Você está na página 1de 26

A Presença de Assistentes

Literários nos Escritos de


Ellen G. White Teoria da Orientação
Profética
Marcelo Devai Martins
4º Periodo
Assistentes na Bíblia

Antigo Testamento

O profeta Jeremias explicou a maneira


como utilizava Baruque como seu
assistente de redação.
“Então Jeremias chamou a Baruque,
filho de Neemias, e escreveu Baruque,
no rolo dum livro, enquanto Jeremias
lhas ditava, todas as palavras que o
Senhor lhe havia falado”. Jr. 36 verso 4.
Assistentes na Bíblia

Nos versos 17 e 18 do mesmo capitulo, foi


registrado um dialogo entre os oficiais do rei e
Baruque onde ele afirma que o profeta ditava-
lhe “pessoalmente todas as palavras” e ele as
escrevia.

Outro exemplo bíblico é o do profeta Eliseu


que serviu a Elias como um criado, mas que
após a morte do profeta, passou a substituí-lo.
Assistentes na Bíblia

Não foi grande a obra de início requerida de Eliseu;


deveres comuns ainda constituíam sua disciplina. É dito
dele que derramava água nas mãos de Elias, seu mestre.
Ele estava disposto a fazer o que fosse que o Senhor
ordenasse, e a cada passo aprendia lições de humildade
e serviço. Como assistente pessoal do profeta, ele
continuou a provar-se fiel nas pequenas coisas,
enquanto com diário fortalecimento de propósito
devotava-se à missão apontada por Deus .[1]
[ 1] WHITE, Profetas e Reis, 222p.
Assistentes na Bíblia

Novo Testamento

Os discípulos foram selecionados por Jesus


para aprenderem com ele e após sua morte
compartilhariam o que aprenderam com os
demais. Mateus, Marcos, Lucas e João
foram os que compartilharam, de forma
especial, na preparação escrita de Sua
historia para as nações por vir.[1]

[1] Na oração de Jesus relatada no capitulo 17 do livro de


João, aparece o pedido a Deus Pai para que seus
discípulos e por “aqueles que crerão por intermédio deles”
venham a ter a forca necessária para vencer, verso 20.
Assistentes na Bíblia

“A
“ vocação de Mateus para ser um dos
discípulos de Cristo, despertou grande
indignação. Que um mestre de religião
escolhesse um publicano como um de seus
imediatos assistentes, era uma ofensa contra
os costumes religiosos, sociais e nacionais.
Procurando estimular os preconceitos do
povo, os fariseus esperavam voltar a corrente
dos sentimentos populares contra Jesus”.[1]

[1] WHITE, Desejado de Todas as Nações, 273.


Assistentes na Bíblia

O apostolo Paulo precisou da ajuda de assistentes enquanto


estava em Roma, entre eles havia muitos de seus anteriores
companheiros. Lucas, "o médico amado" (Cl. 4:14), que o tinha
assistido em sua viagem a Jerusalém, durante os dois anos de
sua prisão em Cesaréia, e em sua perigosa viagem a
Roma, com ele. Timóteo também ministrava para o seu
conforto. Tíquico, um "irmão amado e fiel ministro, e conservo
no Senhor" (Cl. 4:7), permaneceu firme ao lado do apóstolo.
Demas e Marcos também estavam com ele. Aristarco e Epafras
eram seus companheiros de prisão. Cl. 4:7-14.[2]

[2] WHITE, Atos Apóstolos 454.


Assistentes na Bíblia

 A segunda carta de Pedro difere tanto da


segunda que alguns críticos sugeriram ser
uma fraude. A intriga é em razão de a
primeira carta ter sido escrita em grego
elegante, sinal de que foi escrita por um
assistente, talvez tenha sido Silvano I Pd.
5:12, pois a linguagem materna de Pedro
era o aramaico.
Assistentes na Bíblia

Pedro podia muito bem ter ele mesmo escrito um


livro em grego (II Pd ?) e expresso seu
pensamento em aramaico a um assistente que
tivesse mais experiência de redigir em grego (I Pd).
Esse assistente podia então ter registrado as idéias
de Pedro em seu estilo, efetuando depois as
alterações sugeridas por Pedro.[1]

[1] “The Ups and Downs of Higher Cristicism”,


revista Cristianty Today, 10 de Outobro de 1980.
34p.
Assistentes na Bíblia

Allan McRae observou: “Não podemos descartar a idéia de que um


escritor possa, ocasionalmente, haver transmitido a um assistente
a idéia geral do que ele queria, dizendo-lhe para colocar isso na
forma escrita”[1]
Os livros do Evangelho de João e Apocalipse possuem estilos
literários dessemelhantes. O livro de Apocalipse foi construído
numa estrutura grego “frouxa”[2], enquanto o Evangelho de João
se conforma aos padrões literários clássicos.

[1] DOUGLASS, Herbert, Mensageira do Senhor, 2001, 15p.


[2] “Estrutura sintética em que a oração principal vem primeiro,
fazendo o pensamento se completar antes do fim, sem circuito de
palavras”. Mensageira do Senhor, 541p.
Assistentes na Bíblia

O Comentário Bíblico Adventista crê ser


aceitável a diferença lingüística entre
Apocalipse, que teria sido escrito em Patmos
por João, e o Evangelho, escrito com a
assistência de um ou mais correligionários
em Éfeso.[1]

[1] SDABC, 7 vol. 720p.


Assistentes de Ellen White

Os auxiliares foram de
fundamental importância para
Ellen White, a quantidade e
complexidade do assuntos por
ela abordados exigiu cuidados
especiais na organização das
idéias e na compilação de
seus artigos.
Assistentes de Ellen White

À medida que a obra aumentou, outros me


auxiliaram no preparo da matéria para publicação.
Depois da morte de meu marido, juntaram-se a
mim fiéis auxiliares, que trabalharam
infatigavelmente em copiar os testemunhos e
preparar os artigos para serem publicados.[1]

[1] WHITE, Mensagens Escolhidas (ME), 3 vol., 89.


Assistentes de Ellen White

Tiago White foi o primeiro a auxiliá-la


desempenhando o papel de “ajudador e
conselheiro”.[1] Sua função ia alem de
simples conselheiro chegando a corrigir os
erros gramaticais e a eliminação das
repetições desnecessárias. [2]
 Em determinado momento em que seu esposo
estava doente, não podendo ajudá-la, Ellen
White negou-se a escrever suas cartas
alegando falta de capacidade.

[1] Carta 225, 1906.


[2] ME 3 vol., 89
Assistentes de Ellen White

 Meu marido está muito fraco para ajudar-me a


prepará-los para o prelo, portanto não lidarei
mais com eles no presente. ... Não posso
preparar meus próprios escritos para o prelo.
Não escreverei mais até que possa fazer isso.
Não é meu dever sobrecarregar a outros com
os meus manuscritos.[1]

[1] Manuscrito 3, 1873., Diário, 10 de janeiro de
1873.
Assistentes de Ellen White

 O filho de Ellen White, William (Guilherme), esteve


intimamente ligado a ela na produção de seus
 livros depois de 1881, o ano em que faleceu Tiago
White. Em diversas ocasiões ele escreveu algo de
seu
 profundo conhecimento da obra de sua mãe na
produção de livros.[1]

[1] Depositários do Patrimônio Literário White,
ME, 3 vol., 88 p.
Assistentes de Ellen White

 Em primeira instância a Sr. Ellen White recebeu


o apoio da sua sobrinha, em 1876, e a partir de
1879 de Mariana Davis. Ellen White enviou uma
carta a ela no dia 22 de agosto de 1875, sendo
que quatro anos após, em 1879 a Srta. Mariana
Davis, se uniu ao corpo de obreiros da Sra.
White e com ela se associou na obra na América
do Norte, Europa e Austrália por vinte e cinco
anos, contraiu tuberculose em 1903, e pouco
mais de um ano depois encerrou a obra de sua
vida.
Assistentes de Ellen White

 A Srta. Davis era uma assistente literária muito


fiel e de confiança, muito amada pela Sra. White
que sempre lhe demonstrou preocupação e
afeto. Houve um fato na juventude de Mariana
em que foi preciso ser advertida por Ellen, ela
estava se envolvendo com um jovem que não
aceitava a Jesus.[1]

 [1] Ele não possui postura crista, ela acrescenta


 . queele vivia “ zombando da igreja e das coisas
sagradas”. apesar de sua família ser adventista.
Carta as Jovens Namorados, 52p. A repreensão
esta relatada na carta a ela enviada no dia 22 de
Outubro de 1875- a carta é comentada no segundo
parágrafo-
Assistentes de Ellen White
Ellen amava tanto sua assistente que ao Mariana contrair
tuberculose, vendo seu triste caso, exclamou “Enquanto
tu e eu vivermos, meu lar será o teu lar”.[2]
Ela afirma que a doença é por “dedicação ao trabalho,
Ela sente a intensidade dele como sendo uma realidade, e
nós duas assumimos o encargo de fazer com que
cada parágrafo estivesse em seu devido lugar e
cumprisse a parte que lhe corresponde.”[3]
 [2] Ellen estava em viagem e escreveu a sua assistente no
dia 24 de agosto de 1904 expressando sua angustia em fazer
grandes viagens e de saber que sua ‘amiga’ estava doença.
ME, 2 vol., 251p.
 [3] Manuscrito 95, 1904, ME 3 vol., 93p
Assistentes de Ellen White

 Ela foi a principal obreira na organização dos


assuntos de seus livros. Sempre prezou os escritos
como algo “sagrado colocado em suas mãos, e
muitas vezes relatava que conforto e bênção recebia
na realização esse trabalho”[1]. Podeis compreender,
portanto, que Mariana constitui valiosíssimo auxílio
para ela na publicação de seus livros. Sua
preocupação e esforço demonstravam a atuação do
Espírito Santo em sua vida. Sua função era de grande
responsabilidade, mantinha-se atenta e perseverante
a cada desafio a frente.

[1] Manuscrito 146, 1904.
Assistentes de Ellen White

Houve Mudança por parte dos assistentes?

 Mariana Davis não modificou qualquer parte dos


escritos que tenha comprometido a sua idéia. Ela é
chamada de “minha compiladora de livros” por Ellen
White, “Os livros não são produções de Mariana, porém
minhas, tirados de todos os meus escritos”.[1]
 Vários comentaristas defendem a idéia de que tais
assistentes tenham modificado algum escrito, mas
estas afirmações não passam de especulações as quais
a própria autora contexta.
Assistentes de Ellen White

“Ela realiza seu trabalho desta maneira: Toma meus


artigos que são publicados nas revistas e cola-os em
livros em branco. Também possui uma cópia de todas
as cartas que escrevo. Ao preparar um capítulo para um
livro, Mariana se lembra de que eu escrevi alguma coisa
sobre esse ponto especial, que talvez torne o assunto
mais convincente. Ela começa a procurá-lo, e se, ao
encontrá-lo, percebe que isso tornará o capítulo mais
claro, acrescenta-o a ele.” ME, 3 vol., 91p.
Assistentes de Ellen White

 As notícias que têm circulado, porém, de que


qualquer de minhas auxiliares tenha permissão de
acrescentar matéria ou mudar o sentido das
mensagens que escrevo, não são reais.[1] Vistes as
minhas copistas. Elas não modificam minha
linguagem. Ela permanece assim como escrevo.[2]

[1] Carta 225, 1906, publicada em 1913 em Writing
and Sending Out of the Testimonies for the Church,
pág. 4.
 [2] ME, 3 vol., 90p.
Assistentes de Ellen White

 Ellen White afirma ler do princípio ao fim tudo que é


copiado, para ter certeza de que tudo esteja como deve
estar. “Leio todos os originais dos livros antes de
serem enviados para o prelo.”[1]
 Certa ocasião quando Ellen White estava doente, ela
resumiu seus pensamentos Mariana Davis e esta os
escreveu em uma carta a Urias Smith e George tenny. A
Sr. White assinou a carta.[2]

[1] Carta 133, 1902.publicada no livro ME., 3 vol., 91p.
 [2] Carta 96, 1896, de Junho de 1896.
Conclusão

As obra de Ellen White estão no campo desde 1845.


Desde então, sempre tem labutado com a pena e a
voz. Através de seus escritos tem levado pessoas
a compreenderem e a amarem mais a Jesus. Para
que sua mensagem alcançassem a todos, precisou
do auxilio de assistentes que foram iluminados por
Deus a compilarem e organizarem os seus
escritos. Como visto, tal ato não vai de encontro
com as Sagradas Escrituras pois a própria Bíblia
usou o mesmo recurso.
Conclusão

Por meio deste trabalho procurou-se


apresentar os dizeres de Ellen White
quando foi interrogada sobre a presença de
assistentes na produção de seus escritos.
Expressar a normalidade em possuir
secretários, ao ponto de definir-se ter sido
da vontade
de Deus que isso se concretiza-se para o
aperfeiçoamento da proclamação de sua
breve vinda.