Você está na página 1de 24

3ª Etapa de Concessões Rodoviárias – Fase I

Novembro 2008
Conteúdo
•Escopo da Concessão
•Aspectos gerais das rodovias
•Estudos técnicos realizados
•Premissas da modelagem
•Resultados
•Tarifa Básica e localização das praças de pedágio
•Serviços de atendimento ao usuário
•Investimentos e melhorias
•Contrato de Concessão
•Principais regras do Edital e características do Leilão
•Próximos passos
3ª Etapa de Concessões Rodoviárias – Fase I

BR- 381 (MG)


Escopo da Concessão – BR-381
• Trecho compreendido entre o
Anel Viário de Belo Horizonte e
o entroncamento com a BR 116,
no Município de Governador
Valadares

• Extensão: 301 km

• Permite a interligação de São


Paulo e Belo Horizonte com a
Bahia
Aspectos gerais da rodovia BR-381
• Rodovia com extensão atual de 301 km com apenas 19
km de pista dupla
• Mais de 200 km de acostamento inexistentes
• Sinalização precária e ausência de barreiras de
proteção
• Obras de Arte (pontes, viadutos etc.)
• Necessidade de adequação para a dimensão e peso
dos caminhões atuais
Estudos técnicos realizados BR-381
• Estudos de Engenharia
- Cadastro completo da rodovia
- Identificação das melhorias necessárias
- Avaliação ambiental

• Estudos de Tráfego
- Contagens volumétricas
- Pesquisas de origem/destino
- Pesquisas de opinião e de preferência declarada
- Projeções de tráfego
- Sistema de pedagiamento
- Redes de simulação, estudos de rotas de fuga e alocação final de
matrizes
Premissas da Modelagem BR-381
• Taxa de retorno de projeto (TIR): 8,0% a.a
– Valor de referência utilizado na 3ª Etapa de Concessões Rodoviárias,
atualizado pela STN/MF

• Prazo de Concessão: 25 anos

• Conceito da Concessão: foco em parâmetros de serviço


Resultados: Tarifas e Praças de Pedágio
• Tarifa Básica de Pedágio: R$ 4,38 para
a categoria 1 de veículos (rodagem
simples e dois eixos), equivalente a R$
5,70 por 100 Km.

• Praças de pedágio: 4 praças,


eqüidistantes a 77 Km

No Praça km
1 Periquito 198
2 Jaguaraçu 275
3 João Monlevade (Variante) 352
4 Caeté 429
Resultados : Atendimento ao Usuário
EQUIPAMENTOS E
SISTEMAS DE QUANTIDADE
OPERAÇÃO MÍNIMA PARÂMETROS DE SERVIÇO

Equipamentos para Serviços Médicos


Ambulância Tipo C 6 Tempo Máximo de Chegada: 15 min
Ambulância Tipo D 1 Tempo Máximo de Chegada: 70 min
Equipamentos para Serviços
Tempo Máx dede Guincho min, pista simples e
Chegada:20
Guincho Leve 5 dupla
Tempo Máx de Chegada: 75 min para pista
Guincho Pesado 1 dupla e 150 min para pista simples.
Equipamentos para Sistema de Comunicação
Fone de Emergência 90% dos fones deverão estar em plenas
(Call
PainelBox)
de Mensagem 301 condições de operação
Fixo 8
Painel de Mensagem Tempo de interrupção de funcionamento não
Móvel 4 poderá ser maior que 24hs/mês.
Equipamentos para Pesagem
Conjunto Completo de
Pesagem Fixa 2 Problemas deverão ser reparados ou
Conjunto Completo de substituídos em 24 horas e paralisações não
Pesagem Móvel 3 poderão ser superiores a 120 horas por ano
Resultados: Investimentos e melhorias
OBRAS DE CARÁTER OBRIGATÓRIO
• Trabalhos Iniciais (até o 6º mês): reparos no pavimento e
acostamento, adequação da sinalização, recuperação emergencial
de obras de arte especiais e sistema de drenagem, e tratamento da
faixa de domínio, dentre outras

• Melhorias previstas:
• Duplicação de toda rodovia (até 6º ano)
Resultados: Investimentos e melhorias
OBRAS CONDICIONADAS AO VOLUME DE TRÁFEGO

•Faixa Adicional: condicionadas ao atingimento do volume diário


médio (VDM) para cada trecho duplicado, conforme tabela abaixo:

Km Km Extensão
Subtrecho De Para VDM
inicial final (km)
1 143,6 216,4 72,8 Entr.BR116 – Gov. Valadares Belo Oriente 43.000
2 216,4 276,7 60,3 Belo Oriente Entr. MG 320 42.500
3 276,7 305,3 28,6 Entr. MG 320 Ribeirão Prainha 47.400
4 305,3 324,05 18,75 Ribeirão Prainha Acesso Nova Era Sul 47.400
5 324,05 344,8 20,75 Acesso Nova Era Sul João Monlevade 45.400
6 344,8 374,8 30 João Monlevade Rio Una 41.700
7 374,8 413,85 39,05 Rio Una Entr. MG 435 46.500
8 413,85 444,95 31,1 Entr. MG 435o Anel Rod. B. Horizonte 46.500
3ª Etapa de Concessões Rodoviárias – Fase I
Aspectos Jurídicos
BRs 040, 116 e 381 MG
Contrato de Concessão
Linhas Gerais
• Principais condições adotadas na BR 116-324/BA e 7 lotes
• Reajuste anual da tarifa pela variação do IPCA
• Investimentos descritos no PER
• Obras obrigatórias (recuperação, duplicação, iluminação etc.)
• Obras condicionadas ao volume de tráfego (amp. capacidade)
• Parâmetros de Desempenho: pavimento, segurança,
sinalização, iluminação, atendimento ao usuário etc.
• Foco na qualidade do serviço: Concessionária realiza os
investimentos necessários da forma mais eficiente para
atender aos Parâmetros de Desempenho
Contrato de Concessão
Repartição de Riscos
• A Concessionária é responsável por todos os riscos relativos à
exploração do Sistema Rodoviário, com exceção daqueles
expressamente atribuídos ao Poder Concedente. Exemplos:

Riscos da Concessionária Riscos do Poder Concedente


(rol exemplificativo) (rol taxativo)
Decisões judiciais / administrativas que não
Tráfego em desacordo com as projeções
tenham sido culpa da Concessionária
Custos das obras (quantitativos ou custos Descumprimento de obrigações pelo poder
unitários) concedente
Licenças e autorizações relativas à Caso fortuito ou força maior que não sejam
Concessão, além do passivo ambiental cobertos por seguro
Taxas de juros e câmbio Alteração das condições do contrato
Atrasos no cronograma de obras e serviços Modificações na Legislação (exceto IR)
Contrato de Concessão
Equilíbrio econômico-financeiro
• Lei nº 8.987/95, art. 10. “Sempre que forem atendidas as
condições do contrato, considera-se mantido seu equilíbrio
econômico-financeiro”
• Condições do contrato: repartição objetiva dos riscos
• Mantida a repartição de riscos e as condições contratuais,
considera-se mantido o seu reequilíbrio
Pela Concessionária: ocorrência de eventos cujo risco
Cabimento do seja expressamente atribuído ao Poder Concedente
pedido de
recomposição Pela ANTT: quando cabível, nos termos da lei,
observado o equilíbrio inicial
Contrato de Concessão
Equilíbrio econômico-financeiro (cont.)

• Avaliação do impacto financeiro marginal, de


forma a tornar nulo o valor líquido do fluxo de
caixa marginal projetado em razão do evento

Procedimento 2) Recomposição pelos seguintes meios:


(fluxo de caixa • Aumento ou redução do valor da Tarifa Básica
marginal) •Pagamento dos investimentos, custos e despesas
adicionais
• Modificação de obrigações, proporcionalmente ao
evento
•Outros meios
Contrato de Concessão
Avaliação de Desempenho e Compensação Tarifária
• Avaliação de Desempenho: avaliação anual de Parâmetros
de Desempenho (condições físicas do Sistema Rodoviário)
• Compensação Tarifária: instrumento para a manutenção do
equilíbrio entre os serviços prestados (qualitativa e
quantitativamente) e sua remuneração pelo usuário
• Mecanismo previamente pactuado entre Poder Concedente e
concessionário com vistas a desonerar o usuário
•Trata-se de compensação, que não tem caráter sancionatório

Usuário paga 100% da tarifa quando tem 100% dos serviços


Contrato de Concessão
Avaliação de Desempenho e Compensação Tarifária
(cont.)
• Regras:
• Em cada subtrecho, cada item em desconformidade
corresponderá a uma fração da Compensação Tarifária
• O somatório indicará o desconto a ser diluído na Tarifa Básica
de Pedágio, após valor obtido em cada revisão anual
• Dedução não será cumulativa  redução do ano anterior será
devolvida ao valor da Tarifa antes da dedução da Compensação
do ano seguinte
Edital e características do Leilão
Linhas Gerais
• Mesmas regras adotadas na BR 116-324/BA e 7 Lotes
• Admitida a participação de pessoas jurídicas brasileiras ou
estrangeiras, instituição financeira, fundos de pensão e fundos de
investimentos em participações, isolados ou reunidos em
consórcio
• Garantia de proposta: R$ 30 milhões (dinheiro, títulos da dívida
pública, seguro ou fiança)
• Não há exigência de indicadores financeiros
BR 040 BR 116 BR 381

• Exigência de capital social mínimo (190, 170 e 160 milhões)


• Integralização do capital da SPE dividido em dois momentos:
(i) ½ como requisito para a assinatura do contrato;
(ii) ½ até a conclusão dos trabalhos iniciais;
Edital e características do Leilão
Procedimentos

1) Entrega dos documentos (CBLC)


• Garantia de Proposta
• Proposta Econômica Escrita (oferta de tarifa)
• Documentos de habilitação

2) Avaliação da Garantia de Proposta pela CBLC


Edital e características do Leilão
Procedimentos (cont.)
3) Sessão pública do Leilão na BOVESPA
• Abertura e classificação das Propostas Econômicas que tiveram
sua Garantia da Proposta aceitas
• Não haverá sem lances em viva-voz (repique)
• Critério de julgamento: menor valor da Tarifa Básica de Pedágio
• Valores máximos:
- BR 116/MG: R$ 4,90
- BR 381/MG: R$ 4,38
- BR 040/MG: R$ 2,68
Edital e características do Leilão
4) Qualificação do Proponente Vencedor
• Inversão de fases
• Abertura dos documentos de habilitação do proponente
classificado em primeiro lugar
• Em caso de desclassificação do primeiro colocado, abre-se o
envelope do proponente classificado em segundo lugar, e assim
sucessivamente
• A desclassificação de todos implica revogação do Leilão
Edital e características do Leilão

Principais condições para assinatura do contrato:


• Integralização parcial (metade) do capital social total da SPE

• Apresentação da Garantia de Execução do Contrato (regressiva


ao longo do contrato)

• Apresentação das apólices dos seguros mínimos exigidos


(danos materiais e responsabilidade civil)

• Apresentação do Plano de Negócios (meramente informativo e


não vinculante)

• Comprovação de recolhimento dos emolumentos da CBLC e


Bovespa
Próximos Passos

• Encaminhamento da modelagem ao TCU

• Conclusão das Consultas e Audiências Públicas em 07 de Novembro

• Ajustes nos Estudos, Edital e Contrato decorrentes das Audiências


Públicas e da avaliação do TCU

• Previsão da Publicação do Edital até 03/2009

• Leilão previsto para 60 dias após a publicação do Edital

Interesses relacionados