TRIBUTOS

COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA
 

  5. 6. 7. 8.

CONCEITO: PODER\FACULDADE DE CRIAR TRIBUTOS DISTINÇÃO ENTRE COMPETÊNCIA E CAPACIDADE TRIBUTÁRIA ATRIBUTO: INDELEGABILIDADE ESPÉCIES: PRIVATIVA: Arts. 153, 155, 156 , CF; COMUM: Taxas e Contribuição de Melhoria – âmbito das suas atribuições EXTRAORDINÁRIA: Art. 154, II, CF; BITRIBUTAÇÃO E “BIS IN IDEN”; RESIDUAL – Art. 154, I , CF.

1. DEFINIÇÃO
Instituto jurídico que tem definição legal. Diz o art. 3º do CTN: "Tributo é toda prestação pecuniária compulsória, em moeda ou cujo valor nela se possa exprimir, que não constitua sanção de ato ilícito, instituída em lei e cobrada mediante atividade administrativa plenamente vinculada".

PRINCIPAIS ASPECTOS DA DEFINIÇÃO: b) prestação pecuniária c) compulsória d) em moeda ou cujo valor nela se possa exprimir e) que não constitua sanção de ato ilícito: f) instituída em lei g) cobrada mediante atividade administrativa plenamente vinculada

2. Norma jurídico-tributária
os elementos componentes do instituto devem estar presentes na norma:  fato gerador:situação necessária e suficiente à ocorrência da obrigação.  a base de cálculo:grandeza contida no critério quantitativo utilizada para mensurar ou medir o fato gerador.  a alíquota:porcentagem ou fator a ser aplicado sobre a base de cálculo  sujeito passivo:pessoa obrigada ao pagamento do tributo

3. Espécies de tributo
Art. 5º do Código Tributário Nacional e o art. 145 da Constituição Federal  impostos,  taxas  contribuições de melhoria  empréstimos compulsórios  contribuições sociais (especiais ou parafiscais).

3.1 IMPOSTOS
Art. 16 do CTN: “Imposto é o tributo cuja obrigação tem por fato gerador uma situação independente de qualquer atividade estatal específica”.
 

Art. 167, IV da CF: Não pode ocorrer a vinculação de receita de impostos a órgão, fundo ou despesa Art. 145,§ 1º : sempre que possível, os impostos terão caráter pessoal e serão graduados segundo a capacidade econômica do contribuinte. Princípio da seletividade

3.2 TAXAS

Art. 77 do CTN:

“As taxas cobradas pela União, pelos Estados, pelo Distrito Federal ou pelos Municípios, no âmbito de suas respectivas atribuições, têm como fato gerador o exercício regular do poder de polícia, ou a utilização, efetiva ou potencial, de serviço público específico e divisível, prestado ao contribuinte ou posto à sua disposição”.

3.2.1

ESPÉCIES DE TAXAS

Taxas de Polícia: art. 78 do CTN

“Atividade da administração pública que, limitando ou disciplinando direito, interesse ou liberdade, regula a prática de ato ou abstenção de fato, em razão de interesse público concernente à segurança, à higiene, à ordem, aos costumes, à disciplina da produção e do mercado, ao exercício de atividades econômicas dependentes de concessão ou autorização do Poder Público, à tranquilidade pública ou ao respeito à propriedade e aos direitos individuais ou coletivos”

As taxas de serviço: art. 79, I e II do CTN Serviços Específicos: quando possam ser destacados em unidades autônomas de intervenção, de utilidade ou de necessidade pública Serviços divisíveis: quando suscetíveis de utilização, separadamente, por parte de cada um dos seus usuários Utilização efetiva: o contribuinte usufrui de fato do serviço prestado Utilização potencial: pressupõe um serviço compulsório e em efetivo funcionamento administrativo, não ocorre a utilização de fato, mas poderia ocorrer

3.3 CONTRIBUIÇÃO DE MELHORIA

Art. 81 do CTN:

“ A contribuição de melhoria cobrada pela União, pelos Estados, pelo Distrito Federal ou pelos Municípios, no âmbito de suas respectivas atribuições, é instituída para fazer face ao custo de obras públicas de que decorra valorização imobiliária, tendo como limite total a despesa realizada e como limite individual o acréscimo de valor que da obra resultar para cada imóvel beneficiado”.

3.4 EMPRÉSTIMOS COMPULSÓRIOS
 

Traços característicos: restituibilidade e causalidade Art. 148 da CF:

“A União, mediante lei complementar, poderá instituir empréstimos compulsórios: I- para atender a despesas extraordinárias , decorrentes de calamidade pública, de guerra externa ou sua iminência; II- no caso de investimento público de caráter urgente e de relevante interesse nacional, observado o disposto no art. 150, III, b. Parágrafo único: A aplicação dos recursos provenientes de empréstimo compulsório será vinculada à despesa que fundamentou sua instituiçao.

3.5 CONTRIBUIÇÕES ESPECIAIS
CONTRIBUIÇÕES ESPECIAIS

CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS

CONTRIBUIÇÃO DE INTERVENÇÃO NO DOMÍNIO ECONÔMICO

CONTRIBUIÇÕES CORPORATIVAS

CONTRIBUIÇÃO PARA O CUSTEIO DE DE ILI

SEGURIDADE SOCIAL

OUTRAS CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS

CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS GERAIS

Art. 149 da CF: “Compete exclusivamente à União instituir contribuições sociais, de intervenção no domínio econômico e de interesse das categorias profissionais ou econômicas, como instrumento de sua atuação nas respectivas áreas, observado o disposto nos arts. 146, III, e 150, I e III, e sem prejuízo do previsto no art. 195, § 6º, relativamente às contribuições a que alude o dispositivo.

Característica: o produto da arrecadação estar vinculado a determinados fins de interesse público – afetação ou destinação.

Exceção a regra da competência exclusiva da União: § 1º Os Estados, o Distrito Federal e os Municípios instituirão contribuições, cobrada de seus servidores, para o custeio, em benefício destes, do regime previdenciário de que trata o art. 40, cuja alíquota não será inferior à da contribuição dos servidores titulares de cargos efetivos da União

CLASSIFICAÇÃ ESPÉCIES O QUANTO À COMPETÊNCIA IMPOSITIVA

DEFINIÇÃO

EXEMPLOS

BBBB