Você está na página 1de 56

TERMODINÂMICA

Perdas de calor
Quando uma energia se
transforma em outra,
sempre há perda de
calor

Prof. Ricardo Alencar


Termodinâmica é a ciência
que trata

• do calor e do trabalho
• das características dos sistemas e
• das propriedades dos fluidos termodinâmicos
Equivalente Caloria-Trabalho

Fig. 5.7

• A descida do bloco faz girar a roldana com


palhetas que transmitem energia térmica
(cinética das moléculas) para a água.
Alguns ilustres pesquisadores
que construiram a termodinâmica

James Joule
Sadi Carnot
1818 - 1889
1796 - 1832

Emile Claupeyron
1799 - 1864

Wiliam Thomson
Rudolf Clausius
ou Lord Kelvin 1822 - 1888
1824 - 1907
Para entender melhor a
1a Lei de Termodinâmica
é preciso compreender as características dos
sistemas termodinâmicos e os caminhos
“percorridos” pelo calor...
Sistema Termodinâmico

Certa massa delimitada por


uma fronteira.

Sistema fechado
Sistema que não troca massa com a
Vizinhança do sistema. vizinhança, mas permite passagem
de calor e trabalho por sua fronteira.
O que fica fora da
fronteira

Sistema isolado
Sistema que não troca energia
nem massa com a sua vizinhança.
Transformação

Variáveis de Variáveis de
estado estado
P1 P2
V1 V2
T1 T2
U1 U2

Estado 1 Transformação Estado 2


Processos

“Caminho” descrito pelo sistema na


transformação .
P1 P2
V1 V2
T1 T2
U1 U2

Processos Durante a transformação


Isotérmico temperatura T é invariável
Isobárico Pressão P é invariável
Isovolumétrico Volume V é constante
Adiabático É nula a troca de calor Q com a vizinhança.
Transformações
1a Lei da Termodinâmica
Sistema Fechado

W > 0 → energia que sai do sistema


W < 0 → energia que entra no sistema

Q > 0 → calor que entra no sistema


Q < 0 → calor que sai do sistema

ΔU = U2 – U1 1a Lei
Variação Energia Interna
Q = W + ΔU
PRIMEIRO PRINCÍPIO DA
TERMODINÂMICA
Exemplo
• (PUCRS) Durante a expansão de um gás, este
realiza um trabalho de 200 J, mediante o
recebimento de uma quantidade de calor
equivalente a 900 J. Nessa expansão a variação
da energia interna do gás é
• (A) 900 J.
(B) 700 J.
(C) 500 J.
(D) 300 J.
(E) 200 J.
Variação da Energia Interna

∆U = Q - W
Gás
Expansão nula
W=0

Δ U = Q = (mc)gás ΔT

ΔT = 0 → ΔU = 0 Como (mc)gás = ctc Como U é uma


ΔT > 0 → ΔU > 0 ΔU depende apenas variável de
de ΔT. estado, ΔU não
ΔT < 0 → ΔU < 0
depende do
processo.

A energia interna de um gás é função apenas


da temperatura absoluta T.
O calor Q que passa pelas fronteiras
do sistema depende do processo.
O trabalho que
atravessa a fronteira
depende do processo?

∆U = Q - W

W = F.d
.W
depende de
F = Pr.S como a pressão
e volume mudam
no processo.
W = Pr.S.d
∆V = V2 -V1

W = Pr.ΔV
Gráfico Trabalho x Volume

W > 0 se sentido
HORÁRIO

W < 0 se sentido ANTI-


HORÁRIO
Exemplo
•(PUCRS) O gráfico p x v representa as
transformações experimentadas por um gás
ideal. O trabalho mecânico realizado pelo gás
durante a expansão de A até C, é em Joules:
(A) 10
(B) 20
(C) 30
(D) 50
(E) 80
Diagramas P x V
Gases ideais

Estado 1

P1 1
Como as variáveis T1
de estado se no de moles
relacionam? V1

Equação de estado
P1V1 = nRT1
Constante dos gases
R = 8,31 J/mol.K = 2 cal/mol.K
Processo isovolumétrico - Transformação a volume constante

Q = n × CV × (T2-T1)

Calor específico molar


a volume constante

1ª Lei da Termodinâmica
Transformação de 1 → 2
∆U = Q - W

Volume invariável
W=0 ∆V = 0 Isovolumétrica

∆U = Q = n × CV × (T2-T1)
Exemplo
•(UFRGS) Um gás é aquecido dentro de um
recipiente de volume constante. Nessas
condições
(A) aumenta a energia cinética média de
translação das moléculas do gás.
(B) é realizado um trabalho pelo gás.
(C) a pressão do gás diminui.
(D) a pressão do gás permanece constante
(E) ocorre uma transformação adiabática.
Processo isobárico

Transformação a pressão constante

calor específico molar


a pressão constante

Q = + n ×CP ×(TB - TA)

∆U = n × Cv × (TB-TA)
W = Po× [VB-VA]
Calor específico a volume constante

1ª Lei da Termodinâmica
∆U = Q - W
Processo Isotérmico Transformação à temperatura constante

Êmbolo movimentado
lentamente

∆U = 0 → ∆T=0

0 = Q–W
Q=W

∴ Q = W = n × R × T × [ln(V2/V1)]
Processo adiabático
Transformação sem troca de calor

O processo ocorre tão


Movimento rápido do êmbolo. rapidamente que o
Q=0
Q=0 sistema não troca calor
com o exterior.

Primeira Lei da Termodinâmica


∆U = Q - W
Q = 0 → ∆U= - W

W = - ∆U = - nCv∆T

W Compressão adiabática
Área sob o grafico
Trabalho transforma-se em calor
Exemplo
• (UFRGS) Qual é a variação de energia
interna de um gás ideal sobre o qual é
realizado um trabalho de 80J, durante
uma compressão adiabática?
(A) 80J
(B) 40J
(C) zero
(D) -40J
(E) -80J
Exemplo
•(UFRGS) O desenho mostra um cilindro de metal dotado de um êmbolo
móvel em cujo interior encontra um gás ideal em equilíbrio termodinâmico

Em dado instante uma força de módulo F age sobre o êmbolo que
comprime o gás rapidamente. Durante a compressão
I. ocorre um aumento de energia interna do gás.
II. o trabalho realizado pela força de módulo F produz uma elevação da
temperatura do gás .
III. o trabalho realizado pela força de módulo F é igual a quantidade de
calor que se transmite para o meio externo.
Quais estão corretas?
(A) Apenas I.
(B) Apenas II.
(C) Apenas I e II.
(D) Apenas II e III.
(E) I, II e III.
Processos cíclicos

1.- ∆Uciclo = Σ∆U = 0 pois Tfinal = Tinicial

2.- Qciclo = ΣQ

3.- Wciclo = ΣW = área 12341

1a Lei da Termodinâmica
∆Uciclo = Qciclo - Wciclo
Qciclo = Wciclo

Wciclo > 0 → Qciclo > 0

O sentido do ciclo no diagrama P×V : horário.


O sistema recebe Q e entrega W
Exemplo
• (UFRGS) O gráfico da pressão p em função do volume
V de um gás mostra duas transformações
termodinâmicas, I e II, a partir do estado inicial i. Os
estados finais das duas transformações apresentam o
mesmo volume (Vf), mas pressões diferentes.

A partir do gráfico, é possível afirmar que:


(A) o trabalho realizado pelo gás na transformação I é
maior do que o realizado na transformação II.
(B) na transformação II não há trabalho realizado.
(C) na transformação I não há variação de energia
interna do gás.
(D) a transformação II é isobárica.
(E) a transformação I é adiabática.
Exemplo
• (UFRGS) Assinale a alternativa que preenche corretamente as
lacunas no texto abaixo.
A f unção do compressor de uma geladeira é a de aumentar a pressão
sobre o gás freon contido na tubulação. Devido à rapidez com que
ocorre a compressão, esta pode ser considerada uma
transformação __________. A temperatura e a pressão do gás se
elevam. Como não há trocas de calor, o trabalho realizado pelo
compressor é igual a variação da energia __________ do gás.
(A) adiabática - interna
(B) isotérmica - cinética
(C) isotérmica - interna
(D) adiabática - potencial
(E) isobárica – interna
Máquinas Térmicas

“Trabalham” em ciclos.

Máquinas térmicas são dispositivos que


convertem calor em trabalho e vice-versa:
máquinas a vapor, motores a explosão,
refrigerados, etc.
A máquina de Denis Papin
1647 - 1712

Trabalho
Para onde a
máquina rejeita
calor QCold

Fonte quente
Fonte fria

De onde a
máquina retira
calor QHot.
Ciclo
Eficiência térmica: 1ªLei

Em cada ciclo
∆U = 0
W = Q1-Q2

Eficiência = W/Q1= (Q1-Q2)/Q1

ε = [1 – Q2/Q1]
Ciclo Refrigerador

Bomba de calor
Refrigerador

1-2: compressão adiabática em um compressor


2-3: processo de rejeição de calor a pressão constante
3-4: estrangulamento em uma válvula de expansão (com a respectiva queda de pressão)
4-1: absorção de calor a pressão constante, no evaporador
2a Lei da Termodinâmica
Entropia
Enunciado de Kelvin "É impossível
Enunciado de Clausius "O
construir uma máquina térmica que,
calor só em
operando pode passar,
ciclo, extraia calor de
1a Lei da espontaneamente,
uma de um
fonte e o transforme
Termodinâmica corpo de maior
integralmente para outro de
em trabalho."
menor temperatura."

2a Lei da
A energia total do Universo,
Termodinâmica
com ou sem transformações,
permanece constante.

A disponibilidade de energia para


realização de trabalho diminui
após cada transformação
Refrigerador ou Bomba de Calor

COPRefrigerador = Q2/W
COP Bomba Calor = Q1/W

Segunda Lei
Formulação de Clausius

É impossível existir transferência


espontânea de calor de uma fonte fria
para outra quente.
É impossível construir um dispositivo que,
operando em ciclo termodinâmico, não produza
outros efeitos além da passagem de calor de um
corpo frio para outro quente.
Máquinas Térmicas

W = W2 – W1

ε = W/Q1 = [1 - T2/T1] < 1

2a LeiTermodinâmica
Formulação de Kelvin-Planck

É impossível construir uma


máquina térmica com
eficiência 100%.
Ou seja uma máquina que retira uma
quantidade de calor Q de uma fonte
quente e a transforme totalmente em
trabalho.
Segunda Lei Termodinâmica

Formulação de Clausius Formulação Kelvin-Planck

É impossível existir transferência espontânea de É impossível construir uma máquina


calor de uma fonte fria para outra quente. térmica com eficiência 100%.

Ambas são afirmações negativas.


Não podem ser demonstradas.
Baseiam-se em evidências experimentais.

A 2a Lei
enuncia a impossibilidade de construção de moto perpétuo de 2a espécie.

1a Espécie: criaria trabalho do nada. Viola a 1a Lei.


2a Espécie: viola a 2a Lei
Moto Perpétuo 3a Espécie: inexistencia de atrito produziria movimento
eterno sem realização de trabalho
Qual o limite da eficiência
de uma máquina térmica ?

ε = [1 – Q2/Q1]

Q1 → 0

ε→1

É possível construir esta ε → 100%


máquina?
Máquinas Térmicas

100% de rendimento ?

Impossível!

Qual o máximo rendimento


de uma Máquina Térmica?
A construção de uma máquina ideal

Definição de um processo ideal.

Processo reversível.
Aquele que tendo ocorrido, pode ser invertido de sentido e
retornar ao estado original, sem deixar vestígios no sistema e no
meio circundante.

Processo reversível:
desvio do equilíbrio é infinitesimal e ocorre numa
velocidade infinitesimal.
Causas que tornam um processo irreversível.

Atrito
Expansão não resistida.
Mistura de 2 substâncias diferentes.
Outros fatores: Efeito Joule, Combustão, Histerese, etc.
Troca de calor com diferença finita de temperatura.

O processo de troca de calor pode ser reversível se for


feita mediante diferença infinitesimal de temperatura,
mas que exige tempo infinito ou área infinita.

Conclusão:
todos os processos reais de troca de calor são irreversíveis.
A máquina ideal de Carnot
Ciclo reversível
A eficiência da Máquina de Carnot

No ciclo:

∆U=0 → W = Q1 - Q2

ε = W/Q1 = [Q1-Q2]/Q1 = 1 - Q2/Q1

BC e DA = adiabáticas Q2/Q1 = T2/T1

ε = (1 - Q2/Q1) = (1 - T2/T1)

Ciclo teórico que permite o maior rendimento entre ε = 1 -as


T2/T
máquinas
1 térmicas.
Princípio de Carnot
Onde Q1 é a quantidade de calor extraída da fonte quente e Q2 é a
"Nenhuma máquina térmica real, operando entre 2 reservatórios térmicos T1 e T2 , pode
quantidade de calor
ser mais eficiente que perdido para
a "máquina o meio
de Carnot" , o rendimento
operando de um
entre os mesmos ciclo é
reservatórios"
dado por: ε = (1 - Q2/Q1) ou ε = 1 - T2/T1
Exemplo
• (UFRGS) Durante um ciclo termodinâmico, uma
máquina térmica realiza um trabalho W, que é
igual a Q1 - Q2 , onde Q1 é o calor extraído de
uma fonte quente, e Q2 é o calor descarregado
no ambiente. O rendimento dessa máquina
térmica é dado por
(A) (Q1 - Q2) / Q1
(B) (Q1 - Q2) / Q2
(C) Q1 / (Q1 - Q2)
(D) Q2 / (Q1 - Q2)
(E) (Q1 + Q2) / Q2
Entropia
Rudolf Clausius

Nasceu em Koslin (Polônia) e morreu em Bonn (Alemanha)

Físico Teórico - Termodinâmica

Apresentou em 1865 a sua versão para as


1a e 2a Leis da Termodinâmica.

1.- A energia do Universo é constante.


2.- A entropia do Universo tende a uma valor máximo.

A quantificação da 2a Lei
Entropia e a desordem

Quando um corpo recebe calor a


sua entropia aumenta.
∆S = Q⁄T > 0

Aumenta a EC e/ou a
agitação molecular

Aumenta a “desordem”

A entropia é a medida da desordem

ΔS = Q/T < 0 → a “desordem” diminui.


Ordem e Energia - Sistemas Biológicos

Entropia Evolução
Ordem → Desordem
2a Lei natural

Como os sistemas biológicos se desenvolvem e mantém alto grau de ordem?


É uma violação da 2a Lei?

Ordem pode ser obtida as A fotosíntese converte energia solar em


custas de energia energia potencial nas moléculas de glucose
com de alta ordem de organização.

Nos animais
Celulas – Mitocondria
armazenam moléculas de açucar para
formar moléculas altamente ordenadas e
estruturadass.