Você está na página 1de 20

Macroeconomia

Elaborado por

Prof. Antonio Carlos Pôrto Gonçalves

Seção 1 VERSÃO 2009-1


Picture 10

Conteúdo da Seção

 Modelos Econômicos e Políticas Econômicas


– O economista como cientista.
– Modelos econômicos e exemplos.
– Análise positiva versus análise normativa.
– Causas do debate entre os economistas.
– Micro e Macroeconomia.

Seção 1 2
Picture 10

Modelos

 Modelos são utilizados para descrever aspectos


do mundo de interesse para o usuário.
 Podem ser representados por:
– Desenhos
– Gráficos
– Esquemas
– Expressões matemáticas
– Linguagem comum

Seção 1 3
Picture 10

Modelos
Exemplos
 Mapas
 Gráfico de oferta e demanda
 Diagrama do fluxo circular
 Na Física
– Leis de Newton
 Reações Químicas
– Ácido + Básico → Sal + Água

Seção 1 4
Picture 10

Modelos
Exemplos
 Diagrama do Fluxo Circular da economia como um todo (versão sem
governo)
Famílias
Donas dos Fatores de Produção

Fatores de Pagamentos
Produção pelos Bens
e Serviços

Setor Produtivo
Renda paga (Empresas) Produção
aos Fatores de Bens
de Produção Renda = Salários + Aluguéis + Juros + Lucros e Serviços

Seção 1 5
Picture 10

Modelos
Exemplos
 A Fronteira de
Possibilidades de
Produção – FPP Biscoito
(versão com dois A
bens) D
B

C
 Hipótese: estoque de
recursos produtivos
considerado fixo. Leite

Seção 1 6
Picture 10

Modelos
Exemplos
 A sociedade pode A Fronteira de Possibilidades
escolher entre os de Produção -FPP
pontos A, B, C, D ou (versão com dois bens)
outros, sobre e sob a
fronteira. Biscoito
A
 Escolher quanto de D
B
leite e biscoito deseja,
gera discussões
C
normativas, de
política econômica.
Leite

Seção 1 7
Picture 10

Análise Positiva versus


Normativa
 Análise Positiva
– Determinar onde está a Fronteira de Possibilidades de
Produção.
– A Fronteira só vai expandir se houver mais fatores de
produção ou mais eficiência no seu uso.

 Análise Normativa
– Determinar qual dos pontos A, B, C, D etc. é o melhor,
de acordo com algum critério.

Seção 1 8
Picture 10

Exercícios Propostos

1) No gráfico da FPP como se representaria um aumento


da eficiência:
a) Só na produção de biscoitos
b) Só na produção de leite
c) Em ambas as indústrias

2) No gráfico da FPP como se representaria as


conseqüências de um aumento do estoque de fatores
de produção específicos para fazer biscoitos.

Seção 1 9
Picture 10

Exercícios Propostos

3) No gráfico da FPP, como se representaria uma economia


funcionando ineficientemente? E eficientemente?

4) Analisando um gráfico da FPP entre bens de consumo e


bens de investimento, pode-se concluir que, para
aumentar a produção de bens de investimento, seria
preciso reduzir a produção de bens de consumo?

Por que a resposta a esta pergunta é importante para o


recente debate sobre como fazer a economia brasileira
crescer mais?

Seção 1 10
Picture 10

Exercícios Propostos

1) Suponha que um desastre natural destrua 30% dos


recursos produtivos de um país. Use o modelo de fluxo
circular e responda o que vai acontecer com a produção
e com a renda auferida pelas famílias.

3) Após o desastre natural descrito na questão anterior, um


crítico argumenta que a renda das famílias é insuficiente
para uma vida digna. Mesmo que ele tenha razão, seria
possível aumentar a renda imediatamente?

Seção 1 11
Picture 10

Exercícios Propostos

1) Um cidadão argumenta energicamente que na FPP o


ponto A é melhor que o ponto B. Isto seria uma discussão
de economia normativa ou de economia positiva?

3) A localização exata da FPP é uma discussão de economia


normativa ou positiva?

Seção 1 12
Picture 10

Hipóteses Simplificadoras
na Construção de Modelos
 Na construção de modelos é preciso representar
o que é essencial para o objetivo em questão e
omitir o que é secundário.
– Mapas rodoviários (enfatizam as rodovias)
– Mapas hidrológicos (enfatizam as massas
d’água)
– “Mapas na escala 1:1 são inúteis”, são
complexos demais.
– As hipóteses podem ser alteradas e
completadas, mas em geral aumenta a
complexidade do modelo.
Seção 1 13
Picture 10

Modificando Hipóteses
Introduzindo o Governo no Fluxo Circular

Famílias
Donas dos Fatores de Produção

e Serviços
Fatores de Pagamentos

Bens
Renda

Produção pelos Bens


e Serviços

Setor Produtivo
(Empresas)

e Serviços
Demanda
por Bens

Bens
e Serviços

Tributos GOVERNO

Seção 1 14
Picture 10

Modificando Hipóteses
Introduzindo o Governo no Fluxo Circular

 Ainda é simplificado, pois há pessoas


trabalhando para o governo e dele recebendo
renda; e há empresas produtivas que pertencem
ao governo e que a ele pagam dividendos
(renda).

 Mas o diagrama, como está, é útil na


compreensão do papel dos tributos e da
demanda governamental.

Seção 1 15
Picture 10

Verificação Empírica dos


Modelos e Seu Aperfeiçoamento
 Experiências controladas, de laboratório, típicas
das ciências exatas.

 Experiências históricas (não controladas).


– “ O laboratório básico da economia é a história,
pois é uma ciência social”.

 As experiências históricas geram discussões de


economia positiva (interpretação dos dados
históricos).

Seção 1 16
Picture 10

Macroeconomia versus
Microeconomia
 Estudo de fenômenos que englobam a economia como
um todo: Macroeconomia

 Estudo de fenômenos diretamente ligados ao


comportamento das famílias e das empresas:
Microeconomia

 Mas, por coerência e completude, modernamente busca-


se explicar fenômenos macro através da composição
(agregação) do comportamento micro das famílias e das
empresas; quando possível.

Seção 1 17
Picture 10

Exercícios Propostos

1) A globalização, evento social que decorre da enorme


redução do custo de transporte de bens e serviços, e do
custo de comunicação à distância entre as pessoas, é
uma evolução marcante no mundo moderno.
– Para antecipar suas conseqüências, a curto e a longo
prazo, é possível fazer experiências em laboratório?
– Deve-se usar a história como referência?
– Como pode-se estudá-la?

Seção 1 18
Picture 10

Exercícios Propostos

 Livro Texto 1
– Exercícios 2, 6, 7 e 10 de Problemas e
Aplicações, pp. 34 e 35.

Seção 1 19
Picture 10

Bibliografia

 Básica
– Livro texto 1, cap. 2, pp. 19 a 34.
– Livro texto 2, cap. 1, pp. 3 a 6.

Seção 1 20