Você está na página 1de 19

CATEQUESE EUCARÍSTICA

É a dupla mesa
para a qual somos
convidados em
cada missa.

Depois de comungar
com Cristo-Palavra,
somos convidados a
comungar com
Cristo-Pão.
O pão e o vinho, que se levam ao altar,
misteriosamente, converteram-se numa nova
realidade:
a própria pessoa do Senhor Ressuscitado.
Isto acontece porque:

• o sacerdote
invocou sobre eles
a acção do Espírito
• e porque repetiu
as palavras de
Jesus:
Lc 24,14-20
Eucaristia: comunhão com Cristo

O pão e o vinho humanos alimentam e


alegram a nossa vida.
Mas Cristo quis dar-Se-nos como alimento e
alegria espiritual.
Fê-lo com um sinal que todos entendem:
comer pão e beber vinho.
Na Eucaristia, Cristo
dá-Se a nós como
Ele disse-nos: alimento para a vida.

“quem comer a Minha


Carne e beber o Meu
Sangue
permanece em Mim e Eu
Tomai e nele”,
comei (...) o
Meu Corpo
entregue “o que Me come viverá
por vós”, de Mim
como Eu vivo do Pai”.
A comunidade cristã necessita de entrar
continuamente em comunhão com Cristo: por
isso, é convidada para a Sua mesa pascal, para
que:

comendo-O, nos unamos e tornemos


semelhantes a Ele;
vamos recebendo a Sua própria vida em nós.
A comunhão é o momento culminante da Missa. É
o seu gesto principal.

Comungar é receber o próprio Cristo que Se


oferece por nós.

Este é o momento em que devemos exprimir


o nosso mais profundo respeito e agradecimento
Àquele que quis ser o nosso alimento para o caminho.
Eucaristia: constrói a fraternidade

A comunhão tem outra dimensão importante:


vai-nos construindo como comunidade fraterna,
porque comungamos juntamente com outros.
Recebemos o Corpo de Cristo,
para sermos mais claramente
o Corpo eclesial do próprio Cristo.
A seguir, Recordou-lhes:

Se desprezavam a
comunidade e se
envergonhavam dos
pobres,
o que celebravam não
era a Eucaristia,
não era a Ceia que o
Senhor pensou.
1Cor 11,17-34
A Eucaristia enche-nos de consolo e
comunica-nos a vida do Ressuscitado.
É urgente a aprender a grande lição de Jesus:

veio para servir;


lavou os pés aos discípulos;
na Cruz, e agora no
sacramento, é, por
definição, o “entregue por”
os outros. Jo 13,1-15
Não podemos separar o nosso “sim” a Cristo
do “sim” ao irmão.
Na Missa, como preparação
próxima para a comunhão
fazemos uns gestos que
exprimem esta dimensão
“horizontal” de cada comunhão:

 no Pai Nosso além de


pedir o “pão de cada dia”,
dizemos: “perdoai-nos como
nós perdoamos...”
damos uns aos
outros a paz antes  vemos como são partidas
de ir comungar: não as hóstias do pão
podemos estar em consagrado e, depois,
comunhão com Cristo como são repartidas: um
se não estivermos pão partido e partilhado é
em comunhão com os um bom símbolo da
irmãos fraternidade e união
 vamos à comunhão
comunitariamente
participando de
Cristo que se dá a
cada um
Um diálogo expressivo

Quando vamos
comungar:

o ministro mostra-nos o Corpo (e o Sangue) do


Senhor,

diz em voz alta: “O Corpo de Cristo” (O Sangue de


Cristo”),
nós respondemos
claramente Ámen,
exprimindo a
nossa fé na
promessa de
Cristo,