Você está na página 1de 247

TÍTULO

PSICOLOGIA-B 12.° Ano – Unidade 1

AUTOR

LUÍS RODRIGUES

CAPA E ARRANJO GRÁFICO

PLÁTANO EDITORA

IMPRESSÃO

TIPOGRAFIA PERES, S.A. Dep. Legal n.° 295962/09

©

DIREITOS RESERVADOS
DIREITOS RESERVADOS

Av. de Berna, 31, 2.° Esq. — 1069-054 LISBOA Telef.: 217 979 278 • Telefax: 217 954 019 • www.platanoeditora.pt

DISTRIBUIÇÃO

Rua Manuel Ferreira, n.° 1, A-B-C — Quinta das Lagoas – Santa Marta de Corroios – 2855-597 Corroios Telef.: 212 537 258 · Fax: 212 537 257 · E-mail: encomendasonline@platanoeditora.pt

R. Guerra Junqueiro, 452 – 4150-387 Porto Telef.: 226 099 979 · Fax: 226 095 379

CENTROS DE APOIO A DOCENTES

LISBOA: Av. de Berna, 31 - 2.° Esq.° – 1069-054 Lisboa Telef.: 217 96 5 107

NORTE: R. Guerra Junqueiro, 452 – 4150-387 Porto Telef.: 226 099 979

SUL: Rua Manuel Ferreira, n.° 1, A-B-C – Quinta das Lagoas – Santa Marta de Corroios 2855-597 Corroios Telef.: 212 559 970

1.ª Edição E-4025-09 – Junho de 2009 • Tiragem: 1500 exemplares • ISBN 978-972-770-690-7

2009 • Tiragem: 1500 exemplares • ISBN 978-972-770-690-7 ESTE LIVRO É UM AMIGO DO AMBIENTE E

ESTE LIVRO É UM AMIGO DO AMBIENTE E FOI IMPRESSO EM PAPEL ISENTO DE CLORO (TCF), 100% RECICLÁVEL E COM TINTAS ISENTAS DE ELEMENTOS PESADOS SOLÚVEIS CONTAMINANTES (CHUMBO, ANTIMÓNIO, ARSÉNIO, CÁDMIO, CRÓMIO, MERCÚRIO E SELÉNIO), DE ACORDO COM A DIRECTIVA EUROPEIA 88/378/EU.

Í NDICE NDICE UNIDADE 1 A ENTRADA NA VIDA : QUAL É A ESPECIFICIDADE DO

Í NDICENDICE

UNIDADE 1

A ENTRADA NA VIDA:

QUAL É A ESPECIFICIDADE DO SER HUMANO?

TEMA 1

NA VIDA : QUAL É A ESPECIFICIDADE DO SER HUMANO ? TEMA 1 ANTES DE MIM
NA VIDA : QUAL É A ESPECIFICIDADE DO SER HUMANO ? TEMA 1 ANTES DE MIM

ANTES DE MIM

AS BASES BIOLÓGICAS E CULTURAIS DO COMPORTAMENTO

DE MIM AS BASES BIOLÓGICAS E CULTURAIS DO COMPORTAMENTO • Capítulo 1 Do Do Filogénese: De

Capítulo 1

Do

Do

E CULTURAIS DO COMPORTAMENTO • Capítulo 1 Do Do Filogénese: De onde viemos? Como nos tornámos

Filogénese: De onde viemos? Como nos tornámos humanos?

Do Filogénese: De onde viemos? Como nos tornámos humanos? 1. australopiteco ao Homo habilis 2. Homo

1. australopiteco ao Homo habilis

2. Homo erectus ao Homo sapiens

3. O «homem moderno»: o Homo sapiens sapiens

Capítulo 2

O que nos torna humanos?

sapiens sapiens Capítulo 2 • O que nos torna humanos? 1. O bipedismo: a posição erecta

1. O bipedismo: a posição erecta ou vertical

como forma

típica de locomoção

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

2. permanente das mãos

A libertação

 

3. O desenvolvimento cerebral:

expansão

e especialização do cérebro

 

4. da cultura: uma espécie muito especial

A criação

 

4.1. Só os seres humanos possuem cultura porque só eles possuem linguagem abstracta

 

4.2. Nos seres humanos a adaptação cultural mais frequente e significativa do que a adaptação

é

genética

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

4.3. A neotenia: a imensa capacidade de aprendizagem e de adaptação

4.3.1. Grande capacidade de adaptação e diversidade de comportamentos

4.3.2. «programados para

4.3.3. dotados de uma curiosidade

4.3.4. com um programa genético

Somos seres

Somos seres

Somos seres

natural

aberto e

13

16

17

19

21

22

22

23

23

24

24

25

26

27

27

28

Psicologia 12 unidade 1 Capítulo 3 • Ontogénese: a importância da genética no comportamento humano

Psicologia 12

unidade 1

Capítulo 3

Psicologia 12 unidade 1 Capítulo 3 • Ontogénese: a importância da genética no comportamento humano individual

Ontogénese: a importância da genética no comportamento humano individual

da genética no comportamento humano individual 3 1 33 35 35 37 40 41 41 43

3 1 31

33

35

35

37

40

41

41

43

1. Genes, cromossomas e

2. Genótipo

e

fenótipo

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

2.1.

Genes dominantes e genes recessivos

 

3. Hereditariedade

específica e individual

 

4. Hereditariedade

e meio: preformismo

e epigénese

 

4.1. A perspectiva preformista

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

4.2. A

perspectiva

epigenética

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

. 4.2.1. Cada indivíduo humano é um programa genético aberto à influência significativa de experiências e aprendizagens

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

. . . . . . . . . . . . • A importância do

A importância do cérebro no comportamento humano

Capítulo 4

4 7 47

49

50

53

53

68

69

72

74

76

1. As unidades básicas do sistema nervoso: os neurónios 1.1. A transmissão da informação nervosa
1.
As unidades básicas do sistema nervoso: os neurónios
1.1.
A transmissão da informação nervosa
2.
Viagem ao centro do sistema nervoso
2.1.
A importância da medula espinal e das estruturas subcorticais
3.
Plasticidade e complexidade do cérebro
3.1. A especialização dos hemisférios cerebrais:
lateralidade
e dominância
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
3.2. O cérebro é uma estrutura que funciona
de forma especializada e integrada
3.3. Plasticidade cerebral e aprendizagem
4.
A
unidade funcional do cérebro
e aprendizagem 4. A unidade funcional do cérebro Capítulo 5 • A importância da cultura no

Capítulo 5

A importância da cultura no comportamento humano

5 • A importância da cultura no comportamento humano 7 9 1. O que é a

7 9 79

1.

O que é a cultura?

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

2.

A

transmissão cultural como factor humanizador:

 

não basta nascer homem porque temos

 

de nos

tornar

humanos

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

3.

A

transmissão cultural realiza-se numa determinada sociedade:

 

o

processo de socialização

 

3.1. Socialização primária e secundária

 

3.2. A diversidade cultural

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

81

84

85

87

89

Í NDICE NDICE TEMA 2 E U A MENTE E A INTEGRAÇÃO DAS DIMENSÕES COGNITIVA,

Í NDICENDICE

TEMA 2

Í NDICE NDICE TEMA 2 E U A MENTE E A INTEGRAÇÃO DAS DIMENSÕES COGNITIVA, EMOCIONAL
Í NDICE NDICE TEMA 2 E U A MENTE E A INTEGRAÇÃO DAS DIMENSÕES COGNITIVA, EMOCIONAL

E U

A MENTE E A INTEGRAÇÃO DAS DIMENSÕES COGNITIVA, EMOCIONAL E CONATIVA

INTEGRAÇÃO DAS DIMENSÕES COGNITIVA, EMOCIONAL E CONATIVA Capítulo 1 • Os processos cognitivos 101 1. A
INTEGRAÇÃO DAS DIMENSÕES COGNITIVA, EMOCIONAL E CONATIVA Capítulo 1 • Os processos cognitivos 101 1. A

Capítulo 1

Os processos cognitivos

101
101

101

1. A aprendizagem

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

102

1.1. aprendizagem por habituação

A

 

104

1.2. por condicionamento clássico

A

aprendizagem

 

104

1.3. por condicionamento operante

A

aprendizagem

 

108

1.3.1.

Os princípios básicos do condicionamento operante segundo Skinner

 

109

Reforço

e punição

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

110

Reforço

positivo e

reforço negativo

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

111

Punição e reforço negativo

 

112

1.4. A aprendizagem por observação e imitação

 

116

1.4.1. O famoso experimento de Bandura sobre a aprendizagem observacional do comportamento agressivo

 

116

1.4.2. As formas de aprendizagem observacional

 

118

1.4.3. Condições necessárias para haver aprendizagem observacional

 

119

1.4.4. Factores ou causas que influenciam a aprendizagem

 

120

1.5. Métodos de aprendizagem

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

121

1.5.1. espaçada e concentrada

Aprendizagem

 

122

1.5.2. do conhecimento dos

A importância

resultados

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

122

1.5.3. total e aprendizagem

Aprendizagem

parcial

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

123

2. A

memória

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

127

2.1. Os processos básicos de memória

 

127

2.1.1. A codificação: como entra a informação na memória?

 

127

2.1.2. O armazenamento: como é a informacão mantida na memória?

 

128

2.1.3. Recuperação ou reactualização: como é possível recordar ou ir buscar informação à memória?

 

128

2.2. Os principais sistemas de memória: memória a curto

 

e a longo prazo

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

129

2.2.1.

A memória a curto prazo: memória imediata

 

e memória

de

trabalho

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

129

imediata

A

memória

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

129

memória

de

A

trabalho

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

130

12

12

Psicologia

unidade 1

 

2.2.2.

A memória a longo prazo

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

 

memória

A

procedimental ou não declarativa

 

memória

A

declarativa

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

 

2.3. Esquecimento e memória: o esquecimento é uma condição da memória

 
 

2.3.1. O esquecimento como resultado de interferência

 

2.3.2. A falha na recuperação do conteúdo mnésico (retrieval failure)

 

2.3.3. O esquecimento motivado

 
 

2.4. Memória, aprendizagem e identidade pessoal