A linguagem dos números

Prof. Jorge

Os conjuntos numéricos
 Como surgiram os números? Eles foram sendo criados pouco a pouco. A cada nova dificuldade ou necessidade, o homem e a ciência foram juntando novos tipos de números aos já existentes.
 Com o tempo, por questões práticas, foi preciso agrupá-los, formando estruturas com características e propriedades comuns.

Prof. Jorge

Conjuntos – Conceitos iniciais
 Ficaram definidos, assim, os conjuntos numéricos

 ℕ, dos números naturais;
 ℤ, dos números inteiros;
 ℚ, dos números racionais;

 ℝ, dos números reais;  ℂ, dos números complexos.

Prof. Jorge

Conjunto dos números naturais (ℕ)
 A necessidade de contar surgiu com o início da civilização dos povos. Povos primitivos contavam apenas um, dois e muitos. Esses três conceitos, sozinhos, já resolviam seus problemas. Depois outras quantidades (três, quatro, etc.) foram sendo incorporadas. A idéia do zero só surgiu mais tarde.
 Números utilizados para contar formam o conjunto ℕ dos números naturais, definido assim:

ℕ = {0, 1, 2, 3, 4, 5, ...}

Prof. Jorge

Conjunto dos números inteiros (ℤ)
 A soma e o produto de dois naturais são sempre naturais. Mas a diferença de dois naturais nem sempre é natural. Por exemplo,
(5 – 2)  ℕ, mas (2 – 5)  ℕ  Subtrações como essa última só são definidas com a introdução dos números inteiros negativos (–1, –2, –3, –4, ...).

 A união dos naturais com os inteiros negativos forma o conjunto ℤ dos números inteiros.

ℤ = {..., –3, –2, –1, 0, 1, 2, 3, ...}
Prof. Jorge

.Conjunto dos números inteiros (ℤ)  Podemos separar os inteiros em três categorias:  Os positivos: 1. –4.. –2.. 3.  De maneira geral. Jorge . Prof. . –3..  O zero: 0  Os negativos: –1. se k é um número inteiro. 2. . o número –k também é inteiro.  Dizemos que k e –k são simétricos ou opostos. 4.

Conjunto dos números inteiros (ℤ)  Simetria em relação ao zero. -4 -3 -2 -1 0 1 2 3 4 Prof. Jorge .

não-nulos. Jorge . qual é o positivo? Qual o negativo?  Dois inteiros simétricos podem ser iguais?  A soma. o produto e o quociente de dois inteiros são sempre inteiros? Prof. a diferença.Exemplo  De dois inteiros simétricos k e –k.

das seguintes relações:  p = q (p é igual a q). →  p > q (p é maior que q). Prof.Conjunto dos números inteiros (ℤ)  Definem-se. → 3–5=2 –5 < –1 < 0 < 3 7 > 2 > 0 > –4 →  p < q (p é menor que q). as relações de igualdade e de ordem (desigualdade). em ℤ. e somente uma.  Se p e q são dois inteiros. eles satisfazem uma. Jorge .

.. No caso.  Exemplos  A = {x  ℕ / x < 4} → A = {0. –2. 1. 3}. 1}. 0.  C = {x  ℤ / x ≥ –2} → C = {–2. 2. 1. 0..Observação  Certos subconjuntos de ℕ e ℤ são definidos por meio de desigualdades. devemos estar atentos ao universo indicado. Prof. –1. –1.}. Jorge .  B = {x  ℤ / –3 ≤ x < 2} → B = {–3.

Prof.  O símbolo mais (+) exclui os negativos.Observação  Os conjuntos numéricos podem vir acompanhados de certos símbolos. Jorge . que têm a função de excluir.  O símbolo menos (–) exclui os positivos. Veja:  O símbolo asterisco (*) exclui o zero. determinados números. dele.

é par e q ímpar. O antecessor de 8 é o 7 e o sucessor de 8 é o 9.  O antecessor de –6 é –5 ( ). valem os conceitos de antecessor e sucessor. então (p + 1).(q + 1) é par (  No conjunto dos naturais. Prof. 0 não tem antecessor ( ). entre as sentenças a seguir. então (p + q).q é impar ( ). ).  Se p é inteiro.  Se p é par e q é ímpar. Identifique.  Se p. as que são verdadeiras. seu sucessor é (p + 1) e seu antecessor (p – 1) ( ).Observação  Quando colocamos os inteiros em ordem crescente. Jorge .

Prof. 1 10 . Jorge . consequentemente exigem subdivisões levou à criação dos números fracionários: 3 . etc. 8 7 5 .  Divisões como essas são definidas com a introdução do conceito de número racional.Conjunto dos números racionais (ℚ)  A necessidade de operar com grandezas que nem sempre podem ser representadas por números inteiros e.

p.  Veja a definição do conjunto ℚ dos números racionais. q  ℤ. q ≠ 0} Prof.Conjunto dos números racionais (ℚ)  Todo quociente p/q da divisão de um inteiro p por um inteiro q (q ≠ 0) é chamado de número racional. ℚ = {x/x = p/q. Jorge .

.Exemplo  São racionais os seguintes números 8 2 3 7 =4  (inteiro)  (fracionário de termos inteiros) –3 8 5 9 = –0.555. Jorge .  (decimal exato)  (dízima periódica) Prof..375 = 0.

 Os números fracionários.  Os decimais exatos. Jorge .  As dízimas periódicas. Prof.Conjunto dos números racionais (ℚ)  Em resumo. são números racionais  Os números inteiros.

Jorge .  Exemplos 7 35 35 = 0.35 = = 2 20 10 100 –1. cujo denominador é uma potência de base 10 e expoente natural.8 = –9 –18 –18 = = 5 101 10 Prof.Transformando decimais exatos em frações  Um número decimal exato é sempre igual a uma fração.

4727272.Transformando decimais periódicos em frações  Numa dízima periódica... o grupo de algarismos que se repete é chamado período da dízima. o período é 72. Prof.  A fração que dá origem a uma dízima é a sua geratriz. Por exemplo na dízima 23.. Jorge .

..424242.4242. x = 100 .. Jorge .. (2) subtraindo (2) – (1).. 0... – x= 0.424242. membro a membro 100x = 42.Exemplos  Achar a fração 0..4242. ⇒ 100x = 42..424242. ⇒ 14 42 = x= 33 99 99x = 42 Prof.424242.. Suponhamos geratriz da dízima periódica x = 0.. (1) ⇒ 100 ..

73333.3333..... – x= 4. Suponhamos x = 4.. ⇒ 10x = 47. (1) ⇒ 10 .33333..73333... ⇒ x= 426 90 = 71 15 9x = 42.6 ⇒ 90x = 426 Prof..73333. (2) subtraindo (2) – (1).. Jorge . membro a membro 10x = 47...73333. 4. x = 10 .Exemplos  Encontrar a fração geratriz da dízima periódica 4.

5 -3 -2 -1 0 0. Jorge . 1. –5/3 –6/5 0.6 1 2 3 Prof.Conjunto dos números racionais (ℚ)  Podemos representar os números racionais por pontos pertencentes a uma reta orientada.. bastando para isso fazer subdivisões convenientes no eixo dos inteiros..333.

 Existirão números decimais que não sejam exatos nem dízimas? Ou seja. que os únicos números decimais racionais são os exatos e as dízimas periódicas. números decimais nãoracionais? Prof. Jorge .Conjunto dos números reais (ℝ)  Vimos anteriormente.

Conjunto dos números reais (ℝ)  Veja a figura a seguir. Ela mostra um triângulo retângulo cujos catetos medem 1 unidade. Prof.41421356237. Jorge . Veja o cálculo de sua hipotenusa. que não é racional.. x2 = 12 + 12 x2 = 2 x = √2 1  Extraindo a raiz quadrada de 2 nos levará ao número 1 x 1..

.. é infinito e nãoperiódico. Veja alguns exemplos:  √3 = 1.202202220.Conjunto dos números reais (ℝ)  Números com √2 são chamados de números irracionais. número irracional é todo número que.141592653. Sua representação decimal não é exata e nem periódica..   = 3..  3√5 = 1.  De modo geral.73205080.  0. escrito na forma decimal.. Jorge .70099759. Prof....

Você sabia?  que  é aproximadamente 3. Jorge .14159265358979323846264338327950288419716 939937510582097494459230781640628620899862 803482534211706798214808651328230664709384 460955058223172535940812848111745028410270 193852110555964462294895493038196442881097 566593344612847564823378678316527120190914 564856692346034861045432664821339360726024 91412737245870066…? Prof.

Ele é a partir de agora. ℝ = {x/x é racional ou irracional} Prof. o nosso universo numérico. Jorge .Conjunto dos números reais (ℝ)  A reunião dos racionais com os irracionais resulta no conjunto dos números reais.

com acréscimo de novos tipos de números. ℚ e ℝ foram sendo construídos.Visão geral dos conjuntos numéricos  No nosso estudo você deve ter notado como os conjuntos numéricos ℕ. ℕ + Inteiros negativos ℤ + racionais fracionários ℚ + irracionais ℝ Prof. ℤ. Jorge . Na verdade. cada um deles amplia o anterior.

Jorge . ℕ ℤ ℚ ℝ Inteiros negativos racionais fracionários irracionais Prof.Visão geral dos conjuntos numéricos  Veja sua representação por diagrama.

indicado pela seta. Para isso definimos  Um sentido positivo.  Um ponto O. Jorge .Números reais como pontos da reta  O conjunto ℝ dos números reais pode ser colocado em correspondência com o conjunto dos pontos de uma reta. chamado origem. Prof. O 1u  A esta reta.  uma unidade de medida arbitrária. damos o nome de reta real ou eixo real. associado ao zero.

1 é a abscissa ou a coordenada do ponto A.5). Jorge . C(4) e D(–2).  Em geral: Escrevemos P(x) para indicar que o ponto P está associado ao número x. A(1).5 D –2 O 0 A 1 C 4  Na representação: A(1).Números reais como pontos da reta  Na reta da figura marcamos os pontos O(0). B(–3. Prof. B –3.

Jorge . a está à esquerda de b. a está à direita de b. na reta real.Números reais como pontos da reta  A reta estabelece uma ordenação para os números reais. temos:  a < b (a é menor que b) significa que.  a > b (a é maior que b) significa que. na reta real. Sendo a e b dois reais distintos. expressas por relações de desigualdade. Prof.

estão representados os números reais 0. O p 0 q Podemos escrever. Jorge .Números reais como pontos da reta  Na reta real da figura a seguir. por exemplo: p<0 q>0 (p é negativo) (q é positivo) p<0<q (0 está entre p e q) Prof. p e q.

 a ≤ b (a é menor que ou igual a b)  a ≥ b (a é maior que ou igual a b)  Exemplos 5≥3  –2 ≤ 1 (5 é maior ou igual a 3) (–2 é menor ou igual a 1) Prof. Jorge .Observação  A relação a ≤ b significa que (a < b ou a = b) e a relação a ≥ b indica que (a > b ou a = b).

Jorge . 0 e –a b) Complete os pontilhados desigualdade > ou <. A a O C B b a) Quais são as abscissas de dos pontos O e C........ São dados os pontos A(a) e B(b) e sabe-se que OA = OC..... em que O é a origem... > 0 a2 . > 0 –a ... < a –b . Prof.. < 0 a .. > 0 b . < 0 –b . com os sinais de > 0 a + b .......Exemplos  A figura mostra a reta real. < 0 ab ..

Jorge .Intervalos reais Prof.

dentre os quais estão os elementos de A. veja –3 2 Prof. 0 e 1.Intervalos reais  Considere os conjuntos A = {x  ℤ /–3 ≤ x < 2} e B = {x  ℝ /–3 ≤ x < 2}. Jorge . –2. enquanto o conjunto B tem infinitos elementos. delimitando-se uma parte dessa reta. –1. É verdade que A = B?  O conjunto A tem apenas os elementos –3.  O conjunto A pode ter seus elementos representados na reta real.

 Suponhamos dois números reais a e b tais que a < b. Jorge . Prof.Intervalos reais  Muitas vezes trabalhamos com determinados subconjuntos de ℝ (partes da reta). Em geral eles são definidos por desigualdades. Os subconjuntos de ℝ definidos a seguir são chamados de intervalos reais de extremos a e b. denominados intervalos reais.

b[ = {x  ℝ /a < x < b} Na reta real: a b Prof. b. b. b] = {x  ℝ /a ≤ x ≤ b} Na reta real: a b  Intervalo aberto a.  Representações: ]a.  Representações: [a.Intervalos reais – limitados  Intervalo fechado a. Jorge .

b] = {x  ℝ /a < x ≤ b} Na reta real: a b Prof. Jorge . b[ = {x  ℝ /a ≤ x < b} Na reta real: a b  Intervalo aberto em a e fechado em b.  Representações: [a.Intervalos reais – limitados  Intervalo fechado em a e aberto em b.  Representações: ]a.

para os extremos a e b. Jorge .  exclusão do extremo  aberto  bolinha vazia (o)  colchetes invertidos ] [. Prof. temos:  inclusão do extremo  fechado  bolinha cheia (•)  colchetes normais [ ].Observação  Observe que cada intervalo inclui todos os reais entre a e b.

+[ = {x  ℝ /x > a} Na reta real: a Prof. +[ = {x  ℝ / x ≥ a} Na reta real: a  Intervalo de a aberto até +.  Representações: [a.  Representações: ]a. Jorge .Intervalos reais – ilimitados  Intervalo de a fechado até +.

a] = {x  ℝ / x ≤ a} Na reta real: a  Intervalo de – até a aberto.  Representações: ]–.  Representações: ]–. Jorge . a[ = {x  ℝ /x < a} Na reta real: a Prof.Intervalos reais – ilimitados  Intervalo de – até a fechado.

em detalhes. Jorge .Exemplos  Vamos analisar.  Inclui o extremo –3 e exclui o extremo 5. 4.  Representa todos os reais entre –3 e 5. o intervalo real A = [–3. 5  A Prof.99  A.  Temos um intervalo fechado em –3 e aberto em 5. 5[. A = {x  ℝ / –3 ≤ x < 5} –3 5 Note que: –3  A.

 estão indicados todos os reais maiores que 2.  o extremo 2 está excluído.Exemplos  Vamos analisar. Jorge . agora. 2. representado na reta real. 1035  B Prof.001  B. o intervalo B. B = {x  ℝ / x > 2} Note que: 0  B. 2  B. 2  temos um intervalo aberto de 2 a +.

Operações com intervalos reais Prof. Jorge .

 A  B  A união B: conjunto dos elementos que pertencem a pelo menos um dos conjuntos A ou B. as operações usuais com conjuntos.Operando com intervalos reais  Podemos efetuar. Prof. operações que envolvem intervalos são efetuadas a partir da representação na reta real. com intervalos. Jorge .  A – B  A menos B: conjunto dos elementos que pertencem a A e não pertencem a B.  Na prática.  A  B  A interseção B: conjunto dos elementos comuns a A e B.

obter A  B.  Cálculo de A  B. +[. A  B e A – B. 5] B = ]3. –2 3 3 5 A = ]–2. 5] e B = ]3.+[ 5 A ⋂ B = ]3. 5] Prof.Exemplo  Dado os intervalos A = ]–2. Jorge .

5] e B = ]3. +[. obter A  B.+[ A  B = ]–2. +[ Prof. –2 3 –2 5 A = ]–2. A  B e A – B. 5] B = ]3.  Cálculo de A  B.Exemplo  Dado os intervalos A = ]–2. Jorge .

3] Prof. 5] e B = ]3.Exemplo  Dado os intervalos A = ]–2. A  B e A – B. –2 3 –2 3 5 A = ]–2.+[ A ⋂ B = ]–2. Jorge . +[. 5] B = ]3.  Cálculo de A – B. obter A  B.

x > –1} –5 –1 ½ 2 {x  ℝ. –2 ≤ x ≤ ½} 4 [–7. 2] ]–1. –5 < x ≤ 2} {x  ℝ. x ≥ 3} . +[ [–2.Exemplos  Complete o quadro abaixo.+[ Prof. –7 ≤ x < 4} {x  ℝ. 5] ]–5. ½] –2 –7 3 Representação na reta 5 Subconjunto de ℝ {x  ℝ. x ≤ 5} {x  ℝ. Jorge {x  ℝ. intervalo ]–. 4[ [3.

a) Qual é a amplitude dos intervalos [2. 3] Prof.Exemplos  Chama-se amplitude de um intervalo real limitado e fechado a medida de seu comprimento na reta real. [–5. –1] e [–1. 5] e [–3. 4]? 3e7 b) Sendo a e b reais. Jorge . a distância entre seus extremos. b]? b–a c) Escreva todos os intervalos fechados de amplitude 4. ou ainda. sendo –1 um de seus extremos. qual é a amplitude do intervalo [a. com a < b.

4[ C = [2. de amplitude 1. ] e B = [. aos quais pertença o real  e não pertençam os reais 3 e 4.Exemplos  Escreva dois intervalos A e B. Escreva. Jorge . limitados. também.5 e ao qual pertençam dois números primos. A = ]3. um intervalo limitado C. 3.5] Prof.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful