Você está na página 1de 33

A CIDADE DO

JARDIM
(1900-1940) Peter
Hall

Aloisio Lelis de Paula - Marcio Martins - Nelson Paes Leme de Araújo


Ebenezer Howard
Criticas:
• Chamavam-no de planejador de pequenas densidades, mas sua cidade-
jardim deveria comportar densidades semelhantes às próprias de
Londres;
• Confundiam essa cidade-jardim com subúrbio-jardim;
• Há quem pense, ainda hoje, que seu intento era confinar pessoas em
cidadezinhas isoladas em pleno campo, quando ele propunha o
planejamento de conurbações com centenas de milhares de habitantes;
• Acusam-no de querer mover pessoas como se fossem peões no
tabuleiro de xadrez, quando ele sonhava com comunidade construída
por vontade própria e auto-governadas;
• Viam como um planejador físico, esquecendo que suas cidades-jardins
eram meros veículos para a reconstrução progressiva da sociedade
capitalista dentro de uma infinidade de comunidades cooperativas.

A Cid ad e do Jar dim


Pet er Ha ll
Fonte das Ideias Howardianas
• Suas idéias, ele as desenvolveu na Londres de 1880 e 1890;
Houve vários precursores:
• Edward Gibbon:cinqüenta anos antes, desenvolvera a idéia de uma
colonização planejada para os pobres, tão logo quando uma cidade
atingisse determinado tamanho, dever-se-ia começar uma segunda,
separada da anterior por um cinturão verde;
• O plano de James Silk Buckingham para uma cidade-modelo deu-lhe a
maioria dos traços básicos para seu diagrama de cidades-jardins: a
praça central, as avenidas radiais e as indústrias periféricas.
• Povoados industriais que foram pioneiros no campo, como o de Lever,
perto de Liverpool e o de Cadbury, nos arredores de Birmingham,
forneceram-lhe não só um modelo físico mas uma ilustração prática de
descentralização industrial bem-sucedida de uma cidade
superpovoada.

A Cid ad e do Jar dim


Pet er Ha ll
• O economista Alfred Marshall, num artigo em 1884, sugeria que havia
amplos setores da população de Londres cuja remoção para o campo
seria, a longo prazo, economicamente vantajosa – beneficiando tanto
os que mudavam quanto os que ficavam;
• De Herbert Spencer, Howard tirou a idéia da nacionalização da terra, e
de Thomas Spence a idéia de aquisição , por uma comunidade.
• Cada idéia de Howard pode ser encontrada no passado e, com
freqüência, repetida até a exaustão.

A Cid ad e do Jar dim


Pet er Ha ll
A CIDADE-JARDIM E A
CIDADE-SOCIAL
Como seria a implantação de uma cidade-jardim?
• Um grupo de indivíduos deveriam organizar uma companhia para
implantar a cidade-jardim no campo, onde a terra fosse comprada a
preços mínimos, devido a depressão agrícola. Era importante atrair o
interesse das industrias; e com elas, os operários construiriam suas
próprias casas. A cidade-jardim teria um limite de 32000 habitantes
por 1000 acres de terra. A seu redor, uma área muito mais larga de
cinturão verde perene, também de propriedade da companhia –
Howard propôs 5000 acres – que conteria não só granjas, mas todas
espécies de instituições urbanas, tais como reformatórios e casa de
repousos, que só teriam a ganhar em localização rural.
• Quando a cidade atingisse o limite planejado, começar-se-ia outra, a
pouca distancia dali.Assim o processo de expansão quase não teria
limite.

A Cid ad e do Jar dim


Pet er Ha ll
• Cada cidade-jardim oferecia um campo aberto de serviços e empregos,
mas também estaria ligada as demais por um rápido sistema de
transporte, o que proporcionaria todas as oportunidades econômicas da
cidade grande.
• Não se tratava apenas de um projeto físico. Os cidadão seriam
proprietários perpétuos da terra. A medida que subissem os valores do
solo urbano na cidade-jardim, eles refluiriam para a comunidade.
Criando fundos para a criação de um sistema previdenciário local que
ficaria sobre a responsabilidade direta dos cidadão do lugar.
• Howard argumenta que seu sistema constituía um terceiro sistema
socioeconômico, superior ao capitalismo vitoriano e ao socialismo
centralizador e burocrático.

A Cid ad e do Jar dim


Pet er Ha ll
A Cid ad e do Jar dim
Pet er Ha ll
THE THREE MAGNETS
THE PEOPLE
Where will they go?
Town
Closing out of nature. Social opportunity.
Isolation of crowds. Places of amusement.
Distance from work. High money wages.
High rents & prices. Chances of employment.
Excessive hours. Army of unemployed.
Fogs and droughts. Costly drainage.
Foul air. Murky sky. Well-lit streets.
Slums & gin palaces. Palatial edifices.
Country
Lack of society. Beauty of nature.
Hands out of work. Land lying idle.
Trespassers beware. Wood, meadow, forest.
Long hours, low wages. Fresh air. Low rents.
Lack of drainage. Abundance of water.
Lack of amusement. Bright sunshine.
No public spirit. Need for reform.
Crowded dwellings. Deserted villages.
Town-Country
Beauty of nature. Social opportunity.
Fields and parks of easy access.
Low rents, high wages.
Low rates, plenty to do.
Low prices, no sweating.
Field for enterprise, flow of capital.
Pure air and water, good drainage.
Bright homes & gardens, no smoke, no slums.
Freedom. Co-operation.

A Cid ad e do Jar dim


Pet er Ha ll
A Cid ad e do Jar dim
Pet er Ha ll
A Cid ad e do Jar dim
Pet er Ha ll
LETCHWORTH AND HAMPSTEAD: UNWIN
AND PARKER
• A apresentação feita por Peter Hall sobre o trabalho de EBENEZER
HOWARD que foi um sonhador de grandes sonhos, e mais que isso
um homem de ação.
• Os aspectos brilhantes de seu plano estavam no fato de que podiam
realizar-se através de uma série de iniciativas isoladas e locais que,
progressivamente, se reforçariam umas às outras.
• Oito meses depois da publicação de seu livro, ele começou a organizar
uma “Garden City Association” para discutir suas idéias, por ultimo
formular um esquema prático baseado as linhas do projeto com todas
as modificações que parecessem desejáveis, cuidando para que fosse
politicamente bipartidária e incluísse indústrias, comerciantes,
financistas, cooperativistas, artistas, e eclesiásticos.
• Assim formando um ano depois em 1900 a “First Garden City,
Limited, e dois anos depois a Garden City Pioneer Company.
• Assim LETCHWORTH foi recebendo os primeiros moradores que
eram os idealistas típicos da classe média excêntrica.

A Cid ad e do Jar dim


Pet er Ha ll
• Após a Segunda Grande Guerra o parlamento em um Ato em 1962 para
proteger LETCHWORTH da especulação imobiliária, deu sua direção
a uma corporação especialmente organizada para ela, RAYMOND
UNWIN AND BARRY PARKER que assim encontrou sua perfeita
realização física.
• Tanto UNWIN quanto PARKER tinham formação diferente de
arquiteto, UNWIN era Engenheiro e Parker Decorador, ambos dentro
de uma intensa fermentação de idéias grande parte do pensamento de
William Morris.
• Parker e Unwin trabalhavam em suas primeiras e mais importantes
encomendas:
• “A Aldeia Jardim de New Earswick”, e ai foram encontrados muitos
aspectos que iriam desenvolver-se primeiro em LETCHWORTH e
depois em HAMPSTEAD.
• Em NEW EARSWICK, que era separada da cidade e das indústrias por
um estreito mais nítido cinturão verde, parte natural e parte ocupado
por campos de jogos, os chalés enfileiram-se em blocos compactos e
agrupam-se ou em torno de gramados públicos ou ano longo de
caminhos para pedestres.

A Cid ad e do Jar dim


Pet er Ha ll
• Em LETCHWORTH, houve o fato que obrigou a indústria a integrar-
se com a habitação, a estrada de ferro cortou em dois o local
previamente destinado à zona fabril.
• Aqui todo o centro urbano teve que ser planejado, UNWIN analisou e
planejou integrando elementos formais e informais como avenidas
radiais, ronds-points e grande e central praça da cidade dominada por
prédios municipais mais importantes.
• HAMPSTEAD foi uma mudança de direção, tanto para o movimento
inglês da cidade-jardim e para UNWIN que propunha não como
cidade jardim, mas como subúrbio-jardim; não tinha indústria e para
os serviços dependiam por completo de uma estação de metrô
adjacente, inaugurada quando HAMPSTEAD fora planejada.

A Cid ad e do Jar dim


Pet er Ha ll
O MOVIMENTO CIDADE JARDIM ENTRE AS
DUAS GUERRAS
• O movimento cidade jardim levou dois golpes:
• Primeiro com a palestra realizada por UNWIN na Universidade de
Manchester recomendando a construção de “Cidades Satélites”
próximas dos municípios, subúrbio-jardim dependente do município.
• Depois por uma decisão de poder, a prescrição oficial para o programa
de habitações populares do pós-guerra, que receberam a confirmação
com a Lei Addison. O resultado foi que de um milhão de moradias
populares subsidiadas pelo governo entre as duas guerras, poucas
destas foram construídas obedecendo à forma de uma genuína cidade-
jardim.
• HOWARD conseguiu WELWYN com seus métodos poucos
ortodoxos, o país conseguiu cidades-satélites, e a causa da construção
em larga escala da “nova cidade” a Grã-Bretanha sofreu um atraso de
trinta anos.
• Das cidades-satélites interioranas WYTHENSHAWE projetada por
BARRY PARKER para Manchester em 1930 é uma das que
resistiram.
A Cid ad e do Jar dim
Pet er Ha ll
• Em 1927 o município encarregara PARKER de elaborar um projeto, e
foi lhe dada a liberdade de projetar uma autêntica nova cidade.
• Em 1938 com mais de 7000 corporações e perto de setecentas casas
particulares, WYTHENSHAWE já estava maior que as outras cidades-
jardins onde PARKER descreveu em 1945 como “no momento, o mais
perfeito exemplo de cidade-jardim”.
• PARKER introduziu três princípios do planejamento Norte-Americano
extraídos da região de Nova York que ele visitara em 1925:
• O principio da unidade de vizinhança, o principio da esquema
Radburn e o principio de Parkway.

A Cid ad e do Jar dim


Pet er Ha ll
• Letchworth, Parker e Unwin.

A Cid ad e do Jar dim


Pet er Ha ll
A CIDADE JARDIM NA EUROPA
• O conceito de cidade jardim foi desenvolvido em outros países europeus,
sofrendo descrédito pelo modo pessoal que seus “advogados locais” divergiam
da idéia de Howard.
• Arturo Soria y Mata (1844-1920), engenheiro espanhol, traz em 1882 seu
conceito de La Ciudad Lineal, com sistemas de infra desenvolvidos a partir de
uma grande cidade, produzindo uma cidade linear planejada.
O esquema espacial da primeira proposta (1904) era um eixo principal de 40m
de largura onde passavam os bondes para onde davam quadras de 200m com
80 a 100m de frente. O sistema fracassou e hoje encontra-se pequenos trechos
concluídos pouco expressivos na paisagem de Madri.
• Tony Garnier (1869-1948) na França concebe sua Cité Industrielle (1898 –
Publicação 1918), com ênfase anti-metropolitana, dependente de um único
complexo metalúrgico, o projeto físico é dominado por possantes bulevares
axiais e assentamento sobre reticulados retangulares. Rejeitava símbolos de
repressão (delegacias, tribunais, prisão, igrejas…) e propunha um edifício
central onde pudessem reunir-se 3000 cidadãos.

A Cid ad e do Jar dim


Pet er Ha ll
• Theodor Fritsch publicou em 1896 seu A Cidade do Futuro, dois anos
antes de Howard, com similaridades físicas coma cidade jardim, forma
circular, divisão entre usos do solo, clareira, central, cinturão verde,
casario baixo, indústria na periferia, propriedade comunal da terra.
Mas proposta inicialmente para 1 milhão de habitantes divididos de
forma racista e sectária de ordem social.
• Georges Benît-Lévy estabelece na França em sua interpretação de
Howard, Le Cité-Jardin a confusão elementar entre cidade-jardim e
subúrbio-jardim. Talvez por presumir o francês como um povo mais
urbano. Henri Sellier projetou 16 cidades jardins ao redor de Paris, na
linha da Humpstead de Unwin. As cidades contavam com tamanho
reduzido (1000-5500 un.), e densidades baixas que foram aumentando
com a construção de blocos de 5 andares.
• Heirich Krebs, na alemanha, baseado numa tradução de Tomorrow,
funda em 1902 uma equivalente da Garden City Association, baseado
na preocupação do empresariado de um bom relacionamente
trabalhista na indústria.

A Cid ad e do Jar dim


Pet er Ha ll
• Ernst May (1886-1970), que trabalhara com Unwin em Letchworth e
Hampstead, recebe da prefeitura de Frankfurt um projeto urbanístico,
sua proposta era de cidades jardim no conceito original, a 20 a 30km
umas das outras, mas terminou com cidades satélites, separadas por
um estrito cinturão verde. As casas deveriam ser unifamiliares,
construídas com jardim e cuidadosamente alinhadas à luz do sol. Após
a guerra estas cidades viriam a ser consumidas por um contexto maior
chamado Nordweststadt.
• Martin Wagner, também alemão, divergia de May por acreditar mais
no modelo de satélites, seu exemplo ideal é Siemens-stadt, composta
por prédios de quatro ou seis andares, projetados por diversos mestres,
entre eles, Gropius, Scharoun, Bartning, Haring... Onde é possível
comprovar que os blocos modernos de habitação, moderadamente
baixos e acentuadamente horizontais podem ser tão repousantes
quanto as propostas de Unwin.

A Cid ad e do Jar dim


Pet er Ha ll
• As obras de Bruno Taut e Hugo Haring surpreendem pelo estado de
conservação e pela qualidade ambiental, em contraponto com o
criticado estilo funcionalista.

Sendo Berlin o Bruno Taut, Britz, Hufeisensiedlung", (1925)


segundo maior
aglomerado urbano
da Europa de então,
seus urbanistas
dispuseram-se muito
mais da solução de
bairro jardim, do que
da cidade jardim
propriamente dita,
modelo pelo qual já
não lhes valia mais a
pena lutar.

Fotograf: Hermann Günther (2000

A Cid ad e do Jar dim


Pet er Ha ll
Copyright: © Courtauld Institute of Art

Bruno Taut, Britz, Hufeisensiedlung", (1925)

Martin Wagner, Siemensstadt, (1929/31)

http://www.flickr.mud.yahoo.com/photos/xdrei /
A Cid ad e do Jar dim
Pet er Ha ll
A CIDADE JARDIM NA AMÉRICA
• Na América do Norte, as ideias professadas por Howard foram
ampliadas pela Regional Planning Association of America (RPAA).
• É expressiva a contribuição dos arquitetos Clarence Stein(1882-1975)
e Henry Wright(1878-1936), no desenvolvimento do modelo de
tráfego Radburn, desenvolvido para a cidade homônima. O modelo
consistia em melhorias do sistema de hierarquia de tráfego,
• Clarence Perry foi o pioneiro entre os planejadores-sociólogos,
planejou para a Russel Sage Foundation de 1913 a 1937. Trata o
conceito de identidade de vizinhança, através de experiências na área
de educação com a participação de pais de alunos na formação de
escolas. À inspiração de Jane Addams seu modelo propõe a integração
do imigrante através de espaços públicos. Toma partido também da
necessidade de eixos viário para delimitar unidades menores e mais
apropriáveis de bairro.

A Cid ad e do Jar dim


Pet er Ha ll
Construção de Radburn (1929)

http://www.radburn.org/geninfo/radburn-intro.html

Radburn Hoje http://www.radburn.org/

A Cid ad e do Jar dim


Pet er Ha ll
Radburn (1929)
Projeto

A Cid ad e do Jar dim


Pet er Ha ll
• Alexander Bing funda a City Housing Corporation com o fim de fazer
a Cidade Jardim americana, de 1924 a 1928 criam a pequena
Sunnyside Gardes, 77 acres a 5 min, de Manhattan, consistindo de
superquadras livres de tráfego e mais três vizinhanças, que terminaram
por se elitizar graças a boa qualidade do espaço e ao racismo dos
corretores.
• Embora a primeira Radburn, pensada para ser cidade Jardim não tenha
dado certo, por dificuldade de atrair a indústria, outras localidades
projetadas com a cosultoria de Stein foram sucesso de vendas, por
situarem-se em periferias de cidades, e por diminuirem os espaços
públicos para dentro das áreas privadas.
• As cidades cinturão verde foram concebidas na administração de
Rexford Guy Tugwell, para uma comissão de reassentamento, para a
retirada de populações de cortiços para áreas de localização periférica.
Das 3000 localidades pensadas inicialmente somente 3 se
implantaram, Greenbelt, Greedale e Greenhills. Estas modestas e mal
sucedidas tentativas de cidade jardim se destacam pelo completo
controle federal dos empreendimentos. A iniciativa privada Londrina e
Prefeituras Berlinenses haviam conseguido implantar cidades jardim,
mas esta era a primeira vez que o estado a adota.

A Cid ad e do Jar dim


Pet er Ha ll
NOVAS CIDADES PARA A INGLATERRA: O
ESTADO ASSUME O CONTROLE

• Em 1945, na Inglaterra, o governo decide construir novas cidades, a


comissão decide então que as cidades deveriam ter tamanho limite de
20000 a 60000 habitantes, conforme modelo da Town and Country
Planning Association, via de regra sua implantação cabia a
corporações estatais. Desse modo, ficaram de fora os preceitos iniciais
de Howard de auto-gestão, ficando apenas a casca de seu modelo de
planejamento.
• 13 dessas cidades foram construídas, 8 na periferia de Londres, apesar
de críticas iniciais sobre uma certa impessoalidade destas cidades, hoje
elas continuam lugares bastante bons para se trabalhar e viver.

A Cid ad e do Jar dim


Pet er Ha ll
Aplicação formal do conceito de Cidades Jardins
Formalmente, o conceito de cidade jardim seguiu carreira pelo mundo, as mais
diferentes formas de aplicação foram sendo desenvolvidas, sobretudo no que
tange os bairros jardins.
Canberra,
Austrália
Projeto: Walter
Burley Griffin

A Cid ad e do Jar dim


Pet er Ha ll
Slobomir, Bosnia
Anos 90

Ciudad Jardin Palomar,


La Plata, Argentina. 1944

A Cid ad e do Jar dim


Pet er Ha ll
Goiânia, Brasil
Atílio Correia Lima.
Inaugurada em 1933

A Cid ad e do Jar dim


Pet er Ha ll
Plano Armando
Godoy.(1936)

Goiânia, Brasil
Hoje.

A Cid ad e do Jar dim


Pet er Ha ll
Ilha do Governador, Rio de Janeiro, Brasil
Jorge de Macedo Vieira (1894-1978),
. No Rio de Janeiro, o Jardim Guanabara (projetado entre 1925 e 1931), cuja área
aproximada de três milhões de m2 estava destinada a uma população de cerca de 20 mil
habitantes, foi dotado de áreas reservadas para parques e jardins, com ruas
diferenciadas para pedestres e veículos. O projeto é de Jorge Machado Vieira, que
havia trabalhado na Cia City, contratante de Raymond Unwin e Barry Parker,

A Cid ad e do Jar dim


Pet er Ha ll
Conclusões e Questionamentos.
• O planejamento urbano, de forma geral, remete-se a um rebatimento
da sociedade sobre o território, com as crescentes e rápidas mudanças,
nenhum modelo de planejamento está livre de sofrer grandes
distorções, tanto pela apropriação deturpada pelos empreendedores
quanto pela caducidade dos conceitos apresentados pelo projeto nas
mudanças constantes que sofre a sociedade.
• Tal fato pode ser visto claramente na transformação do modelo de
Howard na base do Sprawl urbano americano, nos Planos de Lúcio
Costa para Brasília e Barra, Griffin em Canberra também teve de se
retirar do processo de ordenamento da cidade, após pressões sofridas
pelo mercado e por alterações em seu projeto.

A Cid ad e do Jar dim


Pet er Ha ll
Grupo:
Aloisio Lelis de Paula
Marcio Martins
Nelson Paes Leme de Araújo

• Disciplina: Teoria e História da Formação da Cidade


• Prof: Marlice Nazaré, Vera Rezende e Fernanda Furtado

Mestrado em Arquitetura e Urbanismo,


Universidade Federal Fluminense,

1o. Semestre 2007

A Cid ad e do Jar dim


Pet er Ha ll