Você está na página 1de 33

Principais

Movimentos de Contestação
na República Velha
(1889-1930)
BRASIL

RURAL
X
URBANO
MOVIMENTOS POPULARES
NO CAMPO E NA CIDADE:

 Canudos • Vacina
 Contestado • Chibata
 Cangaço
• Greves operárias
 Padre Cícero
• Reuniões sindicais
• Tenentismo
• CULTURA:
– Cultura popular: samba, choro, sertanejo,
folclore.
– Cultura erudita: música clássica (Carlos
Gomes), academicismo, saraus, recitais.
CULTURA
POPULAR
X
CULTURA
ERUDITA

Referência ao Jeca-Tatu (personagem Santos Dumont: invenções


criado por Monteiro Lobato) e aos financiadas pelo pai, próspero
filmes de Mazaroppi. fazendeiro de café.
Encarnou o modelo da elite
brasileira afrancesada pelas
benesses das safras cafeeiras.
Conflitos no Campo
 Canudos- Esta revolta, ocorrida nos primeiros
tempos da República, mostra o descaso dos
governantes com relação aos grandes problemas
sociais do Brasil. Assim como as greves, as revoltas
que reivindicavam melhores condições de vida ( mais
empregos, justiça social, liberdade, educação etc),
foram tratadas como "casos de polícia" pelo
governo republicano. A violência oficial foi usada,
muitas vezes em exagero, na tentativa de calar
aqueles que lutavam por direitos individuais e/ou
sociais.
Guerra do Contestado
Contestado foi um movimento
camponês que aconteceu entre
Santa Catarina e o Rio Grande do
Sul. As terras dos camponeses
foram invadidas por empresas,
companhias Norte-Americanas que
construíram uma estrada de ferro.
Então, aqueles montaram um
acampamento ,onde quem liderava
era José Maria.Acreditavam que em
breve cristo retornaria para auxiliá-los
contra os poderosos.Confiantes na
proteção de Deus, trataram de atacar
os agressores. O presidente da
República enviou um exército para a
região e, em 1916, o conflito estava
solucionado.
Guerra de Canudos
(1896-1897)

 Antônio Conselheiro

 Messianismo
 Sociedade alternativa
 Sebastianismo
 Conflitos com a Igreja
e com o Estado
 “O sertão vai virar  Divisa da Bahia com
mar, o mar vai Pernambuco (rio vaza barris)
virar sertão!”
Chamada Guerra de Canudos, revolução de Canudos ou insurreição
de Canudos, foi um movimento de fundo sócio-religioso, de caráter
messiânico, reprimido militarmente, que durou de 1896 a 1897, na
então comunidade de Canudos, no interior do estado da Bahia.
Canudos foi levantada em 1893, perto do rio Vaza-Barris. Chamava-
se Belo Monte, mas passou para a historia como Canudos, nome
dado pelos seus inimigos.
Texto e Contexto

“Apareceu no sertão do Norte um indivíduo, que


se diz chamar Antônio Conselheiro e que
exerce grande influência no espírito das classes
populares. Deixou crescer a barba e os cabelos,
veste uma túnica de algodão e alimenta-se
tenuemente, sendo quase uma múmia.
Acompanhado de duas professas, vive a rezar
terços e ladainhas e a pregar e dar conselhos
às multidões, que reúne onde lhes permitem os
párocos.”

(Descrição da Folhinha Laemmert, de 1877,


reproduzida por Euclides da Cunha em Os
sertões, em 1897.)

Retirado do sítio:
http://novahistorianet.blogspot.com/2009/01/republica-velha.html
 O Rio de Janeiro estava
Revolta destinado a ser a “Paris dos
Trópicos”.
da Vacina (1904)
 Prefeito Pereira Passos recebe
ordens para remodelar a cidade
 Cortiços demolidos para dar lugar
a belas avenidas (ao povo, favela..)

 Médico sanitarista Oswaldo Cruz:


obrigatoriedade da vacina contra
varíola
 Truculência dos agentes de
saúde e falta de informação do
povo
 Movimento pela cidadania: uma
semana de duração, mas
grandes lições!
Texto e Contexto

“Tiros, gritaria, engarrafamento de trânsito, comércio fechado, transporte


público assaltado e queimado, lampiões quebrados à pedradas, destruição
de fachadas dos edifícios públicos e privados, árvores derrubadas: o povo do
Rio de Janeiro se revolta contra o projeto de vacinação obrigatório proposto
pelo sanitarista Oswaldo Cruz.”

(Gazeta de Notícias, 14 de novembro de 1904).


Retirado do sítio: http://novahistorianet.blogspot.com/2009/01/republica-velha.html
Revolta da Vacina
Revolta da Vacina
A Revolta de Chibata
 Liderados por João Cândido, o
"Almirante Negro", dois mil marujos
da Marinha Brasileira revoltaram-se
contra os castigos físicos, má
alimentação e soldos miseráveis.
» Os revoltosos tomaram o
comando do navio encouraçado
Minas Gerais, depois o controle dos
navios São Paulo, Bahia e Deodoro,
apontaram os canhões para o Rio
de Janeiro e ameaçaram o
governo, caso não aceitasse suas
reivindicações.
 O governo prometeu atender as
exigências, os marujos
desmobilizaram-se, porém, cessado
o perigo o governo não cumpre o
prometido.
 João Cândido foi preso e
deportado para a Amazônia. Anos
mais tarde foi absolvido.
Cangaço
- Espécie de banditismo social. A expressão cangaço está relacionada à palavra
canga ou cangalho: uma junta de madeira que une os bois para o trabalho. Assim
como os bois carregam as cangas para otimizar o labor, os homens que levam os
rifles nas costas são chamados de cangaceiros.

O cangaço nasceu no século XVIII, lapso de tempo em que o sertão não havia sido
ainda desbravado. Já naquela época, o cangaceiro Jesuíno
Brilhante (vulgo Cabeleira) atacou o Recife, mas foi preso e enforcado. Essa atividade
se tornou uma profissão lucrativa, tendo surgido, então, alguns grupos que
roubavam e matavam nas caatingas.

Inicialmente, eles representavam grupos de homens armados a serviço dos


poderosos coronéis. No começo do século XX, frente ao poder dos coronéis e à
ausência de justiça e do cumprimento da lei, tais indivíduos entram no cangaço
com o propósito de vingar a honra de suas famílias.

Para combater esse novo fenômeno social, o Poder Público cria as "volantes".
verdadeiros "esquadrões da morte", surrando, torturando, sangrando e/ou matando
coiteiros e bandidos. Se os cangaceiros, portanto, ao empregar a violência, agem
completamente fora da lei, as volantes o fazem com o apoio total da lei..
Em meio a essa turbulência, surge o mais importante de todos os cangaceiros
e quem mais tempo resiste (cerca de vinte anos) ao cerco policial: Virgulino
Ferreira da Silva, o Lampião, também chamado rei do cangaço e governador
do sertão.

A partir de 1930, a mulher é inserida no cangaço. Tudo começa com


Maria Bonita, companheira de Lampião, e depois vêm outras.

Vale ressaltar que um fator decisivo para o extermínio do bando de Lampião é


o uso da metralhadora, que os cangaceiros tentam comprar, mas não obtêm
sucesso. No dia 28 de abril de 1938, Lampião é atacado de surpresa na grota
de Angico, local que sempre julgou como o mais seguro de todos. O rei do
cangaço, Maria Bonita, e alguns cangaceiros são mortos rapidamente.

Texto retirado do sítio:


http://www.fundaj.gov.br/notitia/servlet/newstorm.ns.presentation.NavigationServlet?publicationCode=16&pageCode=300&te
Semana de Arte Moderna (1922)
A Semana de Arte Moderna também chamada de
Semana de 22, ocorreu em São Paulo no ano de 1922,
no período entre 11 e 18 de fevereiro no Teatro
Municipal de São Paulo. Durante a exposição, foram
expostos quadros e artes consideradas modernistas, em
relação à época, foram apresentadas poesia, música e
palestras sobre esse tema, o que deixou alguns ilustres
escritores e artistas de renome indignados.
A Semana representou uma verdadeira renovação de
linguagem, na busca de experimentação, na liberdade
criadora na ruptura com o passado e até corporal, pois a
arte passou então da vanguarda, para o modernismo. O
evento marcou época ao apresentar novas idéias e
conceitos artísticos.
A Semana, de uma certa maneira, nada mais foi do que
uma ebulição de novas idéias totalmente libertadas,
nacionalista em busca de uma identidade artística
brasileira própria e de uma maneira mais livre de
expressão. (Texto retirado do sítio: http://novahistorianet.blogspot.com/2009/01/republica-velha.html )

Nomes como Tarsila do Amaral, Oswald de Andrade,


Villa Lobos, entre outros, se destacam no movimento.
Vou depressa
Vou correndo
Vou na toda
Que só levo
Pouca gente
Pouca gente
Pouca gente...
(trem de ferro, trem de ferro)

(Manuel Bandeira in "Estrela da Manhã" 1936)

MANIFESTO ANTROPOFÁGICO
Só a Antropofagia nos une. Socialmente. Economicamente. Filosoficamente.
Única lei do mundo. Expressão mascarada de todos os individualismos, de todos os
coletivismos. De todas as religiões. De todos os tratados de paz.
Tupi, or not tupi that is the question.
Contra todas as catequeses. E contra a mãe dos Gracos.
Só me interessa o que não é meu. Lei do homem. Lei do antropófago.
Estamos fatigados de todos os maridos católicos suspeitosos postos em drama. Freud
acabou com o enigma mulher e com outros sustos da psicologia impressa.
O que atropelava a verdade era a roupa, o impermeável entre o mundo interior e o mundo
exterior. A reação contra o homem vestido. O cinema americano informará.
Tenentismo

Tenentismo foi o nome dado ao movimento político-militar e à série de rebeliões


de jovens oficiais (na maioria, tenentes) do Exército Brasileiro no início da década
de 1920, descontentes com a situação política do Brasil. Não declaravam nenhuma
ideologia, eram inspirados pela revolução comunista, os movimentos político-
militares, propunham reformas na estrutura de poder do país, entre as quais se
destacam o fim do voto de cabresto, instituição do voto secreto e a reforma na
educação pública.

Os movimentos tenentistas foram: a Revolta dos 18 do Forte de Copacabana em


1922, a Revolta Paulista , em 1924, e a Coluna Prestes, de 1924 a 1927.

Interesses relacionados