Você está na página 1de 9

Renascimento

A « Pietà » de Miguel Ângelo ou o mistério da


geometria
por Tiago Daniel
Miguel Ângelo Buonarroti
• * 1475 + 1564 (Roma)
• pintor, escultor, poeta e arquiteto
renascentista italiano, que se iniciou na
pintura aos 13 anos
• De 1490 a 1492, Miguel Ângelo frequentou
a escola de Lourenço de Médicis e,
durante esse periodo, seria influenciado
por muitas pessoas proeminentes e pela
filosofia da época.
• Em 1496 instalou-se em Roma
• Influenciado pela antiguidade
romana, produz as esculturas Baco
e Pietà.
• O pintor trabalhou nos frescos da
Capela Sistina de 1508 - 1512.
A Pietà
• A Pietà é uma obra que foi encomendada em 1497 por um
Cardeal francês , embaixador da França na Santa Sé, e
destinava-se a decorar o túmulo do Cardeal na capela dos
reis de França (capela de Santa Petronilla) da antiga
basilica de São Pedro.

• A Pietà é uma obra esculpida num bloco único de mármore,


o que torna a escultura muito mais sólida e mostra a
genialidade de Miguel Ângelo, pois é muito mais difícil
trabalhar numa peça única, não podendo ser corrigido
nenhum erro.

• A Pietà representa Maria, mãe de Cristo, como Mater


Dolorosa (em latim, mãe das dores), chorando a morte do
filho que jaz no seu regaço. Trata-se de um momento de
solidão, cheio de emoção, após a morte de Jesus e a sua
descida da cruz, antes de ser colocado no túmulo ,
momento que precede a sua ressurreição e ascensão.
•Na Pietà, o que Miguel Ângelo apresenta é o tema humano do
sofrimento, da morte e da vida, tema especialmente importante
para a época (1350-1500),muito marcada por períodos de
graves epidemias de peste.

•Em 21 de Maio de 1972, a estátua da Pietà foi brutalmente


mutilada com quinze golpes de martelo por um desequilibrado
húngaro, Lazio Toth. Após o restauro da obra, a Pietà passou a
estar protegida por um vidro blindado.

As obras de restauro deste acto de vandalismo permitiram


descobrir na mão esquerda de Maria o monograma de Miguel
Ângelo, que tinha passado despercebido durante cerca de 500
anos.

•A Pietà é a única obra assinada pelo artista (a sua assinatura,


que figura na faixa de Maria, é a seguinte: MICHAL.AGELUS
BONAROTUS FLORENT.FACIEBAT).
Composição da escultura

O que é interessante notar é que Maria é representada como


sendo mais jovem do que Jesus. O escultor dá mais importância
à beleza de Maria do que à sua dor. Cristo, por sua vez, é
representado com a sua idade e, por isso, parece mais velho do
que a sua mãe. O seu corpo parece mais pequeno do que o de
Maria, dando assim mais relevo à figura da sua mãe. O corpo de
Jesus forma um S que estabelece equilíbrio com o resto da
escultura, sobretudo com o drapeado do manto de Maria.

É interessante também notar que a forma da escultura é


triangular, o que permite o equilíbrio do conjunto. Além disso, o
triângulo é o símbolo de Deus Trinitário (Deus Pai, Filho e
Espírito Santo), pelo que pode ter sido usado simbolicamente
por Miguel Ângelo.
• E qual é o mistério de geometria escondido nesta escultura?

•Falemos do “número de ouro”. No Renascimento, foi dado o


nome de “número de ouro” a um número que define uma
proporção especial, considerada excepcionalmente bela. O
número de ouro tem, pois, a ver com a proporção de grandezas.

•Obtém-se o número de ouro (cujo valor aproximado é de


1,681...) quando se procura definir uma proporção dividindo um
segmento em duas partes.

•As propriedades do “número de ouro” são espantosas. Uma


delas é a possibilidade de construir quase indefinidamente
figuras recorrentes a partir de polígonos de grandezas
proporcionais. O conjunto de polígonos , por exemplo,
rectângulos e pentágonos, permite traçar depois uma espiral que
revela o equilíbrio da forma da obra. É este o procedimento que
um grande analista de arte utilizou para analisar a Pietà.
Claro que nada nos garante
que Miguel Ângelo conhecesse
o número de ouro. Mas
também é bem possível que o
conhecesse, já que tinha
conhecimentos aprofundados
de várias disciplinas artísticas.
O mistério continua.
Imagens