Você está na página 1de 20

Renascimento

Caravaggio
Sete Obras de Misericórdia
Teatro Olímpico de Vicenza
Caravaggio
Michelangelo Merisi da
Caravaggio nasceu em
Caravaggio, pequena aldeia da
região da Lombardia,
província de Bérgamo em 29
de Setembro de 1571,
Caravaggio era o nome da
aldeia natal de sua família,
que ele adotou como nome
artístico. Foi um pintor
italiano activo em Roma,
 Aos 14 anos foi para Roma, onde mostrou
muito cedo a sua veia artística, Caravaggio
era considerado enigmático, fascinante e
perigoso. Ele lidou com seu sucesso de
maneira atroz. Após uma quinzena de
trabalho, de um salão de baile para outro,
sempre pronto para se envolver em alguma
luta ou discussão. Considerado um farrista
inconsequente, ele vivia com problemas com
a polícia, sem dinheiro e buscava brigas na
cidade. Em 1606, mata um jovem durante
uma briga e foge de Roma, com a cabeça a
prémio. Em Malta (1608) envolve-se em
outra briga, e mais outra em Nápoles (1609),
possivelmente um atentado premeditado
 Caravaggio usava a imagem de
pessoas comuns das ruas de Roma
para retratar personagens bíblicas.
A sua inspiração era entre todo o
tipo de pessoas que não eram da
nobreza e que tivessem grande
expressão, como suas obras
retratam.
 O artista levou este princípio
estético às últimas consequências, a
ponto de ter sido acusado de usar o
corpo de uma prostituta fisgada
A outra característica marcante foi a
dimensão e impacto realista que ele
deu aos seus quadros, ao usar um
fundo sempre raso, obscuro, muitas
vezes totalmente negro, e agrupar a
cena em primeiro plano com focos
intensos de luz sobre os detalhes,
geralmente os rostos. Este uso de
sombra e luz é marcante em seus
quadros e atrai o observador para
dentro da cena - como fica bem
demonstrado em “A Ceia em casa de
Emmaus”. Os efeitos de iluminação
 Algumas das principais obras:
 A Ceia em Emmaus (1596) – National
Gallery, Londres
 Conversão de São Paulo (1600-
1601) - Capela Cerasi, Igreja de
Santa Maria del Popolo, Roma
 Crucificação de São Pedro (1600-
1601) - Capela Cerasi, Igreja de
Santa Maria del Popolo, Roma
 A Morte da virgem (1601-1605) -
Museu du Louvre, Paris
 Sete Obras de Misericórdia (1607) -
Caravaggio
A Ceia em Emmaus (1596) - National Gallery,
Londres
A Morte da virgem (1601-1605) - Museu
du Louvre, Paris
Crucificação de São Pedro (1600-1601) - Capela

Cerasi, Igreja de Santa Maria del Popolo, Roma


Sete Obras de Misericórdia (1607) - Pio
Monte della Misericordia, Nápoles
Sete Obras de Misericórdia
A Virgem segurando o Menino Jesus. O
menino Jesus está protegido por 2
anjos e olha por cima deles, eles olham
para as obras de caridade feitas na
terra.
 Da direita para a esquerda, à extrema-
direita, um velho homem na prisão, em
que uma jovem mulher dá o peito. Aqui
podemos ver uma gota de leite na
barba do velho homem. Estas duas
figuras representam as visitas aos
prisioneiros e a obra de dar de comer
aos que têm fome. Esta dupla acção é
 Um pouco à esquerda, um religioso
segura numa lanterna para iluminar
uma pessoa que está a enterrar um
morto cujo se vêem os pés. É uma obra
de misericórdia que consiste em
enterrar os mortos. Esta obra foi
considerada como requerendo a maior
caridade. Dado que nessa altura a
peste era muito generalizada.
 Mais à esquerda, encontra-se uma
pessoa ricamente vestida, tendo uma
pena no chapéu, que partilha o seu
casaco com um doente, esta pessoa
 Ainda mais à esquerda, um peregrino, cujo
chapéu tem o símbolo de São Tiago, com um pau
de peregrino na mão, e que recebe a
hospitalidade de uma pessoa que se encontra na
extrema-esquerda. Esta obra representa o
acolhimento dos peregrinos.
 Atrás à esquerda, uma personagem bebe água,
num maxilar de um burro, o que representa a
obra de dar de beber aqueles que têm sede.
 Estas obras de misericórdia são aquelas feitas
pelo Pio Monte da "Misericórdia".
 Esta pintura está exposta no centro da Igreja de
Pio Monte.
 1613 - Os jovens nobres que tem o título de
Governador proíbem a venda e a cópia desta
pintura. Esta também não pode ser deslocada. A
Teatro Olímpico de
Vicenza
 O Teatro Olímpico encontra-se em Itália
(Vicenza). O Teatro Olímpico é a última
realização do arquitecto Andrea
Palladio, é considerado como uma das
suas maiores obras-primas, assim
como a Villa Capra (conhecida como
"Villa Rotonda"), a "Basílica Palladiane"
e o "Palazzo Chiericati". 
 O famoso arquitecto de Vicenza, vindo
de Veneza, em 1579, reuniu neste
trabalho o resultado de longos estudos
sobre teatro clássico baseado na
interpretação da arquitectura de
 A concepção do teatro foi dada a Palladio pela
Academia Olímpica de Vicenza, fundada em
1555, para instituições culturais e científicas,
incluindo a promoção do teatro. Palladio fazia
parte dos membros fundadores da Academia, o
que, em 1579, obteve do município a concessão
para construir num local próprio, uma sala de
teatro no interior da antiga prisão do Castello
del Territorio. Era uma antiga fortaleza medieval,
mais de uma vez modificada e utilizada como
uma prisão antes de ser abandonada. A
construção começou em 1580, ano em que
Palladio morreu, mas as obras prosseguiram com
base dos seus escritos, sob a direcção de seu
filho Silla. Elas foram concluídas em 1584,
incluindo a cavea, a loggia e o proscenium. O
problema estava assim colocado, na realização
Scamozzi desenhou as
decorações em madeira, cujo
os efeitos de perspectiva e
atenção ao detalhe fez uma
grande impressão na
inauguração, incluindo,
também alguns ajustes na
conclusão do projecto de
Palladio. As salas do "Odeo" e
"Antiodèo", acrescentadas ao
projecto inicial do portal da
O teatro foi inaugurado em 3 de Março de
1585 com representações de Édipo Rei e de
Sófocles e os coros de Andrea Gabrieli
(espectáculo retomado em 1997 pela
Academia Olímpica, dirigido por Gianfranco
De Bosio). Foi uma das poucas ocasiões em
que a decoração, que representa as sete
ruas da cidade de Thebes, era iluminada por
uma original e complexa iluminação artificial
de milhares de luzes a petróleo, também
desenhado por Scamozzi. Estas decorações
em madeira e de gesso feito para um uso
temporário, porém nunca foram
desmontadas, apesar dos perigos de
incêndio. Elas foram miraculosamente
Teatro Olímpico de
Vicenza
Feito por Joana Loureiro
Martins