Você está na página 1de 13

Jean-Jacques

Rousseau

Jean-Jacques
Rousseau foi um dos
mais considerados
pensadores europeus
no século XVIII.
Sua infância:
• Jean-Jacques Rousseau perdeu a mãe ao
nascer e foi educado por um pastor
protestante na cidade de Bossey (Suíça).
Voltou para Genebra e ali exerceu vários
ofícios, entre eles o de gravador. Foi ainda
professor de música em Lausanne (também
na Suíça).
Nasceu em:
• 28/6/1712, Genebra, Suíça
• Morreu em:
2/7/1778, Ermenonville, França
Sua juventude
• Tornando-se amante de madame de Warens,
viveu com ela em Chambery (França) até 1740.
Em 1742, estabeleceu-se em Paris, onde fez
amizade com os filósofos iluministas (os
chamados "philosophes"), entre os quais
estavam Diderot e Condillac. Colaborou na
"Enciclopédia" (coordenada por Diderot),
escrevendo diversos verbetes. Ainda em Paris,
uniu-se a Thérèse Levasseur, com quem viveu
muitos anos.
Suas obras:
• Sua obra inspirou reformas políticas e
educacionais, e tornou-se, mais tarde,
a base do chamado Romantismo.
Formou, com Montesquieu e os liberais
ingleses, o grupo de brilhantes
pensadores pais da ciência política
moderna.
Na educação:
• Em filosofia da educação, enalteceu a
"educação natural" conforme um acordo
livre entre o mestre e o aluno, levando
assim o pensamento de Montaigne a uma
reformulação que se tornou a diretriz das
correntes pedagógicas nos séculos
seguintes.
Sua doutrina:
• Foi um dos filósofos da doutrina que ele
mesmo chamou "materialismo dos
sensatos", ou "teísmo", ou "religião civil".
Lançou sua filosofia não somente através
de escritos filosóficos formais, mas
também em romances, cartas e na sua
autobiografia.
Algumas de suas frases:
• "O homem nasce livre, e em toda
parte é posto a ferros. Quem se julga
o senhor dos outros não deixa de ser
tão escravo quanto eles."
• "A maioria de nossos males é obra
nossa e os evitaríamos, quase todos,
conservando uma forma de viver
simples, uniforme e solitária que nos
era prescrita pela natureza"
• "A meditação em locais retirados, o
estudo da natureza e a contemplação
do universo forçam um solitário a
procurar a finalidade de tudo o que vê e
a causa de tudo o que sente"
• "A única instituição que ainda se
constitui natural é a Família "
• "O escravo não é propriedade do outro,
mas não deixa de ser homem ".
• "O homem é bom por natureza. É a
sociedade que o corrompe."
Liberdade em Rousseau
Liberdade natural
Para Rousseau, a liberdade natural caracteriza-se por
ações tomadas pelo indivíduo com o objetivo de satisfazer
seus instintos, isto é, com o objetivo de satisfazer suas
necessidades. O homem neste estado de natureza
desconsidera as conseqüências de suas ações para com
os demais, ou seja, não tem a vontade e nem a obrigação
de manter o vínculo das relações sociais. Outra
característica é a sua total liberdade, desde que tenha
forças para colocá-la em prática, obtendo as satisfações
de suas necessidades, moldando a natureza. “O homem
realmente livre faz tudo que lhe agrada e convém, basta
apenas deter os meios e adquirir força suficiente para
realizar os seus desejos.
Cronologia:
• 1712: Nasce em Genebra a 28 de junho Jean-
Jacques Rousseau. Suzanne Bernard, mãe de
Rousseau, morre em 7 de julho.
• 1719: Daniel Defoe publica Robinson Crusoé, uma
das principais influências literárias de Rousseau.
• 1745: Une-se a Thérèse Levasseur, com quem tem
cinco filhos, que são abandonados.
• 1749: Escreve o "
Discurso sobre as Ciências e as Artes"
• 1755: Publica o "
Discurso sobre a origem da desigualdade" e o "
Discurso sobre a economia política".
• 1762: Publica O Contrato Social em abril e o
Emílio, ou Da Educação em maio.
• 1776: Escreve os
Devaneios de um Caminhante Solitário.
Declaração da Independência das colônias
inglesas na América.
• 1778: Rousseau termina de escrever os
Devaneios. Morre em 2 de julho e é enterrado
em Ermenonville. Seus restos mortais foram
traslados para o Panteão em 1794. Morte de
Voltaire.
JEAN-JACQUES ROUSSEAU
(1712 - 1778)

1. Obra: Discurso sobre a Origem e os Fundamentos da


Desigualdade entre os Homens (1755).

2. Período: Idade Moderna – século XVII

3. Idéias Principais:

a. DESIGUALDADE
b. IGUALDADE
c. INJUSTIÇA
d. PROPRIEDADE PRIVADA
e. LIBERDADE