GRUPO 05
   

Anderson da Silva Nascimento Diones Aparecido dos Santos Itamar Raphael Tostes Junior Januel Pereira da Silva

RA: 1025906834 RA: 1054025326 RA: 1107310809 RA: 1183405513


  

Neilton Carlos Barbosa
Roger Martins Vieira Vitor H. Valentin Dias Wagner Fernando de Souza

RA: 2504044305
RA: 1041983061 RA: 1018828605 RA: 1188420962

2

TÓPICOS


   


    

Objetivo Introdução O que é Data Book? O que tem dentro do data book? Como montar? Um pouco de história... Circuitos Integrados (C.Is) Classificação quanto ao nível de integração Especificações Técnicas Especificações dos fabricantes Exemplos de Diferentes CIs e diferentes databooks Referências

3

OBJETIVO Proporcionar aos alunos da disciplina de Circuitos Lógicos um pequeno conhecimento em relação aos data books. como monta um data book e citando alguns exemplos de diferentes Circuitos Integrados e diferentes data books. lecionada pelo professor engenheiro Rubens Souza Evangelista. 4 . e tendo como objetivo também a aprovação na disciplina de Circuitos Lógicos. qual é a estrutura de um data book. conhecendo a história.

INTRODUÇÃO As portas lógicas são os componentes básicos da eletrônica digital. Elas são usadas para criar circuitos digitais e até mesmo circuitos integrados complexos. 5 .

circuitos integrados complexos podem ser um circuito digital completo pronto para serem usados. Processadores e microcontroladores são os melhores exemplos. Os data book’s vieram para nos auxiliar e facilitar no uso destes componentes muitas vezes muito complexos.Por exemplo. Mas internamente estes circuitos integrados foram projetados usando várias portas lógicas. 6 .

Técnica e da Qualidade.O que é Data Book? Data book é um livro de dados numa tradução literal. Uma coleção de documentos que conta a história de um processo de fornecimento do início ao fim. um dossiê do fornecimento. 7 . e pode envolver as áreas Comerciais. evidenciando tudo o que for importante para o cliente.

formulários e até mesmo a pasta adequada para seus data books. cada cliente especifica seu próprio procedimento com definição de estrutura. portanto. 8 . documentação. e este é o maior problema com esta documentação: não existe um padrão normativo sobre seu conteúdo ou sua estrutura.O Data Book não é coberto por nenhuma norma oficial.

o data book de uma ponte rolante nunca vai ser tão complicado quanto o de um reator… Mas mesmo nesse campo tão nebuloso alguma coisa dá para afirmar.O que tem dentro do data book? O conteúdo de um data book depende da necessidade (ou desejo) de um cliente. e da importância ou criticidade do produto. tais como: 9 . da complexidade do fornecimento. ou seja. alguns documentos são comuns na estrutura de um data book.

 Plano da Qualidade ou Plano de Inspeção e Testes. 10 .  Desenhos (geralmente aprovados pelo cliente).  Catálogos e/ou Manuais.  Pedido ou ordem de compra.  Especificação Técnica.  Índice (completo e também em cada seção). Capa.  Instruções de Instalação e Operação.

Certificados de Matéria Prima…). 11 . Procedimentos de Ensaios. RQS…)  Registros de Qualidade (Relatórios de Testes.  Registros dos Instrumentos utilizados. (sobresaslentes) = Diz-se de acessório ou item de reserva com que se substitui outro já usado ou defeituoso.  Listas de sobressalentes.  Não Conformidades (se tiverem ocorrido).  Relatório de Liberação (Inspeção Final). RQPS. Inspeção.  Documentação de Soldagem (EPS.

ou pode ser contratada uma empresa de digitalização para executar. numa pasta de capa dura (Pasta A-Z. 12 .Como montar? Geralmente o databook é montado em seções (capítulos). ou seja. por exemplo) e também em meio eletrônico (CD). cada seção numa pasta virtual. com índice geral na pasta raiz. A versão digital pode ser feita “em casa”. nesse caso a estrutura de diretório (pastas) do CD deve reproduzir a estrutura física.

Nos anos 30. maior rapidez e maior capacidade de processamento. A invenção do diodo semicondutor e do transistor bipolar permitiu o desenvolvimento de sistemas computacionais de menor dimensão. 13 ... utilizava circuitos lógicos baseados em tubos de vácuo. O primeiro computador digital.Um pouco de história. os laboratórios da Bell conceberam o primeiro dispositivo lógico recorrendo a relês. Existem varias maneiras de projetar dispositivos eletrônicos lógicos. “Eniac”. desenvolvido nos anos 40.

a primeira família de CI’s. o desenvolvimento tecnológico permitiu a integração de diodos. assim. transistores e outros componentes eletrônicos num único dispositivo. com capacidade de implementar diferentes tipos de funções lógicas. Surge.Nos anos 60. o circuito integrado (CI). baseados no mesmo tipo de circuitos internos e com características de entrada e saída semelhantes. 14 .

foi patenteado o transistor MOSFET (“metaloxide semiconductor field effect transistor (MOSFET)”) ou apenas transístor MOS. introduzida nos anos 60 e utilizada em larga escala. destaca-se a família TTL (“Transistor –Transistor Logic”). Na altura.De entre os vários tipos de circuitos internos dos CI’s. No entanto. consequentemente de famílias lógicas. 15 . 10 anos antes da invenção do transistor bipolar. era reduzida a sua aplicabilidade devido à dificuldade de fabrico e a velocidades reduzidas de operação.

a grande maioria dos circuitos com níveis de integração em larga escala. a maioria das famílias CMOS são projetadas de modo a serem parcial ou mesmo totalmente compatíveis com a família TTL. devido à grande popularidade dos CI’s TTL. atualmente. tais como memórias e microprocessadores.Com os desenvolvimentos tecnológicos nesta área assiste-se. 16 . Hoje em dia. particularmente. No entanto. utilizam a tecnologia CMOS. à substituição da tecnologia TTL pela tecnologia MOS e. pela tecnologia CMOS (“Complementary MOS”).

Exemplo: 74LS08 O circuito 74LS08 da série 74. 17 . subfamília TTL-LS. que implementam funções lógicas elementares ou outras funções mais complexas.) O que são? São componentes eletrônicos. disponibiliza um conjunto de 4 portas AND de duas entradas. integrados num único dispositivo.Circuito Integrado (C.I.

Para entender melhor circuitos como este acima. foram criado os DATA BOOKS. 18 .

Classificação quanto ao nível de integração Tipo de circuito Nº de portas lógicas integrado SSI (“Small-scale <10 integrated”) MSI (“Medium-scale De 10 a 100 integrated”) LSI (“Large-scale De 100 a algumas integrated”) centenas VLSI (“Very large.De algumas centenas até scale integrated”) 100 milhões 19 .

Os databooks são ferramentas ideais para técnicos e engenheiros pois neles que são depositados informações essenciais para o desenvolvimento de circuitos e projetos de grande importância no mercado. Algumas destas informações vamos especificar nos dados abaixo: 20 .Especificações Técnicas Cada fabricante disponibiliza as especificações técnicas e funcionais dos CI’s (“data sheets”/”data book”).

2.0V para a maioria das sub-famílias.7V para a maioria das subfamílias.2. 21 .Família lógica TTL Níveis lógicos. VIHmin – valor mínimo de tensão na entrada reconhecido como estado alto (HIGH-H) . compatibilidade de tensões e margem de ruído A representação física dos níveis lógicos nas entradas e saídas dos CI’s da família TTL tem por base as seguintes características (valores disponíveis pelos fabricantes) : VOHmin – valor mínimo de tensão na saída no estado alto (HIGH-H) .

Para garantir a compatibilidade de níveis de tensão. 22 . nos dois níveis lógicos.VILmax – valor máximo de tensão na entrada reconhecido como estado baixo (LOW-L) – 0. deve estar contida nos intervalos de variação admissíveis para a tensão de entrada.8V para a maioria das sub-famílias. VOLmax – valor máximo de tensão na saída no estado baixo (LOW-L) – 0.5V para a maioria das subfamílias. a tensão de saída.

Especificações dos fabricantes IILmax – corrente máxima debitada pela entrada no estado baixo – (-0. IOLmax – corrente máxima que pode ser absorvida pela saída no estado baixo – (8mA para a sub-família LSTTL).4mA para a sub-família LS-TTL). 23 . IIHmax – corrente máxima absorvida pela entrada no estado alto – (20μA para a sub-família LS-TTL).

Exemplos de Diferentes CIs e diferentes databooks 7400 Quad 2-input NAND Gate Quatro Portas NAND de 2 entradas 24 .

7402 Quad 2-input NOR Gate Quatro Portas NOR de 2 entradas 25 .

7404 Hex Inverting Gates Seis Portas Inversoras 26 .

7408 Quad 2-input AND Gate Quatro Portas AND de 2 entradas 27 .

7432 Quad 2-input OR Gate Quatro Portas OR de 2 entradas 28 .

7486 Quad 2-input XOR Gate Quatro Portas XOR de 2 entradas 29 .

com.databookmanager.dcc.com/o-que-edata-book/  http://www.org/wiki/7400_series  http://www.ufla.qualiblog.wikipedia.br/tinha-umdatabook-no-meu-caminho 30 .Referências  http://algol.br/  http://en.

MUITO OBRIGADO BOA NOITE À TODOS! 31 .

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful