Acompanhamento do fluxo de distribuição de materiais e medicamentos no pronto socorro, posto de enfermagem e centro cirúrgico, diminuindo os gastos e desperdícios com a dispensação individual; Implantação do Sistema de identificação do paciente, evitando assim as possíveis falhas na administração de medicamentos entre outros cuidados pela equipe de enfermagem; Reestruturação da Comissão de Infecção Hospitalar; Planejamento para implantação da Comissão de Curativos Seguimento na educação continuada aos servidores capacitações/treinamentos, qualificando, valorizando, dentro do ambiente hospitalar; Acompanhamento no fluxo de pessoas dentro do Hospital de acordo com as normas padronizadas; Reuniões mensais com a equipe de enfermagem onde se avalia os problemas Apresentados/surgidos no dia-a-dia, propondo soluções e sugestões para a melhoria da assistência; Elaboração de controle da frequência de servidores ao trabalho, evitando desgaste ou sobrecarga de trabalho; Inicio de planejamento para acompanhamento do estado de saúde do servidor como, exames periódicos, na intenção de diminuição de faltas e atestados médicos; ASSISTÊNCIA AO PACIENTE • Mantido e reforçado a orientação com relação à importância do aleitamento materno exclusivo (AME) às puérperas, e, continuidade na busca pelo título Hospital Amigo da Criança; Página | 166

• • • •

Apoio ao usuário do HRPA de uma equipe multiprofissional: assistente social, psicólogo, nutricionistas, fonoaudiólogo, fisioterapeuta, oportunizando aos mesmos uma assistência de qualidade; Reformas de mobiliários quebrados como leitos adulto, cadeiras, berços, criados, criados, proporcionando conforto ao usuário durante permanência no decorrer do seu tratamento; Acompanhamento do uso de materiais de excelência, monitorando os acidentes de trabalho ocorridos na unidade assim como os índices de infecções; Controle na distribuição de lençóis, otimizando de maneira mais ampla o uso dos mesmos, controlando a rouparia do HRPA e conforto ao usuário.

Setor Financeiro: • Controle das notas fiscais por setor visando que cada nota fiscal que entra no hospital é vistoriada rigorosamente pelo setor financeiro, validada e dado seus destinos para pagamento. Controle em arquivo escrito e digital. • Controle das notas de Abastecimento de gases. Como é relativamente grande o consumo de gases industriais no hospital, temos atualizado o controle de notas fiscais, quantidade dos produtos e valores por produto. • Controle de cheques emitidos Para maior segurança das atividades financeiras realizadas, pagamentos e prestação de contas, o setor de finanças mantém atualizado o controle de cheques emitidos, tanto em canhotos quanto em arquivo digital. • Controle de contas de Água e Energia - Visando o consumo consciente dos recursos hidro-energéticos, temos os controles estatísticos destas contas para termos consciência do consumo e poder em tempo oportuno, reclamar ou acionar a empresa fornecedora Setor de SHL e SPR: • Reunião com os colaboradores do setor SHL e SPR com o objetivo Harmonia no ambiente de trabalho e a importância da Limpeza Terminal no término das cirurgias. Setor de Nutrição: • Treinamento "Boas Práticas" para funcionários (mais novos) com o intuito de capacitar estes colaboradores no cumprimento dos processos e a melhora no desempenho. Logistica: • Formatação e padronização com as áreas dos pedido de compras de gêneros alimentícios;

Página | 167

Extração e elaboração de relatórios gerencias evidenciando a real posição do estoque da unidade hospitalar.

9.4 – FATURAMENTO

4.1 - AIH (Quantitativo) 4.2 - Valores (em reais)

131 29.675,1

132

160

104

0 0,0

0 0,0

0 0,0

0 0,0

0 0,0

0 0,0

0 0,0

0

527

30.337,0 43.187,1 27.415,4

0,0 130614,6

COMENTÁRIO: No dia 25/04/2012 foi realizado na cidade de Palmas – Tocantins o treinamento com o colaborador Ambrósio Bispo de Moura no local Complexo Regulador da SESAU, abordando o Sistema SISREG (Sistema Nacional de Regulação), o sistema é online e foi criado para gerenciamento de todo complexo regulador, indo da rede básica a internet Hospitalar, visando a Humanização dos serviços, maior controle do fluxo e otimização na utilização dos recursos. O servidor recebeu instruções de manuseio e execução do sistema SISREG, na primeira etapa aprendeu a solicitar a internação, com cadastro dos pacientes, solicitação hospitalar, solicitação do procedimento do diagnostico da internação, segundo o colaborador o curso foi básico e objetivo. Foi um treinamento básico, mais que irá além de ajudar o desempenho do hospital, agilizará o faturamento, terá maior controle do fluxo na utilização dos recursos. Hoje a variação identificada no faturamento das AIHs esta relacionada a demanda de atendimentos e a padronização dos processos por partes do coro clinico o que em vezes acaba burocratizando o processo.

9.6 – OBRAS E IMPLANTAÇÃO DE NOVOS SERVIÇOS

No mês de Abril/2012 a unidade hospitalar não realizou nenhuma obra ou implementação de novos serviços tendo em vista a não disponibilidade de fluxo financeiro para tais realizações.

9.7 – EQUIPAMENTOS NOVOS

Devido a não disponibilidade de recurso financeiro a unidade não realizou nenhum investimento em equipamento, apenas a manutenção preventiva dos que são de posse da unidade.

9.8 – COMISSÕES:

COMISSÃO DE ÓBITOS • • Levantamento de óbitos ocorridos no mês de abril de 2012. Diagnósticos dos óbitos. Página | 168

COMISSÃO DE PRONTUÁRIO • • • Análise de prontuário Parecer favorável após recebimento de oficio foi assinado os prontuários atrasados. A falta nos prontuários da ficha de laudo para solicitação de autorização de internação hospitalar.

FARMÁCIA TERAPÊUTICA • • • Discussão da avaliação e gerenciamento das notificações de efeitos adversos decorrente ao uso de medicamentos. Cobrança a coordenação de enfermagem a conciliar montagem dos carros de emergências do pronto-socorro e posto de enfermagem. Cobrança aos médicos para conclusão da revisão dos fios cirúrgicos.

COMISSAO CCIH • • • • • • • • • • • • • Avaliar o desempenho de eficácia de autoclave; Capacitação dos servidores da higienização e conservação; Certificar do uso das técnicas corretas; Certificar-se mensalmente da eficácia da autoclave; Fazer agendamento de reunião mensal de forma mais antecipada; Fazer levantamento de todos os funcionários para verificar cartão de vacinas; Fazer revisão em aparelhagem do centro cirúrgico (ver empresa responsável); Identificar pontos deficientes na unidade que possam ser fontes de IH Instalação de lixeiras com tampa de metal pelos corredores da unidade; Késia e Silvia também farão parte da comissão por desejarem instalar comissão de curativos; Levantamento trimestral de cirurgias e os casos de IH ocorridos no período; Reforçar a equipe com relação à importância da lavagem das mãos; Tatiany faz parte da comissão por ser responsável do bloco cirúrgico; Ter protocolo de acidentes com materiais perfuro-cortantes;

Página | 169

PALAVRA DO DIRETOR GERAL DO HOSPITAL

Todos os serviços prestados pela PRÓ-SAÚDE foram desenvolvidos exclusivamente através do Sistema Único de Saúde- SUS. O Pronto Atendimento da unidade realizou 1381consultas, inferior em 10,93% comparada ao mês de março que teve 1532 atendimentos. No mês de Abril/2012, fica demonstrado o aumento 8,75% nos pacientes ambulatoriais em nossas duas especialidades (ortopedia/urologia), sendo as principais causas: acidentes domésticos automobilísticos, queda da própria altura dentre outros. Outra especialidade com evolução crescente foi a de clinica pediátrica que tem uma media de 22 internações mês. Na clinica medica obteve-se o comportamento inverso, ou seja, a demanda caiu 19,38% frente ao mês anterior, no entanto mudando o perfil por faixa etária tendo como principais causas de atendimento são: doenças infecto-respiratórias, AVC, pneumonias, cirúrgicas entre outras. No entanto apesar da manutenção da demanda desta especialidade tivemos incremento de pacientes mais graves ou que aumento a complexidade da Unidade que elevou o aumento das transferências em 5%. Vale ressaltar que nos casos de Alto Risco, foram transferidos para Hospitais referenciados de Porto Nacional, Gurupi e Dianópolis deixando apenas os casos extremos para HGP, contribuindo assim para desafogar a unidade de Palmas. Com relação as compras aquisições e investimentos, continuamos negociando prazos de vencimentos com fornecedores e Serviços de Terceiros customizando recursos para unidade. E importante ressaltar que estas renegociações de prazos de pagamentos vêm gerando insatisfações por parte dos Prestadores destes Serviços e Fornecedores o que coloca em risco a continuidade destes serviços essenciais a operação da unidade Hospitalar. Em síntese, adentramos o segundo trimestre/2012 em pleno funcionamento consolidando o foco de gestão na excelência assistencial com humanização, respeito e dedicação à comunidade Arraiana. Buscamos nesse período, os ajustes necessários que visam prestar a melhor assistência ao paciente através de equipes médicas qualificada e multidisciplinares e o corpo de enfermagem com perfil de emergência que garanta a segurança do atendimento nos casos de maior ou menor complexidade, tornando isso fato através da satisfação do Usuário conforme demonstrado nos índices do SAU, o que é um desafio imenso por tratar-se de um Pronto Atendimento de baixa complexidade, mas que atende a todos que procuram independente da gravidade.

Página | 170

O resultado da qualidade dessa Gestão Assistencial fica demonstrado através dos quase 90% de aprovação pelos Usuários, consolidando esse modelo que prisma pela segurança técnica, administrativa e humanizada. Embora os recursos limitados, otimizamos tais recursos ao máximo para atender na integra toda a população com material médico e medicamentos de qualidade garantindo o tratamento adequado e eficaz ao paciente. Implantamos Comissões Assistenciais que muito vieram a agregar nos trabalhos multidisciplinares, integrando todas as equipes administrativas e assistenciais. Apesar da evolução no modelo proposto de gestão, ainda encontramos dificuldades por vezes da com a falta de acessibilidade da secretaria de saúde em atender nossas demandas através dos ofícios enviados e também pela escassez de recurso financeiro que por vezes nos deixa de mãos atadas. Como é de conhecimento de todos, esta Unidade é de baixa complexidade e com orçamento para atender a demanda planejada. Sabemos que a vida não tem preço, mas a recuperação da saúde do ser humano de maneira eficaz tem alto custo no Brasil. Assim posto, apesar das dificuldades, entendo ter atingido grande parte das nossas metas/objetivos que é de prestar atendimento com qualidade, humanização, dignidade e respeito aos nossos usuários, utilizando todos os recursos de forma eficaz.

2.10 HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE DOENÇAS TROPICAIS 2.10.1 METAS CONTRATUAIS

10.1 – INDICADORES DE PRODUÇÃO

10.1.1 – Nº DE LEITOS POR ESPECIALIDADE;
1.1. Leitos por Especialidade 1.1.1. Clínica Médica 1.1.2. Clínica Pediátrica 1.1.3. Clínica Cirúrgica 1.1.4. Clínica Obstétrica 1.1.5. UTI de Adultos 1.1.6. UTI Infantil 1.1.7. UTI Neonatal 1.1.8. Berçário 1.1.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Leitos Jan 36 15 0 0 0 0 0 0 0 0 51 Fev 36 15 0 0 0 0 0 0 0 0 51 Mar 36 15 0 0 0 0 0 0 0 0 51 Abr 36 15 0 0 0 0 0 0 0 0 51 M ai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 144 60 0 0 0 0 0 0 0 0 204

COMENTÁRIO: Não houve variações nos números de leitos por especialidade. Página | 171

10.1.2 – Nº. DE INTERNAÇÕES POR ESPECIALIDADE;
1.2. Internações por Especialidade 1.2.1. Clínica Médica 1.2.2. Clínica Pediátrica 1.2.3. Clínica Cirúrgica 1.2.4. Clínica Obstétrica 1.2.5. UTI de Adultos 1.2.6. UTI Infantil 1.2.7. UTI Neonatal 1.2.8. Berçário 1.2.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Internações por especialidade Jan 114 46 0 0 0 0 0 0 0 0 160 Fev 96 49 0 0 0 0 0 0 0 0 145 Mar 98 46 0 0 0 0 0 0 0 0 144 Abr 79 40 0 0 0 0 0 0 0 0 119 Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 387 181 0 0 0 0 0 0 0 0 568

COMENTÁRIO: Os números de internação mostram uma tendência de queda devido a sazonalidade dos atendimentos do Hospital, porém em relação ao ano anterior podemos observar um aumento de 10% no quadrimestre, passando de 515 internações em 2011 para 568 internações em 2012.

10.1.3 – Nº. DE SAÍDOS POR ESPECIALIDADE
1.3. Nº. de saídos por especialidade 1.3.1. Clínica Médica 1.3.2. Clínica Pediátrica 1.3.3. Clínica Cirúrgica 1.3.4. Clínica Obstétrica 1.3.5. UTI de Adultos 1.3.6. UTI Infantil 1.3.7. UTI Neonatal 1.3.8. Berçário 1.3.9. Clínica Ortopédica 1.3.10. Outros Total de Internações por especialidade Jan 98 49 0 0 0 0 0 0 0 0 147 Fev 103 40 0 0 0 0 0 0 0 0 143 Mar 99 45 0 0 0 0 0 0 0 0 144 Abr 90 38 0 0 0 0 0 0 0 0 128 Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 390 172 0 0 0 0 0 0 0 0 562

COMENTÁRIO: Podemos observar que no mês de abril houve uma redução significativa no número de saídos o que se dá principalmente pela sazonalidade nos atendimentos do hospital. Devido a redução de saídos no mês de abril não conseguimos bater a meta de 580 saídos no quadrimestre, atingindo 562 saidos, o que representa 97% da meta contratual. Em relação ao ano de 2011 houve um aumento de 7% passando de 525 saídos no primeiro quadrimestre para 562 saídos em 2012.

Página | 172

10.1.4 – PERCENTUAL DE OCUPAÇÃO POR CLÍNICA;
1.4. Porcentagem de Ocupação 1.4.1. Clínica Médica 1.4.2. Clínica Pediátrica 1.4.3. Clínica Cirúrgica 1.4.4. Clínica Obstétrica 1.4.5. UTI de Adultos 1.4.6. UTI Infantil 1.4.7. UTI Neonatal 1.4.8. Outros (Berçário) 1.4.9. Clínica Ortopédica 1.4.10. Outros Porcentagem Geral de Ocupação Jan 66% 79% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 70% Fev 72% 80% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 74% Mar 68% 72% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 69% Abr 58% 79% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 64% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez TOTAL 66% 77% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 69%

COMENTÁRIO: A ocupação reduziu na clinica médica no mês de abril devido a redução das internações como podemos observar nas tabelas anteriores. Porém quando analisamos em relação ao ano anterior podemos notar um aumento na taxa de ocupação geral passando de 61,5% em 2011 para 69% em 2012.

10.1.5 – MÉDIA DE PERMANÊNCIA;

1.5. Média de Perm anência 1.5.1. Clínica Médica 1.5.2. Clínica Pediátrica 1.5.3. Clínica Cirúrgica 1.5.4. Clínica Obstétrica 1.5.5. UTI de Adultos 1.5.6. UTI Infantil 1.5.7. Uti Neonatal 1.5.8. Outros 1.5.9. Clínica Ortopédica 1.5.10. Outros Média Geral de Permanência

Jan 7,48 7,54 0 0 0 0 0 0 0 0 7,5

Fev 7,31 8,65 0 0 0 0 0 0 0 0 7,69

Mar 7,71 7,4 0 0 0 0 0 0 0 0 7,61

Abr 6,91 9,34 0 0 0 0 0 0 0 0 7,63

Mai

Jun

Jul

Ago

Set

Out

Nov

Dez

TOTAL 7,35 8,23

0 0 0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0 0 0

0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 7,61

COMENTÁRIO: Podemos observar uma redução na média de permanência na clinica médica e um aumento na clínica pediátrica podendo ser justificada pelos problemas encontrados na realização de exames diagnósticos o que aumenta a permanência dos pacientes.

Página | 173

10.1.6 – VOLUME CIRURGICO
10.1.6.1 – Nº DE CIRURGIAS ELETIVAS;

1.6. Volum e Cirúrgico 1.6.1. Cirurgias de Urgência 1.6.2. Cirurgias Eletivas Média Geral de Cirurgias

Jan 0 55 55

Fev 0 51 51

Mar 0 44 44

Abr 0 42 42

Mai 0 0 0

Jun 0 0 0

Jul 0 0 0

Ago 0 0 0

Set 0 0 0

Out 0 0 0

Nov 0 0 0

Dez 0 0 0

TOTAL 0 192 192

COMENTÁRIO: O hospital não possui bloco cirúrgico, apenas uma sala para pequenos procedimentos.
10.1.6.2 – Nº DE CIRURGIAS POR PORTE;

1.6.3. Núm ero de Cirurgias por Porte 1.6.3.1. Cirurgias Grandes 1.6.3.2. Cirurgias Médias 1.6.3.3. Cirurgias Pequenas 1.6.3.4. Curetagens 1.6.3.5. Cesáreas Média Geral de Cirurgias por Porte

Jan 0 0 55 0 0 55

Fev 0 0 51 0 0 51

Mar 0 0 44 0 0 44

Abr 0 0 42 0 0 42

Mai 0 0 0 0 0 0

Jun 0 0 0 0 0 0

Jul 0 0 0 0 0 0

Ago 0 0 0 0 0 0

Set 0 0 0 0 0 0

Out 0 0 0 0 0 0

Nov 0 0 0 0 0 0

Dez 0 0 0 0 0 0

TOTAL 0 0 192 0 0 192

COMENTÁRIO: São realizadas apenas pequenas cirurgias, principalmente dermatológicas.
10.1.6.3 – Nº. DE PARTOS POR TIPO
1.6.3. Núm ero de Partos 1.6.3.1. Normal 1.6.3.2. Cesáreas 1.6.3.3. Outros Média Geral de Partos Jan 0 0 0 0 Fev 0 0 0 0 Mar 0 0 0 0 Abr 0 0 0 0 Mai 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 TOTAL 0 0 0 0

COMENTÁRIO: O Hospital não realiza partos.

Página | 174

10.1.7 – SADT’S

1.7. SADT 1.7.1. Laboratório Clínico 1.7.2. Anatomia Patológica 1.7.3. Radiologia 1.7.4. Eletrocardiografia 1.7.5. Fisioterapia (Sessões) 1.7.6. Hemodiálise(Sessões) 1.7.7. Hemodinâmica 1.7.8. Hemoterapia 1.7.9. Endoscopia 1.7.10. Ultrassonografia 1.7.11 Tomografia Computadorizada 1.7.12 Ressonancia Magnética 1.7.13 Mamografia 1.7.14 Citopatologia 1.7.15 Eletroencefalografia 1.7.16 Teste do Pézinho 1.7.17 Diversos 1.7.18 Teste Ergométrico 1.7.19 Outros ( especificar) Ecocardigrafia Total

Jan

Fev

Mar

Abr

Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

TOTAL 29226 163 847 233 358 0 0 590 27 187 94 17 0 0 0 0 0 0 34 31776

6462 7822 7854 7088 33 130 61 103 0 0 179 5 45 30 4 0 0 0 0 0 0 10 49 281 55 119 0 0 158 13 43 32 5 0 0 0 0 0 0 8 46 209 61 95 0 0 75 6 55 14 5 0 0 0 0 0 0 11 35 227 56 41 0 0 178 3 44 18 3 0 0 0 0 0 0 5

7062 8585 8431 7698

COMENTÁRIO: Não houve variações significativas de SADT no mês de abril.

10.1.8 – AMB ULATÓR IO

1.8. Ambulatório 1.8.1. Consultas 1.8.2. Consultas com Procedimentos 1.8.3. Procedimentos 1.8.4. Procedimentos Cirúrgicos Total

Jan

Fev

Mar

Abr

Mai 0 0 0 0 0

Jun 0 0 0 0 0

Jul 0 0 0 0 0

Ago 0 0 0 0 0

Set 0 0 0 0 0

Out 0 0 0 0 0

Nov 0 0 0 0 0

Dez 0 0 0 0 0

TOTAL 6021 0 0 0 6021

1388 1491 1717 1425 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

1388 1491 1717 1425

COMENTÁRIO: Podemos observar que em números absolutos houve uma diminuição considerável de 17% no número de atendimentos no mês de abril, porém se levarmos em consideração que o ambulatório funciona apenas nos dias úteis e calcularmos o numero de atendimento por dia trabalhado teremos 78 consultas/dia-útil em março e 75 consultas/dia-útil em abril, o que represente uma redução de 3% que pode ser explicada pelas férias do Dr. Gilmar Antônio M. Queiroz na primeira quinzena de abril e a participação em congresso da Dra. Giselly Kazuê Oshima. Em relação ao primeiro quadrimestre do ano passado observamos um aumento de 22% das consultas ambulatórias passando de 4951 em 2011 para 6021 em 2012. Página | 175

10.1.9 – ATENDIMENTOS DE URGÊNCIA/EMERGÊNCIA

1.9. Urgência/Emergência 1.9.1. Consultas 1.9.2. Consultas com Procedimentos 1.9.3. Procedimentos 1.9.4. Procedimentos Cirúrgicos Total

Jan 542 0 0 0 542

Fev 490 0 0 0 490

Mar 485 0 0 0 485

Abr 526 0 0 0 526

Mai 0 0 0 0 0

Jun 0 0 0 0 0

Jul 0 0 0 0 0

Ago 0 0 0 0 0

Set 0 0 0 0 0

Out 0 0 0 0 0

Nov 0 0 0 0 0

Dez 0 0 0 0 0

TOTAL 2043 0 0 0 2043

COMENTÁRIO: Houve um aumento em 85% no numero de atendimento em relação a 2011 passando de 1106 em 2011 para 2043 em 2012, isso se deve principalmente a mudança na porta de entrada do hospital que está realizando atendimento a todos os pacientes que procuram a unidade.
10.1.10 – NEP

RELATÓRIO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO PERMANENTE HOSPITAL PÚBLICO DE DOENÇAS TROPICAIS ABRIL/2012 NÚMERO DE PARTICIPANTES 2 4 17 30 17 17 6 11 9 9 11 10 7 11 7 7 24 19 20 CARGA HORÁRIA 01:00:00 01:00:00 04:00:00 04:00:00 02:00:00 02:00:00 01:00:00 02:20:00 01:10:00 01:10:00 02:00:00 02:00:00 02:00:00 02:00:00 02:00:00 02:00:00 02:00:00 08:00:00 08:00:00 TOTAL DE HORAS 2:00:00 4:00:00 68:00:00 120:00:00 34:00:00 34:00:00 6:00:00 25:40:00 10:30:00 10:30:00 22:00:00 20:00:00 14:00:00 22:00:00 14:00:00 14:00:00 48:00:00 152:00:00 160:00:00

CURSO Entrada de Nota Fiscal no Sistema MV Orientação para o Processo de Trabalho do Almoxarifado Monitoramento das Políticas de Gestão do Trabalho Monitoramento das Políticas de Gestão do Trabalho Precauções Padrão em CCIH e Uso de EPIs Precauções Padrão em CCIH e Uso de EPIs Orientação para o Processo de Trabalho – Faturamento Atualização em Exame Físico e SAE Capacitação de Boas Práticas e Segurança Alimentar Capacitação de Boas Práticas e Segurança Alimentar Tratamento de Feridas, Complicações e Condutas da Enfermagem Tratamento de Feridas, Complicações e Condutas da Enfermagem Tratamento de Feridas, Complicações e Condutas da Enfermagem Tratamento de Feridas, Complicações e Condutas da Enfermagem Tratamento de Feridas, Complicações e Condutas da Enfermagem Tratamento de Feridas, Complicações e Condutas da Enfermagem Importância da SAE e Checagem da Prescrição de Enfermagem Atendimento ao Cliente Atendimento ao Cliente

Página | 176

Plano de Ação Performance Manager – INTERACT Plano de Ação Performance Manager – INTERACT Atualização em Enfermagem com Ênfase em Urgência e Emergência - I Módulo Atualização em Enfermagem com Ênfase em Urgência e Emergência - I Módulo Atualização em Enfermagem com Ênfase em Urgência e Emergência - I Módulo Atualização em Enfermagem com Ênfase em Urgência e Emergência - I Módulo TOTAL
TOTAL DE HORAS NÚMERO TOTAL DE COLABORADORES DO HOSPITAL HORAS/HOMEM

19 3 8 4 1 1 0 274

02:00:00 02:00:00 40:00:00 36:00:00 38:00:00 32:00:00 00:00:00 199:40:00

38:00:00 6:00:00 320:00:00 144:00:00 38:00:00 32:00:00 0:00:00 1358:40:00

1358:40:00 316 04:17:58

HORAS DE TREINAMENTO
1920:00:00 1680:00:00 1440:00:00 1200:00:00 960:00:00 720:00:00 480:00:00 JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ

DADOS QUALITATIVOS No mês de Fevereiro as ações de treinamento do Hospital Público de Doenças Tropicais, apresentou um aumento de 42% em relação ao número de horas de treinamento do mês anterior. Houve treinamentos em vários setores do HPDT, mas com foco maior na Enfermagem, SAU e SPP. O CTA do HPDT promoveu capacitação em Aconselhamento para os profissionais da Atenção Básica de Saúde do Município de Araguaína e Aconteceu também no dia 11 de Abril o 6° Bazar, direcionado a po pulação de Araguaína, com o objetivo principal de arrecadar fundos para compra de televisores para enfermarias da Instituição.

Página | 177

10.1.11 – RECURSOS HUMANOS
1.10. Recursos Humanos 1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total 40 110 1 27 27 205 Janeiro
S e s a u P ró 3º

Fevereiro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Março
T o t a l S e s a u P ró 3º T o t a l S e s a u P ró

Abril
3º T o tal

35 18 1 56 1 111

0 0 0 0 0 0

75 128 2 83 28 316

40 110 1 27 27 205

38 19 1 65 1 124

0 0 0 0 0 0

78 129 2 92 28 329

40 110 1 27 27 205

38 19 1 66 1 125

0 0 0 0 0 0

78 129 2 93 28 330

38 110 1 25 27 201

38 20 1 70 1 130

0 0 0 0 0 0

76 130 2 95 28 331

1.10. Recursos Humanos
S e s a u P ró

M aio

Junho
T o t a l S e s a u P ró 3º

Julho
T o t a l S e s a u P ró 3º

Agosto
T o t a l S e s a u P ró 3º T o tal

1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

1.10. Recursos Humanos 1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total 0 0 0 0 0 0

Setem bro
S e s a u P ró 3º

Outubro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Novem bro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Dezem bro
T o t a l S e s a u P ró 3º T o tal

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

10.1.12 – CORPO CLÍNICO

- Implantado livro de passagem de plantão para os plantonistas; - Implantado evolução multidisciplinar onde todos os profissionais evoluem o paciente no mesmo impresso garantindo assim uma continuidade nos cuidados; - Solicitado mais horas de médicos plantonistas devido a redução de 60 horas de médicos plantonistas. - Estamos provisoriamente sem Diretor Técnico já foi solicitado ao Dr. Nicolau Esteves a nomeação do Dr. Ebert para a função. - Elaboração do regimento interno do corpo clínico e das comissões médicas.

Página | 178

10.2 – SAU 1. Registros de Opinião ocorridos de 01/04/2012 a 30/04/2012.
Ocorrências Reclamações Sugestões Elogios Total de Questionários Queixas resolvidas Meta Contratual Meta Realizada Abril 2012 1 0 0 1 1 80% 100%

Em Abril tivemos 100% de resolutividade das queixas, porem podemos considerar o número de reclamações reduzido, talvez pelo número reduzido de nosso administrativo dificultando assim a abordagem de forma correta, embora fossem orientados diariamente sobre o processo. Índices de Satisfação

Em Abril nosso índice de satisfação ambulatorial sofreu uma pequena queda em relação a fevereiro. Observamos que a insatisfação está ligada ao tempo de espera, ocorrendo atraso de alguns médicos para Página | 179

o atendimento. Em relação às instalações físicas notamos que a falta de climatização esta gerando insatisfação. Na internação não é possível medir a evolução do período porque a maquina encontrava-se em manutenção em fevereiro, e março tivemos um número reduzido de pesquisas pela falta de equipe para executar a pesquisa rápida. Não houve queixas em abril. No pronto-socorro tivemos uma evolução no período de 2,47% e satisfação de 87,53%, destacando-se o atendimento da recepção, equipe de enfermagem, e equipe médica. Já o tempo de espera está ligado à espera do paciente que vai subir para o leito, que fica aguardando vaga no hospital-dia. No SADT houve uma redução no índice de 11,81% em relação a março, devido principalmente ao serviço ser terceirizado o que atrapalha a intervenção direta do HPDT nos processos de atendimento, mas mesmo assim foi oferecido um curso de atendimento ao usuário e o funcionário do SADT foi convidado a participar, porém nenhum colaborador participou.

10.3 – GERENCIAMENTO DE PROCESSOS - Criado Grupo de Acolhimento com Classificação de Risco dos serviços de saúde de Araguaina, o que represente uma mudança no atendimento ao usuário do SUS, com a rede bem definida teremos uma referência e contra-referência clara e de conhecimento de todas as unidades de saúde do município; - Organização dos serviços da equipe SPP, disponibilizando uma pessoa para circulante, que fica responsável para direcionar os prontuários ao arquivo e triagem, reduzindo assim o tempo de atendimento; - Reunião com o Grupo Gestor do Município para discutirmos a Referencia e Contra Referencia dos casos de Leishmaniose Cutanea, Calazar e Chagas Agudo, possibilitando as unidades básicas de saúde identificar os pacientes que devem ser atendidos no HPDT; - Treinamento com as Enfermeiras Annallena Costa Silva e Thayse Alves de Oliveira sobre coberturas de curativo, treinamento este que as mesmas foram treinadas em Palmas e agora está replicando o treinamento a equipe de enfermagem do HPDT. Com a padronização dos curativos pretendemos diminuir o tempo de internação dos pacientes; - Treinamento de Boas Práticas de Manipulação de Alimentos, para todos os colaboradores do SND, ministrado pela Consultora Edna garantindo assim um alimento de qualidade aos pacientes e colaboradores do Hospital; - Treinamento de Precauções Padrão em CCIH e Uso de Equipamentos de Proteção individual, destinado aos Profissionais que trabalham na assistência direta ao paciente, ministrado pela enfermeira da CCIH Iara Bucar e Luciana Carvalho mostrando a importância do uso correto dos EPIs e os danos causados aos profissionais e pacientes pelo falta do uso dos mesmos; - Curso de Atualização em Enfermagem com Ênfase em Urgência e Emergência, oferecido pela ETSUS. - Realização da avaliação de eficácia do treinamento de Reciclagem e Processos de Lavanderia, Higiene e SND, garantindo uma melhoria continua dos processos; - Parceria com a Fundação de Medicina Tropical, para realização de um Projeto sobre Atualização de Protocolo de Atendimento a patologias como Tuberculose, Hepatites Virais, Dengue, Leishmaniose e hanseníase, que visam capacitar profissionais da Saúde do estado do Tocantins no tratamento destas doenças. - Confecção dos fluxogramas de atendimento de dengue e calazar, padronizando a conduta dos casos e garantindo um atendimento integral ao paciente;. - Confecção de Quadros Indicativos de Pacientes, leitos e Médicos Responsáveis da Ala A, B e C o que aperfeiçoará o gerenciamento de leitos da unidade por parte da enfermagem e por parte do SPP, reduzindo assim a taxa de permanência e a falta de leitos de internação;
Página | 180

10.4 – FATURAMENTO
5. Faturamento 5.1 - AIH 5.2 - Valores Jan 150 Fev 146 Mar 150 Abr 131 Mai 0 0,0 Jun 0 0,0 Jul 0 0,0 Ago 0 0,0 Set 0 0,0 Out 0 0,0 Nov 0 0,0 Dez 0 TOTAL 577

57386,0 65580,5 92099,3 55853,9

0,0 270919,8

10.5 – EQUIPAMENTOS NOVOS - Um foco Cirúrgico de teto;
- Dois focos auxiliar móvel; - Um monitor multiparamétrico.

10.6 – OUTRAS INFORMAÇÕES Foi realizado no dia 10 de abril o 6° Bazar Coisa e Tal, com a participação de toda comunidade e os recursos arrecadados, aproximadamente R$ 6.100,00 que será utilizado na aquisição de uma central multimídia para passar vídeos educativos e para entretenimento de nossos pacientes, será adquirido também televisores a serem instalados nas enfermarias que não possui aparelhos.

PALAVRA DO DIRETOR GERAL DO HOSPITAL Hospital de Doenças Tropicais do Tocantins destinado a prestar assistência à saúde na área de doenças tropicais. É referência não só para os municípios tocantinenses, mas também para as regiões sul e sudeste do Pará e sul do maranhão. O Hospital possui 3.860 metros quadrados de construção, disponibilizando serviços como: ambulatório de especialidades com sete consultórios para atender especialidades como, Infectologia adulto e pediátrica (HIV/AIDS e Co-infecções), Pneumologia (Tuberculose), Dermatologia (hanseníase e pênfigo), Ginecologia (DST´s), Hepatologia (Hepatites), Urologia (DST´s) e Clínica Médica. O hospital conta ainda com 51 leitos distribuídos da seguinte forma: pneumologia sete leitos; clinica geral dez leitos; hansenologia sete leitos; AIDS dez leitos; clinica pediátrica quinze leitos; unidade intermediaria dois leitos e hospital dia com seis leitos. O hospital conta com o Serviço de Assistência Especializada e o Centro de Testagem e Aconselhamento que atende aos pacientes conforme protocolos estabelecidos pelo Departamento de DST/AIDS do Ministério da Saúde. Os atendimentos são realizados por uma equipe multiprofissional que atende os pacientes através de procura espontânea ou são referenciados pelos serviços públicos de saúde. Vale destacar que o HPDT, compondo a rede SUS, preocupa-se em contribuir para a qualidade de vida da saúde da população, repercutido através do acolhimento ao usuário interno e externo, com transparência e visibilidade de sua missão que vem ao encontro dos princípios e diretrizes preconizados pelo SUS e pela gestão estadual.

Página | 181

2.11 HOSPITAL TIA DEDÉ 2.11.1 METAS CONTRATUAIS

11.1 – INDICADORES DE PRODUÇÃO
11.1.1 – Nº DE LEITOS POR ESPECIALIDADE;
1.1. Leitos por Especialidade 1.1.1. Clínica Médica 1.1.2. Clínica Pediátrica 1.1.3. Clínica Cirúrgica 1.1.4. Clínica Obstétrica 1.1.5. UTI de Adultos 1.1.6. UTI Infantil 1.1.7. UTI Neonatal 1.1.8. Berçário 1.1.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Leitos Jan 0 17 2 12 0 0 0 10 0 4 45 Fev 0 17 2 12 0 0 0 10 0 4 45 Mar 0 17 2 12 0 0 0 10 0 4 45 Abr 0 17 2 12 0 0 0 10 0 4 45 Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 0 68 8 48 0 0 0 40 0 16 180

11.1.2 – Nº. DE INTERNAÇÕES POR ESPECIALIDADE;
1.2. Internações por Especialidade 1.2.1. Clínica Médica 1.2.2. Clínica Pediátrica 1.2.3. Clínica Cirúrgica 1.2.4. Clínica Obstétrica 1.2.5. UTI de Adultos 1.2.6. UTI Infantil 1.2.7. UTI Neonatal 1.2.8. Berçário 1.2.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Internações por especialidade Jan 0 93 143 43 0 0 0 42 0 35 356 Fev 0 114 0 125 0 0 0 18 0 44 301 Mar 0 95 7 127 0 0 0 34 0 63 326 Abr 0 53 0 182 0 0 0 32 0 62 329 Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 0 355 150 477 0 0 0 126 0 204 1312

COMENTÁRIO:

Página | 182

11.1.3 – Nº. DE SAÍDOS POR ESPECIALIDADE

1.3. Nº. de saídos por especialidade 1.3.1. Clínica Médica 1.3.2. Clínica Pediátrica 1.3.3. Clínica Cirúrgica 1.3.4. Clínica Obstétrica 1.3.5. UTI de Adultos 1.3.6. UTI Infantil 1.3.7. UTI Neonatal 1.3.8. Berçário 1.3.9. Clínica Ortopédica 1.3.10. Outros Total de saídos por especialidade

Jan 0 59 16 78 0 0 0 39 0 35 227

Fev 0 90 10 103 0 0 0 17 0 44 264

Mar 0 112 6 133 0 0 0 34 0 63 348

Abr 0 89 2 127 0 0 0 32 0 62 312

Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

TOTAL 0 350 34 441 0 0 0 122 0 204 1151

COMENTÁRIO: Variação no número de internação na pediatria de março para abril se deve a sazonalidade da região, e as variações epidemiológicas notificadas, exemplo em Março tivemos muitos casos de Pneumonia e no final do mês de abril e inicio de Maio grande número de atendimento em crianças com diarreia e desidratação.

11.1.4 – PERCENTUAL DE OCUPAÇÃO POR CLÍNICA;
1.4. Porcentagem de Ocupação 1.4.1. Clínica Médica 1.4.2. Clínica Pediátrica 1.4.3. Clínica Cirúrgica 1.4.4. Clínica Obstétrica 1.4.5. UTI de Adultos 1.4.6. UTI Infantil 1.4.7. UTI Neonatal 1.4.8. Outros (Berçário) 1.4.9. Clínica Ortopédica 1.4.10. Outros Jan 0% 35% 6% Fev 0% Mar 0% Abr 0% Mai 0% 0% 0% Jun 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Jul 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Ago 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Set 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Out 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Nov 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Dez 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% TOTAL 0% 112% 11% 116% 0% 0% 0% 0% 0% 47%

38% 40.78% 40% 4% 2% 0.62%

59.79% 58% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0%

58% 59.50% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0%

22% 28.57% 25% 21.13% 0%

Página | 183

11.1.5 – MÉDIA DE PERMANÊNCIA

1.5. Média de Perm anência 1.5.1. Clínica Médica 1.5.2. Clínica Pediátrica 1.5.3. Clínica Cirúrgica 1.5.4. Clínica Obstétrica 1.5.5. UTI de Adultos 1.5.6. UTI Infantil 1.5.7. Uti Neonatal 1.5.8. Outros 1.5.9. Clínica Ortopédica 1.5.10. Outros Média Geral de Permanência

Jan 0

Fev 0

Mar 0 8,35

Abr 0 8,65

Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

TOTAL 0 24,19 6,1 16,93 0 0 0 3,65 0 0 50,87

7,19 6.57 2,09 4,8 0 0 0 3.65 0 0 2,84 2,59 4,12 0 0 0 0 0 0 2,88

1,42 3.50 4,22 0 0 0 0 0 0 2,87 3,79 0 0 0 0 0 0 3,18

11.1.6 – VOLUME CIRURGICO
1.6. Volum e Cirúrgico 1.6.1. Cirurgias de Urgência 1.6.2. Cirurgias Eletivas Média Geral de Cirurgias Jan 54 29 83 Fev 41 27 68 Mar 70 12 82 Abr 88 7 95 Mai 0 0 0 Jun 0 0 0 Jul 0 0 0 Ago 0 0 0 Set 0 0 0 Out 0 0 0 Nov 0 0 0 Dez 0 0 0 TOTAL 253 75 328

11.1.6.3 – Nº DE CIRURGIAS POR PORTE;

1.6.3. Núm ero de Cirurgias por Porte 1.6.3.1. Cirurgias Grandes 1.6.3.2. Cirurgias Médias 1.6.3.3. Cirurgias Pequenas 1.6.3.4. Curetagens 1.6.3.5. Cesáreas Média Geral de Cirurgias por Porte

Jan 55 2 0 20 53 130

Fev 41 2 0 15 38 96

Mar 51 14 0 21 51 137

Abr 49 30 0 25 49 153

Mai 0 0 0 0 0 0

Jun 0 0 0 0 0 0

Jul 0 0 0 0 0 0

Ago 0 0 0 0 0 0

Set 0 0 0 0 0 0

Out 0 0 0 0 0 0

Nov 0 0 0 0 0 0

Dez 0 0 0 0 0 0

TOTAL 196 48 0 81 191 516

Página | 184

11.1.6.4 – Nº. DE PARTOS POR TIPO
1.6.4.1. Normal 1.6.4.2. Cesariana 1.6.3.3. Outros Média Geral de Cirurgias por Porte 72 53 0 125 61 38 0 99 75 51 0 126 66 63 0 129 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 274 205 0 479

11.1.7 – SADT’S

1.7. SADT 1.7.1. Laboratório Clínico 1.7.2. Anatomia Patológica 1.7.3. Radiologia 1.7.4. Eletrocardiografia 1.7.5. Fisioterapia (Sessões) 1.7.6. Hemodiálise(Sessões) 1.7.7. Hemodinâmica 1.7.8. Hemoterapia 1.7.9. Endoscopia 1.7.10. Ultrassonografia 1.7.11 Tomografia Computadorizada 1.7.12 Ressonancia Magnética 1.7.13 Mamografia 1.7.14 Citopatologia 1.7.15 Eletroencefalografia 1.7.16 Teste do Pézinho 1.7.17 Diversos 1.7.18 Teste Ergométrico Total

Jan

Fev

Mar

Abr 942 17 337 0

Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

TOTAL 4130 75 938 0 4126 0 0 35 0 690 0 0 0 0 0 253 0 0 10247

989 1046 1153 16 122 0 849 0 0 7 0 184 0 0 0 0 0 80 0 0 9 182 0 33 297 0

987 1289 1001 0 0 17 0 166 0 0 0 0 0 49 0 0 0 0 7 0 188 0 0 0 0 0 67 0 0 0 0 4 0 152 0 0 0 0 0 57 0 0

2247 2456 3034 2510

11.1.8 – AMB ULATÓR IO
1.8. Ambulatório 1.8.1. Consultas 1.8.2. Consultas com Procedimentos 1.8.3. Procedimentos 1.8.4. Procedimentos Cirúrgicos Total Jan 49 0 0 0 49 Fev 40 0 0 0 40 Mar 20 0 0 0 20 Abr 67 0 0 0 67 Mai 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 TOTAL 176 0 0 0 176

:

Página | 185

11.1.9 – ATENDIMENTOS DE URGÊNCIA/EMERGÊNCIA

1.9. Urgência/Emergência 1.9.1. Consultas 1.9.2. Consultas com Procedimentos 1.9.3. Procedimentos 1.9.4. Procedimentos Cirúrgicos Total

Jan

Fev

Mar

Abr

Mai 0 0 0 0 0

Jun 0 0 0 0 0

Jul 0 0 0 0 0

Ago 0 0 0 0 0

Set 0 0 0 0 0

Out 0 0 0 0 0

Nov 0 0 0 0 0

Dez 0 0 0 0 0

TOTAL 7896 0 0 0 7896

1546 1667 2460 2223 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

1546 1667 2460 2223

COMENTÁRIO: Queda de atendimento de Março para Abril devido a volta do PSF em Pediatria do município de Porto Nacional que encontrava-se em greve. Ainda esse problema persiste na ausência total nas sexta-feiras de atendimento de pediatria no município o que acarreta em superlotação no Pronto Socorro do Hospital.
11.1.10 – RECURSOS HUMANOS
1.10. Recursos Humanos 1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total 64 125 31 1 19 240 Janeiro
S e s a u P ró 3º

Fevereiro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Março
T o t a l S e s a u P ró 3º T o t a l S e s a u P ró

Abril
3º T o tal

32 0 9 28 4 73

0 0 0 0 0 0

96 125 40 29 23 313

52 126 30 1 17 226

32 0 9 35 4 80

0 0 0 0 0 0

84 126 39 36 21 306

46 126 30 2 16 220

32 2 9 35 5 83

0 0 0 0 0 0

78 128 39 37 21 303

43 130 31 2 15 221

33 2 9 35 6 85

0 0 0 0 0 0

76 132 40 37 21 306

1.10. Recursos Humanos
S e s a u P ró

Maio

Junho
T o t a l S e s a u P ró 3º

Julho
T o t a l S e s a u P ró 3º

Agosto
T o t a l S e s a u P ró 3º T o tal

1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

1.10. Recursos Humanos 1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total 0 0 0 0 0 0

Setem bro
S e s a u P ró 3º

Outubro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Novem bro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Dezem bro
T o t a l S e s a u P ró 3º T o tal

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

Página | 186

HORAS DE TREINAMENTO
80 60 40 20 0 JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ CARGA HORÁRIA TOTAL

11.1.11 – NEP
CURSO Montagem do respirador Inter 5 plus Capacitação para teste rápido HIV/Sífilis Capacitação para teste rápido HIV/Sífilis Oficina Prontuário nota 10 Método Canguru Método Canguru Acolhimento/normas e rotinas do HMIPTD Parada cardiorespiratória NÚMERO DE PARTICIPANTES 10 5 6 2 1 1 56 17 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 98 CARGA HORÁRIA 01:00:00 12:00:00 12:00:00 04:00:00 15:00:00 15:00:00 01:00:00 02:00:00 00:00:00 00:00:00 00:00:00 00:00:00 00:00:00 00:00:00 00:00:00 00:00:00 00:00:00 00:00:00 00:00:00 00:00:00 00:00:00 14:00:00 TOTAL DE HORAS 10:00:00 60:00:00 72:00:00 8:00:00 15:00:00 15:00:00 56:00:00 34:00:00 0:00:00 0:00:00 0:00:00 0:00:00 0:00:00 0:00:00 0:00:00 0:00:00 0:00:00 0:00:00 0:00:00 0:00:00 0:00:00 270:00:00

TOTAL

TOTAL DE HORAS NÚMERO TOTAL DE COLABORADORES DO HOSPITAL HORAS/HOMEM

270:00:00 300 0,0375

Página | 187

DADOS QUALITATIVOS

Os treinamentos tiveram aumento significativo de horas comparados as meses anteriores. Isto deve-se também ao curso de método canguru, este extremamente importante para a busca da Certificação do Hospital Amigo da Criança.

magem do Hospital.

Página | 188

11.1.12 – CORPO CLÍNICO

Dentro das principais transformações do corpo clínico após o início da gestão Pró-Saúde é o aumento de 1 para 2 plantonistas obstetras (atendendo a orientação do CRM-TO) e o aumento de 1 para 2 plantonistas pediatra melhorando o atendimento da população. No mês de abril ainda houve alguns desfalques na escala: 4 dias com 1 obstetra de plantão e 26 dias escala completa; na pediatria houve 3 dias com 1 pediatra de plantão devido a atestado medico. Diante disto, a escala de maio já está pronta e completa, com 2 pediatras e 2 obstetras. Ainda precisamos de profissionais para um maior suporte no serviço de ultrassonografia que é essencial para um atendimento mais adequado em obstetrícia. Foi elaborado, durante este mês, o novo regimento interno do corpo clínico que deverá passar por aprovação em reunião clínica a ser realizada no próximo dia 04 de maio.

11.2

- SAU

1.Registros de Opinião

Ocorrências Reclamações Sugestões Elogios Total de Questionários Queixas resolvidas Meta Contratual Meta Realizada

Abril 2012 26 06 33 65 21 80% 80,77%

No mês de março tivemos 26 reclamações onde 21 das queixas tiveram tratativas, superando assim, a meta contratual com um índice de 80,77%.

Página | 189

2.Índices de Satisfação

Hospital Materno Infantil Público Tia Dedé
120,00

100,00 100,00 87,53 80,00

73,08

60,00

55,71

40,00

20,00

0,00

-20,00 Fevereiro/2012 Março/2012 abr/12 Evolução do Período

AMBULATORIO (%) 87,22 82,31 100,00 14,65%

INTERNAÇÃO (%) 78,68 81,93 55,71 -29,19%

P. S. (%) 77,71 79,56 87,53 12,64%

SADT (%) 58,33 79,70 73,08 25,29%

Com relação aos índices de satisfação e observando o exposto no gráfico, podemos identificar que nos meses de e fevereiro março obtivemos 87,22% e 82,31% respectivamente de pesquisas de opinião no Ambulatório respondidas, porém no último mês tivemos 100% de registros no setor. Em relação ao setor de Internação percebemos que nos meses de fevereiro e março obtivemos índices de 78,68% e 81,93% respectivamente de usuários pesquisados, e no mês de março os índices chegaram a 55,71%, diminuindo-se em 29,19% no respectivo mês. No Pronto Socorro percebemos conforme aponta o gráfico, que no mês de fevereiro atingimos um índice de 77,71%, que em relação ao mês de março, esse percentual aumentou para 79,56% e no mês de abril atingimos 87,53%. Por fim, analisando os índices do SADT no mês de fevereiro houve um percentual de pesquisas respondidas de 58,33%, que em relação aos demais setores pesquisados, no mês de fevereiro esse indicativo chegou a 79,70% e em abril atingiu 73,08%. Através destes índices podemos perceber a quantidade de pessoas que nos relatam através
Página | 190

da Pesquisa de Opinião como tem sido a prestação de serviço no Hospital Materno Infantil Público Tia Dedé.

11.3 – GERENCIAMENTO DE PROCESSOS • • • •
Dia 06 de abril Sexta Feira da Paixão, foi servido na unidade hospitalar o cardápio especial de páscoa, onde o mesmo foi escolhido por votação pelos próprios colaboradores; Foi solicitado a todos os setores, uma revisão e confecção do manual e rotinas dos setores, pois estamos em adequação para aquisição do Alvará sanitário; O relatório de prestação de contas do mês anterior está sendo divulgado para população e colaboradores no Televisor que fica alocado na recepção central do hospital; A partir deste mês, foi reorganizado o fluxo do envio do teste do pezinho, o mesmo era enviado via sedex, agora é encaminhado ao escritório da Pró Saúde em Palmas e posteriormente enviado a APAE de Araguaína; O Hospital participou da reunião em Palmas com a Supervisora do SAU e Administradora Assistente, para orientações de novidades no site da Gertec e quanto ao relatório do SAU; Recebemos no período de 25/04 a 27/04 consultoria de patrimônio, o mesmo fez levantamento juntamente com o Supervisor do setor de todo o patrimônio do Hospital, fotografou e fez orientações quanto as guias, controles internos e organização do setor e posteriormente será entregue um relatório com as pontuações pertinentes. Realizada reunião para reorganização da estrutura física dos setores para área externa do hospital. Realizada reunião para formação do Comitê de Aleitamento Materno.

• •

• •

Página | 191

Foram colocados os mastros e as bandeiras do Brasil, Tocantins e Porto Nacional, a mesma é hasteada todos os dias pela manhã e retirada as 18hs.

11.4 – FATURAMENTO
4. Faturamento
4.1- A IH (Quantitativo ) 4.2 - Valo res (em reais)

Jan
324 1 67.861 ,1

Fev
328 1 .275,3 61

Mar
31 3 1 57.731 ,7

Abr
31 1 1 54.647,6

Mai
0 0,0

Jun
0 0,0

Jul
0 0,0

Ago
0 0,0

Set
0 0,0

Out
0 0,0

Nov
0 0,0

Dez
0 0,0

TOTAL
1 276 641 5,7 51

COMENTÁRIO:

11.6 – OBRAS E IMPLANTAÇÃO DE NOVOS SERVIÇOS
• Reforma na enfermaria pediátrica

Página | 192

Reforma da Sala de Prescrição médica e após as 10hs é utilizada pela equipe multiprofissional

Inicio da reforma no posto de enfermagem

Impermeabilização da Laje

Página | 193

11.7 – EQUIPAMENTOS NOVOS
• • • Aquisição de mesa ginecológica

Copiadora da EXATA
Aquisição de Carrinho, monitores e ventilador pulmonar

Aquisição de Fonte ATX

MULTILASER

11.8 COMISSÕES 11.9 – OUTRAS INFORMAÇÕES
• Dia Mundial da Saúde

Foi organizado um evento juntamente com o Hospital Regional Público de Porto Nacional para comemoração do dia Mundial da Saúde com uma caminhada pela Orla da Cidade e deu continuidade na Praça principal da cidade que contou com a presença de 80 colaboradores que participaram na organização, orientação e foi prestado cerca de 200 atendimentos para a população verificação de pressão arterial, glicemia capilar, entrega de preservativos, folders com orientações geral sobre Saúde.

Página | 194

Dia 12 de Abril é comemorado dia do Obstetra, foi organizado um coffee break para prestigiar e homenagear os médicos do hospital.

• niver versariantes do mês de Março e Abril

A

Página | 195

Com intuito de cada vez mais integrar os colaboradores do Hospital, foi realizado um “Amigo Doce”, uma brincadeira para troca de chocolates com o objetivo de aproximar os colaboradores do Hospital, todos os colaboradores foram convidados a participar do evento.

Foram adquiridos novos uniformes, cadeiras brancas de plástico laváveis para refeitório, avental de vinil transparente (EPI), quadro branco para mural PALAVRA DO DIRETOR GERAL DO HOSPITAL Para mim é uma honra dirigir o Materno Infantil Tia Dedé, pude receber o carinho dos servidores demonstrado através de uma festa surpresa, onde nosso auditório estava lotado para comemorar o meu aniversário. Pude perceber que há uma grande satisfação dos servidores na condução dos trabalhos em nosso Hospital, isso ficou evidenciado em depoimentos em vídeo e através de palavras escritas no mural no dia da comemoração. O relacionamento com as autoridades locais está a contento e seguindo normalmente, ressalto a coesão no entendimento das demandas da Promotoria de Justifica da 7ª Comarca de Porto Nacional e do hospital. Apesar das dificuldades em encontrar profissionais médicos Pediatras e Obstetras para compor e fechar a escala de plantão, ressalto que há ótimo relacionamento entre Direção e Corpo Clínico. Página | 196

Encerramos o 2ª Quadrimestre de Gerenciamento do Materno Infantil, com todos as metas cumpridas conforme contrato de gerenciamento. Os desafios para o 3ª Quadrimestre serão grandes, principalmente no quesito estrutura física, que apesar de todos os esforços adotados para a melhoria da estrutura, ainda é bastante precária e, por tratar-se de um prédio locado, dificulta ainda mais o planejamento de mudanças estruturais mais severas. Persiste o problema na ausência total de médicos nas especialidade de Pediatria e Obstetrícia na maioria dos municípios da regional de Porto Nacional. Na cidade de Porto Nacional ausência de atendimento de PSF nas sextas-feiras na especialidade de Pediatria. Enfatizo também, o excelente relacionamento e transparência que há entre Direção Geral Pró Saúde e Direção Adjunta SESAU.

2.12 HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE DIANÓPOLIS 2.12.1 METAS CONTRATUAIS

12.1 – INDICADORES DE PRODUÇÃO
12.1.1 – Nº DE LEITOS POR ESPECIALIDADE;
1.1. Leitos por Especialidade 1.1.1. Clínica Médica 1.1.2. Clínica Pediátrica 1.1.3. Clínica Cirúrgica 1.1.4. Clínica Obstétrica 1.1.5. UTI de Adultos 1.1.6. UTI Infantil 1.1.7. UTI Neonatal 1.1.8. Berçário 1.1.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Leitos Jan 17 12 7 7 0 0 0 2 0 2 47 Fev 17 12 7 7 0 0 0 2 0 2 47 Mar 17 12 7 7 0 0 0 2 0 2 47 Abr 17 12 7 7 0 0 0 2 0 2 47 Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 68 48 28 28 0 0 0 8 0 8 188

COMENTÁRIO: A quantidade de leitos acima são os leitos ativos na unidade hospitalar.

Página | 197

12.1.2 – Nº. DE INTERNAÇÕES POR ESPECIALIDADE;
1.2. Internações por Especialidade 1.2.1. Clínica Médica 1.2.2. Clínica Pediátrica 1.2.3. Clínica Cirúrgica 1.2.4. Clínica Obstétrica 1.2.5. UTI de Adultos 1.2.6. UTI Infantil 1.2.7. UTI Neonatal 1.2.8. Berçário 1.2.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Internações por especialidade Jan 103 8 63 38 0 0 0 1 0 0 213 Fev 86 16 71 33 0 0 0 2 0 0 208 Mar 133 20 79 24 0 0 0 6 2 0 264 Abr 119 35 77 34 0 0 0 2 22 0 289 Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 441 79 290 129 0 0 0 11 24 0 974

COMENTÁRIO: As internações vem aumentando devido ao trabalho junto a equipe médica e as secretarias de saúde das cidades vizinhas que vem encaminhando seus pacientes para a instituição

12.1.3 – Nº. DE SAÍDOS POR ESPECIALIDADE
1.3. Nº. de saídos por especialidade 1.3.1. Clínica Médica 1.3.2. Clínica Pediátrica 1.3.3. Clínica Cirúrgica 1.3.4. Clínica Obstétrica 1.3.5. UTI de Adultos 1.3.6. UTI Infantil 1.3.7. UTI Neonatal 1.3.8. Berçário 1.3.9. Clínica Ortopédica 1.3.10. Outros Total de saídos por especialidade Jan 85 9 58 31 0 0 0 1 26 1 211 Fev 93 17 66 36 0 0 0 2 21 0 235 Mar 107 22 83 32 0 0 0 6 14 0 264 Abr 132 35 71 32 0 0 0 2 22 0 294 Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 417 83 278 131 0 0 0 11 83 1 1004

COMENTÁRIO: O aumento de saídos foi consequência do trabalho junto as secretarias de saúde dos municípios vizinhos e equipe médica.

Página | 198

12.1.4 – PERCENTUAL DE OCUPAÇÃO POR CLÍNICA;
1.4. Porcentagem de Ocupação 1.4.1. Clínica Médica 1.4.2. Clínica Pediátrica 1.4.3. Clínica Cirúrgica 1.4.4. Clínica Obstétrica 1.4.5. UTI de Adultos 1.4.6. UTI Infantil 1.4.7. UTI Neonatal 1.4.8. Outros (Berçário) 1.4.9. Clínica Ortopédica 1.4.10. Outros Porcentagem Geral de Ocupação Jan Fev Mar Abr Mai 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Jun Jul 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Ago Set 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Out 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Nov Dez TOTAL 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 318% 102% 322% 108% 0% 0% 0% 35% 0% 0%

109% 41% 76% 92% 1% 11% 16% 73% 60% 86% 85% 91% 41% 33% 18% 16% 0% 0% 0% 2% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0%

7% 26% 0% 0% 0% 0%

55% 35% 48% 68%

COMENTÁRIO: O aumento da taxa de ocupação foi consequência do trabalho junto as secretarias de saúde dos municípios vizinhos e equipe médica.

12.1.5 – MÉDIA DE PERMANÊNCIA;

1.5. Média de Perm anência 1.5.1. Clínica Médica 1.5.2. Clínica Pediátrica 1.5.3. Clínica Cirúrgica 1.5.4. Clínica Obstétrica 1.5.5. UTI de Adultos 1.5.6. UTI Infantil 1.5.7. Uti Neonatal 1.5.8. Outros 1.5.9. Clínica Ortopédica 1.5.10. Outros Média Geral de Permanência

Jan 6,78 0,56 2,26 2,87 0 0 0 1 0 0 2,45

Fev 2,12 2,24 2,55 1,81 0 0 0 2 0 0 2,89

Mar 3,72 2,73 2,23 1,19 0 0 0 2,67 0 0 2,55

Abr 2,11 2,44 1,58 0,77 0 0 0 0 0 0 2,02

Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

TOTAL 14,73 7,97 8,62 6,64 0 0 0 5,67 0 0

COMENTÁRIO: a média de permanência caiu devido a maior rotatividade dos leitos

Página | 199

12.1.6 – VOLUME CIRURGICO
1.6. Volum e Cirúrgico 1.6.1. Cirurgias de Urgência 1.6.2. Cirurgias Eletivas Média Geral de Cirurgias Jan 29 47 76 Fev 17 64 81 Mar 29 50 79 Abr 26 50 76 Mai 0 0 0 Jun 0 0 0 Jul 0 0 0 Ago 0 0 0 Set 0 0 0 Out 0 0 0 Nov 0 0 0 Dez 0 0 0 TOTAL 101 211 312

COMENTÁRIO: As cirurgias vem se mantendo, porém foi solicitado aos profissionais médicos que aumentem o número de cirurgias eletivas para zerarmos totalmente a demanda das cidades vizinhas e da própria cidade de Dianópolis.
12.1.6.3 – Nº DE CIRURGIAS POR PORTE;

1.6.3. Núm ero de Cirurgias por Porte 1.6.3.1. Cirurgias Grandes 1.6.3.2. Cirurgias Médias 1.6.3.3. Cirurgias Pequenas 1.6.3.4. Curetagens 1.6.3.5. Cesáreas Média Geral de Cirurgias por Porte

Jan 18 30 28 0 18 94

Fev 10 31 40 0 13 94

Mar 6 46 27 4 18 101

Abr 25 25 26 6 20 102

Mai 0 0 0 0 0 0

Jun 0 0 0 0 0 0

Jul 0 0 0 0 0 0

Ago 0 0 0 0 0 0

Set 0 0 0 0 0 0

Out 0 0 0 0 0 0

Nov 0 0 0 0 0 0

Dez 0 0 0 0 0 0

TOTAL 59 132 121 10 69 391

COMENTÁRIO: O aumento das cirurgias por porte foi devido as curetagens e cesárias que nos últimos 2 meses foram relevantes devido a gravidade dos casos atendidos. As cirurgias de grande porte se referem as histerectomia, vesícula, perineoplastia anterior e posterior que são realizadas no hospital.
12.1.6.4 – Nº. DE PARTOS POR TIPO
1.6.4. Núm ero de partos por tipo 1.6.4.1. Normal 1.6.4.2. Cesariana 1.6.3.3. Outros Média Geral de Cirurgias por Porte Jan 23 18 0 41 Fev 32 13 0 45 Mar 19 18 0 37 Abr 32 20 0 52 Mai 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 TOTAL 106 69 0 175

Apesar do aumento do número de partos não se constatou nenhuma complicação ou mortalidade.

Página | 200

12.1.7 – SADT’S
1.7. SADT 1.7.1. Laboratório Clínico 1.7.2. Anatomia Patológica 1.7.3. Radiologia 1.7.4. Eletrocardiografia 1.7.5. Fisioterapia (Sessões) 1.7.6. Hemodiálise(Sessões) 1.7.7. Hemodinâmica 1.7.8. Hemoterapia 1.7.9. Endoscopia 1.7.10. Ultrassonografia 1.7.11 Tomografia Computadorizada 1.7.12 Ressonancia Magnética 1.7.13 Mamografia 1.7.14 Citopatologia 1.7.15 Eletroencefalografia 1.7.16 Teste do Pézinho 1.7.17 Diversos (Serviço social e Psicologia) 1.7.18 Teste Ergométrico 1.7.19 Outros ( especificar) Fonoaudiologia Total Jan 332 27 428 55 45 0 0 0 0 125 0 0 60 0 0 0 0 0 130 Fev 391 21 492 155 47 0 0 0 0 156 0 0 88 0 0 0 0 0 105 Mar 309 16 733 175 234 0 0 0 0 142 0 0 134 0 0 0 0 0 97 Abr 364 22 546 129 171 0 0 0 0 222 0 0 63 0 0 0 365 0 159 Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 1396 86 2199 514 497 0 0 0 0 645 0 0 345 0 0 0 365 0 491 6538

1202 1455 1840 2041

COMENTÁRIO: Os exames acima voltaram a crescer devido a volta da Médica que realiza as utrassonografias a qual estava fazendo curso de aperfeiçoamento na área de ultrassonografia.
12.1.8 – AMB ULATÓR IO

1.8. Ambulatório 1.8.1. Consultas 1.8.2. Consultas com Procedimentos 1.8.3. Procedimentos 1.8.4. Procedimentos Cirúrgicos Total

Jan

Fev

Mar

Abr

Mai 0 0 0 0 0

Jun 0 0 0 0 0

Jul 0 0 0 0 0

Ago 0 0 0 0 0

Set 0 0 0 0 0

Out 0 0 0 0 0

Nov 0 0 0 0 0

Dez 0 0 0 0 0

TOTAL 7284 4782 326 2001 14393

1812 1721 2084 1667 1264 42 472 956 1389 1173 95 330 78 746 111 453

3590 3102 4297 3404

COMENTÁRIO: Como podemos constatar no quadro acima nossa equipe atende uma enorme quantidade de ambulatório, porém nossa finalidade é Urgência e Emergência.

Página | 201

12.1.9 – ATENDIMENTOS DE URGÊNCIA/EMERGÊNCIA

1.9. Urgência/Emergência 1.9.1. Consultas 1.9.2. Consultas com Procedimentos 1.9.3. Procedimentos 1.9.4. Procedimentos Cirúrgicos Total

Jan

Fev

Mar

Abr

Mai 0 0 0 0 0

Jun 0 0 0 0 0

Jul 0 0 0 0 0

Ago 0 0 0 0 0

Set 0 0 0 0 0

Out 0 0 0 0 0

Nov 0 0 0 0 0

Dez 0 0 0 0 0

TOTAL 7284 4782 326 2001 14393

1812 1721 2084 1667 1264 42 472 956 1389 1173 95 330 78 746 111 453

3590 3102 4297 3404

COMENTÁRIO: Nossos atendimentos que deveriam ser de Urgência e Emergência também atende ambulatório devido a cultura da população de procurar o serviço de Urgência e Emergência deixando claro que o serviço de assistência primária precisa melhorar e muito. Porém com estes atendimentos a instituição acaba contribuindo com a população não deixando-a desassistida.
12.1.10 – RECURSOS HUMANOS
1.10. Recursos Humanos 1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total 40 88 15 8 12 163 Janeiro
S e s a u P ró 3º

Fevereiro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Março
T o t a l S e s a u P ró 3º T o t a l S e s a u P ró

Abril
3º T o tal

8 0 2 33 3 46

0 0 0 1 0 1

48 88 17 42 15 210

29 89 15 8 12 153

10 0 2 38 3 53

0 0 0 1 0 1

39 89 17 47 15 207

30 89 15 9 12 155

10 0 2 37 0 49

0 0 0 1 0 1

40 89 17 47 12 205

32 89 15 9 12 157

12 1 2 37 3 55

0 0 0 1 0 1

44 90 17 47 15 213

1.10. Recursos Humanos
S e s a u P ró

Maio

Junho
T o t a l S e s a u P ró 3º

Julho
T o t a l S e s a u P ró 3º

Agosto
T o t a l S e s a u P ró 3º T o tal

1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

1.10. Recursos Humanos 1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total 0 0 0 0 0 0

Setem bro
S e s a u P ró 3º

Outubro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Novem bro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Dezem bro
T o t a l S e s a u P ró 3º T o tal

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

Página | 202

12.1.11 – NEP

Neste mês não houve treinamentos ou cursos neste período.
12.1.12 – CORPO CLÍNICO

A direção técnica realizou reuniões para esclarecimento da importâncias do preenchimento correto dos prontuários para informação no sistema SIS REG do ministério da saúde e melhorias a serem realizadas para melhor atender os clientes/pacientes

12.2 - SAU Ocorrências Reclamações Sugestões Elogios Total de Questionários Queixas resolvidas Meta Contratual Meta Realizada Abril 2012 01 0 0 01 01 80,0% 100,0%

O serviço SAU está em pleno andamento de suas atribuições. E o quadro de funcionários esta incompleto aguardando autorização para conclusão das contratações já esta sendo composto a partir de maio com as contratações autorizadas. Os registros de opiniões vêm sendo executados e suas respectivas tratativas apresentadas ao Dir. Geral e enviadas á Coordenação.

Os dados abaixo atuam como termômetros para que possamos trabalhar cada dia melhor e estas informações tem tornado nosso trabalho bem mais resolutivo.

Página | 203

Hospital Regional Público de Dianópolis
100,00 90,00 80,00 70,00 60,00 50,00 40,00 30,00 20,00 10,00 0,00 -10,00 90,60 80,00 82,44

AMBULATORIO (%) Fevereiro/2012 Março/2012 Abril/2012 Evolução do Período 87,30 74,03 80,00 -8,36%

INTERNAÇÃO (%) 84,53 78,00 82,44 -2,47%

PRONTO SOCORRO (%) 89,28 78,93 90,60 1,48%

Conforme gráfico acima podemos avaliar que o gral de satisfação da população atendida nesta unidade no ambulatório, Internação e Pronto Socorroaumentaram, mostrando que as medidas tomadas no início do mês para que o índice de satisfação voltasse a subir, como: reunião com os agentes de portaria, recepção, coordenação de enfermagem e direção técnica, orientado e discutindo qual a melhor forma de melhorarmos os índices de satisfação deram resultados.

12.3 – GERENCIAMENTO DE PROCESSOS Estão sendo implantados processos em todos os setores do hospital e estes processos estão sendo trabalhados de forma conjunta como todos os profissionais da instituição (limpeza, recepção, lavanderia, médicos, enfermeiros, SND, etc.). 12.4 – FATURAMENTO
4. Faturamento 4.1 - AIH (Quantitativo) 4.2 - Valores (em reais) Jan 200 109.659,80 Fev 220 118.550,42 Mar 33 14.041,00 Abr 126 57.909,73 Mai 0 0,00 Jun 0 0,00 Jul 0 0,00 Ago Set 0 0,00 0 0,00 Out 0 0,00 Nov 0 0,00 Dez 0 0,00

COMENTÁRIO: Houve redução no faturamento e os motivos forma: Implantação do sistema SIS REG na mesma data em que nosso faturista foi operado devido a uma úlcera e ficamos somente com um profissional o qual era inexperiente. Porém já foram tomadas medidas para resolução do problema e as AIHs pendentes serão faturadas todas em maio do referido ano.

Página | 204

12.6 – OBRAS E IMPLANTAÇÃO DE NOVOS SERVIÇOS
Estão sendo colocadas agora em uma segunda etapa, as portas internas do centro cirúrgico com revestimento de fórmica e visores de vidros transparentes para eliminação de focos de contaminação e as fotos serão encaminhadas no relatório do mês de maio. Estão sendo executadas também obras para desativação das fossas antigas do hospital ligando todo o esgoto as fossas novas que reduzirão os custos com limpezas de fossa quase que totalmente.

12.7 – EQUIPAMENTOS NOVOS Máquina de alta pressão para lavagem de pisos

Aquisição de um porteiro eletrônico com visor interno para controle de fluxo de pessoas e veículos que entram e saem pelo portão dos fundos do hospital.

Página | 205

12.8 – COMISSÕES
As comissões estão em pleno funcionamento conforme metas contratuais.

12.9 – OUTRAS INFORMAÇÕES Dedetização de todos os ambientes do hospital

Participação na Feira Literária do Tocantins - FLIT

Página | 206

Para este evento foram disponibilizados, 10 profissionais entre técnicos de enfermagem e enfermeiros, sento realizado os seguintes atendimentos, 27 aferições de pressão, 5 curativos e diversos atendimentos a maratonistas de orientações após os exercícios para recuperação física e mental dos atletas. Implantação da Ginástica Laboral

Com a implantação da Ginastica Laboral, os funcionários tem um momento de descontração com exercícios físicos ministrados pelos fisioterapeutas da própria instituição. Almoço especial aos funcionários e Pacientes com sorteio de Ovos de Páscoa onde teve a participação da Diretora Técnica Dra. Simone.

Página | 207

Reuniões periódicas com os funcionários para discução de processos de trabalho e solicitação de soluções para problemas do dia a dia.

Página | 208

PALAVRA DO DIRETOR GERAL DO HOSPITAL Os serviços na instituição estão evoluído com resultados que saltam aos olhos, e tudo isto se deve a
equipe que em sua grande maioria veem com bons olhos as mudanças que vem ocorrendo dentro da instituição um forte exemplo destes acontecimentos foram os serviços de urgências e emergências oferecidos ao evento da Feira do Livro FLIT, no intuito de promover o bem estar da população que participou do evento, toda a equipe do hospital regional público de Dianópolis foi prestativa dando um exemplo de companheirismo, dedicação e competência.

2.13 HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE PEDRO AFONSO 2.13.1 METAS CONTRATUAIS

13.1 – INDICADORES DE PRODUÇÃO
13.1.1 – Nº DE LEITOS POR ESPECIALIDADE;

1.1. Leitos por Especialidade 1.1.1. Clínica Médica 1.1.2. Clínica Pediátrica 1.1.3. Clínica Cirúrgica 1.1.4. Clínica Obstétrica 1.1.5. UTI de Adultos 1.1.6. UTI Infantil 1.1.7. UTI Neonatal 1.1.8. Berçário 1.1.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Leitos

Jan

Fev

Mar

Abr

Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Se t 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

TOTAL

341 319 341 330 155 145 155 150 248 232 248 240 186 174 186 180
0 0 0 0 0 0 930 0 0 0 0 0 0 870 0 0 0 0 0 0 930 0 0 0 0 0 0 900

1331 605 968 726 0 0 0 0 0 0 3630

COMENTÁRIO: O número de leitos do Hospital manteve-se dentro dos 30 leitos, assim distribuídos: 11 de Clínica Médica; 5 de Pediatria; 6 de Obstetrícia e 8 de Clínica Cirúrgica. As variações ocorridas são decorrentes do número de dias de cada mês.

Página | 209

13.1.2 – Nº. DE INTERNAÇÕES POR ESPECIALIDADE;

1.2. Internações por Especialidade 1.2.1. Clínica Médica 1.2.2. Clínica Pediátrica 1.2.3. Clínica Cirúrgica 1.2.4. Clínica Obstétrica 1.2.5. UTI de Adultos 1.2.6. UTI Infantil 1.2.7. UTI Neonatal 1.2.8. Berçário 1.2.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Internações por especialidade

Jan

Fe v

Mar

Abr

Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

TOTAL

112 50 55 55
0 0 0 0 0 0

50 21 29 46
0 0 0 0 0 0

91 40 64 63
0 0 0 0 0 0

104 34 45 57

272 146 258 240

357 145 193 221 0 0 0 0 0 0 916

COMENTÁRIO: Observa-se, ao longo deste quadrimestre, que houve ligeira queda a partir de janeiro, sendo mais evidente em fevereiro, quando tivemos a insatisfação da equipe médica com o corte dos extras pela SESAU, que refletiu no número de cirurgias e internações. Este fato foi contornado a partir de março, quando as internações começaram a retomar o patamar próximo do início do ano, mas voltaram a cair em abril. Nota-se a prevalência de internações na especialidade de Clínica Médica, que representou 39% do total de internados.

13.1.3 – Nº. DE SAÍDOS POR ESPECIALIDADE

1.3. Nº. de saídos por especialidade 1.3.1. Clínica Médica 1.3.2. Clínica Pediátrica 1.3.3. Clínica Cirúrgica 1.3.4. Clínica Obstétrica 1.3.5. UTI de Adultos 1.3.6. UTI Infantil 1.3.7. UTI Neonatal 1.3.8. Berçário 1.3.9. Clínica Ortopédica 1.3.10. Outros Total de saídos por especialidade

Jan

Fev

Mar

Abr

Mai

Jun

Jul

Ago

Set

Out

Nov

Dez

TOTAL

129 42 46 54 0 0 0 0 11 0

76 24 31 46 0 0 0 0 15 0

106 120 40 61 71 0 0 0 0 6 0 37 44 61 0 0 0 0 16 0

0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

431 143 182 232 0 0 0 0 48 0 1036

282 192 284 278

COMENTÁRIO: Página | 210

Assim como relatado no número de internados por especialidade, o nº de saídos apresentou uma queda brusca no mês de fevereiro, cujo motivo já foi citado no tópico anterior. Nos demais meses, apresentou pequenas variações e uma média próxima a 280 saídos/mês. Ressalta-se que a meta estipulada para este quadrimestre é de 217 saídos.

13.1.4 – PERCENTUAL DE OCUPAÇÃO POR CLÍNICA;

1.4. Porcentagem de Ocupação 1.4.1. Clínica Médica 1.4.2. Clínica Pediátrica 1.4.3. Clínica Cirúrgica 1.4.4. Clínica Obstétrica 1.4.5. UTI de Adultos 1.4.6. UTI Infantil 1.4.7. UTI Neonatal 1.4.8. Outros (Berçário) 1.4.9. Clínica Ortopédica 1.4.10. Outros Porcentagem Geral de Ocupação

Jan

Fev

Mar

Abr

Mai

Jun 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0%

Jul 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0%

Ago 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0%

Set 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0%

Out 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0%

Nov 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0%

Dez 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0%

TOTAL

93% 63% 99% 107% 0% 61% 35% 63% 61% 47% 36% 59% 43% 56% 49% 77% 59% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0%

362% 220% 185% 241% 0% 0% 0% 0% 0% 0%

68% 50% 78% 73%

COMENTÁRIO: A ocupação do Hospital apresentou variações ao longo do quadrimestre que refletiram a movimentação ao longo deste período. A queda em fevereiro foi a já citada queda no número de internações e cirurgias. A partir de março, o movimento cresceu, a complexidade dos casos também e a ocupação alcançou índices maiores e até excessivos em Abril, onde tivemos momentos de ocupação superior a 100 % na Clínica Médica, que é nosso maior volume. No geral, nossa média de ocupação está em torno de 70% /mês neste quadrimestre.

Página | 211

13.1.5 – MÉDIA DE PERMANÊNCIA;
1.5. Média de Perm anência 1.5.1. Clínica Médica 1.5.2. Clínica Pediátrica 1.5.3. Clínica Cirúrgica 1.5.4. Clínica Obstétrica 1.5.5. UTI de Adultos 1.5.6. UTI Inf antil 1.5.7. Uti Neonatal 1.5.8. Outros 1.5.9. Clínica Ortopédica 1.5.10. Outros Média Geral de Permanência Jan Fev Mar Abr Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL

2,35 2,57 2,73 2,94 2,26 2,13 2,23 2,46 2,54 2,71 2,15 2,36 1,94 1,85 2,01 1,75 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

10,59 9,08 9,76 7,55 0

0 0 0 0 0

2,20 2,18 2,32 2,36

COMENTÁRIO: A planilha acima mostra que a média de permanência apresentou aumento ao longo do quadrimestre, fato este devido ao aumento nos casos de maior complexidade, especialmente idosos com patologias crônicas e crianças e RNs com complicações. A queda em Fevereiro ocorreu por motivo já descrito anteriormente.

13.1.6 – VOLUME CIRÚRGICO

1.6. Volum e Cirúrgico 1.6.1. Cirurgias de Urgência 1.6.2. Cirurgias Eletivas Soma Geral de Cirurgias

Jan

Fev

Mar

Abr

Mai 0 0

Jun 0 0

Jul 0 0

Ago 0 0

Set 0 0

Out 0 0

Nov 0 0

Dez 0 0

TOTAL

24 59 83

14 29 43

32 42 74

28 41 69 0

0

0

0

0

0

0

0

98 171 269

COMENTÁRIO: Ao longo do quadrimestre, o número de cirurgias teve uma queda se compararmos com Janeiro. Em Fevereiro, com o corte dos pagamentos de extras, a equipe médica reduziu as cirurgias. Este fato foi contornado pela Diretoria Técnica em conversas com os cirurgiões. Em março e abril, o número manteve-se estável, mas ainda inferior a Janeiro. Um dos principais fatores para isto, foram as cirurgias oftalmológicas, que foram suspensas a partir de fevereiro, devido ao corte dos pagamentos por extras, que era como recebia o cirurgião.

Página | 212

13.1.6.3 – Nº DE CIRURGIAS POR PORTE;
1.6.3. Núm ero de Cirurgias por Porte 1.6.3.1. Cirurgias Grandes 1.6.3.2. Cirurgias Médias 1.6.3.3. Cirurgias Pequenas 1.6.3.4. Curetagens 1.6.3.5. Cesáreas Soma Geral de Cirurgias por Porte Jan Fev Mar Abr Mai 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 TOTAL

7 23 27 3 23

5 6 6 4 22

14 20 5 3 32

18 2 15 6 28

83

43

74

69

0

0

0

0

0

0

0

0

44 51 53 16 105 269

COMENTÁRIO: Na planilha acima é bom especificar que as curetagens e cesáreas são cirurgias consideradas de pequeno e médio porte respectivamente. Por isto, estas cirurgias foram extraídas das denominações de pequena, média e grande, para compor o total de forma correta na planilha. A variação segue o comentário do tópico anterior.
13.1.6.4 – Nº. DE PARTOS POR TIPO
1.6.4. Núm ero de partos por tipo 1.6.4.1. Normal 1.6.4.2. Cesariana 1.6.3.3. Outros Soma Geral de Cirurgias por Porte Jan Fev Mar Abr Mai 0 0 0 0 Jun 0 0 0 Jul 0 0 0 Ago 0 0 0 Set 0 0 0 Out 0 0 0 Nov 0 0 0 Dez 0 0 0 TOTAL

25 23 0 48

15 22 0 37

25 32 0 57

17 28 45 0

0

0

0

0

0

0

0

82 105 0 187

Em relação ao número de partos por tipo, a variação ocorre, mas mantém um número médio entre 45 e 50 partos por mês. O que chama a atenção é o alto número de cesáreas em relação ao de partos normais, ou seja 56% do total. Este fato será analisado em conjunto com a Diretoria Técnica e a Coordenação de Enfermagem.

Página | 213

13.1.7 – SADT’S
1.7. SADT 1.7.1. Laboratório Clínico 1.7.2. Anatomia Patológica 1.7.3. Radiologia 1.7.4. Eletrocardiografia 1.7.5. Fisioterapia (Sessões) 1.7.6. Hemodiálise(Sessões) 1.7.7. Hemodinâmica 1.7.8. Hemoterapia 1.7.9. Endoscopia 1.7.10. Ultrassonografia 1.7.11 Tomografia Computadorizada 1.7.12 Ressonancia Magnética 1.7.13 Mamografia 1.7.14 Citopatologia 1.7.15 Eletroencefalografia 1.7.16 Teste do Pézinho 1.7.17 Diversos 1.7.18 Teste Ergométrico Total Jan Fev Mar Abr Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL

1465 47 440 69 20 0 0 4 18 168 8 13 0 0 0 0 0 0

862 30 354 44 0 0 0 7 0 7 3 6 0 0 0 0 0 0

1004 1476 16 495 95 40 0 0 11 0 38 0 0 0 0 0 0 0 0 29 494 57 0 0 0 16 0 29 0 0 0 0 0 0 0 0

4807 122 1783 265 60 0 0 38 18 242 11 19 0 0 0 0 0 0
7365

2252 1313 1699 2101

0

COMENTÁRIO: Verifica-se que o maior volume é de Análises Clínicas, que, no Hospital, é terceirizada. Junto com o Raios-X , estes procedimentos representam quase 90% do total de SADT realizado. O USG poderia representar um grande volume, mas a partir de janeiro, com os cortes nos pagamentos de extras, os médicos que realizavam o procedimento, suspenderam o procedimento ambulatorial, realizando desde então somente os casos de urgência e de internados. No geral, a variação de SADT acompanhou o volume de atendimento do Hospital.
13.1.8 – AMB ULATÓR IO

1.8. Ambulatório 1.8.1. Consultas 1.8.2. Consultas com Procedimentos 1.8.3. Procedimentos 1.8.4. Procedimentos Cirúrgicos Total

Jan

Fev

Mar

Abr

Mai 0 0 0 0

Jun 0 0 0 0

Jul 0 0 0 0

Ago 0 0 0 0

Set 0 0 0 0

Out 0 0 0 0

Nov 0 0 0 0

Dez 0 0 0 0

TOTAL

772 489 845 769
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

772 489 845 769

0

0

0

0

0

0

0

0

2875 0 0 0 2875

COMENTÁRIO: Tirando Fevereiro, as consultas em Ambulatório vem apresentando pequenas variações quando comparamos mensalmente. Página | 214

O volume maior de Março explica-se pela maior quantidade de consultas na especialidade de Cl. Médica (que representaram 65% do total no quadrimestre) e na de Ginecologia. Em contrapartida, tivemos decréscimo nas especialidades de Oftalmologia (que foi suspensa) e Ortopedia.

13.1.9 – ATENDIMENTOS DE URGÊNCIA/EMERGÊNCIA

1.9. Urgência/Emergência 1.9.1. Consultas 1.9.2. Consultas com Procedimentos 1.9.3. Procedimentos 1.9.4. Procedimentos Cirúrgicos Total

Jan

Fev

Mar

Abr

Mai 0 0 0 0 0

Jun 0 0 0 0 0

Jul 0 0 0 0 0

Ago 0 0 0 0 0

Set 0 0 0 0 0

Out 0 0 0 0 0

Nov 0 0 0 0 0

Dez 0 0 0 0 0

TOTAL

2045 1915 1776 2089 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

2045 1915 1776 2089

7825 0 0 0 7825

COMENTÁRIO: Os atendimentos de urgência apresentaram queda constante no quadrimestre até o mês de abril, quando voltaram a subir. Este aumento ocorreu devido ao maior volume nos atendimentos da especialidade de Clínica Médica, fruto do maior fluxo de usuários de outros municípios para o qual o Hospital é referência. Ressalta-se que o maior volume destes atendimentos são para consultas e casos leves como febre, dor de cabeça, mal estar e verificação de exames, que poderiam ser atendidos nos postos de saúde do município.

Página | 215

13.1.10 – RECURSOS HUMANOS
1.10. Recursos Humanos 1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total Janeiro
S e sa u P ró 3º Tot a l

Fevere iro
S e sa u P ró 3º Tot a l

Março
S e sa u P ró 3º Tot a l S e sa u P ró

Abril
3º Tot a l

22 54 9 13 15 113

21 21 4 37 1 84

0 0 0 0 0 0

43 75 13 50 16 197

13 53 9 13 15 103

32 21 4 37 1 95

0 0 0 0 0 0

45 74 13 50 16 198

14 54 8 13 15 104

32 22 4 37 1 96

0 0 0 0 0 0

46 76 12 50 16 200

14 54 8 13 15 104

34 22 4 37 1 98

0 0 0 0 0 0

48 76 12 50 16 202

1.10. Recursos Humanos
S e sa u P ró

Maio
3º Tot a l

Junho
S e sa u P ró 3º Tot a l

Julho
S e sa u P ró 3º Tot a l

Agosto
S e sa u P ró 3º Tot a l

1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

1.10. Recursos Humanos 1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total 0 0 0 0 0 0

Setem bro
S e sa u P ró 3º Tot a l

Outubro
S e sa u P ró 3º Tot a l

Nove m bro
S e sa u P ró 3º Tot a l

De zem bro
S e sa u P ró 3º Tot a l

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

13.1.11 – NEP

Não foram realizados treinamentos este mês devido ao afastamento médico da colaboradora responsável pelo NEP. Como este afastamento será definitivo, a mesma será substituída por outra profissional que estamos providenciando.
13.1.12 – CORPO CLÍNICO

Ações, evoluções e situações relevantes: - sem maiores acontecimentos. Problemas como mal atendimento, erros de conduta e relacionamentos com as demais equipes do Hospital, vem sendo tratados caso a caso pela Diretoria Técnica e com acompanhamento da Direção Geral e suporte do SAU.

Página | 216

- O Hospital teve no mês de abril a perda de sua única médica pediatra, que solicitou exoneração por motivos particulares. Isto agravou a falta de especialistas na instituição e comprometeu o atendimento ás crianças, especialmente aos RNs. Pendências: - contratação de médicos generalistas para cobertura dos plantões. - definição do perfil do Hospital para adequação de especialidades como cardiologia, ortopedia e oftalmologia, que foram suspensas e fazem falta á região, pois o Hospital é referência para 5 municípios. - retomada da realização de exames como USG ambulatorial e endoscopia, que foram suspensos com o corte dos extras.

13.2 - SAU
1. REGISTROS DE OPINIÃO

Foram registrados durante esse período sete registros de opiniões sendo quatro registros de reclamações, relativos principalmente á demora no atendimento da equipe de enfermagem e equipe médica. Houve ainda reclamações de mau atendimento e falta de informações por parte da equipe de enfermagem. Todas devidamente tratadas e posteriormente foram encaminhadas aos manifestantes. Obtivemos ainda três registros de elogios, dentre os quais se destacam principalmente o bom atendimento dos funcionários do Hospital, em especial da Equipe de enfermagem.

Ocorrências Reclamações Sugestões Elogios Total de Questionários Queixas resolvidas Meta Contratual Meta Realizada

Abril 2012 04 0 03 07 04 80,0% 100,0%

Página | 217

2. GRÁFICO DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO

Comparando-se com Fevereiro, vemos quedas em todos os setores, exceto Ambulatório, que teve aumento, muito pequeno, no índice geral. As quedas foram mais evidentes no SADT e na Internação. Esta redução justifica-se pela falta de estrutura física (aparelho de ar condicionado nos leitos de internação) do Hospital e também pela percepção do paciente da demora para realização do exame, no caso do SADT e na pouca presença (visita) do médico na internação. O Pronto Socorro teve uma queda menor. Na percepção do usuário, nas pesquisas, houve uma insatisfação com o atendimento médico e de enfermagem, que reconhecemos, pelos registros de opinião, como sendo devido á demora no atendimento. Reconhecidos os fatores das quedas, os mesmos foram encaminhados aos responsáveis dos setores médico e de enfermagem, para ação e orientação. A questão da estrutura física depende de investimentos, que por hora, estão no aguardo de liberação de verbas.

Página | 218

13.3 – GERENCIAMENTO DE PROCESSOS
- Com a contratação de uma técnica de segurança do trabalho, o Hospital pôde avaliar com maior precisão as necessidades relativas ao bem estar e á segurança do colaborador e dos usuários. Ações e processos já estão sendo delineados e implantados, como a instalação de extintores, por exemplo. - Foram realizadas reuniões com a equipe de Enfermagem – Técnicas e Enfermeiras, visando melhorias nos processos e adoção de novas regras e condutas relativas ao assistencialismo e ao relacionamento com os diversos setores do Hospital. - Realizada reunião entre a Direção Geral e a equipe de Atendimento, para apresentação da nova gestora do setor e para orientações gerais sobre postura, cumprimento de carga horária e utilização de uniformes. Ao mesmo tempo reforçou-se o canal para sugestões e trocas de opiniões sobre os processos. - Realizada reunião com a equipe do SAU para delineamento do processo e para levantamento das dificuldades encontradas pelos colaboradores do setor. - Realizada reunião ente os gestores da Enfermagem, Atendimento, Vigilância, SND e Assistência Social a fim de elaborar nova norma e processo para a entrada e estadia das visitas e dos acompanhantes dos pacientes. - Realizada reunião com a Gestão de Enfermagem, Direção Geral e membros do CEREST/CEST, que visitaram o HRPPA em caráter de fiscalização e orientação, onde foram abordados assuntos como: Unidade Sentinela, notificações, equipamentos de informática e mobiliário, subnotificação e sensibilização de profissionais. - Visita do Coordenador de Logística da Pró-Saúde – Carlos Gomes e equipe para análise, orientação e adequação dos processos de logística do Hospital. - Realizada reunião entre a responsável pelo setor de transporte - Luciane Tavares – e a equipe de Enfermeiros, para tratar de assuntos como: Relatórios de Viagem e Relatórios de Enfermagem. - Visita do Diretor de TI da SESAU (Junior), para verificação das necessidades e condições atuais da TI no Hospital. - Participação da Supervisora do SAU em reunião com a Coordenação Geral - SAU para instruções sobre novas atribuições e novos processos no setor. - Participação do Diretor Geral na Reunião Ordinária da Comissão Intergestores Regionais em Palmas, para apresentação de leis complementares, alteração de regime interno e discussão sobre o real papel dos hospitais regionais no atendimento á população dos municípios. - Treinamento, pela consultoria MV, da gestora do Atendimento e colaboradora do setor para implantação do módulo de agendamento ambulatorial e cirúrgico no Hospital. Posteriormente foi implantado o agendamento ambulatorial e iniciado o processo e implantação do agendamento cirúrgico. - Realizadas manutenções nas ambulâncias do Hospital.

Página | 219

- Visita do Engº Clínico da empresa TecSaúde para levantamento das necessidades de manutenção em equipamentos clínicos do Hospital.

13.4 – FATURAMENTO
4. Faturamento 4.1 - AIH (Quantitativo) 4.2 - Valores (em reais) Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez TOTAL

246 99.238,3

195 77.333,1

209 94.104,7

205 93.182,3 0,0 0,0

0 0,0

0 0,0

0 0,0

0 0,0

0 0,0

0 0,0

855
363.858,3

COMENTÁRIO: Os números e valores apresentados são referentes ao mês em que foram realizados. A apresentação destas contas é feita no mês posterior. A variação de faturamento segue a variação do atendimento do Hospital, já descrita nos tópicos anteriores. Alerto que estes dados acima referem-se somente a AIHs, conforme solicitado pela planilha. O Hospital também fatura os procedimentos ambulatoriais, chamados BPAs, cujos valores compõem o faturamento total. No quadro abaixo, estão os valores de Jan a Abr/12: BPA
jan/12 fev/12 mar/12 abr/12 31.498,91 38.381,82 27.056,56 33.202,13

13.6 – OBRAS E IMPLANTAÇÃO DE NOVOS SERVIÇOS - Nenhuma obra foi realizada.
- Foi realizada manutenção preventiva e corretiva nos aparelhos de ar-condicionado do Hospital. - Solicitou-se orçamentos a 2 empresas para futura implantação de um serviço de manutenção mensal nos aparelhos de ar-condicionado da instituição. - Solicitados orçamentos para troca e reforma das portas da ala de internação.

13.7 – EQUIPAMENTOS NOVOS - Entrada em operação do novo aparelho de RX portátil do Hospital.
- Instalação da nova mesa cirúrgica ortopédica motorizada. - Instalação de novos focos auxiliares e chegada de novo foco fixo, ainda não instalado. Página | 220

- Chegada e disponibilização para uso de novo monitor multiparamétrico no setor de urgência e emergência.

13.8 – COMISSÕES
Comissão de Prontuário – reunião em 10/04/12 Comissão de Óbitos – reunião em 04/04/12

Comissão de Ética Médica – reunião em 17/04/12 Comissão de CCIH – reunião em 17/04/12 Comissão de Farmácia – reunião em 12/04/12 As atas serão enviadas em separado, conforme determinação da Coordenação.

PALAVRA DO DIRETOR GERAL DO HOSPITAL
Procurando sempre manter e aprimorar os serviços prestados e na busca constante por investimentos em estrutura e melhorias em seu quadro de pessoal o Hospital Regional de Pedro Afonso vem atendendo a população de forma satisfatória, conforme atestam os índices de pesquisa de satisfação, hoje próximo a 90 % . No mês de abril, a instituição passou a contar com um aparelho de RX de última geração, além de novos equipamentos como uma mesa cirúrgica ortopédica e novos focos cirúrgicos. Também foram contratados novos profissionais para as áreas de logística, enfermagem e segurança do trabalho que vieram somar e aprimorar os serviços prestados, juntamente com a implantação e melhorias de métodos, rotinas e processos. Com índices de ocupação média acima de 70% em seus 30 leitos, sendo mais de 90% na especialidade de Clínica Médica, nosso maior volume, o Hospital vem tornando-se importante referência de saúde para a região, prestando assistência àqueles que os municípios não conseguem atender, Somente em abril, foram 240 internações, 278 saídas, 69 cirurgias, 769 consultas ambulatoriais, 2.089 atendimentos de urgência/emergência, 1.476 exames de análises clínicas e 494 de RX além de USG, ECG e Hemoterapia. Não é o ideal, pois muito ainda precisa ser feito e aprimorado, mas a instituição conseguiu, em Abril, manterse dentro das exigências contratuais e principalmente, dentro das condições esperadas pela população para um atendimento de qualidade na saúde.

Página | 221

2.14 HOSPITAL INFANTIL PÚBLICO DE PALMAS 2.14.1 METAS CONTRATUAIS

14.1 – INDICADORES DE PRODUÇÃO

14.1.1 – Nº DE LEITOS POR ESPECIALIDADE;
1.1. Leitos por Especialidade 1.1.1. Clínica Médica 1.1.2. Clínica Pediátrica 1.1.3. Clínica Cirúrgica 1.1.4. Clínica Obstétrica 1.1.5. UTI de Adultos 1.1.6. UTI Infantil 1.1.7. UTI Neonatal 1.1.8. Berçário 1.1.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Leitos Jan 0 28 0 0 0 0 0 0 0 4 32 Fev 0 28 0 0 0 0 0 0 0 4 32 Mar 0 28 0 0 0 0 0 0 0 4 32 Abr 0 28 0 0 0 0 0 0 0 4 32 Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 0 112 0 0 0 0 0 0 0 16 128

COMENTÁRIO: No período não tivemos modificações em Totais de Leitos

14.1.2 – Nº. DE INTERNAÇÕES POR ESPECIALIDADE;
1.2.1. Clínica Médica 1.2.2. Clínica Pediátrica 1.2.3. Clínica Cirúrgica 1.2.4. Clínica Obstétrica 1.2.5. UTI de Adultos 1.2.6. UTI Infantil 1.2.7. UTI Neonatal 1.2.8. Berçário 1.2.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Internações por especialidade 0 154 0 0 0 0 0 0 0 16 170 0 245 0 0 0 0 0 0 0 29 274 0 268 0 0 0 0 0 0 0 47 315 0 255 0 0 0 0 0 0 0 30 285 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 922 0 0 0 0 0 0 0 122 1044

COMENTÁRIO: Tivemos algumas oscilações no número de internações clínicas do HIPP de fevereiro para cá, em virtude da elevada incidência sazonal das doenças respiratórias infantis.

Página | 222

14.1.3 – Nº. DE SAÍDOS POR ESPECIALIDADE
1.3. Nº. de saídos por especialidade 1.3.1. Clínica Médica 1.3.2. Clínica Pediátrica 1.3.3. Clínica Cirúrgica 1.3.4. Clínica Obstétrica 1.3.5. UTI de Adultos 1.3.6. UTI Infantil 1.3.7. UTI Neonatal 1.3.8. Berçário 1.3.9. Clínica Ortopédica 1.3.10. Outros Total de Internações por especialidade Jan 0 147 0 0 0 0 0 0 0 16 163 Fev 0 239 0 0 0 0 0 0 0 38 277 Mar 0 266 0 0 0 0 0 0 0 46 312 Abr 0 247 0 0 0 0 0 0 0 33 280 Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 0 899 0 0 0 0 0 0 0 133 1032

COMENTÁRIO: O HIPP vem atingindo sua meta de saídos conforme o esperado, tivemos uma queda bastante significativa em janeiro, mas isso se deu pelo fato de ser um período de férias, ocasionando assim uma redução principalmente em cirurgias eletivas.

14.1.4 – PERCENTUAL DE OCUPAÇÃO POR CLÍNICA;
1.4. Porcentagem de Ocupação 1.4.1. Clínica Médica 1.4.2. Clínica Pediátrica 1.4.3. Clínica Cirúrgica 1.4.4. Clínica Obstétrica 1.4.5. UTI de Adultos 1.4.6. UTI Infantil 1.4.7. UTI Neonatal 1.4.8. Outros (Berçário) 1.4.9. Clínica Ortopédica 1.4.10. Outros Porcentagem Geral de Ocupação Jan 0% 71% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 31% 68% Fev 0% 85% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 25% 80% Mar 0% 89% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 27% 85% Abr 0% 81% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 25% 77% Mai 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Jun 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Jul 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Ago 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Set 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Out 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Nov 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Dez 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% TOTAL 0% 326% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 108%

COMENTÁRIO: Com exceção de janeiro que foi uma época atípica, estamos mantendo uma média mensal em ocupação.

Página | 223

14.1.5 – MÉDIA DE PERMANÊNCIA;

1.5.1. Clínica Médica 1.5.2. Clínica Pediátrica 1.5.3. Clínica Cirúrgica 1.5.4. Clínica Obstétrica 1.5.5. UTI de Adultos 1.5.6. UTI Infantil 1.5.7. Uti Neonatal 1.5.8. Outros 1.5.9. Clínica Ortopédica 1.5.10. Outros Média Geral de Permanência

0 6,66 0 0 0 0 0 2,44 0 0 6,25

0 4,64 0 0 0 0 0 0,76 0 0 4,11

0 5,8 0 0 0 0 0 0,72 0 0 6,52

0 5,51 0 0 0 0 0 0,91 0 0 6,42

0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

0 22,61 0 0 0 0 0 4,83 0 0

COMENTÁRIO:

14.1.6 – VOLUME CIRURGICO
14.1.6.1 – Nº de Cirurgias de Urgência; 14.1.6.2 – Nº de Cirurgias eletivas;

1.6. Volum e Cirúrgico 1.6.1. Cirurgias de Urgência 1.6.2. Cirurgias Eletivas Média Geral de Cirurgias

Jan 10 19 29

Fev 39 32 71

Mar 42 18 60

Abr 22 33 55

Mai 0 0 0

Jun 0 0 0

Jul 0 0 0

Ago 0 0 0

Set 0 0 0

Out 0 0 0

Nov 0 0 0

Dez 0 0 0

TOTAL 113 102 215

COMENTÁRIO: Apesar do procura pelos serviços de nossa Unidade neste mês, vimos que houve uma redução de 5 cirurgias em relação ao mês anterior. Isto se deu devido a algumas cirurgias que tiveram que ser remarcadas por problemas respiratórios e gripais dos pacientes, devido às mudanças climáticas desta época.
14.1.6.3 – Nº DE CIRURGIAS POR PORTE;

1.6.3. Núm ero de Cirurgias por Porte 1.6.3.1. Cirurgias Grandes 1.6.3.2. Cirurgias Médias 1.6.3.3. Cirurgias Pequenas 1.6.3.4. Curetagens 1.6.3.5. Cesáreas Média Geral de Cirurgias por Porte

Jan 3 9 17 0 0 29

Fev 14 22 35 0 0 71

Mar 9 27 24 0 0 60

Abr 6 28 21 0 0 55

Mai 0 0 0 0 0 0

Jun 0 0 0 0 0 0

Jul 0 0 0 0 0 0

Ago 0 0 0 0 0 0

Set 0 0 0 0 0 0

Out 0 0 0 0 0 0

Nov 0 0 0 0 0 0

Dez 0 0 0 0 0 0

TOTAL 32 86 97 0 0 215

COMENTÁRIO:

Página | 224

14.1.7 – SADT’S
1.7. SADT 1.7.1. Laboratório Clínico 1.7.2. Anatomia Patológica 1.7.3. Radiologia 1.7.4. Eletrocardiografia 1.7.5. Fisioterapia (Sessões) 1.7.6. Hemodiálise(Sessões) 1.7.7. Hemodinâmica 1.7.8. Hemoterapia 1.7.9. Endoscopia 1.7.10. Ultrassonografia 1.7.11 Tomografia Computadorizada 1.7.12 Ressonancia Magnética 1.7.13 Mamografia 1.7.14 Citopatologia 1.7.15 Eletroencefalografia 1.7.16 Teste do Pézinho 1.7.17 Diversos 1.7.18 Teste Ergométrico 1.7.19 Outros ( especificar) Total Jan Fev Mar Abr Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 16443 44 1665 0 1997 0 0 0 0 292 164 54 0 0 68 0 31 0 0 20758

3233 4936 4574 3700 6 258 0 344 0 0 0 0 70 34 6 0 0 18 0 3 0 0 11 371 0 409 0 0 0 0 58 53 24 0 0 19 0 0 0 0 15 537 0 640 0 0 0 0 84 35 12 0 0 13 0 7 0 0 12 499 0 604 0 0 0 0 80 42 12 0 0 18 0 21 0 0

3972 5881 5917 4988

COMENTÁRIO:
14.1.8 – AMB ULATÓR IO

1.8. Ambulatório 1.8.1. Consultas 1.8.2. Consultas com Procedimentos 1.8.3. Procedimentos 1.8.4. Procedimentos Cirúrgicos Total

Jan 229 0 0 0 229

Fev 304 0 0 0 304

Mar 381 0 0 0 381

Abr 392 0 0 0 392

Mai 0 0 0 0 0

Jun 0 0 0 0 0

Jul 0 0 0 0 0

Ago 0 0 0 0 0

Set 0 0 0 0 0

Out 0 0 0 0 0

Nov 0 0 0 0 0

Dez 0 0 0 0 0

TOTAL 1306 0 0 0 1306

COMENTÁRIO:

Página | 225

14.1.9 – ATENDIMENTOS DE URGÊNCIA/EMERGÊNCIA

1.9. Urgência/Emergência 1.9.1. Consultas 1.9.2. Consultas com Procedimentos 1.9.3. Procedimentos 1.9.4. Procedimentos Cirúrgicos Total

Jan 469 0 0 0 469

Fev 566 0 0 0 566

Mar 766 0 0 0 766

Abr 719 0 0 0 719

Mai 0 0 0 0 0

Jun 0 0 0 0 0

Jul 0 0 0 0 0

Ago 0 0 0 0 0

Set 0 0 0 0 0

Out 0 0 0 0 0

Nov 0 0 0 0 0

Dez 0 0 0 0 0

TOTAL 2520 0 0 0 2520

COMENTÁRIO: No período de fevereiro para cá tem aumentado a demanda ambulatorial, visto aos problemas respiratórios que são normais neste período. Como os PA`s da cidade não possuem profissionais pediatras, estes pacientes acabam sendo encaminhados para esta Unidade.

14.1.10 – RECURSOS HUMANOS
1.10. Recursos Humanos 1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total 26 156 14 86 42 324 Janeiro
S e s a u P ró 3º

Fevereiro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Março
T o t a l S e s a u P ró 3º T o t a l S e s a u P ró

Abril
3º T o tal

23 15 3 60 0 101

0 0 0 0 0 0

49 171 17 146 42 425

26 140 14 86 42 308

21 16 3 67 1 108

0 0 0 0 0 0

47 156 17 153 43 416

29 140 14 87 44 314

21 16 3 66 1 107

0 0 0 0 0 0

50 156 17 153 45 421

28 140 14 88 41 311

21 16 3 66 1 107

0 0 0 0 0 0

49 156 17 154 42 418

1.10. Recursos Humanos
S e s a u P ró

Maio

Junho
T o t a l S e s a u P ró 3º

Julho
T o t a l S e s a u P ró 3º

Agosto
T o t a l S e s a u P ró 3º T o tal

1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

1.10. Recursos Humanos 1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total 0 0 0 0 0 0

Setem bro
S e s a u P ró 3º

Outubro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Novem bro
T o t a l S e s a u P ró 3º

De zem bro
T o t a l S e s a u P ró 3º T o tal

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

Página | 226

14.1.11 – NEP As ações de capacitação do Hospital Infantil Público de Palmas, no mês de abril 2012 apresentou progressão no número de horas em relação ao mês anterior. Neste mês foram totalizadas 176h20min com a participação de 359 colaboradores/colaboradores.

NÚMERO DE CURSO

CARGA

TOTAL DE HORAS

PARTICIPANTES HORÁRIA Treinamento Novas Diretrizes de Trabalho no Hospital Infantil Público de Palmas Integração Estagiários Enfermagem Integração Estagiários Enfermagem Curso Preparatório do Fórum Norte e Nordeste de Conselhos Estaduais de Saúde Treinamento sobre a Utilização e Manuseio de Equipamentos de Proteção Individual Treinamento sobre a Organização do Processo de Trabalho do Serviço de Nutrição e Dietética Treinamento sobre a Responsabilidade Legal do Enfermeiro no Exercício de suas Atividades Treinamento sobre Política Nacional de Educação Permanente em Saúde Integração Estagiários Enfermagem Treinamento sobre Gestão de Documentos Treinamento sobre Relatórios Estatísticos do Sistema M.V Curso Prontuário Nota 10 Treinamento Sistema M.V sobre Segurança e 3 6 1 02:00:00 04:00:00 01:30:00 16 6 2 03:00:00 03:00:00 16:00:00 26 05:30:00 8 00:35:00 13 03:00:00 1 16:00:00 8 7 6 02:30:00 02:00:00 02:00:00

20:00:00 14:00:00 12:00:00

16:00:00

39:00:00

4:40:00

143:00:00

48:00:00 18:00:00 32:00:00

6:00:00 24:00:00 1:30:00 Página | 227

Saúde Ocupacional Orientações Administração Assistente aos Colaboradores HIPP Orientações Comissão Controle de Infecção Hospitalar aos Colaboradores HIPP Orientações Direção de Enfermagem à Equipe de Enfermagem Curso de Atualização para Auxiliares e Técnicos de Enfermagem em Urgência e Emergência Curso Técnico em Hemoterapia TOTAL 6 4 359 40:00:00 48:00:00 176:20:00 240:00:00 192:00:00 3556:55:00 168 13:00:00 2184:00:00 43 08:00:00 344:00:00 35 06:15:00 218:45:00

TOTAL DE HORAS NÚMERO TOTAL DE COLABORADORES DO HOSPITAL HORAS/HOMEM

3556:55:00 422 0,35119635

HORAS DE TREINAMENTO

00:00:00 00:00:00 00:00:00 00:00:00 JAN

Gráfico 1 – Comparativo de horas destinadas às capacitações entre os meses de Janeiro a Abril de 2012.

Página | 228

14.1.12 – CORPO CLÍNICO

Durante o mês de abril houve um incremento significativo no número de internações clínicas do HIPP em virtude da elevada incidência sazonal das doenças respiratórias infantis, tanto de vias aéreas superiores (rinofaringites, sinusites) como inferiores (asma, bronquites, pneumonias), elevando-se desta forma a taxa de ocupação dos leitos, além da necessidade de se improvisar novos leitos nos corredores, trazendo em consequência a superlotação. A estatística demonstrou uma incidência de 02 casos de pneumonias complicadas com empiema pleural e com necessidade de drenagem cirúrgica (toracocentese), ambas com boa evolução. Os casos de maior gravidade que evoluíram com insuficiência respiratória foram conduzidos e estabilizados na Unidade Semi-Intensiva do hospital ou transferidos para a UTI pediátrica do Hospital Público Geral de Palmas, não tendo havido relato de nenhum óbito infantil por esta causa.

14.2 – SAU
S.A.U. (Serviço de Atendimento ao Usuário) do Hospital Infantil Público de Palmas, realizou no período de 01de abril a 30 de abril de 2012, apenas 01 tratativa, sendo uma reclamação, a qual foi resolvida juntamente com a coordenação responsável e Direção do Hospital, e resolução repassada para a cliente. Abaixo o quadro informativo sobre a tratativa (Registro de Opinião) ocorrido do dia 01 de abril à 30 de abril de 2012. OCORRÊNCIAS Reclamação SUGESTÃO ELOGIOS TOTAL DE QUESTIONÁRIOS QUEIXAS RESOLVIDAS META CONTRATUAL ABRIL -2012 01 00 00 01 01 80% 100%

No quadro abaixo com o gráfico apresentado, nota-se que as pesquisas realizadas no mês de abril com os acompanhantes no ambulatório, internação, SADT, teve uma queda pequena no percentual na satisfaPágina | 229

ção em relação ao mês de fevereiro, mas que em relação ao mês de março teve uma melhora no percentual de satisfação mantendo-se dentro dos 80%. No Pronto Socorro percebe-se uma queda na pesquisa de satisfação em março sobre fevereiro, mas que em abril em ralação a março, teve uma pequena melhora.

A queda da satisfação no P.S. deve-se ao fato da superlotação que o hospital encontra-se nos últimos meses.

14.3 – GERENCIAMENTO DE PROCESSOS
- Implantação do formulário de relatório diário do supervisor de enfermagem do HIPP. - Orientações disciplinares aos profissionais da equipe de enfermagem quanto às responsabilidades no exercício profissional. - Levantamento de Itens para aquisição: Instrumentais Cirúrgicos e Equipamentos. - Divulgação do Cronograma da 3ª Semana da Enfermagem. - Construção de Projeto do Serviço Voluntariado do HIPP. - Organização e discussão do material referente a implantação do Protocolo de Atenção Integral à Criança Vítima de Violência.

14.4 – FATURAMENTO
5. Faturamento 5.1 - AIH 5.2 - Valores Jan 175 Fev 272 Mar 353 Abr 253 Mai 0 0,0 Jun 0 0,0 Jul 0 0,0 Ago 0 0,0 Set 0 0,0 Out 0 0,0 Nov 0 0,0 Dez 0 TOTAL 1053

81319,4 110922,7 164141,8 126673,2

0,0 483057,1

COMENTÁRIO: Página | 230

14.6 – OBRAS E IMPLANTAÇÃO DE NOVOS SERVIÇOS 14.7 – EQUIPAMENTOS NOVOS
Segue abaixo a descrição do equipamento que foi adquirido pelo Hospital Infantil Público de Palmas no mês de abril de 2012: DESCRIÇÃO Autoclave de 365 litros – Marca: Baumer QUANTIDADE 01

14.8 – COMISSÕES

COMISSÃO DE ÉTICA MÉDICA A reunião da Comissão de Ética Médica foi realizada no dia 17 de abril.

COMISSÃO DE FARMÁCIA E TERAPÊUTICA A reunião da Comissão de Farmácia e Terapêutica foi realizada no dia 24 de abril para a discussão dos medicamentos que atuam no sistema digestivo a serem padronizados na instituição. A ata segue anexa para conferência (Anexo I).

COMISSÃO DE ÓBITOS Não houve óbito no mês de abril de 2012.

COMISSÃO DE REVISÃO DE PRONTUÁRIOS A ata da reunião da Comissão de Revisão de Prontuários, que ocorreu no dia 16 de abril, segue anexa (Anexo II) para consulta. Na reunião houve discussão sobre a padronização para a revisão dos prontuários, e a inclusão de item no protocolo de revisão. Foram revisados no mês de abril 31% dos prontuários de março e não ocorreu nenhum óbito.

Página | 231

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR A reunião da CCIH ocorreu no dia 19 de abril para tratar das Oficinas sobre infecção hospitalar para servi-

dores (informações sobre contágio, procedimentos adequados ) e discussão sobre implantação do uso
racional de antimicrobianos. A ata da reunião segue anexa para ciência (Anexo III).

14.9 – OUTRAS INFORMAÇÕES

14.9.1 AÇÕES DE VALORIZAÇÃO Comemoração dia da “Páscoa” com: Revelação de Amigo Doce entre as equipes multiprofissionais.

Página | 232

14.9.2 CONSULTORIA • • Qualidade: Presença da consultoria da Qualidade, para redimensionamento da estratégia do Programa da Qualidade. SST :Consultoria do técnico de segurança da Pró Saúde (sede), com objetivo de fiscalização e harmonização das políticas, praticas e documentações referentes a segurança do trabalho, em todas as frentes de serviços existentes no HIPP.

Página | 233

14.9.3 INTERAÇÃO COM A COMUNIDADE No dia 08 de abril foi comemorado o dia da páscoa com as crianças internadas, e foi entregue kits ( escova, folder educativo, desenho e ovo da páscoa) para as crianças. Foram confeccionadas máscaras de coelhinhos para as crianças.

Página | 234

PALAVRA DO DIRETOR GERAL DO HOSPITAL
É relevante dizer que dentro deste contrato do gerenciamento das Unidades, tivemos muitos altos e baixos em relação ao recurso humano, o fato de trabalharmos ao mesmo tempo com profissionais estatutários e Página | 235

profissionais celetistas, promoveu bastante tumultuo nos primeiros meses, interesses próprios X normas de trabalhos. Temos em nossa Unidade pessoas ligadas ao Estado e que também trabalham em sindicatos ligados a área da saúde, promovendo muitas vezes discórdia entre os funcionários da Instituição. Logo nos primeiros meses tivemos bastante dificuldade com o corpo clínico da Unidade, o que foi contornado e hoje seguem suas rotinas sem muitos problemas, logo tivemos alguns problemas com a equipe de enfermeiros e por fim estamos atravessamos um problema com o pessoal técnico de enfermagem. Infelizmente esses problemas pessoais estão tomando o lugar de nossos pacientes e entendemos que estas pessoas estão trabalhando livremente para dar errado todos os processos que imaginamos implantar, necessitamos tomar uma posição frente a isso urgentemente. Apesar de estarmos passando por estar turbulência também tivemos muitas coisas positivas nestes períodos, tais como: Parceria com o COREN/TO, onde tivemos dois momentos de palestra com o Dr. Hugo, responsável pelo jurídico daquele Conselho, trabalhando junto ao pessoal de enfermagem a obrigação deles frente ao trabalho. Nossos dia “S”, dia promovido mensalmente em nossa Unidade visando também um atendimento à acompanhantes e visitantes, onde é ofertado mini palestras de prevenções da DENGUE, prevenções de DST, aferição de pressão arterial, etc. Um problema que também nos deixa bastante apreensivos e a nossa situação financeira, esta nos deixa sem poderes de negociação no comércio local, gerando uma desacreditação de nossa Empresa, onde não conseguimos comprar simples itens que por ventura necessitamos.

Página | 236

2.15 HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE ARAGUAÇU 2.15.1 METAS CONTRATUAIS

15.1 – INDICADORES DE PRODUÇÃO

15.1.1 – Nº DE LEITOS POR ESPECIALIDADE;
1.1. Leitos por Especialidade 1.1.1. Clínica Médica 1.1.2. Clínica Pediátrica 1.1.3. Clínica Cirúrgica 1.1.4. Clínica Obstétrica 1.1.5. UTI de Adultos 1.1.6. UTI Infantil 1.1.7. UTI Neonatal 1.1.8. Berçário 1.1.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Leitos Jan 11 9 4 4 0 0 0 0 0 0 28 Fev 11 9 4 4 0 0 0 0 0 0 28 Mar 11 9 4 4 0 0 0 0 0 0 28 Abr 11 9 4 4 0 0 0 0 0 0 28 Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 44 36 16 16 0 0 0 0 0 0 112

COMENTÁRIO: Não ocorreu variação de leitos no período indicado.

15.1.2 – Nº. DE INTERNAÇÕES POR ESPECIALIDADE;
1.2. Internações por Especialidade 1.2.1. Clínica Médica 1.2.2. Clínica Pediátrica 1.2.3. Clínica Cirúrgica 1.2.4. Clínica Obstétrica 1.2.5. UTI de Adultos 1.2.6. UTI Infantil 1.2.7. UTI Neonatal 1.2.8. Berçário 1.2.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Internações por especialidade Jan 126 18 1 9 0 0 0 0 0 0 154 Fe v 108 21 0 7 0 0 0 0 0 0 136 Mar 131 26 1 13 0 0 0 0 0 0 171 Abr 141 32 1 15 0 0 0 0 0 0 189 Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 506 97 3 44 0 0 0 0 0 0 650

COMENTÁRIO: As variações de internações tendem em aumentar conforme é visto do mês de março e abril pois além do fator natural de problemas respiratórios e viroses típicos do período do ano que aumentará as internações das Clínicas Médica e Pediátrica, está sendo trabalhada a execução de cirurgias de pequeno porte a ser realizada. A demanda de cirurgia do município e municípios vizinho tendem a aumentar o numero de internações.

Página | 237

15.1.3 – Nº. DE SAÍDOS POR ESPECIALIDADE
1.3. Nº. de saídos por especialidade 1.3.1. Clínica Médica 1.3.2. Clínica Pediátrica 1.3.3. Clínica Cirúrgica 1.3.4. Clínica Obstétrica 1.3.5. UTI de Adultos 1.3.6. UTI Infantil 1.3.7. UTI Neonatal 1.3.8. Berçário 1.3.9. Clínica Ortopédica 1.3.10. Outros Total de saídos por especialidade Jan 128 10 1 9 0 0 0 0 0 0 148 Fev 105 10 0 9 0 0 0 0 0 0 124 Mar 129 29 1 13 0 0 0 0 0 0 172 Abr 136 32 1 20 0 0 0 0 0 0 189 Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 498 81 3 51 0 0 0 0 0 0 633

COMENTÁRIO: Assim como o numero de internações tendem a aumentar, o numero de saídos seguem a mesma alinha. A ideia e tentar resolver o maior numero possível de problemas dos usuários sem que seja necessário fazer a transferência para outras unidades hospitalares.

15.1.4 – PERCENTUAL DE OCUPAÇÃO POR CLÍNICA;
1.4. Porcentagem de Ocupação 1.4.1. Clínica Médica 1.4.2. Clínica Pediátrica 1.4.3. Clínica Cirúrgica 1.4.4. Clínica Obstétrica 1.4.5. UTI de Adultos 1.4.6. UTI Inf antil 1.4.7. UTI Neonatal 1.4.8. Outros (Berçário) 1.4.9. Clínica Ortopédica 1.4.10. Outros Jan 91% 16% 3% 6% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Fe v Mar Abr Mai 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Jun 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Jul 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Ago 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Set 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Out 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Nov 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Dez 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% TOTAL 369% 87% 13% 39% 0% 0% 0% 0% 0% 0%

73% 100% 105% 21% 2% 9% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 24% 2% 12% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 26% 6% 12% 0% 0% 0% 0% 0% 0%

COMENTÁRIO: O percentual de ocupação aumentou devido o aumento do numero de internações, principalmente nas clínicas médica e pediátrica pelo motivo de patologias da época.

Página | 238

15.1.5 – MÉDIA DE PERMANÊNCIA;
1.5. Média de Perm anência 1.5.1. Clínica Médica 1.5.2. Clínica Pediátrica 1.5.3. Clínica Cirúrgica 1.5.4. Clínica Obstétrica 1.5.5. UTI de Adultos 1.5.6. UTI Inf antil 1.5.7. Uti Neonatal 1.5.8. Outros 1.5.9. Clínica Ortopédica 1.5.10. Outros Média Geral de Permanência Jan 2,42 4,6 4 0,78 0 0 0 0 0 0 Fev 2,21 5,5 2 1,11 0 0 0 0 0 0 Mar 2,65 2,31 2 1,15 0 0 0 0 0 0 Abr 2,54 2,16 7 0,7 0 0 0 0 0 0 Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 9,82 14,57 15 3,74 0 0 0 0 0 0

COMENTÁRIO: Houve pouca variação na média de permanência, somente a clínica cirúrgica que teve um aumento considerável devido a um numero maior de cirurgias.

15.1.6 – VOLUME CIRURGICO
1.6. Volum e Cirúrgico 1.6.1. Cirurgias de Urgência 1.6.2. Cirurgias Eletivas Média Geral de Cirurgias Jan 4 2 6 Fev 1 1 2 Mar 5 3 8 Abr 6 4 10 Mai 0 0 0 Jun 0 0 0 Jul 0 0 0 Ago 0 0 0 Set 0 0 0 Out 0 0 0 Nov 0 0 0 Dez 0 0 0 TOTAL 16 10 26

COMENTÁRIO: Apesar das cirurgias eletivas não estarem ocorrendo conforme o ideal, tivemos um pequeno aumento, o numero de cirurgias de emergência também aumentaram em pequena proporção. O numero de cirurgias não bate com o total de pacientes internados na clínica cirúrgica pois temos 11 partos cesáreas que foram internados na clínica obstétrica, 4 curetagens que foram internadas na clínica médica. Ocorreram também algumas cirurgias que foi internado na clínica médica pelo motivo do gerenciamento não estar totalmente atuante.
15.1.6.3 – Nº DE CIRURGIAS POR PORTE;
1.6.3. Núm ero de Cirurgias por Porte 1.6.3.1. Cirurgias Grandes 1.6.3.2. Cirurgias Médias 1.6.3.3. Cirurgias Pequenas 1.6.3.4. Curetagens 1.6.3.5. Cesáreas Média Geral de Cirurgias por Porte Jan 0 2 0 2 2 6 Fev 0 1 0 0 1 2 Mar 0 3 1 0 4 8 Abr 0 4 0 2 4 10 Mai 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 TOTAL 0 10 1 4 11 26

COMENTÁRIO: Apesar das cirurgias eletivas não estarem ocorrendo conforme o ideal, tivemos um pequeno aumento, conseguimos fazer no mês de abril uma quantidade maior de cirurgias de médio porte. O numero de cirurgias não bate com o total de pacientes internados na clínica cirúrgica pois temos 11 partos cesáreas que foram internados na clínica obstétrica, 4 curetagens que foram internadas na clínica médica. Ocorreram também algumas cirurgias que foi internado na clínica médica pelo motivo do gerenciamento não estar totalmente atuante. Página | 239

15.1.6.4 – Nº. DE PARTOS POR TIPO
1.6.4. Núm ero de partos por tipo 1.6.4.1. Normal 1.6.4.2. Cesariana 1.6.3.3. Outros Jan 5 2 0 Fev 4 1 0 Mar 5 4 0 Abr 3 4 0 Mai 0 0 0 Jun 0 0 0 Jul 0 0 0 Ago 0 0 0 Set 0 0 0 Out 0 0 0 Nov 0 0 0 Dez 0 0 0 TOTAL 17 11 0

15.1.7 – SADT’S
1.7. SADT 1.7.1. Laboratório Clínico 1.7.2. Anatomia Patológica 1.7.3. Radiologia 1.7.4. Eletrocardiografia 1.7.5. Fisioterapia (Sessões) 1.7.6. Hemodiálise(Sessões) 1.7.7. Hemodinâmica 1.7.8. Hemoterapia 1.7.9. Endoscopia 1.7.10. Ultrassonografia 1.7.11 Tomografia Computadorizada 1.7.12 Ressonancia Magnética 1.7.13 Mamografia 1.7.14 Citopatologia 1.7.15 Eletroencefalografia 1.7.16 Teste do Pézinho 1.7.17 Diversos 1.7.18 Teste Ergométrico Jan Fe v Mar Abr Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 5917 0 986 0 416 0 0 0 0 424 0 0 0 0 0 0 0 0

1310 1413 1598 1596 0 274 0 102 0 0 0 0 112 0 0 0 0 0 0 0 0 0 262 0 110 0 0 0 0 102 0 0 0 0 0 0 0 0 0 289 0 101 0 0 0 0 103 0 0 0 0 0 0 0 0 0 161 0 103 0 0 0 0 107 0 0 0 0 0 0 0 0

COMENTÁRIO: Assim como o numero de consultas e internações o número de SADT`s acompanhou o aumento dando suporte a diagnóstico e terapias necessárias para o tratamento dos pacientes.
15.1.8 – AMB ULATÓR IO

1.8. Ambulatório 1.8.1. Consultas 1.8.2. Consultas com Procedimentos 1.8.3. Procedimentos 1.8.4. Procedimentos Cirúrgicos Total

Jan 0 0 0 0 0

Fev 0 0 0 0 0

Mar 0 0 0 0 0

Abr 0 0 0 0 0

Mai 0 0 0 0 0

Jun 0 0 0 0 0

Jul 0 0 0 0 0

Ago 0 0 0 0 0

Set 0 0 0 0 0

Out 0 0 0 0 0

Nov 0 0 0 0 0

Dez 0 0 0 0 0

TOTAL 0 0 0 0 0

COMENTÁRIO: Não temos atendimento de ambulatório em nossa unidade.
15.1.9 – ATENDIMENTOS DE URGÊNCIA/EMERGÊNCIA

Página | 240

1.9. Urgência/Emergência 1.9.1. Consultas 1.9.2. Consultas com Procedimentos 1.9.3. Procedimentos 1.9.4. Procedimentos Cirúrgicos Total

Jan

Fe v

Mar

Abr

Mai 0 0 0 0 0

Jun 0 0 0 0 0

Jul 0 0 0 0 0

Ago 0 0 0 0 0

Set 0 0 0 0 0

Out 0 0 0 0 0

Nov 0 0 0 0 0

Dez 0 0 0 0 0

TOTAL 5232 3094 265 0 8591

1327 1185 1279 1441 891 49 0 714 80 0 893 74 0 596 62 0

2267 1979 2246 2099

COMENTÁRIO: O aumento nas consultas de urgência e emergência aumentaram nos últimos meses ocorre pela maior procura devido as patologias típicas da época do ano e a falta de consciência e informação dos usuários quanto a procura da saúde básica para a realização de consultas e procedimentos básicos.
15.1.10 – RECURSOS HUMANOS
1.10. Recursos Humanos 1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total 18 56 10 6 7 97 Janeiro
S e s a u P ró 3º

Fevereiro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Março
T o t a l S e s a u P ró 3º T o t a l S e s a u P ró

Abril
3º T o tal

18 0 1 20 0 39

0 0 4 0 0 4

36 56 15 26 7 140

23 55 10 6 7 101

18 1 1 19 0 39

0 0 0 0 0 0

41 56 11 25 7 140

23 55 10 6 7 101

18 1 1 19 1 40

0 0 0 0 0 0

41 56 11 25 8 141

20 55 9 8 7 99

22 1 1 20 1 45

0 0 0 0 0 0

42 56 10 28 8 144

1.10. Recursos Humanos
S e s a u P ró

Maio

Junho
T o t a l S e s a u P ró 3º

Julho
T o t a l S e s a u P ró 3º

Agosto
T o t a l S e s a u P ró 3º T o tal

1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

1.10. Recursos Humanos 1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total 0 0 0 0 0 0

Setem bro
S e s a u P ró 3º

Outubro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Novem bro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Dezem bro
T o t a l S e s a u P ró 3º T o tal

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

Página | 241

15.1.11 – NEP

RELATÓRIO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO PERMANENTE HOSPITAL REGIONAL ARAGUAÇU ABRIL/2012

CURSO Excelência no atendimento ao cliente TOTAL
TOTAL DE HORAS NÚMERO TOTAL DE COLABORADORES DO HOSPITAL HORAS/HOMEM

NÚMERO DE PARTICIPANTES 19 19 152:00:00 130 1:10:09

CARGA HORÁRIA 08:00:00 08:00:00

TOTAL DE HORAS

152:00:00 152:00:00

HORAS DE TREINAMENTO
240:00:00

24:00:00 JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ

15.1.12 – CORPO CLÍNICO

Contamos com 7 profissionais médicos no corpo clínico, entre eles estão divididos as especialidades de Clínica Geral, Cirurgia Geral, Ultrassonografia, Anestesia e Ginecologia/Obstetrícia No mês de abril foi iniciada negociação com o corpo clínico para resolução das pequenas e médias cirurgias que podem ser realizadas em nossa unidade hospitalar.

Página | 242

15.2 - SAU

Registros de Opinião
Ocorrências Reclamações Sugestões Elogios Total de Questionários Queixas resolvidas Meta Contratual Meta Realizada 4 0 0 4 4 3 100% Abril 2012

Houve no mês de abril o total de quatro reclamações por escrito. Todas as reclamações tiveram tratativas e foi dado retorno para os pacientes e acompanhantes.

Nota-se a evolução de 0,25% na satisfação dos usuários, o aumento é fruto do trabalho humanizado e da procura de resolutividade do problema do paciente.

Página | 243

Nota-se que no mês de abril não há dados sobre a pesquisa referente ao Pronto Socorro, tal falta aconteceu devido a problema técnico com a máquina de pesquisa do setor.

15.3 – GERENCIAMENTO DE PROCESSOS • • • • • • • Discussão de processos com corpo clínico Discussão de escalas com todas os serviços do hospital Participação de seminário e reunião com a SESAU Participação de reunião com os Diretores do hospital do Sul do Estado Participação de reunião sobre o SAU. Adequação do quadro de funcionários do SAU e almoxarifado No mês de abril ocorreu uma mudança física estratégica da farmácia para mais próximo da assistência, facilitando assim o acesso. A mudança ajudará na próxima etapa que será a forma de dispensação dos materiais e medicações (mat/med), que passará a ser de hora em hora, a intenção é melhorar a qualidade e velocidade na assistência além de diminuir as devoluções dos mat/med.

15.4 – FATURAMENTO
4. Faturamento 4.1 - AIH (Quantitativo) 4.2 - Valores (em reais) Jan 132 Fev 69 Mar 174 Abr 180 Mai 0 0,0 Jun 0 0,0 Jul 0 0,0 Ago 0 0,0 Set 0 0,0 Out 0 0,0 Nov 0 0,0 Dez 0 TOTAL 555

52.942,6 26.072,0 61.137,7 57.754,3

0,0 197906,6

COMENTÁRIO: A oscilação no numero de AIH`s e no faturamento ocorre devido as variações nas internações, no

Página | 244

mês de fevereiro além da baixa quantidade de internações, tivemos problema com o computador e programa para lançar as AIH`s no sistema.

15.6 – OBRAS E IMPLANTAÇÃO DE NOVOS SERVIÇOS • Reorganização do estacionamento

Instalação de mastros e bandeiras do município de Araguaçu, Brasil, e estado do Tocantis

Finalização da reforma do SND

Página | 245

15.7 – EQUIPAMENTOS NOVOS Três monitores multiparametro 15.8 – COMISSÕES Solicitado a SESAU dispensa da meta contratual de comissões de ética médica, tendo em vista a Resolução
do CFM 1657/2002, necessidade de comissão de ética médica apenas quando o quantitativo seja igual ou maior a 16 profissionais médicos.

15.9 – OUTRAS INFORMAÇÕES (SE NÃO HOUVER INFORMAÇÕES, FAVOR EXCLUIR ESTE ITEM.) • Comemoração do dia da páscoa

Treinamento da linha de frente, com o tema “Excelência no Atendimento”

Página | 246

PALAVRA DO DIRETOR GERAL DO HOSPITAL
O Hospital de Referencia Tertuliano Curado Lustosa de Araguaçu, apesar de sua estrutura não ser totalmente adequada, conta com um grupo de colaboradores muito dedicado e comprometido com o serviço. Temos como ponto importante em nossa unidade hospitalar o Centro Cirúrgico. Estão sendo realizadas sistematicamente discussões com os cirurgiões e anestesista uma forma para melhor utilização do C.C. Estamos tentando adequar o quadro de colaboradores conforme previsto em legislação para melhor atendimento e satisfação dos usuários.

2.16 HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE ARAPOEMA 2.16.1 METAS CONTRATUAIS

16.1 – INDICADORES DE PRODUÇÃO
16.1.1 – Nº DE LEITOS POR ESPECIALIDADE;
1.1. Leitos por Especialidade 1.1.1. Clínica Médica 1.1.2. Clínica Pediátrica 1.1.3. Clínica Cirúrgica 1.1.4. Clínica Obstétrica 1.1.5. UTI de Adultos 1.1.6. UTI Infantil 1.1.7. UTI Neonatal 1.1.8. Berçário 1.1.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Leitos Jan 9 4 5 6 0 0 0 0 0 0 24 Fev 9 4 5 6 0 0 0 0 0 0 24 Mar 9 4 5 6 0 0 0 0 0 0 24 Abr 9 4 5 6 0 0 0 0 0 0 24 Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 36 16 20 24 0 0 0 0 0 0 96

COMENTÁRIO: O Hospital Regional Público de Arapoema possui 27 leitos em funcionamento, sendo 24 cadastrados no CNES e 3 extras, nossas instalações possuem capacidade total para 30 leitos.

Página | 247

16.1.2 – Nº. DE INTERNAÇÕES POR ESPECIALIDADE;
1.2. Internações por Especialidade 1.2.1. Clínica Médica 1.2.2. Clínica Pediátrica 1.2.3. Clínica Cirúrgica 1.2.4. Clínica Obstétrica 1.2.5. UTI de Adultos 1.2.6. UTI Infantil 1.2.7. UTI Neonatal 1.2.8. Berçário 1.2.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Internações por especialidade Jan 99 18 24 13 0 0 0 0 0 0 154 Fev 89 20 36 13 0 0 0 0 0 0 158 Mar 78 30 39 10 0 0 0 0 0 0 157 Abr 64 29 31 15 0 0 0 0 0 0 139 Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 330 97 130 51 0 0 0 0 0 0 608

COMENTÁRIO: A quantidade de internações realizadas mensalmente se mantém sem variações, visto o atendimento de demandas apenas das regiões circunvizinhas e as cirurgias eletivas reguladas pelos Municípios.

16.1.3 – Nº. DE SAÍDOS POR ESPECIALIDADE
1.3. Nº. de saídos por especialidade 1.3.1. Clínica Médica 1.3.2. Clínica Pediátrica 1.3.3. Clínica Cirúrgica 1.3.4. Clínica Obstétrica 1.3.5. UTI de Adultos 1.3.6. UTI Infantil 1.3.7. UTI Neonatal 1.3.8. Berçário 1.3.9. Clínica Ortopédica 1.3.10. Outros Total de Internações por especialidade Jan 88 21 22 10 0 0 0 0 0 0 141 Fev 88 20 36 11 0 0 0 0 0 0 155 Mar 82 26 38 11 0 0 0 0 0 0 157 Abr 71 27 24 11 0 0 0 0 0 0 133 Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 329 94 120 43 0 0 0 0 0 0 586

COMENTÁRIO: Para o segundo quadrimestre de trabalho foi projetado uma nova meta de 468 saídos ou 117 saídos/mês, este aumento representa aproximadamente 22% a mais da meta anterior. Vale ressaltar que a meta anterior foi atingida com 149,5% e, esse mês de abril fechou com 133 pacientes saídos.

Página | 248

16.1.4 – PERCENTUAL DE OCUPAÇÃO POR CLÍNICA;
1.4. Porcentagem de Ocupação 1.4.1. Clínica Médica 1.4.2. Clínica Pediátrica 1.4.3. Clínica Cirúrgica 1.4.4. Clínica Obstétrica 1.4.5. UTI de Adultos 1.4.6. UTI Infantil 1.4.7. UTI Neonatal 1.4.8. Outros (Berçário) 1.4.9. Clínica Ortopédica 1.4.10. Outros Porcentagem Geral de Ocupação Jan 81% 29% 33% 10% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 44% Fev 73% 38% 56% 14% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 49% Mar 65% 53% 65% 11% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 50% Abr 58% 46% 47% 10% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 42% Mai 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Jun 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Jul 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Ago 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Set 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Out 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Nov 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Dez 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% TOTAL 277% 166% 201% 45% 0% 0% 0% 0% 0% 0%

COMENTÁRIO: Percebemos um crescimento gradativo na Clínica Cirúrgica, até Março atingimos 65% de ocupação dado a realização das cirurgias eletivas.

16.1.5 – MÉDIA DE PERMANÊNCIA;

1.5. Média de Perm anência 1.5.1. Clínica Médica 1.5.2. Clínica Pediátrica 1.5.3. Clínica Cirúrgica 1.5.4. Clínica Obstétrica 1.5.5. UTI de Adultos 1.5.6. UTI Infantil 1.5.7. Uti Neonatal 1.5.8. Outros 1.5.9. Clínica Ortopédica 1.5.10. Outros Média Geral de Permanência

Jan 2,57 1,71 2,32 1,8 0 0 0 0 0 0 2,35

Fev 2,17 2,2 2,25 2,18 0 0 0 0 0 0 2,19

Mar 2,21 2,54 2,66 1,91 0 0 0 0 0 0 2,35

Abr 2,21 1,96 3,04 1,64 0 0 0 0 0 0 2,26

Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

TOTAL 9,16 8,41 10,27 7,53 0 0 0 0 0 0

COMENTÁRIO: A média de permanência se mantém sem alterações considerando que são as mesmas patologias que estão sendo atendidas pela unidade.

Página | 249

16.1.6 – VOLUME CIRÚRGICO
16.1.6.1 – Nº de Cirurgias de Urgência; 16.1.6.2 – Nº de Cirurgias eletivas;

1.6. Volum e Cirúrgico 1.6.1. Cirurgias de Urgência 1.6.2. Cirurgias Eletivas Média Geral de Cirurgias

Jan 1 24 25

Fev 3 40 43

Mar 2 44 46

Abr 37 0 37

Mai 0 0 0

Jun 0 0 0

Jul 0 0 0

Ago 0 0 0

Set 0 0 0

Out 0 0 0

Nov 0 0 0

Dez 0 0 0

TOTAL 43 108 151

COMENTÁRIO: A unidade começou a realizar as cirurgias eletivas em outubro de 2011, após a contratação do profissional médico, Cirurgião Geral e desde então, já realizamos uma média de 205 cirurgias. Estas poderiam ser intensificadas na unidade se tivéssemos uma escala com Anestesista durante a semana visto que os leitos ficam ociosos, pois, só estamos fazendo cirurgias mensalmente em dois finais de semana intercalados de acordo com a escala da Anestesista, lotada como Clinica nessa unidade com 20 horas.
16.1.6.3 – Nº DE CIRURGIAS POR PORTE;
1.6.3. Núm ero de Cirurgias por Porte 1.6.3.1. Cirurgias Grandes 1.6.3.2. Cirurgias Médias 1.6.3.3. Cirurgias Pequenas 1.6.3.4. Curetagens 1.6.3.5. Cesáreas Média Geral de Cirurgias por Porte Jan 1 20 3 0 1 25 Fev 9 25 5 0 4 43 Mar 2 10 29 0 5 46 Abr 4 19 14 0 0 37 Mai 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 TOTAL 16 74 51 0 10 151

COMENTÁRIO: O hospital está preparado para realizar cirurgia geral de baixa complexidade, podendo ser adequado para realizar também cirurgias de médio porte, pois, conta com uma estrutura física muito boa para isso.
16.1.6.4 – Nº. DE PARTOS POR TIPO
1.6.3. Núm ero de Partos 1.6.3.1. Normal 1.6.3.2. Cesáreas 1.6.3.3. Outros Média Geral de Partos Jan 6 1 0 7 Fev 9 4 0 13 Mar 8 5 0 13 Abr 7 1 0 8 Mai 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 TOTAL 30 11 0 41

COMENTÁRIO: A unidade realizou uma média de 10 partos/mês, sendo que deste total, 74% correspondem a partos normais e 26% as cesáreas.

Página | 250

16.1.7 – SADT’S

1.7. SADT 1.7.1. Laboratório Clínico 1.7.2. Anatomia Patológica 1.7.3. Radiologia 1.7.4. Eletrocardiografia 1.7.5. Fisioterapia (Sessões) 1.7.6. Hemodiálise(Sessões) 1.7.7. Hemodinâmica 1.7.8. Hemoterapia 1.7.9. Endoscopia 1.7.10. Ultrassonografia 1.7.11 Tomografia Computadorizada 1.7.12 Ressonancia Magnética 1.7.13 Mamografia 1.7.14 Citopatologia 1.7.15 Eletroencefalografia 1.7.16 Teste do Pézinho 1.7.17 Diversos 1.7.18 Teste Ergométrico 1.7.19 Outros ( especificar) Total

Jan 1015 0 77 0 0 0 0 0 0 70 0 0 0 0 0 3 0 0 0

Fev

Mar

Abr 827 0 144 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 971

Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

TOTAL 3875 0 489 0 0 0 0 0 0 120 0 0 0 0 0 6 0 0 0 4490

961 1072 0 60 0 0 0 0 0 0 37 0 0 0 0 0 3 0 0 0 0 208 0 0 0 0 0 0 13 0 0 0 0 0 0 0 0 0

1165 1061 1293

COMENTÁRIO: O Laboratório mantém uma média de exames sem significativas alterações, pois, foram suspensos os serviços prestados aos Municípios de Arapoema, Pau D´Arco e Bernardo Sayão, atendendo atualmente somente o hospital devido a falta de pagamento de seu contrato com a SESAU, por falta de saldo. A unidade acaba absorvendo muitos desses pacientes.
16.1.8 – AMB ULATÓR IO
1.8. Ambulatório 1.8.1. Consultas 1.8.2. Consultas com Procedimentos 1.8.3. Procedimentos 1.8.4. Procedimentos Cirúrgicos Total Jan 21 0 0 0 21 Fev 52 0 0 0 52 Mar 61 0 0 0 61 Abr 82 0 0 0 82 Mai 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 TOTAL 216 0 0 0 216

COMENTÁRIO: O Cirurgião Geral está realizando avaliações pré-operatórias duas vezes por mês, esses atendimentos são classificados como ambulatoriais.

Página | 251

16.1.9 – ATENDIMENTOS DE URGÊNCIA/EMERGÊNCIA
1.9. Urgência/Emergência 1.9.1. Consultas 1.9.2. Consultas com Procedimentos 1.9.3. Procedimentos 1.9.4. Procedimentos Cirúrgicos Total Jan 1139 0 0 0 1139 Fev Mar Abr 376 399 95 20 890 Mai 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 TOTAL 3585 399 95 20 4099

956 1114 0 0 0 0 0 0

956 1114

COMENTÁRIO: O número de atendimentos teve um grande aumento nesse ano de 2012, considerando que atualmente o PSF conta somente com uma equipe, sendo que no ano de 2011, tinham três equipes. O único médico dessa equipe é também médico nesta unidade e atual Diretor Técnico e esses pacientes acabam migrando para o hospital.
16.1.10 – RECURSOS HUMANOS
1.10. Recursos Humanos 1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total 18 39 8 0 8 73 Janeiro
S e s a u P ró 3º

Fevereiro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Março
T o t a l S e s a u P ró 3º T o t a l S e s a u P ró

Abril
3º T o tal

24 4 0 21 1 50

3 0 0 0 0 3

45 43 8 21 9 126

19 39 8 0 8 74

30 5 0 21 1 57

3 0 0 0 0 3

52 44 8 21 9 134

19 39 8 0 8 74

30 4 0 21 1 56

5 0 0 0 0 5

54 43 8 21 9 135

19 39 8 0 8 74

30 4 0 20 1 55

5 0 0 0 0 5

54 43 8 20 9 134

1.10. Recursos Humanos
S e s a u P ró

Maio

Junho
T o t a l S e s a u P ró 3º

Julho
T o t a l S e s a u P ró 3º

Agosto
T o t a l S e s a u P ró 3º T o tal

1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

1.10. Recursos Humanos 1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total 0 0 0 0 0 0

Setem bro
S e s a u P ró 3º

Outubro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Novem bro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Dezem bro
T o t a l S e s a u P ró 3º T o tal

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

COMENTÁRIO: Dois colaboradores por razões particulares pediram o desligamento da empresa e ambos cumprem aviso, sendo 01 técnico da Tecnologia da Informação e outro Auxiliar de Higiene e Limpeza; Estamos Página | 252

com dois colaboradores afastados pelo período de 15 (quinze) dias por motivo de saúde, sendo 01 supervisora do S.A.U., outra auxiliar de Higiene e Limpeza. Desligamento da Nutricionista no dia 02/04, da Enfermeira da CCIH no dia 03/04 devido ao término do contrato de experiência. Remanejamento da Recep. Posso Ajudar para Secretaria Administrativa da Direção Geral. Contratação de uma Enfermeira no dia 05/04.

16.1.12 – CORPO CLÍNICO

O HRP Arapoema continua com Diretor Técnico respondendo informalmente, estando aguardando a publicação da Portaria da SESAU com a nomeação da Direção, onde poderá responder de fato e de direito.

• •

Nos dias 14 e 15, foram realizadas 20 cirurgias eletivas entre elas geral, ginecológica e obstétrica. Nos dias 27 e 28, foram realizados 17 cirurgias eletivas entre elas geral, ginecológica e obstétrica, ficando evidente a evolução e aprimoramentos de rotinas, onde o controle de medicamentos já esta sendo feito de acordo com a protocolo de dispensação unitário por pacientes, propiciando um maior controle e uma diminuição nos gastos.

16.2 - SAU

1.Registro de Opinião
No Registro de Opinião, o quadro abaixo, apresenta os números referentes às ocorrências do mês de Abril de 2012. Recebemos apenas 02 (duas) sugestões, que foram transmitidas aos setores responsáveis para averiguação da possibilidade de atendimento.

OCORRÊNCIAS Reclamações Sugestões Elogios Total de Questionários

MARÇO DE 2012

00 02 00 02
Página | 253

Queixas resolvidas Meta Contratual Meta Realizada

00 80% 100%

2.Índices de Satisfação

Acreditamos que os números apresentados, é uma resposta ao esforço de toda equipe que se desdobra para que o atendimento ao usuário tenha maior qualidade.

Hospital Regional Público de Arapoema
120,00 100,00 80,00 60,00 40,00 20,00 0,00 AMBULATORIO (%) 0,00 98,50 97,59 0,00% INTERNAÇÃO (%) 96,20 98,15 97,60 1,46% PRONTO SOCORRO (%) 97,28 97,93 99,46 2,24% 97,59 97,60 99,46 100,00

SADT (%) 96,43 99,66 100,00 3,70%

Fevereiro/2012 Março/2012 Abril/2012 Evolução do Período

De acordo com os números apresentados, no Ambulatório mantivemos a média de satisfação dos usuários sem variações.
Página | 254

No Item Internação, a evolução do período foi de 1,46%, apesar de baixa tem sua relevância visto que a Satisfação Geral de Fevereiro foi de 96,2%. No Item Pronto Socorro, a evolução do período é de 2,24%, e nos mostra também uma evolução gradativa durante os três meses. Já no SADT os números são consideravelmente maiores onde conseguimos atingir 100% de satisfação dos usuários entrevistados.

16.3 – GERENCIAMENTO DE PROCESSOS
• • • • Realizado no dia 03/04 Orientações sobre Processo de Trabalho com a Diretora Geral Rejane Xavier e servidores das áreas administrativas do HRP Arapoema. Realizada reunião mensal no dia 17/04 com as equipes de SHL e SPR, onde foram abordados vários assuntos da rotina de trabalho com abordagem da Diretora Geral; Protocolado junto a Vigilância Sanitária Estadual requerimento para concessão de Alvará Sanitário no dia 19/04; Recebemos a visita da Diretora de Enfermagem do HRP Araguaína Maria do Carmo e da Consultora de Enfermagem da Região Norte, Sra. Sandra, no dia 16/04 para participarem de uma reunião com a equipe de Enfermagem. • • • • • • • • Realizado votação da CIPA nos dia 23 e 24/04/12; Recebemos a visita do Coordenador Regional de Logística da Pró-Saúde, Sr. Carlos Gomes nos dias 23 e 24/04. Realizado nos dias 09 e 10/04 Treinamento do módulo FSCC referente à ficha obstétrica para o pessoal da recepção ministrado pelo o consultor da MV Bertô Nilton Pereira de L. Couto. Participação da Direção Geral no dia 09 e 10/04 no Seminário da Saúde em Palmas. Recebemos no dia 11/04 a visita da coordenadora de Engenharia Biomédica da SESAU, Leda Maíta Alves, onde mesma veio analisar a reforma que fora feito no 1º Pavilhão. Recebemos a visita do Diretor de Tecnologia da Informação da SESAU Geraldo Júnior. Realizado inventário do dia 10 ao dia 12/04 no almoxarifado de SHL e SPR. Recebido no dia 11/04 da Vigilância Sanitária Municipal os Laudos de análise da água da unidade realizada em março de 2012 em 5 pontos da unidade, pelo LACEN.

Página | 255

16.4 – IMPLANTAÇÃO DE NOVOS SERVIÇOS
• • Retomamos a sala de Acolhimento (triagem) do paciente após retomarmos o “Pronto Atendimento” para o pavilhão reformado. Mudamos o fluxo de atendimento do plantonista que está atendendo o paciente no Consultório e, não mais na sala de Emergência como funcionava antigamente, por alegarem falta de estrutura física e condições climáticas para isso.

16.5 – FATURAMENTO
5. Faturamento 5.1 - AIH 5.2 - Valores Jan 184 Fev 183 Mar 205 Abr 0 0,0 Mai 0 0,0 Jun 0 0,0 Jul 0 0,0 Ago 0 0,0 Set 0 0,0 Out 0 0,0 Nov 0 0,0 Dez 0 TOTAL 572

69028,6 64509,5 82994,7

0,0 216532,7

COMENTÁRIO: Fechado o Faturamento de AIH’s no dia 04/04 com apresentação de 157 AIH’s de março e reapresentação de 48, totalizando 205 AIH’s com uma prévia de R$ 82.994,69.

16.6 – OBRAS

Já retornamos a Emergência para as antigas instalações do 1º Pavilhão, o que foi possível após a reforma. Mas, ainda temos algumas pendências que devido a questão orçamentária impossibilitou a conclusão da obra por parte da prestadora contratada.

Página | 256

No setor Financeiro e também na Farmácia, estão faltando os blindex com a escotilha para abrir e fechar, sendo necessário usar de improviso para conservar a climatização.

Página | 257

Ainda faltam os blindex nas janelas do banheiros da Recepção, em salas administrativas e a sala de Observação do Pronto-Atendimento no 1º Pavilhão (reformado parcialmente) não é funcional, pois, não foram feitos os banheiros e os pacientes reclamam a falta deste, o que nos motivou a não utilizar a sala até que haja o término da obra.

16.7 – EQUIPAMENTOS NOVOS INVESTIMENTOS MARÇO/ABRIL
DATA DE DOCUMENTO EMISSÃO 12/03/2012 NF-863776 28/03/2012 16/03/2012 21/03/2012 27/03/2012 28/03/2012 21/03/2012 09/04/2012 09/04/2012 30/03/2012 12/03/2012 NF-168 NF-1107 NF-1.222 NF-007 NF-651 NF-5.577 NF-683 Nf-770 NF-135099 NF-1496 NATUREZA DA DESPESA Aquisição de 05 estabilizadores SMS Aquisição de 02 mouse óptico e 305 m de cabo de rede Aquisição de Aventais administrativos Aquisição de 27 suportes p/ CPC ajustáveis Aquisição de Espelhos para os banheiros Limpeza de fossa séptica e Caixas de Gordura Aquisição de equipamentos de segurança - EPI Mão de obra alinhamento e balanceamento da Ambulância Aquisição de Pneus e Válvula p/ Ambulância Aquisição de Estetoscópio Aquisição de 8 jarras em aço inox com tampa 1Lt FORNECEDOR KALUNGA MARQUES E SCHMIDT STAR E ENJOY IND. COM. MARQUEZANI COM. DE PRO.INFORMÁTICA LUANA COSTA XAVIER L.M.GOMES DA COSTA VICTORINO E BENEVENUTO GP Comércio de pneus GP Comércio de pneus Macromed TROPICS COMERCIAL LTDA VALOR R$ 666,75 R$ 230,00 R$ 3.354,40 R$ 1.323,00 R$ 265,50 R$ 1.700,00 R$ 658,20 R$ 60,00 R$ 431,50 R$ 78,00 R$ 1.664,00

EQUIPAMENTOS/PATRIMÔNIO DATA DE DOCUMENTO EMISSÃO 16/04/2012 NF-2882 12/04/2012 NF-1738 NATUREZA DA DESPESA FORNECEDOR VALOR R$ 1.720,00 R$ 2.734,60

12/04/2012

NF-6146

Aquisição de 02 aparelhos de NOSSO LAR ar condicionado SPLIT Aquisição de 3 Armários Gabi- LUMAQ netes, 3 Armários c/ 2 portas, 8 mesas 1,20x60, e 8 Gaveterios c/ 2 gavetas Aquisição de 23 cadeiras NOSSO LAR

3.218,70 Página | 258

16.8 – COMISSÕES
As 05 Comissões obrigatórias e mais Grupo de Trabalho Humanização, estão cumprindo seus cronograma de reuniões, conforme agenda mensal. • Grupo de Trabalho Humanizado realizada no dia 11/04/2012

Encaminhamentos:
Ação Desdobramentos (ações, próximos passos) Prazos Responsáveis

Orientação aos acompanhantes e visitantes Orientação aos trabalhadores do SAU Curso de atendimento

Implantar

a

Cartilha

e/ou

folder

de

orientação

para

30 dias

Direção geral, SAL, Enfermagem e Assistente Social.

acompanhantes e visitantes, sendo utilizado como orientação pelo SAU e Assistente Social. Melhorar a abordagem ao paciente para a realização das pesquisas do SAU respeitando o atendimento de outros profissionais, ou seja, psicólogos, nutricionistas, enfermagem etc.. Orientar aos recepcionistas, agentes de portaria e recepcionistas SAU sobre urgência e emergência e demais normas. 30 dias 30 dias

Supervisora do SAU e recepção

Supervisora da recepção e SAU

Criar Fluxo de Atendimento

Melhorar a rotina de atendimento para que todos saibam os processos e diminuam assim os atritos desnecessários para execução dos atendimentos.

30 dias

Direção Geral, enfermagem recepção, guardas e SAU

Criar Fluxo de Cirurgias

Melhorar a qualidade dos serviços prestados e estabelecer uma rotina adequada para a execução dos serviços e assim divulgando aos outros setores (farmácia, logística, transportes, nutrição, recepção etc..) a adequação as mudança mesmas. necessárias para o desenvolvimento das

30 dias

Direção geral, enfermagem e direção Técnica.

Participar de Sessão na Câmara de vereadores Orientação sobre o fluxo de substituição de medicamentos

Informar aos vereadores a ampliação do horário de visitas, orientar e pedir a compreensão sobre os motivos de se ter visitas nos horários estabelecidos.

30 dias

Enfermagem e Direção Geral

Orientar aos médicos sobre os procedimentos de um medicamento por outro da mesma classe.

30 dias

Direção Técnica

Página | 259

Aquisição de vídeos de orientação do MS. Liberação da TV da recepção após as 22h. Pactuação sobre o uso do repouso de enfermagem Variar o cardápio

Verificar junto a SESAU a aquisição de vídeos de orientação para ser passados na recepção.

30 dias

Supervisora do NEP

Verificar a possibilidade de liberar a programação da TV da recepção para exibição após as 22h.

30 dias

Direção Geral

Orientar aos enfermeiros e Tec. de enfermagem sobre a utilização do repouso para que haja mais humanização entre os mesmos sem divisão de setores.

30 dias

Gerente de Enfermagem

Melhorar a qualidade e diversidade do lanche dentro da realidade do hospital.

30 dias

Direção geral e Nutricionista

Comissão de Revisão de Prontuário – 27/04/2012

Página | 260

Comissão de Controle de Infecção Hospital realizada no dia 24/04/2012

Página | 261

• •

Farmácia e Terapêutica – A última reunião foi realizada no dia 20/03/2012 e dada a demanda, só está sendo realizada bimestralmente. Comissão de Ética Médica

Página | 262

Comissão de Óbito

Página | 263

16.9 – OUTRAS INFORMAÇÕES INTERAÇÃO COM A COMUNIDADE
Estiveram no HRP Arapoema, na última semana do mês de abril, os Prefeitos dos Municípios de Arapoema, Sr. Baltazar Rodrigues (Tazinho) e de Pau D´Arco, Sr. Edimar, juntamente com Excelentíssimo Senhor Juiz de Página | 264

Direito da Vara Criminal da Comarca de Arapoema (TO), Dr. Rosemilto Alves de Oliveira. Eles vieram nos fazer uma visita de rotina para ver as novas instalações e na oportunidade, visitaram os leitos, conversaram com os pacientes e também, com os funcionários presentes na ocasião.

ANIVERSARIANTE DO MÊS
• Realizado no 13/04 a Comemoração dos aniversariantes do mês com o tema da Páscoa.

Página | 265

Em comemoração a Páscoa, foram realizados nos dias 04 e 05/04 a entrega de ovos de chocolates para os servidores e pacientes do HRP Arapoema.
Comemoração da semana da Páscoa!

Página | 266

PALAVRA DO DIRETOR GERAL DO HOSPITAL O Hospital Regional Público de Arapoema cresce acreditando que nosso trabalho não é tratar doenças, mas, sim cuidar de pessoas e fundamentar a defesa do valor da vida humana. Estamos em busca de uma política de gestão com excelência no atendimento às expectativas dos nossos clientes, que propicie uma interação harmônica entre as áreas médica, tecnológica, administrativa, econômica e assistencial. Esta unidade tem conseguindo atingir suas metas qualitativas e quantitativas mas, pode se tornar bem mais resolutiva se houver uma reestruturação na equipe médica e, aquisição de alguns instrumentais e equipamentos para realização de mais cirurgias eletivas, podendo atender a demanda reprimida de Araguaína e região, de forma significativa. Um dos nossos objetivos é continuarmos através dessa parceria público privada, investindo na valorização dos médicos e na prática de uma medicina humana e preventiva. Vamos cuidar de pessoas e motiválas a uma busca equilibrada do bem-estar e felicidade, sendo essa a melhor forma de promoção da saúde.

Página | 267

2.17 HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE ALVORADA 2.17.1 METAS CONTRATUAIS

17.1 – INDICADORES DE PRODUÇÃO

17.1.1 – Nº DE LEITOS POR ESPECIALIDADE;
1.1. Leitos por Especialidade 1.1.1. Clínica Médica 1.1.2. Clínica Pediátrica 1.1.3. Clínica Cirúrgica 1.1.4. Clínica Obstétrica 1.1.5. UTI de Adultos 1.1.6. UTI Infantil 1.1.7. UTI Neonatal 1.1.8. Berçário 1.1.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Leitos Jan 8 4 0 2 0 0 0 0 0 0 14 Fev 8 4 0 2 0 0 0 0 0 0 14 Mar 8 4 0 2 0 0 0 0 0 0 14 Abr 8 4 0 2 0 0 0 0 0 0 14 Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 32 16 0 8 0 0 0 0 0 0 56

COMENTÁRIO: Não houve alteração nos numero de leitos no período, especificado acima.

17.1.2 – Nº. DE INTERNAÇÕES POR ESPECIALIDADE;
1.2. Internações por Especialidade 1.2.1. Clínica Médica 1.2.2. Clínica Pediátrica 1.2.3. Clínica Cirúrgica 1.2.4. Clínica Obstétrica 1.2.5. UTI de Adultos 1.2.6. UTI Infantil 1.2.7. UTI Neonatal 1.2.8. Berçário 1.2.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Internações por especialidade Jan 66 9 0 0 0 0 0 0 0 0 75 Fev 76 9 0 0 0 0 0 0 0 0 85 Mar 64 17 0 0 0 0 0 0 0 0 81 Abr 65 15 0 0 0 0 0 0 0 0 80 Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 271 50 0 0 0 0 0 0 0 0 321

COMENTÁRIO: Pela análise do período especificado acima, não tivemos uma grande variação nas internações que justifica-se uma análise mais criteriosa.

Página | 268

17.1.3 – Nº. DE SAÍDOS POR ESPECIALIDADE
1.3. Nº. de saídos por especialidade 1.3.1. Clínica Médica 1.3.2. Clínica Pediátrica 1.3.3. Clínica Cirúrgica 1.3.4. Clínica Obstétrica 1.3.5. UTI de Adultos 1.3.6. UTI Infantil 1.3.7. UTI Neonatal 1.3.8. Berçário 1.3.9. Clínica Ortopédica 1.3.10. Outros Total de saídos por especialidade Jan 65 8 0 0 0 0 0 0 0 0 73 Fev 74 8 0 0 0 0 0 0 0 0 82 Mar 63 17 0 0 0 0 0 0 0 0 80 Abr 68 17 0 0 0 0 0 0 0 0 85 Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 270 50 0 0 0 0 0 0 0 0 320

COMENTÁRIO: Analisando o período apresentando, observamos que conseguimos manter a média de pacientes saídos.

17.1.4 – PERCENTUAL DE OCUPAÇÃO POR CLÍNICA;
1.4. Porcentagem de Ocupação 1.4.1. Clínica Médica 1.4.2. Clínica Pediátrica 1.4.3. Clínica Cirúrgica 1.4.4. Clínica Obstétrica 1.4.5. UTI de Adultos 1.4.6. UTI Infantil 1.4.7. UTI Neonatal 1.4.8. Outros (Berçário) 1.4.9. Clínica Ortopédica 1.4.10. Outros Jan 70% 17% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Fev 68% 10% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Mar 65% 24% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Abr 59% 28% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Mai 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Jun 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Jul 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Ago 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Set 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Out 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Nov 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Dez 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% TOTAL 262% 79% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0%

COMENTÁRIO: Analisando o período apresentado, observamos que houve um declínio da taxa de ocupação da Clinica Médica e um aumento da taxa na clinica pediátrica.

Página | 269

17.1.5 – MÉDIA DE PERMANÊNCIA;
1.5. Média de Perm anência 1.5.1. Clínica Médica 1.5.2. Clínica Pediátrica 1.5.3. Clínica Cirúrgica 1.5.4. Clínica Obstétrica 1.5.5. UTI de Adultos 1.5.6. UTI Infantil 1.5.7. Uti Neonatal 1.5.8. Outros 1.5.9. Clínica Ortopédica 1.5.10. Outros Média Geral de Permanência Jan 2,68 2,63 0 0 0 0 0 0 0 0 2,67 Fev 2,14 1,5 0 0 0 0 0 0 0 0 2,07 Mar 2,54 1,76 0 0 0 0 0 0 0 0 2,38 Abr 2,09 1,94 0 0 0 0 0 0 0 0 2,06 Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 9,45 7,83 0 0 0 0 0 0 0 0

COMENTÁRIO: Analisando a média geral de permanência, observamos que estamos variando na média de permanência, fato que está ligado ao tipo de internação realizadas nos períodos.

17.1.6 – VOLUME CIRURGICO
1.6. Volum e Cirúrgico 1.6.1. Cirurgias de Urgência 1.6.2. Cirurgias Eletivas Média Geral de Cirurgias Jan 0 0 0 Fev 0 0 0 Mar 0 0 0 Abr 0 0 0 Mai 0 0 0 Jun 0 0 0 Jul 0 0 0 Ago 0 0 0 Set 0 0 0 Out 0 0 0 Nov 0 0 0 Dez 0 0 0 TOTAL 0 0 0

COMENTÁRIO: Não realizamos cirurgias.

17.1.6.3 – Nº DE CIRURGIAS POR PORTE;
1.6.3. Núm ero de Cirurgias por Porte 1.6.3.1. Cirurgias Grandes 1.6.3.2. Cirurgias Médias 1.6.3.3. Cirurgias Pequenas 1.6.3.4. Curetagens 1.6.3.5. Cesáreas Média Geral de Cirurgias por Porte Jan 0 0 0 0 0 0 Fev 0 0 0 0 0 0 Mar 0 0 0 0 0 0 Abr 0 0 0 0 0 0 Mai 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 TOTAL 0 0 0 0 0 0

COMENTÁRIO: Não realizamos cirurgias.

Página | 270

17.1.6.4 – Nº. DE PARTOS POR TIPO
1.6.4. Núm ero de partos por tipo 1.6.4.1. Normal 1.6.4.2. Cesariana 1.6.3.3. Outros Jan 0 0 0 Fev 0 0 0 Mar 0 0 0 Abr 0 0 0 Mai 0 0 0 Jun 0 0 0 Jul 0 0 0 Ago 0 0 0 Set 0 0 0 Out 0 0 0 Nov 0 0 0 Dez 0 0 0 TOTAL 0 0 0

COMENTÁRIO: Não realizamos partos no período.

17.1.7 – SADT’S
1.7. SADT 1.7.1. Laboratório Clínico 1.7.2. Anatomia Patológica 1.7.3. Radiologia 1.7.4. Eletrocardiografia 1.7.5. Fisioterapia (Sessões) 1.7.6. Hemodiálise(Sessões) 1.7.7. Hemodinâmica 1.7.8. Hemoterapia 1.7.9. Endoscopia 1.7.10. Ultrassonografia 1.7.11 Tomografia Computadorizada 1.7.12 Ressonancia Magnética 1.7.13 Mamografia 1.7.14 Citopatologia 1.7.15 Eletroencefalografia 1.7.16 Teste do Pézinho 1.7.17 Diversos 1.7.18 Teste Ergométrico Jan 228 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Fev 251 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Mar 342 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Abr 390 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Mai 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 1211 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

COMENTÁRIO: Analisando o quantitativo de exames realizados no período, observamos que está havendo um aumento mês a mês, refletindo diretamente no tipo de internações realizadas nos períodos expostos acima.

17.1.8 – AMB ULATÓR IO
1.8. Ambulatório 1.8.1. Consultas 1.8.2. Consultas com Procedimentos 1.8.3. Procedimentos 1.8.4. Procedimentos Cirúrgicos Total Jan 0 0 0 0 0 Fev 0 0 0 0 0 Mar 0 0 0 0 0 Abr 0 0 0 0 0 Mai 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 TOTAL 0 0 0 0 0

COMENTÁRIO: Não realizamos ambulatório.

Página | 271

17.1.9 – ATENDIMENTOS DE URGÊNCIA/EMERGÊNCIA
1.9. Urgência/Emergência 1.9.1. Consultas 1.9.2. Consultas com Procedimentos 1.9.3. Procedimentos 1.9.4. Procedimentos Cirúrgicos Total Jan 797 0 0 0 797 Fev Mar Abr Mai 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 TOTAL 3752 0 0 0 3752

820 1049 1086 0 0 0 0 0 0 0 0 0

820 1049 1086

COMENTÁRIO: Analisando o período, observamos que estamos tendo um aumento gradativo nas consultas, fato este pela melhora na qualidade do atendimento e aperfeiçoamento dos profissionais.
17.1.10 – RECURSOS HUMANOS
1.10. Recursos Humanos 1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total 9 22 0 0 7 38 Janeiro
S e s a u P ró 3º

Fevereiro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Março
T o t a l S e s a u P ró 3º T o t a l S e s a u P ró

Abril
3º T o tal

16 2 0 19 0 37

0 0 0 0 0 0

25 24 0 19 7 75

9 22 0 0 7 38

20 2 0 18 0 40

0 0 0 0 0 0

29 24 0 18 7 78

9 22 0 0 7 38

20 2 0 18 0 40

0 0 0 0 0 0

29 24 0 18 7 78

9 22 0 0 7 38

21 2 0 18 0 41

0 0 0 0 0 0

30 24 0 18 7 79

1.10. Recursos Humanos
S e s a u P ró

Maio

Junho
T o t a l S e s a u P ró 3º

Julho
T o t a l S e s a u P ró 3º

Agosto
T o t a l S e s a u P ró 3º T o tal

1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

1.10. Recursos Humanos 1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total 0 0 0 0 0 0

Setem bro
S e s a u P ró 3º

Outubro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Novem bro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Dezem bro
T o t a l S e s a u P ró 3º T o tal

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

Página | 272

17.1.11 – NEP
CURSO NÚMERO DE PARTICIPANTES CARGA HORÁRIA TOTAL DE HORAS

Multiplicação do curso "A complexidade de um Processo Chamado Terapia Intravenosa" VI Curso de Educação Médica Continuada(ALSO) Curso Online-Introdução à investigação sobre segurança do paciente - mód. 5
TOTAL 30:00:00 81 0:22:13

9 1 3 13

01:00:00 18:00:00 01:00:00 20:00:00

9:00:00 18:00:00 3:00:00 30:00:00

TOTAL DE HORAS NÚMERO TOTAL DE COLABORADORES DO HOSPITAL HORAS/HOMEM

HORAS DE TREINAMENTO

40 30 20 10 0 JAN FEV

DADOS QUALITATIVOS

As ações de capacitação do Hospital Regional Público de Alvorada, no mês de abril apresentaram uma diminuição no número de horas pelo fato de terem sido realizados poucos curso. Para o fim deste mês, estão programados dois cursos na Unidade: o Curso Online - Introdução à investigação sobre segurança do paciente - mód. 6 e a Multiplicação do Seminário de Feridas: "Prevenção: Uma Medida de Enfermagem”. No mês de maio, haverá os dois últimos módulos do Curso Online e um treinamento para enfermeiros sobre Sondagem Nasoenteral com o instrutor Enfermeiro Marcos Cordioli do HRPG.

Página | 273

17.1.12 – CORPO CLÍNICO

Atualmente temos em nosso corpo clinico 07 médicos, sendo que destes 01 médico é diretor técnico que atua também como médico diarista, realizando as prescrições do pacientes internados. Os outros 06 médicos são plantonistas que atuam no atendimento de urgência e emergência. Após a termos passado ao Diretor técnico a atribuição de médico diarista, observamos que obtivemos uma melhora significativa na qualidade da prestação de serviços e no aumento das internações.

17.2 - SAU
3. Registros de Opinião
Ocorrências Reclamações Sugestões Elogios Total de Questionários Queixas resolvidas Meta Contratual Meta Realizada Abril 2012 80% -

Não tivemos registro de opinião no período. 4. Índices de Satisfação

Hospital Regional Público de Alvorada
120,00 100,00 80,00 60,00 40,00 20,00 0,00 -20,00 Fevereiro/2012 Março/2012 Abril/2012 Evolução do Período INTERNAÇÃO (%) 98,38 94,79 97,64 -0,75% PRONTO SOCORRO (%) 96,58 96,29 95,67 -0,94% 97,64 95,67

Página | 274

Através da avaliação da pesquisa de satisfação geral no mês de abril a internação obteve índice de 97,64% de aprovação e o pronto-socorro 95,67% de aprovação, sendo que na evolução do período da internação tivemos uma redução de percentual de 0,75% de satisfação, onde analisamos que os fatores que levaram a isso foi no atendimento da recepção e da parte médica fatos estes que já estão sendo corrigidos, e está sendo tomadas as devidas providências. Já em relação ao Pronto socorro tivemos uma redução da evolução do período de 0,94% de satisfação, onde os fatores que influenciaram nesta queda foram o atendimento da equipe médica, as instalações físicas e espera para atendimento. Estamos trabalhando para mudar estes aspectos para aumentarmos a satisfação dos usuários. Mas analisando a situação do trimestre apresentado fica claro que nossos índices se mantém na média acima de 90% de satisfação.

17.3 – GERENCIAMENTO DE PROCESSOS Análise das escalas de trabalho de maio 2012 e aprovação.
Discussão com Diretor Técnico/ Enfermagem diário para alinhar os serviços. Análise diária da estatística para cumprimento das metas. Participação nas reuniões das comissões implantadas no hospital. Participação nas reuniões com os setores para desenvolvermos melhores condições de trabalho e conhecimento dos mesmos. Preenchimento dos dados do hospital no plano estatístico padrão da Pró-Saúde e SESAU. Atividades diárias relacionadas ao bom andamento do hospital.

17.4 – FATURAMENTO
4. Faturamento 4.1 - AIH (Quantitativo) 4.2 - Valores (em reais) Jan 85 Fev 81 Mar 86 Abr 86 0,0 Mai 0 0,0 Jun 0 0,0 Jul 0 0,0 Ago 0 0,0 Set 0 0,0 Out 0 0,0 Nov 0 0,0 Dez 0 0,0 TOTAL 338 74208,2

26.562,4 21.148,8 26.497,0

COMENTÁRIO: Analisando o período observamos que estamos com média de 84,5 Aih’s faturadas ao mês,

já em relação aos valores não conseguimos concluir o fechamento de abril até o fechamento deste relatório. 17.6 – OBRAS E IMPLANTAÇÃO DE NOVOS SERVIÇOS
Estamos sem obras e/ou serviços em andamento.

17.7 – EQUIPAMENTOS NOVOS
Tivemos em Abril de 2012 a aquisição de: Página | 275

01 lixeira para coleta seletiva; 03 lixeiras de 56 litros; 01 Contêiner de 240 litros para transporte de roupa suja/limpa.

17.8 – COMISSÕES
As comissões estão ativas e em andamento conforme cronograma de abril de 2012. Sendo que as reuniões estão sendo registradas em livro próprio de atas. Sendo que não houve fatos relevantes a serem relatados. Comissão de Controle de Infecção Hospitalar – CCIH Mês Dia Hora omissão de Revisão de Prontuários Mês Dia Hora Comissão de Ética Médica Mês Dia Hora Comissão de Fármaco-Vigilância Mês Dia Hora Cronograma de Reuniões – Revisão de Óbito Mês Dia Hora Abril 2012 30/04/2012 16:00 hs Abril 2012 27/04/2012 10:00 hs Abril 2012 25/04/2012 14:00 hs Abril 2012 26/04/2012 16:00 hs Abril 2012 27/04/2012 16:00 hs

Página | 276

PALAVRA DO DIRETOR GERAL DO HOSPITAL Temos buscado melhores resultados para mantermos uma estrutura funcional e prestar serviços com qualidade aos usuários para que o HRP de Alvorada possa dar continuidade na Prestação de Serviços de Saúde para toda a população, pois a população necessita de nosso atendimento, e mantendo uma relação de parceria, entre prefeituras, e demais instituições todos conseguiremos adequar e melhorar o atendimento hospitalar. Temos plena consciência e absoluta certeza de que os resultados assistenciais, sociais, de recursos humanos e econômicos do hospital, terão resultados positivos, e ainda, trabalhando desta forma cria-se um clima de comunidade de trabalho familiar, que facilita, dignifica e entusiasma todos os envolvidos neste processo, onde todos e tudo se beneficiam.

Página | 277

ANEXO I – RELATÓRIO DA ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO

ANEXO II – ATAS DE REUNIÃO DAS COMISSÕES

Página | 278