Você está na página 1de 33

Classe Insecta

Ordem Diptera
Subordem Brachycera Cyclorrapha
Infraordem Muscomorfa
CYCLORRAPHA

Divisão Aschiza Divisão Schzophora

Fam. Syrphidae Seção Seção Pupípara


Gen. Ornidia Acaliptratae Caliptratae Hippoboscidae

Piophilidae Sem cerdas Com cerdas


Chloropidae na hipopleura na hipopleura
Drosophilidae

Com aparelho Sem aparelho Com aparelho


bucal funcional bucal funcional bucal funcional

Faniidae Gasterophilidae Sarcophagidae


Muscidae Cuterebridae Calliphoridae
F. canicularis
Oestridae

Muscinae Stomoxydinae

Musca Stomoxys
M. domestica S. calcitrans
. Haematobia
H. irritans
Holometabólicos
MUSCIDAE
• MUSCINAE • STOMOXIDINAE
– Musca domestica – Stomoxys calcitrans
– Muscina – Haematobia irritans
– Fannia
Musca domestica

Arista

(Forma de bipectinada
Cotovelo)

Quatro faixas negras


no mesonoto ou tórax
Musca domestica (Espiráculos)
Musca domestica - biologia
• A postura é feita 4 dias após a cópula e são depositados 75 a 150
ovos por vez. A incubação é de 24 hs, sendo que em 25 a 35oC- 8 a
12 hs e 23 a 26oC - 3 a 4 dias. A postura é feita nas fezes, que
quando de suinos leva 7 dias para ir de L1 a L3, mas em fezes
humanas leva 2 semanas e em lixo leva 3 semanas.
O período pupal é de 14 a 28 dias, mas no verão leva 4 a 5 dias
A 30oC o tempo de ovo a adulto é de 10 dias e a 16oC é de 46
dias. Além disso, só 10 % dos ovos chegam a adulto, também
devido à temperatura.
A temperatura é fator limitante para a mosca pois o tempo de vida
dos adultos varia de 30 dias no verão e mais do que isso no
inverno.
Musca domestica - importância
1) Transporte forético:
Microorganismos que levam à febre tifóide, disenteria, cólera e
mastite bovina,
Protozoários como Entamoeba, Giardia
helmintos como Taenia sp e Dipylidium.
Veiculadora de D. hominis.
2) Hospedeiro intermediário:
de endoparasitos como Habronema em cavalos e
Raillietina em aves
Stomoxys calcitrans (Dorsal)

Arista
unipectinada

Manchas
claras no
4o e 5o tergito

Quatro faixas negras


no mesonoto ou tórax.
As faixas laterais não
vão até o final do
escudo
Stomoxys calcitrans

Espiráculo respiratório
Stomoxys calcitrans

Anemia,
Veiculadora de ovos de D hominis,
Transmissão mecânica do T. Evansi,
HI dos Habronemas,
Transmissor de anemia infecciosa equina
Irritação no animal que não se alimenta direito
Perda de peso.
Haematobia irritans

IMPORTÂNCIA:
Perda de 40 kg se o animal com 500 moscas
(em torno de 30 dias)
Veiculadora de D. Hominis.
MOSCAS E MIÍASES
Família Importância

Miíase cavitária gástrica


Gasterophilidae
Gasterophilus
Oestridae
Oestrus Miíase cavitária nasal

Cuterebridade Miíase cutânea unitária


Dermatobia hominis Berne
Calliphoridae Miíase cutânea múltipla
C. hominivorax Miíase primária
C. macellaria Miíase secundária
Chrysomya Miíase secundária
Phaenicia Miíase secundária

Sarcophagidae Miíase secundária


IMPORTÂNCIA

Inquietação dos animais

Espoliação dos alimentos do estômago

Obstrução do esfíncter pilórico

Inflamação, lesão e infecção secundária da mucosa gástrica

Irritação do reto e do ânus

Intoxicação pela secreção das larvas

Formação de abcessos

Histiofagia
Gasterophilus
• Espiráculo respiratório
Família Oestridae
Oestrus ovis - espiráculo
VETORES

CULICIDAE – Anopheles, Aedes


ANTHOMYDAE – Fannia
SIMULIIDAE – Simulium
MUSCIDAE – Sarcopromusca, Stomoxys, Neivanyia
CALLPHORIDAE – Cochliomyia
TABANIDAE – Chrysops
TEPHRITIDAE - Ceratitis
Mosca com ovos de Dermatobia hominis

Ovos da
Dermatobia
Larvas de 1o instar de
Dermatobia hominis eclodindo
Larva de Dermatobia hominis
Família Calliphoridae
Gênero Cochliomyia (Bicheira)
C. hominivorax – miíase primária
C. macellaria - miíase secundária
Cochliomyia hominivorax (Dorsal)
Três Faixas negras
no mesonoto ou tórax
Larvas de Cochliomyia hominivorax
Cochliomyia (Espiráculos)

Botão espiracular Peritrema não fechado


ausente

Estígmas respiratórios
tendendo a concavidade
Espiráculos respiratórios de algumas moscas

Musca
Calliphoridae

Sarcophagidae Stomoxys
Sarcophagidae

Três faixas negras


no mesonoto ou tóra

Abdomem
quadriculado
Sarcophagidae
• Espiráculo respiratorio
ESPIRÁCULOS