Você está na página 1de 26

•UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE

•CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA

•DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E COMPUTAÇÃO

•Professor Ulrich Schiel

Estruturas Matemáticas

• Modelos matemáticos de fenômenos da natureza podem


ser divididos em três grandes categorias:
• Estruturas de Ordem <C, R>
• Estruturas Algébricas <C, Op>
• Estruturas Topológicas (Geometria, Análise) <C, P(C)>
Estruturas Algébricas
• Estruturas Algébricas:
 - conjunto abstrato de objetos juntamente com operações e
relações entre esses objetos e que obedecem certas regras.
 A = <C, Op, R>
 Em que Op é um conjunto de operações e
 R é um conjunto de relações
 Se R é vazio temos uma Álgebra,
 se Op é vazio temos um Modelo ou um Sistema Relacional
Estruturas Algébricas
• Estruturas Algébricas - Operações:

 Uma operação (interna) * sobre um conjunto C, é uma função


*:C×.. × C → C
 Exemplos: A = <Z, +>; B = <Z, +, ≤>;
 C = < Z, ≤ >; D = < N, succ, *, 0, 1, max, min >
 Uma operação externa * de um domínio K sobre um conjunto
C, é uma função
*:K×C→C
Exemplo:
 E = < R2, N, *>, com *: N → R2, dado por *(k,(x,y)) = (kx,ky)
Estruturas Algébricas

• DEFINIÇÃO:

• Uma Álgebra é um par <C, Op> com:

 - C é um conjunto

 - Op é um conjunto de operações sobre C


Estruturas Algébricas
Propriedades das operações:
- Dado uma álgebra <C,*> as seguintes propriedades podem
ser válidas, para quaisquer x, y, z de C:
x*y=y*x (comutativa)
(x * y) * z = x * (y * z) (associativa)
∃ 1∈C (x * 1 = x) (identidade)
∀x ∈C ∃ x-1 ∈C (x * x-1 = 1) (inverso)
Se houver outra operação + em C, ou seja, temos <C,*,+>, pode
valer a propriedade:
x + (y * z) = (x + y) * (x+ z) e
x * (y + z) = (x * y) + (x * z) (distributiva)
Estruturas Algébricas

• Estruturas Algébricas – Álgebras de Boole

• Um exemplo notável de estrutura algébrica é a


álgebra booleana ou Álgebra de Boole (George
Boole, 1850), formulada inicialmente para modelar a
lógica proposicional e utilizada posteriormente por
Shannon (1938) para modelar circuitos eletrônicos
(ou digitais).
Álgebra Booleana
→ Uma Álgebra de Boole B é uma estrutura algébrica
B = <B, +, ·, ‘, a, b> formada por
→um conjunto não-vazio (domínio) B,
→duas operações binárias + : B2→B e · : B2→B,
→uma operação unária ‘ : B→B e
→dois elementos distinguíveis de B, a e b, obedecendo
às seguintes propriedades, para todo x, y e z
pertencentes à B:

• 1a. x+y = y+x 1b. x · y = y · x


• 2a. (x+y)+z = x+(y+z) 2b. (x · y) ·.z = x · (y · z)
• 3a. x+(y · z) = (x+y)·(x+z) 3b. x · (y+z) = (x · y)+(x · z)
• 4a. x+a = x 4b. x · b = x
• 5a. x+x’ = b 5b. x · x’ = a
Álgebra Booleana

• Exemplo 1: B1 = <{0,1}, +, ·, ‘, 0, 1>, onde:


• x+y = max(x,y), x · y = min(x,y), 0’=1 e 1’=0.

• Exemplo 2: B2 = <{∅, {1}, {2}, {1,2}}, ∪, ∩, ‘, ∅, {1,2}>

• Exemplo 3: B3 = <P(S), ∪, ∩, ‘, ∅, S>, para qualquer S

• Exemplo 4: B4 = <{F,V}, OR, AND, NOT, F, V>.


Exercícios

• Demonstre as seguintes propriedades para uma


álgebra de Boole B = <B, +, ·, ‘, a, b> :
2. x+x = x, para todo x ∈ B (Idempotência)
3. x+b = b, para todo x ∈ B
4. (x ’) ’ = x, para todo x ∈ B

5. x+(x · y) = x, para todo x, y ∈ B

6. (x+y)’ = x ’ · y ’ (Lei de De Morgan)


7. O elemento neutro é único.
Homomorfismos e Isomorfismos
• Entre conjuntos temos funções
f:C → D
• Entre estruturas matemáticas ou álgebras ou categorias temos
morfismos
h:<A, opA> → <B, opB>

• Dados duas Álgebras A=<A, *A> e B=<B, *B>, um morfismo


h: A → B
é um homomorfismo se conserva as operações, ou seja, para
todo a,b ∈ A temos

• h(a *A b) = h(a) *B h(b)


Homomorfismos e Isomorfismos
• Duas estruturas matemáticas A e B são ditas serem isomorfas
se e somente se existir uma bijeção (isomorfismo) que leva
elementos de uma em elementos da outra de modo que as
propriedades (funções e relações) sejam preservadas.
• Se duas estruturas são isomorfas então cada uma é a imagem
semelhante da outra, a menos do rotulamento de seus
elementos.

• Ex.: considere os seguintes POSET’s:


• P1: ({1,2,3,6}, x divide y)

• P2: (P({1,2}), x⊆y)
Isomorfismo

• Seja f:: {1,2,3,6} → P({1,2}) definida por:
• f(1) = ∅; f(2) = {1}; f(3) = {2}; f(6) = {1,2}
6 {1,2}

f
2 3 {1} {2}

1 ∅

f é um isomorfismo de P1 em P2
Isomorfismo de álgebras booleanas

• Sejam A = <A, &, *, “, c, d> e B = <B, +, ·, ‘, a, b>


duas álgebras booleanas.
Um morfismo f: A → B é dita ser um isomorfismo de
A em B, se para todo x e y ∈A:

– f é uma bijeção
– f(x+y) = f(x) & f(y)
– f(x.y) = f(X) * f(y)
– f(x’) = f(x)”
Isomorfismo

x,y ∈B operação (+, ., ‘) z ∈B

f f-1

u,w∈A v ∈A
operação (&, *, “)
Exercício
Sejam C = <{0, 1, a, b}, +, ·, “, 0, 1>, + 0 1 a b “
onde as operações são dadas pelas 01
0 0 1 a b
tabelas ao lado, e
B = <P({1,2}), ∪, ∩, ‘, ∅, {1,2}> 1 1 1 1 1 10
duas álgebras booleanas. a a 1 a 1 ab
b b 1 1 b ba
Mostre que a função
f:{0,1,a,b} → P({1,2}) dada por: . 0 1 a b
f(0) = ∅ 0 0 0 0 0
f(1) = {1,2} 1 0 1 a b
f(a) = {1} a 0 a a 0
f(b) = {2}
b 0 b 0 b
é um isomorfismo de C em B .
Teorema de álgebras booleanas finitas

Seja B qualquer álgebra booleana com |B|=n


elementos. Então, n = 2m, para algum m, e B é isomorfa
a P({1,2,...,m}).

Obs.: o número de elementos do domínio de qualquer


álgebra booleana é uma potência de 2.
Outras estruturas algébricas
Seja S um conjunto e * uma operação binária :
* : S x S → S.
• A operação * é associativa se:
x * (y * z) = (x * y) * z, para quaisquer x, y e z ∈ S.
• A operação . é comutativa se:
x * y = y * x, para todo x e y ∈ S.
• S tem um elemento neutro em relação à operação *
se:
existe i ∈ S tal que para todo x ∈ S, x * i = x = i * x .
• Todo elemento tem um inverso em relação à
operação * se:
para todo x ∈ S existe x-1 ∈ S tal que x * x-1 = i = x-1 * x .

Ex.: As estruturas < Z, + >, < Z, . >.


Grupo
→ Uma estrutura G = < S, * > é um grupo se S é um conjunto não
vazio e * é uma operação binária sobre S (operação de grupo) tal
que:

• a operação * é associativa;
• S tem um elemento neutro em relação à operação * ;
• todo elemento de S tem um elemento inverso em relação à
operação *

→ Se valer só a associatividade temos um semi-grupo.

→ Obs. Um grupo no qual a operação de grupo * é comutativa é


chamado de grupo comutativo ou abeliano.

→ A estrutura < Z, + > é um grupo comutativo.


Exemplo
Seja R+ o conjunto dos reais positivos e seja . a
operação de multiplicação de reais. Então, :

• < R+, . > é um grupo comutativo.

• O elemento neutro é o 1.

• Para qualquer real positivo x, 1/x é o seu inverso com


relação à operação de multiplicação.
Exercícios

• < R, . > é um grupo ? É semi-grupo?

• < Z, - > é um grupo ? É semi-grupo?

• Seja M2(Z) o conjunto das matrizes 2x2 de


elementos inteiros e seja + a operação de adição de
matrizes. Mostre que < M2(Z), + > é um grupo
comutativo. Mostre que < M2(Z), . > não é um grupo.

• Temos <Z, +> e <Z, .>. Como será <Z, +, .> ??


Anel
→ Uma álgebra G = < S, +, * > é um anel se valem as
seguintes propriedades:
• < S, + > é um grupo abeliano;
• < S, * > é um semi-grupo;
• Vale a distributividade a esquerda e a direita entre as
operações, ou seja,
a.(b+c)= a.b + a.c e (a+b).c = a.c + a.c

Um anel é comutativo se * é comutativa.

Exemplos: Z, Q, R, C com + e . são anéis. Uma álgebra de


Boole é um anel comutativo idempotente
(i.e. a.a = a)
Corpo
→ Uma álgebra G = < S, +, * > é um corpo se valem as
seguintes propriedades:
• < S, + , * > é um anel;
• < S-{0}, * > é um grupo comutativo;
• Vale a distributividade a esquerda e a direita entre as
operações, ou seja,
a*(b+c)= a*b + a*c e (a+b)*c = a*c + a*c

Exemplos: Q, R, C com + e . são corpos.

→ Dado um corpo < S, +, * >, podemos definir a diferença


e a divisão como
→ a - b = a + (-b) e a / b = a * b-1
Operadores externos
→ Dado um conjunto S uma operação externa * de um
domínio K sobre S é uma função:
• * : K x S → S, ou seja k*a = b ;

• Operações externas de um anel <K, +, . > podem ser


combinadas com operações internas em um grupo
<S, + >:
→ k * (a + b) = k*a + k*b
→ (k + s)* a = k * a + s * a
→ (k . s) * a = k*(s*a)
→1*a=a

Que da origem a estrutura de Módulo


Exercícios
Propriedades: <S,*> Exemplos:
* é fechada se x * y está em S • grupo
A – associativa x * (y * z) = (x * y) * z • <R+, . > comutativo
C – comutativa x * y = y * x • <M2(Z), +> comutativo
N – neutro ou identidade x * i = i * x = x • <R, + > comutativo
I – inverso x * x-1 = x-1 * x = i • monóide
•<R, . > comutativo
A → semi-grupo • <N, +> comutativo
AN → monóide • <P(S), ∪> comutativo
ANI → grupo • <P(S), ∩> comutativo
ACNI → grupo comutativo • <M2(Z), . > não-comutativo
• semi-grupo
• <R-{0}, +> comutativo
Exercícios
Propriedades: <S,*> Exemplos:
* é fechada se x * y está em S • grupo
A – associativa x * (y * z) = (x * y) * z • <R[x], + > comutativo
C – comutativa x * y = y * x • monóide
N – neutro ou identidade x * i = i * x = x •<R[x], . > comutativo
I – inverso x * x-1 = x-1 * x = i • < Σ*, ||> não-comutativo

A → semi-grupo
• semi-grupo
AN → monóide

ANI → grupo
ACNI → grupo comutativo
Exercícios
Propriedades:
Exemplos:
* é fechada se x * y está em S
A – associativa x * (y * z) = (x * y) * z • anel
C – comutativa x * y = y * x • <Z, + , . > comutativo
N – neutro ou identidade x * i = i * x = x
• corpo
I – inverso x * x-1 = x-1 * x = i
D-distributivo a.(b+c)= a.b + a.c • <R, +, . > comutativo
(a+b)*c = a*c + b*c • <M2(Z), +, . > não-comut.
•<R[x], +, . > comutativo
Dado <S,+,*> é um:
Anel se •
<S, +> grupo comutativo (ACNI) • Em uma Álgebra de Boole
<S, *> semi-grupo (A)
<B, +, ·, ‘, 0, 1>
vale D
Corpo se <B, +> e <B, .> são monóides
é um anel e comutativos
< S-{0}, * > é um grupo
Corpo comutativo se
é um corpo e * é comutativa

Você também pode gostar