Você está na página 1de 9

ACTUALIZAÇÃO

Gripe A (H1N1)
INFORMAÇÃO E RECOMENDAÇÕES
PARA ESCOLAS E OUTROS
ESTABELECIMENTOS DE EDUCAÇÃO
GRIPE A (H1N1)
Gestão de Caso Suspeito de Gripe A em contexto escolar
Poderá ser considerado um caso suspeito de gripe A o aluno,
professor ou funcionário que apresente obrigatoriamente:

Febre de inicio súbito igual ou superior a 38º.C e ainda dois


dos seguintes sintomas:
•Tosse
•Dor/ Ardor de Garganta
•Dor de Cabeça
•Corrimento Nasal
•Mialgias/Dores musculares
Sendo os mais frequentes:

Febre, Tosse e Corrimento Nasal ou


Febre, Tosse e Dor/ Ardor de Garganta
ALUNOS
• O aluno deve ser isolado dos restantes colegas, em espaço determinado
previamente no Plano de Contingência da Escola;
• Providenciar higienização adequada das mãos e, se possível, colocar
máscara ou cobrir a boca e nariz com fralda de pano, guardanapo de pano
ou lenço de bolso;
• Contactar Encarregado de Educação para recolha da escola e
encaminhamento ao serviço de saúde habitual ou seguindo as indicações
para atendimento em vigor nos serviços regionais;
• O aluno retoma a actividade escolar quando os sintomas desaparecerem
sendo que o afastamento não será necessário além dos 7 dias;
• Todos os alunos com situação de saúde de risco,(obesos, asmáticos,
diabéticos, cardíacos, doentes renais …) para a Gripe A devem estar
devidamente identificados na escola;
• Também devem estar identificadas a medicação que o aluno faça
habitualmente.
Gestão dos Contactos Próximos do Aluno
• A actividade na turma a que pertence o aluno mantém-se igua;

• Os restantes alunos da turma e/ou encarregados de educação devem


ser aconselhados à auto vigilância de sintomas;

• Devem ser listados outros possíveis contactos do aluno que evidencia


sintomas no contexto escolar para que sejam orientados a iniciar a
auto vigilância também. ( Ex: bibliotecário, auxiliar educativo…);

• Caso venham a apresentar sintomas em casa não se devem


apresentar no dia seguinte às aulas e devem procurar conforme
hábito assistência médica.
PROFESSORES E FUNCIONÁRIOS
• O professor ou funcionário que apresente sintomas de gripe deve ser
afastado da interacção directa com os alunos e deve retomar o seu
domicílio providenciando por ter assistência médica conforme
habitualmente ou seguir as orientações dos serviços de saúde
regionais
• Deve manter-se em evicção social até desaparecerem os sintomas e
deve igualmente cumprir com as normas de higienização das mãos e
etiqueta respiratória bem como saneamento do ambiente físico da
casa para evitar contaminar os coabitantes/ familiares;
Condições mínimas para a Gestão de um caso suspeito em
contexto escolar
• Providenciar a existência de um termómetro para avaliação da
temperatura corporal;
• Destacar o elemento da equipa educativa que vai acompanhar os
alunos que venham a manifestar sintomas e treiná-lo para a
avaliação da temperatura corporal;
• Providenciar uma reserva de paracetamol para intervir nas
situações de febre alta e com maior tempo de permanência em
contexto escolar até à recolha pelo encarregado de educação;
• Providenciar para que a pessoa com febre possa beber água pois
ajuda a prevenir a desidratação sobretudo nas crianças pequenas
Condições mínimas para a Gestão de um caso suspeito em
contexto escolar
• Providenciar que o espaço físico para isolamento dos casos suspeitos tenha
um ponto de água com lavatório para facilitar a higienização das mãos , caso
contrário providenciar para que haja solução anti séptica de base alcoólica,
toalhetes de papel, balde com pedal forrado com saco de plástico para deitar
os lenços de papel.
• Esta sala deve estar próximo de uma casa de banho que, tanto quanto
possível, será reservada ao uso do aluno que se mantém em isolamento e
limpa uma hora após a ultima utilização feita por este.
• Também o ideal é que a sua localização permitisse um circuito marcha à
frente ou seja depois do aluno, professor ou funcionário ter sido isolado
nessa sala deveria poder sair para o exterior sem ter de voltar para trás pela
zona que percorreu até chegar à mesma, minimizando assim o risco de
contaminação de um circuito que entretanto deve ter sido descontaminado
através de uma acção de limpeza habitual com água e detergentes de uso
comum.
ACTIVIDADE ESCOLAR
• Independentemente do número de casos, a Actividade
Escolar mantém-se até ordem contrária da Autoridade de
Saúde Regional;
• Não há número estabelecido de casos por escola que seja
determinante do encerramento do estabelecimento de
Ensino,
• As Escolas devem informar a Direcção Regional de
Educação, que por sua vez informa o IASAÚDE IP-RAM,
de taxas de absentismo escolar anormalmente elevadas.
GRIPE A (H1N1)

Em caso de dúvida para validar sintomas ligar para Linha


Saúde 24: 808 24 24 24

Para validar ou esclarecer procedimentos do Plano de


Contingência o responsável pelo Plano ou pelo
estabelecimento deve ligar para o IASAÚDE IP-RAM ( 291 212
313 ou 291 212 376)

Para mais informação, consulte os microsites da Gripe em:


www.dgs.pt ou http://iasaude.sras.gov-madeira.pt/gripea/
.