Você está na página 1de 21

1

O que vamos apresentar?
1. Modalidades de isenções em IVA; 2. Isenções nas Operações Internas ( Art.9º): 2.1 Os vários tipos de isenções; 2.2 Conceito de organismos sem finalidade lucrativa (Art.10º); 2.3 Sujeição a imposto em caso de distorções da concorrência (Art.11º); 2.4 Renuncia á isenção (Art.12º); 3. Isenções nas Importações ( Art.13º); 4. Isenções na exportação, operações assimiladas a exportações e transportes internacionais (Art.14º); 5. Regimes especiais: 6.1 Regime de isenção (Art.53º); 6.2 Regime dos pequenos retalhistas ( Art. 60º);
2

Art. Incompletas O sujeito passivo não liquida IVA nem deduz.13º. do CIVA Art. e 53 º do CIVA 3 . mas tem o direito a deduzir – lo. 14.º 9.Isenções Completas O sujeito Passivo não liquida IVA.

sujeito a IVA á taxa normal de 20%.Operação tributada: B.Isenção incompleta: 4 . A. B e C. efectuada por um retalhista. nas situações A. com uma margem de comercialização de 30%.Exemplo: Considerando a transmissão de um bem.

Isenção completa: Na situação B não há liquidação de IVA na venda nem dedução de imposto na aquisição. não agravando o custo do bem. sendo a margem de lucro calculada a partir do valor que inclui imposto.C. Na situação C o sujeito passivo não liquida imposto na venda. 5 . mas tem o direito a deduzir o IVA da aquisição.

º 9º Renúncia á Isenção Organismos Sem Finalidade lucrativa 6 .Isenções Incompletas São taxativas Automáticas Art.

nº 11. nº13. nº 22. nº12. nº28. nº 29: nº 30. nº14. nº 17. nº3. nº27.Os diversos tipos de Isenção Actividades Saúde Educação e Formação Profissional Segurança Social e solidariedade Social Cultura Art. nº2. nº34. nº15. nº 9. nº 23. nº 33. nº32. nº 36 nº 8. nº26. nº 19. nº25. nº5 nº 7. nº 11 n º6. nº 37 Técnicas nº 20. 7 . nº 18. nº 24. nº4. nº 31.º 9 nº 1. nº16. nº 21. nº35.

.14. 13.9º .Como não existe liquidação nem dedução do IVA.º 8.35. .são aplicadas se 8 .forem efectuadas por organismos sem actividades lucrativas.12.º 36.do art. as facturas emitidas terão de indicar a isenção da operação ( Art. alínea e).Os n. nº 5.

 Protecção dos interesses culturais e outros.  Sem fins Lucrativos.  Podem ser considerados sujeitos mistos. 9 . 10º)  Associações previstas no Código Civil.Conceito de organismos sem finalidade lucrativa ( Art.

Sujeição a imposto em caso de distorções da concorrência (Art.11º) Caso haja distorções de concorrência o Ministro das Finanças poderá determinar a sujeição a imposto de algumas actividades nomeadamente os nºs 33 e 34 do art. 10 .9º.

estando abrangido pelo regime de tributação normal.Renúncia á isenção (Art. Obrigando a sua permanência durante cinco anos. 11 . A opção por este regime é exercida na declaração de inicio da actividade ou de alteração produzindo efeito a partir da data de entrega desta. optando pela aplicação do imposto ás suas actividades. O sujeito passivo pode deduzir o imposto suportado nas suas aquisições.12º) Como as isenções podem ser penalizantes em alguns casos é possível renunciar á isenção. mas também é obrigado a liquidar o imposto nas suas operações.

Art.12 º Nº1 Alínea A) Nº1 alínea C) Nº4 e 5 Prestação Fornecimento de De Prestações Serviço Serviços de De com Cantina Saúde objectivo de Aos seus Formação Empregados Nº1 alínea b Profissional Actividade agrícola. Silvícola ou pecuária Cooperativas não Locação ou Agrícolas Transmissão que prestem de Serviços Prédios aos Seus Urbanos agricultores 12 .

Entra no país de destino e.13º) Princípio do país de destino Sai do país de origem á taxa zero. é tributado á taxa deste.Isenções na Importação (Art. 13 .

Isenções nas exportações.14º)  Os bens saem do país exportador sem carga fiscal e são tributados á entrada do país importador. Isenção completa O sujeito passivo não liquida IVA nas operações O sujeito passivo tem direito a deduzir o imposto pago 14 . operações assimiladas a exportações e transportes internacionais (Art.

59º) Não atinjam volume de negócios superior a 10 000€. (Art. exportações.53º): Condições Não possuam nem sejam obrigados a possuir contabilidade organizada para efeito de IRS e IRC. (Art.Regime especial de isenção (Art. São dispensados das obrigações com excepção da emissão da factura e da entrega das declarações. Características Isenção incompleta ( não liquida nem deduz).54 nº3) Não pratiquem importações ou È de aplicação automática. Não exerçam actividades do Anexo E do CIVA. 15 .

16 . deverão os serviços fazer a sua conversão.Exemplo: Suponha que um prestador de serviços que desenvolve uma actividade sujeita a IVA e não isenta (ex: um engenheiro Civil) mencionou na sua declaração de início de actividade um volume de negócios de 5. no regime normal trimestral de IVA.5 X ------------------------------. Como o volume de negócios declarado é referente apenas aos cinco meses. da seguinte maneira: Volume de negócios n. para um volume de negócios anual.º de meses 5000 ----------------------------.000 Euros relativo ao período de 1/ 8/ 08 a 31/12/ 08. mas sim.000 5 Sendo o volume de negócios anual de 12000 este sujeito passivo não poderá ficar enquadrado no regime de isenção.12 X = 5000 x 12 = 12.

(nº1) Características Direito a dedução de 25% das aquisições de bens destinados a venda sem transformação. (nº9) IVA não pode ser deduzido pelos adquirentes. 17 . (nº1) Não pratiquem importações ou exportações ou prestações de serviços não isentas de valor anual superiores a 250€.(nº1) Dedução total do imposto suportado nas aquisições de bens de investimento e outros bens para a empresa. ficando sujeitas a imposto. (nº2) Transmissão de bens do activo imobilizado são excluídas do regime especial. Pagamento do IVA é efectuado trimestralmente. (nº8) Volume de compras destinada a venda superior ou igual 90%.Regime especial dos pequenos retalhistas (Art. ( nº6) Volume de compras no ano anterior inferior a 50 000€.60º) Condições Sejam pessoas singulares. ( nº1) Não exerçam actividades do Anexo E do CIVA. Não possuam nem sejam obrigados a possuir contabilidade organizada para efeito de IRS.

D) Uma prestação de serviços isenta sem direito á dedução.Casos Práticos 1 – Um médico cardiologista no exercício da sua profissão liberal prestou serviços a uma clínica privada. C) Uma prestação de serviços isenta com direito á dedução. no valor global de 40. B) Uma operação fora de campo de aplicação do IVA. Para efeitos de IVA estamos perante: A) Uma transmissão de bens.000 Euros. 18 .

O procedimento a adoptar é: A) Deixar de liquidar IVA nas prestações de serviços e não deduzir o IVA relativo ás aquisições. pois que. B) Apresentar a respectiva declaração de alterações e passar ao regime de isenção. Em 3 de Janeiro de 2003 renunciou á isenção de que beneficiava. ela torna-se obrigatório por 5 anos.2 – Uma empresa de contabilidade funciona igualmente como um escola que se dedica á formação profissional. No entanto. uma vez feita a opção. D) Nenhuma das respostas anteriores é verdadeira. C) Manter – se no regime normal de tributação. 19 . em 2006 não lhe interessa continuar no regime normal de tributação.

º 1 a). (Art.º4 n.Opção correcta: C) As prestações de serviços ligadas á formação profissional. O legislador procura assim assegurar uma certa estabilidade quanto ao estatuto IVA dos sujeitos passivos. . ( Art. 9º.º1). Esta isenção não permite a dedução pelo médico do IVA suportado nas respectivas aquisições de bens e serviços. (art.º2 e 4) Por outro lado. estão isentas de IVA.a). ( Art. 12º n. n. quando realizadas por organismos com reconhecimento para o efeito.º 1 b). A operação está contudo. pelo que estamos perante uma prestação de serviços.º 4. 2. No entanto os organismos que entendem ser – lhes mais benéfico optar pelo regime de tributação podem fazê – lo através da renuncia expressa ao regime de isenção. Só podendo renunciar á isenção em 2008.º 2 n.1. Atendendo a que estamos perante uma prestação de serviços fora do âmbito de um qualquer contrato de trabalho.1. (Art.º 9 n.º 11. preenche igualmente o requisito da incidência pessoal porquanto o médico exerce a sua profissão de modo independente e com carácter de Habitualidade. Exercida a renúncia estão obrigados a permanecer no regime de tributação por um período mínimo de 5 anos.Opção correcta: D) Não estamos perante uma transacção comercial. importação ou aquisição intracomunitária. isenta de IVA. passados os 5 anos. esta operação preenche o requisito da incidência real para efeitos de IVA.

Trabalho realizado por:  Carlos Frederico nº 2008792  Sara Marantes nº 2008333  Sofia Diogo nº 2008331  Tiago Almeida nº 2008338 Turma: TCFD 43 21 .