Você está na página 1de 20

VIOLÊNCIA OCUPACIONAL:

ATÉ QUANDO?
Thomas Eduard Stockmeier
Médico do Trabalho
Higienista Ocupacional
Ergonomista
www.drthomas.med.br
drthomas@ig.com.br drthomas@svn.com.br
091 9616-3538 071 9134-7649
FAX 091 549-1908
O APRESENTADOR

Especialista em
Medicina do Trabalho -
CEDAS
Especialista em Saúde
Ocupacional - FDC
Especialista em
Homeopatia - IMH
Especialista em Higiene
Ocupacional - UFBA
Especialista em
Ergonomia - UFRJ
CONCEITO
• Violência Ocupacional é um conjunto de
danos à saúde e vida dos trabalhadores
composto de:
• Acidentes do Trabalho;
• Doenças Ocupacionais;
• Doenças do Trabalho.
Brasil em 10º lugar
• O Brasil, infelizmente, ainda continua
figurando nos anais mundiais como
recordista em acidentes do trabalho,
constando no ranking mundial no 10º lugar,
de acordo com estatística oficial da
Organização Internacional do Trabalho
(OIT), perdendo apenas para países de
terceiro mundo como Indonésia, Turquia,
África do Sul, Burundi, Coréia do Sul,
Guatemala, Zimbábue, Costa Rica e Índia.
A Subnotificação de Acidentes
• Essa posição, lamentavelmente, não é
verdadeira, eis que as estatísticas oficiais,
como se sabe, não condizem com a nossa
realidade;
• Portanto, estamos bem acima do 10º lugar
no ranking mundial, provávelmente entre o
6º e 7 º lugares.
A Subnotificação de Acidentes
• primeiro, porque, hoje, mais de 50% dos
trabalhadores brasileiros não têm carteira de
trabalho assinada, ativando-se na
informalidade, cujos infortúnios não
chegam ao conhecimento do INSS;
A Subnotificação de Acidentes
• Segundo, em razão de que muitos dos
acidentes atípicos – doenças profissionais e
do trabalho – não são comunicados ao
instituto, pelos empregadores, e, mesmo
comunicados, aqueles relutam em
reconhecê-los como tal, não obstante a
legislação previdenciária seja
absolutamente clara ao equipará-los ao
acidente do trabalho típico, para todo e
qualquer efeito.
Prejuízo ao Brasil
• Os acidentes do trabalho, embora
despercebidos por muitos, constituem sério
problema para a economia brasileira, cujo
gasto anual, de cerca de seis bilhões de
dólares, suportado pela Previdência Social e
pelas próprias empresas, é repassado, no
final, para toda a sociedade.
O que o Governo faz pelos
Acidentados
• Por isso, são assegurados aos trabalhadores
acidentados ou a seus familiares, de um
lado, a cargo do INSS, benefícios
previdenciários consistentes em auxílio-
doença acidentário, auxílio-acidente,
aposentadoria por invalidez e pensão por
morte;
Mas o Prejuízo é Irreparável...
• Os acidentes do Trabalho, além disso,
acarretam, para os trabalhadores e
respectivos familiares, irreparáveis
prejuízos pelas milhares de mutilações,
incapacidades e mortes, atingindo, muitas
vezes, seu patrimônio material e o moral.
RANKING NACIONAL DE ACIDENTES -1
• Anexo I -Classificação segundo o Índice de Freqüência (If) - 1996

11.10-0 Extração de petróleo e gás natural 42,86 1º


71.23-4 Aluguel de aeronaves 25,59 2º
72.40-0 Atividades de banco de dados 21,30 3º
23.10-8 Coquerias 17,79 4º
36.95-1 Fabricação de canetas, lápis, fitas impressoras para máquinas e outros 16,50 5º
artigos para escritório
10.00-6 Extração de carvão mineral 13,47 6º
11.20-7 Serviços relacionados com a extração de petróleo e gás - exceto a 12,38 7º
prospecção realizada por terceiros
29.71-8 Fabricação de armas de fogo e munições 12,29 8º
27.49-9 Metalurgia de outros metais não-ferrosos e suas ligas 11,11 9º
60.22-4 Transporte metroviário 10,97 10º

Número total de acidentes de trabalho que geraram benefício


If = *1.000.000
Número total de homens - hora trabalhadas
RANKING NACIONAL DE ACIDENTES -2

• Anexo II -Classificação segundo o Índice de Freqüência (If) - 1997

CNAE If Ordem
10.00-6 Extração de carvão mineral 16,77 1º
71.23-4 Aluguel de aeronaves 15,78 2º
31.51-8 Fabricação de lâmpadas 10,84 3º
23.10-8 Coquerias 10,83 4º
65.23-4 Caixas econômicas 10,27 5º
28.41-0 Fabricação de artigos de cutelaria 9,67 6º
11.20-7 Serviços relacionados com a extração de petróleo e gás - exceto a prospecção 9,22 7º
realizada por terceiros
35.22-0 Fabricação de peças e acessórios para veículos ferroviários 9,21 8º
29.71-8 Fabricação de armas de fogo e munições 8,88 9º
28.31-2 Produção de forjados de aço 8,64 10º

Número total de acidentes de trabalho que geraram benefício


If = *1.000.000
Número total de homens - hora trabalhadas
O que existe para impedir os
Acidentes do Trabalho
• Os principais elementos de combate aos
Acidentes são:
• CIPAs;
• SESMTs;
• DRTs;
• Justiça do Trabalho;
• Justiça Comum;
• Sindicatos de Trabalhadores.
• Legislações Federais, Estaduais e outras.
Então porque estamos
em 10 º lugar?
• Embora tenhamos toda uma estrutura para
combater os acidentes do trabalho, invejávelmente
organizada e comparável à de países de primeiro
mundo, existe duas terríveis falhas legais, que
fazem com que o arsenal anterior não funcione
direito:
DUAS FALHAS LEGAIS
• Falta de estabilidade aos membros dos
SESMTs quando ameaçados de demissão
ao tentarem cumprir seu dever de relatar
acidentes e falta de segurança;
• Falta da exigência obrigatória da ISO da
segurança e saúde dos trabalhadores, a
OHSAS 18002, que impediria a venda de
produtos “manchados com o sangue dos
trabalhadores”.
CONSEQUÊNCIAS IMEDIATAS

• Devido a ameaça de demissão, os membros


do SESMTs acabam ocultando acidentes e
prejudicando os trabalhadores;
• Devido a falta da cobrança da OHSAS
18002, muitas empresas não se preocupam
com a saúde ocupacional e segurança de
seus trabalhadores.
EXEMPLOS FUNCIONANTES
• Na Itália, todos membros do SESMT tem
estabilidade pelo governo;
• Na Bélgica, membros do SESMT ao
ingressarem em uma empresa devem ser
aprovados pelo sindicato dos trabalhadores;
• Muitos países deixam de comprar produtos
que não tenham o selo OHSAS 18002.
CONCLUSÃO
• Os SESMTs nas empresas brasileiras
deveriam ter ampla liberdade de ação
para protegerem a segurança e saúde
ocupacional dos trabalhadores, mas a
legislação não lhes dá este poder, e isto é
grave, pois são os elementos técnicos
especializados e preparados para combater
os acidentes do trabalho.
CONCLUSÃO
• Não adianta CIPEIROS estabilizados...
• Não adianta Juiz do Trabalho estabilizado...
• Não adianta Sindicalistas estabilizados...
• Não adiantam Leis Modernas...
• Se os baluartes maiores do combate aos
acidentes do trabalho, os membros do SESMT,
SESMT
não tem estabilidade legal!!!
• E se produtos com “sangue de trabalhadores”
continuem sendo vendidos!!!
FIM DA PALESTRA DE
VIOLÊNCIA OCUPACIONAL:
ATÉ QUANDO?
Thomas Eduard Stockmeier
Médico do Trabalho
Higienista Ocupacional
Ergonomista
www.drthomas.med.br
drthomas@ig.com.br drthomas@svn.com.br
091 9616-3538 071 9134-7649
FAX 091 549-1908