Você está na página 1de 62

POLUIÇÃO DO AR

 Qualquer condição atmosférica, na qual substâncias


estejam presentes em altas concentrações, acima do
normal, para causar efeitos indesejáveis ao homem,
à vegetação ou aos materiais.

1
Causas da Poluição Atmosférica
 emissões em níveis
superiores aos
aceitáveis.

 condições atmosféricas
desfavoráveis para a
dispersão de poluentes.

 Uma dessas situações é


a ocorrência da inversão
térmica

2
Inversão térmica

3
 Uma camada de ar quente se posiciona acima
de outra mais fria e age como uma barreira
sobre a região impedindo que ocorra a
dispersão atmosférica dos poluentes

4
Fontes de oxigênio do planeta
 Aceita-se que, a maior parte do oxigênio
presente no ar vem de reações químicas
envolvendo vegetais primitivos, como algas
e fitoplâncton marinho. O restante provém de
vegetais terrestres jovens em crescimento

 A reação é representada da seguinte forma:

LUZ

 6 CO2 + 6 H2O CLOROFILA C6 H12 O6 + 6 O2


5
Poluentes do ar
 poluentes primários: aqueles emitidos
diretamente pelas fontes emissoras; e

 poluentes secundários: formados pela


interação entre os poluentes primários e
os constituintes do ar atmosférico.

6
Classificação dos poluentes do ar
 1 – compostos contendo enxofre;
 2 – compostos contendo nitrogênio;
 3 – monóxido e dióxido de carbono;
 4 – compostos halogenados;
 5 – material particulado;
 6 – compostos radioativos;
 7 – compostos contendo carbono (com exclusão
do monóxido e do dióxido de carbono ou seja,
CO e CO2).
7
classe poluentes poluentes principais fontes
secundários de emissão
primários
Compostos do queima de
SO2, H2S SO3, combustíveis
enxofre que contém
H2SO4,MSO4 enxofre, etc.
Compostos do combinação do
NOX NO2, MNO3*
nitrogênio N2 e O2 em
combustões a alta
temperatura, etc
Compostos do cadeias aldeídos, queima de
carbônicas com cetonas, ácidos combustíveis;
carbono até 5 átomos e refino do
mercaptanas petróleo;
solventes, etc.
Óxidos do nenhum processos de
CO e CO2
carbono combustão
compostos F2 e HF, nenhum processos de
halogenados combustão
8
Características e Potencial de dano
de alguns poluentes
 MONÓXIDO DE
CARBONO

 produzido pela
combustão
incompleta do
carbono presente nos
combustíveis

9
 ÓXIDOS DO
ENXOFRE
 É um gás incolor de
odor sufocante.
Vem da queima de
combustíveis que
contém enxofre como
o carvão e algumas
composições de óleo
diesel.

10
 METANO
 é o hidrocarboneto
mais simples que
existe, e também
um dos gases mais
importantes que
existem, tanto na
atmosfera como no
interior da Terra

11
 MATERIAL
PARTICULADO

 qualquer substância, com


exceção da água pura, que
existe no ar em fase líquida
ou sólida. São partículas de
tamanho microscópico ou
submicroscópico, porém de
dimensões maiores que as
moleculares

12
Hidrocarbonetos e outros compostos orgânicos

 são produzidos naturalmente ou por atividades


humanas, como uso do petróleo, incineração
de lixo, evaporação de solventes.

 a vaporização da gasolina e do álcool etílico


dentro do tanque dos automóveis é uma fonte
de poluição por hidrocarbonetos

13
Hidrocarbonetos e outros compostos orgânicos

 a decomposição biológica da vegetação libera o


metano

 aromas das florestas se devem a emissão pelas


árvores de hidrocarbonetos chamados terpenos.

 a visibilidade pode ser prejudicada pelo nevoeiro


azul formado por reações envolvendo terpenos.

14
 Pesticidas e Herbicidas

 Usados no controle de
plantas daninhas e
pragas.

 As principais fontes de
emissão são as
indústrias fabricantes, os
usuários nos processos
de pulverização nas
plantações e no solo.

15
 Óxidos de
Nitrogênio, Névoa
Fotoquímica
[Também chamada
de smog fotoquímico]
e Ozônio

16
 Gás Fluorídrico

 Gás Sulfídrico

 Metais

 Substâncias Radioativas

 Calor

 Som
17
Conseqüências da poluição
atmosférica
 a – efeitos ambientais;

 b – efeitos sobre os materiais;

 c – efeitos sobre a vegetação;

 d – efeitos sobre a saúde humana

18
Efeitos ambientais
a - o efeito estufa;

b - a destruição da camada de ozônio; e

c - os depósitos ácidos

19
Efeito Estufa
 A energia recebida pela
Terra é irradiada pelo
Sol.

 A radiação solar é
composta basicamente
de ondas
eletromagnéticas (de alto
nível energético),
radiação ultravioleta
(UV) e radiação visível
(luz).
20
 A absorção e perda da energia radiante
pela atmosfera e pela superfície terrestre
são as principais responsáveis pelo clima
da Terra, tanto em escala local como
global.

 A temperatura resultante do planeta


permanece praticamente constante,
indicando que a quantidade de energia
recebida é praticamente igual à energia
irradiada pela Terra.

21
 As superfícies irradiam
esta energia sob a
forma de radiação infravermelha ou
térmica (calor).

 Este processo mantém a temperatura da


superfície terrestre aproximadamente
30°C, mais quente do que ela seria caso
não existisse a atmosfera.

22
cronologia do aquecimento global
 1827: o cientista francês Fourier é o primeiro a
considerar o efeito estufa.

 1896: Arrhenius químico sueco culpa a queima de


fósseis pela produção de CO2

 1958: o cientista americano Charles David Keeling


detecta a elevação anual de CO2 pelo aumento do
uso de fósseis no pós-guerra.

 Anos 70: cientistas europeus e americanos


identificam outros gases de estufa
(clorofluorcarbonos, metano e óxido nitroso). 23
 1979: a Academia Nacional de Ciências Americana
vincula o efeito estufa às mudanças climáticas.

 1988: o IPCC é criado pela ONU para formar um


consenso sobre a medição e a análise do aquecimento
global

 1990: relatório do IPCC mostra aumento na atmosfera dos


gases de estufa gerados pelo homem e que estes causam
o aquecimento global

 1992: criação da Convenção Marco das Nações Unidas


sobre a mudança climática na ECO 92 que pede cortes
voluntários nas emissões de gases.
24
 1995: IPCC diz que os níveis de gases de efeito
estufa ainda aumentam, que já é perceptível a
influência do homem no clima global

 1997: os países da Convenção da ECO 92 assinam o


Protocolo de Kioto que prevê redução de 5,2% em
relação aos níveis de 1990 para 2008/2010.

 2000: os anos 90 são considerados a década mais


quente já registrada

 2001: IPCC declara que o aquecimento é causado


pelo homem. Prevê uma elevação entre 1,4 e 5,8°C
para 2100 e 0,09 a 0,88m para o nível dos mares. Os
EUA abandonam Kioto.
25
 2002: a pressão dos EUA força a saída do presidente o
IPCC, Robert Watson, um dos cientistas lideres no
alerta sobre mudança climática.

 2004: a Rússia ratifica Kioto transformando o esboço do


pacto em tratado internacional. A AIE declara a China
como segundo maior poluidor de carbono do mundo
depois dos EUA.

 2005: em 16/2 entra em vigor o Protocolo de Kyoto.


Em 29/8 o furacão Katrina devasta a costa do Golfo
americana, com especulações de que a grande
temporada de tempestades foi decorrente do
aquecimento global.
26
 2006: estudos sugerem que a mudança climática já
está em andamento com a perda de gelo nos Alpes, na
Europa, o derretimento de gelo na Groenlândia e no
Pólo Norte, a retração do subsolo congelado da Sibéria.
Na Califórnia, planos são estabelecidos para reduzir
emissões aos níveis de 1990 até 2020. O Banco Mundial
estima que se nada for feito, o aquecimento global
custará até 20% do PIB mundial.

 2007: em 4/01 cientistas afirmam que este será o ano


mais quente já registrado. Em 17/01 o Boletim de
Cientistas Atômicos adianta em 2 minutos o Relógio do
Apocalipse citando a mudança climática como um risco
tão grande para a humanidade quanto a proliferação
nuclear. Em 02/2 o IPCC publica o 4º relatório com 90%
de certeza que o aquecimento global é conseqüência da
atividade humana estimando a elevação da temperatura
média de 1,8 a 4ºC até 2100.

27
O acúmulo de gases na troposfera dificulta
o retorno de energia na forma de calor ao
espaço

28
Concentração do CO2 e a temperatura da Terra
nos últimos 160.000 anos e nos últimos 100 anos

29
PRODUÇÃO INDIVIDUAL DE
DIÓXIDO DE CARBONO
Uso Base Emissões de CO2 (kg)

Automóvel por litro 2,5


de gasolina

Eletricidade por kWh 0,9


(utilizando carvão)

Gás natural por therm 5,4


(p/aquecimento)
30
destruição da camada de ozônio
 O ozônio presente na estratosfera (região
da atmosfera com altura entre 15 e 45
km) é particularmente eficiente para
absorver a radiação ultravioleta emanada
pelo sol.

 Se tal absorção não ocorresse, a vida na


Terra não seria possível, pelo menos na
forma que se conhece.
31
Certos contaminantes são extremamente
nocivos à camada de ozônio que protege a
Terra, pois destroem as moléculas do gás.

32
Contaminantes nocivos à camada
de ozônio
 monóxido de carbono (CO)

 monóxido de nitrogênio (NO)

 Maiores danos são causados pelos


compostos genericamente chamados de
clorofluorcarbonos (CFCs).

 tetracloreto de carbono (CCl4), o metil


clorofórmio (CH3CCl3), metil cloreto (CH3Cl) e
metil brometo (CH3Br)
33
A descoberta dos "buracos na camada de ozônio",
determinou enormes esforços internacionais de
pesquisa mostrando que a destruição do ozônio
também ocorre sobre outras regiões de latitudes
médias e sobre o Ártico.

34
A destruição da camada acarreta a
diminuição do seu poder de filtração
das radiações ultravioleta.

35
Previsão da ONU sobre o aumento de 1 % na
incidência de radiação ultravioleta sobre a Terra
 cem mil casos a mais de catarata por ano e milhares
de novos casos de câncer de pele e queimaduras,
desequilíbrio do sistema imunológico e
envelhecimento precoce

 afetará o fitoplâncton (base da cadeia alimentar


marinha. A população dos oceanos será afetada,
microorganismos, peixes, pássaros e até mesmo
mamíferos marinhos como as focas e as baleias.

 Severa inibição da fotossíntese das algas ocorreria,


pois seriam afetados o crescimento e o DNA (ácido
desoxirribonucleico) das mesmas.
36
 Os raios ultravioleta têm
reconhecida ação
como reguladores do crescimento das plantas.

 O aumento das radiações acarretaria


diminuição da produção agrícola.

 Diminuição do tempo de vida útil dediversos


materiais como plásticos, borrachas, produtos
têxteis etc.

37
 Um estudo de 1992 apontou que a quantidade
de fitoplâncton presente nas águas ao redor da
Antártida tinha diminuído de 6% a 12%.

 Conseqüentemente, menos alimento é


produzido e menos CO2 absorvido. Esta última
situação indica um acoplamento entre a
destruição do ozônio e o aquecimento global.

 A diminuição dos mecanismos terrestres de


absorção de CO2 pode levar ao aumento das
concentrações do gás na atmosfera

38
O "Protocolo de Montreal" (1987, Canadá) congelou
a produção de CFCs nos níveis de 1986
 O "Protocolo de Montreal" é o primeiro tratado
verdadeiramente global a oferecer proteção a
todo e qualquer ser humano.

 Há, contudo, grandes diferenças entre as nações


com relação ao equilíbrio adequado entre
desenvolvimento econômico e proteção do
ambiente global.

 Assim, uma participação mais ampla dos países


em desenvolvimento é indispensável, caso se
pretenda diminuir o consumo global de CFCs.
39
Depósitos ácidos
 Conjunto de depósitos secos e úmidos de
certas substâncias poluentes, do qual a
chuva ácida é um componente.

 Mesmo na ausência de chuva ocorre a


deposição de substâncias ácidas
poluentes, na forma de um depósito seco.

 Se houver ocorrência de chuvas, tem-se


40
 Os depósitos secos contém compostos
gasosos como NO2, HNO3, SO2, aerossóis
ácidos e partículas finamente divididas de
nitratos e sulfatos. Parte do SO2 pode ser
oxidado a SO3.

 Os depósitos úmidos contém além dos


componentes citados, partículas de
poeira, H2SO4, NH3 etc.

41
 A composição pode variar em função das
atividades de cada região..

 Se a superfície é úmida ou líquida


formam-se soluções ácidas.

 Os ácidos formados são os mesmos


trazidos pela chuva ácida.

42
efeitos dos depósitos ácidos
 No solo, podem alterar o equilíbrio que existe
entre o cálcio, o magnésio e o alumínio
interferindo no desenvolvimento das plantas.

 O desequilíbrio altera a concentração do íon


Al 3+ que atinge níveis de alta toxidez.

 Retira do solo elementos importantes como


cálcio e magnésio.

43
efeitos dos depósitos ácidos
 Podem acarretar a liberação de outros
componentes tóxicos como o chumbo,
cádmio etc. que passam a fazer parte da
constituição dos vegetais ingeridos pelo
homem, causando danos à saúde.

 A retirada acelerada de minerais do solo


que podem resultar num desequilíbrio da
base de nutrientes das plantas.

44
possíveis efeitos sobre os vegetais
 deficiência de nutrientes;

 danos às raízes e redução da resistência


à seca.

 Há estudos que concluem que a chuva


ácida causa stress nas árvores,
enfraquecendo-as contra o ataque de
insetos ou doenças.
45
efeitos nos sistemas aquáticos
 a acidez mata as algas e o plâncton,
acarretando quebra da cadeia alimentar.
Há registros de milhares de lagos no
Canadá, na Escandinávia e em outras
regiões da Europa, em que houve declínio
ou até mesmo a extinção total dos peixes
devido a acidez da água.

46
 Os ventos transportam os contaminantes a
centenas de quilômetros, e os poluentes
emanados em uma região perturbam os
ecossistemas de regiões distantes.

47
 A Inglaterra descarrega na atmosfera cerca
de 7 milhões de toneladas de SO2 por ano,
porém a concentração desse poluente não
tem aumentado na proporção que seria
esperada naquele país.

 Por ser uma ilha alongada e estreita e serem


usadas construídas chaminés bem altas, os
ventos transportam o SO2 para terras
distantes, fora do solo britânico.

48
 Como a velocidade do vento aumenta com o
a altura, as chaminés altas utilizam os
processos naturais de dispersão da
atmosfera para diluir os poluentes do ar.

 Algumas das chaminés são tão altas quanto


quaisquer estruturas feita pelo homem e
podem ser capazes de ultrapassar qualquer
camada de inversão baixa.

49
 1 – Monumento a Washington em Washington DC; 2 −
Torre Eiffel em Paris – França; 3 − Edifício Empire
State em Nova York; 4 − Torre Sears em Chicago; 5
− Chaminé mais alta do mundo em uma fundição,
Sudbury, Ontário, Canadá; 6 − Chaminé mais alta dos
EUA em uma fundição em Moundsville
50
 Assim, alguns poluentes (tais como a
chuva ácida) simplesmente irão causar
problemas em algum ponto adiante na
direção do vento.

 Assim, o ácido sulfúrico que se forma,


devido às emissões britânicas deposita-se
nas florestas e lagos da Suécia,
Escandinávia e Noruega.

51
soluções
 queima de carvão com menor teor de
enxofre

 renovação de instalações mais antigas

 dessulfurização dos gases de combustão,


ou o uso de leitos fluidizados para uma
queima mais limpa do carvão.
52
efeitos sobre os materiais
 incluem a corrosão metálica e a degradação da
construção civil em geral (incluindo prédios,
casas, monumentos etc).

53
algumas conseqüências
 sujeira das roupas e estruturas.

 quando contém enxofre, corroem materiais


como pinturas, alvenaria em geral, estruturas de
concreto, contatos elétricos e produtos têxteis,
dentre outros.

 O ozônio é extremamente danoso para produtos


de borracha, plásticos, têxteis etc.

54
efeitos sobre a vegetação
 os poluentes gasosos
entram na planta junto
com o ar, no processo
natural de respiração
da mesma.

 Os danos podem variar


desde a redução da
taxa de crescimento até
a morte da planta.

55
danos aos vegetais
 Os sintomas dos danos são normalmente
manifestados nas folhas, podendo-se
associar o dano ao poluente.

 O maior dano que o poluente traz é a


destruição da clorofila, com a
conseqüente interrupção da fotossíntese.

56
efeitos sobre a saúde humana
 A maior parte dos poluentes entra no corpo
humano pelo sistema respiratório.

 O sistema respiratório possui diversos níveis de


defesa contra a entrada de material estranho.

 Os pêlos do nariz, a mucosa nasal, a própria


traquéia, pequenos cílios nas paredes das vias
respiratórias, capazes de retirar pequenas
partículas do ar.

57
 Para os gases, a solubilidade determina a
proporção de absorção. Assim, o SO2 é
absorvido pelas vias superiores, enquanto
CO, NO2 e O3 penetram nos alvéolos.

 Alguns poluentes trazem efeitos


semelhantes como o formaldeído e o SO2
que diminuem a passagem do ar nas vias
superiores. CO e NO2 interferem com o
transporte de oxigênio pelo sangue.

58
 A aspiração do CO diminui a capacidade de
transporte de oxigênio pelo sangue, que é feito
pela hemoglobina, pigmento vermelho do
sangue, que fixa o oxigênio e o distribui pelas
células.

 A aspiração de SO2 em concentrações de 1 ppm


leva a obstrução das vias aéreas superiores
devido a absorção do mesmo.

 A presença simultânea de material particulado


aumenta a periculosidade de tal forma que a
exposição prolongada pode causar morte.

59
 Quanto aos óxidos de nitrogênio, não existem
evidências de danos causados pelo NO.

 Entretanto, o NO2é transformado em


nitroaminas no pulmão as quais podem ser
cancerígenas.

 Têm ação irritante sobre os alvéolos, pode


causar enfizema após longo tempo de
exposição em concentrações da ordem de 1
ppm.
60
 Os oxidantes fotoquímicos são poluentes
secundários. São resultantes das reações de
hidrocarbonetos e óxidos de nitrogênio com os
componentes da fumaça.

 O principal deles é o ozônio, cujos efeitos sobre


a função pulmonar ainda não estão totalmente
esclarecidos.

 Em geral, exposições em ambientes com


concentração de 1 ppm, acarretam
estreitamento das vias respiratórias.

 A irritação nos olhos também é comum.


61
 O mecanismo por meio dos quais o chumbo traz
danos à saúde humana é bastante complexo.
Age como agente inibidor de diversas etapas de
produção da hemoglobina. Dependendo da
forma como é ingerido, cerca de 60%
permanece no corpo humano.

 As doenças do sistema respiratório estão


geralmente relacionadas com a poluição do ar.
Existem duas reações características do
aparelho respiratório: a bronquite e o enfisema.

62