Aproveite esse podcast e muito mais

Não é preciso ter uma assinatura para acessar os podcasts. Eles são 100% gratuitos. Também oferecemos livros digitais, audiolivros e muito mais por apenas $11.99 mensais.

#126 Burnout em terapia intensiva: Bom dia, boa tarde, boa noite! Seja bem vindo ao …

#126 Burnout em terapia intensiva: Bom dia, boa tarde, boa noite! Seja bem vindo ao …

DeMedicina do Conhecimento


#126 Burnout em terapia intensiva: Bom dia, boa tarde, boa noite! Seja bem vindo ao …

DeMedicina do Conhecimento

notas:
Duração:
8 minutos
Lançados:
17 de mar. de 2022
Formato:
Episódio de podcast

Descrição

Bom dia, boa tarde, boa noite! Seja bem vindo ao podcast Medicina do Conhecimento. Ciência e informação a qualquer momento, em todo lugar. Eu sou Pablo Gusman, o Anestesiador. Juntos falamos sobre novidades, dicas e a prática da medicina, sem esquecer dos pontos fortes que nos proporcionam qualidade de vida! E como compartilhar é multiplicar seguimos com uma pílula com assunto sem fronteiras no mundo do conhecimento.

O COVID-19 foi declarado uma pandemia em março de 2020. 100 milhões de pacientes foram infectados em todo o mundo e milhões de mortes foram relatadas. Incluímos nesses números os profissionais de saúde!

A síndrome de burnout tem três sintomas que a definem: grande exaustão emocional, despersonalização e baixa sensação de realização pessoal no trabalho. Antes do COVID-19, a prevalência da síndrome de burnout entre os profissionais de saúde, principalmente os que atuavam em unidades de cuidados intensivos variava entre 28 a 61%.

Uma pesquisa foi realizada para determinar o impacto da COVID-19 na síndrome de burnout nas equipes da UTI e identificar fatores associados a esse burnout. Incluíram enfermeiros de cuidados intensivos, médicos, fisioterapeutas, farmacêuticos, assistentes sociais e outros profissionais de saúde envolvidos nas unidades. Síndrome de Burnout e fatores contribuintes foram medidos usando o Inventário de Maslach. O estudo fez parte de uma pesquisa sobre incidência de burnout pré e pós pandemia. Antes da pandemia de COVID-19, 59% dos entrevistados demonstraram a síndrome de burnout aumentando para 69% durante a pandemia. Enfermeiros tiveram o maior aumento de burnout (58 para 72%). Por outro lado, embora o burnout tenha sido alto antes e durante o COVID-19 em todas as especialidades, a maioria das profissões teve burnout semelhante ou menor em 2020. Os médicos tiveram a menor taxa de burnout em 51% e 58% pré e durante COVID-19. Médicos com 3 a 5 anos de experiência tiveram a maior prevalência de síndrome de burnout antes e durante a pandemia. Um total de 399 entrevistados relatou contato direto com pacientes com COVID-19, enquanto 308 não tiveram. A prevalência da síndrome de burnout não foi diferente entre os médicos que trataram pacientes com COVID-19 e aqueles que não o fizeram. Um pequeno aumento na exaustão emocional nos médicos que lidaram diretamente com COVID-19 e o relato de aumento da carga de trabalho. Houve maior prevalência me profissionais do sexo feminino em todas as profissões.

É possível que as taxas de burnout tenham sido ainda maiores do que as relatadas aqui, como descrito na literatura ligada à medicina intensiva. Ao mesmo tempo, também pode ter havido autosseleção de médicos com maior probabilidade de o burnout retornar suas pesquisas porque queriam compartilhar sua experiência, o que poderia resultar em uma superestimativa da prevalência de burnout.

Apesar dessas limitações, esses resultados são um reflexo preocupante da gravidade do burnout em toda a equipe multiprofissional e dos níveis elevados de burnout observados em médicos de UTI durante uma pandemia. Além disso, eles demonstram que nem todas as profissões ou gêneros são igualmente impactados, com um aumento desproporcional do burnout em enfermeiras e médicas. Os resultados, demonstrando níveis semelhantes de esgotamento por médicos de UTI, independentemente de gerenciarem pacientes com COVID-19, sugerem fortemente que a simples prática de cuidados intensivos durante uma pandemia coloca em risco todos os membros da equipe multiprofissional de cuidados intensivos. Os esforços para melhorar o bem-estar devem ser projetados e implementados o mais rápido possível. Compartilhe conosco o que você e sua instituição fazem para seu bem estar e saúde mental! Esse artigo está disponível no nosso grupo do Telegram Anestesiador. Ative a notificação para ser informado quando um novo podcast for publicado e a qualquer momento e em todo lugar, escute a rádioweb no www.medicinaconhecimento.com.br
Lançados:
17 de mar. de 2022
Formato:
Episódio de podcast

Títulos nesta série (11)

Visualizar mais
Ciência e informação a qualquer momento, em todo lugar!