Você está na página 1de 10

Memorial do Convento

Capítulo XIV

• 8 de Junho de 1719: procissão do corpo de Deus. . • Monólogos cheios de sarcasmos do patriarca e de el-rei. • O padre Bartolomeu diz a Blimunda que são necessárias pelos menos duas mil vontades. • Enumeração dos participantes da procissão e descrição com comentários irónicos.Inserção na obra Este capítulo dá continuidade aos seguintes acontecimentos: • Baltasar e Blimunda constroem a forja.

a infanta D. o músico pensou: Vénus e Vulcano. portanto. nove anos.Resumo dos aspectos centrais do capítulo O padre Bartolomeu Lourenço voltou a Coimbra já doutor em cânones. a fim de dar lições de música à sua filha. mas promete voltar e trazer o cravo. o tempo que se passou pode ser contado. Maria Bárbara. Scarlatti e Bartolomeu tornam-se amigos. o padre leva-o a S. Blimunda chegada horta trazendo "brincos de cereja". Blimunda adormeceu com a cabeça apoiada no ombro de Baltasar. Confiante em Scarlatti.. O padre diz a Scarlatti que ele e Baltasar têm ambos 35 anos e que não poderiam ser pai e filho. retira-se Scarlatti. desde o começo da história. que tocará enquanto Blimunda e Baltasar trabalham. Sebastião da Pedreira e apresenta os amigos e a passarola a Scarlatti. Quando os viu. onde treinou o seu sermão para que os dois ouvissem. O padre saiu para o pátio. trino. Mostrada a passarola por dentro. Discutem sobre Deus uno. . partilhando as mesmas ideias e sonhos. Um pouco mais tarde ele levou-a para dormir. tomado por tentações. Mas poderiam ser irmãos. e agora pode ser visto na casa de uma viúva. e toda a noite ali permaneceu.. a fim de brincar com Baltasar. O padre lá permaneceu. João manda vir da Itália o maestro barroco Domenico Scarlatti. D.

a que as leituras diversificadas e a postura "antidogmática" não serão alheios. numa busca incessante do saber. . • Elemento catalisador do voo do passarola. Homem curioso. Estrangeirado. Evidencia. ao longo da obra. uma profunda crise de fé.Caracterização das personagens principais Padre Bartolomeu Lourenço de Gusmão • • • • Conhecido por “Voador”.

• Egocêntrico. • Homem que teme a morte.Caracterização das personagens principais Rei D. João V • Autoritário. • Curioso. • Absolutista. • Megalómano. . • Vaidoso.

• Talentoso. • A sua música possui um poder curativo e inebriante. • Tem conhecimento da existência da Passarola e interessa-se pelo engenho. • Professor de D. Maria Barbara. culto e sonhador. • Trava amizade com o Padre Bartolomeu na corte do rei. . nascido em Nápoles.Caracterização das personagens principais Domenico Scarlatti • Músico italiano.

presente e futuro. etc. • Quanto à focalização o narrador assume uma focalização omnisciente. . saltando facilmente entre passado. • O seu ponto de vista é subjetivo. critica. lamenta. Tem uma perspectiva transcendente em relação às personagens e move-se à vontade no tempo. Ironiza.Papel do narrador • Quanto à participação é heterodiegético pois surge na terceira pessoa e não participa na acção.

aquele onde o amargo fel do peixe restitui a vista ao cego.intertextualidade .Aspectos estílisticos relevantes • Ironia como verificamos em “…e do corpo do padre não se alimentaram esta noite as melgas. • “…Então iremos amanhã a ver um segredo.IV parte do Sermão do Padre António Vieira aos Peixes. tal como em capítulos anteriores.evidenciando a falta de higiene.” . • “Estão parados diante do último pano da história de Tobias.” .” acto compromissivo. .

…” . . “Na sua frente estava uma ave (…) não posso dar mais que mostrar o que aqui se vê…” . homem de completa figura (…) é a força da vida.Outros aspectos “…é Escarlate o nome deste.descrição da passarola.descrição de Scarlatti. e bem lhe fica.

Este capítulo termina. assim.” Trabalho realizado por: Bárbara Garcia Ricardo Moller . “…em tentação.