Introdução à Sociologia Prof. MsC.

Dawdson Soares Cangussu

TEXTO VII
LIVRO:

GUARESCHI, Pedrinho. Sociologia crítica: alternativas de mudança. 60. ed. Porto Alegre: Mundo Jovem, 2007. Cap. XII – Os aparelhos de reprodução da sociedade; Cap. XIII – O aparelho ideológico do Direito; Cap. XIV – O aparelho ideológico da escola; Cap. XV – O aparelho ideológico da família; Cap. XVI – O aparelho ideológico das igrejas; Cap. XVII – O aparelho ideológico dos sindicatos; Cap. XVIII – O aparelho ideológico das cooperativas; Cap. XIX – O aparelho ideológico da comunicação.

Cap. São classificados em dois tipos: repressivos e ideológicos. XII – Os aparelhos de reprodução da sociedade Os aparelhos de reprodução fazem parte da superestrutura da sociedade e servem para fortificar e legitimar o seu funcionamento e sua continuidade. .

Aparelhos repressivos Exército Polícias As políticas voltadas à segurança As prisões Os tribunais O direito .

. usam as ideias para manter e reproduzir as relações numa sociedade. cuja função está clara. São mais difíceis de serem identificados.Aparelhos ideológicos São os aparelhos que usam a persuasão. são mais sofisticados em sua ação. diferentemente dos aparelhos repressivos. Vamos agora analisar os 7 (sete) aparelhos ideológicos discutidos por Guareschi.

as leis penais. as leis governamentais. as leis morais. os regulamento. os estatutos. .O APARELHO IDEOLÓGICO DO DIREITO São as leis de todo o tipo: as tradições. as leis familiares.XIII . as leis dos grupos. Qual o verdadeiro sentido das leis? Como apareceram? Podemos encarar a questão das leis a partir de dois ângulos: o positivistafuncionalista e o histórico-crítico. as leis constitucionais.

pois supõe que devem ser assim. .VISÃO POSITIVISTA-FUNCIONALISTA * Analisa apenas a função das leis. não buscando explicações em seu surgimento. * Trata a leis de forma natural. e de forma estática. * Não busca entender que as leis foram criadas por alguns com o objetivo e contemplar seus interesses. sempre foram assim e serão assim sempre em todas as sociedades.

parciais. Para quem as leis são feitas? Eis a questão. respondem a interesses de grupos ou pessoas. Concebe as leis como criações culturais. quem as fez. e entende que elas são assim por que alguém quis. mas poderia ser diferente. são relativas. .VISÃO HISTÓRICO-CRÍTICA Este enfoque busca em primeiro lugar a origem das leis.

As leis são feitas para grupos ou pessoas que possuem mais poder e prestígio para fazer valer sua vontade. que é colocada como leis para os demais. .

Escola é o aparelho criado pelo grupo dominante para reproduzir seus interesses. A escola é uma instituição obrigatória na maioria das vezes e controlada pelos que detêm o poder. Quando a escola se desvia dos interesses do grupo no poder. . sua ideologia. ela é censurada. que são instituições criadas para reproduzir e garantir as relações de produção.XIV . e até mesmo fechada.O APARELHO IDEOLÓGICO DA ESCOLA A escola faz parte da superestrutura. reformulada.

2) Reproduzir relações de dominação e de exploração – formar um cidadão passivo. obediente. cumpridor das leis e dos bons costumes.Funções da escola A escola hoje desempenha duas funções principais: 1) Preparar mão-de-obra para o capital – o ensino nas últimas três décadas teve o objetivo de preparar mão-de-obra para a indústria. acrítico. submisso. .

XV – O APARELHO IDEOLÓGICO DA FAMÍLIA Eis as questões: • Qual o verdadeiro papel que a família executa? • Será que é somente o de procriação. socialização e manutenção dos filhos? • Não haveria outras funções? . desenvolvimento.

(critério de idade e tradição) 3) Filho mais velho sobre os mais novos (critério de idade) 4) Filho homem sobre a filha. as relações básicas de uma sociedade irão influenciar direta ou indiretamente a estrutura familiar. 2) Dialogal – que forma para a liberdade. Há também as relações de poder: 1) Marido sobre a mulher. Na família há duas práticas educativas práticas: 1) Condicionadora . (critério de gênero) .que forma para a dominação. (critério de gênero) 2) Mulher sobre os filhos.A família recebe grande influência do modo de produção em que vive. logo.

que de nenhuma maneira são permitidos à mulher. Critério de gênero: o homem manda mais que a mulher. pode mais e sabe mais. servir ao marido. A menina é criada para cuidar da casa. o que há são saberes diferentes.Critério de idade: quem é mais velho. para decidir. Para os homens são permitidos certos comportamentos. cuidar das crianças. tomar a iniciativa. Na verdade o saber não é definido pela idade. certas regalias. . O menino é criado para ser o chefe.

reis absolutistas. imperadores romanos.XVI – O APARELHO IDEOLÓGICO DAS IGREJAS Guareschi utiliza a conceituação de Enrique Dussel para distinguir a religião em dois tipos fundamentais: 1) A religião como superestrutura – • • • quando se torna um conjunto de mediações simbólicas e gestos rituais. a exemplo dos Faraós. reis taumaturgos. . quando se torna doutrina explicativa do mundo a serviço de nações e impérios. Imperadores e ditadores se divinizaram.

é o ópio do povo. que endeusa. e vice-versa.• Essa religião estatal. • Quando um regime autoritário e dominador se sente bem com um determinado grupo religioso. que usa o nome de Deus para poder melhor dominar e explorar. fetichiza e absolutiza o sistema. . pode-se começar a suspeitar que tal religião esteja servindo aos interesses dos poderosos. domesticadora. é a religião acrítica. alienadora. instrumento ideológico do imperialismo.

• É anti-fetichista.2) Religião infra estrutural – • reconhece a relatividade das coisas. que não é absoluto. • Desmistifica e relativiza os impérios e os ditadores . divino. pois mostra a transitoriedade de tudo o que é histórico. eterno. • É uma posição crítica diante do modo de produção da formação social atual e da que virá.

soberano) de pessoas (patrões e empregados) com a finalidade de defender e promover seus direitos.XVII – O APARELHO IDEOLÓGICO DOS SINDICATOS • É uma organização livre (entra quem quer. isto por causa da imagem criada pelo Estado e pelos donos do capital. . • • Os sindicados devem zelar pelo bem comum. e para isso lutam com manifestações e greves. a justiça. Ficou marcado como sendo uma organização esquerdista e subversiva. sai quem quer) e autônoma (independente.

• No início do século XX os sindicatos eram realmente autônomos. a partir de 1930. • A partir dos anos 70. .• Muitas vezes os sindicatos não estão livres nem autônomos. com a nova Constituição. e somente em 1988. com Vargas. com as greves do ABC. pois ficam sob o domínio das pessoas ligadas ao capital. foram atrelados ao Estado. houve uma formação de um sindicalismo mais autêntico e autônomo. mas. a legislação foi modificada.

pois todos que participam são donos. mas também é uma empresa com fins lucrativos.XVIII – O APARELHO IDEOLÓGICO DAS COOPERATIVAS É uma associação de pessoas. . Não há a exploração capitalista. que trabalham juntas. As relações são de cooperação entre as pessoas e de apropriação do capital pelos que trabalham. diferente do sindicato. são sócios.

Princípios de Rochdale 1) Adesão livre 2) Gestão democrática 3) Distribuição das sobras 4) Juros limitados ao capital 5) Vendas à vista 6) Neutralidade religiosa. social. sexual e racial 7) Educação cooperativista 8) Integração cooperativista . política.

no entanto. já se tornou comum entre os sócios de cooperativas.Assim deveria ser uma cooperativa. quando os primeiros passaram a se julgar. de certa maneira. • De acordo com Guareschi. a ideia capitalista de quem tem mais manda mais. a interferência ideológica do estado capitalista muda tal situação. donos da cooperativa. havia distinção entre sócios que contribuíram mais e menos. com direito a tomar decisões em nome de todos. . • Assim.

e deixa de existir quando não é comunicada. mantendo a ideologia da classe dominante.faz de forma valorativa.XIX – O APARELHO IDEOLÓGICO DA COMUNICAÇÃO Um dos aparelhos mais centrais e abrangentes da sociedade atual. Dois pontos são importantes a destacar: 1) A comunicação e a realidade • A comunicação faz a realidade – uma coisa passa a existir quando é comunicada. . • A comunicação não constrói a realidade com neutralidade .

nunca vai questionar os de cima. são assuntos divulgados pelos meios de comunicação. em casa. nas viagens. . no trabalho. • Quando uma pessoa está dominada na alma. • 2) Quem tem a comunicação tem o poder • Quem detém a comunicação constrói uma realidade de acordo com seus interesses.• Exemplo: as greves. etc. • A comunicação dita os assuntos a serem falados pelas pessoas – pesquisas mostram que 80 % de tudo o que as pessoas falam na rua.

procura deter o poder.• Quem detém o poder. detém a comunicação e quem detém a comunicação. .

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful